SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.11 issue2O SUS no Estado do Rio de JaneiroThe health inter-municipal consortiums in the State of Rio de Janeiro author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Physis: Revista de Saúde Coletiva

Print version ISSN 0103-7331On-line version ISSN 1809-4481

Physis vol.11 no.2 Rio de Janeiro July/Dec. 2001

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312001000200003 

As políticas e a gestão de recursos humanos em saúde: 1984 a 1995*

 

Health human resources politics and management: from 1984 to 1995

 

 

Mario Roberto Dal Poz1

 

 


RESUMO

A implantação do Sistema Único de Saúde - SUS, aprovada pela Constituição Federal de 1988, representou uma inovação política cuja característica central é a descentralização. Esta reforma do sistema de saúde vem transferindo aos municípios a missão de gestor único dos serviços de saúde no seu nível, numa inflexão nas normas e práticas até então vigentes.
Este artigo trata das repercussões da reforma do sistema de saúde sobre as políticas de recursos humanos, focalizando o Estado do Rio de Janeiro e o nível municipal. Busca-se explicar algumas de suas insuficiências e contribuir para estabelecer novas bases e modelos para a política e gestão de recursos humanos no SUS.
A pesquisa, que serviu de base ao artigo e à tese de doutorado, foi realizada no Estado do Rio de Janeiro e nos Municípios de Niterói e Angra dos Reis, que estavam enquadrados na categoria de gestão semiplena, segundo a Norma Operacional SUS Ol/93. Utilizando-se metodologia qualitativa foram feitas observações, coleta de documentos e entrevistas com gestores, técnicos e dirigentes de órgãos de representação de interesses dos trabalhadores, en quanto atores privilegiados das políticas e do processo de gestão de recursos humanos. Para a análise foi feito um recorte em torno de duas categorias: objetos do processo de regulação do trabalho e filosofia de gestão. Na primeira categoria foram consideradas como variáveis as definições dos planos de cargos e carreiras, da remuneração e da jornada de trabalho e, para a segunda, a participação na gestão, o processo de negociação e os programas de capacitação.

Palavras-chave: Recursos humanos em saúde; gestão de recursos humanos; regulação do processo de trabalho.


ABSTRACT

The implantation of lhe SUS, approved by the 1988 Federal Constitution, represented a political innovation whose main characteristic is decentralization. This reform of the heallh system gave the municipalities the mission of' being the only manager of heallh system on their levels, in a shift in the rules and practices so far in force.
This study discusses lhe repercussions of the health reform in the field of human health politics, focusing on the state of Rio de Janeiro and its municipalities. It tries to explain some of the its insuf'iciencies and to contribute to improve the establishment of new base and models for the policy and management of human resources within the SUS.
The research was carrid out on the state of Rio de Janeiro and the municipalities of Niterói and Angra dos Reis, which fit the category of "semiplena" rnanagement, according to the Operational SUS Regulation 01/ 93. Employing qualitative methodology, one has carried out observation, analysis of documents and interviews with administrators, technicians and managers of institutions, who represent the worker's interests, as privileged actors of the policies and process of human resources management. The analysis was based on two categories: subjects of the labor regulation and management philosophy. In the first category the variables were: definitions of job and careers plan, remuneration and work shift; in the second one, participation in the management, negotiation process and training programs.

Keywords: Human health resources; human resources management; health work regulation.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

Notas

1 Médico, professor adjunto do Departamento de Planejamento e Administração em Saúde do IMS/UERJ. Doutor em Saúde Pública

 

Referências Bibliográficas

ALMEIDA, C. M., 1993. Reforma sanitária brasileira: um trajeto de mudanças. Rio de Janeiro: DAPS/ENSP/FIOCRUZ. (Série Estudos: Política, Planejamento e Gestão em Saúde, 1).         [ Links ]

BÉLANGER, L., 1989. L'évolution historique de la fonction gestion des ressources humaines. In: Vingt-cinq ans de pratique en relations du travail ou Quebéc (Bloin, R., dir.), pp. 651-667, Montréal: Éditions Yvon Blais.         [ Links ]

BOUTEILLER, D. & GUÉRIN, G., 1989. La philosophie de gestion des ressources humaines: un outil de gestion? Gestion, mai: 20-29.         [ Links ]

CAMPOS, G. W. S., 1992. Reforma da reforma: repensando a saúde. São Paulo: Ed. HUCITEC.         [ Links ]

CUNHA, J. P. P.; MACHADO, J. A. & BRANT, M. J. G. C., 1994. Niterói: relato de experiência. Espaço para a Saúde, 3: 25-29.         [ Links ]

DAL POZ, M. R., 1996. Entre o Prescrito e o Realizado: estudo sobre a implantação do SUS no Estado do Rio de Janeiro e a sua repercussão na Política de Recursos Humanos com Nível Municipal. Tese (Doutorado em Saúde Pública) - ENSPIFIOCRUZ, Rio de Janeiro.         [ Links ]

DAL POZ, M. R. & SANTOS, M. M. P. C. A. (org.), 1990. Seminário de Política de Recursos Huma-nos para o Sistema de Saúde do Estado do Rio de Janeiro: Relatório Final. Rio de Janeiro: SES/RJ. (mimeo).         [ Links ]

DAL POZ, M. R., 1981. Os municípios e a organização dos serviços de saúde no Brasil frente ao processo de urbanização. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: Instituto de Medicina Social, UERJ.         [ Links ]

DAL POZ, M. R., ROMANO, R. A. T.; COMINO, L. B. S. & SILVA., T. c. F., 1992. Sistema de informação de recursos humanos em saúde no Rio de Janeiro: estudo exploratório. Rio de Janeiro: IMS/UERJ. (Série Estudos em Saúde Coletiva, 17).         [ Links ]

ESCOREL, S., 1995. Projeto Montes Claros - palco e bandeira de luta, experiência acumulada no movimento sanitário. In: Projeto Montes Claros: a utopia revisitada (Fleury, S., org.), pp. 129-164, Rio de Janeiro: ABRASCO.         [ Links ]

Jornal do CREMERJ, 1996 (coleção). Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro.         [ Links ]

Jornal do SinMed, 1996 (coleção). Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro.         [ Links ]

NORONHA, J. C., 1989. Municipalização no SUDS-RJ: uma opção radical pela descentralização. Divulgação para Debate em Saúde, Londrina, 1: 3-4.         [ Links ]

REICHENHEIN, M. E. & WERNECK, G. L. 1994. Adoecer e morrer no Brasil dos anos 80: perspectivas de novas abordagens. In: Saúde e sociedade nos anos 80 (Guimarães, R. & Tavares, R., org.), pp. 113 130, Rio de Janeiro: ABRASCO/Dumará         [ Links ].

RIO DE JANEIRO (Estado), Secretaria de Estado de Saúde, 1990. Rio Saúde: relatório de gestão (1987-1989), Rio de Janeiro: SES/RJ.         [ Links ]

RIO DE JANEIRO (Estado), Secretaria de Estado de Saúde, 1996. Seminário Estadual de Recursos Humanos em Saúde: relatório prelimi nar. Rio de Janeiro: SESIRJ. (mimeo).         [ Links ]

VIANA, A. L., 1995. Modelos de intervenção do estado na área da saúde. Rio de Janeiro: IMS/UERJ. (Série Estudos em Saúde Coletiva, 118).         [ Links ]

 

 

Recebido em: janeiro de 2001.
Aprovado em: fevereiro de 2001.

 

 

* Este artigo é um produto da pesquisa e das entrevistas realizadas para a tese de doutorado do autor (DaI Paz, 1996)

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License