SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.56 issue2SPECTRAL REFLECTANCE OF DIABASE AND ARGILITE FROM THE PIRACICABA-SP REGION AND RHYOLITE FROM THE PALMAS-PR REGIONGIBBERELLIC ACID AND THE DEVELOPMENT OF MANDARIN (Citrus reshni hort. ex. Tanaka ) SEEDLINGS author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Scientia Agricola

On-line version ISSN 1678-992X

Sci. agric. vol.56 n.2 Piracicaba  1999

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-90161999000200004 

PATOGENICIDADE DE BEAUVERIA BASSIANA (BALS.) VUILL. AO ÁCARO Tetranychus urticae KOCH

 

Marco Antonio Tamai1*; Sérgio Batista Alves1; Pedro Janeiro Neves2
1Depto. de Entomologia, Fitopatologia e Zoologia Agrícola - ESALQ/USP, C.P. 9 - CEP: 13418-900 - Piracicaba, SP.
2Depto. de Agronomia - UEL, C.P. 6001 - CEP: 86051-970 - Londrina, PR.
* e-mail: maatamai@carpa.ciagri.usp.br
 

 

 

RESUMO: O estudo da patogenicidade de Beauveria bassiana (Bals.) Vuill. ao ácaro Tetranychus urticae Koch foi desenvolvido a 25 ± 2°C, 70 ± 5% UR e 12 horas de fotofase, utilizando-se fêmeas recém-emergidas. Os ácaros foram mantidos durante seis dias em discos de folha de Canavalia ensiformis (L.) DC. inoculadas com B. bassiana, isolado 447, nas concentrações: 5x106, 1x107, 5x107, 1x108, 5x108 e 1x109 conídios/ml. Este isolado mostrou-se patogênico a T. urticae, apresentando aumento nos valores das mortalidades acumuladas (total, corrigida e confirmada) à medida que a suspensão de conídios se tornou mais concentrada. Nas seis concentrações testadas, os valores de mortalidade corrigida ao sexto dia, foram inferiores a 50%, sendo observada apenas na concentração de 1x109 conídios/ml, mortalidade total superior a 50%.
Palavras-chave: Tetranychus urticae, Beauveria bassiana, controle biológico

 

PATHOGENICITY OF BEAUVERIA BASSIANA (BALS.) VUILL. AGAINST Tetranychus urticae KOCH

ABSTRACT: The pathogenicity of Beauveria bassiana (Bals.) Vuill. for Tetranychus urticae Koch was studied at 25 ± 2oC, 70 ± 5% RH and 12 h photophase, using recently emerged females. Mites were maintained for 6 days on leaf disks of Canavalia ensiformis (L.) DC. inoculated with B. bassiana, isolate 447, at concentrations of 5x106, 1x107, 5x107, 1x108, 5x108 and 1x109 conidia/ml. Progressively higher values of accumulated mortality (total, corrected and confirmed) were observed with increasing concentrations of conidia. At all concentrations, corrected mortality was lower than 50% on the sixth day. Total mortality higher than 50% was observed only at concentration of 1x109 conidia/ml.
Key words: Tetranychus urticae, Beauveria bassiana, biological control

 

 

INTRODUÇÃO

Os ácaros são responsáveis por grandes prejuízos em lavouras de diferentes culturas. O controle desses artrópodos é feito principalmente pela aplicação de acaricidas químicos, que nem sempre reduzem suas populações a níveis economicamente aceitáveis, podendo ser responsáveis por problemas relacionados com a contaminação ambiental, resistência e eliminação de inimigos naturais.

O controle biológico é uma alternativa importante para o controle de ácaros fitófagos, quer seja pelo uso de predadores ou entomopatógenos. Alguns patógenos de ácaros tetraniquídeos têm sido identificados em condições naturais, sendo em sua maioria vírus e fungos. Os vírus são observados em espécies do gênero Panonychus, entretanto não têm sido relatados, até o momento, em outros gêneros (Muma, 1955; Smith et al., 1959; Reed & Hall, 1972). Os fungos são os patógenos mais freqüentemente encontrados em populações de ácaros, contribuindo para o seu controle em diferentes culturas. Basicamente, os estudos para a utilização destes patógenos estão restritos, a Hirsutella thompsonii e a várias espécies pertencentes à ordem Entomophthorales. H. thompsonii vem sendo observado em muitas partes do mundo, atacando principalmente espécies pertencentes à família Eriophyidae (Speare & Yothers, 1924; Hall et al., 1980; Sosa-Gómez & Nasca, 1983; Cabrera et al., 1987). Algumas espécies pertencentes à família Tetranychidae são descritas como suscetíveis a esse patógeno. Entretanto, ao contrário do que ocorre com espécies de eriofiídeos, não é comum a ocorrência de epizootias em condições de campo, mas basicamente constatações em bioensaios de laboratório (Gerson et al., 1979; Gardner et al., 1982). Fungos da ordem Entomophthorales aparecem como importantes patógenos de ácaros tetraniquídeos em todo o mundo, sendo descritas diversas espécies suscetíveis pertencentes aos gêneros Eotetranychus, Eutetranychus, Mononychellus, Oligonychus, Panonychus e Tetranychus (Fisher, 1951; Selhime & Muma, 1966; Carner & Canerday, 1968; Nemoto & Aoki, 1975; Delalibera Júnior et al., 1992). Seu potencial para o uso em programas de controle biológico ainda não foi adequadamente avaliado.

Outra espécie de fungo com possibilidade de utilização para o controle de ácaros é Beauveria bassiana (Bals.) Vuill., patógeno muito utilizado como inseticida biológico em algumas regiões do mundo. Trabalhos conduzidos por Dresner (1949) e Neves et al. (1997) demonstraram a possibilidade da sua utilização no controle de ácaros tetraniquídeos. O objetivo principal desta pesquisa foi avaliar o isolado 447 do fungo B. bassiana, para o controle de T. urticae.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Os testes foram conduzidos em câmara B.O.D. a 25 ± 2°C, 70 ± 5% UR e 12 horas de fotofase. Foram utilizadas fêmeas adultas recém-emergidas do ácaro T. urticae, multiplicado em condições de laboratório sobre plantas de feijão-de-porco, Canavalia ensiformis (L.) DC. (Dicotiledonea: Fabaceae). O patógeno utilizado foi o isolado 447 do fungo B. bassiana, obtido de Solenopsis invicta (Hymenoptera: Formicidae), e que se encontra armazenado no Banco de Patógenos do Laboratório de Patologia e Controle Microbiano de Insetos, do Departamento de Entomologia da ESALQ/USP, em freezer a 12°C negativo na forma de conídios puros.

Inicialmente, foram preparados discos de folha de C. ensiformis de 2,5 cm de diâmetro, usando-se um vazador circular de metal e folhas tenras e bem desenvolvidas de plantas com 15 a 20 dias de idade. Os discos, foram então inoculados com o patógeno por meio de imersão em 10 ml de suspensão do fungo, por 30 segundos, em diferentes concentrações. As suspensões, foram preparadas com conídios do patógeno mais água destilada e espalhante adesivo (Tween 40Ò) a 0,1%. Após a inoculação, 12 discos foram transferidos para dentro de uma placa de Petri de 15 cm de diâmetro, contendo duas camadas de papel de filtro circular sobre uma espuma de polietileno umedecida. Os discos foram colocados com sua face abaxial voltada para o papel de filtro. Em seguida, a placa de Petri foi colocada em câmara de fluxo laminar, por aproximadamente uma hora, para secagem da suspensão de conídios presente na face adaxial do disco. Cada disco foi então infestado com 15 fêmeas de T. urticae, sendo após doze horas, retirados os ácaros mortos e o excedente, de forma a deixar apenas 10 ácaros por disco. A placa foi mantida aberta dentro da B.O.D. e os discos não foram trocados durante todo o período de observação. A espuma de polietileno foi mantida permanentemente umedecida, permitindo a conservação dos discos de folha.

As concentrações utilizadas foram 5x106, 1x107, 5x107, 1x108, 5x108 e 1x109 conídios/ml. O teste com cada concentração foi constituído por uma placa de Petri, sendo cada disco uma repetição, totalizando-se assim doze repetições/tratamento.

As avaliações foram realizadas uma vez ao dia, anotando-se as mortalidades diárias (total, confirmada e corrigida) em cada disco da placa. A mortalidade corrigida foi calculada pela formula de Abbott (1925), enquanto que a mortalidade total e confirmada corresponderam a porcentagem de ácaros mortos e esporulados de cada tratamento, respectivamente. Para a confirmação da morte pelo patógeno, os ácaros mortos foram lavados em álcool 70%, por 5 minutos, e posteriormente colocados em câmara úmida. A câmara úmida consistiu em uma caixa plástica hermética, com espuma umedecida no fundo.

No segundo e quarto dia após a infestação, foram retirados os ovos e teias produzidas pelos ácaros, através de um pincel de poucos pêlos, assegurando-se assim, um ambiente mais favorável aos ácaros.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

O isolado 447 de B. bassiana mostrou-se patogênico ao ácaro T. urticae, apresentando aumento nos valores de mortalidade acumulada (total, corrigida e confirmada) à medida que a suspensão de conídios utilizada, se tornou mais concentrada (TABELA 1). Em nenhuma das concentrações testadas, houve mortalidade de ácaros até o segundo dia após o contato com os conídios.

 

n2a04t1.gif (10404 bytes)

 

Nas seis concentrações utilizadas, os valores de mortalidade corrigida ao sexto dia foram inferiores a 50%, sendo observada apenas na concentração de 1x109 conídios/ml, mortalidade total superior a 50%. Nas duas concentrações menores, 5x106 e 1x107 conídios/ml, as mortalidades total e corrigida no mesmo período, não alcançaram 10 e 2%, respectivamente, correspondendo a uma mortalidade inferior a 1 ácaro/disco de folha. Quando foram utilizadas as concentrações de 5x107 e 1x108 conídios/ml, os valores de mortalidade corrigida e confirmada foram muito semelhantes entre si, sendo de aproximadamente 20 e 15%, ao sexto dia, respectivamente (TABELA 1).

Nas duas maiores concentrações, 5x108 e 1x109 conídios/ml, os valores de mortalidade corrigida e confirmada ao sexto dia foram de aproximadamente 34 e 48%, e de 23 e 28%, respectivamente. Estes valores indicam uma diferença considerável entre os tratamentos quanto à mortalidade corrigida, entretanto, foram menores quando se faz a comparação entre os valores de mortalidade confirmada (TABELA 1). Isto ocorreu, porque poucos ácaros mortos confirmaram a mortalidade pelo fungo ao terceiro dia após o contato com os conídios, momento em que houve o primeiro pico de mortalidade na concentração de 1x109 conídios/ml de suspensão.

Para todos os tratamentos, o que se observou foi uma baixa patogenicidade do isolado 447 de B. bassiana para fêmeas recém-emergidas de T. urticae, mesmo em concentrações muito elevadas, como 1x109 conídios/ml. Esta concentração apresenta limitações práticas para a sua utilização, como a dificuldade de homogeneização dos conídios na suspensão, devido à elevada quantidade de conídios necessária para sua preparação. Por outro lado, nas concentrações de 5x107 e 1x108 conídios/ml, a eficiência foi muito baixa, não superando 15 e 30% de mortalidade confirmada e total, respectivamente, aos seis dias após a inoculação (TABELA 1).

No desenvolvimento de um programa de controle microbiano de pragas, é de fundamental importância, a utilização de linhagens e/ou isolados apropriados do agente biológico. Para isso, é importante contar com um banco de isolados devidamente preservados e com variabilidade genética comprovada, para então, iniciar o programa a partir da seleção dos materiais mais promissores.

A variabilidade genética entre isolados de uma mesma espécie de fungo é amplamente relatada na literatura. Muitos dos trabalhos conduzidos para espécies de interesse entomológico foram feitos com Metarhizium anisopliae (Metsch.) Sorokin e B. bassiana, em muitos casos, como testes iniciais visando à utilização em programas de controle microbiano.

Os resultados deste trabalho mostraram que apesar de patogênico, o isolado 447 de B. bassiana não é eficiente para o controle de T. urticae. Assim, faz se necessário avaliar outros isolados de B. bassiana quanto a sua patogenicidade para T. urticae, como parte de um amplo trabalho que visa selecionar isolados promissores deste fungo, com qualidades que lhes permita futuramente serem utilizados como micoacaricidas.

 

CONCLUSÃO

O isolado 447 de Beauveria bassiana é pouco patogênico para fêmeas recém emergidas de Tetranychus urticae.

 

AGRADECIMENTOS

Agradecemos à FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos).

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABBOTT, W.S. A method of computing the effectiveness of an insecticide. Journal of Economic Entomology, v.18, p.265-267, 1925.         [ Links ]

CABRERA, R.I.; CACERES, I.; DOMINGUEZ, D. Estudio de dos especies de Hirsutella y sus hospedantes en el cultivo de la guayaba Psidium guajava. Agrotecnia de Cuba, v.19, n.1, p. 29-34, 1987.         [ Links ]

CARNER, G.R.; CANERDAY, T.D. Field and laboratory investigations with Entomophthora fresenii, a pathogen of Tetranychus spp. Journal of Economic Entomology, v.61, n.4, p.956-959, 1968.         [ Links ]

DELALIBERA JÚNIOR, I.; SOSA-GÓMEZ; D.R.; MORAES, G.J. Infection of Mononychellus tanajoa (Acari: Tetranychidae) by the fungus Neozygites sp. (Entomophthorales) in northeastern Brazil. Florida Entomologist, v.75, n.1, p.145-147, 1992.         [ Links ]

DRESNER, E. Culture and use of entomogenous fungi for the control of insect pests. Contributions from Boyce Thompson Institute, v.15, p.319-335, 1949.         [ Links ]

FISHER, F.E. An Entomophthora attacking citrus red mite. Florida Entomologist, v.34, n.3, p.83-88, 1951.         [ Links ]

GARDNER, W.A.; OETTING, R.D.; STOREY, G.K. Susceptibility of the two-spotted spider mite, Tetranychus urticae Koch, to the fungal pathogen Hirsutella thompsonii Fisher. Florida Entomologist, v.65, n.4, p. 458-465, 1982.         [ Links ]

GERSON, U.; KENNETH, R.; MUTTATH, T.I. Hirsutella thompsonii, a fungal pathogen of mites: II. Host-pathogen interactions. Annals of Applied Biology, v.91, n.1, p.29-40, 1979.         [ Links ]

HALL, R.A.; HUSSEY, N.W.; MARIAU, D. Results of a survey of biological control agents of the coconut mite Eriophyes guerreronis. Oléagineux, v.35, n.8/9, p.395-398, 1980.         [ Links ]

MUMA, M.H. Factors contributing to the natural control of citrus insects and mites in Florida. Journal of Economic Entomology, v.48, n.4, p.432-438, 1955.         [ Links ]

NEMOTO, H.; AOKI, J. Entomophthora floridana (Entomophthorales: Entomophthoraceae) attacking the sugi spider mite, Oligonychus hondoensis (Acarina: Tetranychidae), in Japan. Applied Entomology Zoology, v.10, n.2, p.90-95, 1975.         [ Links ]

NEVES, P.J.; TAMAI, M.A.; ALVES, S.B. Processo de infecção e reprodução de Beauveria bassiana em Tetranychus urticae (Koch) (Acari, Tetranychidae). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA, 16., ENCONTRO NACIONAL DE FITOSSANITARISTAS, 7., Salvador, 1997. Anais. Salvador, 1997. p.138-139.         [ Links ]

REED, D.K.; HALL, I.M. Electron microscopy of a rod-shaped non-inclusion virus infecting the citrus red mite. Journal of Invertebrate Pathology, v.20, n.3, p.272-278, 1972.         [ Links ]

SELHIME, A.G.; MUMA, M.H. Biology of Entomophthora floridana attacking Eutetranychus banksi. Florida Entomologist, v.49, n.3, p.161-168, 1966.         [ Links ]

SMITH, K.M.; HILLS, G.J.; MUNGER, F.; GILMORE, J.E. A suspected virus disease of the citrus red mite Panonychus citri (McG.). Nature, v.184, p.70, 1959.         [ Links ]

SOSA-GÓMEZ, D.R.; NASCA, A.J. Primera cita del hongo patógeno de ácaros, Hirsutella thompsonii (Fisher, 1950) para la República Argentina. CIRPON - Revista de Investigacíon, v.1, n.3, p.137-141, 1983.         [ Links ]

SPEARE, A.T.; YOTHERS, W.W. Is there an entomogenous fungus attacking the citrus rust mite in Florida? Science, v.11, p.41-42, 1924.         [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 24.11.97
Aceito para publicação em 26.01.99

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License