SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 issue3Bio-genetics and gender in the construction of the paternity intentionality: ADN testing in the judicial investigations of paternity"Adiós soccer, here comes fútbol!": transnationalization of the Mexican sports communities in the U.S. author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Estudos Feministas

Print version ISSN 0104-026X

Rev. Estud. Fem. vol.19 no.3 Florianópolis Sept./Dec. 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2011000300010 

SEÇÃO TEMÁTICA

 

A construção dos corpos no esporte

 

 

Alexandre Fernandez Vaz

Universidade Federal de Santa Catarina

 

 

O esporte é uma prática social das mais importantes da vida contemporânea, tema de estudo de várias áreas de conhecimento e, não raro, de abordagens interdisciplinares. Remonta a um dos momentos mais significativos da experiência moderna, a primeira metade do século XIX. Sua institucionalização, regras e formas de realização correspondem, em grande medida, à urbanização, à racionalização, a uma vida de desfrute nas grandes cidades, tornando-se, paulatinamente, de prática e espetáculo restrito às elites, a elemento cultural cada vez mais popular. O século seguinte teve no esporte uma de suas marcas centrais, e no tempo presente sua importância social está absolutamente fora de suspeição.

Seja em sua dimensão de espetáculo, como prática ou consumo, nas atividades escolares e de lazer, seja como profissão de homens e mulheres em todo o mundo, o esporte aparece como um tema contemporâneo e como uma das formas privilegiadas de organização dos usos do corpo, de aplicação de técnicas sobre ele, de tomá-lo como experiência e instrumento para viver o presente, as memórias, os desejos.

Por constituir-se em prática altamente organizada e especializada - tanto no que diz respeito às suas regras e normatizações quanto ao intenso processo de treinamento (o que permite o alcance de elevadas performances técnicas e estéticas, mas também provoca, com frequência e nesse mesmo registro, as dores e mesmo o dilaceramento corporal) -, o esporte, tradicionalmente, tende a ser um espaço de pouca transgressão, relacionando-se, de forma geral, com o mundo masculino e patriarcal ao exaltar elementos como virilidade, sexismo, desempenho, excesso. Entretanto, não se pode esquecer que as práticas esportivas, por serem fundamentalmente experiências corporais - e, portanto, atravessadas pela linguagem e pela cultura -, são expressão de identidades cada vez menos fixas, acompanhando e simultaneamente determinando as negociações em torno dos discursos de gênero, de nacionalidades, étnicos, geracionais, entre tantos outros. Assim, o esporte não está isento das práticas e dos discursos generificantes, como nos embates sobre a participação das mulheres nas diversas modalidades esportivas, na afirmação de diferentes masculinidades nas competições ou mesmo na prática regular das atividadaes, no trânsito e na presença de sexualidades tidas como desviantes. Tudo isso ganha forma e espaço no esporte, assim como acontece em outras práticas nas quais o corpo e suas expressões, como performance, ganham protagonismo. Construir o corpo nesses espaços é dar sentido e moldura a demandas pulsionais de nosso tempo, a desejos que ganham forma nessas práticas de corpos delgados ou volumosos, delicados e/ou velozes, habilidosos, criativos, disciplinados, generificados.

De certa forma, não é exagero afirmar que o modelo esportivo (com sua tecnologia, desempenho, potência, exigência por autocontrole, enfim, seus modelos de super-homens e supermulheres) acaba por oferecer forma e conteúdo às diferentes esferas da vida, assim como outras práticas corporais (que na origem não são esportivas), num processo de esportivização social. Nesse sentido, é preciso pensar o esporte como importante vetor de identidades a partir das relações que estabelece entre conformações corporais e subjetivas. Seu alcance não se esgota naqueles que o praticam, mas atinge aqueles que o apreciam e o consomem.

Os artigos que compõem esta seção temática são resultado do esforço de alguns pesquisadores da área das ciências humanas que se dedicam a estudar esporte e melhor entender como se coloca a problemática de gênero em práticas esportivas. São sete artigos que, sob diferentes perspectivas teóricas e disciplinares, se dedicam à questão.

O primeiro deles, de Ingrid Kummels, pesquisadora do Instituto de Estudos Latino-Americanos da Universidade Livre de Berlim, ocupa-se do tema da transnacionalização do futebol. Ao enfocar o futebol no trânsito latino-americano em terras estadunidenses, a autora faz cruzar a afirmação estilística com os dispositivos de gênero.

O segundo e o terceiro artigos têm foco nas lutas, em dois registros. No primeiro deles, Édison Luis Gastaldo e Adriana Andrade Braga, do Rio de Janeiro, analisam técnicas corporais que sustentam identidades masculinas. O artigo de Fabiana Cristina Turelli e Alexandre Fernandez Vaz, de Santa Catarina, dedica-se aos impasses suscitados pela pesquisa de um campo ao qual antes já pertencia, tomando como tema um dojo de caratê e algumas das relações de gênero ali desenvolvidas.

O trabalho a seguir é obra de Cláudia Maria de Farias, outra vez do Rio de Janeiro, um estudo sobre gênero, esporte, etnia e classe, na construção da trajetória e da memória de duas destacadas atletas brasileiras de décadas passadas, Eliane Pereira de Souza e Aída dos Santos.

Miriam Adelman, do Paraná, contribui para este número com um artigo sobre mulheres no mundo equestre, resultado de duas pesquisas por ela realizadas, a primeira com praticantes de hipismo clássico e a segunda com jovens de origem popular que batalham por espaço no turfe. Novas formas subjetivas são, nesses embates corporais, encontradas.

O penúltimo artigo desta seção temática é de autoria de Angelita Alice Jaeger e Silvana Vilodre Goellner, do Rio Grande do Sul. Potência muscular a desafiar as representações normatizadas da feminilidade é seu tema; com isso, desdobram-se novas formas de investimento corporal que colocam sob risco as representações binárias de gênero.

O artigo que fecha a seção temática também vem de Santa Catarina, de autoria de Wagner Xavier de Camargo e Carmen Silvia Moraes Rial. Ressemantizando a noção de gueto forjada na Escola de Chicago, o artigo recoloca-a no contexto de competições mundiais voltadas para seguimento LGBT. Com isso, analisa performances em espaços que são simultaneamente territorializados e desterritorializados, pensando em novas formas de desejo vinculadas ao esporte.

Esta seção temática se alia, assim, ao esforço de pesquisa realizado por pesquisadores/as que têm se dedicado aos estudos sobre o esporte no campo do gênero.

Boa leitura!

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License