SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 issue4The ISO 18.104: 2003 as Integrative Model of Nursing TerminologiesDermatological Toxicity in Women With Breast Cancer Undergoing Chemotherapy Treatment author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Latino-Americana de Enfermagem

Print version ISSN 0104-1169

Rev. Latino-Am. Enfermagem vol.18 no.4 Ribeirão Preto July/Aug. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692010000400003 

ARTIGO ORIGINAL

 

Condutas de autocuidado e indicadores de saúde em adultos com diabetes tipo 21

 

 

Lidia Guadalupe Compeán OrtizI; Esther Carlota Gallegos CabrialesII; José Gerardo González GonzálezIII; Marco Vinicio Gómez MezaIV

IDoutor em Ciências da Enfermagem, Professor-Pesquisador, Facultad de Enfermería, Campus Tampico, Universidad Autónoma de Tamaulipas, México. E-mail: lcompean@uat.edu.mx
IIDoutor em Filosofia da Enfermagem, Professor-Pesquisador, Facultad de Enfermería, Universidad Autónoma de Nuevo León, México. E-mail: egallego@fe.uanl.mx
IIIMédico Endocrinologista, Doutor em Medicina, Hospital Universitario "Dr. José Eleuterio González", Universidad Autónoma de Nuevo León, México. E-mail: gergonz@hotmail.com
IVProfessor-Pesquisador, Facultad de Economía Centro de Estadística, Universidad Autónoma de Nuevo León, México. E-mail: marcogvmeza@hotmail.com

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Estudo descritivo correlacional que teve como objetivo analisar as condutas de autocuidado e a sua relação com indicadores de saúde, representados pelo controle glicêmico, perfil de lipídios, índice de massa corpórea (IMC), circunferência da cintura e porcentagem de gordura corporal, em amostra aleatória de 98 adultos com diabetes tipo 2, de uma zona conturbada em Nuevo León, México (agosto 2005/maio 2006). Os resultados mostraram índice de autocuidado baixo (=36,94, dp=15,14). Encontrou-se correlação significativa entre o autocuidado e a hemoglobina glicolisada (HbA1c) (rs= -0,379, p<0,001), triglicerídeos (rs= -0,208, p=0,040), IMC (rs= -0,248, p=0,014) e gordura corporal (rs= -0,221, p=0,029). A análise multivariada revelou influência do autocuidado em HbA1c, IMC e gordura corporal com variâncias explicadas de 9 a 41% (p<0,05). Das dimensões do autocuidado, a dieta foi o principal fator de predição moderado pelo gênero e a compreensão dos conceitos sobre o diabetes (p<0,05).

Descritores: Autocuidado; Indicadores Basicos de Saúde; Diabetes Mellitus Tipo 2.


 

 

Introdução

Diabetes mellitus é uma das doenças crônicas mais comuns na atualidade. É considerada problema de saúde pública em nível mundial. Projeta-se que o número total de pessoas com essa doença poderia ascender de 171 milhões estimados em 2000, até 366 milhões para o ano 2030(1). No México, tem-se observado tendência crescente na prevalência, agora com taxas mais altas que os das outras doenças transmissíveis que eram mais prevalentes até três décadas atrás. O diabetes é a primeira causa de mortalidade geral, a segunda causa da perda de anos de vida saudável pelas mulheres e a sexta pelos homens, e a doença que consume o maior gasto público. Atualmente, mais de 5 milhões de adultos, com idade maior que 20 anos, padecem dessa doença no país(2).

A forma mais frequente é o diabetes tipo 2 (DMT2) em 90-95% dos casos, e seu início, com poucos anos de idade, expõe os portadores a um período mais longo de possível hiperglicemia e, com isso, a maior risco de complicações crônicas. A longo prazo, a hiperglicemia pode produzir retinopatias, neuropatias, cardiopatias; assim, o controle glicêmico é o objetivo principal do tratamento, e esse inclui a glicose sanguínea em jejum, a hemoglobina glicolisada (HbA1c), colesterol e triglicerídeos(3).

Desses marcadores, a HbA1c é o indicador que se relaciona melhor com o risco de complicações futuras, situação que tem sido evidenciada por alguns estudos, mostrando que porcentagens menores que 7% estariam associados a menor número de complicações microvasculares(4). A glicose sanguínea permite ter a medição do nível no momento da medição, porém, ela sozinha não é capaz de garantir o controle glicêmico adequado do paciente, principalmente se só é realizada de vez em quando. Indicadores como o colesterol, triglicerídeos e lipoproteínas têm importância nas pessoas com diabetes, pela associação ao maior risco de doenças cardiovasculares e que, junto com a presença de obesidade e hipertensão arterial, podem favorecer o desenvolvimento de resistência à insulina e síndrome metabólica(5).

Para obter controle glicêmico adequado, a pessoa deve manter o balanço correto entre os diferentes elementos do tratamento integral como a alimentação, exercício, medicamentos, monitoramento de glicose e educação contínua. As condutas de autocuidado (AC) são essenciais nas pessoas que têm DMT2 para manter e melhorar a sua saúde, porém, representam desafio para o indivíduo que a sofre e para o profissional da saúde.

Diversas pesquisas têm destacado a importância do autocuidado(6-8), porém, a prevalência do diabetes segue em aumento e isso se vê refletido nas estatísticas. No México, mesmo quando a prevalência é mais alta nas pessoas com mais de 60 anos de idade, proporção importante dos casos inicia a doença antes dos 40 anos, o que representa implicações consideráveis: maior tempo com a doença expõe a períodos mais longos de hiperglicemias e isso favorece o início, ou intensificação, das complicações, as quais afetam a qualidade de vida das pessoas e podem levá-los à morte. Com a finalidade de apoiar o cuidado da pessoa com diabetes mellitus e identificar alguns fatores relacionados, realizou-se a presente pesquisa, na procura por definir as condutas de autocuidado como as atividades que a pessoa com diabetes leva a cabo para cuidar da sua saúde na alimentação, exercício, monitoramento e medicamentos.

 

Objetivos

Como exposto, no presente estudo foram planejados como objetivos: analisar as condutas de autocuidado (dieta, exercício, monitoramento e medicamentos) e a sua relação com indicadores de saúde como HbA1c, colesterol, triglicerídeos, IMC, circunferência de cintura e porcentagem de gordura corporal; descrever a influência da idade, escolaridade, gênero e educação/compreensão prévia da diabetes no autocuidado e indicadores de saúde e determinar diferenças de condutas de autocuidado, de acordo com o gênero, idade, escolaridade e ocupação.

 

Métodos

O desenho do estudo foi descritivo e correlacional e se realizou de agosto de 2005 a maio de 2006. A população consistiu de pacientes com diabetes tipo 2, registrados numa clínica de primeiro nível de atenção, num bairro da cidade de Nuevo León, no México. Utilizou-se amostra aleatória simples e se determinou amostra de 98 participantes com o programa n–Query advisor 4.0, com um nível de confiança de 95% e potência de 0,80. Consideraram-se como critérios de inclusão ter diabetes tipo 2, idade de 30 a 55 anos e saber ler e escrever e, como exclusão, a presença de deterioração cognitiva, transtorno psiquiátrico e depressão severa.

Do listado geral de pacientes registrados, foram selecionados aleatoriamente os participantes, aqueles que foram contatados por telefone, ou em seu domicilio, para a realização de uma primeira entrevista na clínica, onde se avaliaram os critérios de inclusão e exclusão. Para esse efeito, utilizou-se um prontuário de dados que incluiu: a) dados sociodemográficos e b) antecedentes clínicos, os quais corroboraram o expediente clínico.

A deterioração cognitiva foi detectada através do Exame Breve do Estado Mental, que avalia o estado cognitivo em áreas como orientação no tempo e lugar, atenção, concentração, memória e linguagem. A pontuação global varia de 0 a 30. O ponto de corte utilizado foi de 23 ou mais pontos para incluí-los no estudo. Descartou-se, também, a depressão severa, utilizando o Inventário de Depressão de Beck, o qual consta de 21 perguntas. Cada item tem valor máximo de 3 pontos. Na pontuação total, um valor de 9 ou menos é considerado como normal, de 10-20 depressão leve, de 21-30 moderada e de 31 a 63 depressão severa. Excluíram-se os participantes que apresentaram depressão severa, remetendo-os ao Departamento de Psicologia da Instituição de Saúde. Ambos os instrumentos foram validados para a população mexicana(9-10). Aos pacientes que não reuniram o perfil foi proporcionada orientação educativa em diabetes, agradecendo a participação. Aqueles que reuniram o perfil foram convidados formalmente a participar do estudo, através do consentimento informado.

Realizaram-se medições antropométricas como altura, peso, porcentagem de gordura corporal e circunferência de cintura, utilizando-se instrumentos adequados, com base nos critérios da Organização Mundial da Saúde para sobrepeso e obesidade(11). Aplicou-se o Questionário de Ações de Autocuidado(12), o qual está fundamentado em elementos típicos do tratamento para o diabetes na alimentação, exercício, monitoramento de glicose e medicamentos. Consta de 12 perguntas de atividades levadas a cabo durante os sete dias prévios à entrevista. A versão em espanhol foi submetida à avaliação de aparência e conteúdo por profissionais da área, e submetida à validação em estudo piloto. As pontuações desse instrumento foram transformados para índices de 0 a 100, onde as pontuações mais altas refletem melhor o autocuidado. Utilizou-se, ademais, as dimensões de educação e compreensão do Questionário de Perfil da Diabetes(13), as quais compreendem 16 perguntas relacionados à educação recebida em diabetes e a compreensão da mesma. Índices mais altos refletem melhor educação/compreensão. Esse instrumento foi submetido, também, à avaliação pertinente.

Determinaram-se níveis de HbA1c, colesterol e triglicerídeos. Para os valores de HbA1c, considerou-se como ponto de corte aceitável <7,0%(14). Para o perfil de lipídeos, foram considerados os valores ótimos: colesterol total <200mg/dl e triglicerídeos <150mg/dl(15). Esta pesquisa se realizou de acordo com o Regulamento da Lei Geral de Saúde em matéria de pesquisa(16), no México, e foi autorizada pela Comissão de Ética e Investigação da Instituição de Saúde e pela Faculdade de Enfermagem da Universidade Autônoma de Nuevo León.

Os dados foram processados e analisados no programa estatístico SPSS, versão 15, através de estatística descritiva e inferencial. Aplicaram-se frequências, proporções, medidas de tendência central e de variabilidade. Previamente à análise inferencial, foi aplicada a prova de normalidade de Kolmogorov-Smirnov e, com base no resultado, decidiu-se utilizar estatística não-paramétrica. Para o primeiro objetivo, utilizou-se a prova de correlação de Spearman, para o segundo, a análise multivariada, e se empregou as provas de U de Mann-Whitney e Kruskal-Wallis para o terceiro objetivo.

 

Resultados

As mulheres representaram 74,5% dentre os participantes. A idade média da amostra foi de 47 (dp=5,41) e escolaridade de 7,9 (dp=3,38). A ocupação que mais prevaleceu foram de donas de casa com 48%, seguida de empregados em empresas privadas (24,5%) e setor informal (10,2%). A média de educação prévia em diabetes foi de 84,95 (dp=19,90) e de compreensão 60,73 (dp=18,46). O autocuidado global foi baixo (X=36,94, dp=15,14), os resultados, por dimensão, estão apresentados na Tabela 1.

 

 

Dos indicadores de saúde, em todos (exceto o colesterol) os participantes mostraram níveis fora de intervalos normais em mais de 60%. Na Tabela 2, são mostradas as frequências e porcentagens por classificação.

 

 

Para dar resposta ao primeiro objetivo, foram realizadas correlações de Spearman entre o autocuidado global e os indicadores de saúde. Encontrou-se que, no melhor autocuidado, houve níveis mais baixos de HbA1c (rs= -0,379, p<0,001), o que se traduz em melhor controle glicêmico. Assim mesmo, observou-se relação negativa significativa entre o autocuidado e os níveis de triglicerídeos (rs= -0,208, p=0,040), autocuidado e gordura corporal (rs= -0,221, p=0,029), e autocuidado e IMC (rs= -0,248, p=0,014). Realizou-se essa análise pela dimensão do autocuidado (ver Tabela 3), destacando-se a relação da dimensão dieta com vários indicadores de saúde.

A respeito do segundo objetivo, ajustou-se um modelo linear geral multivariado, onde foram incluídos os indicadores de saúde (HbA1c, colesterol, triglicerídeos, cintura, gordura corporal e IMC) como variáveis resultado e o autocuidado geral como variáveis independentes moderadas pela idade, escolaridade, gênero e educação/compreensão em diabetes. Utilizando o método backward, o melhor modelo de predição revelou que só o gênero (p<0,05) moderou a relação entre o autocuidado e os indicadores de saúde. Anteriormente ao modelo (análise intrassujeitos), a influência significativa (p<0,05) se observou só nos indicadores de HbA1c, IMC e a gordura corporal com explicações de variâncias de 9 a 41%. Ajustou-se outro modelo multivariado, porém, incluindo as quatro dimensões do autocuidado como variáveis independentes (dieta, exercício, monitoramento e medicamentos) e os indicadores de saúde como variáveis dependentes. Através do método backward, o modelo de melhor predição incluiu somente a dimensão dieta como fator de predição dos indicadores de saúde (p<0,05) moderada pelo gênero (p<0,001) e a compreensão prévia em diabetes (p=0,04). No modelo, a variância explicada mais alta foi para o indicador gordura corporal (R2=0,43).

Em relação ao terceiro objetivo que estabeleceu a determinação de diferenças de autocuidado, de acordo com gênero, idade, escolaridade e ocupação, só se encontraram diferenças significativas no exercício e de acordo com o gênero (U=552, p=0,003). Os homens realizavam mais exercício (Mdn=27,78) que as mulheres (Mdn=11,11).

 

Discussão

Em relação ao autocuidado, o índice geral obtido nessa população foi baixo, e está de acordo com outras pesquisas realizadas(6-7), porém, outros autores têm informado médias mais altas de autocuidado(17). Uma possível explicação da diferença poderia ser o origem das amostras estudadas e as diversas metodologias de cada um dos estudos. Observou-se melhor nível de ações nos medicamentos se comparados com a dieta, exercício e monitoramento. Esse achado é congruente com aqueles que outros autores têm informado, referentes ao consumo de medicamentos(18).

O nível alto encontrado somente numa dimensão do autocuidado é consistente com a literatura, quando sugere que esse tende a diminuir de acordo com a complexidade do regime terapêutico, atividades como a dieta são mais difíceis de manter porque podem ser influenciadas por complexa interação de processos, incluindo condicionamento, costumes e cultura(19), enquanto que para tomar medicamentos o paciente encontra menos dificuldade. Os baixos níveis de autocuidado em dieta e exercício encontrados neste estudo são congruentes com a alta prevalência de obesidade e sobrepeso observados, maior que nos últimos levantamentos realizados no México(20), porém consistente com outros autores(8).

Um dos principais resultados deste estudo foi a relação do autocuidado com o controle glicêmico (representado pela HbA1c), observado nas correlações e, posteriormente, na análise multivariada moderada pelo gênero. Apesar de a relação ter sido modesta, esse achado é congruente com outros estudos(17,21), quando reportaram que melhor autocuidado é predito por melhor controle glicêmico (baixa HbA1c). Porém, é necessário reconhecer que esses autores não mencionam que essa relação tem sido moderada pelo gênero.

Dentre as dimensões do autocuidado, a dieta foi a que mais se relacionou com os indicadores de saúde (moderada pelo gênero e a compreensão prévia em diabetes). Esse achado é muito relevante já que coincide com a ênfase que se dá às intervenções multidisciplinares(14), baseadas em conteúdos educativos que enfocam principalmente estilos de vida na alimentação e exercício, para obter melhor controle glicêmico. A educação é um processo chave para favorecer a modificação de condutas não saudáveis e obter melhor controle da doença(22-25).

Em relação ao autocuidado, relacionado ao gênero, os homens manifestaram se exercitar mais do que as mulheres. Uma explicação para o achado nessa amostra poderia ser o tipo de ocupação que tinham. Por outro lado, do total de mulheres, a maioria era composta por donas de casa; já a maioria dos homens trabalhava como operários ou empregados em empresas privadas, o que implica maior atividade.

 

Conclusões

Nesta pesquisa encontrou-se que os adultos com diabetes tipo 2 têm autocuidado geral baixo nos fatores alimentação, exercício e monitoramento de glicose, controle glicêmico pobre e alta prevalência de obesidade/sobrepeso. Nas melhores condutas de autocuidado gerais observaram-se melhores indicadores de saúde como melhor hemoglobina glicosilada, IMC baixo e menos gordura corporal, isso influenciado pelo gênero. Das dimensões do autocuidado, pode-se comentar que melhor dieta teve como consequência menor porcentagem de gordura corporal, também influenciada pelo gênero e pela compreensão das informações sobre o diabetes.

Este estudo revela a necessidade de replanejar os conteúdos e estratégias do ensino implementados pelos profissionais da saúde, na educação dos pacientes com diabetes. As intervenções cognitivo-educativas multidisciplinares, dirigidas ao adulto, podem favorecer a aquisição individual e responsável de condutas saudáveis de autocuidado, principalmente na alimentação, exercício e automonitoramento que tenham impacto no controle glicêmico, para diminuir o risco de complicações e melhorar a qualidade de vida. Diversos fatores sociais, cognitivos e culturais requerem ser explorados para garantir aprendizado que leve o portador dessa doença à tomada de ações efetivas. Especificamente, as enfermeiras, como promotoras da saúde, podem facilitar a aquisição dessas habilidades e contribuir para a manutenção e melhoramento da saúde do indivíduo.

 

Agradecimentos

Este trabalho foi apoiado pela Universidade Autônoma de Tamaulipas, através do Programa de Melhoramento do Professorado (PROMEP), no México.

 

Referências

1. Wild S, Roglic G, Green A, Sicree R, King H. Global prevalence of diabetes. Estimates for the year 2000 and projections for 2030. Diabetes Care. 2004;27(5):1047-53.         [ Links ]

2. Secretaría de Salud (MX). Programa Nacional de Salud 2007-2012. México (DF): Secretaría de Salud; 2007.         [ Links ]

3. American Diabetes Association. Standards of medical care in diabetes. Diabetes Care 2005. January; 8(1 Suppl):4-36.         [ Links ]

4. United Kingdom Prospective Diabetes Study Group. Intensive blood glucose control with sulphonylureas or insulin compared with conventional treatment and risk of complications in patients with type 2 diabetes: UKPDS 33. Lancet. 1998;352(12):837-53.         [ Links ]

5. American Diabetes Association. The metabolic syndrome: Time for a critical appraisal. Diabetes Care. 2005 September;28(9):2289-304.         [ Links ]

6. Wangberg SC. An internet-based diabetes self-care intervention tailored to self-efficacy. Health Educ Res 2008;23(1):170-9.         [ Links ]

7. Martínez P, Moreno MG. Barreras ambientales para el apego al tratamiento en pacientes con diabetes tipo 2. Desarrollo Científico Enferm. 2006;14(6):196-201.         [ Links ]

8. Whitemore R, Melkus GD, Grey M. Metabolic control, self-management and psychosocial adjustment in women with type 2 diabetes. J Clin Nurs. 2005;14:195-203.         [ Links ]

9. Ostrosky-Solís F, López-Arango G, Ardila A. Influencias de la edad y de la escolaridad en el examen breve del estado mental (Mini-mental State Examination) en una población hispano-hablante. Rev Salud Menta.l 1999;22:20-5.         [ Links ]

10. Jurado S, Villegas ME, Méndez L, Rodríguez F, Loperena V, Varela R. La estandarización del inventario de depresión de Beck para los residentes de la ciudad de México. Rev Salud Mental. 1998;21:26-31.         [ Links ]

11. World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO Consultation on Obesity. Geneva: World Health Organization; 1997.         [ Links ]

12. Tootbert D, Glasgow R. Assessing diabetes self-management: The summary of diabetes self-care activities questionnaire. In: Bradley C, editor. Handbook of Psychology and Diabetes. UK: Hardwood Academic; 1994. p. 354-93.         [ Links ]

13. Michigan Diabetes Research and Training. Diabetes Care Profile. Michigan: University of Michigan. 1998. [acceso en: 16 Agosto 2005]. Disponible en: http://www.med.umich.edu/mdrtc/profs/documents/svi/dcp.pdf.         [ Links ]

14. Executive Summary: Standards of medical care in diabetes-2009. Diabetes Care 2009. January;32(1 Suppl):6-12.         [ Links ]

15. American Hearth Association. Third Report of the National Cholesterol Education Program (USA) National cholesterol education program. National Heart, Lung and Blood Institute. National Institutes of Health; 2002. NIH Publication No. 02-5215. [acceso en: 24 Agosto 2009]. Disponible en: http://circ.ahajournals.org/cgi/reprint/106/25/3143.         [ Links ]

16. Secretaría de Salud (MX). Reglamento de la Ley General de Salud en Materia de Investigación. 1987. [acceso en: 20 Enero 2009]. Disponible en: http://www.salud.gob.mx/unidades/cdi/nom/compi/rlgsmis.html.         [ Links ]

17. Sousa VD, Zauszniewski JA, Musil CM, Price PJ, Davis SA. Relationship among self-care agency, sel-efficacy, self-care and glycemic control. Res Theory Nurs Pract. 2005;19(3):217-30.         [ Links ]

18. Dunning T, Manias E. Medication knowledge and self-management by people with type 2 diabetes. Aust J Adv Nurs. 2005;23(1):7-14.         [ Links ]

19. Marks DF, Murray M, Evans B, Willing C, Woodall C, Sykes C. Comida y hábitos alimenticios. En Marks DF, Murray M, Evans B, Willing C, Woodall C, Sykes C, editores. Psicología de la Salud. México (MX): Manual Moderno; 2008. p. 125-39.         [ Links ]

20. Shamah-Levy T, Villalpando-Hernández S, Rivera-Dommarco JA; Editores. Resultados de nutrición de la ENSANUT 2006. Instituto Nacional de Salud Pública (MX): Cuernavaca; 2007.         [ Links ]

21. Sigh R, Press M. Clinical care and delivery can we predict future improvement in glycaemic control?. Diabetic Med. 2008;25:170-3. Doi:10.1111/j.1464-5491.2007.02309.         [ Links ]

22.Pace AE, Ochoa-Vigo K, Larcher MH, Morais AP. El conocimiento sobre diabetes mellitus en el proceso de autocuidado. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2006;14(5):713-9.         [ Links ]

23. Gallegos EC, Ovalle-Berumen F, Gómez-Meza MV. Metabolic Control of adults with type 2 diabetes mellitus through education and counseling. J Nurs Scholarsh. 2006;38(4):344-51.         [ Links ]

24. Rodrigo FFL, Zanetti ML, Santos MA, Martins TA, Sousa VD, Teixeira CRS. Knowledge and altitude: important components in diabetes education. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2009, jul/ago 17(4)468-73.         [ Links ]

25. Otero LM, Zanetti ML, Ogrizio MD. Knowledge of diabetic patients about their desease before afther implementig a diabetes education program. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2008, março/abril 16(2)231-7.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Lidia Guadalupe Compeán Ortiz
Universidad Autónoma de Tamaulipas, Facultad de Enfermería - Campus Tampico
Avenida Universidad, Boulevard López Mateos S/N
89140 Tampico, Tamaulipas, México
E-mail: lcompean@uat.edu.mx

 

 

Recebido: 21.5.2009
Aceito: 14.1.2010

 

 

1 Artigo extraído da Dissertação de Doutorado “Autocuidado en adultos con diabetes tipo 2: Influencia de la memoria y el aprendizaje”, Facultad de Enfermería de la Universidad Autónoma de Nuevo León, Monterrey México. Apoio financeiro do Programa de Mejoramiento del Profesorado (PROMEP-SEP), Universidad Autónoma de Tamaulipas, México.