SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 issue2Incidence of Anastrepha obliqua (Macquart) and Ceratitis capitata (Wiedemann) (Diptera: Tephritidae) in star fruit (Averrhoa carambola L.) in eight localities of the state of São Paulo, BrazilParasitism in larvae of Phyllocnistis citrella Stainton (Lepidoptera: Gracillariidae) in the state of Rio de Janeiro, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Anais da Sociedade Entomológica do Brasil

Print version ISSN 0301-8059

An. Soc. Entomol. Bras. vol.29 no.2 Londrina June 2000

http://dx.doi.org/10.1590/S0301-80592000000200021 

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

 

Primeiro registro de ocorrência de Galeopsomyia fausta La Salle & Peña (Hymenoptera: Eulophidae) no estado de Santa Catarina, Brasil

 

First record of Galeopsomyia fausta La Salle & Peña (Hymenoptera: Eulophidae) in Santa Catarina State, Brazil

 

 

Flávio R. M. Garcia; Marcos C. Carabagialle

UNOESC, Centro de Ciências Agro-ambientais e de Alimentos, Laboratório de Entomologia, Caixa postal 747, 89801-971, Chapecó, SC, e-mail: flaviog@unoesc.rct-sc.br

 

 


RESUMO

A lagarta minadora dos citros é nativa da Ásia e foi detectada pela primeira vez no Brasil em 1996. O objetivo do estudo foi inventariar as espécies de parasitóides nativos que atuam no controle da minadora nos municípios de Chapecó, Cordilheira Alta e São Carlos, região produtora de citros do Estado de Santa Catarina, Brasil. As coletas foram realizadas em pomares de citros de abril de 1998 a março de 1999. O primeiro registro de ocorrência de Galeopsomyia fausta La Salle & Peña é relatado para o Estado de Santa Catarina. Esta espécie é uma séria candidata para o controle biológico da lagarta minadora nesta região.

Palavras-chave: Insecta, parasitoide, lagarta minadora, Phyllocnistis citrella.


ABSTRACT

The citrus leafminer, is native to Asia and was detected for the first time in Brazil in 1996. The objectives of this study were to conduct a survey of parasitoids attacking citrus leafminer in Chapecó, Cordilheira Alta and São Carlos, one of the citrus production of Santa Catarina, Brazil, and to determine whether indigenous species were providing effective control of this pest especies. The collections of new leaves were made weekly at citrus groves from April 1998 to March 1999. The first occurrence of the Galeopsomyia fausta La Salle & Peña in Santa Catarina state, Brazil, is reported. Thus, this species is a serious candidate for biological control of the citrus leafminer in this region.

Key words: Insecta, parasitoid, leafminer, Phyllocnistis citrella.


 

 

Phyllocnistis citrella Stainton (Lepidoptera: Gracillariidae: Phyllocnistinae), é originária da Ásia, dispersando-se no final da década de oitenta para outros países da Ásia, Austrália, África e ilhas do Pacífico. Em 1993, foi detectada na Flórida, Estados Unidos (Heppner, 1993). Em 1994 a espécie já era encontrada na América Central (Chiaradia & Milanez 1997). Atualmente, distribui-se nos cinco continentes (Cônsoli et al. 1996).

No Brasil, a lagarta minadora dos citros foi constatada no Estado de São Paulo no início de 1996, e no final deste mesmo ano na Região Oeste de Santa Catarina (Chiaradia & Milanez 1997). Foi também registrada no Amazonas, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, Bahia, Rio de Janeiro, Paraná e Rio Grande do Sul, entre outros (Garcia 1997). No entanto, ainda são poucos os registros de seus inimigos naturais em estados brasileiros.

P. citrella possui grande número de inimigos naturais, especialmente parasitóides da Ordem Hymenoptera (Argov & Rössler 1996), destacando-se os pertencentes a Eulophidae, com cerca de 24 espécies de parasitóides (Cônsoli et al. 1996). No Brasil, foram catalogados mais de seis gêneros de parasitóides nativos (Chiaradia & Milanez 1997), destacando-se Galeopsomyia e Elasmus (Elasmidae) (Garcia 1997). O gênero Galeopsomyia teve sua primeira ocorrência registrada no Brasil por Perioto (1997) no Estado de São Paulo.

O gênero Galeopsomyia tem distribuição conhecida para regiões tropicais e subtropicais do Novo Mundo, sendo que a maioria das espécies incluídas no mesmo atuam como parasitóides de Cecidomyiidae (Diptera) e Cynipidae (Hymenoptera) (Perioto 1997).

A espécie Galeopsomyia fausta La Salle & Peña foi descrita recentemente por LaSalle & Peña (1997), sendo sua ocorrência conhecida para Argentina, Brasil, Colômbia, Honduras, México, Nicarágua e Porto Rico (Schauff et al., 1998), havendo, por conseqüência, escassez de informações sobre sua bioecologia.

As fêmeas de Galeopsomyia paralisam o hospedeiro com seu ferrão, colocando seus ovos próximos ao corpo dele, tais ovos são hialinos, de forma arredondada em um extremo e ponteagudo em outro. Os insetos parasitados ficam imóveis, deixando de se alimentar e tomam coloração escura. Galeopsomyia coloca vários ovos em um mesmo hospedeiro, ocorrendo, comumente, eclosões desuniformes. Desta forma, a primeira larva a eclodir alimenta-se do hospedeiro e as demais alimentam-se do parasitóide já desenvolvido. Isto explica a emergência de somente um espécime por hospedeiro. O desenvolvimento de mais de um adulto de Galeopsomyia por hospedeiro pode se dar pela eclosão simultânea das larvas, que se alimentam ao mesmo tempo da praga (Cobo 1996).

A pupa é do tipo exarata, a qual tem coloração amarela clara nos primeiros estádios, tornando-se progressivamente escura até atingir à coloração negra brilhante, com olhos vermelhos, com comprimento aproximado de 1,47 mm. O adulto tem coloração negra brilhante, com aproximadamente 1,47 mm de comprimento, antenas moniliformes com oito artículos, e tarsos pentâmeros (Cobo 1996). Na chave proposta por Penteado-Dias et al. (1997), para a identificação de adultos de parasitóides da lagarta minadora ocorrentes no Estado de São Paulo, são apresentados os seguintes caracteres diagnósticos para Galeopsomyia: coxas posteriores normais, ou seja não dilatadas; tíbias posteriores sem padrões de cerdas; escutelo usualmente com dois pares de cerdas; axilas bem avançadas anteriormente e espaço malar com uma fóvea triangular abaixo do olho.

Esse gênero de parasitóide ataca, principalmente, pupas de P. citrella, sendo menos eficaz em larvas e pré-pupas (Cobo 1996). Colônias de G. fausta têm sido estabelecidas no Laboratório de Quarentena "Costa Lima" visando futuros estudos de controle biológico aplicado (Costa et al. 1999)

Exemplares, machos e fêmeas, de G. fausta foram obtidos através de coletas de folhas de brotações novas de plantas cítricas (Citrus sinensis variedade Valência, C. auratiifolia variedade Tahiti e C. reticulata variedade Ponkan) apresentando dano de P. citrella, em pomares sem tratamento fitossanitário, localizados nos municípios de Chapecó, Cordilheira Alta e São Carlos, Região Oeste de Santa Catarina, no período de abril de 1998 a março de 1999. Essa espécie de parasitóide já havia sido constada por Costa et al. (1999) para o Estado de São Paulo.

As folhas foram transportadas para o Laboratório de Entomologia do Centro de Ciências Agro-ambientais e de Alimentos da Universidade do Oeste de Santa Catarina, sendo avaliada a presença de larvas e/ou pupas da praga em microscópio esteroscópico. Posteriormente foram transferidas para placas de Petri e umedecidas com água destilada. Com os dados referentes aos números de P. citrella e parasitóides, foi calculada a porcentagem de parasitismo, conforme Silveira Neto et al. (1976).

Foi obtido um total de 7697 de pupas de P. citrella e de 1.654 adultos de G. fausta. A maior porcentagem de parasitismo foi constatada no município de Chapecó com 26,1%; em Cordilheira Alta foi de 21,3% e em São Carlos foi de 17,4% (Tabela 1). Os baixos valores obtidos nas porcentagens de parasitismo na Região Oeste de Santa Catarina atribui-se à adaptação do parasitóide a um novo hospedeiro ou quem sabe à região, acreditando-se que tais percentuais devem aumentar progressivamente ano a ano, aumentando ainda mais o controle biológico natural da praga.

 

 

Agradecimentos

Externamos nossos agradecimentos ao Dr. Luiz Alexandre Nogueira de Sá, do Laboratório de Quarentena "Costa Lima" do Centro Nacional de Pesquisa de Monitoramento e Avaliação de Impacto Ambiental (CNMa) da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), pela identificação da espécie.

 

Literatura Citada

Argov, Y. & Y. Rössler. 1996. Introduction, release and recovery of several exotic natural enemies for biological control of the Citrus Leafminer, Phyllocnistis citrella, in Israel. Phytoparasitica 24: 33-38.         [ Links ]

Chiaradia, L.A. & J.M. Milanez. 1997. "Lagarta-minadora-dos-citros", uma nova praga na citricultura catarinense. Agrop. Catarinense. 10: 20-21.         [ Links ]

Cobo, N.G.M. 1996. Ciclo biologico del minador de las hojas de los citricos Phyllocnistis citrella Stainton (Lepidoptera: Gracillariidae) y su relacion com sus hospederos y enemigos naturales en el Valle del Cauca. B. SC. Tese, Universidad Nacional de Colômbia, Palmira, Colômbia, 158pp.         [ Links ]

Cônsoli, F. L., R. A. Zucchi & J. R. S. Lopes. 1996. A lagarta minadora dos citros. Piracicaba, FEALQ, 39p.         [ Links ]

Costa, V.A., L.A.N. de Sá, J. LaSalle, E.A. B. de Nardo, F. Arellano & L.C. Fuini 1999. Indigenous parasitoids (Hym., Chalcidoidea) of Phyllocnistis citrella Stainton (Lep.: Gracillariidae) in Jaguariúna. J. Appl. Ent. 123: 237-240.         [ Links ]

Garcia, F.R.M. 1997. O bicho minador dos citros no Brasil. Bol. Infor. Soc. Bras. Zool. 21: 5-6         [ Links ]

Heppner, J.B. 1993. Citrus leafminer, Phyllocnistis citrella, in Florida (Lepidoptera: Gracillariidae: Phyllocnistinae). Tropical Lepidoptera 4: 49-64         [ Links ]

LaSalle, J & J. E. Peña. 1997. A new species of Galeopsomyia (Hymenoptera: Eulophidae: Tetrastichinae): as fortuitous parasitoid of the citrus leafminer, Phyllocnistis citrella (Lepidoptera: Gracillariidae: Phyllocnistinae). Flo. Entomol. 80 : 461-470.         [ Links ]

Penteado-Dias, A.M., S. Gravena, P.E.B. Paiva & R.A. Pinto. 1997. Parasitóides de Phyllocnistis citrella (Stainton) (Lepidoptera: Gracillariidae: Phyllocnistinae) na Estado de São Paulo. Laranja 18: 79-84.         [ Links ]

Perioto, N.W. 1997. Primeira ocorrência do gênero Galeopsomyia Girault (Hymenoptera: Chalcidoidea: Eulophidae) para o Brasil. Biológico 59: 97-98.         [ Links ]

Schauff, M.E., J. LaSalle & G.A. Wijesekara. 1998. The genera of the chalcid parasites (Hymenoptera: Chalcidoidea) of citrus leafminer, Phyllocnistis citrella Stainton (Lepidoptera: Gracillariidae). J. Nat. Hist. 10001-10056         [ Links ]

Silveira Neto, S., O. Nakano, D. Barbin & N.A. Villa Nova. 1976. Manual de Ecologia dos Insetos. São Paulo, Ed. Agronômica Ceres, 409p.         [ Links ]

 

 

Recebido em 26/04/99. Aceito em 22/03/00.