SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25“Alfabetização científica” versus “letramento científico”: a problem of denomination or a conceptual difference?Brinquedos, livros e acampamentos na Alemanha no início do século XX: uma análise de Raising Germans in the age of empire author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Educação

Print version ISSN 1413-2478On-line version ISSN 1809-449X

Rev. Bras. Educ. vol.25  Rio de Janeiro  2020  Epub Apr 06, 2020

https://doi.org/10.1590/s1413-24782020250014 

RESENHA

Diferentes, não desiguais: a questão de gênero na escola

Suely Aparecida do Nascimento Mascarenhas I  
http://orcid.org/0000-0003-2668-5944

Adan Renê Pereira da Silva I  
http://orcid.org/0000-0002-0545-5712

IUniversidade Federal do Amazonas, Manaus, AM, Brasil.

LINS, B. A.; MACHADO, B. F.; ESCOURA, M.. Diferentes, não desiguais: a questão de gênero na escola. São Paulo: Reviravolta, 2016. 142pp.


“Como a gente pode fazer para mudar isso, professor?”. Essa foi a pergunta que escutei de uma entrevistada - também docente -, ao término de uma entrevista que visava coletar dados para uma pesquisa sobre gênero e diversidade sexual na escola. A reflexividade acabou conduzindo-nos ao livro objeto desta resenha.

Diferentes, não desiguais” divide-se em oito capítulos e contém ricos apêndice e glossário. Beatriz Lins, Bernardo Machado e Michele Escoura escrevem da posição de doutorandos. No momento da publicação da obra, Beatriz Lins e Bernardo Machado eram doutorandos em antropologia social pela Universidade de São Paulo (USP), e Michele Escoura, doutoranda em ciências sociais pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Talvez daí a tônica culturalista da argumentação, que aparece logo no primeiro capítulo, quando gênero é definido como um dispositivo cultural, construído historicamente, demarcando diferenças pressupostas entre meninos e meninas. Essa demarcação já é introjetada no próprio ambiente escolar: há atividades “de meninos” e “de meninas” (desde filas escolares até esportes “femininos e masculinos” nas aulas de educação física).

Além de definir gênero, o primeiro capítulo problematiza ideias por trás da construção do masculino e do feminino e das relações de gênero desenvolvidas. Ao discutirem como a escola constrói expectativas nas crianças, os autores afirmam que se podem inferir desigualdades e hierarquias criadas culturalmente pela socialização que irão se imiscuir na estrutura de poder da sociedade. Nesse sentido, ao internalizar regras de gênero propostas pela escola, incutem-se noções de “certo” e “errado” nas subjetividades, ancoradas em pretensas noções biológicas. Essa acriticidade do ensino de papéis sociais não pode tornar-se lugar comum.

Para gestar uma escola plural, crítica e transformadora, algumas ações são sugeridas. Entre elas estão o uso de uma linguagem inclusiva - aquela que reconhece meninos, meninas e outras pessoas que não se enquadrem nesse binarismo - e a recusa da adoção de estereótipos de gênero. É preciso problematizar naturalizações, sendo um bom instrumento o conceito de “relações de gênero”, o qual desuniversaliza masculino/feminino e ajuda a entender diferenças, problematizando desigualdades.

O capítulo dois amplia as reflexões sobre gênero, destacando a importância do surgimento do termo para a teoria social. Margaret Mead, por exemplo, mostrou como a cultura medeia o que homem e mulher fazem e as pluralidades do modo de fazê-lo. Historiando as três ondas do movimento feminista, apresentam-se personalidades brasileiras que construíram o movimento, como Lélia Gonzalez, uma das principais militantes do movimento feminista negro.

O destaque fica por conta da terceira onda, a qual trouxe produções como a de Judith Butler, propiciou a aproximação do feminismo com o movimento LGBT, abriu espaço para o protagonismo de mulheres negras questionando o racismo entre mulheres brancas e negras, problematizou a desigualdade entre homens e mulheres negros e negras e, ainda, pautou o tema da interseccionalidade, mostrando que diferentes situações de desigualdade social interpenetram-se entre si.

Já o terceiro capítulo trata dos direitos das mulheres, falando dos principais instrumentos legais (Lei Maria da Penha e tratados internacionais dos quais o Brasil se fez signatário) e o abismo existente entre o formalismo da lei e sua execução. Esse momento propedêutico dá margem para a efetiva aproximação entre a questão de gênero e o espaço escolar, assunto do quarto capítulo.

Tematizando a violência ligada ao poder, autoras e autor expõem modos pelas quais ela pode acontecer e como afeta a população LGBT, especialmente por pessoas desse grupo quebrarem expectativas e estereótipos de gênero, tornando-­os/­as alvo fácil de quem não aceita outros modos de expressão que não a cisheteronormatividade. Ao questionar a culpabilização da vítima e formas contemporâneas de violência, como a “pornografia de vingança”, há um referencial teórico imprescindível para quem almeja um debate sério sobre uma escola plural e menos ameaçadora.

Entendida a importância da escola, é hora de aceitar o convite para falar de sexualidade, tema então tratado no Capítulo 5. Por intermédio do levantamento feito pelo Grupo Gay da Bahia (2014), percebe-se que o Brasil é o país que mais mata LGBT no mundo. É necessário dar visibilidade a essas pessoas, mostrando que nem todos se adequam à matriz de gênero e que isso não é um problema. Também é importante entender o que significa cada termo desse universo e como a violência é produzida contra esse público.

Lins, Machado e Escoura também desmistificam, ainda no Capítulo 5, como toda a luta do movimento LGBT não tem relação com “privilégios”, e sim com equidade. Apresentam possibilidades para uma escola diversa, entre elas: formação continuada de professoras/es, gestoras/es e toda a equipe técnica no tocante ao tema gênero; atenção para piadas, acusações, fofocas e situações constrangedoras que envolvam pessoas LGBT, mesmo que não haja na escola algum/a estudante autoidentificado/a como tal.

À página 76, um eco é fornecido à pergunta que inicia esta resenha: “[...] a diversidade de identidades de gênero é também uma questão que pode gerar muitas dúvidas e inseguranças em educadoras/es comprometidos com a construção de uma escola inclusiva”. É necessário agir cotidianamente para gerar espaços acolhedores a pessoas LGBT, e algumas ações pontuais são elencadas, entre elas: verificar, no estado/município em que se localiza a escola, os mecanismos de adoção do nome social na matrícula escolar para travestis e transexuais não serem constrangidos; participação de toda a equipe escolar nas formações específicas sobre gênero; pesquisas, rodas de conversa, debates, palestras e mediações de conflitos que tratem de gênero devem compor o planejamento anual em todas as disciplinas e ações para superação das desigualdades de gênero devem ser pensadas (constando no projeto político-pedagógico).

Tais possibilidades de intervenção não serão suficientes sem a ajuda de outros grupos sociais, entre eles a família. É no próximo capítulo que esse ponto é levantado, de forma reflexiva: O que a família tem a ver com isso? Lins, Machado e Escoura conduzem o/a leitor/a a um “passeio” por mudanças histórico-culturais que ajudam a desfazer preconceitos (como o de que deve haver um único modelo de família). Uma noção a ser ressignificada é a de “família desestruturada”, posto que a “estruturada” (família que mora em um bom bairro, com carro, comida e casa confortável) é um ideal que passa longe da realidade de milhões de pessoas. Para defender esse ponto, é evocada nossa herança escravocrata, colonizada e genocida.

Mas esse não é único problema. Há “Outras diferenças”, Capítulo 7, geradoras de mais desigualdades. Entram em jogo marcadores sociais da diferença, como classe, cor e, obviamente, gênero. Esses marcadores geram desigualdades no acesso a direitos e oportunidades (educação, renda, trabalho, saúde etc). O argumento é confirmado quando se analisam dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os quais mostram que as diferenças transformadas em desigualdades seguem marcando pessoas, na presente e nas futuras gerações.

O último capítulo, “Últimas considerações”, traz algumas ponderações levando em conta o exposto. Questiona o tipo de escola que queremos, porque isso impacta diretamente o modo como ela trabalhará desigualdades de gênero e combaterá as injustiças, violências, discriminações e marginalizações. Gênero é um instrumento útil como categoria analítica, pois nomeia o/a “diferente”, e “[...] Nomear é, talvez, o primeiro passo para pensar e, então, transformar” (p. 102).

A obra apresenta outros pontos que valem a reflexão, como o apêndice instigador, com sugestões de trabalho para toda a equipe escolar. As sugestões versam sobre como desnaturalizar diferenças sociais, mobilizar a comunidade escolar e como realizar atividades sem investir nas divisões por gênero nem reiterá-las. Também há sugestões de materiais audiovisuais baseadas na pesquisa de Michele Escoura, uma das autoras, a qual concluiu que estereótipos de gênero influenciam a construção da autoimagem de discentes. A obra pensa, então, como alternativa, em filmes e livros que desconstroem padrões socialmente concebidos, ajudando a visibilizar outros modos de ser e de existir no mundo que contemplem as minorias sociais.

Finalizando a obra, um útil glossário que fornece, didaticamente, definições sobre termos que ajudam a discutir gênero, como “heteronormatividade”, “feminicídio”, “generificar”. As definições são contextualizadas e em linguagem simples.

Panoramicamente, os comentários que podemos tecer sobre a obra são laudatórios. Na esteira de trabalhos culturalistas e pós-estruturalistas, o livro ajuda a fundamentar o trabalho com gênero na escola, apresentando sugestões concretas. O tom utilizado o torna inteligível até mesmo a quem não possui maior aprofundamento no assunto. Profissionais que trabalham na área da educação (não só docentes) encontrarão em Diferentes: não desiguais estratégias e embasamento para um adequado debate científico. Por fim, parte da sociedade que precisa entender de fato o que é gênero terá um valioso instrumento para, eticamente, acolher e entender a diversidade humana.

REFERÊNCIA

LINS, B. A. ; MACHADO, B. F. ; ESCOURA, M. Diferentes, não desiguais: a questão de gênero na escola. São Paulo: Reviravolta, 2016. [ Links ]

Recebido: 08 de Junho de 2019; Aceito: 03 de Outubro de 2019

Suely Aparecida do Nascimento Mascarenhas é doutora em diagnóstico e avaliação educativa-psicopedagogia pela Universidade da Coruña (Espanha). Professora da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). E-mail: suelymascarenhas1@gmail.com

Adan Renê Pereira da Silva é doutorando em educação pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). E-mail: adansilva.1@hotmail.com

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons