SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.8 issue3Surgical treatment of acetabular fractures: review of 48 cases author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Acta Ortopédica Brasileira

Print version ISSN 1413-7852On-line version ISSN 1809-4406

Acta ortop. bras. vol.8 no.3 São Paulo July/Sept. 2000

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-78522000000300008 

ARTIGO DE REVISÃO

 

Tratamento conservador das lesões parciais e completas do manguito rotador*

 

 

Osvandré LechI; Cézar Valenzuela NetoII; Antônio SeveroIII

IChefe do Serviço de Cirurgia da Mão e do Membro Superior do IOT-Passo Fundo, RS; presidente da SOT-RS
IIFisioterapeuta, FISIOMASTER, Porto Alegre, RS
IIIInstrutor da Residência Médica do IOT-Passo Fundo, RS

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

A lesão do manguito rotador é a mais freqüente patologia do ombro. Cerca de 180 pacientes foram tratados conservadoramente nos dois Serviços nos anos de 1996 e 1997. Este grupo recebeu uma ampla gama de tratamentos (apenas medicação, exercícios caseiros, infiltração, fisioterapia, etc.). Este estudo avaliou os resultados do tratamento conservador em 26 pacientes com rupturas parcial e total do manguito rotador. O protocolo consistiu de um programa com 6 meses de duração que incluiu terapia miofascial específica, exercícios ativos assistidos e de fortalecimento dos músculos do manguito rotador e da musculatura axioescapular. Os fatores de inclusão no estudo foram: 1) realizar todo o programa com apenas um reabilitador; 2) não ter recebido infiltração; 3) não ter tido cirurgia prévia; 4) não ter reumatopatia diagnosticada. Seis meses após a alta, dezoito pacientes (69,22%) apresentavam resultado satisfatório, enquanto que os demais 08 casos (30,78%) foram considerados insatisfatórios e tiveram indicação cirúrgica.


 

 

INTRODUÇÃO

As lesões degenerativas e traumáticas que afetam o manguito rotador (MR) estão entre as mais freqüentes causas de dor no ombro, merecendo uma atenção cada vez maior no diagnóstico e tratamento, sendo considerado hoje patologia que exige equipe multidisciplinar4, 32.

Nesta virada de milênio, a medicina permitiu um significativo aumento da expectativa média de vida. Além disso, os indivíduos desejam também viver com qualidade de vida, livres de dores do sistema músculo-esquelético, a ponto de permitir a realização de ampla gama de atividades esportivas e outras. A importância de uma articulação do ombro com normalidade funcional assumiu importância maior do que se supõe.

O MR atua para estabilizar dinamicamente e equilibrar a cabeça do úmero em relação à glenóide, enquanto que o grupo muscular axial (deltóide e peitoral maior, etc.) age para mover o úmero: a ruptura do MR pode levar facilmente à perda da função do ombro17, 18 em variados graus.

De acordo com Charles Neer, a patologia do MR pode ser classificada em 03 estágios23: I ) edema, inflamação e hemorragia da bursa e dos tendões do MR, ocorrendo principalmente em jovens; II ) espessamento da bursa e fibrose dos tendões, ocorrendo em indivíduos entre 25 e 40 anos; III ) ruptura completa do MR, associada com alterações ósseas da cabeça do úmero e do acrômio, ocorrendo em indivíduos acima de 40 anos. Estas rupturas também se classficam quanto à espessura do tendão envolvido (parcial articular, parcial intra-tendínea, parcial bursal, e total), quanto à etiologia (degenerativa ou traumática) 23 . Quanto ao tamanho, a ruptura pode ser pequena (menor que 1,0 cm), média (menor que 3,0 cm), grande (menor que 5,0 cm) ou maciça (maior que 5,0 cm)27

A abordagem conservadora em pacientes com síndrome do impacto do ombro é descrita como sendo de grande valor terapêutico em estudos de vários autores7, 10, 23, 32, 35

O tratamento conservador das rupturas completas do MR pode ser bem sucedido em pacientes sedentários e/ou idosos; porém, o reparo cirúrgico do MR, seja por via aberta ou artroscópica, é a melhor conduta para os indivíduos ativos ou nos casos de dor e fraqueza muscular persistente e evolutiva15. Sabe-se que a cicatrização espontânea do tendão do MR é incomum, devido à retração das extremidades rotas 8, 9. Todavia, em rupturas parciais pequenas, observa-se proliferação vascular e granulação local; estes achados apoiam a possibilidade de eventual cicatrização espontânea 33. Brox e cols. constataram que o período de tratamento entre pacientes submetidos à artroscopia e à conduta conservadora era de mesma duração 2. Torstensen e cols.33 defendem que a lesão do MR pode ser tratada conservadoramente através de um programa de exercícios supervisionados com base em controle ecográfico, porém apresentaram escassa casuística.. Burkhart 3 relatou resultados satisfatórios com tratamento conservador em pacientes com ruptura completa do supraespinhal quando o infraespinhal era normal. Outro estudo 10 comparou dois grupos de pacientes (com exercícios e sem exercícios) e concluiu que o tratamento com exercícios foi eficaz para aumentar a função do ombro. Guimarães 12 tratou conservadoramente 171 casos de síndrome do impacto e de lesão do manguito rotador com termoterapia e exercícios, obtendo resultados satisfatórios em 42,9% dos pacientes após 01 ano, e 21,5% após 02 anos. O objetivo deste estudo foi o de avaliar os resultados clínicos e funcionais após um programa de exercícios supervisionados num grupo de pacientes homogêneo.

 

CASUÍSTICA E MÉTODOS

Vinte e seis pacientes, 09 homens e 17 mulheres com idades variando entre 34 e 84 anos (média de 61,6 anos), sendo 12 sedentários e 14 considerados ativos, foram incluídos neste protocolo. As queixas consistiam em dor no ombro, região cervical, cintura escapular, e terço proximal e lateral do braço. Destes, 08 (30,76%) possuíam ruptura completa do MR e 18 (69,23%) com ruptura parcial (Tabela 1). Ao exame, todos apresentavam arco doloroso e testes "irritativos"de Neer e Hawkins positivos, dor à palpação em pontos de gatilho nos músculos infraespinhal e supraespinhal devido à disfunção miofascial secundária. Além disso, havia diminuição das amplitudes ativa e passiva de movimento devido à dor 17. O tempo médio de evolução era de 06 meses e todos haviam tentado alguma forma de fisioterapia anteriormente, sem sucesso. A ecografia ou a RNM confirmaram o quadro de ruptura do MR.

O tratamento consistiu de anti-inflamatório não-esteróide via oral, terapia miofascial específica (criocinética, compressão isquêmica e ultra-som nas miogeloses e nos pontos de gatilho), ultra-som contínuo com freqüência de 1,0 Mhz e dosagem de 1,5 w/cm2 por 05 minutos à região subacromial 22 ( modelo AVATAR US 873  - KLD Biossistemas Equip. Elet. Ltda.), exercícios de alongamentos em rotação externa em plano de escápula e em adução horizontal a 30 graus de flexão, exercícios de fortalecimento com isométricos (fig. 1), bandas elásticas (fig. 2) e pesos (fig. 3) para rotadores externos e internos do ombro, músculos da cintura escapular (trapézio e serrátil anterior) e deltóide (etapa final) de acordo com protocolo constante no quadro 1 7, 16. Nenhum paciente recebeu infiltração com corticóide ou outra terapêutica. O tempo estimado de tratamento foi de 06 meses, com avaliação 06 meses após a alta2.

 

 

 

 

 

 

DISCUSSÃO

O procedimento de terapia miofascial tem indicação pela resposta satisfatória à inativação dos pontos de gatilho dos músculos correspondentes aos dos tendões rompidos, porém sem a conduta de alongamentos específicos 34 . O supraespinhal e os outros músculos do MR funcionam como estabilizadores e como motores primários da articulação gleno-umeral, garantindo assim que o movimento ocorra em torno de um eixo fisiológico13. Estudos biomecânicos e eletromiográficos comprovam a ação principal do MR como sendo de estabilização da articulação gleno-umeral26, 31. Durante a abdução ativa do ombro, a cabeça umeral se eleva superiormente em relação à fossa da glenóide devido à contração do deltóide. Os músculos do MR contribuem para a estabilidade articular, gerando uma força resultante oposta à do deltóide, centralizando assim a cabeça do úmero29. Jobe16 classifica os músculos do MR como protetores da gleno-umeral, os músculos escapulares como pivôs (alinham a escápula para manter o eixo fisiológico), o deltóide como posicionador e o grande dorsal e peitoral maior como propulsores.

Ao movimento de elevação do braço em plano de escápula, o infraespinhal contrai-se com 20% da máxima força isotônica (MFI); já o supraespinhal tem contração constante de 40% da MFI25. As ações equilibradas e simultâneas do infraespinhal, redondo menor e subescapular limitam com eficácia a translação superior da cabeça do úmero ao produzir um momento em torno da gleno-umeral que auxilia no movimento de elevação do braço24, 28.

Burkhart 3 relatou resultados satisfatórios com tratamento conservador em pacientes com ruptura completa do supraespinhal na presença de um infraespinhal normal, fato este que coincide com os achados do presente estudo.

É possível que o fortalecimento seletivo dos músculos do MR inferior (infraespinhal, redondo menor e subescapular) resulte em aumento da capacidade de resistir à força resultante do deltóide, permitindo uma recuperação da atividade em certos pacientes com ruptura do tendão do supraespinhal20, 30.

Este conceito é reforçado por outros autores que garantem artrocinemática normal da gleno-umeral em pacientes com ruptura do supraespinhal e contração eficaz dos músculos do MR inferior e dos pivôs da cintura escapular13, 21, 23.Ferreira e cols.7 obtiveram 54% de bons resultados em sua casuística e concluíram que a presença de lesão do manguito rotador acarreta pequena limitação funcional, sendo que nem todas são cirúrgicas e que a fisioterapia deve anteceder à conduta operatória.

Guimarães 12 apontou como causas de mau resultado à baixa adesão do paciente aos exercícios e à ruptura do manguito rotador .

Os maus resultados deste estudo foram encaminhados para tratamento cirúrgico. As causas para o mau resultado são múltiplas e incluem: a) não adesão ao programa de exercícios; b) sobreuso do membro afetado; c) persistência da dor. Fukuda 8 afirma que a maioria dos casos de ruptura parcial envolvendo a superfície bursal do MR não apresentam resultado satisfatório com o tratamento conservador. O fator idade não foi preponderante nem determinante dos casos de resultados bom e excelente. Contudo, o fator ocupação foi mais significativo, pois dos oito casos de resultados mau e regular, seis (75%) mantinham o mesmo nível atividade profissional.

Também foi confirmado que pacientes com ruptura completa do MR podem apresentar elevação ativa normal do braço, principalmente após um programa de reabilitação com fortalecimento dos músculos pivôs e propulsores da cintura escapular14, 19.

 

CONCLUSÕES

1. Um programa de reabilitação com exercícios supervisionados é eficaz e pode ser considerado como a primeira opção em casos de pacientes com rupturas do MR.;

2. O fator ocupação em pacientes com atividade profissional pode ser indicativo de mau prognóstico com tratamento conservador;

3. A cirurgia pode ser indicada para os casos de dor intensa e que não responde ao programa de tratamento entre 03 a 06 meses.

Guimarães 12 apontou como causas de mau resultado à baixa adesão do paciente aos exercícios e à ruptura do manguito rotador .

 

RESULTADOS

Com base no teste de Mann-Whitney9, os dados foram analisados de acordo com os seguintes critérios funcionais:

1. Elevação ativa igual ou superior a 135º ;

2. Levar a mão à protuberância occipital externa;

3. Levar a mão à coluna tóracolombar.

Considerando os movimentos descritos acima, os pacientes foram classificados de acordo com o escore abaixo:

• Excelente (E) - Todos os movimentos sem dor;

• Bom (B) - Sem dor espontânea e com 02 movimentos normais;

• Regular (R) - Sem dor espontânea e com dor em 02 ou mais movim.

• Mau (M) - Com dor espontânea e aos movimentos.

Os resultados deste estudo podem ser visualizados nos quadros 1 e 2.

 

 

 

 

Empregamos também a escala de classificação para ombro - UCLA modificada, assim como o critério de pontuação (quadros 3 e 4, respectivamente) 6. A pontuação da casuística deste estudo está expressa na tabela 1.

 

REFERÊNCIAS

1. Brox JI, Staff PH, Ljungren AE, Brevik JI: "Arthroscopic surgery compared with supervised exercises in patients with rotator cuff disease (stage II impingement syndrome)." BMJ, 307: 899-903, 1993.         [ Links ]

2. Burkhart SS: "Arthroscopy debridment and decompression for selected rotator cuff tears." Orthop Clin North Am, 24: 111-123, 1993.         [ Links ]

3. Cofield R: "Rotator cuff disease of the shoulder."J Bone Joint Surg, 67A (6):974, 1985.         [ Links ]

4. Ellman H, Kay SP: "Arthroscopic subacromial decompression for chronic impingement." J Bone Joint Surg [Br], 73: 395-398, 1991.         [ Links ]

5. Ferreira AAF, Greve JMD, Zoppi AF, Bolliger RN, Costa RC, Ferreira AAN: "Tratamento conservador da síndrome do impacto do ombro. "Rev. Bras. Ortop, 23:06, 167-169, 1988.         [ Links ]

6. Fukuda H, Mikasa M, Yamanaka K: "Incomplete thickness rotator cuff tears diagnosed by subacromial bursography. "Clin Orthop Rel Res, 223:51-58, 1987.         [ Links ]

7. Fukuda H, Yamanaka K: "Aging process of the supraspinatus tendon with reference to rotator cuff tears." In: Watson M, ed. Surgical disorders of the shoulder. New York, Churchill Livingstone, 1991.         [ Links ]

8. Ginn KA, Herbert RD, Khouw W, Lee R: "A randomized, controlled clinical trial of a treatment for shoulder pain." Phys Ther, 77:08, 802-809, 1997.         [ Links ]

9. Guimarães MV: "Avaliação do tratamento conservador do pinçamento subacromial e das lesões do manguito rotador." Rev Bras Ortop, 30:09, 645-648, 1995.         [ Links ]

10. Howell S, Imobersteg A, Seger D, Marone P: "Clarification of the role of the supraspinatus muscle in shoulder function."J Bone Joint Surg,68A:398-404,1986         [ Links ]

11. Iannotti JP: "Rotator cuff disorders: evaluation and treatment."Am Acad Orthop Surg, Monograph Series, 1991.         [ Links ]

12. Itoi E, Tabata S: "Conservative treatment of rotator cuff tears."Clin Orthop, 275: 165-173, 1992.         [ Links ]

13. Jobe FW, Pink M: "Classification and treatment of shoulder dysfunction in the overhead athlete."J Orthop Sports Phys Ther, 18:02, 427-432, 1993.         [ Links ]

14. Kelley M & Clarck W: "Orthopedic Therapy of the Shoulder." Ed. JB Lippincott Company, 1995.         [ Links ]

15. Malone TR, Gwendolin WR, Frick JL: "Shoulder pathology". In: Kelley & Clarck, Orthopedic Therapy of the Shoulder,JB Lippincott Co.,cap.03,104-157, 1995.         [ Links ]

16. Matsen FA, Arntz CT: "Rotator cuff failure."In:Rockwood & Matsen, Ed. The Shoulder, Philadelphia: WB Saunders, 1990.         [ Links ]

17. McLaughlin HL: "Rupture of the rotator cuff."J Bone Joint Surg, 44A: 979-983, 1962.         [ Links ]

18. McMahon PJ, Debski RE, Thompson WO, Warner JJP, Fu FH, Savio SL-Y: "Shoulder muscle forces and tendon excursions during glenohumeral abduction in the scapular plane."J Shoulder and Elbow Surg, 04: 199-208, 1994.         [ Links ]

19. Michlovitz SL: "Thermal Agents in Rehabilitation."2ª ed., Philadelphia FA Davis, 1990.         [ Links ]

20. Neer, CS II: "Impingement lesions."Clin Orthop,173:70, 1983.         [ Links ]

21. Otis JC, Jiang CC, Wickienicz TL e cols.: "Changes in the moment arms of the rotator cuff and deltoid muscles with abduction and rotation."J Bone Joint Surg, 76A: 667-676, 1994.         [ Links ]

22. Perry J, Barnes G, Merson J: "Normal electromyographic values of six shoulder muscles during free motion."Orthop Trans, 13:322, 1989.         [ Links ]

23. Poppen NK, Walker PS: "Normal and abnormal motion of the shoulder."J Bone Joint Surg, 58A: 195-201, 1976.         [ Links ]

24. Post M, Silver R, Singhi M: "Rotator cuff tear: diagnosis and treatment."Clin Orthop, 173:78, 1983.         [ Links ]

25. Rockwood CA, Williams GR, Burkhead WZ: "Dèbridment of degenerative, irreparable lesions of the rotator cuff."J Bone Joint Surg, 77A:06, 857-866, 1995.         [ Links ]

26. Rowe CR: "Ruptures of the rotator cuff: selection of cases for conservative treatment."Surg Clin North Am, 43: 1531-1540, 1963.         [ Links ]

27. Sharkey NA, Marder RA: "The rotator cuff oposes superior translations of the humeral head."Am J Sports Med, 23:03, 270-275, 1995.         [ Links ]

28. Sigholm G, Herberts P, Almstrom MC, Kadefors P: "Electromyographic analysis of shoulder muscle load." J Orthop Res, 1:379-386, 1984.         [ Links ]

29. Thein LA: "Impingement syndrome and its conservative treatment." J Orthop Sports Phys Ther, 11:05, 183-191, 1989.         [ Links ]

30. Torstensen TA, Meen HD, Stiris M: "The effect of medical exercise therapy on a patient with chronic supraspinatus tendonitis. Diagnostic ultrasound - tissue regeneration: a case study."J Orthop Sports Phys Ther, 20:06, 319-327, 1994.         [ Links ]

31. Travell JG & Simons DG: "Myofascial Pain and Dysfunction - The Trigger Point Manual. Ed. Williams & Wilkins, vol 1, caps. 21 e 22, 538-551, 1999.         [ Links ]

32. Veado MAC & Fonseca RMF: "O ombro do nadador veterano." Rev. Bras Ortop, 27:09, 686-690, 1992.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência
Osvandré Lech
Rua Independência, 889
99010-041 Passo Fundo RS
Tel (54) 311 1933
E-mail: lech@annex.com.br

 

 

*Trabalho realizado na Fisiomaster, Porto Alegre/RS, Ortopedistas Reunidos, Porto Alegre/RS, e IOT-Passo Fundo/RS.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License