SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 issue2Non-ionizing method of screening adolescent idiopathic scoliosis in schoolchildrenMetabolic risk factors clustering among adolescents: a comparison between sex, age and socioeconomic status author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Ciência & Saúde Coletiva

Print version ISSN 1413-8123On-line version ISSN 1678-4561

Ciênc. saúde coletiva vol.24 no.2 Rio de Janeiro Feb. 2019

http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018242.13112017 

Artigo

Prevalência de violência sexual e fatores associados entre estudantes do ensino fundamental – Brasil, 2015

Marconi de Jesus Santos1 

Márcio Dênis Medeiros Mascarenhas1 

Deborah Carvalho Malta2 

Cheila Marina Lima3 

Marta Maria Alves da Silva4 

1Programa de Pós-Graduação em Saúde e Comunidade, Universidade Federal do Piauí. Av. Frei Serafim 2280, Centro. 64000-020 Teresina PI Brasil. marconimanu2012@gmail.com

2Escola de Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte MG Brasil.

3Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde, Ministério da Saúde. Brasília DF Brasil.

4Universidade Federal de Goiás. Goiânia GO Brasil.

Resumo

O objetivo do estudo foi descrever e analisar fatores associados à violência sexual (VS) entre estudantes do ensino fundamental no Brasil. Analisaram-se dados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) em 2015. Calculou-se a prevalência de VS total e desagregada segundo variáveis sociodemográficas, contexto familiar, saúde mental, comportamentos de risco, segurança e prática de atividade física. Estimaram-se as razões de chances (Odds Ratios – OR) de sofrer VS segundo variáveis associadas estatisticamente (p < 0,05) por meio de análise multivariada. A prevalência de VS foi de 4,0%. A VS entre escolares esteve associada a características como idade < 13 anos, sexo feminino, cor da pele preta, trabalhar, ser agredido por familiares, ter insônia, sentir-se solitário, não possuir amigos, consumir tabaco/álcool regularmente, ter experimentado drogas, ter iniciado atividade sexual, sentir-se inseguro na escola ou no trajeto escola-casa, ter sofrido bullying. Estudar em escola privada, possuir mãe com escolaridade de nível superior, morar com os pais e ter supervisão de familiares foram fatores protetores em relação à VS. Foi possível identificar vulnerabilidades dos estudantes frente à VS, o que pode apoiar pesquisadores, profissionais e famílias na prevenção deste tipo de violência.

Palavras-chave Adolescentes; Saúde escolar; Violência sexual; Inquéritos epidemiológicos

Introdução

A violência sexual contra adolescentes é muito comum e prejudica a saúde e o bem-estar de milhões de jovens no mundo, os quais representam parcela significativa da população e que devem ser priorizados nas políticas públicas de prevenção deste agravo1-3. Devido à importância do assunto, é premente lançar um olhar atento para as situações de violência sexual vivenciadas pelos adolescentes em seu cotidiano, que ocorre tanto no meio intrafamiliar ou fora dele, como na escola ou em seu entorno1,3,4.

Dentre os diferentes tipos de violência5,6, o abuso sexual é definido como qualquer ato sexual ou tentativa de obtê-lo, comentários ou investidas sexuais indesejados, atos direcionados ao tráfico sexual ou, de alguma forma, voltados contra a sexualidade de uma pessoa usando coerção, praticados por qualquer pessoa independentemente de sua relação com a vítima, em qualquer cenário, inclusive em casa e no trabalho, mas não limitado a eles6.

Nem sempre os danos físicos, psicológicos e sociais causados pela violência sexual contra adolescentes resultam em lesões, invalidez ou morte. Nesse sentido, suas consequências podem ser imediatas ou manifestar-se por anos após o ocorrido6,7. Muitas vítimas são crianças e jovens, e não sabem como se proteger, outras apesar de serem mais velhas, por convenções ou pressões sociais são forçadas a manterem silêncio e não buscam ajuda, causando maior sofrimento7,8.

Por muito tempo, a violência sexual fez parte de um tema de pesquisa negligenciado em quase todas as partes do mundo6. Porém, em razão de seus efeitos prejudicarem a vida das pessoas por um longo período, essa temática passou a ser investigada na contemporaneidade por tratar-se de um problema de saúde pública de grandes proporções. Sabe-se que, além do dano físico, pode levar ao consumo inadequado de bebidas alcoólicas e outras drogas, à depressão, ao suicídio, à evasão escolar, ao desemprego e a recorrentes dificuldades de relacionamento5-9.

Ainda são escassos os estudos que estimam a prevalência de abuso sexual entre adolescentes escolares. Estudo recentemente realizado nos Estados Unidos da América apontou que 6,7% dos estudantes relataram ter sido forçados a manter relações sexuais contra sua vontade, sendo tal fato relatado em maior frequência entre meninas (10,3%) em relação aos meninos (3,1%)9. Em um estudo realizado com 6.709 alunos de escolas públicas de 10 capitais brasileiras verificou-se que 1,6% dos adolescentes entrevistados afirmaram ter sofrido violência sexual dentro da escola e 5,6% declararam saber que ocorreu violência sexual em seu entorno10. Sabe-se que a exposição a fatores de risco à saúde é bem maior na fase da adolescência, período da vida em que se tem verificado a associação com múltiplos fatores que se potencializam e concorrem mutuamente para o fenômeno da violência sexual6,11,12.

Frente à ausência de estimativas de abrangência nacional sobre abuso sexual entre adolescentes escolares, a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) incluiu a temática da violência sexual na edição de 2015, com o intuito de compreender melhor esse grave problema, bem como fornecer dados para planejar estratégias de enfrentamento. Assim, o artigo teve como objetivo descrever a prevalência de violência sexual entre adolescentes escolares e identificar fatores associados a este fenômeno.

Métodos

Estudo transversal, com dados oriundos da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) realizada em 2015. A PeNSE investigou questões sobre aspectos socioeconômicos, contexto familiar, prática de atividade física, experimentação e consumo de cigarro, álcool e outras drogas, saúde sexual e mental, segurança, entre outros aspectos. A população de estudo compreendeu estudantes de 13 a 17 anos de idade frequentando o 9° ano do ensino fundamental, por ser esta parcela etária considerada, pela Organização Mundial da Saúde (OMS), como referência para a realização de inquéritos com escolares e por essa série concentrar, no Brasil, mais de 80% dos alunos de 13 a 15 anos de idade13.

A amostra foi composta por escolares matriculados no 9° ano do ensino fundamental, no ano letivo de 2015, e freqüentando regularmente escolas públicas e privadas nas zonas urbanas e rurais, dimensionada para estimar parâmetros populacionais (proporções ou prevalências) em diversos domínios geográficos: os 26 municípios das capitais e o Distrito Federal, as 26 unidades da federação, as cinco grandes regiões e o Brasil, totalizando 53 estratos.

Em cada um dos 53 estratos formados foi dimensionada e selecionada uma amostra de escolas. Em seguida foi selecionada uma amostra de turmas em cada escola, obtendo-se uma amostra independente de estudantes em cada um dos estratos. Nesses estratos geográficos, foram criados 207 estratos de alocação com probabilidades proporcionais ao tamanho da escola. O tamanho da amostra de cada estrato geográfico foi calculado para fornecer estimativas de proporções de algumas características de interesse, com erro amostral máximo aproximado de 3% e nível de confiança de 95%. A amostra foi composta por 675 municípios, 3.160 escolas e 4.159 turmas. Foram aplicados 102.301 questionários, sendo 102.072 válidos e analisados.

A coleta de dados foi realizada entre abril e setembro de 2015, com uso de aparelhos do tipo smartphone, nos quais foram inseridos os questionários estruturados e autoaplicáveis. Os dados foram coletados nas escolas, durante o horário de aula dos alunos.

A prevalência de violência sexual foi obtida por meio da pergunta: “Alguma vez na vida você foi forçado(a) a ter relação sexual?” (categorias analisadas: Sim, Não). Além de estimar a prevalência de violência sexual na população estudada, foram identificadas associações deste fenômeno com outras variáveis sobre aspectos sociodemográficos, contexto familiar, saúde mental, comportamento de risco, segurança e prática de atividade física.

Inicialmente foi calculada a prevalência de violência sexual com seus respectivos intervalos de confiança de 95% (IC95%). Para verificar fatores associados, realizaram-se análises bivariadas com estimativas de Odds Ratio(OR) e seus respectivos IC95%, ao nível de significância de 0,05. Em seguida, realizou-se análise multivariada para o desfecho examinado inserindo no modelo as variáveis independentes que apresentaram associação com os desfechos em nível de significância inferior a 0,20, calculando-se os ORs ajustados (ORa) e seus respectivos IC95%. Todas as análises foram realizadas no programa SPSS, versão 20, utilizando-se procedimentos do Complex Samples Module, adequado para análise de dados obtidos por plano amostral complexo.

O estudo foi aprovado pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP), do Conselho Nacional de Saúde (CNS), que regulamenta e aprova pesquisa em saúde envolvendo seres humanos.

Resultados

De acordo com a Tabela 1, é possível identificar a prevalência de violência sexual entre estudantes do 9° ano do ensino fundamental no Brasil em 2015 e sua associação aos aspectos explorados nesta análise. A prevalência de violência sexual total foi de 4,0%, sendo mais elevada entre os estudantes com < 13 anos de idade e com 16 e mais anos. As frequências significantemente mais elevadas de relato de violência sexual foram observadas entre estudantes do sexo feminino, cor da pela preta, de escolas públicas e filhos de mães sem escolaridade. A violência sexual foi relatada em maior proporção entre os estudantes que não moravam com mãe e/ou pai e entre aqueles que trabalhavam e que recebiam remuneração pelo trabalho (Tabela 1).

Tabela 1 Prevalência de violência sexual entre escolares do 9° ano do ensino fundamental e OR bruto, segundo aspectos sociodemográficos e variáveis do contexto familiar, saúde mental, comportamentos de risco, segurança e prática de atividade física. Brasil, 2015. 

Variável Violência sexual
% IC (95%) OR IC (95%) p
Inferior Superior Inferior Superior
Total 4,0 3,9 4,2
Aspectos Sociodemográficos
Idade
< 13 6,8 4,7 9,8 3,07 2,05 4,57 <0,001
13 2,3 2,1 2,6 1,00
14 3,3 3,0 3,6 1,44 1,29 1,60 <0,001
15 5,6 5,1 6,1 2,49 2,22 2,79 <0,001
16 e mais 7,3 6,8 7,8 3,32 2,94 3,74 <0,001
Sexo
Masculino 3,7 3,5 3,9 1,00
Feminino 4,3 4,2 4,5 1,18 1,11 1,26 <0,001
Cor da pele
Branca 3,3 2,8 3,9 1,00
Preta 5,2 4,4 6,1 1,61 1,46 1,77 <0,001
Amarela 5,5 4,5 6,7 1,71 1,48 1,97 <0,001
Parda 4,1 3,5 4,8 1,25 1,16 1,34 <0,001
Indígena 5,1 4,4 5,9 1,57 1,33 1,85 <0,001
Escola
Pública 4,4 3,9 4,9 1,00
Privada 2,0 1,8 2,2 0,45 0,40 0,50 <0,001
Escolaridade da mãe
Sem escolaridade 7,7 6,8 8,7 2,38 2,10 2,71 <0,001
Primário (incompleto/completo) 4,3 3,9 4,7 1,27 1,15 1,41 <0,001
Secundário (incompleto/completo) 3,5 3,1 3,9 1,03 0,93 1,15 0,535
Superior (incompleto/completo) 3,4 3,1 3,6 1,00
Mora com mão e/ou pai
Não 7,1 6,4 7,8 1,00
Sim 3,9 3,7 4,0 0,53 0,48 0,59 <0,001
Trabalha atualmente
Não 3,5 3,3 3,8 1,00
Sim 7,2 6,8 7,6 2,11 1,96 2,28 <0,001
Remuneração pelo trabalho
Não 3,6 3,4 3,9 1,00
Sim 7,0 6,6 7,5 2,00 1,85 2,16 <0,001
Contexto Familiar
Faltar às aulas
Não 3,3 3,1 3,5 1,00
Sim 6,5 6,2 6,9 2,07 1,94 2,21 <0,001
Supervisão familiar
Não 6,4 6,1 6,8 1,00
Sim 2,8 2,7 2,9 0,42 0,39 0,45 <0,001
Ser agredido por familiar
Não 2,6 2,5 2,8 1,00
Sim 12,3 11,8 12,8 5,18 4,85 5,53 <0,001
Saúde Mental
Insônia
Não 3,3 3,1 3,5 1,00
Sim 9,8 9,3 10,4 3,21 2,99 3,45 <0,001
Sentir-se solitário
Não 3,2 3,0 3,4 1,00
Sim 8,5 8,0 8,9 2,82 2,64 3,02 <0,001
Amigos
1 ou mais 3,8 3,4 4,2 1,00
Não tenho 8,8 8,0 9,7 2,43 2,18 2,71 <0,001
Comportamentos de Risco
Tabaco regular
Não 3,5 3,2 3,8 1,00
Sim 13,0 12,1 13,9 4,10 3,77 4,46 <0,001
Álcool regular
Não 2,8 2,6 3,0 1,00
Sim 8,0 7,6 8,3 3,01 2,82 3,20 <0,001
Experimentou drogas
Não 3,3 3,1 3,5 1,00
Sim 11,6 11,0 12,3 3,87 3,60 4,17 <0,001
Relação sexual
Não 2,2 2,1 2,4 1,00
Sim 8,8 8,5 9,1 4,18 3,92 4,46 <0,001
Segurança
Sente insegurança para ir para escola ou casa
Não (Nenhum dia) 3,2 3,0 3,4 1,00
Sim (1 dia ou mais) 10,4 9,8 11,0 3,50 3,27 3,76 <0,001
Sente insegurança na escola
Não (Nenhum dia) 3,1 2,9 3,3 1,00
Sim (1 dia ou mais) 13,2 12,5 13,9 4,82 4,49 5,17 <0,001
Sofreu bullying
Não 3,6 3,3 3,9 1,00
Sim 9,5 8,9 10,2 2,83 2,60 3,08 <0,001
Atividade física diária
Não 4,0 3,7 4,3 1,00
Sim 4,1 3,8 4,3 1,01 0,94 1,10 0,725

Fonte: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), 2015.

Quanto ao contexto familiar, o relato de violência sexual foi maior entre os estudantes que faltavam às aulas, não eram supervisionados pela família e entre aqueles agredidos por familiar. A violência sexual foi mais frequente entre os estudantes que relataram insônia, sentiam-se solitários e que não possuíam amigos. Esse tipo de violência foi mais relatado entre os estudantes com comportamentos de risco como tabagismo, ingestão de álcool, experimentação de drogas e iniciação sexual. Quanto ao contexto de segurança, a violência sexual foi mais frequente entre os estudantes que se sentiam inseguros no trajeto escola-casa, na própria escola, bem como nos que haviam sofrido bullying. Não houve diferença segundo prática de atividade física (Tabela 1).

A partir do cálculo do OR bruto (Tabela 1) e da análise multivariada com OR ajustado por todas as variáveis do modelo (Tabela 2), verificou-se que a chance de sofrer violência sexual foi maior entre os estudantes do sexo feminino e com < 13 anos de idade. Também foram identificados como fatores de risco para violência sexual ter cor de pele preta, ser filho de mãe sem escolaridade, trabalhar e ser agredido por familiares. No contexto da saúde mental, a chance de sofrer violência sexual foi maior para os estudantes que relataram insônia e entre os que relataram sentirem-se solitários ou não possuir amigos. Foram confirmados como fatores de risco para violência sexual entre estudantes o consumo regular de tabaco e álcool, a experimentação de drogas e a iniciação de atividade sexual. As chances de sofrer violência sexual foram maiores para os estudantes que se sentiam inseguros no trajeto escola-casa e na própria escola, bem como para aqueles que relataram ter sofrido bullying (Tabela 2).

Tabela 2 Fatores de risco associados à violência sexual entre escolares do 9° ano do ensino fundamental. Brasil, 2015. 

Variável ORa IC (95%) p
Inferior Superior
Aspectos Sociodemográficos
Idade
< 13 3,63 2,31 5,70 <0,001
13 1,00
14 1,10 0,97 1,25 0,140
15 1,26 1,09 1,45 0,002
16 e mais 1,28 1,09 1,49 0,002
Sexo
Masculino 1,00
Feminino 1,27 1,17 1,38 <0,001
Cor da pele
Branca 1,00
Preta 1,31 1,16 1,47 <0,001
Amarela 1,41 1,18 1,68 <0,001
Parda 1,05 0,96 1,15 0,294
Indígena 1,28 1,05 1,57 0,015
Escola
Pública 1,00
Privada 0,71 0,62 0,82 <0,001
Escolaridade da mãe
Sem escolaridade 1,00
Primário (incompleto/completo) 0,74 0,65 0,84 <0,001
Secundário (incompleto/completo) 0,67 0,59 0,77 <0,001
Superior (incompleto/completo) 0,77 0,66 0,89 0,001
Mora com mãe e/ou pai
Não 1,00
Sim 0,71 0,61 0,81 <0,001
Trabalha atualmente
Não 1,00
Sim 1,34 1,22 1,48 <0,001
Contexto Familiar
Supervisão familiar
Não 1,00
Sim 0,75 0,69 0,82 <0,001
Ser agredido por familiar
Não 1,00
Sim 2,48 2,27 2,70 <0,001
Saúde Mental
Insônia
Não 1,00
Sim 1,45 1,31 1,60 <0,001
Sentir-se solitário
Não 1,00
Sim 1,73 1,58 1,90 <0,001
Amigos
1 ou mais 1,00
Não tenho 1,70 1,47 1,95 <0,001
Comportamentos de Risco
Tabaco regular
Não 1,00
Sim 1,14 1,00 1,29 0,050
Álcool regular
Não 1,00
Sim 1,25 1,15 1,37 <0,001
Experimentou drogas
Não 1,00
Sim 1,32 1,18 1,47 <0,001
Relação sexual
Não 1,00
Sim 2,48 2,26 2,71 <0,001
Segurança
Sente insegurança para ir para escola ou casa
Não (Nenhum dia) 1,00
Sim (1 dia ou mais) 1,39 1,24 1,56 <0,001
Sente insegurança na escola
Não (Nenhum dia) 1,00
Sim (1 dia ou mais) 1,85 1,64 2,08 <0,001
Sofreu bullying
Não 1,00
Sim 1,70 1,53 1,90 <0,001

Fonte: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), 2015.

Permaneceram como fatores associados e protetores em relação à ocorrência de violência sexual, estudar em escola privada, ser filho de mãe com escolaridade de nível superior, morar com mãe e/ou pai e ter supervisão familiar (Tabela 2).

Discussão

Qualquer pessoa pode sofrer violência sexual, independentemente de condições socioeconômicas, cor da pele ou cultura2,14. Contudo, alguns fatores podem estar associados à vulnerabilidade dos adolescentes a este tipo de violência. Os achados deste estudo mostram que adolescentes com idade inferior a 13 anos, do sexo feminino, com pele de cor preta, que exercem atividade remunerada apresentaram maior chance de serem vítimas de violência sexual. No entanto, estudar em escolas privadas e ter mãe com grau de escolaridade elevado apresentaram-se como fatores de proteção.

A relação entre sofrer violência sexual e idade demonstra que menores de 13 anos são mais vulneráveis a serem vitimizados, isto pode estar relacionado à questão de não saber como reagir diante dessa situação, falta de maturidade, não entender bem o que está acontecendo, vergonha e medo do agressor, aspectos confirmados por outros estudos6,15.

Em consonância a outras pesquisas12,15-18, a maior prevalência de violência sexual no sexo feminino pode ser explicada por fatores culturais que, ao longo do tempo, colocam as mulheres em situações de abuso e desvalorização, condição perpetuada na sociedade. Por outro lado, registros de violência sexual entre adolescentes do sexo masculino podem aparecer em menor proporção que o feminino devido ao constrangimento, medo, estereótipos e vergonha dos pais e da sociedade, como demonstrado em uma pesquisa sobre a vulnerabilidade na adolescência o qual 3% dos meninos relataram ter sofrido violência sexual, sendo que apenas 33,3% procuraram assistência no setor saúde3.

Os adolescentes que trabalham estão mais vulneráveis a comportamentos de risco como usar álcool e outras drogas, ter relações sexuais19 e, inclusive, sofrerem violência sexual como apontado nesse estudo. Quanto maior a intensidade do trabalho, maior o tempo dos jovens em atividades consideradas de risco para violência sexual19.

Sofrer agressões de familiares e faltar às aulas sem a permissão dos pais está associado a sofrer violência sexual, enquanto morar com a mãe ou pai e receber supervisão familiar configuram-se como fatores de proteção. Nesse sentido, alguns estudos14,20 colocam o fato de os filhos que são acompanhados pelos pais estarem menos suscetíveis a sofrerem vários tipos de violência. Outros estudos2,21,22 demonstram que a violência sexual contra adolescentes é mais provável de ocorrer em um contexto familiar de negligência, desproteção, com predomínio de estilos parentais autoritários, relações de subordinação entre membros familiares e executada por pessoas próximas à vítima. Os resultados aqui apresentados confirmam esta perspectiva e evidenciam a importância das relações familiares saudáveis.

Dentre as variáveis de saúde mental, adolescentes que se sentem solitários, têm insônia e não possuem amigos, apresentaram maior chance de sofrerem violência sexual. Estudos2,21,22 relatam que o bom humor, alegria, felicidade e satisfação com a vida, são características de efeito positivo para a saúde mental e, portanto, possibilitam menos exposição a situações de tensão e violência, diminuindo riscos de envolver-se em circunstâncias favoráveis à violência. Logo, se a família protege o adolescente, seu desenvolvimento será pleno e saudável. Tem-se a importância das relações familiares na saúde mental dos escolares e a influência no psicológico, emocional e nas relações interpessoais dos adolescentes.

Em relação aos comportamentos de risco, o uso regular de álcool, experimentar drogas e a prática de relações sexuais também estão associados à violência sexual. A literatura7 indica uma forte associação entre abuso sexual e episódios de depressão. Várias consequências psicossociais podem estar relacionadas ao abuso sexual a longo prazo, como distúrbios psicológicos, incluindo depressão, idéias suicidas, transtornos de ansiedade e transtornos de estresse pós-traumático (PTSD), bem como problemas de saúde física e de risco sexual7,8,23. Suporte materno e apoio dos pares contribuem para a diminuição do PTSD8. Em um estudo24 sobre o consumo de álcool entre adolescente, comprovou-se que seu uso regular torna o indivíduo vulnerável a ser vitima de vários tipos de violência, entre elas a sexual2,21,23, corroborando com os achados deste estudo.

As variáveis sentir-se inseguro para ir para a escola ou casa e na escola e sofrer bullying demonstraram associação com a violência sexual. O bullying comumente ocorrido no ambiente escolar e no seu entorno pode afastar os alunos provocando evasão escolar ou criando vínculos frágeis com a escola aumentando o risco de envolvimento em situações de violência sexual entre jovens já perseguidos ou fragilizados emocionalmente10,21.

Evidências disponíveis mostram que crianças e adolescentes vitimas de violência sexual enfrentam mais problemas de saúde, incorrem em gastos significativamente mais altos com atendimento de saúde, comparecem mais vezes aos serviços de saúde para consultas ao longo da vida, e registram internações em hospitais mais freqüentes e de maior duração do que aquelas que não sofreram violência4.

Desigualdade econômica, uso indevido de bebidas alcoólicas e práticas parentais inadequadas aumentam a probabilidade de violência interpessoal e entre ela a violência sexual. Adolescentes que sofrem esse tipo de violência estão expostos a maior risco de envolver-se em comportamento agressivo e antissocial na vida adulta4.

A prestação de serviços de alta qualidade para atendimento e apoio a vítimas é importante para reduzir traumas, ajudar na recuperação e prevenir novos atos de violência sexual. Qualquer estratégia abrangente de prevenção da violência deve identificar meios para atenuar esses riscos, ou fornecer proteção contra eles, inclusive por meio de políticas públicas e serviços específicos25.

Para reduzir a vulnerabilidade dos jovens em relação à violência sexual, devem ser desenvolvidas estratégias como relacionamentos seguros, estáveis e protetores entre crianças, jovens e seus genitores e cuidadores; desenvolver em crianças e adolescentes habilidades para a vida; reduzir a disponibilidade e o uso nocivo do álcool, promover a igualdade de gênero, mudar normas culturais e sociais que apóiam a violência, criar programas de atendimento a vítima, incluindo identificação e cuidados4.

Conclusão

Os resultados deste estudo indicam que a violência sexual entre adolescentes escolares está associada a características individuais como idade < 13 anos e ≥ 16 anos, sexo feminino, cor da pele preta, trabalhar, ser agredido por familiares, ter insônia, sentir-se solitário, não possuir amigos, consumir tabaco e álcool regularmente, ter experimentado drogas e ter relações sexuais, sentir-se inseguro no trajeto escola-casa e na própria escola e ter sofrido bullying. Tais associações podem apoiar profissionais da saúde, segurança, educação, pais e comunidade na busca de medidas para o enfrentamento e prevenção deste tipo de violência.

Espera-se que os dados possam servir de apoio para subsidiar políticas públicas sobre a violência sexual, tendo em vista que oferecem indicadores que podem contribuir para o desenvolvimento de ações intersetoriais e interdisciplinares. Ressalta-se a necessidade de outros estudos para melhor entendimento da complexidade do fenômeno da violência sexual.

Referências

1. Minayo MCS. Conceito, teorias e tipologias de violência: a violência faz mal a saúde. In: Njaine K, Assis SG, Constantino P, organizadores. Impacto da violência na saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2009. p. 21-42. [ Links ]

2. Paludo SS, Schiro EDBD. Um estudo sobre os fatores de risco e proteção associados à violência sexual cometida contra adolescentes e jovens adultos. Estudos de Psicologia 2012; 17(3):397-404. [ Links ]

3. Justino LCL, Nunes CB, Gerk MAS, Fonseca SSO, Ribeiro AA, Paranhos Filho ACP. Violência sexual contra adolescentes em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Rev Gaúcha Enferm 2015; 36(esp):239-246. [ Links ]

4. Organização Mundial da Saúde (OMS). Relatório Mundial Sobre a Prevenção da Violência 2014. São Paulo: OMS; 2015. [ Links ]

5. Dahlberg LL, Krug EG. Violence: a global public health problem. Cien Saude Colet 2006; 11(Supl.):1163-1178. [ Links ]

6. Krug EG, editor. World report on violence and health. Geneva: World Health Organization; 2002. [ Links ]

7. Modin CT, Cardoso TA, Jansen K, Konradt CE, Zaltron RF, Behenck MO, Mattos LD, Silva RA. Sexual violence, mood disorders and suicide risk: a populations-based study. Cien Saude Colet 2016; 21(3):853-860. [ Links ]

8. Hébert M, Lavoie F, Blais M. Post Traumatic Stress Disorder/PTSD in adolescent victims of sexual abuse: resilience and social support as protection factors. Cien Saude Colet 2014; 19(3):685-694. [ Links ]

9. Kann L, McManus T, Harris WA, Shanklin SL, Flint KH, Hawkins J, Queen B, Lowry R, Olsen EO, Chyen D, Whittle L, Thornton J, Lim C, Yamakawa Y, Brener N, Zaza S. Youth Risk Behavior Surveillance-United States, 2015. MMWR Surveill Summ 2016; 65(6):1-174. [ Links ]

10. Abramovay M, Castro MG, Silva AP, Cerqueira L. Diagnóstico participativo das violências nas escolas: falam os jovens. Brasília: FLACSO – Brasil, MEC; 2016. [ Links ]

11. Ribeiro IMP, Ribeiro AST, Pratese R, Gondolf L. Prevalência das várias formas de violência entre escolares. Acta Paul Enferm 2015; 28(1):54-59. [ Links ]

12. Oliveira JR, Costa COM, Amaral MRT, Santos CA, Assis SG, Nascimento OC. Violência sexual e concorrências em crianças e adolescentes: estudo das incidências ao longo de uma década. Cien Saude Colet 2014; 19(3):759-771. [ Links ]

13. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar, 2015. Rio de Janeiro: IBGE; 2016. [ Links ]

14. Trindade LC, Linhares SM, Vanrell J, Godoy DCA, Martins J, Barbas SM. Sexual violence against children and vulnerability. Rev Assoc Med Bras 2014; 60(1):70-74. [ Links ]

15. Lugão KV, Gonçalves GE, Gomes JM, Silva VP, Jacobson LSV, Cardoso CAA. Abuso sexual crônico: estudos de uma série de casos ocorridos na infância e na adolescência. DST – J Bras Doenças Sex Transm 2012; 24(3):179-182. [ Links ]

16. Assis SG, Gomes R, Oliveira TP. Adolescência, comportamento sexual e fatores de risco à saúde. Rev Saude Publica 2014; 48(1):43-51. [ Links ]

17. Facuri, CO, Fernandes AMDS, Oliveira K D, Andrade TDS, Azevedo RCSD et al. Violência sexual: estudo descritivo sobre as vítimas e o atendimento em um serviço universitário de referência no Estado de São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública 2013; 29(5):889-898. [ Links ]

18. Lima CA, Deslandes SF. Violência sexual contra mulheres no Brasil: conquistas e desafios do setor saúde na década de 2000. Saúde Soc 2014; 23(3):787-800. [ Links ]

19. Giatti L, Campos MO, Crespo CD, Andrade SSCDA, Barreto SM. Labor in early life, vulnerability for health in Brazilian schoolchildren: National Adolescent School-based Health Survey (PeNSE 2012). Rev Bras Epidemiol 2014; 17(Supl. 1):17-30. [ Links ]

20. Justino LCL, Ferreira SRP, Nunes CB, Barbosa MAM, Gerk MADS, Freitas SLFD. Violência sexual contra adolescentes: notificações nos conselhos tutelares, Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil. Rev Gaúcha Enferm 2011; 32(4):781-787. [ Links ]

21. Castro ML, Cunha SS, Souza DPO. Comportamento de violência e fatores associados entre estudantes de Barra do Garças, MT. Rev Saude Publica 2011; 45(6):1054-1061. [ Links ]

22. Zappe JG, Dell Aglio DD. Variáveis pessoais e contextuais associadas a comportamentos de risco em adolescentes. J Bras Psiquiatr 2016; 65(1);44-52. [ Links ]

23. Sasaki RSA, Leles CR, Malta DC, Sardinha LMV, Freire MDCM. Prevalência de relação sexual e fatores associados em adolescentes escolares de Goiânia, Goiás, Brasil. Cien Saude Colet 2015; 20(1):95-104. [ Links ]

24. Malta DC, Mascarenhas MDM, Porto DL, Barreto SM, Morais Neto OLD. Exposição ao álcool entre escolares e fatores associados. Rev Saude Publica 2014; 48(1):52-62. [ Links ]

25. Kappel VB, Gontijo DT, Medeiros M, Monteiro EMLM. Enfrentamento da violência no ambiente escolar na perspectiva dos diferentes atores. Interface (Botucatu) 2014; 18(51):723-735. [ Links ]

Recebido: 28 de Maio de 2017; Revisado: 10 de Junho de 2017; Aceito: 12 de Junho de 2017

Colaboradores

MJ Santos, MDM Mascarenhas e DC Malta trabalharam na concepção do estudo, na análise e interpretação dos dados, revisão de literatura, revisão crítica e aprovação da redação do manuscrito. CM Lima e MMA Silva contribuíram com a análise crítica e revisão final do texto. Todos os autores aprovaram a versão final do manuscrito.

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.