Utilização do 131I no tratamento da doença de Basedow-Graves na infância e adolescência

Radioactive iodine therapy for Graves' disease in childhood and adolescence

Resumos

Embora o diagnóstico da Doença de Graves (DG) na infância e adolescência seja relativamente fácil, seu tratamento ainda é controverso. Pode-se utilizar fármacos anti-tireoideanos (MMZ ou PTU), porém a incidência de efeitos adversos nessa faixa etária é maior que nos adultos e a taxa de remissão é baixa, mesmo com o uso prolongado. A cirurgia é pouco indicada como tratamento inicial, sendo realizada mais freqüentemente após recidiva do tratamento medicamentoso e/ou devido aos seus efeitos adversos. A utilização da radioiodoterapia na infância e adolescência vem crescendo. Com doses adequadas, ocorre o desenvolvimento de hipotireoidismo em cerca de 90% dos casos num período de 3 a 6 meses. Os dados iniciais sugerem que o tratamento em crianças acima de 5 anos não parece estar associado a maior risco de carcinoma de tireóide. A prevalência de efeitos adversos é menor que na cirurgia. Pacientes que apresentam fatores clínicos ou laboratoriais de pior prognóstico evolutivo podem ter seu tratamento medicamentoso encurtado, sendo a indicação da radioiodoterapia realizada mais precocemente.

Doença de Basedow-Graves; Hipertireoidismo; Radioiodoterapia; Fármacos antitiroidianos


While the diagnosis of Graves' disease in childhood and adolescence is relatively straightforward, its treatment remains controversial. The first choice therapy is the use of anti-thyroid drugs, although side effects are more frequent than in adults and remission is low. Surgery is not usually indicated as initial treatment. Instead, it is generally recommended after recidive of the disease or due to side effects of medical treatment. The use of radioiodine therapy is increasing in this age group, especially in North America, and control of the hyperthyroidism is achieved in 3 to 6 months in 90% of the cases. There is no evidence that radioiodine therapy is associated with a higher risk of thyroid cancer, and the occurrence of side effects is lower than surgery. Based on the positive results obtained with this therapy, patients with poor responsiveness to medical treatment should be considered for early radioiodine therapy.

Basedow-Graves disease; Hyperthyroidism; Radioiodine therapy; Anti-thyroid drugs


REVISÃO

Utilização do 131I no tratamento da doença de Basedow-Graves na infância e adolescência

Radioactive iodine therapy for Graves' disease in childhood and adolescence

Osmar Monte; Luis Eduardo P. Calliari; Carlos A. Longui

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, São Paulo, SP

Endereço para correspondência

RESUMO

Embora o diagnóstico da Doença de Graves (DG) na infância e adolescência seja relativamente fácil, seu tratamento ainda é controverso. Pode-se utilizar fármacos anti-tireoideanos (MMZ ou PTU), porém a incidência de efeitos adversos nessa faixa etária é maior que nos adultos e a taxa de remissão é baixa, mesmo com o uso prolongado. A cirurgia é pouco indicada como tratamento inicial, sendo realizada mais freqüentemente após recidiva do tratamento medicamentoso e/ou devido aos seus efeitos adversos. A utilização da radioiodoterapia na infância e adolescência vem crescendo. Com doses adequadas, ocorre o desenvolvimento de hipotireoidismo em cerca de 90% dos casos num período de 3 a 6 meses. Os dados iniciais sugerem que o tratamento em crianças acima de 5 anos não parece estar associado a maior risco de carcinoma de tireóide. A prevalência de efeitos adversos é menor que na cirurgia. Pacientes que apresentam fatores clínicos ou laboratoriais de pior prognóstico evolutivo podem ter seu tratamento medicamentoso encurtado, sendo a indicação da radioiodoterapia realizada mais precocemente.

Descritores: Doença de Basedow-Graves; Hipertireoidismo; Radioiodoterapia; Fármacos antitiroidianos

ABSTRACT

While the diagnosis of Graves' disease in childhood and adolescence is relatively straightforward, its treatment remains controversial. The first choice therapy is the use of anti-thyroid drugs, although side effects are more frequent than in adults and remission is low. Surgery is not usually indicated as initial treatment. Instead, it is generally recommended after recidive of the disease or due to side effects of medical treatment. The use of radioiodine therapy is increasing in this age group, especially in North America, and control of the hyperthyroidism is achieved in 3 to 6 months in 90% of the cases. There is no evidence that radioiodine therapy is associated with a higher risk of thyroid cancer, and the occurrence of side effects is lower than surgery. Based on the positive results obtained with this therapy, patients with poor responsiveness to medical treatment should be considered for early radioiodine therapy.

Keywords: Basedow-Graves disease; Hyperthyroidism; Radioiodine therapy; Anti-thyroid drugs

A DOENÇA DE BASEDOW-GRAVES (DG) é pouco freqüente na infância e adolescência, sendo que apenas 1 a 5% dos pacientes afetados estão compreendidos nessa faixa etária (1). Porém, a DG, uma doença autoimune caracterizada por apresentar bócio difuso, hipertireoidismo e oftalmopatia, é a principal causa de tireotoxicose na infância (2). As outras causas, como a síndrome de McCune Albright, o adenoma tóxico, a tireoidite sub aguda, o adenoma hipofisário produtor de TSH, a resistência hipofisária aos hormônios tireoideanos e a ingestão excessiva de iodo são bem menos freqüentes (2,3). A DG tem pico de incidência entre os 11 a 15 anos, sendo rara abaixo dos 5 anos. Afeta 0,1 por 100000 crianças e 3,0 em 100000 adolescentes, e a distribuição por sexo mostra 3,5 a 6,1 meninas para cada menino (1,4,5). Uma vez desencadeada a autoimunidade, o anticorpo anti-receptor do TSH (TRAb) acarreta excessiva produção e liberação dos hormônios tireoideanos (HT), resultando em tireotoxicose (6).

A tireotoxicose não tratada acarreta sérios problemas físicos e psíquicos, afetando o crescimento tanto da criança quanto do adolescente (2) e, com freqüência, se acompanha de perda de peso, taquicardia, sudorese, polidipsia, poliúria, diminuição da mineralização do esqueleto, alterações do comportamento e diminuição do rendimento escolar (2,7). Pelo fato da DG ser de evolução longa e ter difícil remissão espontânea, em especial na infância e adolescência, o tratamento adequado do hipertireoidismo é essencial para a manutenção da saúde e o bem estar do paciente.

TRATAMENTO

O tratamento da DG na infância e adolescência é objeto de muitas controvérsias. Não há cura específica da doença e cada tipo de tratamento proposto pode acarretar efeitos colaterais mais ou menos graves. O objetivo do tratamento é diminuir o excesso de produção dos HT e restaurar o eutireoidismo do modo mais seguro e menos oneroso. Cada uma das três formas de tratamento (fármacos anti-tireoideanos, radioiodoterapia, cirurgia) apresenta distintas vantagens e limitações (tabela 1), porém, nenhuma delas afeta primariamente a auto imunidade, acarretando a diminuição do TRAb, embora as tiuréias tendam a diminuir a concentração do mesmo (8).

Fármacos Anti-tireoideanos e Beta-bloqueadores

O uso de ß-bloqueadores (propranolol: 1mg/kg/dia) pode ser útil na fase inicial do seguimento , antes que outras formas de tratamento sejam prescritas (9). Os efeitos adversos das tionamidas como o Propiltiuracil (PTU) e Metimazol (MMZ) são mais freqüentes na infância que nos adultos, afetando de 5 a 32% (10) dos pacientes pediátricos, determinando a suspensão de seu uso em cerca de 1/3 dos casos (1,10). A dose mais comumente utilizada é de 1mg/kg/dia para o MMZ e 10mg/kg/dia para o PTU. Se o tratamento medicamentoso for suspenso, a nova opção terapêutica (cirurgia e/ou radioiodoterapia) dependerá dos estado clínico do paciente e da experiência do médico. Os principais problemas do tratamento medicamentoso são o longo tempo de uso necessário (mínimo de 1 a 2 anos ou uso crônico) e a baixa taxa de remissão (25 a 50%) após a sua suspensão. Nesses dois aspectos, os relatos da literatura são muito discordantes (1,11-13). Como a maioria dos pacientes pediátricos requer períodos longos de tratamento medicamentoso, é difícil manter a aderência ao mesmo, o que pode contribuir para o insucesso terapêutico (14).

Tratamento Cirúrgico

A cirurgia é a terapia mais antiga para a DG. Na Europa, a tireoidectomia total ou quase total representa a terapia de escolha para a DG na infância e adolescência que tenha recidivado durante ou após a suspensão do tratamento medicamentoso, ou nos pacientes que não toleram o uso de fármacos. Poucos autores recomendam a cirurgia como primeira escolha no tratamento (1,4,15). A taxa de mortalidade peri-operatória é menor nas crianças (0,08%) que nos adultos (0,5%) (16). Em cerca de 10% dos pacientes ocorre hipocalcemia transitória, mas o hipoparatireoidismo permanente é menos freqüente e a paralisia do nervo recorrente pode acontecer em 1,7-2,8% dos operados (2,17). O hipotireoidismo pós tireoidectomia quase total aparece em praticamente todos os pacientes, enquanto ocorre em apenas 42-60% após tireoidectomia sub-total (2,17). Os efeitos benéficos do tratamento cirúrgico da DG na infância e adolescência devem ser cuidadosamente analisados frente aos riscos das complicações possíveis inerentes ao ato cirúrgico, em especial em serviços com menor experiência cirúrgica nessa faixa etária (8).

Tratamento com Iodo Radioativo

A radioiodoterapia para a DG foi introduzida inicialmente no Massachusetts General Hospital (18) e acredita-se que mais de 2 milhões de pessoas já tenham feito uso dessa forma de terapia (10). Após a administração oral do I131, a maior parte da radiação se concentra na glândula tireóide. O I131 emite radiação ß e g, sendo a destruição da célula folicular devida à radiação ß (19,20). A partícula ß tem penetração de 1 a 2mm e destrói as células que a captam, bem como as células das áreas adjacentes (19,20). Os achados histológicos após o tratamento com radioiodo são edema e necrose das células epiteliais, e infiltrado leucocitário. O processo inflamatório agudo é seguido por fibrose da glândula (19,20).

A dose de iodo retido na tireóide depende do tamanho da glândula e da atividade da doença. A dose do radioiodo a ser administrada pode ser calculada levando-se em consideração o tamanho da glândula e a captação do iodo pela mesma, usando-se uma fórmula padrão [dose (µCi) = (µCi de I131/g de tireóide x peso estimado da tireóide)/captação do radioiodo em 24h] (21,22). O tamanho da glândula pode ser avaliado clinicamente comparando-a ao tamanho normal (0,5-1g/ano de vida; 15-20g para os adultos) ou, mais precisamente, através da ultra-sonografia (23). Mesmo que possamos determinar o tamanho da glândula, a captação do iodo, a meia vida efetiva do radioiodo e o cálculo padrão da dose a ser administrada, a eficácia do tratamento ainda é imprecisa, devido à variação individual da sensibilidade da célula folicular ao radioiodo (24). Por isso, a estimativa clínica do tamanho da glândula geralmente é suficiente para se determinar a dose (10).

A administração de 30000 a 40000cGy (centi-Grays) à tireóide é suficiente para que ocorra a ablação da glândula (25). Entretanto, a dose mais usada varia entre 10000 a 20000cGy e induz a destruição total ou parcial da glândula (19,20,25). A administração de 150µ/Ci/g de tireóide provê uma dose de 12000cGy à glândula (20,26). A exposição dos outros órgãos à radiação é baixa: estômago 14cGy, medula 6,8cGy, fígado 4,8cGy e gônadas 2,5cGy (20,26). A meia vida efetiva do radioiodo é de 7 dias e assim, após 5 semanas do tratamento, menos de 1% da dose administrada permanece na tireóide (20). Em nosso serviço, a utilização do radioiodo na infância e adolescência na dose entre 10 e 15mCi de acordo com o volume do bócio mostra-se efetiva em cerca de 90% dos casos. O hipotireoidismo se instala num período entre 3 a 6 meses após a radioiodoterapia.

A eficácia da radioiodo terapia é dose dependente e alcança altas taxas de remissão (1,10). Após a administração de 150-200µCi/g de tecido de I131, a taxa de cura do hipertireoidismo a longo prazo é de 90% ou superior. A taxa de remissão pode ser menor nos pacientes com bócio maior (> 80g) ou com altos títulos de TSI (10). Usando-se doses menores, entre 50-100mCi/g de tecido na infância, o hipertireoidismo persiste em mais de 40% dos caso no primeiro ano após o tratamento (10).

A tireóide diminui de tamanho cerca de 6 a 8 semanas após a administração do radioiodo (10), um processo que pode durar até 18 semanas (27). Se o paciente persistir em hipertireoidismo após 2 meses do radioiodo, uma segunda dose pode ser administrada num período de 6 meses após o tratamento inicial (10), ou eventualmente mais tarde (28).

Assim como em adultos, o tratamento medicamentoso antes da administração do radioiodo na infância e adolescência geralmente não é necessário, podendo-se usar apenas bloqueador ß-adrenérgico (1,10,29). Há trabalhos sugerindo que o tratamento medicamentoso prévio pode reduzir a resposta ao I131 (10,30). Entretanto, alguns autores preferem fazer uso do tratamento medicamentoso algumas semanas antes do radioiodo, suspendê-lo uma semana antes da administração e reintroduzir o fármaco uma semana após o uso do I131 (28). A razão para o uso prévio seria 1) exacerbação da exoftamopatia após o uso do I131, complicação pouco freqüente na infância (10), 2) diminuir o estoque de hormônio tireoideano pré formado, o que reduziria o risco de agravamento da tireotoxicose pela tireoidite induzida pelo I131, o que ocorre geralmente dentro das 2 primeira semanas após o I131 e pode acarretar, raramente, crise tireotóxica (10). Esse risco pode ser maior em pacientes com bócio volumoso ou com tireotoxicose severa (8). Nos casos de exacerbação transitória do hipertireoidismo não controlado com o uso de ß-bloqueador, pode ser usado iodeto ou ipodato (8). Raros efeitos colaterais têm sido relatados com a radioiodoterapia em crianças com DG. Dor cervical, edema e náuseas são menos freqüentes que nos adultos. Hipo ou hiperparatireoidismo são raros e transitórios e resultam de um efeito direto da exposição à radiação das glândulas paratireóides (10).

Existem poucos relatos na literatura sobre o uso do I131 em crianças muito jovens, sendo a mais jovem com 1 ano de idade (31). Estudos após o acidente nuclear de Chernobyl mostraram que o câncer de tireóide ocorreu em maior número em crianças que tinham menos de 1 ano de idade (32). O risco de câncer de tireóide após radiação externa é maior em crianças menores de 5 anos e declina progressivamente com a idade (33,34). Os dados acima relatados abrem a discussão sobre o possível risco carcinogênico neste grupo das crianças (35), sugerindo que seja mais seguro evitar o uso do I131 antes dos 5 (10) ou 6 (36) anos de idade. Deve ser enfatizada a necessidade de se usar dose suficientemente alta do I131 para que ocorra a ablação da glândula e, desse modo, diminuir o risco de carcinogênese induzida pelo I131 (10,28). Pelo fato de que os tumores induzidos pela radiação na tireóide aparecem tipicamente 10 a 20 anos após a exposição, o seguimento a longo prazo se faz necessário nesses pacientes (37).

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Embora o uso de fármacos anti-tireoideanos esteja associado a efeitos colaterais mais freqüentes na infância e o percentual de controle efetivo da doença seja baixo, esta forma de tratamento continua sendo a primeira escolha para muitos endocrinologistas. Entretanto, quando o uso do medicamento necessita ser suspenso devido a efeitos colaterais, quando há má aderência ao seu uso ou após recidiva da doença, que pode ocorrer durante ou após a retirada do medicamento, uma terapêutica definitiva deve ser escolhida. Uma vez que a tireoidectomia necessita de hospitalização, está sujeita a complicações e tem custo elevado, atualmente cresce a indicação do uso do radioiodo como tratamento de escolha para as crianças acima de 5 anos, com o qual se atinge alta taxa de remissão. Deve-se lembrar que, tanto utilizando-se a tireoidectomia quanto a radioiodoterapia, o desenvolvimento de hipotireoidismo é muito comum, o que requer terapêutica substitutiva permanente. De acordo com os estudos publicados de seguimento à longo prazo, a radioiodoterapia em crianças e adolescentes é efetiva e de baixo custo.

Embora os estudos de crianças com doença de Graves tratadas com doses ablativas de radioiodo não revelem risco aparente de aumento da incidência de câncer de tireóide, estudos a mais longo prazo e em grandes populações são necessários para melhor se definir a incidência real de neoplasia de tireóide e outros possíveis efeitos colaterais da radioiodoterapia em crianças e adolescentes. O pequeno risco, baixo custo, e a praticidade da radioiodoterapia têm favorecido, nos Estados Unidos, sua indicação para as crianças e adultos. Sua indicação na Europa e Japão continua sendo mais restrita.

Pacientes que apresentam fatores clínicos ou laboratoriais de pior prognóstico evolutivo podem ter seu tratamento medicamentoso encurtado, sendo a indicação da radioiodoterapia realizada mais precocemente.

AGRADECIMENTO

Agradecemos ao Núcleo de Apoio à Publicação da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo NAP-SC pelo suporte técnico-científico à publicação deste manuscrito.

Recebido em 01/11/03

Aceito em 16/11/03

  • 1. LaFranchi S, Mandel SH. Graves' disease in the neonatal period and childhood. In: Braverman LE, Utiger RD, editors. Werner and Ingbar's the thyroid: A fundamental and clinical text 7th ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins, 1996p.1000-8.
  • 2. Zimmerman D, Lteif AN. Thyrotoxicosis in children. Endocrinol Metab Clin North Am 1998;27:109-26.
  • 3. Foley TP Jr. Thyrotoxicosis in childhood. Pediatr Ann 1992;21:43-9.
  • 4. Gruters A. Treatment of Graves' disease in children and adolescents. Horm Res 1998;49:255-7.
  • 5. Fisher DA. Graves' disease in children. Curr Ther Endocrinol Metab 1994;5:71-4.
  • 6. McIver B, Morris JC. The pathogenesis of Graves' disease. Endocrinol Metab North Am 1998;27:73-89.
  • 7. Saxena KM, Crawford JD, Talbot NB. Childhood thyrotoxicosis: a long-term perspective. Br Med J 1964;5418:1153-8.
  • 8. Kraiem Z, Newfield RS. Graves' disease in childhood. J Pediatr Endocrinol Metab 2001;14,229-43.
  • 9. Ventrella SM, Klein I. Beta-adrenergic receptor blocking drugs in the management of hyperthyroidism. Endocrinologist 1994;4:391-9.
  • 10. Rivkees SA, Sklar C, Freemark M. Clinical review 99: The management of Graves' disease in children, with special emphasis on radioiodine treatment. J Clin Endocrinol Metab 1998;83:3767-76.
  • 11. Lippe BM, Landaw EM, Kaplan SA. Hyperthyroidism in children treated with long-term medical therapy: twenty-five percent remission every two years. J Clin Endocrinol Metab 1987;64:1241-5.
  • 12. Hamburger JI. Management of hyperthyroidism in children and adolescents. J Clin Endocrinol Metab 1985;60:1019-24.
  • 13. Barnes HV, Blizzard RM. Antithyroid drug therapy for toxic diffuse goiter (Graves' disease): thirty years experience in children and adolescents. J Pediatr 1977;91:313-20.
  • 14. Franklyn JA. The management of hyperthyroidism. N Engl J Med 1994;330:1731-8.
  • 15. Perrild H, Gruters-Kieslich A, Feldt-Rasmussen U, Grant D, Martino E, Kayser L, et al. Diagnosis and treatment of thyrotoxicosis in childhood. A European questionnaire study. Eur J Endocrinol 1994;131:467-73.
  • 16. Foster RS Jr. Morbidity and mortality after thyroidectomy. Surg Gynecol Obstet 1978;146:423-9.
  • 17. Rudberg C, Johansson H, Akerstrom G, Tuvemo T, Kalsson FA. Graves' disease in children and adolescents. Late results of surgical treatment. Eur J Endocrinol 1996;134:710-5.
  • 18. Chapman EM. History of the discovery and early use of radioactive iodine. JAMA 1983;250:2042-54.
  • 19. Links JM, Wagner HN. Radiation physics. In: Braverman LE, Utiger RD, editors. Werner and Ingbar's the thyroid: A fundamental and clinical text 6th ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins, 1991p.405-20.
  • 20. Willians ED. Biological effects of radiation on the thyroid. In: Braverman LE, Utiger RD, editors. Werner and Ingbar's the thyroid: A fundamental and clinical text 6th ed. Philadelpha: Lippincott Williams & Wilkins, 1991p.421-36.
  • 21. Cooper DS. Treatment of thyrotoxicosis. In: Braverman LE, Utiger RD, editors. Werner and Ingbar's the thyroid: A fundamental and clinics text 6th ed. Philadelpha: Lippincott Williams & Wilkins, 1991p.887-916.
  • 22. de Bruin TW, Croon CD, de Klerk JM, van Isselt JW. Standardized radioiodine therapy in Graves' disease: the persistent effect of thyroid weight and radioiodine uptake on outcome. J Intern Med 1994;236:507-13.
  • 23. Ueda D. Normal volume of the thyroid gland in children. J Clin Ultrasound 1990;18:455-62.
  • 24. Peters H, Fischer C, Bogner U, Reiners C, Scheleusener H. Radioiodine therapy of Graves' hyperthyroidism: standard vs. calculated 131 iodine activity. Results from a prospective, randomized, multicentre study. Eur J Clin Invest 1995;25:186-93.
  • 25. Goolden AW, Davey JB. The ablation of normal thyroid tissue with iodine-131. Br J Radiol 1963;36:340-5.
  • 26. Graham GD, Burman KD. Radioiodine treatment of Graves' disease. An assessment of its potential risks. Ann Intern Med 1986;105:900-5.
  • 27. Dallas JS, Foley TP Jr. Hypertyroidism. In: Lifshitz F, editor. Pediatric endocrinology New York: Marcel Decker, 1996p.401-14.
  • 28. Cheetham TD, Wraight P, Hughes IA, Barnes ND. Radioiodine treatment of Graves' disease in young people. Horm Res 1998;49:258-62.
  • 29. Andrade VA, Gross JL, Maia AL. Effect of methimazole pretreatment on serum thyroid hormone levels after radioactive treatment in Graves' hyperthyroidism. J Clin Endocrinol Metab 1999;84:4012-6.
  • 30. Hancock LD, Tuttle RM, LeMar H, Bauman J, Patience T. The effect of propylthiouracil on subsequent radioactive iodine therapy in Graves' disease. Clin Endocrinol (Oxf) 1997;47:425-30.
  • 31. Safa AM, Schumacher OP, Rodriguez-Antunez A. Long-term follow-up results in children and adolescents treated with radioactive iodine (131I) for hyperthyroidism. N Eng J Med 1975;292:167-71.
  • 32. Nikiforov Y, Gnepp DR, Fagin JA. Thyroid lesions in children and adolescents after the Chernobyl disaster: implications for the study of radiation tumorigenesis. J Clin Endocrinol Metab 1996;81:9-14.
  • 33. Shore RE. Issues and epidemiological evidence regarding radiation-induced thyroid cancer. Radiat Res 1992;131:98-111.
  • 34. Ron E, Lubin JH, Shore RE, Mabuchi K, Modan B, Pottern LM, et al. Thyroid cancer after exposure to external radiation: a pooled analysis of seven studies. Radiat Res 1995;141:259-77.
  • 35. Rauh V, Kujath HP, Reimers C, Hocht B. Indications, surgical treatment and after-care in juvenile hyperthyroidism. Prog Pediatr Surg 1991;26:28-30.
  • 36. Foley TP Jr. Management of Graves' disease in childhood and the role of radioiodine treatment. The Endocrine Society 82nd Annual Meeting, Toronto, June 2000 Abst 187.
  • 37. Dobyns BM, Sheline GE, Workman JB, Tompkins EA, McConahey WM, Becker DV. Malignant and benign neoplasms of the thyroid in patients treated for hyperthyroidism: a report of the cooperative thyrotoxicosis therapy follow-up study. J Clin Endocrinol Metab 1974;38:976-98.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    01 Jun 2004
  • Data do Fascículo
    Fev 2004

Histórico

  • Aceito
    16 Nov 2003
  • Recebido
    01 Nov 2003
Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Rua Botucatu, 572 - conjunto 83, 04023-062 São Paulo, SP, Tel./Fax: (011) 5575-0311 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: abem-editoria@endocrino.org.br