Adenocarcinoma de glândula parótida em vaca: relato de caso

RESUMO

Foi atendida uma vaca da raça Girolando, de nove anos de idade, de aptidão leiteira, pesando aproximadamente 400kg e com histórico de aumento de volume na região parotídea e submandibular direita. Diante do prognóstico desfavorável, o animal foi submetido à eutanásia e encaminhado para exame anatomopatológico. Fragmentos da glândula parótida e dos linfonodos alterados foram colhidos e encaminhados para exame histopatológico. À avaliação microscópica, observaram-se acentuada anaplasia, moderada proliferação celular, figuras de mitose atípicas e focos de necrose. O estroma variava de delicado a esquirroso e os limites do tumor eram imprecisos. Esses achados fundamentaram o diagnóstico de carcinoma indiferenciado com metástase em linfonodos. No exame imuno-histoquímico, foram utilizados anticorpos primários monoclonais anti-CK Pan (clone AE1AE3), anti-CK alto peso molecular (clone 34βE12), anti-CK19 (clone RCK108), antivimentina (clone V9), anti-S100 (policlonal) e antirreceptor de andrógenos (policlonal). As células neoplásicas apresentaram imunomarcação para todos os anticorpos testados, resultado que favorece o diagnóstico de adenocarcinoma de glândula salivar. Embora raro em bovinos, o adenocarcinoma de glândula salivar deve ser considerado no diagnóstico diferencial de doenças que cursam com aumento de volume na cabeça, linfadenopatia salivação, disfagia e emagrecimento progressivo.

Palavras-chave:
bovino; citologia; glândulas salivares; imuno-histoquímica; neoplasia maligna

Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária Caixa Postal 567, 30123-970 Belo Horizonte MG - Brazil, Tel.: (55 31) 3409-2041, Tel.: (55 31) 3409-2042 - Belo Horizonte - MG - Brazil
E-mail: abmvz.artigo@abmvz.org.br