A bioética de intervenção em contextos descoloniais

Bioética de intervención en contextos descoloniales

The intervention bioethics in decolonial contexts

Resumos

O presente artigo pretende mostrar o alinhamento da bioética de intervenção com as propostas descoloniais, entendidas como críticas e alternativas ao modo de operação da lógica da colonialidade. O vínculo da referida proposta bioética com as críticas ao padrão de poder colonial ocorre por meio da proposição da vinculação inexorável com a parte mais vulnerável da sociedade. Para essa defesa da parcela mais atingida pela vulnerabilidade, propõe-se que eixos como a crítica, o diálogo, a relação com o Estado sejam revisados desde a perspectiva dos mais vulneráveis e não apenas para os mais vulneráveis. Neste contexto, a percepção da interseccionalidade de vulnerabilidades é fundamental.

Bioética; Política; Poder; Vulnerabilidade social; Saúde pública


El presente artículo tiene como objetivo mostrar el alineamiento de la bioética de intervención con las propuestas descoloniales, entendidas como críticas y alternativas al modo de la operación de la lógica de la colonialidad. El vínculo de la referida propuesta bioética con las críticas del patrón colonial ocurre a través de proposición de la vinculación inexorable con la parte más vulnerable de la sociedad. Para esta defensa de la parte más afectada por la vulnerabilidad, se propone que ejes como la crítica, el diálogo, la relación con el Estado sean revisados desde la perspectiva de los más vulnerables y no sólo para los más vulnerables. En este contexto, la percepción de la interseccionalidad de vulnerabilidades es esencial.

Bioética; Política; Poder; Vulnerabilidad social; Salud pública


The present study aims to show the alignment of bioethics of intervention with decolonial proposals, understood as criticisms and alternatives to the coloniality logic's operation mode. The bond of the refereed bioethics proposal with the criticisms towards the colonial power pattern is through the proposition of the inexorable link with the most vulnerable part of society. For the defense of the group that is most affected by the vulnerability, it is suggested that the axes such as criticism, dialogue, relations with the State must be reviewed from the perspective of the most vulnerable ones and not just for those most vulnerable. In this context, the perception of intersectionality vulnerabilities is essential.

Bioethics; Politics; Power; Social vulnerability; Public health


  • 1
    Porto D. Bioética de intervenção: retrospectiva de uma utopia. In: Porto D, Garrafa V, Martins GZ, Barbosa SN, coordenadores. Bioéticas, poderes e injustiças: 10 anos depois. Brasília: CFM; 2012. p. 109-26.
  • 2
    Quijano A. Diversidade étnica. In: Sader E, et al, coordenadores. Latinoamericana. Enciclopédia contemporânea da América Latina e do Caribe. Rio de Janeiro: UERJ; São Paulo: Bomtempo; 2006. p. 520-30.
  • 3
    Foucault M. O nascimento da medicina social. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal; 1988. p. 79-98.
  • 4
    Foucault M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal; 1988. p. 76.
  • 5
    Nascimento WF. A modernidade vista desde o Sul: perspectivas a partir das investigações acerca da colonialidade. Padê: Est. em Filos., Raça, Gên.e Dir. Hum. 2009;1(1-2):1-19.
  • 6
    Porto D, Garrafa V. Bioética de intervenção: considerações sobre a economia de mercado. Bioética. 2005;13(1):111-23.
  • 7
    Crenshaw KW. Mapping the margins: intersectionality, identity politics, and violence against women of color. In: Fineman MA, Mykitiuk R, editores. The public nature of private violence. New York: Routledge; 1994. p. 93-118.
  • 8
    Oliveira F. Condición socioeconómica, de género y raza/etnia en las investigaciones biomédicas. In: Keyeux G, Penschaszadeh V, Saada A, coordenadores. Ética de la investigación en seres humanos y políticas de salud pública. Bogotá: UNESCO/Red Latinoamericana y del Caribe/Universidad Nacional de Colombia; 2006. p. 65.
  • 9
    Nascimento WF. Por uma vida descolonizada: diálogos entre a bioética de intervenção e os estudos sobre a colonialidade. [tese]. Brasília: UnB; 2010.
  • 10
    Conselho Federal de Medicina. Mori M [Entrevista]. Jornal Medicina. 1995;10(60):8-9.
  • 11
    Garrafa V, Lorenzo, C. Moral imperialism and multi-centric clinical trials in peripheral countries. Cad Saude Publica. 2008;24(10):2.219-26.
  • 12
    Ventura M. A mortalidade materna: a persistente violação do direito de proteção da vida e autonomia feminina. Rev. bioét. (Impr.) 2008;16(2):217-28.
  • 13
    Berquó ES. Aspectos demográficos da população feminina. Seminário Nacional: Gestão em Saúde da Mulher. Brasília: Ministério da Saúde; 2004. p. 8-13.
  • 14
    Perpétuo IHO. Raça e acesso às ações prioritárias na agenda da saúde reprodutiva. Jornal da Rede Saúde. 2000;(22):24-8.
  • 15
    Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Manual de doenças mais importantes, por razões étnicas, na população brasileira afrodescendente. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.
  • 16
    Sant'Anna W. Dossiê assimetrias raciais no Brasil: alerta para a elaboração de políticas. In: Maia MB, coordenadora. Belo Horizonte: Rede Nacional Feminista de Saúde, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos; 2003.
  • 17
    Martins AL. Mortalidade materna de mulheres negras no Brasil. Cad Saude Publica. 2006;22(11):2.476.
  • 18
    Ventura M. Op. cit. p. 220.
  • 19
    Gramsci A. Os intelectuais e a organização da cultura. In: Coutinho CN, tradutor. 4ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 1982.
  • 20
    Santos TN. Palavra-pedra da consciência negra: escritas contra-hegemônicas e formas outras de existência na obra de Ellen Oléria. [monografia]. Brasília: UnB; 2010. p. 10.
  • 21
    Foucault M. Anti-Édipo: uma introdução à vida não-fascista. Paris: Gallimard; 1994.
  • 22
    Spivak GC. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG; 2010.
  • 23
    Nascimento WF. Op. cit. p. 126.
  • 24
    Freire P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra; 1996.
  • 25
    Nascimento WF. Op. cit. p. 128.
  • 26
    Justo L. Bioética, interculturalidad y derechos humanos. Ponencia en las segundas jornadas de filosofía política: convivencia democrática. Convivencia Democrática 5-8 de maio 2009, Bahia Blanca, Argentina. Disponível: cefysmdp.com.ar/mesas/justoluis.doc (acesso 10 dez. 2009).
  • 27
    Garrafa V, Portilho JAC. Determinantes sociais da doença. Saúde em Debate. 2009;33(83):388-96.
  • 28
    Feitosa SF. Pluralismo moral e direito à vida: apontamentos bioéticos sobre a prática do infanticídio em comunidades indígenas no Brasil. In: Garrafa V, orientador. [dissertação]. Brasília: UnB; 2010.
  • 29
    Santos BS. O fórum social mundial: manual de uso. São Paulo: Cortez; 2005. p. 222.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    13 Mar 2014
  • Data do Fascículo
    Dez 2013

Histórico

  • Recebido
    03 Jun 2013
  • Aceito
    29 Jul 2013
  • Revisado
    10 Jul 2013
Conselho Federal de Medicina SGAS 915, lote 72, CEP 70390-150, Tel.: (55 61) 3445-5932, Fax: (55 61) 3346-7384 - Brasília - DF - Brazil
E-mail: bioetica@portalmedico.org.br