A COOCORRÊNCIA DE PLANTAS NA CAATINGA PODE SER EXPLICADA PELO PROCESSO DE FACILITAÇÃO? ESTUDO DE CASO COM DUAS ESPÉCIES DE FABACEAE

CAN THE CO-OCURRENCE OF PLANTS IN CAATINGA BE EXPLAINED BY THE FACILITATION PROCESS? A CASE STUDY OF TWO SPECIES OF FABACEA

Djane Ventura de Azevedo Roberta Boscaini Zandavalli Tiago Osório Ferreira Fernando Roberto Martins Francisca Soares de Araújo Sobre os autores

RESUMO

Diferenças heteroespecíficas nas taxas de crescimento em altura, na produção de biomassa e na área foliar entre espécies coocorrentes são formas de medir a ocorrência de interações: facilitação ou competição. Com base no conceito mais amplo de facilitação, este tipo de interação positiva tem sido relatado para explicar a coocorrência de espécies em ambientes com alta limitação de recurso, a exemplo de climas árticos e áridos. O objetivo deste estudo foi avaliar se a facilitação pode favorecer o desenvolvimento inicial das populações de Mimosa caesalpiniifolia e Bauhinia cheilantha, duas espécies típicas da região da Caatinga, em casa de vegetação. As plântulas de Mimosa caesalpiniifolia Benth e de Bauhinia cheilantha (Bongard) foram cultivadas em vasos por 120 dias, nas proporções de 4:1; 3:2; 2:3; 1:4; 5:0; 0:5. Também foram realizadas avaliações na estrutura e em alguns teores (nitrogênio e fósforo) de nutrientes no solo e na folha das plântulas. Os resultados de crescimento, alocação de biomassa e concentrações de nitrogênio e fósforo nas folhas de Mimosa caesalpiniifolia foram influenciados positivamente com o aumento da densidade de indivíduos de Bauhinia cheilantha (Bongard) Steudel. No entanto, esta última espécie teve a menor taxa de crescimento de competição intraespecífica. Se for adotado o conceito mais amplo de facilitação, pode-se afirmar que houve interações positivas. Por se tratar de duas espécies de Fabaceae que podem apresentar associações com fungos micorrízicos e com bactérias diazotróficas, o principal nutriente limitante para o bom desempenho na coocorrência destas duas populações deverá ser o fósforo, pois não houve diferenças na quantidade de nitrogênio disponível no solo entre o início e o final do experimento.

Palavras-chave:
interações; intraespecíficas; interespecíficas; desenvolvimento inicial de plantas

Universidade Federal de Santa Maria Av. Roraima, 1.000, 97105-900 Santa Maria RS Brasil, Tel. : (55 55)3220-8444 r.37, Fax: (55 55)3220-8444 r.22 - Santa Maria - RS - Brazil
E-mail: cienciaflorestal@ufsm.br