Patogenicidade de Beauveria bassiana (Bals.) Vuill. sobreTuta absoluta (Meyrick) (Lepidoptera: Gelechiidae) Criada em Dois Genótipos de Tomateiro

Pathogenicity of Beauveria bassiana (Bals.) Vuill. to Tuta absoluta (Meyrick) (Lepidoptera: Gelechiidae) Reared on Two Genotypes of Tomato

Resumos

Lagartas de Tuta absoluta (Meyrick) foram criadas em folhas de tomateiro Lycopersicon hirsutum f. glabratum (PI 134417, resistente) e L. esculentum (cv. Santa Clara, suscetível) até atingirem diferentes ínstares. Para cada um dos ínstares, foi desenvolvido um experimento no qual as lagartas foram alimentadas com folhas dos dois genótipos tratadas com suspensão de conídios de Beauveria bassiana (Bb). A mortalidade foi avaliada diariamente até o final da fase larval. A alimentação de T. absoluta sobre o genótipo PI 134417 reduziu a sobrevivência larval. A aplicação de Bb nos dois genótipos de Lycopersicon provocou mortalidade em todos os ínstares. Entretanto, Bb inoculado no genótipo resistente provocou efeito sinérgico ou aditivo na sobrevivência larval. Este efeito foi dependente do ínstar em que as lagartas foram alimentadas com folhas tratadas com o fungo.

Insecta; traça-do-tomateiro; resistência de plantas; fungo entomopatogênico


Tuta absoluta (Meyrick) larvae were fed on tomato leaves Lycopersicon hirsutum f. glabratum (PI 134417, resistant) and L. esculentum (cv. Santa Clara, susceptible) in order to obtain different instar larvae. Bioassays with tomato leaves of both genotypes untreated and treated with Beauveria bassiana (Bb) were conducted for each larval instar. Daily mortality was evaluated until the end of the larval phase. Feeding on PI 134417 reduced the larval survival of T. absoluta. When Bb was applied to the two genotypes of Lycopersicon, mortality occurred in all T. absoluta instars. Application of Bb on tomato leaves resulted synergistic or additive effects with the resistant genotype on larval survival. These effects depended on the instar the larvae fed on Bb-treated leaves.

Insecta; pinworm; plant resistance; entomopathogenic fungus


a13v30n3

BIOLOGICAL CONTROL

Patogenicidade de Beauveria bassiana (Bals.) Vuill. sobreTuta absoluta (Meyrick) (Lepidoptera: Gelechiidae) Criada em Dois Genótipos de Tomateiro

TERESINHA A. GIUSTOLIN, JOSÉ D. VENDRAMIM, SÉRGIO B. ALVES E SOLANGE A. VIEIRA

Depto. de Entomologia, Fitopatologia e Zoologia Agrícola, ESALQ/USP

Caixa postal 9, 13418-900, Piracicaba, SP

Pathogenicity of Beauveria bassiana (Bals.) Vuill. to Tuta absoluta (Meyrick) (Lepidoptera: Gelechiidae) Reared on Two Genotypes of Tomato

ABSTRACT - Tuta absoluta (Meyrick) larvae were fed on tomato leaves Lycopersicon hirsutum f. glabratum (PI 134417, resistant) and L. esculentum (cv. Santa Clara, susceptible) in order to obtain different instar larvae. Bioassays with tomato leaves of both genotypes untreated and treated with Beauveria bassiana (Bb) were conducted for each larval instar. Daily mortality was evaluated until the end of the larval phase. Feeding on PI 134417 reduced the larval survival of T. absoluta. When Bb was applied to the two genotypes of Lycopersicon, mortality occurred in all T. absoluta instars. Application of Bb on tomato leaves resulted synergistic or additive effects with the resistant genotype on larval survival. These effects depended on the instar the larvae fed on Bb-treated leaves.

KEY WORDS: Insecta, pinworm, plant resistance, entomopathogenic fungus.

RESUMO - Lagartas de Tuta absoluta (Meyrick) foram criadas em folhas de tomateiro Lycopersicon hirsutum f. glabratum (PI 134417, resistente) e L. esculentum (cv. Santa Clara, suscetível) até atingirem diferentes ínstares. Para cada um dos ínstares, foi desenvolvido um experimento no qual as lagartas foram alimentadas com folhas dos dois genótipos tratadas com suspensão de conídios de Beauveria bassiana (Bb). A mortalidade foi avaliada diariamente até o final da fase larval. A alimentação de T. absoluta sobre o genótipo PI 134417 reduziu a sobrevivência larval. A aplicação de Bb nos dois genótipos de Lycopersicon provocou mortalidade em todos os ínstares. Entretanto, Bb inoculado no genótipo resistente provocou efeito sinérgico ou aditivo na sobrevivência larval. Este efeito foi dependente do ínstar em que as lagartas foram alimentadas com folhas tratadas com o fungo.

PALAVRAS-CHAVE: Insecta, traça-do-tomateiro, resistência de plantas, fungo entomopatogênico.

Várias alternativas têm sido estudadas para controle da traça-do-tomateiro Tuta absoluta (Meyrick), dentre as quais destaca-se a utilização de genótipos de tomateiro (Lycopersicon spp.) como fonte de resistência (Lourenção et al. 1984, Barona et al. 1989, Picanço et al. 1995). O material selvagem Lycopersicon hirsutum f. glabratum (PI 134417) destaca-se por apresentar resistência a grande número de pragas, incluindo T. absoluta (Lourenção et al. 1985, Giustolin & Vendramim 1994, Maluf et al. 1997, Gontijo-Lebory et al. 1999).

A traça-do-tomateiro é suscetível ao fungo Beauveria bassiana (Bb) (Giustolin 1996). A eficiência desse fungo, entretanto, pode ser alterada por aleloquímicos presentes na planta hospedeira (Hare & Andreadis 1983, Ramoska & Todd 1985, Costa & Gaugler 1989, Alves et al. 1990). Esses efeitos têm sido bastante discutidos na literatura. Hare & Andreadis (1983), por exemplo, observaram que larvas de Leptinotarsa decemlineata (Say) criadas em L. esculentum foram resistentes à infecção, impedindo o desenvolvimento do fungo. Os autores sugeriram que o alcalóide tomatina, presente nas folhas de tomateiro e conhecido por suas propriedades anti-fúngicas, pode ter retardado a infecção por Bb. Este fato também foi comprovado por Costa & Gaugler (1989) que, estudando a ação da tomatina sobre Bb, observaram que esta inibiu a formação e desenvolvimento in vitro das colônias do fungo. Gallardo et al. (1990) observaram que houve inibição do fungo Nomuraea rileyi pela a-tomatina em teste in vitro e que a associação deste glicoalcalóide com o fungo provocou efeitos prejudiciais no desenvolvimento larval de Helicoverpa zea (Bod.) principalmente sobre o peso das lagartas criadas na concentração maior. Na concentração menor ocorreu o inverso, levando o autor a concluir que o menor nível de inóculo permitiu que a a-tomatina "protegesse" o hospedeiro da ação do fungo.

Este trabalho teve como objetivo estudar as possíveis alterações da patogenicidade de B. bassiana sobre lagartas de diferentes idades de T. absoluta criadas em dois genótipos de tomateiro, um resistente e um suscetível ao ataque desse inseto.

Material e Métodos

O trabalho foi desenvolvido em câmara climatizada (T = 26±0,5oC, UR: 70±10% e fotofase de 14h) utilizando-se lagartas de T. absoluta alimentadas com folhas dos genótipos L. hirsutum f. glabratum (linhagem PI 134417 - resistente) e L. esculentum (cv. Santa Clara - suscetível). As folhas foram tratadas com suspensão do fungo entomopatogênico Beauveria bassiana (Bb).

Folhas dos dois genótipos foram coletadas de plantas com 15 a 20 cm de altura, mantidas em casa de vegetação e colocadas em placas plásticas (6,5 x 2,5 cm) e infestadas com lagartas recém-eclodidas. Visando à obtenção de insetos em diferentes estágios de desenvolvimento, as lagartas foram mantidas alimentando-se de folhas da cv. Santa Clara e PI 134417, pelos seguintes períodos de tempo, respectivamente: a) um dia para o 1o ínstar; b) quatro e cinco dias para atingir o 2o ínstar; c) seis e oito dias para atingir o 3o ínstar, e d) 10 e 12 dias para atingir o 4o ínstar (Giustolin 1996). Ao atingirem as referidas idades, as lagartas foram transferidas para folhas tratadas com suspensão de conídios de Bb. Foi ainda realizado um experimento em que as lagartas não receberam qualquer alimento antes de receberem folhas tratadas. Ao todo foram instalados cinco experimentos, sendo quatro com lagartas previamente alimentadas por diferentes períodos e um com lagartas recém-eclodidas.

O isolado de B. bassiana foi cedido pelo laboratório de Patologia de Insetos do Departamento de Entomologia, Fitopatologia e Zoologia Agrícola (ESALQ/USP). Foi isolado de Solenopsis invicta Buren (Cuiabá, MT) e armazenado na micoteca do referido laboratório sob o número 447. A suspensão foi preparada com conídios, 100% viáveis, mais espalhante adesivo (Tween 20® a 1%), utilizando-se a concentração de 1,0x106 conídios/ml, correspondente a CL70 para lagartas recém-eclodidas (Giustolin 1996). Para o tratamento com Bb, discos foliares (diâmetro de 2,1 cm) dos dois genótipos foram imersos na suspensão de conídios, por cinco segundos, em câmara de fluxo laminar, onde permaneceram até a evaporação do excesso de líquido. Os discos foram transferidos para placas plásticas (6,5 x 2,5 cm) forradas com papel-filtro esterilizado e umedecido e, então, infestados com lagartas nos diferentes estágios de desenvolvimento. Discos dos respectivos genótipos imersos em água foram utilizados como testemunha.

Para cada estágio de desenvolvimento, cada um deles constituindo um experimento, foram utilizados os seguintes tratamentos: Santa Clara + Bb; Santa Clara + água; PI 134417 + Bb e PI 134417 + água. O tratamento com Bb foi feito apenas uma vez no início do experimento, sendo, sempre que necessário, fornecidas novas folhas (não tratadas) às lagartas. Para cada um dos cinco experimentos, utilizou-se o delineamento inteiramente casualizado com quatro tratamentos e 20 repetições (com três lagartas cada).

As placas foram observadas diariamente, avaliando-se a mortalidade larval. Os dados de cada um dos experimentos, que correspondeu a cada uma das idades das lagartas, foram submetidos a análise de variância, sendo as médias comparadas pelo teste de Tukey (P < 0,05), adotando-se esquema fatorial, considerando-se os fatores genótipo e patógeno.

Resultados e Discussão

Nos experimentos com lagartas de T. absoluta recém-eclodidas (sem alimentação antes do fornecimento de folhas tratadas) e de 4o ínstar, a mortalidade larval deveu-se apenas ao fator patógeno (Bb), constatando-se maior mortalidade nas parcelas tratadas independente dos genótipos (Tabelas 1 e 2). Nesses dois experimentos não foi observada a ocorrência de sinergismo entre os fatores genótipo e patógeno. Quando as lagartas foram alimentadas com folhas tratadas logo após a eclosão, cerca de 25% de mortalidade larval foi constatada já no dia seguinte. Até o 4o dia de avaliação, a mortalidade provocada pelo patógeno foi maior nas lagartas criadas em 'Santa Clara' que na PI 134417. A partir do 5o dia, os valores de mortalidade (cerca de 80%) foram semelhantes nos dois genótipos (Fig. 1A). Quando as lagartas receberam folhas tratadas no 4o ínstar, a eficiência do patógeno foi semelhante nos dois genótipos, ocorrendo aumento gradativo na mortalidade a partir do 4o dia, não chegando, no entanto, a atingir 45%, ao final da fase larval (Fig. 1E). Nesses dois experimentos, quando as lagartas receberam folhas sem Bb, a mortalidade larval, nos dois genótipos, foi relativamente baixa ao longo do período de avaliação (Figs. 1A e 1E).

A alta mortalidade larval no experimento com lagartas recém-eclodidas alimentadas nos genótipos tratados contrastou com os resultados observados nesses mesmos tratamentos no experimento com lagartas de 4o ínstar. Isso pode ter ocorrido em razão da maior suscetibilidade das lagartas mais jovens e ou devido ao comportamento desse inseto minador que, logo após a eclosão, raspa a folha durante 20 a 45 min. antes de penetrar no mesofilo (Coelho & França 1987), possibilitando um contato mais prolongado com os conídios de Bb. Em relação às lagartas que receberam folhas tratadas apenas no 4o ínstar, a baixa mortalidade ao final da fase pode ter ocorrido devido a concentração insuficiente de conídios de Bb, considerando-se o maior tamanho do inseto e ou ao fato de o inseto, no último ínstar, ter liberado a exúvia antes da penetração do tubo germinativo do patógeno. Esta última hipótese é respaldada pelos estudos de Fargues (1972), que mencionou que a liberação da exúvia é um obstáculo natural para a infecção e a contaminação do inseto por Bb.

No experimento em que as lagartas de 1o ínstar foram alimentadas nos genótipos durante um dia, antes de receberem folhas tratadas, a mortalidade larval deveu-se aos fatores genótipo e patógeno. Assim, aquelas criadas na PI 134417 apresentaram maior mortalidade ao final da fase larval que as criadas na cv. Santa Clara, independente da presença do entomopatógeno. Por outro lado, as lagartas alimentadas com folhas tratadas com Bb apresentaram maior mortalidade que as alimentadas com folhas não tratadas, independente dos genótipos (Tabela 1). Nesse caso, não foi observada interação entre os fatores de resistência com Bb, ocorrendo, portanto, efeitos independentes e aditivos. Os dados de mortalidade acumulada nesse experimento (Fig. 1 B) evidenciam que cerca de 50% das lagartas morreram cinco dias após iniciarem a alimentação na PI 134417 tratada com Bb, enquanto que em 'Santa Clara' esse mesmo percentual ocorreu 11 dias após, indicando maior virulência de Bb na PI 134417. Nos genótipos não tratados, a mortalidade larval foi mais baixa em relação às respectivas parcelas tratadas, principalmente em 'Santa Clara' onde, ao final da fase larval, a mortalidade atingiu apenas 7%, contra 35% na PI 134417.

Nos experimentos em que as lagartas receberam folhas tratadas no 2o e no 3o ínstar, foi constatada interação significativa dos fatores genótipo e patógeno. A mortalidade larval na PI 134417 foi maior que na cv. Santa Clara, tanto com folhas tratadas com Bb (para os dois ínstares), como com folhas não tratadas (lagartas de 2o ínstar) (Tabela 2). O efeito do patógeno foi bastante evidente nos dois ínstares, com maior mortalidade larval nas folhas tratadas nos dois genótipos (Tabela 2). No tratamento PI 134417 mais Bb, a mortalidade foi maior que o somatório das mortalidades causadas pelos fatores genótipo e Bb isoladamente, ocorrendo, nesse caso, sinergismo dos dois fatores. Com lagartas que receberam folhas tratadas no 2o ínstar (Fig. 1C), a mortalidade acumulada na PI 134417, no 5o dia após a aplicação do patógeno, já era de 50%, atingindo 100% ao final do experimento. Na cv. Santa Clara, entretanto, a mortalidade não atingiu 50%, mesmo ao final do experimento (10 dias após a aplicação de Bb). Para lagartas cuja alimentação em folhas tratadas ocorreu no 3o ínstar (Fig. 1D), cerca de 50% de mortalidade nas parcelas tratadas foi observada após quatro dias na PI 134417 e após sete dias em 'Santa Clara'. Nesses dois experimentos (lagartas de 2o e 3o ínstar), a mortalidade larval nos genótipos não tratados foi relativamente baixa ao longo de todo o período de avaliação (Figs. 1C e 1D).

Nos experimentos com as lagartas alimentadas com folhas tratadas nos 1o, 2o e 3o ínstares, as altas mortalidades ocorridas no tratamento PI 134417 mais Bb em relação à 'Santa Clara' mais Bb (Tabelas 1 e 2), provavelmente, se deveram aos fatores de resistência da PI 134417, que teriam estressado os insetos, tornando-os mais suscetíveis à doença. Hare & Andreadis (1983) também observaram maior suscetibilidade de L. decemlineata a Bb nos genótipos resistentes de Solanum spp. e L. esculentum em relação aos genótipos suscetíveis. Já, com lagartas alimentadas com folhas tratadas desde a eclosão, essa diferença entre genótipos não ficou caracterizada, pois nos dois genótipos as mortalidades foram bastante elevadas, atingindo índices acima de 90% (Tabela 1).

Em nenhum dos experimentos, foi observada variação na suscetibilidade do inseto em função dos ínstares em que o mesmo foi submetido ao patógeno. Fargues (1972) observou que larvas de L. decemlineata em ínstares mais avançados são menos suscetíveis ao fungo e que nos primeiros ínstares elas suprimem ou superam a infecção através da liberação da exúvia antes que as hifas alcancem o hemocele. O mesmo autor observou, ainda, maior mortalidade das larvas tratadas com Bb, três dias antes de sofrerem ecdise. Li et al. (1995) também observaram diferença na suscetibilidade de Choristoneura rosaceana (Harris) em diferentes ínstares a Bacillus thuringiensis, sendo mais suscetível durante o 4º ínstar e menos no 6º ínstar.

Nos tratamentos sem aplicação de patógeno, observou-se que a linhagem PI 134417 causou maior mortalidade larval que a cv. Santa Clara. A mortalidade causada pela linhagem foi maior nos primeiros ínstares, diminuindo com o desenvolvimento, demonstrando que o inseto é mais suscetível a esse genótipo no início da fase larval (Tabelas 1 e 2). Estes dados confirmam novamente o efeito prejudicial da linhagem PI 134417 sobre as lagartas de T. absoluta e, ao mesmo tempo, indicam que o referido patógeno é promissor no controle do inseto. Entretanto, efeitos adversos dos fatores químicos dos genótipos sobre Bb, não foram observados em nenhum dos experimentos.

Literatura Citada

Received 14/IV/00. Accepted 10/VI/01.

  • Alves, S.B., P.S.M. Botelho & R. Salomăo. 1990 Influęncia de diferentes tipos de alimento na suscetibilidade de Diatraea saccharalis (Fabricius, 1794) aos fungos Metarhizium anisopliae (Metsch.) Sorok e Beauveria bassiana (Bals.) Vuill. An. Soc. Entomol. Brasil. 19: 383-391.
  • Barona, H.G., A.S. Parra & F.A.C. Vallejo. 1989 Evaluación de espécies silvestres de Lycopersicon sp., como fuente de resistencia a Scrobipalpula absoluta (Meyrick) y su intento de transferencia a Lycopersicon esculentum Mill. Acta Agron. 39: 34-45.
  • Coelho, M.C.F. & F.H. França. 1987 Biologia e quetotaxia da larva e descriçăo da pupa e adulto da traça-do-tomateiro. Pesq. Agropec. Bras. 22: 129-135.
  • Costa, S.D. & R. Gaugler. 1989 Sensitivity of Beauveria bassiana to solanine and tomatine: plant defensive chemicals inhibit an insect pathogen. J. Chem. Ecol. 15: 697-707.
  • Fargues, J. 1972 Étude des conditions d'infection des larves de doryphore, Leptinotarsa decemlineata Say, par Beauveria bassiana (Bals.) Vuill. [Fungi Imperfecti]. Entomophaga, 17: 319- 337.
  • Gallardo, F., D.J. Boethel, J.R. Fuxa & A. Richter. 1990 Susceptibility of Heliothis zea (Boddie) larvae to Nomuraea rileyi (Farlow) Samson effects of a-tomatine at the third trophic level. J. Chem. Ecol. 16: 1751-1759.
  • Giustolin, T.A. & J.D. Vendramim. 1994 Efeito de duas espécies de tomateiro na biologia de Scrobipalpuloides absoluta (Meyrick). An. Soc. Entomol. Brasil. 23: 511-517.
  • Giustolin T.A. 1996 Efeito de dois genótipos de Lycopersicon spp. associados aos entomopatógenos Bacillus thuringiensis var. kurstaki e Beauveria bassiana no desenvolvimento de Tuta absoluta (Meyrick, 1917) (Lep., Gelechiidae). Piracicaba, 1996. 99p. Tese (Doutorado) - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de Săo Paulo.
  • Gontijo-Labory, C.R., L.V.C. Santa-Cecília, W.R. Maluf, M. das G. Cardoso, E. Bearzotti & J.C. de Souza. 1999 Seleçăo indireta para teor de 2-tridecanona em tomateiros segregantes e sua relaçăo com a resistęncia ŕ traça-do-tomateiro. Pesq. Agropec. Bras. 34: 733-740.
  • Hare, J.D. & T.G. Andreadis. 1983 Variation in susceptibility of Leptinotarsa decemlineata (Coleoptera: Chrysomelidae) when reared on different host plants to the fungal pathogen, Beauveria bassiana in the field and laboratory. Environ. Entomol. 12: 1892-1897.
  • Li, S.Y., S.M. Fitzpatrick & M.B. Isman. 1995 Susceptibility of different instars of the obliquebanded leafroller (Lepidoptera: Tortricidae) to Bacillus thuringiensis var. kurstaki J. Econ. Entomol. 88: 610-614.
  • Lourençăo, A.L., H. Nagai & M.A.T. Zullo. 1984 Fontes de resistęncia a Scrobipalpula absoluta (Meyrick, 1917) em tomateiro. Bragantia 43: 569-577.
  • Lourençăo, A.L., H. Nagai, W.J. Siqueira & M.I.S. Fonseca. 1985 Seleçăo de linhagens de tomateiro resistentes a Scrobipalpula absoluta (Meyrick). Hortic. Bras. 3: 77.
  • Maluf, W.R., L.V. Barbosa & L.V.C. Santa Cecília. 1997 2-tridecanone-mediated of mechanisms of resistance to the South American tomato pinworm Scrobipalpuloides absoluta (Meyrick, 1917) (Lepidoptera Gelechiidae) in Lycopersicon spp. Euphytica 93: 189-194.
  • Picanço, M.C., D.J.H. da Silva, G.L.D. Leite, A.C. da Mata & G.N. Jham. 1995 Intensidade de ataque de Scrobipalpula absoluta (Meyrick, 1917) (Lepidoptera: Gelechiidae) ao dossel de tręs espécies de tomateiro. Pesq. Agropec. Bras. 30: 429-433.
  • Ramoska, W.A. & T. Todd. 1985 Variation in efficacy and viability of Beauveria bassiana in the chinch bug (Hemiptera: Lygaeidae) as a result of feeding activity on selected host plants. Environ. Entomol. 14: 146-148.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    17 Jun 2002
  • Data do Fascículo
    Set 2001

Histórico

  • Recebido
    14 Abr 2000
  • Aceito
    10 Jun 2001
Sociedade Entomológica do Brasil Sociedade Entomológica do Brasil, R. Harry Prochet, 55, 86047-040 Londrina PR Brasil, Tel.: (55 43) 3342 3987 - Londrina - PR - Brazil
E-mail: editor@seb.org.br