Gametogenesis and reproductive cycle of Melanorivulus aff. punctatus (Boulenger, 1895) (Cyprinodontiformes, Rivulidae) in Chapada dos Guimarães, Mato Grosso, Brazil

Mônica Cassel Mahmoud Mehanna Lúcia Mateus Adelina Ferreira Sobre os autores

A compreensão do ciclo reprodutivo possibilita entender quais são as mudanças morfológicas que se desenvolvem na gônada neste período. Assim, muitos estudos têm sido realizados no intuito de descrever e classificar as fases de desenvolvimento gonadal e dos estados reprodutivos dos peixes da região Neotropical. Com esse objetivo foram coletados espécimes de Melanorivulus aff. punctatus em um represamento permanente em Chapada dos Guimarães, Mato Grosso, Brasil. As gônadas foram preparadas para análise à microscopia de luz. A ovogênese e a espermatogênese foram descritas e caracterizados os estágios de desenvolvimento gonadal, juntamente com as avaliações de razão gonadossomática, contagem de células germinativas e verificação de variação de ovócitos maduros em fêmeas. Durante todo o ano as gônadas masculinas apresentaram-se como aptas a reprodução, caracterizadas pela presença de espermatogônias indiferenciadas e diferenciadas, espermatócitos organizados em cistos, espermátides em cistos com parede mais espessa e espermatozoides livres no lúmen e no ducto. Isso pode indicar um ciclo reprodutivo contínuo com espermiação parcelada. As fêmeas apresentaram gônadas em estágio de desenvolvimento de maio a setembro, com ovogônias indiferenciadas e diferenciadas e ovócitos iniciais sempre voltados para o lúmen, ovócitos pré-vitelogênicos e vitelogênicos abundantes e algumas atresias. Na fase de apto a desova, observada de outubro a março, os ovócitos maduros são abundantes, há muitos complexos pós ovulatórios e algumas atresias em estágio avançado. A fase de regressão, constatada em alguns indivíduos de fevereiro a abril, é caracterizada por ovários com muitas atresias e complexos pós-ovulatórios. Os mesmos resultados foram encontrados nas avaliações quantitativas realizadas. Logo, pode-se caracterizar o ciclo como descontínuo com desova parcelada. Assim, o ciclo reprodutivo desta espécie pode ser caracterizado como contínuo para machos e descontínuo para fêmeas, que apresentam uma fase mais intensa de reprodução de outubro a março. Porém, ambos possuem liberação de gametas parcelada.


Sociedade Brasileira de Ictiologia Universidade Estadual de Maringá, Núcleo de Pesquisas em Limnologia, Ictiologia e Aquicultura/Coleção Ictiologia, Av. Colombo, 5790, 87020-900 Maringá, PR, Brasil, Tel.: (55 44)3011 4632 - Maringá - PR - Brazil
E-mail: neoichth@nupelia.uem.br