A institucionalização da feira hippie de Belo Horizonte

Resumos

O objetivo neste artigo é analisar o processo de institucionalização da Feira de Arte, Artesanato e Produtores de Variedades, popularmente conhecida como Feira Hippie de Belo Horizonte. A análise foi feita de forma longitudinal, com foco particular na identidade, e baseada na teoria institucional. A estratégia de pesquisa, de cunho qualitativo, articulou como métodos principais o estudo multi-casos e o método biográfico (história de vida), tendo os dados sido coletados por meio de entrevistas em profundidade baseadas em roteiros semi-estruturados. A amostragem se baseou em um critério não probabilístico intencional, com foco na antigüidade dos entrevistados na Feira Hippie. Os dados foram tratados usando a análise do discurso, adequada a recortes longitudinais. Os resultados revelam a influência do poder público (isomorfismo coercitivo) sobre o campo nestes quase 40 anos de Feira Hippie, embora tenha havido fases em que outros tipos de isomorfismo emergiram com maior força. Conclui-se que a legitimidade de organizações não ortodoxas como esta pode se submeter a critérios ortodoxos, como a legislação, à medida que os atores não delimitam seu território claramente, o que dá margem a que trabalhos com foco simbólico possam ser desenvolvidos para analisar como os indivíduos se posicionam dentro dos campos institucionalizados.


In this paper we deal with the analysis of institutionalization process of Art, Craftmanship, Variety Productors Fair, popularlly knowed as Hippie Fair of Belo Horizonte city (Brazil), what we made, focusing particularly identity, using institutional theory with a longitudinal approach. Research strategy adopted, a qualitative one, articulated as main methods multi-case study and biographic method (life history). Data were collected thorugh interviews in depth based in semi-structured scripts. Sample was based in a intentional and non probabilistic aspects, focusing time that interviewees work at Hippie Fair. Data were collected using discourse analysis, a technique adequated to longitudional studies. Main results reveal the influence of public administration (coercitive isomorphism) on the field in these almost 40 years of Hippie Fair, although it has had periods in what other kind of isomorphism were stronger. We concluded that the legitimity of unorthodox organizations like this can be defined for orthodox elements, as legislation, if actor do not delimit clairly their territory. This permit that studies with symbolical approach can be developed to analyse as individuals are positioned inside institutionalized fields.


ARTIGOS

A institucionalização da feira hippie de Belo Horizonte1 1 Os autores agradecem ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) pelo financiamento da pesquisa que originou este trabalho.

Alexandre de Pádua CarrieriI; Luiz Alex Silva SaraivaII; Thiago Duarte PimentelIII

IProf. CEPEAD/UFMG

IIProf. FUNCESI, Doutorando pelo CEPEAD/UFMG

IIIMestre CEPEAD/UFMG

RESUMO

O objetivo neste artigo é analisar o processo de institucionalização da Feira de Arte, Artesanato e Produtores de Variedades, popularmente conhecida como Feira Hippie de Belo Horizonte. A análise foi feita de forma longitudinal, com foco particular na identidade, e baseada na teoria institucional. A estratégia de pesquisa, de cunho qualitativo, articulou como métodos principais o estudo multi-casos e o método biográfico (história de vida), tendo os dados sido coletados por meio de entrevistas em profundidade baseadas em roteiros semi-estruturados. A amostragem se baseou em um critério não probabilístico intencional, com foco na antigüidade dos entrevistados na Feira Hippie. Os dados foram tratados usando a análise do discurso, adequada a recortes longitudinais. Os resultados revelam a influência do poder público (isomorfismo coercitivo) sobre o campo nestes quase 40 anos de Feira Hippie, embora tenha havido fases em que outros tipos de isomorfismo emergiram com maior força. Conclui-se que a legitimidade de organizações não ortodoxas como esta pode se submeter a critérios ortodoxos, como a legislação, à medida que os atores não delimitam seu território claramente, o que dá margem a que trabalhos com foco simbólico possam ser desenvolvidos para analisar como os indivíduos se posicionam dentro dos campos institucionalizados.

ABSTRACT

In this paper we deal with the analysis of institutionalization process of Art, Craftmanship, Variety Productors Fair, popularlly knowed as Hippie Fair of Belo Horizonte city (Brazil), what we made, focusing particularly identity, using institutional theory with a longitudinal approach. Research strategy adopted, a qualitative one, articulated as main methods multi-case study and biographic method (life history). Data were collected thorugh interviews in depth based in semi-structured scripts. Sample was based in a intentional and non probabilistic aspects, focusing time that interviewees work at Hippie Fair. Data were collected using discourse analysis, a technique adequated to longitudional studies. Main results reveal the influence of public administration (coercitive isomorphism) on the field in these almost 40 years of Hippie Fair, although it has had periods in what other kind of isomorphism were stronger. We concluded that the legitimity of unorthodox organizations like this can be defined for orthodox elements, as legislation, if actor do not delimit clairly their territory. This permit that studies with symbolical approach can be developed to analyse as individuals are positioned inside institutionalized fields.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Referências

ALBANO, C.; LEMOS, C.B.; WERNECK, N.D.; MENICUCCI, T.G. A Cidade na Praça: poder, memória, liberdade. Reunião do GT Estudos Urbanos: Representações e Políticas Públicas. Águas de São Pedro, 24-26 out. 1984.

AUGÈ, M. Não-lugares. São Paulo: Papirus, 1994.

BERGER, P.L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 25.ed. Petrópolis, Vozes, 2005.

CALDEIRA, J. M. Praça: território de sociabilidade, uma leitura sobre o processo de restauração da praça da Liberdade em Belo Horizonte (MG). 1998. Dissertação. (Mestrado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1998.

CAMARGO, A. Os usos da história oral e da história de vida: trabalhando com elites políticas. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol.27, n°1, p.5-28, 1984.

CARRIERI, A. P. O fim do "Mundo Telemig": a transformação das significações culturais em uma empresa de telecomunicações. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001.

CARVALHO, C. A.; GOULART, S.; VIEIRA, M. M. F. A inflexão conservadora na trajetória histórica da teoria institucional. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXVIII, Curitiba. Anais... Curitiba: ANPAD, 2004.

CORRÊA, A. M. O assédio moral na trajetória de mulheres gerentes. Projeto de Dissertação (Mestrado em Administração) – Centro de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2004.

DEEPHOUSE, D. L. Does isomorphism legitimate? Academy of Management Journal, Briarcliff Manor, v.39, n.4, p. 1024-1039, Aug. 1996.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.45, n.2, p.74-89, abr./jun. 2005.

FACHIN, R C.; MENDONÇA, J. R. C. Selznick: uma visão da vida e da obra do precursor da perspectiva institucional na teoria organizacional. In: VIEIRA, M. M. F.; CARVALHO, C. A. (Org.). Organizações, instituições e poder no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

fiSCHER, T.; FRANÇA, G.; SANTANA, M. Em nome de Deus, uma ordem na pólis: o Mosteiro de São Bento. Organizações e Sociedade, Salvador, v.1, p.7-26, 1993.

FONSECA, V. S. Abordagem institucional nos estudos organizacionais: bases conceituais e desenvolvimentos contemporâneos. In: VIEIRA, M. M. F.; CARVALHO, C. A. (Org.). Organizações, instituições e poder no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

GUERRA, L. C. O. Imagens de um território urbano: a Feira de Arte e Artesanato de Belo Horizonte. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2002.

JARZABKOWSKI, P. Strategic practices: an activity theory perspective on continuity and change. Journal of Management Studies, Oxford, v.40, i.1, p.23–55, 2003.

LYON, E. S. The use of biographical material in intellectual history: writing about Alva and Gunnar Myrdal’s contribution to sociology. International Journal of Social Research Methodology, London, v.7, n.4, p.323-343, Occt. 2004.

MACHADO-DA-SILVA, C. L.; FONSECA, V. S.; FERNANDES, B. H. R. Cognição e institucionalização da mudança em organizações. In: RODRIGUES, S. B.; CUNHA, M. P. (Org.). Estudos Organizacionais: novas perspectivas na administração de empresas. São Paulo: Iglu, 2000.

MACHADO-DA-SILVA, C. L.; GONÇALVES, S. A. Nota técnica: A teoria institucional. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. (Org.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo, Atlas, 1998. v. 1.

MARRE, J. L. História de vida e método biográfico. Cadernos de Sociologia, Porto Alegre, v.3, n.3, p.89-141, jan./jul. 1991.

PECI, A.; VIEIRA, M. M. F. Discursos e a construção do real: um estudo do processo de formação e institucionalização do campo da biotecnologia. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXIX, 2005, Brasília. Anais... Brasília: ANPAD, 2005.

PRATES, A. A. P. Organização e instituição no velho e novo institucionalismo. In: RODRIGUES, S. B.; CUNHA, M. P. (Org.). Estudos Organizacionais: novas perspectivas na administração de empresas. São Paulo: Iglu, 2000.

REED, M. Teorização organizacional: um terreno historicamente contestado. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. (Org.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo, Atlas, 1998. v. 1.

SARAIVA, L. A. S. Métodos narrativos de pesquisa: uma aproximação. Gestão. Org, Recife, v.5, n.2, p.118-134, maio/ago. 2007.

TOLBERT, P. S.; ZUCKER, L. G. A institucionalização da teoria institucional. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. (Org.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo, Atlas, 1998. v. 1.

VIEIRA, M. M. F.; CARVALHO, C. A. Sobre organizações, instituições e poder. In: Organizações, instituições e poder no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2003a.

VIEIRA, M. M. F.; CARVALHO, C. A. Campos organizacionais: de Wallpaper à construção histórica do contexto de organizações culturais em Porto Alegre e em Recife. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓSGRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXVIII, Atibaia. Anais... Atibaia: ANPAD, 2003b.

  • ALBANO, C.; LEMOS, C.B.; WERNECK, N.D.; MENICUCCI, T.G. A Cidade na Praça: poder, memória, liberdade. Reunião do GT Estudos Urbanos: Representações e Políticas Públicas. Águas de São Pedro, 24-26 out. 1984.
  • AUGÈ, M. Não-lugares. São Paulo: Papirus, 1994.
  • BERGER, P.L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 25.ed. Petrópolis, Vozes, 2005.
  • CARVALHO, C. A.; GOULART, S.; VIEIRA, M. M. F. A inflexão conservadora na trajetória histórica da teoria institucional. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXVIII, Curitiba. Anais... Curitiba: ANPAD, 2004.
  • DEEPHOUSE, D. L. Does isomorphism legitimate? Academy of Management Journal, Briarcliff Manor, v.39, n.4, p. 1024-1039, Aug. 1996.
  • DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.45, n.2, p.74-89, abr./jun. 2005.
  • FACHIN, R C.; MENDONÇA, J. R. C. Selznick: uma visão da vida e da obra do precursor da perspectiva institucional na teoria organizacional. In: VIEIRA, M. M. F.; CARVALHO, C. A. (Org.). Organizações, instituições e poder no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2003.
  • fiSCHER, T.; FRANÇA, G.; SANTANA, M. Em nome de Deus, uma ordem na pólis: o Mosteiro de São Bento. Organizações e Sociedade, Salvador, v.1, p.7-26, 1993.
  • FONSECA, V. S. Abordagem institucional nos estudos organizacionais: bases conceituais e desenvolvimentos contemporâneos. In: VIEIRA, M. M. F.; CARVALHO, C. A. (Org.). Organizações, instituições e poder no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2003.
  • MACHADO-DA-SILVA, C. L.; FONSECA, V. S.; FERNANDES, B. H. R. Cognição e institucionalização da mudança em organizações. In: RODRIGUES, S. B.; CUNHA, M. P. (Org.). Estudos Organizacionais: novas perspectivas na administração de empresas. São Paulo: Iglu, 2000.
  • MACHADO-DA-SILVA, C. L.; GONÇALVES, S. A. Nota técnica: A teoria institucional. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. (Org.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo, Atlas, 1998. v. 1.
  • MARRE, J. L. História de vida e método biográfico. Cadernos de Sociologia, Porto Alegre, v.3, n.3, p.89-141, jan./jul. 1991.
  • PECI, A.; VIEIRA, M. M. F. Discursos e a construção do real: um estudo do processo de formação e institucionalização do campo da biotecnologia. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXIX, 2005, Brasília. Anais... Brasília: ANPAD, 2005.
  • PRATES, A. A. P. Organização e instituição no velho e novo institucionalismo. In: RODRIGUES, S. B.; CUNHA, M. P. (Org.). Estudos Organizacionais: novas perspectivas na administração de empresas. São Paulo: Iglu, 2000.
  • REED, M. Teorização organizacional: um terreno historicamente contestado. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. (Org.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo, Atlas, 1998. v. 1.
  • SARAIVA, L. A. S. Métodos narrativos de pesquisa: uma aproximação. Gestão. Org, Recife, v.5, n.2, p.118-134, maio/ago. 2007.
  • TOLBERT, P. S.; ZUCKER, L. G. A institucionalização da teoria institucional. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. (Org.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo, Atlas, 1998. v. 1.
  • VIEIRA, M. M. F.; CARVALHO, C. A. Sobre organizações, instituições e poder. In: Organizações, instituições e poder no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2003a.
  • VIEIRA, M. M. F.; CARVALHO, C. A. Campos organizacionais: de Wallpaper à construção histórica do contexto de organizações culturais em Porto Alegre e em Recife. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓSGRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXVIII, Atibaia. Anais... Atibaia: ANPAD, 2003b.

  • 1
    Os autores agradecem ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) pelo financiamento da pesquisa que originou este trabalho.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    22 Out 2014
  • Data do Fascículo
    Mar 2008
Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia Av. Reitor Miguel Calmon, s/n 3o. sala 29, 41110-903 Salvador-BA Brasil, Tel.: (55 71) 3283-7344, Fax.:(55 71) 3283-7667 - Salvador - BA - Brazil
E-mail: revistaoes@ufba.br