Caracterização da comunidade de plantas aquáticas de dezoito reservatórios pertencentes a cinco bacias hidrográficas do Estado de São Paulo

Characterization of the aquatic plant communities of 18 reservoirs of five watersheds in Sao Paulo, Brazil

Resumos

O objetivo deste trabalho foi o de avaliar e comparar a composição florística de 18 reservatórios pertencentes a cinco bacias hidrográficas do Estado de São Paulo. Os levantamentos foram realizados no período de fevereiro a setembro de 2002, com o auxílio de um barco. Percorreu-se a margem dos reservatórios das bacias hidrográficas dos rios Paraíba, Paraná, Paranapanema, Grande e Tietê, à velocidade de 30 km h-1. A cada 20 minutos, estabeleceu-se um ponto de amostragem, determinando-se sua posição por meio de GPS. Em cada ponto, em área de 1.000 m², identificaram-se as espécies ocorrentes e respectivas densidades, em porcentagem da área amostrada. Foram identificadas 39 espécies, distribuídas em 21 famílias, destacando-se as flutuantes Salvinia auriculata, Eichhornia crassipes, Eichhornia azurea e Pistia stratiotes e as emersas Polygonum lapathifolium, Brachiaria arrecta,Brachiaria mutica, Cyperus sp. e Typha latifolia, considerando as quatro espécies com maior freqüência em cada bacia. O maior índice de similaridade (0,71) ocorreu entre as bacias dos rios Paranapanema e Grande, e o menor (0,49), entre as bacias dos rios Paraíba e Tietê.

survey; weed; hydroelectric power and aquatic macrophytes


The objective of this work was to evaluate and compare the aquatic plant composition of 18 reservoirs in five watershed basins in SP-Brazil. The survey was carried out on a boat from February to September 2002, comprising the watersheds basins of the rivers Paraíba, Paraná, Paranapanema, Grande and Tietê. On average, every 20 minutes a sampling point was determined by means of a portable GPS, and the species were identified based on high density, average density and low density. A total of 39 species was identified, distributed in 21 families. The prominent species were the floating Salvinia auriculata, Eichhornia crassipes, Eichhornia azurea, Pistia stratiotes and the immersed Polygonum lapathifolium, Brachiaria arrecta, Brachiaria mutica, Cyperus sp. and Typha latifolia, considering the four species occurring most frequently in each basin. The largest similarity index (0.71) was verified for rivers Paranapanema and Grande basins, while the lowest (0.49) was observed for the rivers Paraíba and Tietê basins.

survey; weed; hydroelectric power and aquatic macrophytes


ARTIGOS

Caracterização da comunidade de plantas aquáticas de dezoito reservatórios pertencentes a cinco bacias hidrográficas do Estado de São Paulo

Characterization of the aquatic plant communities of 18 reservoirs of five watersheds in Sao Paulo, Brazil

Martins, D.I; Costa, N.V.II; Terra, M.A.II; Marchi, S.R.II

IProfessor Adjunto do Dep. de Produção Vegetal, Faculdade de Ciências Agronômicas, UNESP, 18603-970 Botucatu-SP, <dmartins@fca.unesp.br>

IIAluno de Pós-Graduação do Dep. de Produção Vegetal, Faculdade de Ciências Agronômicas, UNESP, 18603-970 Botucatu-SP

RESUMO

O objetivo deste trabalho foi o de avaliar e comparar a composição florística de 18 reservatórios pertencentes a cinco bacias hidrográficas do Estado de São Paulo. Os levantamentos foram realizados no período de fevereiro a setembro de 2002, com o auxílio de um barco. Percorreu-se a margem dos reservatórios das bacias hidrográficas dos rios Paraíba, Paraná, Paranapanema, Grande e Tietê, à velocidade de 30 km h-1. A cada 20 minutos, estabeleceu-se um ponto de amostragem, determinando-se sua posição por meio de GPS. Em cada ponto, em área de 1.000 m2, identificaram-se as espécies ocorrentes e respectivas densidades, em porcentagem da área amostrada. Foram identificadas 39 espécies, distribuídas em 21 famílias, destacando-se as flutuantes Salvinia auriculata, Eichhornia crassipes, Eichhornia azurea e Pistia stratiotes e as emersas Polygonum lapathifolium, Brachiaria arrecta,Brachiaria mutica, Cyperus sp. e Typha latifolia, considerando as quatro espécies com maior freqüência em cada bacia. O maior índice de similaridade (0,71) ocorreu entre as bacias dos rios Paranapanema e Grande, e o menor (0,49), entre as bacias dos rios Paraíba e Tietê.

Palavras-chave: levantamento, planta daninha, hidrelétrica e macrófitas aquáticas.

ABSTRACT

The objective of this work was to evaluate and compare the aquatic plant composition of 18 reservoirs in five watershed basins in SP-Brazil. The survey was carried out on a boat from February to September 2002, comprising the watersheds basins of the rivers Paraíba, Paraná, Paranapanema, Grande and Tietê. On average, every 20 minutes a sampling point was determined by means of a portable GPS, and the species were identified based on high density, average density and low density. A total of 39 species was identified, distributed in 21 families. The prominent species were the floating Salvinia auriculata, Eichhornia crassipes, Eichhornia azurea, Pistia stratiotes and the immersed Polygonum lapathifolium, Brachiaria arrecta, Brachiaria mutica, Cyperus sp. and Typha latifolia, considering the four species occurring most frequently in each basin. The largest similarity index (0.71) was verified for rivers Paranapanema and Grande basins, while the lowest (0.49) was observed for the rivers Paraíba and Tietê basins.

Keywords: survey, weed, hydroelectric power and aquatic macrophytes.

INTRODUÇÃO

Com o crescimento desordenado de espécies vegetais aquáticas em algumas bacias hidrográficas da região Sudeste, têm-se realizado vários estudos com o objetivo de conhecer a biologia e a sua distribuição, bem como o melhor manejo dessas plantas, as quais assumiram a condição de plantas daninhas (Martins et al., 1999; Antuniasi et al., 2002; Cardoso et al., 2002; Marcondes et al., 2002; Neves et al., 2002; Galo et al., 2002; Tanaka et al., 2002a,b; Carvalho et al., 2003; Cavenaghi et al., 2003).

A vegetação aquática passa a ser considerada como daninha quando seu crescimento acentuado causa problemas para a utilização dos ecossistemas, como navegação, pesca, esportes náuticos, entre outros, surgindo a necessidade de aplicação de métodos de controle ou manejo.

Os fatores que afetam a colonização dos reservatórios estão ligados à estrutura dos habitats, cuja heterogeneidade pode ser reduzida ou incrementada após a formação do novo ambiente, devido ao padrão de flutuação dos níveis de água impostos pelo reservatório; a velocidade da água torna-se menor nestes ambientes e a sedimentação mais acentuada, o que resulta em menor penetração da luz e perda de nutrientes da coluna d'água (Tomaz, 2002; Cavenaghi et al., 2003). Dessa forma, as comunidades infestantes observadas nos reservatórios de hidrelétricas podem ser bastante diferentes, o que determina a necessidade de adoção de medidas de manejo específicas. Dessa maneira, o levantamento das espécies mais freqüentes nos reservatórios de hidrelétricas pode auxiliar tanto na tomada de decisões sobre medidas de manejo quanto no direcionamento de estudos específicos para cada ambiente. Especificamente sobre o manejo, a identificação das espécies de plantas aquáticas em um corpo d'água é uma etapa crítica em planos de manejo, uma vez que espécies diferentes respondem de forma diferente a uma determinada ação de controle (Tanaka et al., 2002a). São importantes os levantamentos e o monitoramento das assembléias de plantas aquáticas no direcionamento de ações de controle (Marshall & Lee, 1994; Thomaz, 2002).

Apesar de haver técnicas avançadas para determinar a vegetação aquática de uma região, como o uso do sensoriamento remoto orbital (Martyn et al., 1986; Marshall & Lee, 1994; Galo et al., 2002), acredita-se que, tratando de identificação de espécie, técnicas mais simples, como a visualização e identificação dos indivíduos no habitat natural, podem ser mais eficientes, devido à maior precisão na verificação das características inerentes a cada espécie durante o levantamento.

O presente trabalho teve por objetivos identificar e comparar a comunidade infestante de 18 reservatórios, pertencentes a cinco bacias hidrográficas do Estado de São Paulo.

MATERIAL E MÉTODOS

Os levantamentos foram realizados no período de fevereiro a setembro de 2002, utilizando-se um barco Levefort, modelo Marfin, equipado com motor Mercury de 40 HP. Percorreu-se, a uma velocidade média de 30 km h-1, toda a margem de 18 bacias do Estado de São Paulo e, a cada 20 minutos, determinou-se um ponto de amostragem, no qual se fazia a leitura das coordenadas geográficas com auxílio de um GPS portátil modelo Garmin 12; em seguida, identificavam-se as plantas presentes. Na identificação das espécies foram utilizados os trabalhos dos seguintes autores: Hoyer et al. (1996), Tobe et al. (1998), Kissmann & Groth (1997, 1999, 2000) e Lorenzi (2000). Cada área amostrada foi constituída, em média, de 1.000 m2 (largura de 50 m a partir da posição do barco até a margem do reservatório e comprimento de 100 m para a direita e para a esquerda), nas quais a densidade de incidência de cada espécie foi classificada em: alta densidade (AD), quando a espécie foi observada em 80 a 100% da área a ser amostrada do reservatório; média densidade (MD), quando a espécie foi observada entre 40 e 80%; e baixa densidade (BD), quando a espécie foi observada em menos de 40%.

Os resultados foram agrupados e analisados por bacias hidrográficas, constituídas da seguinte forma: 1 - Bacia do Rio Paraíba, composta pelos reservatórios de Jaguari (56 km2) e Paraibuna (177 km2); 2 - Bacia do Rio Paraná, composta pelos reservatórios de Ilha Solteira (1.200 km2), Jupiá (330 km2) e Porto Primavera (2.250 km2); 3 - Bacia do Rio Paranapanema, composta pelos reservatórios de Chavantes (400 km2), Jurumirim (449 km2), Salto Grande (12 km2) e Rosana (220 km2); 4 - Bacia do Rio Grande, composta pelos reservatórios de Mogi-Guaçu (3.383 km2), Limoeiro (3,3 km2) e Água Vermelha (647 km2); e 5 - Bacia do Rio Tietê, composta pelos reservatórios de Barra Bonita (310 km2), Bariri (63 km2), Ibitinga (114 km2), Promissão (530 km2), Nova Avanhandava (210 km2) e Três Irmãos (785 km2).

Determinaram-se as freqüências absoluta e relativa de cada espécie por bacia hidrográfica e por conceito de infestação, utilizando as seguintes fórmulas (MuellerDombois & Ellemberg, 1974; Braun-Blanquet, 1979):

Fa = p/P.100

em que:

Fa = freqüência absoluta;

p = número de pontos onde ocorreu determinada espécie; e

P = número total de pontos amostrados por bacia hidrográfica.

Fr = Fae/SFa.100

em que:

Fr = freqüência relativa;

Fae = freqüência absoluta de determinada espécie; e

SFa = somatório das freqüências absolutas.

Determinou-se, ainda, o índice de similaridade florística entre as bacias hidrográficas, comparando-as duas a duas, pelo método Simple Matching de Sneath & Sokal (1973) citado por Nordi (1996), pela fórmula:

SM = (a+d)/(a+b+c+d)

em que:

SM = similaridade florística;

a = número de espécies comuns presente em duas bacias hidrográficas hipoteticamente denominadas 1 e 2;

b = número de espécies presentes na bacia hidrográfica 1 e ausentes na bacia hidrográfica 2;

c = número de espécies presentes na bacia hidrográfica 2 e ausentes na bacia hidrográfica 1; e

d = número de espécies ausentes em ambas as bacias hidrográficas, considerando o número de espécies presentes em todas as bacias hidrográficas estudadas.

As espécies foram classificadas nos seguintes grupos (Esteves, 1998): grupo 1 emersas: são enraizadas e apresentam maior parte do caule e das folhas acima da superfície da água, desenvolvendo-se em locais rasos ou ao longo da margem; grupo 2 emersas com folhas flutuantes: são enraizadas e têm folhas flutuantes, conectadas por caules submersos; grupo 3 submersas: possuem a maior parte das folhas e do caule abaixo da superfície da água, muitas vezes com flores acima desta superfície; podem ser enraizadas ou livres; e grupo 4 flutuantes: suas raízes ficam livres na água e apresentam folhas e flores acima da superfície.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Na Tabela 1 encontra-se o número de espécies identificadas nas cinco bacias hidrográficas do Estado de São Paulo, com seus respectivos nomes científicos, família, nomes vulgares, grupo, bem como o número de reservatório em que cada espécie foi identificada. Foram identificadas 39 espécies, distribuídas em 19 famílias, nas cinco bacias hidrográficas. Nos reservatórios de Três Irmãos, Jupiá, Ilha Solteira, Porto Primavera, Paraibuna e Jaguari, foram identificadas 29 espécies, distribuídas em 17 famílias diferentes, em levantamento realizado em 1999 (Tanaka et al., 2002b). O maior número de espécies e famílias identificadas neste levantamento provavelmente está relacionado ao maior número de reservatórios amostrados (18), os quais abrangem cinco bacias hidrográficas, enquanto os pesquisadores citados anteriormente amostraram apenas três: as bacias dos rios Paraíba, Paraná e Tietê (Tanaka et al., 2002b).

A maioria das espécies identificadas pertence ao grupo das emersas, as quais são caracterizadas como plantas marginais de lugares rasos. Esse tipo de planta tende a desenvolver-se para o interior dos reservatórios, reduzindo a sua capacidade de acúmulo de água. Contudo, a ondulação da água pode ainda promover o deslocamento de grandes blocos de plantas que se movimentam no interior do reservatório, constituindo risco à navegação. Dentre as espécies identificadas, destacaram-se Brachiaria mutica,Cyperus sp., Eichhornia crassipes,Panicum repens,Pistia stratiotes,Polygonum lapatifolium e Salvinia auriculata como as de maior ocorrência, sendo encontradas em 27,8% dos reservatórios avaliados.

Bacia do rio Paraíba

Na Tabela 2, pode-se observar que na bacia hidrográfica do rio Paraíba foram identificadas 11 espécies, em sete pontos amostrados. Verificou-se que Salvinia auriculata ocorreu em todos os pontos amostrados, ao passo que as espécies Polygonum lapathifolium e Brachiaria mutica ocorreram em 71,4% dos pontos amostrados e Eichhornia crassipes, em 57,1% destes. S. auriculata, P. lapathifolium,B. mutica e E. crassipes foram as quatro espécies de maior destaque, apresentando valores de freqüência relativa na ordem de 21,9; 15,6; 15,6; e 12,5%, respectivamente. Das espécies identificadas, 54,6% estavam presentes no reservatório de Jaguari, enquanto no reservatório de Paraibuna todas as espécies encontravam-se presentes.

Levantamento na bacia do rio Paraíba apresentou que no reservatório de Jaguari, dentre as seis espécies mais freqüentes, destacaram-se três emersas (Brachiaria arrecta,P. lapathifolium e Cyperus sp.) e três flutuantes (Salvinia molesta,E. crassipes e Pistia stratiotes), enquanto, para o reservatório de Paraíbuna, dentre as seis mais freqüentes, destacaram-se as emersas Polygonum sp., B. arrecta,B. mutica e as flutuantes E. crassipes e S. molesta, corroborando os dados obtidos neste estudo (Tanaka et al., 2002b).

A espécie S. auriculata ocorreu em infestações de alta densidade em 57,1% dos pontos amostrados e em média densidade em 42,9%, não ocorrendo condições de baixa densidade nos pontos amostrados. Para P. lapathifolium, verificou-se infestação de alta densidade em 20,0%, média densidade em 40,0% e baixa densidade em 40,0% dos pontos amostrados. Já a espécie B. mutica apresentou condições de infestação de alta, média e baixa densidade em 40,0, 20,0 e 40,0% dos pontos amostrados, respectivamente. A espécie E. crassipes apresentou 25,0, 50,0 e 25,0% de infestação dos pontos amostrados para as condições de alta, média e baixa densidade, respectivamente.

Houve predomínio de espécies flutuantes e emersas (Tabela 2). Esse é um dado importante, pois espécies de grupos distintos podem proporcionar danos em níveis diferentes dentro do habitat em questão e, dessa forma, exigir estratégias de manejos mais elaboradas.

Bacia do rio Paraná

Na bacia do rio Paraná foram identificadas 28 espécies (Tabela 3). As cinco mais freqüentes foram S. auriculata, E. crassipes, Cyperus sp., P. stratiotes e Typha latifolia, encontradas em 97,4; 79,5; 51,3; 46,2; e 46,2% dos pontos amostrados, respectivamente.

Do total das espécies identificadas, 50,0 e 53,6% foram encontradas nos reservatórios de Porto Primavera e Jupiá, respectivamente, destacando-se o reservatório de Ilha Solteira, com 85,7% das espécies presentes.

Em levantamento de plantas aquáticas nos reservatórios da bacia do rio Paraná, verificou-se que as espécies submersas Egeria densa e Egeria najas, as flutuantes E. crassipes e S. molesta e as emersas Cyperus sp. e T. latifolia foram as mais freqüentes nos três reservatórios desta bacia (Tanaka et al., 2002b). Observou-se ainda que P. stratiotes destacou-se entre as mais freqüentes apenas nos reservatórios de Jupiá e Porto Primavera. As espécies T. latifolia,E. crassipes e Cyperus sp. apresentaram-se em alta densidade em mais de 50% dos pontos amostrados. P. stratiotes apresentou freqüências absoluta e relativa de infestação de baixa densidade em torno de 55,6 e 4,4%, respectivamente. Das cinco espécies mais freqüentes, apenas P. stratiotes não apresentou grande área de infestação.

As espécies do grupo das plantas submersas, Ceratophyllum demersum,E. najas e E. densa, apresentaram valores de freqüência absoluta e relativa na ordem de 42,9 e 5,7%, 50,0 e 6,7% e 60,0 e 8,0%, respectivamente, na condição de infestação de alta densidade. Marcondes et al. (2003) afirmam que as espécies C. demersum,E. najas e E. densa destacam-se como plantas daninhas aquáticas importantes, que causam sérios inconvenientes à geração de energia no reservatório de Jupiá.

Bacia do rio Paranapanema

Na bacia hidrográfica do rio Paranapanema foram identificadas 23 espécies (Tabela 4). As cinco espécies que apresentaram maior freqüência absoluta e relativa foram S. auriculata,E. crassipes,Cyperus sp., Eichhornia azurea e P. stratiotes. Dessas espécies, verificou-se que as emersas Cyperus sp. e E. azurea ocorreram em infestação de alta densidade em 73,3 e 85,7% dos pontos amostrados, respectivamente, e apresentaram, ainda, baixa freqüência em condições de média e baixa densidade. Do total das espécies identificadas, apenas 21,7; 39,1 e 65,2% foram encontradas nos reservatórios de Chavantes, Jurumirim e Salto Grande, respectivamente, destacando-se o reservatório de Rosana, com 82,6% das espécies presentes.

Apesar de ocorrerem em menor freqüência absoluta e relativa em relação às espécies identificadas nos reservatórios da bacia do rio Paranapanema, B. arrecta,Fuirena umbellata e Panicum repens apresentaram freqüência absoluta e relativa na ordem de 100,0 e 9,7%, respectivamente, para a condição de infestação de alta densidade.

Bacia do rio Tietê

Na bacia hidrográfica do rio Tietê foram identificadas 28 espécies (Tabela 5). Dentre aquelas que apresentaram maior freqüência absoluta e relativa, destacam-se: S. auriculata, E. crassipes, P. stratiotes e B. arrecta. Dessa forma, pode-se observar que, das quatro espécies mais freqüentes, três são flutuantes (S. auriculata, E. crassipes e P. stratiotes) e uma é emersa (B. arrecta). A emersa B. arrecta, apesar de ter demonstrado menor freqüência entre as quatro espécies mais freqüentes, apresentou 93,2 e 9,9% de freqüência absoluta e relativa, respectivamente, em condição de infestação de alta densidade, não ocorrendo em baixa densidade. É importante ressaltar que B. arrecta, apesar de ter sido identificada em apenas 44 pontos do total amostrado, na maior parte destes, sua infestação cobria de 80 a 100% da área amostrada.

Contudo, do total das espécies identificadas, apenas 42,9; 46,4; 53,6; e 53,6% foram encontradas nos reservatórios de Promissão, Três Irmãos, Bariri e Nova Avanhandava, respectivamente, destacando-se os reservatórios de Ibitinga e de Barra Bonita, com cerca de 64,3 e 71,4% das espécies presentes, respectivamente.

Em levantamento realizado nos reservatórios da bacia do rio Tietê (Barra Bonita, Bariri, Ibitinga, Promissão e Nova Avanhandava), as espécies emersas B. arrecta,B. mutica,E. crassipes e Typha angustifolia foram consideradas como prioritárias em termos de estabelecimento de programas de manejo de plantas aquáticas, sendo estas com maior ocorrência nos reservatórios de Barra Bonita, Bariri e Ibitinga. Para as espécies submersas E. densa e E. najas, as maiores infestações ocorreram nos reservatórios de Promissão e Nova Avanhandava (Cavenaghi et al., 2003; Carvalho et al., 2005). Ressalta-se ainda que a concentração de fósforo e nitrogênio, a turbidez e os sólidos suspensos foram reduzidos com o deslocamento ao longo da seqüência de reservatórios no rio Tietê (Barra Bonita > Bariri > Ibitinga > Promissão > Nova Avanhandava), o que explica a distribuição das espécies nos reservatórios, uma vez que os parâmetros avaliados da qualidade da água alteraram a freqüência de ocorrência das espécies emersas e submersas.

Resultados semelhantes foram obtidos por Bini et al. (1999, 2005) e Thomaz et al. (2006), no reservatório de Itaipu, no qual evidenciaram que a turbidez da água não afetou a freqüência de ocorrência da espécie flutuante E. crassipes, que permaneceu aproximadamente constante e abaixo de 15% em alguns dos braços avaliados do reservatório, sendo somente importante para determinação da ocorrência da espécie submersa E. najas.

No reservatório de Barra Bonita, as espécies B. arrecta,B. mutica e E. crassipes destacaram-se como as mais importantes em levantamento realizado nos meses de junho e julho de 2001 (Carvalho et al., 2003). Em 1999, no reservatório de Três Irmãos, um dos representantes desta bacia, as espécies submersas E. najas,C. demersum e Najas guadalupensis, as flutuantes E. crassipes e S. molesta e a emersa Polygonum hydropiperoides encontramse entre as seis espécies mais freqüentes (Tanaka et al., 2002b).

Bacia do rio Grande

Na bacia hidrográfica do rio Grande foram identificadas 18 espécies (Tabela 6), as quatro mais freqüentes foram S. auriculata,P. stratiotes,B. arrecta e E. crassipes, com valores de freqüência absoluta e relativa na ordem de 100,0 e 25,0%; 73,7 e 18,4%; 57,9 e 14,5%; e 36,8 e 9,2%, respectivamente.

Por meio dos resultados de freqüência por densidade de infestação, verificou-se que B. arrecta e S. auriculata apresentaram alta densidade na maioria dos pontos onde ocorreram. Entretanto, a espécie E. crassipes, na maioria dos pontos em que foi identificada sua infestação, ocorreu em baixa densidade, enquanto P. stratiotes evidenciou infestação uniforme entre as densidades estimadas.

Quanto ao grupo, observou-se que, das quatro espécies mais freqüentes, três são flutuantes (S. auriculata,P. stratiotes e E. crassipes) e uma é emersa (B. arrecta). Assim, a distribuição percentual do total das espécies identificadas demonstrou que 44,4; 50,0 e 55,6% foram encontradas nos reservatórios de Mogi- Guaçu, Água vermelha e Limoeiro, respectivamente.

Similaridade

A maior similaridade ocorreu entre as bacias dos rios Paranapanema e Grande (0,71), enquanto a menor foi verificada entre as bacias dos rios Tietê e Paraíba (0,49). A similaridade entre as bacias dos rios Grande - Paraíba, Paraíba - Paraná, Paraíba - Paranapanema, Paraná - Paranapanema e Paraná Tietê foi da ordem de 0,63 (Tabela 7).

A localização geográfica das bacias pode explicar os baixos valores de índices de similaridade devido à dificuldade de troca de materiais, bem como às diferenças de clima e do nível de eutrofização da água dos reservatórios que compõem cada bacia. Cavenaghi et al. (2003), avaliando a composição do sedimento dos reservatórios que compõem a bacia do rio Tietê, verificaram elevado nível de fertilidade em todos eles, quando comparados a valores recomendados para culturas anuais em solos agrícolas.

A coincidência de espécies entre as bacias dos rios Grande e Paranapanema deve ser estudada mais criteriosamente em estudos futuros, uma vez que essas bacias encontravam-se geograficamente separadas e localizadas nas regiões norte e sul do Estado, respectivamente. Outro ponto importante a ser observado é que o índice de similaridade entre as bacias dos rios Grande e Paraná foi relativamente baixo, discordando do fato de o rio Grande ser um dos formadores do rio Paraná. Contudo, além do rio Grande, contribuem para a formação desta bacia os rios Paranaíba, São José dos Dourados, Tietê e Sucuruiu. Esses rios podem estar contribuindo para maior diversificação da comunidade infestante dessas bacias.

Assim, considerando as quatro espécies mais freqüentes em cada bacia, destacaram-se as flutuantes S. auriculata,E. crassipes, E. azurea, P. stratiotes e as emersas P. lapatifolium, B. arrecta, B. mutica, Cyperus sp. e T. latifolia. As espécies E. crassipes, S. molesta,P. stratiotes e Typha sp., bem como as submersas E. densa e C. demersum, também são encontradas em outros países e causam sérios problemas ao uso múltiplo da água (Lawrence & Weldon, 1965; Soerjani et al., 1975; Jain, 1975; Hestand & Carter, 1975; Bowmer et al., 1979; Madsen, 1998).

O entendimento da dinâmica da relação entre as diferentes espécies de uma comunidade de plantas aquáticas em um determinado ambiente depende: das espécies que compõem a comunidade; da densidade da vegetação; e das características morfológicas das plantas, além das variações das características físicas e químicas de cada ambiente (Dibble & Harrel, 1997; Agostinho et al., 2002). As assembléias de plantas aquáticas flutuantes podem estar relacionadas com a concentração de nutrientes em água e no sedimento, ao passo que locais no reservatório que permitam maior penetração da luz solar podem-se destacar como ideais para ocorrência de espécies submersas. Esse fato pode explicar as variações encontradas na comunidade de plantas aquáticas avaliadas nos diferentes reservatórios.

Segundo Thomaz (2002), os fatores que afetam a colonização de reservatórios por plantas aquáticas relacionam-se: à estrutura dos habitats, cuja heterogeneidade pode ser reduzida ou incrementada após a formação do novo ambiente; ao padrão de flutuação dos níveis de água imposto pelo reservatório; à velocidade da água, menor nestes ambientes; e à sedimentação, mais acentuada nos reservatórios. Assim, além dos processos estocásticos, relacionados com a dispersão, a estrutura das assembléias e o grau de colonização dos ambientes aquáticos são resultantes da combinação entre todos esses fatores.

O monitoramento periódico das plantas aquáticas permite avaliar a evolução das comunidades e determinar o potecial de danos associados a essas populações em cada reservatório, auxiliando na identificação de focos iniciais de plantas de alto risco para as atividades das usinas hidrelétricas, além de fornecer subsídios para as medidas efetivas de controle ou manejo, conforme a diversidade de espécies presentes no ambiente (Bini et al., 1999; Neiff et al., 2000). Assim, estes estudos podem envolver amostragens em vários ecossistemas ou em várias estações de coleta de um mesmo ecossistema, e os resultados podem ser utilizados na elaboração de modelos preditivos (Thomaz, 2002).

Com base nos resultados obtidos no presente estudo, pode-se verificar que a comunidade de plantas aquáticas presentes nos 18 reservatórios, pertencentes a cinco bacias hidrográficas do Estado de São Paulo, está constituída de 39 espécies, distribuídas em 21 famílias. As espécies de maior destaque foram as flutuantes S. auriculata, E. crassipes, E. azurea,P. stratiotes e as emersas P. lapathifolium, B. arrecta,B. mutica, Cyperus sp. e T. latifolia, considerando as quatro espécies com maior freqüência em cada bacia. O maior índice de similaridade (0,71) ocorreu entre as bacias dos rios Paranapanema e Grande, e o menor (0,49), entre as bacias dos rios Paraíba e Tietê.

LITERATURA CITADA

Recebido para publicação em 14.5.2007 e na forma revisada em 27.2.2008.

  • AGOSTINHO, A. A. et al. Influence of aquatic macrophytes on fish assemblage structure of the upper Paraná River floodplain (Brazil). In: EWRS INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON AQUATIC WEEDS, 11., Moliets et Maâ, 2002. Proceedings... Moliets et Maâ: 2002. p. 69-72.
  • ANTUNIASSI, U. R.; VELINI, E. D.; MARTINS, D. Remoção mecânica de plantas aquáticas: Análise econômica e operacional. Planta Daninha, v. 20, n. 1, p. 35-44, 2002. (Edição Especial)
  • BINI, L. M. et al. Aquatic macrophyte distribution in relation to water and sediment conditions in the Itaipu Reservoir, Brazil. Hydrobiologia, v. 415, n. 1, p. 147-154, 1999.
  • BINI, L. M.; THOMAZ, S. M. Prediction of Egeria najas and Egeria densa occurrence in a large subtropical reservoir (Itaipu Reservoir, Brazil-Paraguay). Aquatic Bot., v. 83, n. 3, p. 227-238, 2005.
  • BOWMER, K. H. et al. Management of elodea in Australian irrigation systems. J. Aquatic Plant Manag., v. 17, n. 1, p. 4-12, 1979.
  • BRAUN-BLANQUET, J. Fitosociologia: bases para el estudio de las comunidades vegetales. Madrid: H. Blume, 1979. 820 p.
  • CARDOSO, L. R. et al. Variabilidade genética de acesso de aguapé coletados no estado de São Paulo. Planta Daninha, v. 20, p. 1-6, 2002. (Edição Especial)
  • CARVALHO, F. T. et al. Plantas aquáticas e nível de infestação das espécies presentes no reservatório de Barra Bonita, no rio Tietê. Planta Daninha, v. 20, p. 15-19, 2003. (Edição Especial)
  • CARVALHO, F. T. et al. Influência da turbidez da água do rio Tietê na ocorrência de plantas aquáticas. Planta Daninha, v. 23, n. 2, p. 359-362, 2005.
  • CAVENAGHI, A. L. et al. Caracterização da qualidade de água e sedimento relacionados com a ocorrência de plantas aquáticas em cinco reservatórios da bacia do rio Tietê. Planta Daninha, v. 21, p. 43-52, 2003. (Edição Especial)
  • DIBBLE, E. D.; HARREL, S. L. Largemouth bass diets in two aquatic plant communities. J. Aquat. Plant Manage, v. 35, p. 74-78, 1997.
  • ESTEVES, F. A. Fundamentos de limnologia 2.ed. Rio de Janeiro: Interciência, 1998. 602 p.
  • GALO, M. L. B. T. et al. Uso do sensoriamento remoto orbital no monitoramento da dispersão de macrófitas nos reservatórios do complexo Tietê. Planta Daninha, v. 20, p. 7-20, 2002. (Edição Especial)
  • HESTAND, R. S.; CARTER, C. C. Succession of aquatic vegetation in Lake Ocklawaha two growing seasons following a winter drawdown. Hyacnth Control J., v. 13, p. 43-47, 1975.
  • HOYER, M. V. et al. Florida freshwater plants: A handbook of common aquatic plants in Florida lakes. Gainesville: University of Florida, Institute of Food and Agricultural Sciences, 1996. 264 p.
  • JAIN, S. C. Aquatic weeds and their management in India. Hyacnth Control J., v. 13, p. 6-8, 1975.
  • KISSMANN, K. G.; GROTH, D. Plantas infestantes e nocivas 2.ed. São Paulo: BASF, 1997. Tomo I. 825 p.
  • KISSMANN, K. G.; GROTH, D. Plantas infestantes e nocivas. 2.ed. São Paulo: BASF, 1999. Tomo II. 978 p.
  • KISSMANN, K. G.; GROTH, D. Plantas infestantes e nocivas. 2.ed. São Paulo: BASF, 2000. Tomo III. 722 p.
  • LAWRENCE, J. M.; WELDON L. W. Identification of aquatic weeds. Hyacnth Control J., v 4, p. 5-17, 1965.
  • LORENZI, H. Plantas daninhas do Brasil: terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas. 3.ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2000. 608 p.
  • MADSEN, J. D. Overview of the ecological assessment technology area. J. Aquatic Plant Manag., v 36, n. 1, p. 25-27, 1998.
  • MARCONDES, D. A. S. et al. Eficiência de fluridone no controle de plantas aquáticas submersas e efeitos sobre algumas características ambientais. Planta Daninha, v. 20, p. 58-62, 2002. (Edição Especial)
  • MARCONDES, D. A. S. et al. Eficiência de fluridone no controle de plantas aquáticas submersas no reservatório de Jupiá. Planta Daninha, v. 21, p. 69-77, 2003. (Edição Especial)
  • MARSHALL, T. R.; LEE, P. F. Mapping aquatic macrophytes through digital image analysis of aerial photographs: An assessment. J. Aquatic Plant Manag., v. 32, p. 61-66, 1994.
  • MARTYN, R. D. et al. Mapping aquatic weeds with aerial color infrared photography and evaluating their control by grass carp. J. Aquatic Plant Manag., v. 24, p. 46-56, 1986.
  • MARTINS D. et al. Controle químico de plantas daninhas aquáticas em condições controladas - caixa d'água. Planta Daninha, v. 17, n. 2, p. 289-296, 1999.
  • MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: John Wiley & Sons, 1974. 547 p.
  • NEIFF, J. J. et al. Prediction of colonization by macrophytes in the yaciretá reservoir of the paraná river (Argentina and Paraguay). R. Bras. Biol., v. 60, n. 4, p. 615-626, 2000.
  • NEVES, T.; FOLONI, L. L.; PITELLI, R. A. Controle químico de aguapé (Eichhornia crassipes). Planta Daninha, v. 20, p. 84-89, 2002. (Edição Especial)
  • NORDI, J. C. Composição florística e estrutura da comunidade de plantas daninhas em cultura de Eucalyptus grandis W. Hill ex. Maiden Botucatu: Universidade Estadual Paulista, 1996. 146 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas/Botânica) - Universidade Estadual Paulista, 1996.
  • SOERJANI, M.; PANCHO, J. V.; VOUNG, N. V. Aquatic weed problems and control in Southeast Asia. Hyacnth Control J., v. 13, p. 2-3, 1975.
  • TANAKA, R. H. et al. Avaliação de herbicidas para o controle de Egeria em laboratório, caixa d'água e represa sem fluxo de água. Planta Daninha, v. 20, p. 64-72, 2002a. (Edição Especial)
  • TANAKA, R. H. et al. Ocorrência de plantas aquáticas nos reservatórios da Companhia Energética de São Paulo. Planta Daninha, v. 20, p. 101-111, 2002b. (Edição Especial)
  • THOMAZ, S. M. Fatores ecológicos associados à colonização e ao desenvolvimento de macrófitas aquáticas e desafios de manejo. Planta Daninha, v. 20, p. 21-34, 2002. (Edição Especial)
  • THOMAZ, S. M. et al. Effect of reservoir drawdown on biomass of three species of aquatic macrophytes in a large sub-tropical reservoir (Itaipu, Brazil). Hydrobiologia, v. 570, p. 53-59, 2006.
  • TOBE, J. D. et al. Florida wetland plants: An identification manual. Gainesville: University of Florida, Institute of Food and Agricultural Sciences, 1998. 598 p.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    15 Abr 2008
  • Data do Fascículo
    Mar 2008

Histórico

  • Recebido
    14 Maio 2007
  • Revisado
    27 Fev 2008
Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas Departamento de Fitotecnia - DFT, Universidade Federal de Viçosa - UFV, 36570-000 - Viçosa-MG - Brasil, Tel./Fax::(+55 31) 3899-2611 - Viçosa - MG - Brazil
E-mail: rpdaninha@gmail.com