Accessibility / Report Error

Benzoquinonas, hidroquinonas e sesquiterpenos de Auxemma glazioviana

Benzoquinones, hydroquinones and sesquiterpenes of Auxemma glazioviana

Resumo

Two new compounds, 5 and 8, and an epimeric mixture 4a/4b were isolated from hardwood of Auxemma glazioviana. Their structures and relative configurations were determined by modern spectroscopic analysis to be rel-10alpha,11alpha-epoxy-11beta-ethoxy-8alpha- hydroxy-2-methoxy -8abeta-methyl-5,6,7,8,8a,9,10,10abeta-octahydro-1,4-anthracenedione (or rel-2R,2aR,5R,5aS ,10bS,10cS-2-ethoxy-5-hydroxy-8-methoxy-5a-methyl- 2a,3,4,5,5a,6,10b,10c-octahydro-2H-anthra[9,1-bc]furan-7,10-dione, 4a), rel-10alpha,11alpha- epoxy-11alpha-ethoxy-8alpha-hydroxy-2-methoxy-8abeta-methyl-5,6,7,8,8a,9,10,10abeta-octahydro- 1,4-anthracenedione (or rel-2S,2aR,5R,5aS ,10bS,10cS-2-ethoxy-5-hydroxy-8-methoxy- 5a-methyl-2a,3,4,5,5a,6,10b10c-octahydro-2H-anthra[9,1-bc]furan-7,10-dione, 4b), rel-10alpha,11alpha-epoxy-8alpha,11-dihydroxy-2-methoxy-8abeta-methyl-5,6,7,8,8a,9,10,10abeta- octahydro-1,4-anthracenedione (or rel-2S,2aR,5R,5aS ,10bS,10cS-2,5-dihydroxy-8- methoxy-5a-methyl-2a,3,4,5,5a,6,10b,10c-octahydro-2H-anthra[9,1-bc]furan-7,10 -dione, 5) and rel-10,11-epoxy-8abeta-methyl-1,4,5alpha,9alpha-tetrahydroxy-5,6,7,8,8a,9,10,10a- octahydro-8-anthracenone (or rel-2aS,5aS,6R,10bR ,10c5-2a,6,7,10-tetrahydroxy-5a-methyl-2a,3,4,5,5a,6,10b,10c-octahydro-2H-anthra [9,1-bc]-furan-5-one, 8). In addition, known compounds were also isolated.

Auxemma glazioviana; quinones; sesquiterpenes


Auxemma glazioviana; quinones; sesquiterpenes

ARTIGO

Benzoquinonas, hidroquinonas e sesquiterpenos de Auxemma glazioviana

Benzoquinones, hydroquinones and sesquiterpenes of Auxemma glazioviana

Jose Galberto M. CostaI; Otília Deusdênia L. PessoaI; Francisco José Q. MonteI; Eveline A. MenezesI; Telma Leda G. Lemos* * e-mail: tlemos@dqoi.ufc.br , I; Raimundo Braz-FilhoII

IDepartamento de Química Orgânica e Inorgânica, Universidade Federal do Ceará, CP 12200, 60451-970 Fortaleza - CE

IISetor de Produtos Naturais, Centro de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual do Norte Fluminense, 28013-600 Campos dos Goytacazes - RJ

ABSTRACT

Two new compounds, 5 and 8, and an epimeric mixture 4a/4b were isolated from hardwood of Auxemma glazioviana. Their structures and relative configurations were determined by modern spectroscopic analysis to be rel-10a,11a-epoxy-11b-ethoxy-8a- hydroxy-2-methoxy -8ab-methyl-5,6,7,8,8a,9,10,10ab-octahydro-1,4-anthracenedione (or rel-2R,2aR,5R,5aS ,10bS,10cS-2-ethoxy-5-hydroxy-8-methoxy-5a-methyl- 2a,3,4,5,5a,6,10b,10c-octahydro-2H-anthra[9,1-bc]furan-7,10-dione, 4a), rel-10a,11a- epoxy-11a-ethoxy-8a-hydroxy-2-methoxy-8ab-methyl-5,6,7,8,8a,9,10,10ab-octahydro- 1,4-anthracenedione (or rel-2S,2aR,5R,5aS ,10bS,10cS-2-ethoxy-5-hydroxy-8-methoxy- 5a-methyl-2a,3,4,5,5a,6,10b10c-octahydro-2H-anthra[9,1-bc]furan-7,10-dione, 4b), rel-10a,11a-epoxy-8a,11-dihydroxy-2-methoxy-8ab-methyl-5,6,7,8,8a,9,10,10ab- octahydro-1,4-anthracenedione (or rel-2S,2aR,5R,5aS ,10bS,10cS-2,5-dihydroxy-8- methoxy-5a-methyl-2a,3,4,5,5a,6,10b,10c-octahydro-2H-anthra[9,1-bc]furan-7,10 -dione, 5) and rel-10,11-epoxy-8ab-methyl-1,4,5a,9a-tetrahydroxy-5,6,7,8,8a,9,10,10a- octahydro-8-anthracenone (or rel-2aS,5aS,6R,10bR ,10c5-2a,6,7,10-tetrahydroxy-5a-methyl-2a,3,4,5,5a,6,10b,10c-octahydro-2H-anthra [9,1-bc]-furan-5-one, 8). In addition, known compounds were also isolated.

Keywords:Auxemma glazioviana; quinones; sesquiterpenes.

INTRODUÇÃO

Como parte de um estudo integrado entre química e farmacologia buscando descobrir novas moléculas e princípios ativos de plantas medicinais da flora nordestina, especialmente do estado do Ceará, investigou-se a constituição química das duas únicas espécies do táxon Auxemma (Boraginaceae). A. oncocalyx e A. glazioviana são conhecidas pela denominação popular de pau-branco e são bastante semelhantes, apresentando pequenas divergências tanto no habitat como em rápida análise de suas amostras de herbário. Árvores de pequeno porte, produtoras de madeira pesada e de boa qualidade, resistentes ao ataque de fungos e cupins, sendo por isto bastante empregadas na construção civil, marcenaria e carpintaria. Como conseqüência da beleza de suas flores, brancas e em densas panículas terminais, são empregadas no paisagismo, na ornamentação de praças e avenidas. As cascas destes vegetais, dotadas de propriedades adstringentes, são utilizadas na medicina popular na cicatrização de cortes e feridas1. A. oncocalyx foi a primeira espécie a ser investigada, tendo sido isoladas várias quinonas e hidroquinonas terpenoídicas2-4 de esqueleto C16, estruturalmente semelhantes aos cordiacromos5, inicialmente isolados de espécies de Cordia. Dentre os compostos isolados, destaca-se a substância denominada oncocalyxona A, um pigmento de cor vinho escuro, com propriedades citotóxica6-8, genotóxica9, anti-agregante plaquetária10, antioxidante11, analgésica e antiinflamatória12. Das cascas isolou-se quantidade significativa de alantoína13, substância com propriedades cicatrizante, antiinflamatória e regeneradora de tecidos necrosados cientificamente comprovadas14. Desta forma, acredita-se que a alantoína seja o princípio ativo das cascas deste vegetal.

Diante dos promissores resultados obtidos com a investigação fitoquímica de A. oncocalyx, iniciamos em paralelo a investigação fitoquímica da congênere A. glazioviana, a partir da qual vários metabólitos secundários já foram descritos na literatura, como a 1,4-benzoquinona conhecida como oncocalyxona A (6), a hidroquinona denominada glaziovianol A (7), além de uma 1,4-fenantrenodiona e um diterpeno15. Além disso, registrou-se também, a composição química do óleo essencial obtido do cerne da referida espécie, juntamente com atividade larvicida contra o mosquito Aedes aegypti16.

O presente trabalho relata o isolamento de novos constituintes químicos do cerne do caule de A. glazioviana como, a mistura de epímeros 4a,4b e os compostos puros 5 e 8, os quais foram caracterizados por métodos espectroscópicos, principalmente RMN 1H e 13C, e por comparação com dados espectrais disponíveis na literatura2-4, bem como o isolamento dos compostos 1, 2, 3, 6 e 7 (Figura 1).


RESULTADOS E DISCUSSÃO

Caracterização das antracenodionas 4a, 4b e 5

O composto 4 foi obtido como um sólido amorfo amarelo, com ponto de fusão 115-117 °C. O espectro de IV revelou uma banda intensa em 3400 cm-1, característica de grupo hidroxila e duas absorções em 1680 e 1670 cm-1, compatíveis com carbonilas cetônicas envolvidas em conjugação. Os espectros de RMN 1H e 13C revelaram que o material em discussão era uma mistura epimérica. Análise detalhada dos espectros de RMN 13C e DEPT 135 permitiu identificar duas carbonilas, seis carbonos metínicos, dentre eles dois oximetínicos e um hemiacetálico, quatro carbonos metilênicos, um deles ligado a oxigênio, dois grupos metílicos, uma metoxila e três carbonos não-hidrogenados, permitindo assim deduzir a fórmula molecular C19H24O6, para cada epímero. Análise detalhada dos dados espectrais e comparação com valores registrados na literatura2,4 permitiram deduzir as estruturas dos dois compostos epiméricos, no átomo de carbono C-11, inclusive os assinalamentos inequívocos dos sinais de hidrogênio e carbono (Tabelas 1 e 2). As principais diferenças observadas nos espectros de RMN 13C podem ser justificadas, com relativa facilidade, pelas modificações decorrentes dos efeitos a, b e g (mais importante pela influência estereoquímica, freqüentemente gerando blindagem eletrônica de proteção) revelados pela comparação dos deslocamentos químicos dos átomos de carbono localizados nas posições correspondentes [CH-11: dC 103,4 (4a) e 107,7 (4b)], [CH-5: dC 43,6 (4a) e 44,2 (4b)] e, [CH2-6: dC 22,6 (4a) e 24,0 (4b), DdC = 22,6 – 24,0 = - 1,4 ppm, efeito g do átomo de oxigênio do grupo etoxi sobre CH2-6 em posição geometricamente favorável - cis; CH-10a: dC 46,6 (4a) e 48,4 (4b), DdC = 46,6 – 48,4 = - 1,8 ppm, efeito g do átomo de oxigênio do grupo etoxi sobre CH-10a em posição geometricamente favorável - cis]. A análise comparativa dos dados espectrais dos dois epímeros (4a) e (4b), principalmente de RMN (Tabelas 1 e 2), foi utilizada para a elucidação estrutural de cada um destes produtos, os quais foram determinados com base em experimentos de RMN 1D e 2D. Assim, as estruturas dos compostos em discussão foram deduzidas como rel-10a,11a-epoxi-11b-etoxi-8a-hidroxi-2-metoxi-8ab-metil- 5,6,7,8,8a,9,10,10ab-octaidro-1,4-antracenodiona (ou rel-2R,2aR,5R,5aS ,10bS,10cS-2- etoxi-5-hidroxi-8-metoxi-5a-metil-2a,3,4,5,5a,6,10b,10c-octaidro-2H-anthra[9,1 -bc]furan-7,10-diona, 4a), e rel-10a,11a-epoxi-11a-etoxi-8a-hidroxi-2-metoxi-8ab-metil- 5,6,7,8,8a,9,10,10ab-octaidro-1,4-antracenodiona (ou rel-2S,2aR,5R,5aS,10bS, 10cS-2-etoxi-5-hidroxi-8-metoxi-5a-metil-2a,3,4,5,5a,6,10b10c-octaidro-2H-anthra[9,1 -bc]furan-7,10-diona,4b), tendo sido designadas de 11a-oncocalyxona C (previamente isolada de A. oncocalyx3) e 11b-oncocalyxona C, respectivamente. Acreditamos que estas substâncias tenham sido produzidas durante o processo de extração com etanol conforme ilustrado no Esquema 1.


O composto 5 foi isolado como um sólido amorfo branco, com ponto de fusão > 290 °C. Seu espectro de IV revelou a presença de grupos hidroxila e carbonila através das absorções em 3435 e 1698 cm-1, respectivamente. A fórmula molecular C17H20O6 foi deduzida a partir dos espectros de RMN 13C e DEPT 135. Os sinais de RMN 1H e 13C apresentaram-se muito próximos daqueles dos compostos 4a e 4b, revelando analogia entre estes compostos (Tabelas 1 e 2). A principal diferença foi a ausência dos sinais correspondentes aos átomos de hidrogênio e carbono relativos ao grupo etoxila, presentes naquelas substâncias. Entretanto, os deslocamentos químicos em dH/dC 5,17/97,5 justificam a presença de uma hidroxila em C-11. Com base nos dados espectrais, incluindo 1H, 1H-COSY, HMQC, HMBC (Figura 2), NOESY e comparação com dados descritos na literatura para oncocalyxona A (6) e compostos análogos2,4, a estrutura e configuração relativa do composto 5 foi estabelecida como rel-10a,11a-epoxi-8a,11a-diidroxi-2-metoxi- 8ab-metil-5,6,7,8,8a,9,10,10ab-octaidro-1,4-antracenodiona, (ou rel-2S,2aR,5R,5aS, 10bS,10cS-2,5-diidroxi-8-metoxi-5a-metil -2a,3,4,5,5a,6,10b,10c-octaidro-2H- anthra[9,1-bc]furan-7,10-diona,) um novo produto natural, denominado de oncocalyxona D.


Caracterização da hidroquinona 8

O composto 8 foi isolado como um sólido amorfo branco, com ponto de fusão acima de 300 °C. Seu espectro de IV apresentou uma absorção intensa centrada em 3450 cm-1 característica de grupo hidroxila, uma absorção em 1696 cm-1 de carbonila conjugada, além das absorções em 1640 e 1624 cm-1 de dupla ligação. A fórmula molecular C16H18O6 foi determinada com base na análise dos espectros de RMN 13C (Tabela 1), DEPT 135 e RMN 1H (Tabela 2), incluindo dados espectrais como RMN 1H e EM do derivado tri-acetilado 8a. O espectro de massa de 8 não revelou o pico correspondente ao íon molecular, entretanto mostrou o pico em m/z 288, compatível com a perda de uma molécula de H2O. O espectro de RMN 1H revelou dois sinais em d 7,08 (H-2) e 7,13 (H-3), ambos aparecendo como dubleto (J = 8,5 Hz), característicos de acoplamento orto; sinais em d 6,24 (s H-9) e 6,16 (d, J = 5,3 Hz, H-10), compatíveis com hidrogênios ligados a carbono carbinólico; e sinais em d 4,56 e 4,27, ambos com J = 9,1 Hz, portanto, revelando acoplamento geminal. Observaram-se também outros sinais referentes a hidrogênios metilênicos e metínico, além dos sinais em d 10,90 (sl), 10,00 (sl) e 6,98 (s), referentes a hidrogênios de grupo hidroxila. Os espectros de RMN 13C e DEPT 135 revelaram a presença de uma carbonila (d 214,3), cinco carbonos metínicos, dentre os quais dois com hibridação sp2 e dois carbinólicos, três carbonos metilênicos, sendo um oxigenado, dois carbonos não-hidrogenados e uma metila (Tabela 1). Estes dados, quando comparados com aqueles registrados para o metabólito secundário denominado glaziovianol (7), mostraram-se semelhantes, exceto pela presença adicional de uma hidroxila, a qual foi localizada em C-9, com base nas correlações dos átomos de hidrogênio H-10a e 3H-12 com aquele carbono, observadas no espectro HMBC (Figura 3). A estereoquímica relativa para este composto foi estabelecida com base nas correlações observadas no experimento NOESY (Figura 4). Deste modo, a estrutura deste novo produto natural, denominado glaziovianol B (8), foi definida como rel-10,11-epoxi-8ab-metil-1,4,5a,9a- tetraidroxi-5,6,7,8,8a,9,10, 10a-octaidro -8-antracenona (ou rel-2aS,5aS,6R,10bR ,10c5-2a,6,7,10- tetraidroxi-5a-metill-2a,3,4,5,5a,6,10b,10c-octaidro-2H-anthra[9,1-bc]-furan-5 -ona,). Os dados espectrais de RMN 1H (Tabela 2), inclusive o espectro de massa do derivado acetilado (8a), o qual mostra o pico correspondente ao íon molecular em m/z 432, justificam a introdução de três grupos acilas nas posições 1, 4 e 9 confirmando, desta forma, a estrutura proposta.



Caracterização dos sesquiterpenos 1, 2 e 3

Os sesquiterpenos isolados do cerne de A. glazioviana foram caracterizados por métodos espectroscópicos, principalmente RMN, e por comparação destes dados com valores descritos na literatura. Assim, os sesquiterpenos foram inequivocamente caracterizados como sendo a-cadinol (1)17, a-bisabolol (2)18 e proximadiol (3)19. É importante ressaltar que a-cadinol e a-bisabolol constituem os componentes químicos majoritários dos óleos essenciais, obtidos do cerne de A. glazioviana16.

PARTE EXPERIMENTAL

Procedimentos experimentais gerais

Os pontos de fusão foram determinados em equipamento da Micro Química, modelo MQAFP 301. Os espectros de absorção no IV foram obtidos em espectrômetro Perkin-Elmer, modelo 1000-FT, utilizando-se pastilhas de KBr. Os espectros de RMN 1H e 13C, uni- e bidimensionais, foram obtidos em espectrômetros Bruker, Modelos DPX-300 (300 MHz para 1H e 75 MHz para 13C) e AVANCE DRX-500 (500 MHz para 1H e 125 MHz para 13C). Os espectros de massa das substâncias isoladas foram obtidos por impacto eletrônico a 70 eV, em espectrômetro de baixa resolução SHIMADZU, modelo QP 5000. Nas cromatografias de adsorção em coluna (CC) foi utilizado gel de sílica (0,063-0,200 mm, 70 – 230 mesh, VETEC), enquanto para as cromatografias de camada delgada analítica (CCDA) foram utilizadas cromatoplacas de gel de sílica, 1.05735, 60 A°, com indicador de fluorescência na faixa de 254 hm (MERCK). As substâncias foram reveladas sob luz ultravioleta (254 e 366 hm), e/ou pela aspersão com solução de vanilina/ácido perclórico/EtOH, seguido de aquecimento, ou ainda pela exposição a vapores de iodo.

Material vegetal

Auxemma glazioviana foi coletada no município de Cristais, estado do Ceará, e identificada pelo Prof. A. G. Fernandes. A exsicata (# 18.639) correspondente à coleta da planta encontra-se catalogada no Herbário Prisco Bezerra (EAC), do Depto. de Biologia da UFC.

Extração e isolamento

Inicialmente, o caule de A. glazioviana recém coletado, foi dividido em alburno e cerne. O cerne (1,1 kg) foi seco à temperatura ambiente, triturado e extraído exaustivamente com EtOH (2 x 6 L) a frio, fornecendo 81 g de extrato bruto, após evaporação do solvente sob pressão reduzida. O extrato obtido foi fracionado sobre 150 g de gel de sílica, utilizando hexano, CHCl3, AcOEt e MeOH como eluentes. As frações resultantes foram concentradas sob pressão reduzida fornecendo os seguintes pesos: fração hexano (3,2 g), fração CHCl3 (6,0 g), fração AcOEt (50,8 g) e fração MeOH (14,6 g). A fração hexano (3,2 g) foi cromatografada sobre 20 g de gel de sílica e eluida com hexano, hexano-AcOEt (9:1, 8:2, 7:3, 6:4, 8:2) e AcOEt. As frações iniciais, obtidas por eluição com hexano, proporcionaram o isolamento de 1 (220 mg), enquanto das frações obtidas por eluição com hexano-AcOEt (9:1) isolou-se o composto 2 (55 mg). A fração CHCl3 (6,0 g) foi submetida à cromatografia em coluna de gel de sílica (40 g) e eluida com hexano-AcOEt (10:0, 8:2, 6:4, 4:6, 8:2, 0:10), seguido de MeOH. Nas frações obtidas por eluição com hexano-AcOEt (6:4) houve a formação de um precipitado que, após filtração e recristalização em acetona, forneceu o composto 3 (9 mg). As frações obtidas com hexano-AcOEt (4:6) foram reunidas resultando em 2,0 g de material, o qual foi recromatografado eluindo-se com hexano-AcOEt em misturas de polaridade crescente, obtendo-se os compostos 4 (22 mg) e 5 (19 mg), por eluição com hexano-AcOEt (1:1). Nas frações obtidas com AcOEt, formou-se um precipitado que, após filtração, resultou no isolamento de 6 (920 mg). A fração AcOEt (50 g) foi cromatografada em 80 g de gel de sílica, utilizando hexano, AcOEt e MeOH, puros ou em misturas binárias de polaridade crescente. As frações obtidas por eluição com hexano-AcOEt (6:4), após analise em CCD, foram reunidas e o material resultante (590 mg), recromatografado, resultando por eluição com hexano-AcOEt (4:6) no isolamento de 7 (134 mg). Nas frações obtidas por eluição com hexano-AcOEt (2:8), houve a formação de um precipitado. Estas frações foram reunidas e o resíduo recromatografado sobre gel de sílica, eluindo-se com misturas de hexano-AcOEt, resultando por eluição com hexano-AcOEt (3:7) no isolamento de 8 (30 mg).

a -Cadinol (1). Aspecto físico: cristais incolores em forma de agulhas, p.f.: 74,3-75,9 °C, IV (KBr): nmax 3346, 2960, 2900, 1450, 1130 cm-1; EM m/z (int. rel.): 222 (8), 204 (45), 161 (55), 121 (54), 105 (62), 95 (85), 43 (100), 41(90); RMN 13C (125 MHz, CDCl3):dc 50,3 (C-1), 23,0 (C-2), 31,3 (C-3), 134,8 (C-4), 122,7 (C-5), 40,2 (C-6), 47,0 (C-7), 22,3 (C-8), 42,5 (C-9), 72,8 (C-10), 26,3 (C-11), 21,9 (C-14), 15,5 (C-13), 21,1 (C-14), 24,2 (C-15).

a-Bisabolol (2). Aspecto físico: óleo incolor, IV (filme): nmax 3396, 1644, 1256, 1120 cm-1, EM m/z (int. rel.): 204 (6), 119 (62) 109 (72), 93 (47), 69 (78), 43(100); RMN 13C (125 MHz, CDCl3): dc 50,3 (C-1), 22,9 (C-2), 31,3 (C-3), 134,8 (C-4), 122,7 (C-5), 40,2 (C-6), 47,0 (C-7), 22,3 (C-8), 42,5 (C-9), 72,8 (C-10), 26,3 (C-11), 21,9 (C-12), 15,5 (C-13), 21,1 (C-14), 24,2 (C-15).

Proximadiol (3). Aspecto físico: óleo incolor, IV (filme): nmax 3380, 2870, 1467, 1183 cm-1; 13C (125 MHz, CDCl3): dc 41,1 (C-1), 20,3 (C-2), 43,5 (C-3), 72,7 (C-4), 54,8 (C-5), 21,6 (C-6), 50,0 (C-7), 22,8 (C-8), 44,7 (C-9), 34,6 (C-10), 73,3 (C-11), 27,6 (C-12), 26,8 (C-13), 18,9 (C-14), 22,6 (C-15).

11a-Oncocalyxona C (4a). Aspecto físico: sólido amorfo amarelado, p.f.: 115-117 °C, IV (KBr): nmax 3450, 1680, 1660, 1450, 1200, 1110 cm-1; EM m/z (int. rel.): 348, ausente, 303 (8) 274 (65), 256 (17), 241 (27); RMN 13C (125 MHz) e 1H (500 MHz), Tabelas 1 e 2, respectivamente.

11b-Oncocalyxona C (4b). Aspecto físico: sólido amorfo amarelado, p.f.: 111-114 °C, IV (KBr): nmax 3400, 1676, 1648, 1608, 1455, 1224, 1075 cm-1; EM m/z (int. rel.): 348, ausente, 303 (12) 274 (65), 256 (24), 241 (35); RMN 1H (500 MHz) e 13C (125 MHz), Tabelas 1 e 2, respectivamente.

Oncocalyxona D (5). Aspecto físico: sólido amorfo branco, p.f.: 269-271 °C, IV (KBr): nmax 1698, 1609, 1483, 1257, 1068 cm-1; RMN 1H (500 MHz) e 13C (125 MHz), Tabelas 1 e 2, respectivamente.

Oncocalyxona A (6). Aspecto físico: sólido amorfo de coloração vinho, p.f.: 209-211 ºC; IV (KBr): nmax 3430, 3380, 1645, 1625, 1570, 1485, 970, 845 cm-1; EM m/z (int. rel.): 302 (50), 284 (30), 255 (100), 240 (41), 203 (12), 171 (22), 128 (31), 115 (31); RMN 1H (500 MHz) e 13C (125 MHz), Tabelas 1 e 2, respectivamente.

Glaziovianol A (7). Aspecto físico: sólido amorfo branco, p.f.: acima 290 °C; IV (KBr): nmax 3436, 3225, 1698, 1618, 1483, 1312, 1207 cm-1; EM m/z (int. rel.): 290 (75), 259 (18), 175 (100), 160 (15); RMN 1H (500 MHz) e 13C (125 MHz), Tabelas 1 e 2, respectivamente.

Glaziovianol B (8). Aspecto físico: sólido amorfo branco, p.f.: acima de 300 ºC; IV (KBr): nmax 3450, 3400, 1696, 1624, 1479, 1262, 1067 cm-1; EM m/z (int. rel.): 306 (ausente), 288 (17), 259 (15), 187 (17), 175 (100), 160 (21), 131 (19), 115 (24); RMN 1H (500 MHz) e 13C (125 MHz), Tabelas 1 e 2, respectivamente.

Glaziovianol B 1,4,9-tri-acetilado (8a). Aspecto físico: resinoso, IV (KBr): nmax 3482, 2921, 2948, 1751, 1653, 1627, 1229, 1189 cm-1; EM m/z (int. rel.): 432 (0,6), 390 (4), 372 ( 2), 354 (5), 312 (4), 270 (31), 252 (21), 242 (9), 43 (100); RMN 1H (500 MHz): 7,13 (d, J = 8,7 Hz, H-2), 7,20 (d, J = 8,7 Hz, H-3), 2,35 (m, 2H-6), 3,21 (d, J = 9,1 Hz, H-7ax), 2,51 (m, H-7eq), 6,56 (s, H-9), 5,13 (d, J = 5,1 Hz, H-10), 3,22 (d, J = 5,1 Hz, H-10a), 4,42 (d, J = 11,4 Hz, H-11), 4,29 (d, J = 11,4 Hz, H-11), 1,09 (s, H-12), 2,33 (s, CH3-CO), 2,19 (s, CH3-CO), 1,92 (s, CH3-CO).

AGRADECIMENTOS

Os autores agradecem às instituições de fomento à pesquisa CNPq, CAPES, FUNCAP, PRONEX e FAPERJ pelo apoio financeiro e ao Prof. E. R. Silveira (CENAUREMN-UFC) pela obtenção dos espectros de RMN.

Recebido em 29/3/04; aceito em 5/11/04; publicado na web em 17/2/05

  • 1. Braga. R.; Plantas do Nordeste Especialmente do Ceará, Coleção Mossoroense, 3Ş ed., RN, 1976, p. 395.
  • 2. Pessoa, O. D. L.; Lemos, T. L. G.; Silveira, E. R.; Braz-Filho, R.; Nat. Prod. Lett 1993, 2, 145.
  • 3. Pessoa, O. D. L.; Lemos, T. L. G.; Carvalho, M. G.; Braz-Filho, R.; Phytochemistry 1995, 40, 1777.
  • 4. Marques, W. B.; Santos, H. S.; Pessoa, O. D. L.; Braz-Filho, R.; Lemos, T. L. G.; Phytochemistry 2000, 55, 793.
  • 5. Moir, M.; Thomson, R. H.; J. Chem. Soc., Perkin Trans. 1 1973, 1352.
  • 6. Pessoa, C.; Silveira, E. R.; Lemos, T. L. G.; Wetmore, L. A.; Moraes, M. O.; Leyva, A.; Phytotherapy Res 2000, 14, 187.
  • 7. Leyva, A.; Pessoa, C.; Boogaerdt, F.; Sokaroski, R.; Lemos, T. L. G.; Wetmore, L. A.; Huruta, R. R.; Moraes, M. O.; Anticancer Res 2000, 20, 102.
  • 8. Costa-Lotufo, L. V.; Ferreira, M. A. D.; Lemos, T. L. G.; Pessoa, O. D. L.; Viana, G. S. B.; Cunha, G. M. A.; Braz J. Med. Biol. Res 2002, 35, 927.
  • 9. Pessoa, C.; Vieira, F. M. A. C.; Lemos, T. L. G.; Moraes, M. O.; Lima, P. D. L.; Rabenhorst, S. H. B.; Leyva, A.; Burbano, R.R.; Teratog., Carcinog., Mutagen. 2003, 23, 215.
  • 10. Ferreira, M. A. D.; Nunes, O. D. R. H.; Fujimura, A. H. Y.; Pessoa, O. D. L.; Lemos, T. L. G.; Viana, G. S. B.; Res. Commun. Mol. Pathol. Pharmacol. 1999, 106, 97.
  • 11. Ferreira, M. A. D.; Nunes, O. D. R. H.; Leal, L. K. A. M.; Pessoa, O. D. L.; Lemos, T. L. G.; Viana, G. S. B.; Biol. Pharm. Bull 2003, 26, 595.
  • 12. Ferreira, M. A. D.; Nunes, O. D. R. H.; Fontenele, J. B.; Pessoa, O. D. L.; Lemos, T. L. G.; Viana, G. S. B.; Phytomedicine 2004, 11, 315.
  • 13. Pessoa, O. D. L.; Lemos, T. L. G.; Rev. Bras. Farmácia 1997, 78, 9.
  • 14. Mecca, S. B.; Proc. Sci. Sect. Toilt. Goods Assoc 1963, 39, 7.
  • 15. Costa, J. G. M.; Lemos, T. L. G.; Pessoa, O. D. L.; Monte, F. J. Q.; Braz-Filho, R.; J. Nat. Prod 1999, 62, 1044.
  • 16. Costa, J. G. M.; Menezes, E. A.; Pessoa, O. D. L.; Lemos, T. L. G.; Flavour Fragr. J. 2004, 19, 461.
  • 17. Menezes, J. E. S. A.; Lemos, T. L. G.; Silveira, E. R.; Braz-Filho, R.; Pessoa, O. D. L.; J. Braz. Chem. Soc. 2001,12, 787.
  • 18. Hashidoko, Y.; Tahara. S.; Mizutani, J.; Phytochemistry 1994, 35, 325.
  • 19. Evans, F. E.; Miller, D. W.; Cairns, T.; Baddeley, G. V.; Wenkert, E.; Phytochemistry 1982, 21, 937.
  • *
    e-mail:
  • Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      11 Ago 2005
    • Data do Fascículo
      Ago 2005

    Histórico

    • Aceito
      05 Nov 2004
    • Recebido
      29 Mar 2004
    Sociedade Brasileira de Química Secretaria Executiva, Av. Prof. Lineu Prestes, 748 - bloco 3 - Superior, 05508-000 São Paulo SP - Brazil, C.P. 26.037 - 05599-970, Tel.: +55 11 3032.2299, Fax: +55 11 3814.3602 - São Paulo - SP - Brazil
    E-mail: quimicanova@sbq.org.br