Economia da atenção à saúde ou economia da saúde?

SÉRGIO FRANCISCO PIOLA CARLOS OCTÁVIO OCKÉ REIS

Panorama Internacional

Economia da Saúde

ECONOMIA DA ATENÇÃO À SAÚDE OU ECONOMIA DA SAÚDE?

O tema abordado pelo professor Edwards consiste em um verdadeiro desafio para a comunidade de economistas da saúde. A discussão metodológica desenvolvida pelo autor questiona em que medida a disciplina "economia da saúde" estaria realmente contribuindo para a melhoria da saúde das populações.

Em sua opinião, os economistas da saúde crêem demasiadamente no papel das políticas de atenção à saúde na construção de uma sociedade saudável. Desse modo, por um lado, esses economistas acabariam prestando pouca atenção a um conjunto de determinantes sociais e ambientais que impactam sobre a saúde. E, por outro, eles não estariam avaliando seriamente as implicações de determinadas políticas sobre a eficiência e eqüidade dos sistemas, o que poderia prejudicar a perspectiva de reduzir as iniqüidades.

As visões tradicionais estariam, portanto, deixando áreas pouco exploradas, tais como: 1. a identificação de fatores de maior influência sobre a saúde do que a própria política de atenção à saúde; 2. a avaliação do sistema de saúde como um todo; e 3. a avaliação macroeconômica de atividades que têm influências sobre a saúde.

Mas essa crítica feita ao escopo da disciplina é menor, embora complementar, frente ao questionamento realizado no tocante à consistência do "núcleo duro" de tais visões tradicionais. Ele defende a adoção de um novo enfoque para a pesquisa, por meio de uma tipologia mais ampla. Seguindo a abordagem de Lakatos, o autor propõe o deslocamento do eixo do "programa de pesquisa científico", presente na economia da saúde tradicional: a "saúde" e não mais a "atenção à saúde" seria agora o centro, seria a questão relevante a ser tratada. Essa transição defendida pelo autor é acompanhada pelo crescente reconhecimento de governos de que a resolução dos problemas socioeconômicos pode ser medida mais efetiva na redução das iniqüidades em saúde.

O artigo apresenta, assim, uma defesa da reorientação do programa de pesquisa em economia da saúde, a partir de um modelo mais socioeconômico.

Comentário

A discussão sobre a necessidade de mudança no "programa de pesquisa científico" da economia da saúde é, sem dúvida, um ponto relevante da agenda da comunidade científica interessada no desenvolvimento dessa disciplina. Nesta perspectiva, a leitura do artigo pode contribuir para o melhor conhecimento dos desafios metodológicos e práticos postos para a "economia da saúde", bem como de seus limites e possibilidades, no sentido de ajudar a promover a melhoria das condições de saúde das populações.

SÉRGIO FRANCISCO PIOLA

CARLOS OCTÁVIO OCKÉ REIS

Referência

Edwards RT. Paradigms and research programmes: is it time to move from health care economics to health economics? Health Economics, 2001; 10 oct (In press).

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    23 Jan 2002
  • Data do Fascículo
    Dez 2001
Associação Médica Brasileira R. São Carlos do Pinhal, 324, 01333-903 São Paulo SP - Brazil, Tel: +55 11 3178-6800, Fax: +55 11 3178-6816 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: ramb@amb.org.br