Trabalhos Científicos em Enfermagem: Apresentações Orais

Scientific Works in nursing: Oral presentation

Trabalhos Científicos em Enfermagem - Apresentações Orais

Scientific Works in nursing - Oral presentation

EO-0l

PREVENÇÃO DO CÂNCER DE BOCA

PRUS. K.E. , RIBAS, K.P.T.

Curitiba, Liga Paranaense de Combate ao Câncer (LPCC).

Medidas de prevenção são primordiais para que se tente alterar a incidência e faça-se o diagnóstico precoce de muitas doenças, como o câncer, doenças pulmonares e doenças cardíacas. Estas medidas incluem, no caso do câncer, principalmente, a educação da população e o diagnóstico precoce de lesões cancerizáveis. Tendo enfoque preventivo; o objetivo deste trabalho é descrever um programa de prevenção denominado "Programa de Prevenção dos Funcionários da LPCC", que ocorre nesta instituição, desde 1995, e que durante janeiro de 2000 à janeiro de 2001, teve como finalidade a prevenção e detecção precoce do câncer de boca. O programa que compreende três etapas, "Avaliação de grupos de risco", "Promoção da educação em câncer" e "Aplicação prática e diagnóstico precoce", foi realizado com uma amostragem de 241 funcionários, convocados aleatoriamente. Foram abordados aspectos gerais, como faixa etária, sexo, exposição aos fatores de risco para câncer de boca (sol, tabaco, álcool, chimarrão e uso de próteses) e presença de lesões bucais, com o objetivo de se levantar um perfil epidemiológico destes funcionários e detectar lesões iniciais. Considerando o desenvolvimento da primeira etapa do programa, que ocorreu através de uma entrevista (anamnese) com o funcionário, quarenta e oito pessoas (20% do total), apresentavam neste momento alguma alteração, que deveria ser melhor investigada na terceira etapa do programa. Entre as quarenta e oito pessoas que relataram apresentar alguma lesão, após investigação clinica, detectou-se treze pessoas que realmente apresentavam alguma lesão significativa. Entre as lesões mais comuns encontradas, estavam as ulcerações de mucosa interna e lábios e doença periodônticas. Os treze casos que apresentavam tais lesões, foram precocemente detectados e encaminhados ao tratamento adequado, o que certamente favoreceu a erradicação de um provável problema. Desta forma fica evidenciada a importância que deve ser dada a prevenção e seus aspectos gerais, fundamentando assim, o papel da enfermeira frente as neoplasias, que se relaciona diretamente à educação preventiva e ao estimulo a detecção precoce.

EO-02

REABILITAÇÃO PROFISSIONAL NO PÓS-TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA

Mastropietro, A.P; Oliveira, EA.; Stracieri, A.B; Coutinho, M.A; Paton, EJ; Almeida, KO; Santos, M.A; Simoes, B.P; Voltarelli, J.C.

Unidade de Transplante de Medula Óssea do HCFMRP-USP

Na Unidade de Transplante de Medula Óssea do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-Universidade de São Paulo (UTMO-HCFRMP-USP), faz parte da rotina orientar a obtenção do "auxílio-doença" subsidiado pelo Governo, aos pacientes até que estes tenham condições de saúde que permitam o retorno as suas atividades. Porem, tem-se observado que alguns desses pacientes tendem a desejar que esse afastamento evolua para uma aposentadoria definitiva. Tal fato propicia uma acomodação, evitando assim o retorno ao mercado de trabalho após o tratamento. O objetivo do presente trabalho foi o de avaliar as atividades dos pacientes previamente ao desenvolvimento da doença, após o diagnóstico da mesma e antes e depois da realização do Transplante de Medula Óssea (TMO). Foram transplantados na Unidade de TMO do HCFRP-USP, no período de setembro de 1992 a junho de 2001, 131 pacientes. Desses 58 encontram-se vivos no presente momento e foram submetidos a avaliação desse trabalho. A amostra foi constituída por 37 homens e 21 mulheres, com idade variando de 5 anos a 51 anos. A maioria dos diagnósticos era de leucemia Mieloide Crônica. O instrumento utilizado foi uma entrevista semi-estruturada aplicada aos pacientes e seus familiares, juntamente com as anotações dos prontuários dos pacientes. Os resultados obtidos indicam que dos 43 pacientes adultos: 28 conseguiram retornar ao mercado de trabalho, 11 continuam inativos e 4 ainda não tem condições físicas de reassumirem suas funções. Dos inativos 7 se encontram aposentados e 4 expressam a vontade de obtenção de uma aposentadoria. Dos 15 pacientes crianças/ adolescentes 13 conseguiram retornar as atividades escolares e 2 continuam inativos, porém esta já era sua condição antes mesmo do tratamento devido a questões sócio-econômicas. Observa-se portanto que a maioria dos sujeitos encontra-se no momento reinserido no mercado de trabalho. Tais dados refletem a mudança de postura da equipe de profissionais da UTMOHCRP-USP, no sentido agora de não auxiliar a aposentadoria definitiva para pacientes portadores de boas condições de saúde, mas sim de estimula-los a voltarem ao mercado de trabalho, exercendo as suas funções originais ou uma nova função compatível com suas possibilidades atuais. Acredita-se que a reinserção social e ocupacional do paciente transplantado contribua para a melhoria da sua qualidade de vida.

EO-03

FISIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA

Vendramini, EC; Ribeiro, AC; Simões, B.P; Voltarelli, J.C.

Unidade de Transplante de Medula Óssea do HCFMRP-USP

O longo período de isolamento protetor necessária para o Transplante de Medula óssea restringe as atividades ffsicas do paciente e associado aos agentes quimioterapicos utilizados no regime de condicionamento pre-transplante podem potencializar os efeitos deletérios para o sistema cardiopulmonar. A administração de corticóides sistematicamente contribui para a atrofia e miopatia nos músculos esqueléticos, sendo observado também que os músculos respiratórios podem estar envolvidos nesse processo. Devido a fadiga e fraqueza os pacientes tendem a permanecer em repouso ou diminuir as suas atividades de vida diária (AVDs), o que contribui para a manutenção da inatividade. Os efeitos adversos provocados pela inatividade ou repouso prolongado no leito podem ser prevenidos ou atenuados através do início precoce da intervenção fisioterápica. O objetivo do presente trabalho e o de descrever a estruturação do Serviço de Fisioterapia da Unidade de Transplante de Medula de Óssea (TMO) do HCFMRP-USP, enfocando a importância do fisioterapeuta na equipe multidisciplinar necessária para atender as necessidades complexas do paciente submetido ao TMO. (O trabalho da fisioterapia consta de três fases: 1ª)atendimento na enfermaria; 2ª)seguimento ambulatorial e 3ª )atendimento na reinternação. O atendimento na enfermaria inicia-se após a admissão do paciente e é realizada uma avaliação física e respiratória antes do início do tratamento quimioterápico e seus efeitos colaterais. Após as avaliações iniciais e iniciada a cinesioterapia motora e respiratória vista que um freqüentemente subestimado fator contribuindo para a perda da performance física em pacientes com câncer e a falta da atividade física durante o período de hospitalização. A cinesioterapia respiratória tem o objetivo de auxiliar no tratamento e/ou prevenção de infecções respiratórias e microatelectasias. No seguimento ambulatorial e estimulada a manutenção da atividade física, vista que a exercício aeróbio vem sendo incentivado para a reabilitação dos pacientes com câncer com o intuito de melhorar as condições físicas, além de proporcionar melhora no quadro de depressão freqüentemente apresentado pelos pacientes. Realmente quanta a reinternação o atendimento será direcionado para a causa da mesma. A estruturação desse serviço segue a tendência das últimas quatro décadas, momento em que há um crescente interesse em que sejam instituídos programas de reabilitação física para doentes com câncer.

EO-04

ANSIEDADE, ESTRESSE E ATRIBUIÇÃO DE CAUSALIDADE NOS DOADORES RELACIONADOS DE MEDULA ÓSSEA.

Oliveira, EA.; Santos, M.A.; Voltarelli, J.C.

Unidade de Transplante de Medula Óssea-FMRP-USP

Na doação relacionada, o que motiva o doador é o fato deste ser colocado, potencialmente, como o salvador da vida de um membro familiar, sendo muito difícil a recusa da doação nesses casos. Esta responsabilidade, delegada pela família, pela sobrevivência do irmão toma-se muitas vezes opressiva, o que pede conduzir a manifestação de angústia psicológica. De acordo com a literatura consultada, pode-se afirmar que a questão da doação traz consigo muitas implicações psicológicas para os doadores. Estas manifestam-se antes da doação, muitas vezes na forma de angústia diante do desconhecido, imediatamente depois, através da influência dos fatores psicológicos na percepção do procedimento de doação, e decorridos alguns anos da doação, pelas modificações advindas em sua qualidade de vida. O objetivo do presente estudo é analisar os níveis de estresse e ansiedade desencadeadas por essa doação nos doadores relacionados de medula óssea, é investigar uma possível associação existente entre essas manifestações e a atribuição de causalidade aos acontecimentos de sua vida, através do construto teórico locus de centrale. A amostra foi composta por dez sujeitos, distribuídos equanimente entre os sexos, no momento imediatamente anterior à doação. Os instrumentos aplicados para a coleta de dados constaram de: dois inventários (Inventário de Ansiedade Traço-Estado IDATE e Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp) e uma escala (Escala Multidimensional de Locus de Centrale de Levenson). Os resultados apontam que o nível de ansiedade vivenciado pela maioria dos sujeitos, tanto na situação do teste (80%), como na vida cotidiana (90%), encontra-se dentro dos valores normativos. Contudo, os sintomas de estresse encontram-se presentes em 90% dos sujeitos (n=9), sendo que a maior parte deles encontra-se na fase de resistência (momento em que o organismo tenta uma adaptação, predominando a sensação de desgaste). Quanto ao locus de centrale, os sujeitos encontram-se voltados para a extemalidade (90%), sendo que 80% apresentam um escore acima do esperado para a subescala extemalidade outros-poderosos (controle extremo dependendo de outras pessoas ou do contexto), bem como é significativo o numero de sujeitos que se encontram acima dos valores normativos da subescala extemalidade-acaso (percepção de ser controlado pela sorte, pelo destino ou por forças incontroláveis). Tais dados levam à constatação da importância de urn trabalho psicológico com tais indivíduos, visando fortalecer as suas percepções e expectativas de centrale pessoal sobre os eventos, o que, consequentemente, poderia contribuir para diminuir o nível de estresse vivenciado por esses doadores. (Trabalho subvencionado com o apoio da FAPESP)

EO-05

PROGRAMA DE CONSULTAS DE ENFERMAGEM E REUNIÕES EDUCATIVAS PARA PACIENTES, DOADORES E ACOMPANHANTES EM UMA UNIDADE DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA

Oliveira. M.R., Martins, J. R., Guimaraes S.S., Sa, G.M.P., Lopes, H.B. CEMO - INCA, Rio de Janeiro - RJ

O aumento da capacidade funcional e o aprimoramento de novas modalidades terapêuticas de nosso serviço de TMO, associados a necessidade de qualidade na prestação de atendimento, motivaram a elaboração de um projeto piloto visando a implementação de programas educacionais mais abrangentes com pacientes, doadores, familiares e acompanhantes. A partir deste projeto, desenvolvido no período de jan-jul/98, foi implementado e normatizado um Programa de Consultas de Enfermagem e Reuniões Educativas. As reuniões educativas são realizadas em duas etapas distintas: a primeira esclarece sabre aspectos técnicos de todo o processo do transplante, e a segunda aborda normas e rotinas da unidade de transplante. A ênfase desta ultima recai sabre o auto-cuidado, preparando os pacientes para sua reintegração as atividades normalmente realizadas antes do transplante. A consulta de enfermagem e agendada somente após a participação dos clientes nas reuniões educativas. Nela são reforçadas sempre as orientações já fornecidas anteriormente, de forma clara e acessível. Durante sua realização são detectados precocemente sinais e sintomas de anormalidade, que serão avaliados e encaminhados de acordo com sua complexidade. A consulta de enfermagem complementa o processo de preparação dos pacientes e doadores, proporcionando um vinculo na relação enfermeiro/cliente, minimizando o impacto da internação, fortalecendo os clientes para o enfrentamento de uma nova realidade e os efeitos adversos relacionados ao processo. A implantação deste trabalho conscientiza pacientes, doadores e familiares frente ao transplante de medula óssea. Os indivíduos esclarecidos, orientados e sensibilizados, juntos a seus familiares, serao grandes aliados nestas transformações que vão ocorrer em suas vidas.

EO-06

CRITÉRIOS DE ESCOLHA DO ACESSO VENOSO EM PACIENTES (PTS) ONCO-HEMATOLOGICOS

Souto Maior P., Lins M, Malavolta L., Dias E, Florêncio R, Tagliari C, Matias K., Ostronoff M. Recife, Serviço de Transplante de Medula Óssea do Real Hospital Português.

Os acessos venosos permitem cuidados intensivos hematológicos, porem são causas iatrogênicas de complicações. Devemos estar preparados para escolher, implantar e manter desde um dispositivo intravenoso periférico ate um catéter (kt) de longa permanência. Este estudo visou identificar as indicações circunstanciais dos diversos acessos venosos afim de limitar a sua morbidade e mortalidade. Os dados foram coletados, através de uma ficha de forma prospectiva, numa série de 32 pts com M 40 anos (9-69), 17 fem, 15 masc, 7-LMC, 6-LMA, 6-MM, 1-CaMAMA, 4-DH, 3-LLA, 2-LLC, 1-ASEVERA, 2-LlNFOMAS, onde 66% dos pts foram multitratados previamente em outros serviços. Os critérios de escolha seguidos para kt braquial ou jelco: tendência trombo-embólica ou hemorrágica (coagulograma ou clínica par ex: Ca agressivo em progressão) e tendências a infecções (neutropenia, infecção ativa). Implantamos 44 kts dos quais 22 eram braquiais. Assim que a situação de risco era contornada as vias de acesso periféricas eram adaptadas a estratégia terapêutica (TMO Alogênico, coleta de CTHP, etc.). 0 material usado em nosso serviço inclui: jelco BDÒ, kt braquial do tipo HydrocathÒ dupla via, kt de HickmanÒ dupla via, kt de aférese HickmanÒ. Os implantes foram realizados em ambiente cirúrgico, sob sedação+anestesia local, utilizando radioscopia per-operatória. A veia jugular externa foi a mais abordada, seguida da jugular interna nos kts torácicos. Nos braquiais cefálicas seguida de basílicas. Todos os kts foram tunelizados, ancorados com Dacron e fixados na pele com fio mononylon 3-0. A retirada do kt torácico ocorreu em 4 casos(18%): infecções (Candida-1, Agrobacterium -1) acidentes (tração-1, perfuração-1), 78% fim do tratamento. A retirada do kt braquial ocorreu em 23% dos casos: 4 por infecção (2-Candida, 1-S.aureus, 1-E.cloacae) 1-TVP. Não foi observado nenhum tipo acidente, sendo possível trabalhar em território braquial com kt ou com jelcoÒpor uma M de 4 meses (1-7). Os pts com jelcoÒ não apresentaram complicações locais ou sistêmicas relacionadas ao seu uso. A baixa taxa de complicações de kt mencionada refletem os critérios de escolha do acesso venoso inicial ou adaptado à situação de risco apresentada pelo pt ao longo do seu tratamento. 0 kt braquial utilizado nestas situações de risco é uma alternativa quando o jelco não é factível tendo em vista sua baixa morbidade.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    12 Ago 2002
  • Data do Fascículo
    Set 2001
Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia e Terapia Celular R. Dr. Diogo de Faria, 775 cj 114, 04037-002 São Paulo/SP/Brasil, Tel. (55 11) 2369-7767/2338-6764 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: secretaria@rbhh.org