Detecção do risco de suicídio nos serviços de emergência psiquiátrica

José Manoel Bertolote Carolina de Mello-Santos Neury José Botega Sobre os autores

Resumos

OBJETIVO: Auxiliar o profissional de saúde na identificação dos fatores de risco e de proteção, e no manejo de pacientes com risco de suicídio, por meio de entrevista clinica, no contexto de emergência médica. MÉTODO: Revisão seletiva da literatura para identificar achados clínicos relevantes e ilustrativos. RESULTADO: A entrevista clinica é o melhor método para avaliar o risco suicida e tem dois objetivos: 1) apoio emocional e de estabelecimento de vínculo; 2) coleta de informações. Existe um número considerável de informações a serem coletadas durante a entrevista: fatores de risco e proteção (predisponentes e precipitantes), dados epidemiológicos, caracterização do ato, aspectos psicodinâmicos, antecedentes pessoais e familiares, modelos de identificação, dados sobre saúde física e rede de apoio social. Dificuldades ao longo da entrevista serão encontradas, mas com conhecimento e treinamento adequado, o profissional poderá abordar e ajudar adequadamente o paciente. Embora várias escalas tenham sido propostas, nenhuma delas demonstrou eficiência para a detecção de risco de suicídio. CONCLUSÃO: Não há como prever quem cometerá suicídio, mas é possível avaliar o risco individual que cada paciente apresenta, tendo em vista a investigação detalhada e empática da entrevista clinica. Impedir que o paciente venha a se matar é regra preliminar e fundamental.

Suicídio; Serviço de emergência psiquiátrica; Entrevista; Fatores de risco; Proteção


OBJECTIVE: Guide the health professional to identify risk factors and forms of protection, together with handling such patient throughout a clinical interview within the emergency service context. METHOD: Selected literature revision so as to identify relevant and illustrative key cases. RESULTS: The clinical interview is the best method to evaluate the suicidal risk and has two different aims: 1) emotional support and creation of a bond; 2) collecting information. There is a substantial amount of information to be collected during the clinical interview, such as: risk factors and protection, epidemiologic data, act characterization, psychical dynamics aspects, personal and familial historic patterns, identification models, data on physical wealth and social net support. Difficulties are to emerge throughout the clinical interview, but a trained and informed professional will be able to approach and adequately add the patient. Although several scales have been proposed, none of them have been efficient to deter the suicidal risk. CONCLUSION: There is no method to predict who is to commit suicide, nevertheless, it is possible to evaluate the individual risk of each patient with regards to a detailed and empathic clinical interview. Prevent the patient to commit suicide is the preliminary and fundamental rule.

Suicide; Emergency services, psychiatric; Interview; Risk factors; Protection


ARTIGOS

Detecção do risco de suicídio nos serviços de emergência psiquiátrica

José Manoel BertoloteI; Carolina de Mello-SantosII; Neury José BotegaIII

IDepartamento de Neurologia, Psicologia e Psiquiatria da Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Botucatu, SP, Brasil

IIInstituto de Psiquiatria, Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo (Ipq-FMUSP), São Paulo, SP, Brasil

IIIDepartamento de Psicologia Médica e Psiquiatria, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP, Brasil

Correspondência

RESUMO

OBJETIVO: Auxiliar o profissional de saúde na identificação dos fatores de risco e de proteção, e no manejo de pacientes com risco de suicídio, por meio de entrevista clinica, no contexto de emergência médica.

MÉTODO: Revisão seletiva da literatura para identificar achados clínicos relevantes e ilustrativos.

RESULTADO: A entrevista clinica é o melhor método para avaliar o risco suicida e tem dois objetivos: 1) apoio emocional e de estabelecimento de vínculo; 2) coleta de informações. Existe um número considerável de informações a serem coletadas durante a entrevista: fatores de risco e proteção (predisponentes e precipitantes), dados epidemiológicos, caracterização do ato, aspectos psicodinâmicos, antecedentes pessoais e familiares, modelos de identificação, dados sobre saúde física e rede de apoio social. Dificuldades ao longo da entrevista serão encontradas, mas com conhecimento e treinamento adequado, o profissional poderá abordar e ajudar adequadamente o paciente. Embora várias escalas tenham sido propostas, nenhuma delas demonstrou eficiência para a detecção de risco de suicídio.

CONCLUSÃO: Não há como prever quem cometerá suicídio, mas é possível avaliar o risco individual que cada paciente apresenta, tendo em vista a investigação detalhada e empática da entrevista clinica. Impedir que o paciente venha a se matar é regra preliminar e fundamental.

Descritores: Suicídio; Serviço de emergência psiquiátrica; Entrevista; Fatores de risco; Proteção

Introdução

Comportamento suicida é uma expressão que cobre uma série Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o suicídio de fenômenos ligados ao suicídio, dos quais os mais relevantes é um óbito que resulta de uma ação ou omissão iniciada com a são o suicídio propriamente dito (óbito) e a tentativa de suicídio. intenção de causar a morte e com a expectativa desse desfecho1.

A tentativa de suicídio tem as mesmas características fenomenológicas do suicídio, diferindo deste apenas quanto ao desfecho, que não é fatal; neste sentido, devese diferenciála de outros comportamentos autodestrutivos, nos quais não existe uma intenção de pôr fim à vida, embora elementos exteriores possam ser comuns a ambos.

Devese destacar que um comportamento não é, necessariamente, uma doença; assim, os comportamentos suicidas não constituem uma doença, embora na maioria estejam associados a diversos transtornos mentais, dos quais os transtornos do humor (particularmente a depressão), os transtornos por uso de substâncias (especialmente a dependência de álcool), as esquizofrenias e os transtornos de personalidade são os mais frequentes2. Ademais, determinadas doenças físicas apresentam também significativa associação com os comportamentos suicidas, entre as quais a síndrome de dor crônica, doenças neurológicas (como a epilepsia, lesões neurológicas medulares e centrais e sequelas de acidentes vasculares cerebrais), infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), a síndrome da imunodeficiência adquirida e certas neoplasias3. No fim das contas, todos esses transtornos e essas doenças representam um risco potencial de comportamentos suicidas.

No entanto, devese ressaltar que uma doença clínica grave, por si só, não é potencialmente suicida. A exemplo do que se observa na população geral, a maioria dos suicídios dáse em pessoas que, além de sofrerem de uma doença clínica, encontramse sob influência de transtornos psiquiátricos, como depressão e agitação, esta última frequentemente em decorrência de estados confusionais (delirium). Uma história de tentativa de suicídio é outro fator que aumenta muito o risco de suicídio4.

Embora haja registros locais e nacionais razoavelmente confiáveis quanto aos óbitos por suicídio5, inexistem registros sistemáticos das tentativas de suicídio. Obviamente a falta desse dado é um óbice para um melhor conhecimento da situação e das características dos sujeitos, bem como para o planejamento de serviços; contudo, para fins de prevenção dos comportamentos suicidas, esses registros são menos úteis do que informações clínicas e sociodemográficas sobre indivíduos.

As três principais funções do psiquiatra, em particular, e de todo o pessoal de saúde, no geral, em relação ao comportamento suicida, são: identificar o risco, proteger o paciente e remover ou tratar os fatores de risco.

Numa emergência psiquiátrica, as principais situações clínicas associadas ao comportamento suicida são os pacientes que apresentam grave ideação suicida e os sobreviventes de tentativas de suicídio, que já estão com os possíveis comprometimentos clínicos e cirúrgicos estabilizados. Em ambos os casos, o papel do psiquiatra seria o de determinar os procedimentos de curto e longo prazos para diminuir o risco de suicídio, incluindo uma possível decisão de internação psiquiátrica. Este artigo se concentra na discussão das principais funções do psiquiatra diante do comportamento suicida, com foco específico nos serviços de emergência psiquiátrica.

Magnitude dos comportamentos suicidas

A mortalidade por suicídio tem aumentado progressivamente, em números absolutos, embora as variações das taxas de suicídio aumentem ou diminuam, conforme a região geográfica. Atualmente, registramse mais de 870.000 óbitos por suicídio em todo o mundo, o que representa 49% de todas as mortes por causas externas6. Infelizmente, não dispomos de registros mundiais equivalentes para as tentativas de suicídio; sabese, no entanto, a partir de estudos localizados, que as taxas de tentativas de suicídio podem ser de 10 a 40 vezes mais elevadas que as de suicídio7.

No geral, o suicídio predomina em homens, numa proporção aproximada de 3:1, embora seja observada uma relação inversa quanto às tentativas de suicídio; devese notar, no entanto, que essas diferenças vêm diminuindo7.

Em termos de idade, as maiores taxas de suicídio são habitualmente encontradas entre pessoas idosas (pico atual entre os acima de 75 anos de idade), porém, em determinados países a situação é radicalmente diversa, como, por exemplo, na Nova Zelândia, onde o pico fica entre 25 e 34 anos, e no Japão, entre 55 e 64 anos8.

No Brasil, a taxa de suicídio também aumenta progressivamente, 21% em um intervalo de 20 anos. As taxas aumentaram com a idade, principalmente para o sexo masculino. A proporção de homens que se suicidaram é sempre maior que a das mulheres, em todas as faixas etárias. Considerandose as taxas totais, os homens brasileiros se suicidaram de duas a quatro vezes mais que as mulheres. Segundo a faixa etária, as pessoas com mais de 65 anos constituem o estrato com as maiores taxas de suicídio. O efeito da idade é uma tendência crescente a partir da faixa dos 4554 anos, aumentando rapidamente até o estrato dos indivíduos com mais de 75 anos. O suicídio de indivíduos entre 514 anos é uma condição pouco frequente; entretanto, houve um aumento de 10 vezes na faixa etária de 1524 anos nos últimos anos9.

Fatores de risco para os comportamentos suicidas

Usualmente, o risco de um comportamento suicida é dado por indicadores de natureza sociodemográfica e de natureza clínica; há também fatores genéticos cuja precisão direta é ainda objeto de especulações, mas que pode ser inferida a partir da história familiar do indivíduo. Especulase que o histórico de suicídio (particularmente em parentes de primeiro grau) e histórico de doença psiquiátrica na família confere risco aumentado para o comportamento suicida. Contudo, devemos distinguir entre fatores predisponentes, ou seja, aqueles remotos, distais, que criam o terreno no qual eclodem os comportamentos suicidas, e os fatores precipitantes, proximais, que os desencadeiam, os quais são chamados também de estressores associados ao risco de comportamentos suicidas10 . Os fatores precipitantes (estressores) de comportamentos suicidas estão associados uma série de situações que implicam perdas, reais ou simbólicas, ou mudanças de status, no geral, para pior. Os fatores predisponentes e precipitantes estão descritos na Tabela 1.

A presença de um transtorno mental é um dos mais importantes fatores de risco para o suicídio. Em geral, admitese que de 90% a 98% das pessoas que se suicidam têm um transtorno mental por ocasião do suicídio (Tabela 2). Os transtornos do humor, em especial os estados depressivos, representam o diagnóstico mais frequente entre os portadores de doença mental que cometeram suicídio. Segundo a OMS, o diagnóstico de transtorno do humor pode ser feito entre 20,8% e 35,8% dos suicídios fatais. A comorbidade de transtornos do humor com transtornos por uso de substância (na prática, depressão e alcoolismo) é a mais frequente11 .

Fatores de proteção para os comportamentos suicidas

A maioria das propostas preventivas baseiase na identificação de fatores de risco, pois há uma escassez de dados referente aos fatores protetores. O pouco que se sabe, ou que se supõe, é derivado do conhecimento obtido em outras áreas, como a saúde em geral ou a saúde mental em particular. É legítimo supor que fatores como alojamento seguro, segurança em geral, boa alimentação e períodos adequados de repouso possam não só contribuir para a consolidação da saúde, mas também reduzir o impacto de fatores adversos, como situações de estresse ou a presença de doenças mentais. Entretanto, desconhecese o papel específico desses fatores em relação aos comportamentos suicidas12.

Por outro lado, considerase que, em termos individuais, a resiliência emocional, a capacidade para resolver problemas e certas habilidades sociais que possam reduzir o impacto de fatores ambientais adversos ou intrapsíquicos e, dessa forma, contrabalançar o peso de certos fatores de risco. Acreditase que os fatores citados na Tabela 3 possam proteger o indivíduo de um comportamento suicida, embora não haja trabalhos científicos que sustentem tal suposição13.

Uma observação mais cuidadosa desses fatores, tanto dos de risco quanto dos de proteção, deixa evidente que alguns deles são úteis mesmo na comunidade onde vive ou trabalha o indivíduo, ao passo que outros adquirem relevância ou apenas são discerníveis no ambiente clínico.

É importante destacar que nenhum desses fatores isolados possui força suficiente para provocar ou prevenir um comportamento suicida, e que, na realidade, é sua combinação que leva à crise que resulta nesse comportamento. Com efeito, Mann e Arango descreveram o processo suicida como uma diátese, ou predisposição, a partir de uma complexa interrelação de fatores socioculturais, vivências traumáticas, história psiquiátrica e vulnerabilidade genética14.

Ambivalência do paciente com comportamento suicida

Não podemos esquecer que há uma coexistência de desejos e atitudes antagônicas que capturam a indecisão do indivíduo frente à vida. Ele deseja morrer e, simultaneamente, deseja ser resgatado ou salvo. Atos estereotipados de tomar psicotrópicos e telefonar em seguida para conhecidos solicitando ajuda expressam ambas as faces do ato14. A maioria dos pacientes suicidas é ambivalente, incorpora uma batalha interna entre o desejo de viver e o desejo de morrer.

Em considerável proporção dos casos de tentativa de suicídio a intencionalidade suicida é baixa. Apenas um quarto dos pacientes admite que deseja a morte; os demais dizem que querem apenas dormir, afastarse dos problemas15. Embora isso possa não ser conscientemente admitido, podese inferir que, numa parcela dos casos, o comportamento suicida pretendia alterar uma situação de desadaptação e sofrimento, influenciando pessoas significativas. Um grito de socorro que pode dar certo, ao provocar um movimento de apoio e de reestruturação, ou que, ao contrário, pode provocar mais agressões, vindas de pessoas próximas ou de uma equipe assistencial despreparada para atender tentativas de suicídio.

Identificação do risco de comportamentos suicidas no contexto clínico

Não há como prever quem cometerá ou não suicídio, mas é possível avaliar o risco individual que cada paciente apresenta, baseado nos fatores de risco e de proteção investigados na entrevista clínica. Uma boa entrevista permanece o melhor meio de se avaliar o risco de comportamentos suicidas. Numa situação clínica, sempre há oportunidade para explorar esses riscos, embora muitíssimas vezes essa oportunidade seja perdida, com a consequente perda de inúmeras vidas. Por isso, o profissional deve estar preparado e bem treinado para a abordagem destes pacientes.

1. A entrevista

Em casos de tentativa de suicídio, a entrevista inicial tem dois objetivos: um é semiológico, com coleta de várias informações; outro é de apoio emocional e de estabelecimento de um vínculo. O primeiro contato pode ocorrer em condições pouco favoráveis, muitas vezes no prontosocorro, estando o paciente reticente, sonolento ou ainda recebendo cuidados médicos intensivos. O paciente pode mesmo negar que tenha tentado morrer, embora familiares e equipe médica refiramse a uma tentativa de suicídio. Desde o início é preciso tentar o estabelecimento de um vínculo que garanta a confiança e a colaboração, em um momento em que a pessoa pode se encontrar enfraquecida, hostil e nem sempre disposta a colaborar.

A entrevista visa à obtenção de um número considerável de informações: caracterização do ato suicida (método, circunstâncias, intencionalidade), dados de cunho epidemiológico (fatores de risco, acontecimentos marcantes), fatores predisponentes e precipitantes, aspectos psicodinâmicos (conflitos, motivações, fantasias a respeito da morte), antecedentes pessoais e familiares, modelos de identificação, dados sobre a saúde física, rede de apoio social (com quem o paciente se relaciona e pode contar: em casa, no trabalho, em igreja e associações). É necessário formar uma ideia a respeito da personalidade do indivíduo, principalmente no que diz respeito a mecanismos de defesa e de adaptação ("coping") em situações de crise. Ao final, devese chegar a um diagnóstico global da situação do paciente e à estimativa do risco suicida.

Inicialmente, é importante tomar como foco o conteúdo (frustração, conflito, necessidade) expressado pela pessoa. O atendimento de crise exige isso. Mas também é importante atentar para o conteúdo latente do que se ouve, aos sentimentos indiscriminados e conflituosos, às falsas crenças, aos pensamentos automáticos que impedem visão mais ampla ou alternativa, como se dão os relacionamentos mais importantes. Tudo isso, se for o caso, poderá ser abordado mais tarde, com calma, quando houver maior capacidade para a reflexão.

O profissional sentese, frequentemente, entre dois pólos: de um lado, deve respeitar os sentimentos da pessoa, incluindo seu desejo de morte, ou sua ambivalência entre viver e morrer; de outro, já ao final de um primeiro atendimento, deve tomar medidas concretas para evitar que um paciente atormentado se mate, o que inclui uma possível decisão de uma internação involuntária.

É inegável que diante da urgência e da angústia que a tentativa ou a ideação suicida nos impõe, cuidadores e profissionais de saúde podem ser levados a tentar conduzir o paciente para algo em que realmente acreditam (uma ideologia, uma fé). No entanto, separar estas crenças, sentimentos ou desejos, sem as negar, faz parte do treinamento, complexo e geralmente sofrido, dos profissionais de saúde.

Com exceção das eventuais medidas de proteção à vida, é preciso ponderar sobre a urgência de fazer algo concreto pela pessoa que estamos atendendo. Lembrar que o essencial é ouvir atenciosamente, estar ao lado dela. Isso significa não tentar mudar a qualquer custo os sentimentos e ideias de nossos pacientes. Se uma pessoa sentir que estamos ao seu lado, poderá se acalmar, e consequentemente, pensar, em vez de agir falar sobre sua vontade de morrer é diferente de, concretamente, colocar a vida em risco. A partir de então, a própria pessoa poderá nos ajudar a continuar a ajudá-la.

2. As crenças

Observamos que os profissionais de saúde têm falsas crenças a respeito do comportamento suicida. As duas mais comuns são:

"Se eu perguntar sobre ideias de suicídio, não estarei induzindo um suicídio?";

"E se a pessoa me responder que sim, que ela pensa em se matar, eu vou ter que carregar essa responsabilidade?".

É necessário desmistificar que não se pode abordar a questão diretamente, pois se trata de uma concepção equivocada frequente mesmo entre profissionais. Ao invés disso, é importante considerar que os pacientes com pensamentos suicidas, na maioria dos casos, sentemse aliviados e acolhidos por terem tido a oportunidade de expor seus pensamentos e sentimentos relacionados ao suicídio.

Esses receios bloqueiam a capacidade de avaliação clínica, e o primeiro passo para a prevenção do suicídio a própria existência de risco de suicídio não é aventado. Influenciado por atitudes negativas e por crenças errôneas, o profissional encontrará dificuldade para compreender empaticamente o paciente, para avaliar bem o risco de suicídio e, caso este se encontre presente, iniciar ações terapêuticas. Entre profissional e paciente, em vez de empatia, surgirá uma dissonância afetiva que dificultará a tarefa clínica.

3. A abordagem inicial do paciente

Devese abordar o paciente de uma maneira calma, não julgadora e empática. O assunto deve ser abordado com tato, porém com clareza, como, por exemplo, perguntar, no contexto da entrevista clínica, progressivamente, conforme as respostas sejam positivas:

• Tem pensado em morte ultimamente/mais do que de costume?

• Tem pensado em morrer?

• Tem pensado em acabar com a vida?

• Tem feito planos para isso?

• Pode falar mais sobre isso?

1) Quando perguntar?

Depois de se estabelecer um bom relacionamento com o paciente.

• Quando o paciente sentirse confortável para expressar seus sentimentos.

• Quando o paciente estiver no processo de expressão de sentimentos negativos.

2) Questões adicionais

O processo não termina com a confirmação das ideias suicidas. Ele continua com questões adicionais para avaliar a frequência e a gravidade da ideação suicida, bem como a possibilidade real de suicídio. É importante saber se o paciente tem algum plano e se tem os meios de cometer o suicídio; se o meio proposto é facilmente acessível, o risco de suicídio é maior. Finalmente, é fundamental que as questões não sejam coercitivas, mas sim que sejam feitas de maneira suave, na tentativa de se criar a empatia entre o médico e o paciente16.

Quanto maior a magnitude e a persistência dos pensamentos suicidas, maior o risco de eventual suicídio. Para determinar a natureza e a letalidade potencial dos pensamentos suicidas, é necessário averiguar a intensidade, a frequência, a profundidade, a duração e a persistência dos pensamentos suicidas. Após a avaliação de risco, o profissional deve oferecer ajuda, avaliar os sistemas de suporte disponíveis no serviço médico, e providenciar uma rede de apoio e apoio psicossocial.

O profissional de saúde no serviço de emergência deve estar preparado para se deparar com as características que o paciente suicida normalmente apresenta, quais sejam, pensamentos com conteúdo permeado por desesperança, desespero e desamparo. A desesperança, seja na presença ou na ausência de um transtorno depressivo, aumenta o risco de suicídio. Na avaliação do risco de suicídio, a presença, a persistência e o grau da desesperança devem ser avaliados.

Basear-se tão somente na intuição, após breve entrevista sem informações detalhadas, é temerário. Um dos melhores indicadores para avaliação do risco de autodestruição será a consciência do avaliador de sua própria ansiedade diante do paciente. A incapacidade de experimentar ansiedade nessas ocasiões, decorrente de um contato empático pobre, apressado, ou de defesas excessivamente fortes, impedem a avaliação clínica e o trabalho terapêutico.

Alguns pacientes escondem deliberadamente a intenção suicida. Em várias situações, um clínico experiente já teve razões para não se fiar nas respostas negativas de um paciente que negava ideias de se matar. A dramática condição de vida, um transtorno psiquiátrico, ou o estado mental do paciente sugeriam o contrário do que ele afirmava. Provavelmente, o paciente estava negando suas reais intenções a fim de ser prontamente liberado, mas o clínico não acreditou em uma aparente calma e negativa de ideação suicida. Devese desconfiar das falsas "melhoras", especialmente quando situações de crise continuam sem solução ou foram temporariamente apaziguadas pela internação hospitalar. Há, também, os quadros clínicos instáveis, notadamente os de delirium e de depressão ansiosa, lançando ao suicídio o paciente que em vários momentos parecia tranqüilo. Em um ambiente de prontosocorro, onde o médico clínico ou psiquiatra geralmente atende o paciente suicida pela primeira vez, a informação objetiva de acompanhantes é de grande importância, desde os relatos de policiais ou dos profissionais de serviços de resgate de ambulâncias, colegas ou amigos e, principalmente, de cônjuges e familiares que porventura estejam presentes no momento da avaliação. Um cuidado especial deve ser tomado nos casos de acompanhantes que tenham relacionamentos claramente conflituosos com o paciente suicida. Nestes casos, é recomendável procurar algum outro informante que seja considerado confiável pelo próprio paciente, para se ter uma ideia mais clara da situação psicossocial do paciente.

4. O "contrato de não-suicídio"

Estabelecer um "contrato de nãosuicídio" é uma técnica útil na prevenção do suicídio. Esta técnica pode ser usada em um contexto de emergência, mas com muita cautela, pois o sucesso do "contrato de nãosuicídio" baseiase, principalmente, na relação terapêutica positiva estabelecida entre o médico e o paciente. Em um ambiente de emergência, esta relação pode estar prejudicada e comprometer a capacidade do clínico julgar o real risco do paciente cometer suicídio. A negociação deve promover a discussão de vários aspectos relevantes para que o paciente não cometa suicídio. Na maioria das vezes, o paciente respeita a promessa que faz ao médico, mas só o contrato não é uma medida efetiva, são necessárias todas as outras medidas de apoio. O estabelecimento de um contrato só é válido quando os pacientes têm controle sobre suas ações, ou seja, quando não apresentam transtorno mental que prejudique seu julgamento17 .

O uso de escalas

Embora várias escalas e estratégias tenham sido propostas para esse fim, infelizmente nenhuma delas demonstrou eficiência plena para a detecção de risco de suicídio18. Entretanto, dada a alta prevalência de ideação suicida em pacientes internados em emergências clínicas e enfermarias não psiquiátricas e a baixa detecção destes quadros19, é de grande importância que uma avaliação sumária de ideias e suicídio e fatores de risco para suicídio seja feita em todos os pacientes20 . Numa tentativa de orientar, principalmente o pessoal clínico sem formação psiquiátrica (médicos e pessoal de enfermagem), a OMS publicou uma série de documentos sobre a prevenção do suicídio, sendo um deles destinado a clínicos gerais16 e outro ao pessoal de cuidados primários de saúde17. Nesses documentos propõese um esquema simples de avaliação do risco de suicídio a partir de sinais e sintomas de fácil identificação por não especialistas, descritos na Tabela 4.

Nas diretrizes práticas para a avaliação e tratamento de pacientes com comportamento suicida publicadas pela Associação Psiquiátrica Americana21, algumas diretrizes de encaminhamento dos pacientes com comportamentos suicidas foram formuladas por um comitê de especialistas no assunto, que levaram em consideração os fatores de risco, condições sociofamiliares, história pessoal, entre outros, visando indicar a terapêutica aplicável frente à condição clínica do paciente suicida, descritos na Tabela 5.

Manejo do paciente

Impedir que o paciente venha a se matar, em que pesem considerações de diferentes escolas terapêuticas, éticas ou filosóficas, é a regra preliminar e fundamental. De parte do profissional que assiste o paciente, há uma linha divisória tênue entre preservar a intimidade do indivíduo, quando o risco de suicídio é baixo, e sua responsabilidade em salvarlhe a vida quando da iminência do ato suicida. Quando houver risco iminente de suicídio, recomendase a internação psiquiátrica, ainda que involuntária.

Na maioria dos casos, uma transferência para uma enfermaria ou instituição psiquiátrica é inviável. Mesmo nas emergências psiquiátricas, muitas vezes a estrutura física e o preparo das equipes médicas e paramédicas estão longe das condições ideais, como por exemplo, a existência de enfermarias que misturam pacientes suicidas e pacientes clínicos. Como transformar uma enfermaria clínica ou cirúrgica em um ambiente seguro para um paciente potencialmente suicida? É importante assinalar o risco de suicídio no prontuário e na papeleta da enfermagem, bem como o tratamento implementado; mas, mais do que isso, é imprescindível trocar ideia com a equipe assistencial a respeito do risco e das medidas a serem adotadas.

Algumas precauções devem ser tomadas, como a remoção de objetos perigosos que estejam a seu alcance (perfurocortantes - como talheres -, ou que possam ser transformados numa corda - como cintos, isqueiros, ale de medicamentos guardados entre seus pertences), colocálo em leito de fácil observação, se possível em andar térreo ou em local com janelas trancadas ou com grade e com acesso ao banheiro sempre supervisionado. Autorizar que um acompanhante sempre esteja presente pode ser uma alternativa a ser adotada.

Pacientes em delirium com turvação da consciência e agitação devem ser sedados, e a contenção física deve ser criteriosamente usada. Quando da realização de exames ou de procedimentos fora da enfermaria, esses pacientes devem ser transportados sedados e com contenção física, contandose com a possibilidade de agitação psicomotora e de atos suicidas impulsivos. O plano de tratamento deve ser flexível, passando por revisões periódicas. A disponibilidade e a capacitação da equipe assistencial são tão importantes quanto as mudanças ambientais implementadas para evitar o suicídio. Discussões regulares facilitam a capacitação da equipe para lidar com esses casos.

Algumas tentativas de suicídio em hospital geral são impulsivas, ocorrendo em pessoas que não apresentavam sintomas psicóticos ou turvação da consciência, não se encontravam deprimidas, nem expressaram ideias suicidas. Certos pacientes que decidem se matar podem, deliberadamente, esconder isso da equipe assistencial. Tendo tomado essa decisão, deixam de apresentar o mesmo desespero, parecem calmos, transmitindo falsa impressão de melhora. O afastamento de uma situação estressante, propiciado pela internação, também pode dar a impressão de melhora e conduzir, imprudentemente, à alta precoce22.

A atenção deveria ser redobrada em alguns períodos, tais como na troca de turnos da enfermagem, na licença hospitalar (quando ocorre de um terço à metade dos suicídios entre pacientes internados), na primeira semana após a internação e no primeiro mês após a alta hospitalar. Mesmo com todo o cuidado dispensado, alguns pacientes se suicidam enquanto estão sob cuidados médicos. Tal fato causa um impacto muito grande nos outros pacientes, entre os familiares e na equipe assistencial, ocasionando sentimentos de culpa, raiva e ansiedade. Reuniões com esses grupos de pessoas são importantes para que o ocorrido possa ser discutido e elaborado.

Em síntese, podemos dizer que os elementos básicos do atendimento de uma pessoa em crise suicida são23:

• ouvir. Em geral, precisase ouvir muito, pois o paciente necessita falar sobre seus pensamentos e sentimentos. Há situações, no entanto, em que o profissional precisa ser mais ativo, incentivando o diálogo em busca de soluções, ou tomar ele próprio decisões emergenciais de proteção à vida;

• aceitação dos próprios sentimentos, incluindose tolerância à ambivalência (que é a coexistência, bastante perturbadora, de sentimentos opostos). O profissional deve se aliar à parte do paciente que deseja sobreviver;

• um ponto de apoio, como uma boia a qual a dupla terapeuta/ paciente possa tomar fôlego e continuar depois. Às vezes, já ao fim do primeiro contato, é preciso vislumbrar um ponto por onde começar a organizar o caos emocional. Um ponto de esperança, poderíamos também dizer.

Muitas vezes, um correto encaminhamento pode ser o primeiro "ponto" de apoio para se buscar uma organização do caos emocional. O psiquiatra ou outro médico clínico que esteja atendendo um paciente suicida deve ter acesso e um bom contato com serviços de saúde mental que possam fornecer um atendimento rápido e um seguimento terapêutico adequado. Uma eventual dificuldade de se conseguir um atendimento no serviço indicado pelo profissional pode favorecer a desesperança do paciente, facilitando o abandono do tratamento e a perda da oportunidade de diminuir o risco de suicídio.

Um exemplo de manejo sistemático

Com base na experiência internacional e de vários projetos locais, em 2000, a OMS lançou um estudo internacional multicêntrico (SUPRE-MISS) em oito países [África do Sul, Brasil, China, Estônia, Índia, Irã, Ceilão (SriLanka) e Vietnã], em cinco dos quais foi possível efetuar um ensaio clínico controlado para avaliar uma estratégia inovadora de incentivo à busca e à manutenção de tratamento de pessoas que compareceram ao serviços de urgência/pronto-socorros após uma tentativa de suicídio24. Foram comparados dois grupos:

1) uma intervenção psicossocial, incluindo entrevista motivacional e seguimento telefônico regular, segundo o fluxograma apresentado na

Figura 1

(no momento da alta hospitalar, pacientes eram encaminhados para um serviço da rede de saúde);


2) tratamento usual (apenas um encaminhamento, por ocasião da alta, para a um serviço da rede de saúde).

Ao final de 18 meses, verificou-se o que aconteceu nos dois grupos.

Os resultados deste estudo complexo e extenso indicaram uma clara redução da mortalidade tanto geral quanto específica por suicídio em todos os locais do estudo25. Já quanto à repetição de tentativas de suicídio sem óbito, os resultados variaram com o lugar: redução na China, na Índia e no Sri Lanka, e aumento no Irã e no Brasil (embora as repetições tenham sido de muito menor gravidade)26.

No Brasil, Campinas foi escolhida como cidade para a execução do projeto; no total, 2.238 indivíduos participaram do estudo. Na maioria das vezes, o seguimento foi feito por meio de telefonemas periódicos, mas alguns casos exigiram visita domiciliar. Após 18 meses de seguimento, a porcentagem de suicídios no grupo que não recebeu os telefonemas periódicos foi, comparativamente, dez vezes maior26, embora a intervenção não tenha sido capaz de reduzir o número de tentativas de suicídio27.

Conclusão

Devido à diversidade de fatores e de problemas associados à tentativa de suicídio, não existe uma única "receita" para todas as pessoas que apresentam risco de suicídio. O determinismo multifatorial do suicídio impõenos, de início, analisar cada fator de risco e proteção com prudência. As correlações estatísticas não nos dão as causas do suicídio, mas elas nos permitem formular hipóteses de certeza variada. Somente estudos prospectivos de avaliação de métodos de prevenção que procurem resposta para essas hipóteses podem permitir o engajamento de uma adequada política de prevenção e abordagem relacionada ao suicídio.

A avaliação sistemática do risco de suicídio em quadros que chegam à emergência médica deve fazer parte da prática clínica rotineira, para que os casos potencialmente fatais possam ser devidamente abordados e encaminhados. Revendo as diversas estratégias preventivas de suicídio, Morgan e Owen defendem que a melhor estratégia para populações de alto risco, como no caso das tentativas prévias de suicídio, é melhorar os serviços de saúde e desenvolver intervenções efetivas para o grupo de pacientes que tentaram suicídio, recebendo um acompanhamento adequado28. Devido à escassez de estudos nacionais para formular um protocolo de abordagem para estes grupos de pacientes, há, consequentemente, uma carência no desenvolvimento de algumas estratégias de intervenções específicas para as pessoas que tentaram suicídio e chegaram aos nossos serviços de emergência.

Nem todos os casos de suicídio poderão ser prevenidos, entretanto, a habilidade em lidar com suicídio faz a diferença, pois milhares de vidas poderão ser salvas todos os anos se todas as pessoas que tentaram o suicídio forem adequadamente abordadas e tratadas. Esta perspectiva é de particular importância para a suicidologia, uma vez que a diminuição de morbidade (ideação suicida e tentativa de suicídio) deve certamente levar à diminuição da mortalidade29 .

  • Correspondência:
    José Manoel Bertolote
    Departamento de Neurologia, Psicologia e Psiquiatria da Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista (UNESP)
    Distrito de Rubião Júnior S/N Botucatu, SP, Brasil
    Tel.: (+55 14) 3811-6260 Fax: (+55 14) 3815-5965
    E-mail:

    • 1. WHO World Health Organization. Primary prevention of mental, neurological and psychosocial disorders Geneva: World Health Organization; 1998.
    • 2. Bertolote J, Fleischmann A, De Leo D, Wassserman D. Suicide and mental disorders: do we know enough? Br J Psychiatry. 2003;183:382-3.
    • 3. Bertolote JM, Tarsitani L, Paula-Ramos FL. La comorbilidad de la depresión y otras enfermedades: un antiguo problema sanitario, un nuevo programa de la OMS. Atopos. 2003;7:56-60.
    • 4. WHO World Health Organization. Suicide prevention (SUPRE) [cited 2010 jun 12]. Available from: http:www.who.int/mental_health/prevention/suicide/charts
    • 5. Roy A. Suicide: a multi-determined act. Psychiatr Clin North Am 1985;8(2):243-50.
    • 6. De Leo D, Bertolote JM, Lester D. Selfdirected violence. In: Krug EG, Dahlberg LL, Mercy JA, Zwi AB, Lozano R, editors. World report on health and violence Geneva: World Health Organization; 2002. p.183-212.
    • 7. Bertolote JM, Fleischmann A. A global perspective on the magnitude of suicide mortality. In: Wasserman D, Wasserman C, editors. Oxford textbook of suicide and suicide prevention. Oxford: Oxford University Press; 2009. p.91-8.
    • 8. WHO - World Health Organization. Country reports and charts Web page [cited 2010 July 25]. http://www.who.int/mental_health/prevention/suicide/country_reports/en/index.html
    • 9. Mello-Santos C, Bertolote JM, Wang YP. Epidemiology of suicide in Brazil (1980-2000): characterization of age and gender rates of suicide. Rev Bras Psiquiatr 2005;27(2):131-4.
    • 10. Batty GD, Whitley E, Deary IJ, Gale CR, Tynelius P, Rasmussen F. Psychosis alters association between IQ and future risk of attempted suicide: cohort study of 1,109,475 Swedish men. BMJ. 2010;340:c2506.
    • 11. Wasserman D, editor. Suicide, an unnecessary death London: Martin Dunitz; 2001.
    • 12. Bertolote JM, Fleischmann A, De Leo D, Wasserman D. Psychiatric diagnoses and suicide: revisiting the evidence. Crisis 2004;25(4):147-55.
    • 13. Meleiro AMAS, Teng CT, Wang YP. Suicídio: Estudos fundamentais São Paulo: Segmento Farma; 2004.
    • 14. Mann JJ, Arango V. Integration of neurobiology and psychopathology in a unified model of suicidal behavior. J Clin Psychopharmacol 1992;12(2 Suppl):2S-7S.
    • 15. Rapeli CB, Botega NJ. Clinical profiles of serious suicide attempters consecutively admitted to a university-based hospital: a cluster analysis study. Rev Bras Psiquiatr 2005;27(4):285-9.
    • 16. WHO World Health Organization. Preventing Suicide: a resource for general physicians Geneva: World Health Organization; 2000.
    • 17. WHO World Health Organization. Preventing Suicide: a resource for primary health care workers. Geneva: World Health Organization; 2000.
    • 18. Weinberg I, Ronningstam E, Goldblatt MJ, Schechter M, Wheelis J, Maltsberger JT. Strategies in treatment of suicidality: identification of common and treatmentspecific interventions in empirically supported treatment manuals. J Clin Psychiatry 2010;71(6):699-706.
    • 19. Claassen CA, Larkin GL. Occult suicidality in an emergency department population. Br J Psychiatry 2005;186:352-3.
    • 20. Horowitz LM, Ballard ED, Pao M. Suicide screening in schools, primary care and emergency departments. Curr Opin Pediatr. 2009;21(5):620-7.
    • 21. APA American Psychiatric Association. Practice guideline for the assessment and treatment of patients with suicidal behaviors. Am J Psychiatry. 2003;160(11):1-60.
    • 22. Morgan HG, Owen JH. Person at risk of suicide: guidelines on good clinical practice London: The Boots Company PLC.; 1990.
    • 23. Botega NJ, Silveira IU, Mauro MLF. Telefonemas na crise: percursos e desafios na prevenção do suicídio. Rio de Janeiro: ABP; 2010.
    • 24. Bertolote JM, Fleischmann A, De Leo D, Bolhari J, Botega N, De Silva D, Tran Thi Thanh H, Phillips M, Schlebusch L, Värnik A, Vijayakumar L, Wasserman D. Suicide attempts, plans, and ideation in culturally diverse sites: the WHO SUPRE-MISS community survey. Psychol Med 2005;35(10):1457-65.
    • 25. Bertolote JM, Fleischmann A, De Leo D, Phillips MR, Botega NJ, Vijayakumar L, De Silva D, Schlebusch L, Nguyen VT, Sisask M, Bolhari J, Wasserman. Repetition of suicide attempts: data from five culturally different lowand middleincome country emergency care settings participating in the WHO SUPRE-MISS study. Crisis. In press.
    • 26. Fleischmann A, Bertolote JM, Wasserman D, De Leo D, Bolhari J, Botega NJ, De Silva D, Phillips M, Vijayakumar L, Värnik A, Schlebusch L, Thanh HT. Effectiveness of brief intervention and contact for suicide attempters: a randomized controlled trial in five countries. Bull World Health Organ 2008;86(9):703-9.
    • 27. da Silva Cais CF, Stefanello S, Fabrício Mauro ML, Vaz Scavacini de Freitas G, Botega NJ. Factors associated with repeated suicide attempts. Preliminary results of the WHO Multisite Intervention Study on Suicidal Behavior (SUPRE-MISS) from Campinas, Brazil. Crisis 2009;30(2):73-8.
    • 28. Pajonk, FG, Gruenberg KAS, Moecke, H, Naber D. Suicides and suicide attempts in emergency medicine Crisis 2002;23(2):68-73.
    • 29. Fleischmann A, Bertolote JM, Wasserman D. Effectiveness of brief intervention and contact for suicide attempters: a randomized controlled trial in five countries. Bull World Health Organ. 2008;86(9):657-736.

    Correspondência: José Manoel Bertolote Departamento de Neurologia, Psicologia e Psiquiatria da Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista (UNESP) Distrito de Rubião Júnior S/N Botucatu, SP, Brasil Tel.: (+55 14) 3811-6260 Fax: (+55 14) 3815-5965 E-mail: bertolote@gmail.com

    Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      26 Nov 2010
    • Data do Fascículo
      Out 2010
    Associação Brasileira de Psiquiatria Rua Pedro de Toledo, 967 - casa 1, 04039-032 São Paulo SP Brazil, Tel.: +55 11 5081-6799, Fax: +55 11 3384-6799, Fax: +55 11 5579-6210 - São Paulo - SP - Brazil
    E-mail: editorial@abp.org.br