Influência do exercício físico na qualidade de vida de mulheres pós-menopáusicas com osteoporose

Resumos

O presente estudo teve por objetivo realizar uma revisão sobre a associação entre exercício físico e qualidade de vida em mulheres pós-menopáusicas com osteoporose. Foi realizada busca nas bases de dados PubMed, Scielo, SpringerLink e Sport Discus a fim de identificar artigos relevantes que tratassem dessa associação. Utilizaram-se os seguintes descritores, em língua inglesa e portuguesa: osteoporosis, exercise, menopause, women, physical activity, quality of life/osteoporose, exercício físico, menopausa, mulheres, atividade física, qualidade de vida. Com relação à qualidade de vida e aspectos físicos como força e equilíbrio, com exceção de dois estudos encontrados, os demais relataram melhoria na qualidade de vida e nos indicadores físicos das participantes. A intervenção com exercício físico demonstrou ser fundamental para o aprimoramento da qualidade de vida de mulheres na pós-menopausa que sofrem de osteoporose. Atividades que têm por objetivo o aperfeiçoamento da força e do equilíbrio são essenciais para evitar a ocorrência de quedas e, consequentemente, reduzir a incidência de fraturas nessa população.

Osteoporose; Qualidade de vida; Exercício físico


The objective of this study is to conduct a review on the association between exercise and quality of life in postmenopausal women with osteoporosis. A search was performed in PubMed, SciELO, SpringerLink and Sport Discus databases to identify relevant articles that addressed this association. We used the following descriptors in the English and Portuguese languages: osteoporosis, exercise, menopause, women, physical activity, quality of life/osteoporose, exercício físico, menopausa, mulheres, atividade física, qualidade de vida. Regarding quality of life and physical aspects like muscle strength and balance, with the exception of two studies, all others have reported improvement in quality of life and in physical domain of participants. Intervention with exercise has proved essential to improving the quality of life of women with postmenopausal osteoporosis. Activities that aim at the improvement of muscle strength and balance are essential to prevent falls, and consequently to reduce the incidence of fractures in this population.

Osteoporosis; Quality of life; Physical activity


Introdução

A osteoporose é uma doença sistêmica que ataca o esqueleto e é caracterizada pela redução da densidade óssea e pela deterioração da arquitetura do tecido ósseo.1Glaser DL, Kaplan FS. Osteoporosis: Definition and CinicalPresentation. Spine. 1997;2:12–6. Essa doença tem maior ocorrência na população feminina, em função desta apresentar um menor pico de massa óssea e também das consequências provenientes da menopausa.2WHO. Prevention and management of osteoporosis. Genebra: WHO; 2003.

A menopausa representa um período de transformação na vida da mulher, no qual ela se confronta com problemas médicos e psicológicos. Além dos fogachos, dores de cabeça, sudorese, fadiga, a disfunção sexual e a redução de estrogênio podem causar uma perda massiva e acelerada de massa óssea.3Schapira D. Aerobics and postmenopausal osteoporosis. Stress Medicine. 1990;6:157–63.

Instalada a menopausa, a prevalência de osteoporose e fraturas relacionadas aumenta conforme o tempo desse distúrbio hormonal e com a idade da mulher.4Steiner ML, Fernandes CE, Strufaldi R, Azevedo LHd, StephanC, Pompei LM, et al. Accuracy study on “Osteorisk”: a newosteoporosis screening clinical tool for women over 50 yearsold. Sao Paulo Medical Journal. 2008;126:23–8. Nessa população a prevalência de osteoporose na coluna lombar varia de 15,8% em mulheres na faixa de 50 a 59 anos a 54,5% em mulheres com mais de 80 anos, e a prevalência de fraturas varia entre 20% e 82%, nas mesmas faixas etárias, respectivamente.5Bandeira F, Carvalho EFd. Prevalência de osteoporose e fraturas vertebrais em mulheres na pós-menopausa atendidas em serviços de referência. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2007;10:86–98.

Segundo a Sociedade Americana de Menopausa, o principal objetivo clínico na condução da osteoporose é a redução do risco de fratura.6North American Menopause Society N. Management of osteoporosis in postmenopausal women: 2010 position statement of The North American Menopause Society. Menopause. 2010;17:25–54. A dor resultante dessa mudança na imagem corporal, juntamente com a perda de mobilidade e independência podem ter um impacto forte na autoestima e no humor, tornando a prevenção de quedas o ponto principal na prevenção de fraturas. Mulheres que se encontram em período pós-menopáusico e que possuem osteoporose apresentam prevalência de queda de 51,1% contra 29,3% de mulheres sem osteoporose.7Silva RB, Costa-Paiva L, Oshima MM, Morais SS, Pinto-NetoAM. Frequência de quedas e associação com parâmetros estabilométricos de equilíbrio em mulheres na pós-menopausa com e sem osteoporose. Revista Brasileira deGinecologia e Obstetrícia. 2009;31:496–502.

O aumento da expectativa de vida da população e os custos gerados pelas fraturas, principalmente de quadril, determinam a importância de se estudar essa doença, visto que fraturas de quadril são as que atribuem maior morbidade e mortalidade.8Dourador EB. Osteoporose Senil. Arquivos Brasileiros em Endocrinologia e Metabolismo. 1999;43:446–51.

O exercício físico tem papel fundamental no tratamento da osteoporose, principalmente pela redução da reabsorção óssea.9Yamazaki S, Ichimura S, Iwamoto J, Takeda T, Toyama Y. Effect of walking exercise on bone metabolism in postmenopausal women with osteopenia/osteoporosis. Journal of Bone and Mineral Metabolism. 2004;22:500–8. Aumento de força muscular, estabilidade, equilíbrio, mobilidade, melhora da qualidade de vida, redução da dor e prevenção de quedas completam os benefícios gerados pela prática sistemática de exercício físico em pacientes com osteoporose.1010 Bass SL, Forwood MR, Larsen JA, Saxon L. Prescribing Exercise for Osteoporosis. International Sport Med Journal. 2001;1:1–13.

O presente estudo teve por objetivo realizar uma revisão sobre a associação entre exercício físico e a qualidade de vida, nos campos psicológico e físico, de mulheres portadoras de osteoporose que se encontram na fase de pós-menopausa.

Metodologia

Na revisão sistemática foram selecionados artigos científicos que verificaram a influência de um programa estruturado de exercício físico na qualidade de vida de mulheres pós-menopáusicas com osteoporose. Teses e dissertações não foram incluídas devido à inviabilidade logística de uma busca sistemática por meio dessas.

As referências que preencheram os critérios de inclusão foram avaliadas, independentemente do periódico. A seleção dos descritores utilizados ao longo do processo de revisão foi realizada conforme consulta ao Medical Subject Headings (MeSH).

Foi realizada pesquisa nas bases de dados PubMed, Scielo, SpringerLink e Sport Discus e nas listas de referências dos artigos identificados. Utilizaram-se os seguintes descritores, em língua inglesa e portuguesa: osteoporosis, exercise, menopause, women, physical activity, quality of life. A fim de combinar os descritores e termos utilizados na busca, recorreu-se aos operadores lógicos “AND” e “OR”.

Primeiramente foram encontrados 135 artigos que apresentavam relação com o tema de estudo. Logo após, foram selecionados artigos que atendessem aos seguintes critérios de inclusão: a) estudos longitudinais, que tinham por amostra mulheres com osteoporose e pós-menopáusicas; e b) que apresentassem diagnóstico clínico de osteoporose, obtido através de exame de densitometria óssea no colo de fêmur ou na coluna lombar, sem histórico de fraturas atraumáticas. Os artigos selecionados foram analisados de acordo com os seguintes critérios estabelecidos por Downs & Black:1111 Downs SH, Black N. The feasibility of creating a checklist for the assessment of the methodological quality both of randomised and non-randomised studies of health care interventions. J Epidemiol Community Health. 1998;52:377–84.

  • Hipóteses e objetivos do estudo;

  • Principais desfechos medidos;

  • Características dos sujeitos envolvidos;

  • Descrição das exposições de interesse e principais desfechos;

  • Citação da probabilidade real para os principais desfechos;

  • Adequação dos testes estatísticos adequados;

  • Se as medidas utilizadas para os principais desfechos foram acuradas;

  • Se os pacientes em diferentes grupos foram recrutados na mesma população;

  • Se os principais resultados apresentaram poder estatístico (nível de significância de 5%), para detectar um efeito importante.

Após a primeira análise, que consistiu apenas da leitura de títulos, 40 artigos foram eleitos para segunda fase desta revisão, que consistiu da leitura dos resumos. Posteriormente à avaliação dos resumos, os estudos que indicavam o preenchimento dos critérios de inclusão estabelecidos, tiveram seu texto lido na íntegra. Neste momento, a revisão foi realizada de forma independente por dois pesquisadores. Por fim, 10 artigos foram incluídos na presente revisão.

Resultados

A tabela 1 apresenta os artigos que foram incluídos na presente revisão. Dentre os critérios estabelecidos para a análise, a clareza na descrição dos objetivos ficou comprometida apenas no estudo de Carter et al.1212 Carter ND, Khan KM, Petit MA, Heinonen A, Waterman C, Donaldson MG, et al. Results of a 10 week community based strength and balance training programme to reduce fall risk factors: a randomised controlled trial in 65-75 year old women with osteoporosis. British Journal of Sports Medicine. 2001;35:348–51. Com relação aos desfechos estudados, a qualidade de vida foi mensurada por todos os estudos incluídos.1212 Carter ND, Khan KM, Petit MA, Heinonen A, Waterman C, Donaldson MG, et al. Results of a 10 week community based strength and balance training programme to reduce fall risk factors: a randomised controlled trial in 65-75 year old women with osteoporosis. British Journal of Sports Medicine. 2001;35:348–51.2121 Tüzün S, Aktas I, Akarirmak Ü, Sipahi S, Tüzün F. Yoga might be an alternative training for the quality of life and balance in postmenopausal osteoporosis. European Journal of Physical and Rehabilitation Medicine. 2010;46:69–72. Os outros desfechos estudados foram: equilíbrio,1212 Carter ND, Khan KM, Petit MA, Heinonen A, Waterman C, Donaldson MG, et al. Results of a 10 week community based strength and balance training programme to reduce fall risk factors: a randomised controlled trial in 65-75 year old women with osteoporosis. British Journal of Sports Medicine. 2001;35:348–51.,1313 Arnold CM, Busch AJ, Schachter CL, Harrison EL, Olszynski WP. A Randomized Clinical Trial of Aquatic versus Land Exercise to Improve Balance, Function, and Quality of Life in Older Women with Osteoporosis. Physiotherapy Canada. 2008;60:296–306.,1515 Aveiro MC, Navega MT, Granito RN, Rennó ACM, Oishi J. Efeitos de um programa de atividade física no equilíbrio e na força muscular do quadríceps em mulheres osteoporóticas visando uma melhoria na qualidade de vida. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2004;12:33–8.1717 Devereux K, Robertson D, Briffa NK. Effects of a water-based program on women 65 years and over: A randomised controlled trial. Australian Journal of Physiotherapy. 2005;51:102–8.,2121 Tüzün S, Aktas I, Akarirmak Ü, Sipahi S, Tüzün F. Yoga might be an alternative training for the quality of life and balance in postmenopausal osteoporosis. European Journal of Physical and Rehabilitation Medicine. 2010;46:69–72.2323 Madureira MM, Takayama L, Gallinaro AL, Caparbo VF, Costa RA, Pereira RMR. Balance training program is highly effective in improving functional status and reducing the risk of falls in elderly women with osteoporosis: a randomized controlled trial. Osteoporos International. 2007;18:419–25. torque muscular,1515 Aveiro MC, Navega MT, Granito RN, Rennó ACM, Oishi J. Efeitos de um programa de atividade física no equilíbrio e na força muscular do quadríceps em mulheres osteoporóticas visando uma melhoria na qualidade de vida. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2004;12:33–8. força de membro inferior,1212 Carter ND, Khan KM, Petit MA, Heinonen A, Waterman C, Donaldson MG, et al. Results of a 10 week community based strength and balance training programme to reduce fall risk factors: a randomised controlled trial in 65-75 year old women with osteoporosis. British Journal of Sports Medicine. 2001;35:348–51.,1616 Carter ND, Khan KM, McKay HA, Petit MA, Waterman C, Heinonen A, et al. Community-based exercise program reduces risk factors for falls in 65- to 75-year-old women with osteoporosis: randomized controlled trial. Canadian Medical Association Journal. 2002;167:997–1004.,2222 Aveiro M, Granito R, Navega M, Driusso P, Oishi J. Influence of a physical training program on muscle strength, balance and gait velocity among women with osteoporosis. Revista Brasileira de Fisioterapia. 2006;10:441–8. velocidade de caminhada,2222 Aveiro M, Granito R, Navega M, Driusso P, Oishi J. Influence of a physical training program on muscle strength, balance and gait velocity among women with osteoporosis. Revista Brasileira de Fisioterapia. 2006;10:441–8. medo de quedas,1717 Devereux K, Robertson D, Briffa NK. Effects of a water-based program on women 65 years and over: A randomised controlled trial. Australian Journal of Physiotherapy. 2005;51:102–8. frequência de queda,2323 Madureira MM, Takayama L, Gallinaro AL, Caparbo VF, Costa RA, Pereira RMR. Balance training program is highly effective in improving functional status and reducing the risk of falls in elderly women with osteoporosis: a randomized controlled trial. Osteoporos International. 2007;18:419–25. função respiratória, postura e capacidade de exercício submáximo.2020 Renno ACM, Granito RN, Driusso P, Costa D, Oishi J. Effects of an exercise program on respiratory function, posture and on quality of life in osteoporotic women: a pilot study. Physiotherapy. 2005;91:113–8.

Tabela 1
Lista de artigos incluídos na revisão

As características dos indivíduos foram apresentadas através de tabelas descritivas em oito estudos.1212 Carter ND, Khan KM, Petit MA, Heinonen A, Waterman C, Donaldson MG, et al. Results of a 10 week community based strength and balance training programme to reduce fall risk factors: a randomised controlled trial in 65-75 year old women with osteoporosis. British Journal of Sports Medicine. 2001;35:348–51.,1313 Arnold CM, Busch AJ, Schachter CL, Harrison EL, Olszynski WP. A Randomized Clinical Trial of Aquatic versus Land Exercise to Improve Balance, Function, and Quality of Life in Older Women with Osteoporosis. Physiotherapy Canada. 2008;60:296–306.,1616 Carter ND, Khan KM, McKay HA, Petit MA, Waterman C, Heinonen A, et al. Community-based exercise program reduces risk factors for falls in 65- to 75-year-old women with osteoporosis: randomized controlled trial. Canadian Medical Association Journal. 2002;167:997–1004.,1919 Liu-Ambrose TYL, Khan KM, Eng JJ, Lord SR, Lentle B, McKay HA. Both resistance and agility training reduce back pain and improve health-related quality of life in older women with low bone mass. Osteoporos International. 2005;16:1321–9.2323 Madureira MM, Takayama L, Gallinaro AL, Caparbo VF, Costa RA, Pereira RMR. Balance training program is highly effective in improving functional status and reducing the risk of falls in elderly women with osteoporosis: a randomized controlled trial. Osteoporos International. 2007;18:419–25. Os estudos de Auad et al.,1414 Auad MA, Simões RP, Rouhani S, Castello V, Yogi LS. Eficácia de um programa de exercícios físicos na qualidade de vida de mulheres com osteoporose. Arquivos Brasileiros de Ciência da Saúde. 2008;33:31–5. Aveiro et al.,1515 Aveiro MC, Navega MT, Granito RN, Rennó ACM, Oishi J. Efeitos de um programa de atividade física no equilíbrio e na força muscular do quadríceps em mulheres osteoporóticas visando uma melhoria na qualidade de vida. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2004;12:33–8. e Devereux et al.1717 Devereux K, Robertson D, Briffa NK. Effects of a water-based program on women 65 years and over: A randomised controlled trial. Australian Journal of Physiotherapy. 2005;51:102–8. apresentam essa informação ao longo do texto, na sessão de resultados, e tendo apenas a idade dos participantes como variável descritiva. A maioria dos autores mensurou qualidade de vida medida através de questionários específicos para essa variável,1212 Carter ND, Khan KM, Petit MA, Heinonen A, Waterman C, Donaldson MG, et al. Results of a 10 week community based strength and balance training programme to reduce fall risk factors: a randomised controlled trial in 65-75 year old women with osteoporosis. British Journal of Sports Medicine. 2001;35:348–51.2121 Tüzün S, Aktas I, Akarirmak Ü, Sipahi S, Tüzün F. Yoga might be an alternative training for the quality of life and balance in postmenopausal osteoporosis. European Journal of Physical and Rehabilitation Medicine. 2010;46:69–72. entretanto, apenas dois o fizeram utilizando variáveis como: dor e número de quedas.1818 Kronhed A-CG, Hallberg I, Ödkvist L, Möller M. Effect of training on health-related quality of life, pain and falls in osteoporotic women. Advances in Physiotherapy. 2009;11:154–65.,2323 Madureira MM, Takayama L, Gallinaro AL, Caparbo VF, Costa RA, Pereira RMR. Balance training program is highly effective in improving functional status and reducing the risk of falls in elderly women with osteoporosis: a randomized controlled trial. Osteoporos International. 2007;18:419–25.

Dos estudos analisados, apenas o de Carter et al.1616 Carter ND, Khan KM, McKay HA, Petit MA, Waterman C, Heinonen A, et al. Community-based exercise program reduces risk factors for falls in 65- to 75-year-old women with osteoporosis: randomized controlled trial. Canadian Medical Association Journal. 2002;167:997–1004. incluiu na seleção e na análise dos dados fatores de confusão. Foram eles: altura, peso, mudança de peso ao longo do estudo, anos de uso de estrogênio, número de medicamentos utilizados, fumo, atividade física, idade, estado mental, escore de qualidade de vida, número de fraturas ao longo da vida, quedas no último ano e presença de osteoartrite ou artrite reumatoide. Apenas um estudo cita efeitos adversos da intervenção às participantes.1919 Liu-Ambrose TYL, Khan KM, Eng JJ, Lord SR, Lentle B, McKay HA. Both resistance and agility training reduce back pain and improve health-related quality of life in older women with low bone mass. Osteoporos International. 2005;16:1321–9.

Devido a uma questão ética e de dificuldade metodológica, quatro estudos relatam tentativa de cegamento dos sujeitos,1212 Carter ND, Khan KM, Petit MA, Heinonen A, Waterman C, Donaldson MG, et al. Results of a 10 week community based strength and balance training programme to reduce fall risk factors: a randomised controlled trial in 65-75 year old women with osteoporosis. British Journal of Sports Medicine. 2001;35:348–51.,1616 Carter ND, Khan KM, McKay HA, Petit MA, Waterman C, Heinonen A, et al. Community-based exercise program reduces risk factors for falls in 65- to 75-year-old women with osteoporosis: randomized controlled trial. Canadian Medical Association Journal. 2002;167:997–1004.,1919 Liu-Ambrose TYL, Khan KM, Eng JJ, Lord SR, Lentle B, McKay HA. Both resistance and agility training reduce back pain and improve health-related quality of life in older women with low bone mass. Osteoporos International. 2005;16:1321–9.,2323 Madureira MM, Takayama L, Gallinaro AL, Caparbo VF, Costa RA, Pereira RMR. Balance training program is highly effective in improving functional status and reducing the risk of falls in elderly women with osteoporosis: a randomized controlled trial. Osteoporos International. 2007;18:419–25. e três estudos não realizaram randomização.1515 Aveiro MC, Navega MT, Granito RN, Rennó ACM, Oishi J. Efeitos de um programa de atividade física no equilíbrio e na força muscular do quadríceps em mulheres osteoporóticas visando uma melhoria na qualidade de vida. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2004;12:33–8.,2020 Renno ACM, Granito RN, Driusso P, Costa D, Oishi J. Effects of an exercise program on respiratory function, posture and on quality of life in osteoporotic women: a pilot study. Physiotherapy. 2005;91:113–8.,2222 Aveiro M, Granito R, Navega M, Driusso P, Oishi J. Influence of a physical training program on muscle strength, balance and gait velocity among women with osteoporosis. Revista Brasileira de Fisioterapia. 2006;10:441–8.

A tabela 2 apresenta os resultados dos estudos que realizaram avaliação de qualidade de vida em mulheres com osteoporose. Apenas o estudo de Carter et al.1616 Carter ND, Khan KM, McKay HA, Petit MA, Waterman C, Heinonen A, et al. Community-based exercise program reduces risk factors for falls in 65- to 75-year-old women with osteoporosis: randomized controlled trial. Canadian Medical Association Journal. 2002;167:997–1004. não encontrou efeitos benéficos da intervenção com exercício físico na qualidade de vida das mulheres avaliadas. Os demais estudos encontrados demonstram impacto positivo desse tipo de intervenção na qualidade de vida das mulheres participantes. De forma geral, a intervenção com exercício físico teve influência positiva nos seguintes aspectos: saúde geral, interação, taxa de mudança global, imagem corporal, atividades da vida diária, vitalidade, função social e saúde mental.

Tabela 2
Resultados dos estudos que avaliaram a qualidade de vida de mulheres com osteoporose

Força e equilíbrio foram as capacidades físicas mais avaliadas. Ao analisar a tabela 3, é possível verificar que o exercício físico atua de maneira importante no aprimoramento dessas capacidades, pois componentes essenciais para a prevenção de quedas. Dois estudos não apresentaram aumento nessas capacidades em relação ao grupo que praticou exercício.

Tabela 3
Resultados dos estudos que avaliaram componentes físicos e funcionais de mulheres portadoras de osteoporose

Discussão

A osteoporose afeta de forma negativa a qualidade de vida da paciente, limitando a realização de suas atividades da vida diária (AVDs). A dor crônica gerada por ela pode levar à depressão, à ansiedade, à frustração e ao isolamento social.2424 Gold D, Stegmaier K, Bales C, Lyles K, Westlund R, Drezner M. Psychosocial functioning and osteoporosis in late life: Results of a multidisciplinary intervention. Journal of Women’s Health. 1993;2:149–55. O exercício físico se torna então, intervenção fundamental aumentando a confiança para a realização das tarefas de forma independente.1414 Auad MA, Simões RP, Rouhani S, Castello V, Yogi LS. Eficácia de um programa de exercícios físicos na qualidade de vida de mulheres com osteoporose. Arquivos Brasileiros de Ciência da Saúde. 2008;33:31–5.

A prática regular de exercícios físicos em mulheres com osteoporose tem como efeitos positivos, além da redução da perda óssea, o aprimoramento da saúde geral, da socialização, da autoestima, do humor, da consciência corporal; e a redução da depressão, da ansiedade e do medo de quedas.1313 Arnold CM, Busch AJ, Schachter CL, Harrison EL, Olszynski WP. A Randomized Clinical Trial of Aquatic versus Land Exercise to Improve Balance, Function, and Quality of Life in Older Women with Osteoporosis. Physiotherapy Canada. 2008;60:296–306.,1717 Devereux K, Robertson D, Briffa NK. Effects of a water-based program on women 65 years and over: A randomised controlled trial. Australian Journal of Physiotherapy. 2005;51:102–8. O conhecimento da família sobre a doença também é de fundamental importância, pois gera maior apoio familiar para os cuidados com a doença por parte da paciente.1515 Aveiro MC, Navega MT, Granito RN, Rennó ACM, Oishi J. Efeitos de um programa de atividade física no equilíbrio e na força muscular do quadríceps em mulheres osteoporóticas visando uma melhoria na qualidade de vida. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2004;12:33–8.

No estudo de Liu-Ambrose et al.,1919 Liu-Ambrose TYL, Khan KM, Eng JJ, Lord SR, Lentle B, McKay HA. Both resistance and agility training reduce back pain and improve health-related quality of life in older women with low bone mass. Osteoporos International. 2005;16:1321–9. os autores relatam que exercícios realizados em duplas aumentaram a interação social entre as participantes. Esse efeito, especialmente entre indivíduos de idade avançada e status de saúde similares, está relacionado ao fato de que exercícios praticados em grupo proporcionam às participantes trocas de experiências de vida, novos laços de amizade e aumento na sensação de bem-estar, que influenciam de forma positiva em sua permanência no programa.1818 Kronhed A-CG, Hallberg I, Ödkvist L, Möller M. Effect of training on health-related quality of life, pain and falls in osteoporotic women. Advances in Physiotherapy. 2009;11:154–65.

A ocorrência de fraturas tem um efeito mais forte na redução da qualidade de vida, do que apenas a doença em si.2222 Aveiro M, Granito R, Navega M, Driusso P, Oishi J. Influence of a physical training program on muscle strength, balance and gait velocity among women with osteoporosis. Revista Brasileira de Fisioterapia. 2006;10:441–8.,2525 Adachi JD, Ioannidis G, Olszynski WP, Brown JP, Hanley DA, Sebaldt RJ, et al. The impact of incident vertebral and non-vertebral fractures on health related quality of life in postmenopausal women. BMC Musculoskeletal Disorders. 2002:3. Fratura de quadril, por exemplo, gera uma redução significativa na qualidade de vida do indivíduo acometido em um período de 12 a 15 semanas, após a fratura.2626 Randell AG, Nguyen TV, Bhalerao N, Silverman SL, Sambrook PN, Eisman JA. Deterioration in Quality of Life Following Hip Fracture: A Prospective Study. Osteoporis International. 2000;11:460–6. Mulheres com osteoporose e na pós-menopausa, que não apresentam complicações geradas pela doença e que são ativas fisicamente, apresentam qualidade de vida semelhante a mulheres pós-menopáusicas sem osteoporose.2727 Bianchi ML, Orsini MR, Saraifoger S, Ortolani S, Radaelli G, Betti S. Quality of life in post-menopausal osteoporosis. Health and Quality of Life Outcomes. 2005:3.,2828 Navega MT, Oishi J. Comparação da Qualidade de Vida Relacionada à Saúde entre Mulheres na Pós-menopausa Praticantes de Atividade Física com e sem Osteoporose. Revista Brasileira de Reumatologia. 2007;47:258–64.

Apenas os estudos de Carter et al.1212 Carter ND, Khan KM, Petit MA, Heinonen A, Waterman C, Donaldson MG, et al. Results of a 10 week community based strength and balance training programme to reduce fall risk factors: a randomised controlled trial in 65-75 year old women with osteoporosis. British Journal of Sports Medicine. 2001;35:348–51. e Kronhed et al.1818 Kronhed A-CG, Hallberg I, Ödkvist L, Möller M. Effect of training on health-related quality of life, pain and falls in osteoporotic women. Advances in Physiotherapy. 2009;11:154–65. não relataram melhora significativa nos componentes físicos de mulheres com osteoporose após a intervenção, tanto quando comparadas a um grupo controle, quanto quando comparadas aos valores de linha base. Apesar de não indicar mudanças significativas no equilíbrio e na força de extensão de joelho, em 10 semanas de treinamento, Carter et al.1212 Carter ND, Khan KM, Petit MA, Heinonen A, Waterman C, Donaldson MG, et al. Results of a 10 week community based strength and balance training programme to reduce fall risk factors: a randomised controlled trial in 65-75 year old women with osteoporosis. British Journal of Sports Medicine. 2001;35:348–51. colocam que as participantes do grupo exercitado apresentaram um aumento na força de extensão de joelho, que, apesar de não possuir significância estatística, tem importante significado biológico. Entretanto, o estudo de Carter et al.1616 Carter ND, Khan KM, McKay HA, Petit MA, Waterman C, Heinonen A, et al. Community-based exercise program reduces risk factors for falls in 65- to 75-year-old women with osteoporosis: randomized controlled trial. Canadian Medical Association Journal. 2002;167:997–1004. manteve o grupo intervenção por um período de 20 semanas e encontrou aumentos significativos no equilíbrio dinâmico e na força de extensão de joelho com relação ao controle, 4,9% e 12,8%, respectivamente.

Um programa de treinamento objetivando o aumento da força muscular, principalmente de membros inferiores, é necessário para prevenir a ocorrência de quedas e fraturas nessa população. A redução do equilíbrio aumenta o risco e o medo de quedas.1515 Aveiro MC, Navega MT, Granito RN, Rennó ACM, Oishi J. Efeitos de um programa de atividade física no equilíbrio e na força muscular do quadríceps em mulheres osteoporóticas visando uma melhoria na qualidade de vida. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2004;12:33–8. A mobilidade torna o indivíduo mais independente, reduzindo a probabilidade de institucionalização.2323 Madureira MM, Takayama L, Gallinaro AL, Caparbo VF, Costa RA, Pereira RMR. Balance training program is highly effective in improving functional status and reducing the risk of falls in elderly women with osteoporosis: a randomized controlled trial. Osteoporos International. 2007;18:419–25.

Indivíduos frágeis, que apresentam equilíbrio e movimentos prejudicados, podem buscar os mesmos benefícios da prática de exercício convencional, ao se exercitarem na água.1010 Bass SL, Forwood MR, Larsen JA, Saxon L. Prescribing Exercise for Osteoporosis. International Sport Med Journal. 2001;1:1–13. O ambiente aquático, além da estabilidade e coordenação, estimula os sistemas visual, vestibular e perceptivo. A flutuabilidade reduz o estresse nas articulações e nos músculos, em função do impacto reduzido, e melhora a amplitude de movimento do indivíduo.1717 Devereux K, Robertson D, Briffa NK. Effects of a water-based program on women 65 years and over: A randomised controlled trial. Australian Journal of Physiotherapy. 2005;51:102–8. Segundo Arnold et al.,1313 Arnold CM, Busch AJ, Schachter CL, Harrison EL, Olszynski WP. A Randomized Clinical Trial of Aquatic versus Land Exercise to Improve Balance, Function, and Quality of Life in Older Women with Osteoporosis. Physiotherapy Canada. 2008;60:296–306. exercícios realizados na água podem ser mais eficazes, mesmo com o fato de exercícios realizados fora da água terem uma aplicabilidade e uma especificidade maior com relação a tarefas funcionais.

A utilização de questionários para avaliação da qualidade de vida ocorre em virtude de seu baixo custo e de sua fácil aplicabilidade. No caso da população em questão, existem instrumentos específicos para verificação dessa variável, como Qualeffo, OQLQ - Osteoporosis Quality of Life Questionnaire e OPAQ - Osteoporosis Assessment Questionnaire. O uso de instrumentos genéricos, como o SF-36, dificulta a interpretação dos dados, visto que este instrumento tem utilização preconizada em indivíduos saudáveis, apesar da correlação existente entre este e questionários específicos.2626 Randell AG, Nguyen TV, Bhalerao N, Silverman SL, Sambrook PN, Eisman JA. Deterioration in Quality of Life Following Hip Fracture: A Prospective Study. Osteoporis International. 2000;11:460–6.,2929 Lemos MCD, Miyamoto ST, Valim V, Natour J. Qualidade de Vida em Pacientes com Osteoporose: Correlação entre OPAQ e SF-36. Revista Brasileira de Reumatologia. 2006;46:323–8. É importante que o instrumento a ser utilizado seja específico para a população que está sendo estudada, em função da fidedignidade dos dados.3030 Group OQoLS. Measuring Quality of Life in Women with Osteoporosis. Osteoporis International. 1997;7:478–87.

Nenhum dos estudos analisados verificou peso corporal, altura, prevalência de ingestão de álcool e fumo. Sabe-se que tais variáveis são indicadoras de risco de quedas e fraturas na população em questão,3131 Voort DJMvd, Geusens PP, Dinant GJ. Risk Factors for Osteoporosis Related to their Outcome: Fractures. Osteoporis International. 2001;12:630–8.,3232 Papaioannou A, Kennedy CC, Ioannidis G, Brown JP, Pathak A, Hanley DA, et al. Determinants of health-related quality of life in women with vertebral fractures. Osteoporos International. 2006;17:355–63. e variações no peso corporal ou mudança nas variáveis comportamentais podem indicar efeito do programa de intervenção. Sugere-se que futuramente pesquisas deem enfoque, além da questão da qualidade de vida e aspectos físicos, às variáveis antropométricas e comportamentais.

Com base nos artigos encontrados é possível concluir que a intervenção com exercícios físicos é ponto importante para aprimorar a qualidade de vida de mulheres na pós-menopausa que sofrem de osteoporose. Da mesma forma, atividades que visem trabalhar a força e o equilíbrio são fundamentais para evitar a ocorrência de quedas, e consequentemente reduzir a incidência de fraturas nessa população.

Referências

  • 1
    Glaser DL, Kaplan FS. Osteoporosis: Definition and CinicalPresentation. Spine. 1997;2:12–6.
  • 2
    WHO. Prevention and management of osteoporosis. Genebra: WHO; 2003.
  • 3
    Schapira D. Aerobics and postmenopausal osteoporosis. Stress Medicine. 1990;6:157–63.
  • 4
    Steiner ML, Fernandes CE, Strufaldi R, Azevedo LHd, StephanC, Pompei LM, et al. Accuracy study on “Osteorisk”: a newosteoporosis screening clinical tool for women over 50 yearsold. Sao Paulo Medical Journal. 2008;126:23–8.
  • 5
    Bandeira F, Carvalho EFd. Prevalência de osteoporose e fraturas vertebrais em mulheres na pós-menopausa atendidas em serviços de referência. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2007;10:86–98.
  • 6
    North American Menopause Society N. Management of osteoporosis in postmenopausal women: 2010 position statement of The North American Menopause Society. Menopause. 2010;17:25–54.
  • 7
    Silva RB, Costa-Paiva L, Oshima MM, Morais SS, Pinto-NetoAM. Frequência de quedas e associação com parâmetros estabilométricos de equilíbrio em mulheres na pós-menopausa com e sem osteoporose. Revista Brasileira deGinecologia e Obstetrícia. 2009;31:496–502.
  • 8
    Dourador EB. Osteoporose Senil. Arquivos Brasileiros em Endocrinologia e Metabolismo. 1999;43:446–51.
  • 9
    Yamazaki S, Ichimura S, Iwamoto J, Takeda T, Toyama Y. Effect of walking exercise on bone metabolism in postmenopausal women with osteopenia/osteoporosis. Journal of Bone and Mineral Metabolism. 2004;22:500–8.
  • 10
    Bass SL, Forwood MR, Larsen JA, Saxon L. Prescribing Exercise for Osteoporosis. International Sport Med Journal. 2001;1:1–13.
  • 11
    Downs SH, Black N. The feasibility of creating a checklist for the assessment of the methodological quality both of randomised and non-randomised studies of health care interventions. J Epidemiol Community Health. 1998;52:377–84.
  • 12
    Carter ND, Khan KM, Petit MA, Heinonen A, Waterman C, Donaldson MG, et al. Results of a 10 week community based strength and balance training programme to reduce fall risk factors: a randomised controlled trial in 65-75 year old women with osteoporosis. British Journal of Sports Medicine. 2001;35:348–51.
  • 13
    Arnold CM, Busch AJ, Schachter CL, Harrison EL, Olszynski WP. A Randomized Clinical Trial of Aquatic versus Land Exercise to Improve Balance, Function, and Quality of Life in Older Women with Osteoporosis. Physiotherapy Canada. 2008;60:296–306.
  • 14
    Auad MA, Simões RP, Rouhani S, Castello V, Yogi LS. Eficácia de um programa de exercícios físicos na qualidade de vida de mulheres com osteoporose. Arquivos Brasileiros de Ciência da Saúde. 2008;33:31–5.
  • 15
    Aveiro MC, Navega MT, Granito RN, Rennó ACM, Oishi J. Efeitos de um programa de atividade física no equilíbrio e na força muscular do quadríceps em mulheres osteoporóticas visando uma melhoria na qualidade de vida. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2004;12:33–8.
  • 16
    Carter ND, Khan KM, McKay HA, Petit MA, Waterman C, Heinonen A, et al. Community-based exercise program reduces risk factors for falls in 65- to 75-year-old women with osteoporosis: randomized controlled trial. Canadian Medical Association Journal. 2002;167:997–1004.
  • 17
    Devereux K, Robertson D, Briffa NK. Effects of a water-based program on women 65 years and over: A randomised controlled trial. Australian Journal of Physiotherapy. 2005;51:102–8.
  • 18
    Kronhed A-CG, Hallberg I, Ödkvist L, Möller M. Effect of training on health-related quality of life, pain and falls in osteoporotic women. Advances in Physiotherapy. 2009;11:154–65.
  • 19
    Liu-Ambrose TYL, Khan KM, Eng JJ, Lord SR, Lentle B, McKay HA. Both resistance and agility training reduce back pain and improve health-related quality of life in older women with low bone mass. Osteoporos International. 2005;16:1321–9.
  • 20
    Renno ACM, Granito RN, Driusso P, Costa D, Oishi J. Effects of an exercise program on respiratory function, posture and on quality of life in osteoporotic women: a pilot study. Physiotherapy. 2005;91:113–8.
  • 21
    Tüzün S, Aktas I, Akarirmak Ü, Sipahi S, Tüzün F. Yoga might be an alternative training for the quality of life and balance in postmenopausal osteoporosis. European Journal of Physical and Rehabilitation Medicine. 2010;46:69–72.
  • 22
    Aveiro M, Granito R, Navega M, Driusso P, Oishi J. Influence of a physical training program on muscle strength, balance and gait velocity among women with osteoporosis. Revista Brasileira de Fisioterapia. 2006;10:441–8.
  • 23
    Madureira MM, Takayama L, Gallinaro AL, Caparbo VF, Costa RA, Pereira RMR. Balance training program is highly effective in improving functional status and reducing the risk of falls in elderly women with osteoporosis: a randomized controlled trial. Osteoporos International. 2007;18:419–25.
  • 24
    Gold D, Stegmaier K, Bales C, Lyles K, Westlund R, Drezner M. Psychosocial functioning and osteoporosis in late life: Results of a multidisciplinary intervention. Journal of Women’s Health. 1993;2:149–55.
  • 25
    Adachi JD, Ioannidis G, Olszynski WP, Brown JP, Hanley DA, Sebaldt RJ, et al. The impact of incident vertebral and non-vertebral fractures on health related quality of life in postmenopausal women. BMC Musculoskeletal Disorders. 2002:3.
  • 26
    Randell AG, Nguyen TV, Bhalerao N, Silverman SL, Sambrook PN, Eisman JA. Deterioration in Quality of Life Following Hip Fracture: A Prospective Study. Osteoporis International. 2000;11:460–6.
  • 27
    Bianchi ML, Orsini MR, Saraifoger S, Ortolani S, Radaelli G, Betti S. Quality of life in post-menopausal osteoporosis. Health and Quality of Life Outcomes. 2005:3.
  • 28
    Navega MT, Oishi J. Comparação da Qualidade de Vida Relacionada à Saúde entre Mulheres na Pós-menopausa Praticantes de Atividade Física com e sem Osteoporose. Revista Brasileira de Reumatologia. 2007;47:258–64.
  • 29
    Lemos MCD, Miyamoto ST, Valim V, Natour J. Qualidade de Vida em Pacientes com Osteoporose: Correlação entre OPAQ e SF-36. Revista Brasileira de Reumatologia. 2006;46:323–8.
  • 30
    Group OQoLS. Measuring Quality of Life in Women with Osteoporosis. Osteoporis International. 1997;7:478–87.
  • 31
    Voort DJMvd, Geusens PP, Dinant GJ. Risk Factors for Osteoporosis Related to their Outcome: Fractures. Osteoporis International. 2001;12:630–8.
  • 32
    Papaioannou A, Kennedy CC, Ioannidis G, Brown JP, Pathak A, Hanley DA, et al. Determinants of health-related quality of life in women with vertebral fractures. Osteoporos International. 2006;17:355–63.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Nov-Dec 2014

Histórico

  • Recebido
    27 Ago 2013
  • Aceito
    18 Fev 2014
Sociedade Brasileira de Reumatologia Av Brigadeiro Luiz Antonio, 2466 - Cj 93., 01402-000 São Paulo - SP, Tel./Fax: 55 11 3289 7165 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: sbre@terra.com.br