ATIVIDADES ENZIMÁTICAS DE SOLO COM ESTÁGIOS E MANEJO DE REGENERAÇÃO DE FLORESTAS DA CAATINGA

ANDREZZA EMANUELLA OLIVEIRA SILVA ÉRIKA VALENTE DE MEDEIROS EUZELINA DOS SANTOS BORGES INÁCIO IGNÁCIO HERNAN SALCEDO LAERTE BEZERRA DE AMORIM Sobre os autores

RESUMO

As áreas tropicais secas são as que sofrem as mais severas pressões antrópicas. Este fator motiva estudos que objetivam caracterizar e monitorar a qualidade do solo visando determinar estratégias de manejo para os produtores. O objetivou-se avaliar a atividade enzimática das enzimas fosfatases ácida e alcalina, uréase e arilsulfatase nas camadas superficiais de solos em áreas sob diferentes estágios de regeneração florestal, no município de Floresta-PE. Amostras de solos foram coletadas nas camadas 0-5, 5-15 e 15-30 cm nas áreas C-18 (regeneração por 18 anos), P-13 (13 anos), L-12 (12 anos), C-9 (9 anos), C-7 (7 anos) e G-4(4 anos). Os métodos analíticos usados neste estudo foram baseados na incubação das amostras de solo com soluções tamponadas de substratos específicos de cada enzima. Os métodos foram baseados em determinações colorimétricas. As atividades das fosfatases e uréase foram sensíveis em detectar mudanças na qualidade de solos com vários estágios de regeneração em áreas secas tropicais. As áreas com maior tempo de regeneração (C-18) mostraram maiores atividades enzimáticas. As atividades enzimáticas do solo respondem a diferentes estágios e manejo de regeneração florestal nas áreas secas tropicais brasileiras, nomeadamente Caatinga. A fosfatase ácida e alcalina, arilsulfatase e urease aumentaram com o tempo de regeneração.

Palavras-chave:
Enzimas extracelulares do solo; Qualidade do solo; Fosfatase; Uréase; Arilsulfatase

Universidade Federal Rural do Semi-Árido Avenida Francisco Mota, número 572, Bairro Presidente Costa e Silva, Cep: 5962-5900, Telefone: 55 (84) 3317-8297 - Mossoró - RN - Brazil
E-mail: caatinga@ufersa.edu.br