Percepção da inteligibilidade e gravidade do desvio fonológico por fonoaudiólogos e leigos

Isadora Mayer Rosado Gabriele Donicht Simone Nicolini de Simoni Karina Carlesso Pagliarin Marcia Keske-Soares Sobre os autores

RESUMO

Objetivo:

comparar o julgamento perceptual por fonoaudiólogos(as) e leigos(as) quanto à inteligibilidade da fala de crianças com desvio fonológico, e verificar a concordância deste julgamento com a gravidade do desvio fonológico.

Métodos:

a pesquisa foi composta por duas amostras: julgada e julgadora. A amostra julgada foi constituída por 30 crianças do banco de dados da clínica fonoaudiológica da instituição, com diagnóstico de desvio fonológico, na faixa etária de 4 anos e 1 mês a 7 anos e 11 meses (20 do gênero masculino e 10 do feminino). A amostra julgadora, foi composta por seis leigos, que não possuíam qualquer contato com crianças, sendo três do gênero masculino e três do feminino; e seis fonoaudiólogos, sendo três do gênero masculino e três do feminino.

Resultados:

o julgamento da inteligibilidade por leigos(as) é mais prejudicado do que a inteligibilidade por fonoaudiólogos(as), pois estes possuem formação técnica para entender a fala do outro, julgando melhor a fala da criança. Leigos e leigas concordam de forma semelhante em relação à gravidade do desvio fonológico, diferentemente do grupo de fonoaudiólogos x fonoaudiólogas, onde as fonoaudiólogas julgam e concordam melhor quanto à inteligibilidade e a gravidade do desvio fonológico.

Conclusão:

profissionais fonoaudiólogos(as) julgam de forma mais adequada a inteligibilidade da fala de crianças com desvio fonológico; as fonoaudiólogas possuem melhor percepção para julgar a gravidade do desvio quando comparadas aos grupos de leigos e leigas, demonstrando haver necessidade de informações a este último sobre o tema.

Descritores:
Inteligibilidade da Fala; Distúrbio de Fala; Percepção da Fala; Patologia de Fala e Linguagem; Criança

ABSTRACT

Purpose:

to compare the perceptual judgment of the speech intelligibility of children with speech sound disorders by speech language pathologists (men x women) and non-professionals (men x women) and to verify the agreement of the perceptual judgment with the results of the Percentage of Consonants Correct - Revised.

Methods:

this research consisted of two samples: the judged and the judging. The judged sample was composed by 30 children from the Database of a clinical speech therapy, diagnosed with speech sound disorders, ages between 4:7 and 7: 11 years old (20 males and 10 females). The judging sample was composed by six speech pathologists (three males and three females) and six non-professionals (people that did not have any contact with any child), three males and three females.

Results:

the judgment of intelligibility of the nonprofessionals is impaired when comparing with the intelligibility of speech language pathologists, because they have technical background in order to understand the speech of others, better judging the speech of children. Nonprofessionals agree in the same way about the severity of phonological disorder, differently of speech language pathologists, where female speech pathologists judge and agree better in the relationship of intelligibility and gravity of phonological disorder.

Conclusion:

Speech Language Pathologists have greater effectiveness to judge the speech intelligibility of children that have speech sound disorders, female speech pathologists have better insight to judge the severity of speech disorders compared to the nonprofessional group, which demonstrates that more information about speech is needed.

Keywords:
Speech Intelligibility; Speech Disorders; Speech Perception; Speech-Language Pathology; Child

Introdução

O processo de aquisição do sistema fonológico ocorre de maneira gradual e não linear, de acordo com o desenvolvimento e maturação neurológica da criança, conforme a comunidade em que está inserida11. Gubiani MB, Keske-Soares M. Evolução Fonológica de crianças com desvio fonológico, submetidas a diferentes abordagens terapêuticas. Rev. CEFAC. 2014;16(2):663-71.

2. Indrusiak CS, Rockenbach SP. Prevalência de desvio fonológico em crianças de 4 a 6 anos de escolas municipais de educação infantil de Canoas RS. Rev. CEFAC. 2012; 14(5):943-51.
-33. Preston JL, Irwin JR, Turcios J. Perception of Speech Sounds in School-Aged Children with Speech Sound Disorders. Semin Speech Lang. 2015;36(4):224-33.. Este período estende-se desde o nascimento até aproximadamente os cinco anos de idade quando ocorre a estabilização deste processo44. Bonini JB, Bertagnoli APC, Freitas GP, Blanco-Dutra AP, Keske-Soares M. Eficácia das palavras favorecedoras com fricativa J, na terapia fonoaudiológica. Disturb.Comun. 2014;26(2):396-404..

Durante a aquisição da linguagem, naturalmente a criança realiza processos fonológicos, que são simplificações sistemáticas das regras fonológicas, como redução ou substituição de sons de maior complexidade. À medida que a criança vai se desenvolvendo, deixa de usar tal estratégia e adquire as regras do padrão adulto55. Wertzner HF, Schreiber S, Amaro L. Análise de frequência fundamental, jitter, shimmer e intensidade vocal em crianças com transtorno fonológico. Rev. Bras.Otorrinolaringol. 2005;71(5):582-8.

6. Wiethan FM, Mota HB. Propostas terapêuticas para os desvios fonológicos: diferentes soluções para o mesmo problema. Rev. CEFAC. 2011;13(3):541-51.
-77. Mané D. Dificuldades fonéticas de crianças de 2 a 7: sistematicidade ou assistematicidade? Rev. Alpha. 2013;5(14):112-28..

Quando a criança apresenta dificuldades em organizar mentalmente os sons e adequar o input recebido e persiste com os processos fonológicos que já deveriam ter sido suprimidos conforme a idade, sem possuir nenhuma etiologia orgânica aparente, tem-se o desvio fonológico88. Kaminski TI, Mota HB, Cielo CA. Consciência Fonológica e vocabulário expressivo em crianças com aquisição típica da linguagem e com desvio fonológico. Rev. CEFAC. 2011;13(5):813-24.

9. Pagliarin K, Brancalioni AC, Keske Soares M, De Souza APR. Relação entre gravidade do desvio fonológico e fatores familiares. Rev. CEFAC. 2011;13(3):414-27.
-1010. Carlino FC, Del Prette A, Abramides D.V.M. Avaliação do grau de inteligibilidade da fala de crianças com desvio fonológico: implicações nas habilidades sociais. Rev. CEFAC. 2013; 15(1):10-1.. O desvio fonológico é uma característica prevalente na infância, que constitui mais de 70% das dificuldades de comunicação. A heterogeneidade dos erros que podem ocorrer nesses casos diminui a capacidade de aprender e discriminar corretamente os sons da fala1111. Dodd B. Differential Diagnosis of Pediatric Speech Sound Disorders. Curr Dev Disord Rep. 2014;51(1):189-96.,1212. Knight W, Knight R. How should children with speech sound disorders be classified? A review and critical evaluation of current classification systems. Int J Lang Commun Disord. 2013;48(1):25-40..

Os desvios fonológicos podem provocar grandes dificuldades em relação aos vínculos sociais, pois tanto a gravidade quanto a inteligibilidade são fatores correlacionados, que influem diretamente no processo de comunicação da criança. Quanto mais restrito e simplificado é o inventário fonético, mais ininteligível é a fala1313. Yavas M, Hernandorena CM, Lamprecht RR. Avaliação fonológica da criança: reeducação e terapia. 1a ed. Porto Alegre: ArtMed; 2001.,1414. Donicht G, Pagliarin KC, Mota HB, Keske-Soares M. A inteligibilidade do desvio fonológico julgada por três grupos de julgadores. Pró-Fono R Atual. Cientif. 2009;21(3):213-8..

A gravidade do desvio fonológico é o quão comprometida está a fala da criança em relação ao padrão adulto. Esta gravidade pode ser analisada quantitativamente, a partir do cálculo do Percentual de Consoantes Corretas Revisado (PCC-R)1515. Shriberg LD, Austin D, Lewis BA, McSweeny JL, WILSON DL. The percentage of consonants correct (PCC) metric: extensions and reliability data. JSLHR. 1997;40(4):708-22., gerando uma escala de diferentes graus de comprometimento da fala. Conforme a quantidade de alterações encontradas, ou seja, quanto mais amplas, maior será o comprometimento do sistema fonológico e, menor a inteligibilidade da fala1616. Giacchini V, Mota HB. Comparação entre a classificação com base em traços e o percentual de consoantes corretas do desvio fonológico. Rev. CEFAC. 2015;17(1):72-7.,1717. Donicht G, Nazari GT. Relação entre desvios fonológicos e consciência fonológica. Letrônica. 2010;3(1):22-41..

A inteligibilidade é o grau de clareza com que cada emissão é compreendida pela maioria dos ouvintes1414. Donicht G, Pagliarin KC, Mota HB, Keske-Soares M. A inteligibilidade do desvio fonológico julgada por três grupos de julgadores. Pró-Fono R Atual. Cientif. 2009;21(3):213-8.. No caso de desvio fonológico, pode haver um prejuízo nesta compreensão, devido à ocorrência de diversos processos fonológicos que simplificam a produção da criança1010. Carlino FC, Del Prette A, Abramides D.V.M. Avaliação do grau de inteligibilidade da fala de crianças com desvio fonológico: implicações nas habilidades sociais. Rev. CEFAC. 2013; 15(1):10-1.,1818. Cavalheiro LG, Brancalioni AR, Keske-Soares M. Perfil comunicativo de crianças com desenvolvimento fonológico normal e com desvio fonológico. Distúrb. Comum. 2013;25(3):356-9.. Este é um aspecto de grande relevância para se determinar quando é necessária a intervenção, e para medir a efetividade de estratégias terapêuticas1919. Donicht G, Keske-Soares M. Inteligibilidade da fala e gravidade do desvio fonológico evolutivo: correlações e julgamentos realizados por professoras. Rev. Linguagem e Ensino. 2012;15(2):313-40.,2020. Wertzner HF, Amaro L, Teramoto SS. Gravidade do distúrbio fonológico: julgamento perceptivo e porcentagem de consoantes corretas. Pro-Fono R. Atual Científ. 2005;17(2):185-94..

Alguns estudos investigaram a inteligibilidade da fala de crianças com desvio fonológico, julgada por diferentes grupos1414. Donicht G, Pagliarin KC, Mota HB, Keske-Soares M. A inteligibilidade do desvio fonológico julgada por três grupos de julgadores. Pró-Fono R Atual. Cientif. 2009;21(3):213-8.,1919. Donicht G, Keske-Soares M. Inteligibilidade da fala e gravidade do desvio fonológico evolutivo: correlações e julgamentos realizados por professoras. Rev. Linguagem e Ensino. 2012;15(2):313-40.,2121. Wertzner H, Papp A, Amaro L, Galea D. Relação entre processos fonológicos e classificação perceptiva de inteligibilidade de fala no transtorno fonológico. Rev Soc. Bras. Fonoaudiol. 2005;10(4):193-200., e obtiveram como resultado uma forte associação entre fala ininteligível e maior gravidade na classificação dos juízes. Além disso, a inteligibilidade está diretamente relacionada à gravidade1919. Donicht G, Keske-Soares M. Inteligibilidade da fala e gravidade do desvio fonológico evolutivo: correlações e julgamentos realizados por professoras. Rev. Linguagem e Ensino. 2012;15(2):313-40.,2222. Donicht G, Pagliarin KC, Keske-Soares M, Mota HB. Julgamento perceptivo da gravidade do desvio fonológico por três grupos distintos. Rev. CEFAC. 2010;12(1):21-6., pois quanto melhor for julgada a inteligibilidade, mais leve será julgada a gravidade do desvio fonológico. Por isso, é fundamental pesquisar sobre a inteligibilidade da fala em casos de desvio fonológico, a partir da percepção de diferentes grupos de julgadores, como familiares, educadores, médicos, fonoaudiólogos, etc. Por meio de resultados identificando a inteligibilidade entre os grupos, poderão ser acrescentadas informações relevantes ao processo de identificação da necessidade de uma intervenção precoce, fornecendo informações aos indivíduos leigos e à família da criança sobre o desvio e a inteligibilidade desta fala. Os fatores envolvidos no processo terapêutico podem ser evidenciados precocemente, além de oferecer orientações quanto ao planejamento terapêutico, que poderá intervir em diversos ambientes, como na família, na escola e nos demais ambientes comuns à criança.

Considerando que mulheres são mais atentas ao processo de desenvolvimento de seus filhos, incluindo a fala da criança, do que os homens, e que os leigos, estes considerando aqueles que não possuem contato próximo com crianças, a hipótese deste estudo é que o julgamento da inteligibilidade por leigos(as) será pior que o julgamento por fonoaudiólogos(as) já que estes possuem formação técnica para entender a fala do outro. Portanto, provavelmente estes apresentarão melhor julgamento da fala da criança. Acredita-se ainda que o julgamento dos homens (leigos e fonoaudiólogos) será pior que o julgamento das mulheres, sejam elas fonoaudiólogas ou não, já que estas historicamente possuem maior atenção à fala das crianças.

Portanto, o objetivo desta pesquisa foi comparar o julgamento perceptual por fonoaudiólogos(as) e leigos(as) quanto à inteligibilidade da fala de crianças com desvio fonológico, e verificar a concordância deste julgamento com a gravidade do desvio fonológico.

Métodos

Este estudo foi desenvolvido por meio de projeto registrado e aprovado no Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da instituição de origem, sob n° 10/05164. O estudo teve início após leitura e assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido pelos julgadores.

A pesquisa foi composta por duas amostras, uma julgada e outra julgadora, sendo a amostra julgada pertencente ao banco de dados da clínica-escola de Fonoaudiologia da instituição de ensino. A amostra julgada foi composta por 30 crianças com diagnóstico de desvio fonológico, na faixa etária de 4 anos e 1 mês a 7 anos e 11 meses, sendo 20 do gênero masculino e 10 do gênero feminino. A amostra julgadora foi composta por seis leigos, que não possuíam contato diário com crianças, tanto em ambiente profissional quanto domiciliar. Destes seis, três eram do gênero masculino (leigos) e três do feminino (leigas). Também foi composta por seis fonoaudiólogos, sendo três do gênero masculino (fonoaudiólogos, dois da área de audiologia e um da área de linguagem/fala) e três do feminino (fonoaudiólogas, duas da área de audiologia e uma da área de linguagem/fala). Todos os julgadores eram adultos jovens (entre 19 e 26 anos de idade), falantes nativos do Português Brasileiro (PB), selecionados por conveniência.

As crianças julgadas foram submetidas a uma série de avaliações fonoaudiológicas para o diagnóstico do desvio fonológico, dentre elas, a avaliação da linguagem compreensiva e expressiva a partir da fala espontânea, avaliação do sistema estomatognático, avaliação audiológica, exame articulatório e avaliação fonológica. Os dados da fala de cada criança foram, obtidos por meio do fichário do Teste de Linguagem Infantil - Fonologia ABFW2323. Andrade C, Befi-Lopes D, Fernandes F, Wertzner H. ABFW: Teste de linguagem infantil nas áreas de fonologia, vocabulário, fluência e pragmática. São Paulo: Pró-Fono. 2000., subteste de nomeação. Os dados foram gravados, transcritos foneticamente e analisados.

Para verificar a gravidade do desvio fonológico, foi realizada a análise contrastiva dos dados de fala a partir dos resultados do sistema fonológico de cada criança. Posteriormente, foi calculado e analisado o Índice Percentual de Consoantes Corretas Revisado (PCC-R) 2424. Shriberg LD, Augustin D, Lewis BA, McSweeny JL, Wilson DL. The percentage of consonants correct (PCC) metric: extensions and reliability data. JSLHR.1997;40(1):708-22.. A gravidade foi classificada como: Desvio grave (DG), PCC-R menor que 50%; Desvio Moderado-Grave (DMG), PCC-R entre 50% e 65%; Desvio Leve-Moderado (DLM), PCC-R entre 65% e 85% e Desvio Leve (DL), PCC maior que 85%.

Após estas avaliações, analisou-se a fala espontânea das crianças, por meio de narrativa de três sequências lógicas, de três fatos cada, denominadas pelas pesquisadoras de “Palhaço” (exemplo na Figura 1), “Bola”, “Pato”, retiradas do material “Nova Dimensão em Produção de Textos”2525. Almeida Z. Nova dimensão em produção de textos. Xa ed. Belo Horizonte: Dimensão, 1993.. As histórias narradas pelas crianças foram gravadas e sofreram recortes excluindo-se interferências da pesquisadora durante a coleta dos dados. É importante salientar que as amostras de fala espontânea na narrativa das crianças não foram analisadas a partir do PCC-R, embora o desempenho observado nesta tenha sido semelhante ao obtido no teste de nomeação. O tempo de todas as narrativas foi padronizado para 20 segundos de gravação. Após a edição das narrativas espontâneas das 30 crianças, as 90 narrativas (três narrativas de cada criança) foram gravadas em ordem aleatória em mídia digital (CD), com um intervalo de dez segundos entre cada narrativa. As 90 narrativas, gravadas no CD na sequência da Fala 1 à Fala 90, foram apresentadas à amostra de julgadores (seis leigos e seis fonoaudiólogos de ambos os gêneros), acompanhadas das figuras apresentadas às crianças. Além disso, os julgadores preencheram um questionário com perguntas de identificação e caracterização e uma grade para marcação da classificação da inteligibilidade. As classificações a serem julgadas quanto à inteligibilidade da fala da criança eram:

1 - Insuficiente (incompreensível): quando a maior parte das palavras não foi compreensível e houve dificuldade em compreender o tópico principal da mensagem;

2 - Regular (pouco compreensível): quando foi possível compreender pelo menos metade das palavras e compreender o tópico principal da mensagem.

3 - Boa (compreensível): quando foi possível compreender praticamente todas as palavras e entender o conteúdo da mensagem1414. Donicht G, Pagliarin KC, Mota HB, Keske-Soares M. A inteligibilidade do desvio fonológico julgada por três grupos de julgadores. Pró-Fono R Atual. Cientif. 2009;21(3):213-8.,1010. Carlino FC, Del Prette A, Abramides D.V.M. Avaliação do grau de inteligibilidade da fala de crianças com desvio fonológico: implicações nas habilidades sociais. Rev. CEFAC. 2013; 15(1):10-1.,2121. Wertzner H, Papp A, Amaro L, Galea D. Relação entre processos fonológicos e classificação perceptiva de inteligibilidade de fala no transtorno fonológico. Rev Soc. Bras. Fonoaudiol. 2005;10(4):193-200.,.

Figura 1:
Sequência lógica “palhaço” apresentada às crianças

Análise dos Dados

Foi realizada análise descritiva dos dados. Além disso, foi realizada a análise de Concordância Kappa, a fim de verificar a concordância entre os julgamentos da inteligibilidade inter e intra-grupos de julgadores. Para análise dos dados da gravidade, os desvios intermediários classificados como moderado-grave e leve-moderado foram agrupados em um único grupo, a fim de verificar a concordância entre a gravidade e o julgamento da inteligibilidade intra-grupos. Para interpretação da concordância utilizou-se os valores determinados por Landis e Koch (1977).

Resultados

As Tabelas 1 e 2 apresentam o número de julgamentos e os percentuais do grau de inteligibilidade julgada por leigos(as) e fonoaudiólogos(as), respectivamente. Observa-se que do total de julgamentos de leigos e leigas mostraram uma classificação de maior incidência como sendo Regular, enquanto que o grupo de fonoaudiólogas e fonoaudiólogos a classificação de maior incidência foi Boa.

Tabela 1:
Grau de inteligibilidade julgada pelo grupo de leigos(as)
Tabela 2:
Grau de inteligibilidade julgada pelos grupos de fonoaudiólogos(as)

A Tabela 3 apresenta a análise de concordância intra e inter-avaliadores (Fonoaudiólogos/as e Leigos/as). A partir da análise intra-grupo, foi possível observar que o grupo de leigas obteve concordância Regular, e o de leigos, concordância Pobre. Em relação ao grupo de fonoaudiólogas, também houve concordância Regular, enquanto que para os fonoaudiólogos a concordância foi Pobre. A análise inter-grupos indicou que o grupo de leigos x fonoaudiólogos a concordância foi Pobre. O grupo de leigas x fonoaudiólogas, apresentou concordância Moderada. Ao comparar o grupo de leigos x leigas, a concordância foi Moderada. Em relação aos fonoaudiólogos x fonoaudiólogas a concordância foi Pobre. Desta forma, pode-se afirmar que houve melhor concordância entre os grupos femininos do que os masculinos.

Tabela 3:
Concordância intra e inter-avaliadores quanto ao julgamento da inteligibilidade

Em relação à gravidade do desvio fonológico das 30 crianças analisadas, 13 apresentavam desvio leve, 10 desvio leve-moderado, quatro desvio moderado-grave e três desvio grave. Quanto ao gênero, as crianças em sua maioria eram do sexo masculino, totalizando 20 meninos.

Tabela 4:
Caracterização das crianças participantes quanto à idade, ao sexo e à gravidade do desvio fonológico

A análise da concordância entre o PCC-R e a inteligibilidade de fala julgada por cada grupo é apresentada na Tabela 5. Tanto o grupo de leigos quanto o de leigas obteve concordância Regular. O grupo de fonoaudiólogas obteve concordância Moderada, ou seja, o julgamento delas foi mais próximo ao grau classificado pelo PCC-R. Já o grupo de fonoaudiólogos obteve concordância Pobre.

Tabela 5:
Concordância entre avaliadores e Percentual de Consoantes Corretas-Revisado

Discussão

A análise perceptiva da inteligibilidade de fala por diferentes populações tem sido utilizada em pesquisas com crianças que apresentam desvio fonológico1414. Donicht G, Pagliarin KC, Mota HB, Keske-Soares M. A inteligibilidade do desvio fonológico julgada por três grupos de julgadores. Pró-Fono R Atual. Cientif. 2009;21(3):213-8.,1919. Donicht G, Keske-Soares M. Inteligibilidade da fala e gravidade do desvio fonológico evolutivo: correlações e julgamentos realizados por professoras. Rev. Linguagem e Ensino. 2012;15(2):313-40.,2121. Wertzner H, Papp A, Amaro L, Galea D. Relação entre processos fonológicos e classificação perceptiva de inteligibilidade de fala no transtorno fonológico. Rev Soc. Bras. Fonoaudiol. 2005;10(4):193-200.. As pesquisas mostram o quanto é importante a análise de diferentes grupos de julgadores frente às alterações de fala, uma vez que a incidência de desvio fonológico é bastante alta e, muitas vezes não diagnosticada adequada e precocemente, podendo trazer não só prejuízos na fala, mas também na aprendizagem, na interação social, entre outros2626. McLeod S, Baker E. Speech language pathologists practices regarding assessment, analysis, target selection, intervention, and service delivery for children with speech sound disorders. Clinical Linguistic and Phonetics. 2014; 28(1):508-31.,2727. Wertzner HF, Pulga MJ, Pagan-Neves LO. Habilidades metafonológicas em crianças com transtorno fonológico: a interferência da idade e da gravidade. Audiol Commun Res. 2014; 19(3):243-51..

Os achados deste estudo sugerem que o grau de percepção da inteligibilidade entre os homens e mulheres (leigos/as) que não possuem contato diário com crianças, muito menos com as que possuem desvio fonológico, é semelhante, mas que as mulheres deste grupo concordaram mais entre elas, uma vez que estas, possuem habilidades percepto-auditivas mais aguçadas e, desta forma, seriam capazes de analisar a fala de forma mais apurada e detalhada2828. Werker J, Tees FL. The Organization and Reorganization of Human Speech Perception. Ann. Rev Neurosci. 1993;15(2):377-402..

Os leigos e leigas classificaram a inteligibilidade das narrativas na sua maioria como sendo Regular, isto é, demonstraram entender parte do que é dito por crianças com desvio fonológico. Tal dado é relevante, pois em algumas situações, os familiares ou as pessoas que convivem com as crianças não percebem as alterações de fala como algo prejudicial, pois tais alterações tornam-se familiares para o ouvinte1414. Donicht G, Pagliarin KC, Mota HB, Keske-Soares M. A inteligibilidade do desvio fonológico julgada por três grupos de julgadores. Pró-Fono R Atual. Cientif. 2009;21(3):213-8.. Desta forma, quando alterações na fala destas crianças são percebidas por outros indivíduos que não fazem parte daquele contexto/convívio familiar, estes podem atuar como indicadores de que há necessidade de auxílio especializado, sendo necessário investigar e inferir a inteligibilidade e percepção de fala2929. Togram B. How do families of children with Down Syndrome Perceive Speech Intelligibility in Turkey? Biomed Res Int. 2015; 2015(1):1-11..

Em relação aos fonoaudiólogos e fonoaudiólogas, foi possível perceber que ambos julgam as narrativas como de inteligibilidade Boa. Este dado, deve-se ao fato de possuírem maior contato com crianças e com esse tipo de alteração de fala, o que permite compreender melhor essas crianças. Nota-se que a concordância entre as fonoaudiólogas foi melhor que de fonoaudiólogos, sendo Regular e Pobre respectivamente, fato que sugere melhor percepção das fonoaudiólogas.

Observa-se, ainda, que os leigos e leigas obtiveram concordância Moderada, sendo maior que fonoaudiólogos e fonoaudiólogas que obtiveram concordância Pobre. Este dado revela a falta de conhecimento a respeito do assunto, pois leigos e leigas acabam tendo a mesma base perceptiva da inteligibilidade.

Comparando os resultados da inteligibilidade da fala julgada e a gravidade do desvio fonológico por meio do PCC-R, observou-se que leigos e leigas apresentaram concordância Regular. Isso sugere que esses têm pouco contato e conhecimento em relação ao desenvolvimento da fala da criança, por isso julgaram-na de forma semelhante nesse aspecto.

As fonoaudiólogas obtiveram uma concordância dos seus julgamento com o PCC-R maior quando comparado ao grupo de fonoaudiólogos, sendo Moderada e Pobre respectivamente. Apesar de possuírem formação e conhecimento científico mais homogêneo, acredita-se que este fato deva-se às mulheres possuírem maior sensibilidade ao julgar a fala da criança2727. Wertzner HF, Pulga MJ, Pagan-Neves LO. Habilidades metafonológicas em crianças com transtorno fonológico: a interferência da idade e da gravidade. Audiol Commun Res. 2014; 19(3):243-51..

Os achados desta pesquisa são importantes, pois mostram a necessidade de divulgação, por parte dos profissionais de Fonoaudiologia a respeito de informações pertinentes a casos de desvio fonológico que consequentemente estariam atuando cada vez mais na atenção primária alertando para essas dificuldades e promovendo uma intervenção efetiva na idade adequada a este diagnóstico.

Diante dos resultados, confirma-se a hipótese de que o julgamento da inteligibilidade por leigos e leigas é mais prejudicado que a de fonoaudiólogos e fonoaudiólogas, pois estes últimos possuem formação técnica para entender a fala do outro, julgando melhor a fala da criança. No entanto, diferentemente do esperado em relação ao gênero, não foi observado para os grupos de leigos e leigas nenhuma diferença entre as classificações, sugerindo que os grupos necessitam de maiores informações pertinentes a esse assunto.

Acredita-se que, por meio desta pesquisa, seja possível alertar sobre a relevância de saber julgar a inteligibilidade em casos de desvio fonológico, atuando principalmente na detecção precoce e na intervenção necessária. Sugere-se que fonoaudiólogos e fonoaudiólogas realizem ações esclarecedoras para que leigos da comunidade possam reconhecer ou perceber se há ou não casos de desvios fonológicos próximos. Além disso, necessita-se de mais estudos para promover estas questões em âmbito científico.

Conclusão

Profissionais fonoaudiólogos (as) possuem maior sensibilidade para julgar a inteligibilidade da fala de crianças com desvio fonológico, ambos apontaram como sendo boa a inteligibilidade dessas crianças. Ainda, destaca-se o grupo de fonoaudiólogas que julgou a inteligibilidade de fala de forma bastante compatível com a gravidade do desvio classificada pelo PCC-R. Os grupos Leigos (as) concordam de forma semelhante ao julgar a fala de crianças com desvio e sua gravidade, uma vez que não possuem suporte técnico para diferenciar possíveis erros e provavelmente acostumam-se a essa fala alterada, ou ainda não possuem contato com as mesmas para saber diferenciar fala típica de desviante. O que demonstra a necessidade de esclarecimento do assunto à população em geral, para que as alterações de fala sejam detectadas mais precocemente.

Referências

  • 1
    Gubiani MB, Keske-Soares M. Evolução Fonológica de crianças com desvio fonológico, submetidas a diferentes abordagens terapêuticas. Rev. CEFAC. 2014;16(2):663-71.
  • 2
    Indrusiak CS, Rockenbach SP. Prevalência de desvio fonológico em crianças de 4 a 6 anos de escolas municipais de educação infantil de Canoas RS. Rev. CEFAC. 2012; 14(5):943-51.
  • 3
    Preston JL, Irwin JR, Turcios J. Perception of Speech Sounds in School-Aged Children with Speech Sound Disorders. Semin Speech Lang. 2015;36(4):224-33.
  • 4
    Bonini JB, Bertagnoli APC, Freitas GP, Blanco-Dutra AP, Keske-Soares M. Eficácia das palavras favorecedoras com fricativa J, na terapia fonoaudiológica. Disturb.Comun. 2014;26(2):396-404.
  • 5
    Wertzner HF, Schreiber S, Amaro L. Análise de frequência fundamental, jitter, shimmer e intensidade vocal em crianças com transtorno fonológico. Rev. Bras.Otorrinolaringol. 2005;71(5):582-8.
  • 6
    Wiethan FM, Mota HB. Propostas terapêuticas para os desvios fonológicos: diferentes soluções para o mesmo problema. Rev. CEFAC. 2011;13(3):541-51.
  • 7
    Mané D. Dificuldades fonéticas de crianças de 2 a 7: sistematicidade ou assistematicidade? Rev. Alpha. 2013;5(14):112-28.
  • 8
    Kaminski TI, Mota HB, Cielo CA. Consciência Fonológica e vocabulário expressivo em crianças com aquisição típica da linguagem e com desvio fonológico. Rev. CEFAC. 2011;13(5):813-24.
  • 9
    Pagliarin K, Brancalioni AC, Keske Soares M, De Souza APR. Relação entre gravidade do desvio fonológico e fatores familiares. Rev. CEFAC. 2011;13(3):414-27.
  • 10
    Carlino FC, Del Prette A, Abramides D.V.M. Avaliação do grau de inteligibilidade da fala de crianças com desvio fonológico: implicações nas habilidades sociais. Rev. CEFAC. 2013; 15(1):10-1.
  • 11
    Dodd B. Differential Diagnosis of Pediatric Speech Sound Disorders. Curr Dev Disord Rep. 2014;51(1):189-96.
  • 12
    Knight W, Knight R. How should children with speech sound disorders be classified? A review and critical evaluation of current classification systems. Int J Lang Commun Disord. 2013;48(1):25-40.
  • 13
    Yavas M, Hernandorena CM, Lamprecht RR. Avaliação fonológica da criança: reeducação e terapia. 1a ed. Porto Alegre: ArtMed; 2001.
  • 14
    Donicht G, Pagliarin KC, Mota HB, Keske-Soares M. A inteligibilidade do desvio fonológico julgada por três grupos de julgadores. Pró-Fono R Atual. Cientif. 2009;21(3):213-8.
  • 15
    Shriberg LD, Austin D, Lewis BA, McSweeny JL, WILSON DL. The percentage of consonants correct (PCC) metric: extensions and reliability data. JSLHR. 1997;40(4):708-22.
  • 16
    Giacchini V, Mota HB. Comparação entre a classificação com base em traços e o percentual de consoantes corretas do desvio fonológico. Rev. CEFAC. 2015;17(1):72-7.
  • 17
    Donicht G, Nazari GT. Relação entre desvios fonológicos e consciência fonológica. Letrônica. 2010;3(1):22-41.
  • 18
    Cavalheiro LG, Brancalioni AR, Keske-Soares M. Perfil comunicativo de crianças com desenvolvimento fonológico normal e com desvio fonológico. Distúrb. Comum. 2013;25(3):356-9.
  • 19
    Donicht G, Keske-Soares M. Inteligibilidade da fala e gravidade do desvio fonológico evolutivo: correlações e julgamentos realizados por professoras. Rev. Linguagem e Ensino. 2012;15(2):313-40.
  • 20
    Wertzner HF, Amaro L, Teramoto SS. Gravidade do distúrbio fonológico: julgamento perceptivo e porcentagem de consoantes corretas. Pro-Fono R. Atual Científ. 2005;17(2):185-94.
  • 21
    Wertzner H, Papp A, Amaro L, Galea D. Relação entre processos fonológicos e classificação perceptiva de inteligibilidade de fala no transtorno fonológico. Rev Soc. Bras. Fonoaudiol. 2005;10(4):193-200.
  • 22
    Donicht G, Pagliarin KC, Keske-Soares M, Mota HB. Julgamento perceptivo da gravidade do desvio fonológico por três grupos distintos. Rev. CEFAC. 2010;12(1):21-6.
  • 23
    Andrade C, Befi-Lopes D, Fernandes F, Wertzner H. ABFW: Teste de linguagem infantil nas áreas de fonologia, vocabulário, fluência e pragmática. São Paulo: Pró-Fono. 2000.
  • 24
    Shriberg LD, Augustin D, Lewis BA, McSweeny JL, Wilson DL. The percentage of consonants correct (PCC) metric: extensions and reliability data. JSLHR.1997;40(1):708-22.
  • 25
    Almeida Z. Nova dimensão em produção de textos. Xa ed. Belo Horizonte: Dimensão, 1993.
  • 26
    McLeod S, Baker E. Speech language pathologists practices regarding assessment, analysis, target selection, intervention, and service delivery for children with speech sound disorders. Clinical Linguistic and Phonetics. 2014; 28(1):508-31.
  • 27
    Wertzner HF, Pulga MJ, Pagan-Neves LO. Habilidades metafonológicas em crianças com transtorno fonológico: a interferência da idade e da gravidade. Audiol Commun Res. 2014; 19(3):243-51.
  • 28
    Werker J, Tees FL. The Organization and Reorganization of Human Speech Perception. Ann. Rev Neurosci. 1993;15(2):377-402.
  • 29
    Togram B. How do families of children with Down Syndrome Perceive Speech Intelligibility in Turkey? Biomed Res Int. 2015; 2015(1):1-11.

  • 2
    Trabalho realizado no Curso de Fonoaudiologia, Universidade Federal de Santa Maria- UFSM- Santa Maria (RS), Brasil.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Mar 2017

Histórico

  • Recebido
    11 Nov 2016
  • Aceito
    17 Mar 2017
ABRAMO Associação Brasileira de Motricidade Orofacial Rua Uruguaiana, 516, Cep 13026-001 Campinas SP Brasil, Tel.: +55 19 3254-0342 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revistacefac@cefac.br