Accessibility / Report Error

As regras da subversão: Roberto Schwarz, Bertha Dunkel e a revista Teoria e Prática

The rules of subversion: Roberto Schwarz, Bertha Dunkel and “Teoria e Prática” journal

RESUMO

O artigo trata do “Grupo 2 do Seminário sobre O Capital de Marx”, promovido por Roberto Schwarz e Ruy Fausto em 1963, assim como de sua transformação na revista Teoria e Prática. Trata-se de estabelecer os nexos entre a morfologia e a produção intelectual dos membros participantes. Considerando o perfil e as posições institucionais dos “teóricos práticos” e dos autores por eles criticados, propõe uma interpretação a respeito dos atiçamentos para a “crítica da crítica”. No interior dessa configuração, Roberto Schwarz criou uma personagem geralmente tratada de modo pouco sistemático por seus comentadores, Bertha Dunkel, demonstrando que ela encerra uma chave de leitura importante e nada anedótica.

PALAVRAS-CHAVE
Sociologia dos intelectuais marxistas; Teoria e Prática; Bertha Dunkel; marxismo universitário; “Seminário d’O capital”

ABSTRACT

This article analyzes the “Group 2 of the Seminar on Marx’s Capital”, promoted by Roberto Schwarz and Ruy Fausto in 1963, as well as its transformation into the journal Teoria e Prática. It establishes the links between the morphology and intellectual production of the participants. Considering the profile and the intellectual positions of the “practical theorists” and the authors they criticized, it proposes an interpretation with respect to the provocations of the “criticism of criticism”. Within this configuration, Roberto Schwarz created a role which was not systematically engaged with by his commentator, Bertha Dunkel. However, it demonstrates that it concluded with an important insight that was not at all anecdotal.

KEYWORDS
Sociology of marxist intellectuals; Teoria e Prática”; Bertha Dunkel; academic marxism; Capital Seminar

A imagem feliz é uma utopia cifrada

(Roberto Schwarz, A sereia e o desconfiado, 1965).

A centralidade de Roberto Schwarz na crítica cultural brasileira dotou-o do controle das temáticas incontornáveis que aprisionam os estudos sobre sua obra. Eles se debruçam sobre as relações com Antonio Candido, com o “Seminário Marx” e com o modernismo em proporção idêntica à forma como Schwarz discorreu sobre esse conjunto de débitos e créditos. Ciente disso, o presente trabalho trata de experiências que tendem a ser diminuídas pelo próprio crítico, e apagadas por seus herdeiros simbólicos, não obstante sua centralidade: o “Grupo 2 de leituras d’O capital” e a revista Teoria e Prática2 2 Doravante, TP. “Grupo 2 do Seminário sobre O Capital de Marx” e TP como seu “subproduto” foram empregados por Lourdes Sola (1993, p. 1), membro de ambos. As categorias nativas de classificação são incorporadas no presente texto. . Valendo-se de indícios textuais, demonstra um ponto cego da discussão sobre a obra de Schwarz. Esse passo dá ensejo para assinalar a relevância da personagem-pseudônimo “Bertha Dunkel” e da experiência de TP – centrais para esclarecer o mencionado “ponto cego”.

Um pressuposto, sem engano; outro, salvo engano

Nos anos 1960, a crítica dividia-se em duas tomadas de posição: o formalismo e o sociologismo. Antonio Candido recusou essa dissociação entre a mensuração do valor artístico, segundo a capacidade de “exprimir” “certo aspecto da realidade” ou realizar as “operações formais” (CANDIDO, 2000CANDIDO, Antonio. (1961). Crítica e sociologia. Tentativa de esclarecimento. In: _____. Literatura e sociedade. 8. ed. São Paulo: Publifolha, 2000., p. 5). Para ele, era necessário articulá-las: “a autonomia da obra” implica “os elementos de ordem social” transformados no “nível da fatura” (CANDIDO, 2000CANDIDO, Antonio. (1961). Crítica e sociologia. Tentativa de esclarecimento. In: _____. Literatura e sociedade. 8. ed. São Paulo: Publifolha, 2000., p. 15). Roberto Schwarz, então seu aluno, adotou a fórmula como uma de suas regras: “o crítico tem de construir o processo social em teoria [...] que antes dele o romancista havia percebido e transformado em princípio de construção artística (forma)” (SCHWARZ, 1979_____. Pressupostos, salvo engano, de “Dialética da malandragem”. In. LAFER, Celso et al. Esboço de figura: homenagem a Antonio Candido. São Paulo: Duas Cidades, 1979., p. 149). Essa “construção” requeria certa interpretação da história, do contrário, como (re)conhecer na forma o referente3 3 O modo como o crítico “construiu” esse referente tem sido analisado por: Cevasco, 2014; Rodrigues, 2011; Ricupero, 2008; Waizbort, 2007; Moura, 2004; Arantes, 1994. ?

Bento Prado Jr. (1937-2007)PRADO JR., Bento. (1968). A sereia desmistificada. In.: _____. Alguns ensaios: filosofia, literatura e psicanálise. São Paulo: Max Limonad, 1985. e Gérard Lebrun (1930-1999)LEBRUN, Gérard. Algumas confusões num severo ataque à intelectualidade. Discurso, n. 12, 1980, p. 145-152. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/discurso/article/view/37887/40614>. Acesso em: set. 2019
https://www.revistas.usp.br/discurso/art...
propuseram leituras de dois livros de Roberto Schwarz, capazes de explicitar que: a) a fórmula acima não é sua única regra; b) há outros pressupostos, notadamente, uma dimensão normativa.

A “crítica da crítica” x “a ideologia brasileira do jovem Schwarz” 4 4 Trata-se de categorias de recíproca (des)classificação : “crítica da crítica” foi empregado por Schwarz para se referir a Lebrun (SCHWARZ, 1980, p. 154); “ideologia brasileira de Schwarz” foi empregado pelo último para se referir ao primeiro (LEBRUN, 1980, p. 146).

Bento Prado Jr. avalia A sereia e o desconfiado (SCHWARZ, 1981_____. (1965). Dinheiro, memória e beleza (O Pai Goriot). In: _____. A sereia e o desconfiado (ensaios). 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981, p. 167-188. (Literatura e teoria literária, v. 37).)

Que febre é essa [...] (que) considera(r) como “mal escrito” o que éescrito [...]? [...] Racionalista, [...]. O estilo de Roberto Schwarz nasce da tentativa de subverter a passividade do leitor e as expectativas normais da leitura [...] [é como se dissesse] “hei de provocar um curto circuito na tua cabeça”.

(PRADO JR., 1985PRADO JR., Bento. (1968). A sereia desmistificada. In.: _____. Alguns ensaios: filosofia, literatura e psicanálise. São Paulo: Max Limonad, 1985., p. 239 – sublinhados nossos).

[...] ao tentar dar conta da qualidade dos textos [...], Roberto nos apresenta seu ideal de linguagem literária [...] a capacidade de captar o movimento da negação no interior do mundo da experiência. [...] Se Dostoievsky fosse capaz de [...] [reconstituir] a gênese dessas contradições, ele tomaria posse plena do sentido de sua obra e se tornaria seu próprio crítico, transformando-se em Roberto Schwarz. [...].

(PRADO JR., 1985PRADO JR., Bento. (1968). A sereia desmistificada. In.: _____. Alguns ensaios: filosofia, literatura e psicanálise. São Paulo: Max Limonad, 1985., p. 240-242 – sublinhados nossos).

A cumplicidade [...] se transforma em competição e o crítico [...] tem sempre, por definição, a última palavra. [...] Daí esta crítica aparecer como denúncia [...]. Estranho saber, esse que [...] lhe contrapõe a imagem do que ele deveria ser! O paradoxo desta crítica é que, voltada sobretudo para a literatura moderna, só se reconcilia (para além do realismo) com a obra de Brecht e com alguns manuais de natureza didática. O que ela ignora é o projeto próprio da literatura [...].

(PRADO JR., 1985PRADO JR., Bento. (1968). A sereia desmistificada. In.: _____. Alguns ensaios: filosofia, literatura e psicanálise. São Paulo: Max Limonad, 1985., p. 245 – sublinhados nossos).

Gerard Lebrun avalia Ao vencedor as batatas e O pai de família e outros estudos

Certo, a “intelligentsia” opera no interior do “establishment”. E daí?

(LEBRUN, 1980LEBRUN, Gérard. Algumas confusões num severo ataque à intelectualidade. Discurso, n. 12, 1980, p. 145-152. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/discurso/article/view/37887/40614>. Acesso em: set. 2019
https://www.revistas.usp.br/discurso/art...
, p. 150).

[...] nada nos garante que uma transformação revolucionária brusca seja capaz de modificar a condição cultural e a mentalidade dos “excluídos” [...] os bolchevistas conseguiram, nestes 60 anos, assegurar a participação política do “povo”?

(LEBRUN, 1980LEBRUN, Gérard. Algumas confusões num severo ataque à intelectualidade. Discurso, n. 12, 1980, p. 145-152. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/discurso/article/view/37887/40614>. Acesso em: set. 2019
https://www.revistas.usp.br/discurso/art...
, p. 151 – sublinhados nossos).

Resta saber em que sentido se tem direito de falar numa linha de classe quando está em questão o corte cultural. [...] as classes têm uma linguagem comum, um mínimo cultural comum que lhes permite negociar, concluir armistícios, exercer pressões políticas [...].

(LEBRUN, 1980LEBRUN, Gérard. Algumas confusões num severo ataque à intelectualidade. Discurso, n. 12, 1980, p. 145-152. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/discurso/article/view/37887/40614>. Acesso em: set. 2019
https://www.revistas.usp.br/discurso/art...
, p. 149 – sublinhados nossos).

[ele] é mais representativo da “intelligentsia” que fustiga do que ele pretende acreditar. [para ela] [...] o socialismo do século XX não é “uma ideia fora do lugar”, mas uma ideiafora de qualquer lugar. [...] No que se refere à documentação sobre o marxismo-leninismo existente, o Brasil é simplesmente uma ilha. [...] [nesse] vácuo histórico, sem dúvida pode-se continuar a empregar os aparelhos de análise marxistas como se fossem evidentes.

(LEBRUN, 1980LEBRUN, Gérard. Algumas confusões num severo ataque à intelectualidade. Discurso, n. 12, 1980, p. 145-152. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/discurso/article/view/37887/40614>. Acesso em: set. 2019
https://www.revistas.usp.br/discurso/art...
, p. 148 – sublinhados nossos).

[...] não consigo compartilhar a severidade de Schwarz em relação à cultura, seja porque sou menos maldoso, seja porque sou menos marxista.

(LEBRUN, 1980LEBRUN, Gérard. Algumas confusões num severo ataque à intelectualidade. Discurso, n. 12, 1980, p. 145-152. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/discurso/article/view/37887/40614>. Acesso em: set. 2019
https://www.revistas.usp.br/discurso/art...
, p. 145 – sublinhados nossos).

[...] o que admiro em Schwarz crítico ideológico é a facilidade com que confunde critérios estéticos e critérios políticos.

(LEBRUN, 1980LEBRUN, Gérard. Algumas confusões num severo ataque à intelectualidade. Discurso, n. 12, 1980, p. 145-152. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/discurso/article/view/37887/40614>. Acesso em: set. 2019
https://www.revistas.usp.br/discurso/art...
, p. 147 – sublinhados nossos).

Os dois críticos possuíam mesmo léxico e repertório compartilhado pelos círculos do marxismo universitário. O dissenso das categorias de apreciação não se originava de matrizes bibliográficas alheias umas às outras, mas dos sentidos divergentes que os agentes atribuíam a elas, em função das modalidades dessa aquisição, condicionadas pela história social prévia ao ingresso nesses circuitos (RODRIGUES, 2011RODRIGUES, Lidiane Soares. A produção social do marxismo universitário em São Paulo (1958-1978). Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2011., p. 12-34; p. 421-524 ; RODRIGUES, 2019a_____. Poder, sexo e línguas entre marxistas brasileiros. Revista Pós Ciências Sociais, 2019a [forthcoming]). Bento Prado Jr. toma posição contra o racionalismo; contra o antiespontaneísmo – e preferiria a fruição gratuita ao juízo negativo (“mal-escrito”); contra o “dever-ser”, oriundo da regra segundo a qual a melhor forma artística consiste em “negação”, e a melhor crítica, em “denúncia” da incapacidade de exercê-la. Gérard Lebrun toma posição contra a combinação de “severidade”, “maldade” e “ (muito) marxismo” – o que consistia em “ler e reler” e “esmiuçar” incessantemente a teoria do valor, cujo fiador de legitimidade é “vácuo histórico” a respeito da história do comunismo. Finalmente, a subordinação de materiais diversos a um único esquema analítico é reprovada por ambos, que preferem especificidades: dos gêneros (Bento Prado Jr. cobra o “projeto próprio da literatura”); das esferas (estética e ideológica, na sardônica assertiva de Lebrun); dos períodos históricos (Lebrun aprova-o para o século XIX e duvida dele para o XX).

O estranhamento dos dois portadores de outro arbitrário cultural (Prado Jr. e Lebrun) demonstra haver não apenas um “processo social construído em teoria” pelo crítico, porém também um contrarreferente, hierarquizando as obras. Schwarz tende a silenciar a respeito desses “pressupostos negativos”5 5 Em nítido contraste com a abundância deles, pontilhando os textos. O rastreamento dos indícios textuais na obra, sinalizando que, além do referente sócio-histórico identificado nas formas artísticas, haja um antirreferente, subjacente à apreciação e hierarquização dos materiais, foi sistematizado em: Rodrigues, 2011, p. 452-493. A reação concomitante às publicações, emitida no círculo próximo, parece ser um modo dialógico e não anacrônico de apresentar o mesmo ponto. O pressuposto de que a boa mimese é aquela que representa explicando/criticando consiste em nexo óbvio para leitores de Adorno, Lukács e Benjamin, imersos no enquadramento da recepção do mesmo círculo intelectual do qual faz parte Roberto Schwarz. Não por acaso, leituras dessa tríade, realizadas em outros espaços intelectuais não advogam a necessidade desse “referente negativo”: no Rio de Janeiro, por exemplo, à esquerda (tratadas por Rodrigues, 2019b); e à direita (tratadas por Felipe, 2018). Justamente pela “naturalização” da leitura do “marxismo universitário” em São Paulo (RODRIGUES, 2011), com justificativa e esteio na assim chamada “tradição do materialismo dialético”, este artigo, deliberadamente, não discute os empréstimos de Roberto Schwarz a esses autores. Trata-se, ao contrário, de caracterizar os condicionantes dessa leitura específica, sem os quais a apropriação dessa “tradição” seria outra (cf. adiante, no item “Um policial lê Roberto Schwarz). Em suma, não se ignoram, obviamente, os três autores e suas “influências” sobre Roberto Schwarz; do que se duvida é da categoria “influência” (BAXANDALL, 2006). No mesmo intuito de esclarecimento, vale afirmar que esta abordagem não julga o valor e a seriedade intelectuais do que coloca em exame, pois os reputa indiscutíveis. Apenas evita tornar suas predileções e seu próprio gosto como princípio, meio e fim da pesquisa, preferindo indagar suas condições de possibilidade. , salvo quando coagido a defendê-los, ocasião criada pelas provocações de Lebrun:

Dois juízos: moderação x negatividade

[...] a moderação crítica aconselhada por Lebrun é moeda corrente no oficialismo, inclusive e sobretudo de esquerda. [...] apesar das estocadas [...] [trata-se de] uma amigável intimativa ao comedimento.

(SCHWARZ, 1980_____. Resposta a Gerard Lebrun. Discurso, n. 12, 1980, p. 153-156., p. 156 – sublinhados nossos).

[...] desde que as classes trabalhadoras sejam reconhecidas como parte da sociedade civil, [...] o prisma ideológico deixa de ser apropriado à análise cultural. Por que não concluir o inverso? Seja como for, neste passo o tecido cultural é desvestido de sua negatividade [...].

(SCHWARZ, 1980_____. Resposta a Gerard Lebrun. Discurso, n. 12, 1980, p. 153-156., p. 155 – sublinhados nossos).

[...] surpreendem as advertências de Lebrun contra a disposição excessiva de desmistificar. [...] Este ponto de vista [...] faz ressaltar o movimento de conservadorismo e recuo [...] depois de tudo que se sabe [...] como propor a despolitização da análise cutlural?

(SCHWARZ, 1980_____. Resposta a Gerard Lebrun. Discurso, n. 12, 1980, p. 153-156., p. 155 – sublinhados nossos).

[...] na ausência de tais tensões, a reflexão sobre a cultura contemporânea fica sem assunto. (SCHWARZ, 1980_____. Resposta a Gerard Lebrun. Discurso, n. 12, 1980, p. 153-156., p. 154 – sublinhados nossos).

Schwarz toma posição contra o comedimento, a moderação, a integração salvífica da classe trabalhadora, o oficialismo, o conservadorismo, o recuo, a despolitização, e – contrapartida dessas recusas – a favor da contradição, da negatividade e da desmistificação como fundadoras da crítica cultural e ideológica, na qual a falta de tensão é ausência de assunto. Explicita-se o princípio último de apreciação e hierarquização: as obras (e a crítica) “politizadas” e “negativas” são superiores.

Como seria lida a crítica de Schwarz por um agente que não fosse o “leitor amigo” (portador de juízos consensuais) nem “inimigo íntimo” (portador do mesmo repertório, mas de outro arbitrário cultural)? Um agente da polícia política, que o perseguia no exílio, foi o primeiro tradutor para a língua portuguesa do ensaio “Cultura e política, 1964-1969” (SCHWARZ, 1992a_____. (1978). Cultura e política, 1964-1969. In: _____. O pai de família e outros estudos. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra: 1992a, p. 70-111.), originalmente publicado em francês. Ao comentá-lo, exprimiu um princípio de apreciação do texto tão alheio quanto ele próprio era ao espaço intelectual em que o ensaio foi concebido. O caso é típico do paradigma segundo o qual quanto mais distantes forem autor e leitor no espaço social, mais imprevisíveis e distorcidas podem ser as interpretações de um mesmo texto; e, ao inverso, quanto mais próximo forem, mais provável o estabelecimento de consenso de leitura.

Um policial lê Roberto Schwarz

E é bem possível que a citação de alguns nomes, talvez no intuito de comprometê-los gratuitamente e provocar, talvez repressão tenha como móvel, prejudicar uma corrente à qual não pertencem os presentes autor e publicitário. Pois, à primeira vista parece até insensato entrar nos detalhes de planos e manobras visando combater a ditadura. Ora, ninguém acreditará que o autor Roberto Schwarz possa ser catalogado como insensato, isto após ler sua prosa que, de insensata tem pouca coisa. Pelo contrário.

(TRADUÇÃO POLICIAL...TRADUÇÃO POLICIAL do texto “Remarques sur la culture et la politique au Brésil, 1964-1969”. Arquivo do Estado. Processo 50K/86/82., p. 168-169 – sublinhados no original, itálicos nossos)6 6 Agradecemos a Marcos Napolitano pela indicação desse documento. .

Nesta leitura, projeto estético torna-se “plano”; na tentativa de caracterizar a qual dos grupos citados no ensaio pertencia seu autor, o policial concluía tratar-se de uma peça de luta interna à esquerda, com a intenção de entregá-la aos organismos políticos da perseguição. É como se ele indagasse: se o autor do texto não pertence a nenhum dos grupos citados, em qual ele milita? Trata-se de princípios de enquadramento oriundos da guerra psicológica típica do período da guerra fria.

É evidente, na reação a Lebrun, que Schwarz opera segundo regras que extrapolam os elos que ele estabeleceu com Antonio Candido (SCHWARZ, 1979_____. Pressupostos, salvo engano, de “Dialética da malandragem”. In. LAFER, Celso et al. Esboço de figura: homenagem a Antonio Candido. São Paulo: Duas Cidades, 1979.). E seria lógico, portanto, que de modo equivalente ao que comenta como formulou “o processo social em teoria”, ele também esclarecesse em que consiste o conteúdo da “negatividade”, critério de eleição e avaliação das (melhores) obras. Sobretudo considerando-se que a exigência do crítico jamais é satisfeita pelas opções político-ideológicas disponíveis, e tampouco na produção simbólica a elas correspondente7 7 O “movimento de cultura popular” é o único projeto político cultural que não recebe depreciação em “Cultura e política”. Quanto aos demais: o liberalismo não é ideologia, então o marxismo não é crítica; o marxismo do Partido Comunista é ideologia (resultante do populismo e da conciliação de classes que deveria criticar); a encenação do Arena, uma ode incongruente ao povo (cuja derrota deveria investigar); já seu oposto, o Teatro Oficina, consiste numa ode ao agressor (pois reproduz na forma o princípio da violência da repressão policial, que deveria criticar); a Tropicália justapõe, sem síntese, atraso e progresso (que deveria superar) (SCHWARZ, 1992a). . Porém, a tendência em celebrar o que ele aprova e depreciar o que ele reprova – num exercício contínuo de reposição de consenso em torno do arbitrário cultural compartilhado (MOURA, 2004MOURA, Flávio. Diálogo crítico. Disputas no campo literário brasileiro (1984-2004). Dissertação (Mestrado em Sociologia). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2004.) – não favorece essa indagação.

Bertha Dunkel: a fórmula bem-acabada da negatividade

A caracterização da fórmula geradora dos juízos requer identificar o conjunto dos princípios contra os quais ele a elabora e o conteúdo resultante disso, isto é, o antirreferente. É estratégico analisar, para tanto: “Bertha Dunkel. Um folheto de iniciação política. Didatismo e literatura” (SCHWARZ, 1968_____. Bertha Dunkel. Didatismo e literatura. Teoria e Prática, n. 3, 1968.) – texto em que se encontra a sistemática de suas recusas, simultaneamente intelectuais e políticas.

Roberto Schwarz: a) inventou um pseudônomio feminino, aludindo a seu próprio nome (Bertha Dunkel)8 8 “Bertha para Roberto, e Dunkel, que quer dizer escuro, para Schwarz, que é preto” (SCHWARZ, 2004). Essa apresentação subordina-se ao propósito deste artigo, para uma exploração exaustiva: RODRIGUES, 2011, p. 494-507. , para assinar um panfleto escrito por ele; b) o conteúdo do folheto era teórico e militante (a tarefa era explicar a mais-valia aos operários) e apresentado em frases enxutas e linguagem desembaraçada do hermetismo de iniciados em teoria marxista; c) redigiu um comentário para esse folheto (tratando do estilo do texto e do contexto histórico em que foi escrito), prática típica dos tradutores de grandes autores; d) logo, pôde apresentar-se como o tradutor de Bertha Dunkel (do alemão); e) divertiu-se, pois a “coisa teve um desdobramento engraçado porque um intelectual de renome ...] tinha lembrança de Bertha” (SCHWARZ, 2004_____. Um crítico na periferia do capitalismo. Entrevista concedida a Luiz Henrique Lopes dos Santos e Mariluce Moura. Pesquisa Fapesp, n. 98, abril de 2004, p. 12-19. Disponível em: <https://revistapesquisa.fapesp.br/2004/04/01/um-critico-na-periferia-do-capitalismo/>. Acesso em: set. 2019.
https://revistapesquisa.fapesp.br/2004/0...
).

A fórmula do negativo

Os anos vinte, na Alemanha, deram frutos de um radicalismo admirável, ligado à iminência da Revolução. Casais não casavam, pois antes dela não valia a pena, e depois não seria mais necessário; não tinham filhos, pois seria melhor nascer já na era socialista, na era da razão. Entre um passaporte de dois anos e um de cinco, o de cinco parecia um despropósito, pois logo se aboliriam as fronteiras. Tudo seria revolucionado e racionalizado: coisas, costumes, formas e o modo de produção. A Bauhaus, por exemplo, estudava e renovava desde colheres e xícaras até cadeiras, privadas e locomotivas. “Contra a mediocridade utilitária do lucro, o utilitarismo vibrante das necessidades reais ...]”. A orientação prática dava (e dá) valor poéticoà razão. No interior do experimentalismo, utilidade e beleza não colidiam ...]. Mesmo uma obra de teoria como História e consciência de classe (1923) é poética em seu élan transformador. O melhor exemplo é a prosa de Brecht, que é estranha e tem poesia justo porque é vigorosa e desabusadamente lógica. – É neste contexto – guardadas as proporções – que deve ser visto o didatismo de Bertha Dunkel, de quem traduzimos um folheto. O texto é de 1922 e ao que parece destinava-se a um curso de iniciação política. A fim de preservar o tom de cartilha do original, substituí as batatas alemãs (dos exemplos) pelo feijão nacional, e o arado pela enxada.

Antes de entrar para o PC em 1921, B. Dunkel era dona de uma certa reputação de poeta, verdade que escandalosa. Ainda colegial, mas já no após-guerra, havia participado de um concurso ...] com poema sobre] “Os testículos de Edgar”. Seu poema foi recusado, “pela natureza filistina do assunto”. Não obstante, foi muito elogiado pelo temido crítico vienense Karl Kraus ...] tinha rigor de filigrana mas também de epitáfio: embora desse ao seu objeto o esplendor da nitidez, não o tratava com benevolência, e tinha um traço entre ascético e assassino. Após um período indeciso, B. D. aproximou-se dos comunistas, abandonando o que o futuro stalinista ferrenho J. Prickless chamava “suas fixações pequeno-burguesas”. Desde então parece ter se dedicado inteiramente à elaboração de textos didáticos e de propaganda, nos quais conservou, entretanto, a sua antiga tendência à formalização da frase, agora a serviço de uma causa melhor.

(SCHWARZ, 1968_____. Bertha Dunkel. Didatismo e literatura. Teoria e Prática, n. 3, 1968., p. 148 – sublinhados nossos).

No círculo de referência de Schwarz, os produtores simbólicos situavam-se a favor das experimentações formais ou da arte engajada. Porém, o dever de escolher entre uma ou outra parecia-lhe de “estreiteza desnecessária” (SCHWARZ, 1977_____. (1977). Ao vencedor as batatas. 5. ed. São Paulo: Duas Cidades/Ed. 34, 2000.] 1992, p. 49). E ele tomou uma posição de recusa dupla às posições opostas, em favor da síntese de ambas: contra didatismo/cartilha ou formalismo/vanguarda; ciência ou arte; lógica ou poesia; beleza ou utilidade. Bertha/Schwarz recusam a diferenciação: contra a divisão social do trabalho intelectual – ela é poeta e militante; ele é autor de ficção e crítico literário; tradutor e comentador da ficção, além de editor do periódico que a publica, Teoria e Prática. Por conseguinte, propõem síntese ao que a “deformação profissional” recomenda dividir – o gênero literário elevado (poesia) combina-se ao assunto “filistino” (os testículos); a vida, com a morte (epitáfio/assassino e esplendor)">, para assinar um panfleto escrito por ele; b) o conteúdo do folheto era teórico e militante (a tarefa era explicar a mais-valia aos operários) e apresentado em frases enxutas e linguagem desembaraçada do hermetismo de iniciados em teoria marxista; c) redigiu um comentário para esse folheto (tratando do estilo do texto e do contexto histórico em que foi escrito), prática típica dos tradutores de grandes autores; d) logo, pôde apresentar-se como o tradutor de Bertha Dunkel (do alemão); e) divertiu-se, pois a “coisa teve um desdobramento engraçado porque um intelectual de renome ...] tinha lembrança de Bertha” (SCHWARZ, 2004_____. Um crítico na periferia do capitalismo. Entrevista concedida a Luiz Henrique Lopes dos Santos e Mariluce Moura. Pesquisa Fapesp, n. 98, abril de 2004, p. 12-19. Disponível em: <https://revistapesquisa.fapesp.br/2004/04/01/um-critico-na-periferia-do-capitalismo/>. Acesso em: set. 2019.
https://revistapesquisa.fapesp.br/2004/0...
).

A fórmula do negativo

Os anos vinte, na Alemanha, deram frutos de um radicalismo admirável, ligado à iminência da Revolução. Casais não casavam, pois antes dela não valia a pena, e depois não seria mais necessário; não tinham filhos, pois seria melhor nascer já na era socialista, na era da razão. Entre um passaporte de dois anos e um de cinco, o de cinco parecia um despropósito, pois logo se aboliriam as fronteiras. Tudo seria revolucionado e racionalizado: coisas, costumes, formas e o modo de produção. A Bauhaus, por exemplo, estudava e renovava desde colheres e xícaras até cadeiras, privadas e locomotivas. “Contra a mediocridade utilitária do lucro, o utilitarismo vibrante das necessidades reais ...]”. A orientação prática dava (e dá) valor poéticoà razão. No interior do experimentalismo, utilidade e beleza não colidiam ...]. Mesmo uma obra de teoria como História e consciência de classe (1923) é poética em seu élan transformador. O melhor exemplo é a prosa de Brecht, que é estranha e tem poesia justo porque é vigorosa e desabusadamente lógica. – É neste contexto – guardadas as proporções – que deve ser visto o didatismo de Bertha Dunkel, de quem traduzimos um folheto. O texto é de 1922 e ao que parece destinava-se a um curso de iniciação política. A fim de preservar o tom de cartilha do original, substituí as batatas alemãs (dos exemplos) pelo feijão nacional, e o arado pela enxada.

Antes de entrar para o PC em 1921, B. Dunkel era dona de uma certa reputação de poeta, verdade que escandalosa. Ainda colegial, mas já no após-guerra, havia participado de um concurso ...] com poema sobre] “Os testículos de Edgar”. Seu poema foi recusado, “pela natureza filistina do assunto”. Não obstante, foi muito elogiado pelo temido crítico vienense Karl Kraus ...] tinha rigor de filigrana mas também de epitáfio: embora desse ao seu objeto o esplendor da nitidez, não o tratava com benevolência, e tinha um traço entre ascético e assassino. Após um período indeciso, B. D. aproximou-se dos comunistas, abandonando o que o futuro stalinista ferrenho J. Prickless chamava “suas fixações pequeno-burguesas”. Desde então parece ter se dedicado inteiramente à elaboração de textos didáticos e de propaganda, nos quais conservou, entretanto, a sua antiga tendência à formalização da frase, agora a serviço de uma causa melhor.

(SCHWARZ, 1968_____. Bertha Dunkel. Didatismo e literatura. Teoria e Prática, n. 3, 1968., p. 148 – sublinhados nossos).

No círculo de referência de Schwarz, os produtores simbólicos situavam-se a favor das experimentações formais ou da arte engajada. Porém, o dever de escolher entre uma ou outra parecia-lhe de “estreiteza desnecessária” (SCHWARZ, 1977_____. (1977). Ao vencedor as batatas. 5. ed. São Paulo: Duas Cidades/Ed. 34, 2000.] 1992, p. 49). E ele tomou uma posição de recusa dupla às posições opostas, em favor da síntese de ambas: contra didatismo/cartilha ou formalismo/vanguarda; ciência ou arte; lógica ou poesia; beleza ou utilidade. Bertha/Schwarz recusam a diferenciação: contra a divisão social do trabalho intelectual – ela é poeta e militante; ele é autor de ficção e crítico literário; tradutor e comentador da ficção, além de editor do periódico que a publica, Teoria e Prática. Por conseguinte, propõem síntese ao que a “deformação profissional” recomenda dividir – o gênero literário elevado (poesia) combina-se ao assunto “filistino” (os testículos); a vida, com a morte (epitáfio/assassino e esplendor)9 9 Empregamos de modo cruzado categorias classificatórias presentes nas teses sobre Machado de Assis e nos demais textos (como “deformação profissional”, ver: Schwarz, [1977] 2000, p. 47) a fim de insistir na coerência de princípio, acima das hierarquias textuais e dos pertencimentos disciplinares. Para a sistematização deste ponto, e o levantamento sistemático desse entrelaçamento entre os gêneros em que ele se exerce (poesia, crítica, teatro, tradução e tese universitária), aqueles que analisa, além de suas matrizes nacionais e estrangeiras, ver: Rodrigues, 2011, p. 491-524. . A “iminência da revolução”, pressuposto de valor assinalado por Lebrun, no antirreferente é o requisito da “melhor” combinação síntetica e das condutas sociais e políticas mais avançadas (contra o casamento; contra a família; contra a propriedade privada). A mesma “iminência” suspende o sentido das fronteiras nacionais (dispensando o passaporte de cinco anos): trata-se, portanto, de tomada de posição contra o nacionalismo.

Finalmente, o “severo ataque à intelectualidade” brasileira (LEBRUN, 1980LEBRUN, Gérard. Algumas confusões num severo ataque à intelectualidade. Discurso, n. 12, 1980, p. 145-152. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/discurso/article/view/37887/40614>. Acesso em: set. 2019
https://www.revistas.usp.br/discurso/art...
) é exercido como deboche. Esse “canular” repetia a invenção de uma carta que Georg Lukács teria enviado a ele, elogiando a qualidade literária de seu alemão, e que foi apresentada no “Seminário Marx”, provocando inicialmente a inveja dos professores, e vexame aos mesmos, depois da revelação da farsa (RODRIGUES, 2019a_____. Poder, sexo e línguas entre marxistas brasileiros. Revista Pós Ciências Sociais, 2019a [forthcoming]; LOWY, 2007LOWY, Michael. Ad Roberto Schwarz. In: CEVASCO, Maria Elisa; OHATA, Milton. Um crítico na periferia do capitalismo: reflexões sobre a obra de Roberto Schwarz. São Paulo: Companhia das Letras, 2007., p. 334). Compreende-se a graça e o drama pela inversão da hierarquia simbólica – o aluno do seminário, e não os professores, é reverenciado por Lukács. E, se a carta não era verdadeira, ela poderia ser, pois Schwarz possuía um capital linguístico específico (domínio do alemão, aprendido domesticamente, com os pais austríacos), de que os demais ou eram destituídos ou o tinham adquirido por meio de íngremes esforços (RODRIGUES, 2019a_____. Poder, sexo e línguas entre marxistas brasileiros. Revista Pós Ciências Sociais, 2019a [forthcoming]). Ao provocar a reação dos pares, constrangidos a afirmarem sua dignidade cultural, afirmando “lembrarem de Bertha Dunkel”, ele reforçava a investida crítica dirigida contra a cultura bacharelesca, da “ordem do relevo social, ornato, fidalguia” (SCHWARZ, 2000_____. Um crítico na periferia do capitalismo. Entrevista concedida a Luiz Henrique Lopes dos Santos e Mariluce Moura. Pesquisa Fapesp, n. 98, abril de 2004, p. 12-19. Disponível em: <https://revistapesquisa.fapesp.br/2004/04/01/um-critico-na-periferia-do-capitalismo/>. Acesso em: set. 2019.
https://revistapesquisa.fapesp.br/2004/0...
, p. 19), pois expunha as extravagantes ambições e as limitadas condições de realização das mesmas entre os brasileiros. Em contrapartida, reiterava sua posição de força simbólica – se podia fazê-lo, era pela possessão do recurso linguístico raro e mais ambicionado por todos do espaço. Os dois “canulares” tomam posição contra o modus operandi da intelectualidade brasileira, e, particularmente, da fração marxista dela. As abundantes homologias (jamais sistematizadas) entre as contradições da importação do liberalismo e da forma romance (no século XIX) e as contradições da importação do marxismo (no século XX) são tangíveis na armadilha que montou para seu círculo. É como se dissesse: liberais ou marxistas, no Brasil, as ideias estrangeiras “degrada(m) e condecora(m)” (SCHWARZ, 2000, p. 20)10 10 “[...] el tema general de las ‘ideas fuera de lugar’ tenía proyecciones espinosas en el presente: ¿y si también el marxismo, como el liberalismo, estuviera ‘desplazado’? Es decir, ¿y si también el marxismo contuviera presupuestos sociales europeos, inhallables en la ex-colonia?” (SCHWARZ, 2009, p. 27). Trata-se de algo tão “espinhoso”, que esse trecho em espanhol não foi traduzido – o que se constata cotejando o texto original (SCHWARZ, 2009, p. 25-27) e sua versão para brasileiros (SCHWARZ, 2012, p. 165-171). .

A inversão da hierarquia simbólica também aproveita-se do gênero e da idade: Bertha Dunkel é mulher, jovem, apreciada positivamente pelo “temido” Karl Kraus, e negativamente por um “futuro stalinista ferrenho”. A não realização do trabalho de reprodução social (“casais não casavam, não tinham filhos”), a ode à razão num corpo feminino e a não menção a seus atributos de “beleza-mercadoria” ligam-se ao conjunto das figurações do feminino na obra de Schwarz, recorrentemente marcadas pela oposição entre exercício da inteligência e despossessão econômica (das dependentes) (RODRIGUES, 2011RODRIGUES, Lidiane Soares. A produção social do marxismo universitário em São Paulo (1958-1978). Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2011., p. 502)11 11 Sobre a cena do baile em O pai Goriot, afirma: “A beleza, como a descrevemos, é feminina e apela para o senso masculino de propriedade. Exibe-se aos presentes, mas destina-se a um só. Como a mercadoria, que põe gula no olhar de todos, mas responde somente à maior oferta, ela alimenta o seu brilho no desejo à volta”. A equiparação da mulher à mercadoria e seu apelo ao senso de propriedade masculino estão ligados ao entendimento de que “a articulação negativa de cabeça e coração – o progresso de uma é a míngua do outro – corresponde à existência em regime de mercado: é preciso depreciar o que se vai comprar” (SCHWARZ, 1981, p. 175-176). . O embaralhamento dos gêneros feminino/masculino (ela ficional/ele real), entre a autora-comentada e um autor-comentador, inverte outro princípio: o de mulheres serem objetos passivos (da representação), e homens, produtores ativos (pintores, músicos, críticos). Algo equivalente ocorre na teoria social, posto que, nela, os homens são autores dignos de reverência/comentários, e as mulheres, quando raramente ousam tomar a palavra para discutir teoria, tendem a comentar autores-homens (e não “autoras”). Nada trivial o motivo do riso: Karl Kraus e Roberto Schwarz reverenciam/comentam a obra de uma mulher recém-saída do colegial.

Nesse alter ego, encontra-se, portanto, a fórmula dos juízos de apreciação/depreciação, assim como o antirreferente – parâmetro por meio do qual se identificam as limitações estéticas e políticas das obras. De qual morfologia se origina o princípio de inversão na base dessa construção simbólica?

A revista Teoria e Prática: a morfologia do contra12 12 O que segue tem o único propósito de caracterizar a lógica que preside a construção das “referências tácitas e alusões inteligíveis restritas ao pequeno círculo” (BOURDIEU, 2001, p. 49) – isto é, esquadrinhar TP como grupo. A condição de grupo hermético é tangível nas duas direções de público leitor observadas na revista: há textos orientados para os iniciados (no repertório e sentido interno ao grupo), altamente cifrados, como “Bertha Dunkel. Didatismo e literatura” (SCHWARZ, 1968); por outro lado, há textos orientados para a socialização das referências internas, por exemplo, “Notas explicativas” anexas ao artigo de André Gorz “Sartre e Marx” (CHAUÍ, 1966), um glossário filosófico, que tenta viabilizar a leitura para não iniciados (destaco alguns: o cogito de Husserl; o método regressivo-progressivo; as mônadas; a alienação; o prático-inerte; a razão analítica e razão dialética). Não haveria melhor documento da autoconsciência do hermetismo do grupo e do discurso.

Na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo (FFCL/USP), desde 1958, quando José Arthur Giannotti constituiu “um seminário de Marx” 13 13 Categoria de classificação extraída de: Schwarz, 1998. , multiplicaram-se círculos com propósitos equivalentes, que foram assumindo contornos próprios (RODRIGUES, 2011RODRIGUES, Lidiane Soares. A produção social do marxismo universitário em São Paulo (1958-1978). Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2011.; FRANÇA, 2009FRANÇA, Jacira Silva. Sociologia da comunicação e recepção do conceito de indústria cultural: o grupo da USP nos anos 1970. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de Pernambuco.). Diversamente do perfil deste primeiro círculo, o “Grupo 2 do Seminário sobre O capital de Marx”, promovido por Roberto Schwarz e Ruy Fausto, em 1963, possuía mulheres, casais amorosos, militância política na luta armada, e uma fração dele se orientou para o periodismo, dando origem a Teoria e Prática (TP)14 14 Remetemos o leitor interessado nas diferenças morfológicas entre os dois grupos a: Rodrigues, 2016, p. 6-10. Os nexos de sentido abaixo baseiam-se em Pierre Bourdieu ([1971] 2003), mas evitam o emprego fácil do jargão: sacerdotes, profetas, mágicos e, sobretudo, “campo” .

TP foi editada em três números, na cidade de São Paulo, entre 1966 e 1968, quando a perseguição da polícia política obrigou seus mentores a encerrá-la. Ela reuniu 25 autores diferentes15 15 Eliminamos da contagem os autores de textos que foram traduzidos de revistas estrangeiras a fim de direcionar o estudo para o grupo local de referência social. , com dois perfis profissionais: um, predominante, vinculado ao espaço universitário; e outro, diminuto, ao das artes – havendo intensas trocas entre ambos, por meio de áreas como arquitetura, teatro, música e literatura. Assim TP se apresenta:

Fronteiras sociais da negação da negação

[nos dirigimos a] uma fração da fração alfabetizada e bem posta do País. Poderíamos escrever para uma fração maior. Entretanto, a miséria e o despreparo nacional não tornam mais simples as questões da prática ou teoria, cuja simplificação tem parte no que aconteceu em 64. Os que não sabem ou não costumam ler não serão, naturalmente, nossos leitores, mas são a nossa referência: definem limite, situação e tarefa da palavra escrita, que se não sabe deles não sabe de si nem serve.

(SEM INDICAÇÃO DE AUTORIA, 1967, p. 1 – sublinhados nossos).

A intensidade das contribuições indica gradiente de pertencimento dos participantes. Por exemplo, Roberto Schwarz foi o único que escreveu em todos os números, exercitando-se em todos os gêneros possíveis (comentários, tradução, ficção e apresentação). É como se ele encarnasse a dinâmica da revista/grupo. Em contraste, são raros os casos em que houve mais de uma contribuição: Ruy Fausto (duas), Lourdes Sola (duas), Augusto Boal (duas). Em geral, as pessoas contribuíram uma única vez, fosse com traduções (Betty Milan, do inglês; Marilena Chauí, do léxico filosófico), com artigos/comentários de livros/peças/discos (Sérgio Ferro, Henrique Lima, Jean-Claude Bernardet, Geraldo Sarno, Anatol Rosenfeld, Ferreira Gullar, Bento Prado Jr., Eder Sader, Claudio Vouga, Gilda de Mello e Souza, Paul Singer, Emir Sader, José A. Giannotti, João Quartim de Moraes, Michel Lowy, Rui Mauro Marini) ou textos literários (Gullar, Zulmira Ribeiro Tavares). A divisão sexual do trabalho é notável: um número reduzido de mulheres, exercendo ou tarefas práticas “invisíveis” (por exemplo, de tradução: Sola, Chauí, Milan, Toledo) ou se situando no polo artístico/feminino (Tavares, Mello e Souza), em oposição ao universitário/teórico (como nos seminários de Marx, de predomínio masculino/filosófico). A única exceção é Sola, analisando Durkheim.

Outras revistas político-culturais foram editadas concomitantemente a TP: Revisão (de 1965 a 1967, 6 números); aParte (em 1968, 2 números), em São Paulo; e Revista Civilização Brasileira (RCB, entre 1965 e 1968, 22 números), no Rio de Janeiro. Os três periódicos paulistas (TP, Revisão e aParte) são social e ideologicamente idênticos: muitos colaboradores (e textos publicados) em comum, dispensam segmentação, dispondo os artigos fora da ordenação disciplinar ou temática, de modo a embaralhar os princípios de hierarquização, dos quais o leitor “pequeno-burguês” seria portador espontâneo16 16 Elas se diferenciam visualmente: Revisão e aParte atentam à coerência entre a fatura gráfica e o conteúdo ideológico antiburguês. Diferentemente delas, contudo, TP possui um projeto gráfico mais convencional, aparentado ao estilo acadêmico, e talvez uma única incursão em experimentação gráfica – é factível aventar que seu modelo seja aparentado ao da RCB. ; são anticapitalistas e críticas do regime estabelecido em 196417 17 Os colaboradores em comum que puderam ser identificados são: a) com origem nas artes: Jean-Claude Bernardet, Augusto Boal, Zulmira Ribeiro Tavares; b) com origem no espaço universitário: Betty Milan, Roberto Schwarz (cuja tradução de “Ideias para uma sociologia da música” é publicada em TP e Revisão), Sérgio Ferro, Eder Sader, Emir Sader, Bento Prado Jr. . Se comparadas à RCB, as três contabilizam juntas um total de números que corresponde à metade dos números dela (apenas 11). A diversidade dos colaboradores da RCB é contrastante também: enquanto, nas paulistas, eles são oriundos da própria cidade (da FFCL/USP, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo – FAU/USP, do antigo Clima e do que viria em breve a ser a Escola de Comunicações e Artes/ECA); na RCB, oriundos de várias regiões do país, são militantes comunistas, professores universitários, isebianos, críticos de arte, diplomatas (CZAJKA, 2010CZAJKA, Rodrigo. A Revista Civilização Brasileira. Projeto editorial e resistência cultural (1965-1968). Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 18, n. 35, fev. 2010, p. 97-117.).

A densidade rarefeita e a homogeneidade sugerem que as três paulistas não apresentavam apenas quase os mesmos colaboradores, como também o mesmo público leitor; sinalizam, sobretudo, os estreitos vínculos entre os membros mais ativos18 18 A lógica da competição interna dos minúsculos grupos vanguardistas e politicamente radicais foi finamente caracterizada em dois trabalhos que servem de base ao que se apresenta: Gottraux, 1997 (analisando Socialismo ou barbárie); Brun, 2014 (analisando Os situacionistas). Os interessados na abordagem sociológica do radicalismo político percebem invariantes, sobretudo no que se refere ao modo de aquisição do capital cultural e às atitudes com relação às autoridades simbólicas. Cumpre esclarecer: chegamos aos nomes desse núcleo “mais ativo” cotejando as diversas listas de mencionadas por eles (ARANTES, 1994; ARANTES, 2002; SADER, 1996; SCHWARZ, 1998, 2001; SOLA, 1993; FAUSTO, 2013), e considerando o pertencimento tanto ao “Grupo 2” quanto à TP. . Portanto, a lógica competitiva dinamizando o círculo pode ser caracterizada pelo nexo entre o perfil e a produção deles – de um lado, o pertencimento ao espaço universitário, e, de outro, os artigos/comentários (de livros/autores recém-publicados e de clássicos)19 19 Enquanto há 11 textos do tipo artigo/comentário, ficção e poesia contabilizam 4, “análise econômica/ política”, 6, “crítica cultural”, 4, “documentos”, 4. . A “leitura estrutural dos textos”, voltada aos textos de Marx, nos seminários, na TP seria aplicada a outros autores. E é particularmente interessante a relação dos autores-comentados com os autores-comentadores da TP. O princípio subjacente à escolha dos autores-comentadores pelos autores-comentados consiste na inversão das hierarquias do espaço escolar/universitário. Por exemplo: do ponto de vista ideológico, Roberto Schwarz, Ruy Fausto e Lourdes Sola escreveram contra autores de direita; porém, do ponto de vista morfológico, tratava-se de situar-se contra as posições dominantes.

Roberto Schwarz e Ruy Fausto eram jovens professores assistentes, dirigiam-se a um professor catedrático, formado na turma de Ciências Sociais de 1950 e colunista d’O Estado de S. Paulo (FAUSTO, 1967FAUSTO, Ruy. Sobre o raciocínio político de Oliveiros S. Ferreira. Teoria e Prática, n. 1, 1966.; SCHWARZ, 1966SCHWARZ, Roberto. Sobre o raciocínio político de Oliveiros S. Ferreira. Teoria e Prática, n. 1, 1966.). Oliveiros S. Ferreira tinha se empenhado em demonstrar domínio do marxismo (FERREIRA, 1964; 1966TEORIA E PRÁTICA. Apresentação. Teoria e Prática, n. 1, 1966.), mas não passaria na provação imposta pela dupla. O comentário dos dois, baseado na técnica e no repertório dos seminários de Marx, consistiu num exercício de correção da leitura do catedrático: ela se tornava ilógica e indisciplinada, de uma indignidade simbólica que demolia a honorabilidade de sua posição e da hierarquia que a tornava legítima. A mesma dinâmica orienta a escolha de Lourdes Sola por Émile Durkheim. Ela opunha-se, de modo indireto, a ninguém mais e ninguém menos do que Florestan Fernandes e a disciplina de Sociologia – figura e área dominantes institucionalmente, construídas como representantes do conservadorismo, pelas tomadas de posição teóricas diferenciais dos assistentes e alunos a seu redor, pelo menos desde 196220 20 Em 1962, Fernando Henrique Cardoso defendeu sua tese de doutoramento, com uma “introdução teórico-metodológica”, com as referências do (primeiro) “Seminário Marx” e contra as de Florestan Fernandes, designando-o como durkheimiano estrutural-funcionalista e, portanto conservador (RODRIGUES, 2016). Desde então, nesse espaço, escrever contra os clássicos da Sociologia assumiu o sentido de tomar posição contra a autoridade simbólica do sociólogo e dessa disciplina (então dominante). Gradativamente, a Sociologia foi passando a representar os conteúdos mais típicos do conservadorismo, e TP documentou essas representações de modo exemplar: 1) Lourdes Sola, contra Durkheim – diga-se de passagem, não é casual que Florestan Fernandes possuísse os três exemplares de TP intactos, salvo o artigo de Lourdes Sola, lido e sublinhado – como se constata em sua bliblioteca (Acervo da Biblioteca Comunitária da Universidade Federal de São Carlos. Coleções Especiais); 2) Eder Sader, contra Leoncio Martins Rodrigues; 3) “Um documento estudantil” (do Diretório Acadêmico da Filosofia, TP, n. 2) ironiza os filósofos com o uso de questionários; 4) “O senso-comum e o bichinho-roedor” ironiza abertamente a disciplina, por conta da estatística e da contabilidade “única” dos bebês (TP, n. 2). Trata-se de variações típicas das investidas do marxismo e da filosofia contra a Sociologia (HEILBRON, 1985, p. 228). .

Sergio Ferro, Eder Sader, João Carlos Kfouri Quartim de Moraes, Ruy Fausto, José Arthur Giannotti, Bento Prado Jr., Emir Sader escreveram contra autores de esquerda21 21 O único comentador que não se exercita na “leitura estrutural de texto” à caça de incongruências lógicas ou ingenuidades epistemológicas de seu autor comentado é Paul Singer – pudera: é também o único que comenta Karl Marx. Quanto a Emir Sader, procurou defender Debray contra seus críticos “à esquerda”. . Os três primeiros escreveram contra seus professores (respectivamente, Vilanova Artigas, Leoncio Martins Rodrigues, Giannotti). Fausto, contra Caio Prado Jr.; Giannotti, contra Althusser: célebres comunistas (MATONTI, 2005MATONTI, Frédérique. Intellectuels communistes: essai sur l’óbéissance politique. La nouvelle critique (1967-1980). Paris: La Découverte, 2005.; RODRIGUES, 2018_____. Caio Prado Jr. (1907-1990). In: PARADA, Maurício; RODRIGUES, Henrique Estrada (Org.). Os historiadores: clássicos da história do Brasil, vol. 4 – dos primeiros relatos a José Honério. Rio de Janeiro: Petrópolis: Vozes; Rio de Janeiro: Editora PUC, 2018.). Em operação, o mesmo princípio de escolha dos autores: a inversão da autoridade simbólica e, como resultante, a mesma implosão da hierarquia. Salvo por uma diferença.

Tomar posição contra autores de direita ou de esquerda diz respeito à lógica competitiva da segmentação interna à esquerda. O rendimento simbólico do contra a direita é diminuto (todos já tomaram essa posição); é na segunda estratégia que se encontra o atiçamento mais forte e mais rentável simbolicamente, posto que distingue e hierarquiza, segundo os critérios próprios ao meio, inversos ao da sociedade inclusiva: a esquerda da esquerda, a crítica da crítica é superior à mera esquerda da direita ou crítica do statu quo (vista como fácil). Daí tanto a escalada pelo expoente máximo de radicalismo, que não conhece “moderação” para a “severidade”, quanto a “negatividade” e a “desmistificação” como critério de valor. Daí “o que conta à esquerda” (SCHWARZ, [1970]_____. Remarques sur la culture et la politique au Brésil, 1964-1969. Les temps modernes, Juillet, n. 288, 1970. 1992_____. (1978). Cultura e política, 1964-1969. In: _____. O pai de família e outros estudos. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra: 1992a, p. 70-111., p. 88) é a (corrida pela) ultrapassagem, sem limites, do “comedimento” e das divisões das artes e dos saberes (isto é, da divisão social do trabalho) e das classes sociais.

As posições de autoridade – clássicos ou professores, “estas longínquas tartarugas”22 22 Categoria classificatória encontrada em: Schwarz, [1970] 1992, p. 68. – tornam-se corrompidas, posto que possuidoras e interessadas no usufruto dos bens mundanos, isto é, poder, dinheiro e reconhecimento. A disputa por eles condiciona interesses, determina o comedimento político e limita o radicalismo político.

No gargalo das oportunidades de ingresso no nível superior do sistema escolar e de acirramento da competição do acesso a ele – data de 1967 a primeira grande crise de “excedentes” na FFLC/USP –, as fileiras de estudantes e intelectuais dotados de alto capital cultural e de baixas expectativas de realização profissional engrossam. Eles se tornam disponíveis para mensagens proféticas antidisciplinares, cujo teor é o “culto acadêmico do antiacademicismo”23 23 A competição por clientela (ou aliados na militância política propriamente dita) é dedutível das propagandas encontradas em TP, aParte e Revisão. As classes médias em ascensão incerta, situadas num mercado de virtual desvalorização dos diplomas, consistem, segundo vasta bibliografia, no substrato último das disposições heréticas e dos investimentos educacionais que movimentam os meios radicais (BOURDIEU, 2007, p. 122-162; 371-434; BOURDIEU, 1984; CHARTIER, 1982; CHARLE, 1990). Infelizmente, não há espaço para a análise desse fator. . No combate discursivo nas páginas de TP, é este o tom. Os autores-comentadores vencem a luta simbólica pela mensagem superior e mais consistente contra os autores-comentados e, no mesmo passo, competem entre si – tanto por essa clientela simbólica e aliada ideológica, homóloga à falta de perspectiva que os caracteriza, quanto pelo expoente de radicalismo político. Ao denegarem o que lhes foi, e virtualmente lhes será denegado, constroem discursiva e objetivamente uma posição profética autenticada pelo desinteresse interessado, em oposição à postura dos dominantes24 24 Cf. item anterior (“Fronteiras sociais da negação da negação”). . Como é sobejamente sabido, o alicerce da crença no desinteresse (dos bens materiais) interessado (nos bens espirituais) consiste em propriedade definidora, por excelência, dos espaços de produção simbólica autônomos (BOURDIEU, 1996_____. As regras da arte. Lisboa: Editorial Presença, 1996., p. 246 e ss.)25 25 A economia do artigo não permite a discussão teórica que esse ponto tangencia: a recepção fragmentada da teoria de Bourdieu, e centrada no Flaubert d’As regras da arte, sedimentou a ideia de que “campo autônomo” implica alheamento da política; apagando outros casos e práticas, nas quais o mesmo Bourdieu assinala o nexo entre alto índice de radicalismo político (em sentidos externos ao campo profissional, como é o caso de algumas das trajetórias acima, que se envolvem na luta armada) e de defesa da prática da cultura como valor em si mesmo, desinteressada (BOURDIEU, 1984, esp. cap. 1 e 2). Há pesquisas contemporâneas que preferem a investigação deste nexo (defesa do valor da cultura/autonomia e posições políticas mais radicais, posto que mais livres das amarras e dos compromissos com os poderes temporais) – e que inspiram a presente análise: Sapiro, 2016; Brun, 2014. .

Contra as regras, esta disputa é regulada pelas regras da subversão: a) eleger autor(idades) hierarquicamente superiores; b) com a perícia de leitura dos seminários, descreditá-las (por suas incongruências lógicas e/ou ingenuidades epistemológicas) ; c) dirigir-se preferencialmente contra a própria esquerda (alcançando a melhor posição, a mais avançada, a menos limitada).

Modalidades de negação da negação

As ordens do extraordinário

Uma revista, se não é de doutrina, deve ter caráter, e não programa. Deve ser segura e imprevisível como um bom ensaio, que começa onde valha a pena, e navega e combate em curso incerto, ao sabor do interesse e do raciocínio cerrado. Nossa revista [...] tem convicções, que declara ao leitor: – A conjugação de interesse e raciocínio é subversiva [...]. Queremos raciocinar sobre o que interessa, reabilitar o raciocínio e clarificar os interesses. – Não basta saber filosofia e literatura, nem economia e política. É preciso escrever sobre umas conhecendo as outras. Só assim nos livraremos do lero-lero grã-fino de nossos literatos e da fala cifrada em que os economistas escondem as novas do capital.

(TEORIA E PRÁTICA, n. 1, 1966 – sublinhados nossos)

Quem nega a hierarquia se afirma como (contra)autoridade

Eder Sader contra Leôncio Martins Rodrigues

Segundo o autor-comentador, o autor-comentado: “não vê a diferença”, “não se pergunta”, “não percebe alcance”, “vê sem ver”, “não se eleva acima do nível descritivo”, “suas perspectivas são monótonas e recorrentes: se tudo continuar como está, o resto também deverá se manter na mesma tendência”; “a explicação de Leôncio é bem medíocre”; “(o livro) tem as mesmas limitações populistas e desenvolvimentistas”; “não pode enxergar (esses limites, portanto)”

(SADER, 1967SADER, Eder. Conflito industrial e luta de classes. Teoria e Prática, n. 2, 1967., p. 76, 75, 82, 83, 85, 85, 86, 86 – sublinhados nossos).

Expliquemos: a análise concreta da consciência populista enquanto manifestação da consciência operária permite-nos aprofundar o conhecimento real da classe desde que não nos dobremos ante ela, desde que enxerguemos seus limites, suas funções e sua suas máscaras. Vale dizer, desde que procedamos a uma análise e não a sua reverência antes o fato examinado. Buscando uma classe operária “concreta” Leoncio acaba preso à realidade oficial.

(SADER, 1967SADER, Eder. Conflito industrial e luta de classes. Teoria e Prática, n. 2, 1967., p. 76).

Schwarz contra Oliveiros S. Ferreira

Dito de outro modo, os termos são movimentados segundo uma regra simples, superposta a eles, que não corresponde ao problema que eles mesmos propõem

(SCHWARZ, 1967a_____. (1978). Cultura e política, 1964-1969. In: _____. O pai de família e outros estudos. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra: 1992a, p. 70-111., p. 100 – sublinhados nossos).

Ruy Fausto sobre/contra Oliveiros

[...] é desconcertante [...] a sem-cerimônia com que reúne num coquetel compósito as figuras e os projetos políticos mais diversos: num mesmo parágrafo, o coronel Veloso e Rosa Luxemburgo; o almirante Heck a dez linhas de Gramsci; Marx e Engels nos interstícios dos apelos à Pátria Grande [...] reunião incômoda de almas inimigas convocadas ao banquete por arte do anfitrião [...] [uma] baderna, o leitor que o diga.

[...] a lógica da desrazão, embora termine pelo mito, também tem as suas leis. Elucidemos um pouco a natureza formal dos passes teóricos, reconstituindo [...] as condições de possibilidade do ilusionismo ideológico”.

(FAUSTO, 1967FAUSTO, Ruy. Sobre o raciocínio político de Oliveiros S. Ferreira. Teoria e Prática, n. 1, 1966., p. 100, 105 – sublinhados nossos).

Lourdes Sola contra Durkheim (o ingênuo e conservador)

[...] já é de senso-comum julgá-lo (Durkheim) ideólogo, apologista da ordem [...] mas seu pressuposto básico [...] não é submetido a crítica [...]. Esta atitude [...] estabelece uma ruptura entre a análise ideológica e a análise metodológica aplicadas àquele autor [...]. Durkheim deu conta dos problemas que se propôs a analisar? Se forem localizadas insuficiências e contradições, são elas imputáveis a seu método e à sua concepção de ciência social? enfim, têm ambos – método e concepção – um fundamento ideológico?

(SOLA, 1967_____. Durkheim: senso-comum e objetividade. Teoria e Prática, n. 2, 1967., p. 103 – sublinhados nossos);

[...] para ele (Durkheim) as correlações estatísticas são neutras, objetivas, garantem por si mesmas a legitimidade dos resultados; a tal ponto que cada uma delas é tomada por “lei”. Essa confiança nos dados, sobretudo quando quantificados, não se distingue da atitude de senso-comum, porque como ela não os ultrapassa efetivamente, embora Durkheim tenha a pretensão de fazê-lo. (na exposição, advém um contraponto em que Adorno sai vencendo) [...] Por que justamente a religião, a família e os momentos de unidade nacional? Por que a ênfase abstrata na solidariedade como o fim mais alto desses meios?

(SOLA, 1967_____. Durkheim: senso-comum e objetividade. Teoria e Prática, n. 2, 1967., p. 118-119 – sublinhados nossos).

João Quartim de Moraes contra José Arhtur Giannotti (um comandante contra um professor de Lógica)26 26 Duas categorias nativas aludindo às competências militares de João Quartim de Moraes e à cadeira (mas também ao rigor) de Giannotti. Impossível trabalhar o ponto, mas não passam despercebidas nem a apresentação social da virilidade envolvida no polo lógico/duro da Filosofia e nem a alusão ao militarismo – e tampouco a necessidade de exame de como a configuração se fragmenta com o encerramento da revista em função da perseguição política. O exame fino da segmentação desses destinos merece estudo à parte : o (seu) pensado é (e não é) real

[...] como lembra Spinoza, o conceito de cão não late. [...] Como muitos descobridores, o prof. Giannotti se deixou levar longe demais por sua descoberta, e em vez de restringi-la ao domínio em que ela é incontestável [...] ele pretende fazê-la explicar a relação entre sistema pensado e o sistema real.

(MORAES, 1967MORAES, João Quartim de. Sobre as Origens da dialética do trabalho. Teoria e Prática, n. 3, 1968., p. 99-100).

Considerações finais

O conjunto de homologias entre as inversões praticadas pelo “Grupo 2/TP” e figuradas em “Bertha Dunkel” é evidente, e, dentre elas, o princípio mais elementar foi caracterizado acima: as posições dominadas dirigem-se contra as posições dominantes. Roberto Schwarz fez, dos princípios competitivos dessa configuração, o princípio de composição de seu alter ego. Como, historicamente, ele não reconhecia em (quase) nenhuma realização cultural ou política seu próprio ideal e projeto, somente a ficção poderia representá-los. Por isso, Bertha Dunkel consiste na realização plena das regras da subversão, tal como constituídas na dinâmica “Grupo 2/TP 2”. Encarnando de modo típico e prático a lógica desse círculo, o crítico “construiu em teoria” o conteúdo de um antirreferente, tornado parâmetro operacional para detectar limites da imaginação (e da negação) política e estética. Dito de outro modo, encontra-se aí um outro pressuposto da fatura de sua crítica – que tanto desagradou Bento Prado Jr. e Gérard Lebrun, o mesmo no qual se comprazem os gestores de sua longevidade simbólica, irmanados no consenso de gosto cultural e tomadas de posição políticas.

Esta análise nos pareceu profícua por conferir precisão ao conteúdo do antirreferente do crítico e por colocar em relevo uma dimensão ignorada de sua trajetória. Como procuramos demonstrar, o “Grupo 2” e a TP não têm papel meramente anedótico. A atenção mais fina assinala dessemelhanças de seu projeto autoral em relação a fontes reificadas pela bibliografia – particularmente, com Antonio Candido, que nem sempre opera com tal “negatividade”; e com o (primeiro) “Seminário Marx”, destituído do princípio de negatividade e promotor de uma leitura estritamente escolástica de Marx (RODRIGUES, 2011RODRIGUES, Lidiane Soares. A produção social do marxismo universitário em São Paulo (1958-1978). Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2011.). Finalmente, a abordagem sugere novas frentes de investigação que dizem respeito a um problema mais amplo. Se a dinâmica do grupo incorporada como princípio negativo na crítica de Schwarz ficou patente, resta caracterizar os capitais específicos distintivos e as habilidades práticas que tornam esse tipo de engajamento político-cultural socialmente tão restrito, a despeito de sua generosa orientação ideológica à revolução total e universalmente válida (BRUN, 2014BRUN, Eric. Les situationnistes. Une avant-garde totale. Paris: CNRS Éditions, 2014.; RODRIGUES, 2017_____. Desinteresse interessado. Revista de História da USP, n. 176, 2017.) – problemática desafiante para futuras pesquisas.

  • 2
    Doravante, TP. “Grupo 2 do Seminário sobre O Capital de Marx” e TP como seu “subproduto” foram empregados por Lourdes Sola (1993, p. 1)SOLA, Lourdes. Memorial acadêmico, 1993 (Arquivo da FFLCH. Prontuário 93.1.1530.8.3. inscrição ao concurso para livre-docência, disciplina Instituições Brasileiras, Departamento de Ciência Política)., membro de ambos. As categorias nativas de classificação são incorporadas no presente texto.
  • 3
    O modo como o crítico “construiu” esse referente tem sido analisado por: Cevasco, 2014CEVASCO, Maria Elisa. Modernização à brasileira. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 3, 2014.; Rodrigues, 2011RODRIGUES, Lidiane Soares. A produção social do marxismo universitário em São Paulo (1958-1978). Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2011.; Ricupero, 2008RICUPERO, Bernardo. O lugar das ideias: Roberto Schwarz e seus críticos. Rio de Janeiro, Sociologia & Antropologia , v. 3, n. 6, nov. 2013, p. 525-556.; Waizbort, 2007WAIZBORT, Leopoldo. Passagem do três ao um. São Paulo: Cosac Naify, 2007.; Moura, 2004MOURA, Flávio. Diálogo crítico. Disputas no campo literário brasileiro (1984-2004). Dissertação (Mestrado em Sociologia). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2004.; Arantes, 1994ARANTES, Paulo. Um departamento francês no ultramar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994..
  • 4
    Trata-se de categorias de recíproca (des)classificação : “crítica da crítica” foi empregado por Schwarz para se referir a Lebrun (SCHWARZ, 1980_____. Resposta a Gerard Lebrun. Discurso, n. 12, 1980, p. 153-156., p. 154); “ideologia brasileira de Schwarz” foi empregado pelo último para se referir ao primeiro (LEBRUN, 1980LEBRUN, Gérard. Algumas confusões num severo ataque à intelectualidade. Discurso, n. 12, 1980, p. 145-152. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/discurso/article/view/37887/40614>. Acesso em: set. 2019
    https://www.revistas.usp.br/discurso/art...
    , p. 146).
  • 5
    Em nítido contraste com a abundância deles, pontilhando os textos. O rastreamento dos indícios textuais na obra, sinalizando que, além do referente sócio-histórico identificado nas formas artísticas, haja um antirreferente, subjacente à apreciação e hierarquização dos materiais, foi sistematizado em: Rodrigues, 2011RODRIGUES, Lidiane Soares. A produção social do marxismo universitário em São Paulo (1958-1978). Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2011., p. 452-493. A reação concomitante às publicações, emitida no círculo próximo, parece ser um modo dialógico e não anacrônico de apresentar o mesmo ponto. O pressuposto de que a boa mimese é aquela que representa explicando/criticando consiste em nexo óbvio para leitores de Adorno, Lukács e Benjamin, imersos no enquadramento da recepção do mesmo círculo intelectual do qual faz parte Roberto Schwarz. Não por acaso, leituras dessa tríade, realizadas em outros espaços intelectuais não advogam a necessidade desse “referente negativo”: no Rio de Janeiro, por exemplo, à esquerda (tratadas por Rodrigues, 2019b_____. Ser marxista no Brasil. Marx e o pensamento marxista no mundo lusófono. 2019b [forthcoming].); e à direita (tratadas por Felipe, 2018FELIPE, Kaio. A crise da cultura moderna segundo José Guilherme Merquior. Tese (Doutorado em Sociologia). Instituto de Estudos Sociais e Políticos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2018.). Justamente pela “naturalização” da leitura do “marxismo universitário” em São Paulo (RODRIGUES, 2011RODRIGUES, Lidiane Soares. A produção social do marxismo universitário em São Paulo (1958-1978). Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2011.), com justificativa e esteio na assim chamada “tradição do materialismo dialético”, este artigo, deliberadamente, não discute os empréstimos de Roberto Schwarz a esses autores. Trata-se, ao contrário, de caracterizar os condicionantes dessa leitura específica, sem os quais a apropriação dessa “tradição” seria outra (cf. adiante, no item “Um policial lê Roberto Schwarz). Em suma, não se ignoram, obviamente, os três autores e suas “influências” sobre Roberto Schwarz; do que se duvida é da categoria “influência” (BAXANDALL, 2006BAXANDALL, Michael. Padrões de intenção. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.). No mesmo intuito de esclarecimento, vale afirmar que esta abordagem não julga o valor e a seriedade intelectuais do que coloca em exame, pois os reputa indiscutíveis. Apenas evita tornar suas predileções e seu próprio gosto como princípio, meio e fim da pesquisa, preferindo indagar suas condições de possibilidade.
  • 6
    Agradecemos a Marcos Napolitano pela indicação desse documento.
  • 7
    O “movimento de cultura popular” é o único projeto político cultural que não recebe depreciação em “Cultura e política”. Quanto aos demais: o liberalismo não é ideologia, então o marxismo não é crítica; o marxismo do Partido Comunista é ideologia (resultante do populismo e da conciliação de classes que deveria criticar); a encenação do Arena, uma ode incongruente ao povo (cuja derrota deveria investigar); já seu oposto, o Teatro Oficina, consiste numa ode ao agressor (pois reproduz na forma o princípio da violência da repressão policial, que deveria criticar); a Tropicália justapõe, sem síntese, atraso e progresso (que deveria superar) (SCHWARZ, 1992a_____. (1978). Cultura e política, 1964-1969. In: _____. O pai de família e outros estudos. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra: 1992a, p. 70-111.).
  • 8
    “Bertha para Roberto, e Dunkel, que quer dizer escuro, para Schwarz, que é preto” (SCHWARZ, 2004_____. Um crítico na periferia do capitalismo. Entrevista concedida a Luiz Henrique Lopes dos Santos e Mariluce Moura. Pesquisa Fapesp, n. 98, abril de 2004, p. 12-19. Disponível em: <https://revistapesquisa.fapesp.br/2004/04/01/um-critico-na-periferia-do-capitalismo/>. Acesso em: set. 2019.
    https://revistapesquisa.fapesp.br/2004/0...
    ). Essa apresentação subordina-se ao propósito deste artigo, para uma exploração exaustiva: RODRIGUES, 2011RODRIGUES, Lidiane Soares. A produção social do marxismo universitário em São Paulo (1958-1978). Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2011., p. 494-507.
  • 9
    Empregamos de modo cruzado categorias classificatórias presentes nas teses sobre Machado de Assis e nos demais textos (como “deformação profissional”, ver: Schwarz, [1977]_____. (1977). Ao vencedor as batatas. 5. ed. São Paulo: Duas Cidades/Ed. 34, 2000. 2000, p. 47) a fim de insistir na coerência de princípio, acima das hierarquias textuais e dos pertencimentos disciplinares. Para a sistematização deste ponto, e o levantamento sistemático desse entrelaçamento entre os gêneros em que ele se exerce (poesia, crítica, teatro, tradução e tese universitária), aqueles que analisa, além de suas matrizes nacionais e estrangeiras, ver: Rodrigues, 2011RODRIGUES, Lidiane Soares. A produção social do marxismo universitário em São Paulo (1958-1978). Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2011., p. 491-524.
  • 10
    “[...] el tema general de las ‘ideas fuera de lugar’ tenía proyecciones espinosas en el presente: ¿y si también el marxismo, como el liberalismo, estuviera ‘desplazado’? Es decir, ¿y si también el marxismo contuviera presupuestos sociales europeos, inhallables en la ex-colonia?” (SCHWARZ, 2009_____. Entrevista concedida a [autor(a) (e) (s)] 21/11/2011., p. 27). Trata-se de algo tão “espinhoso”, que esse trecho em espanhol não foi traduzido – o que se constata cotejando o texto original (SCHWARZ, 2009_____. Pressupostos, salvo engano, de “Dialética da malandragem”. In. LAFER, Celso et al. Esboço de figura: homenagem a Antonio Candido. São Paulo: Duas Cidades, 1979., p. 25-27) e sua versão para brasileiros (SCHWARZ, 2012_____. Las ideas fuera de lugar: algunas aclaraciones cuatro décadas después. Políticas de la Memoria, n. 10-11-12, 2011/2012., p. 165-171).
  • 11
    Sobre a cena do baile em O pai Goriot, afirma: “A beleza, como a descrevemos, é feminina e apela para o senso masculino de propriedade. Exibe-se aos presentes, mas destina-se a um só. Como a mercadoria, que põe gula no olhar de todos, mas responde somente à maior oferta, ela alimenta o seu brilho no desejo à volta”. A equiparação da mulher à mercadoria e seu apelo ao senso de propriedade masculino estão ligados ao entendimento de que “a articulação negativa de cabeça e coração – o progresso de uma é a míngua do outro – corresponde à existência em regime de mercado: é preciso depreciar o que se vai comprar” (SCHWARZ, 1981_____. (1965). Dinheiro, memória e beleza (O Pai Goriot). In: _____. A sereia e o desconfiado (ensaios). 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981, p. 167-188. (Literatura e teoria literária, v. 37)., p. 175-176).
  • 12
    O que segue tem o único propósito de caracterizar a lógica que preside a construção das “referências tácitas e alusões inteligíveis restritas ao pequeno círculo” (BOURDIEU, 2001_____. Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001., p. 49) – isto é, esquadrinhar TP como grupo. A condição de grupo hermético é tangível nas duas direções de público leitor observadas na revista: há textos orientados para os iniciados (no repertório e sentido interno ao grupo), altamente cifrados, como “Bertha Dunkel. Didatismo e literatura” (SCHWARZ, 1968_____. Bertha Dunkel. Didatismo e literatura. Teoria e Prática, n. 3, 1968.); por outro lado, há textos orientados para a socialização das referências internas, por exemplo, “Notas explicativas” anexas ao artigo de André Gorz “Sartre e Marx” (CHAUÍ, 1966CHAUÍ, Marilena. “Notas explicativas” anexas ao artigo de André Gorz “Sartre e Marx”. Teoria e Prática, n. 1, 1966.), um glossário filosófico, que tenta viabilizar a leitura para não iniciados (destaco alguns: o cogito de Husserl; o método regressivo-progressivo; as mônadas; a alienação; o prático-inerte; a razão analítica e razão dialética). Não haveria melhor documento da autoconsciência do hermetismo do grupo e do discurso.
  • 13
    Categoria de classificação extraída de: Schwarz, 1998_____. Um seminário de Marx. Novos Estudos Cebrap, n. 50. São Paulo, março, 1998, p. 99-114..
  • 14
    Remetemos o leitor interessado nas diferenças morfológicas entre os dois grupos a: Rodrigues, 2016_____. Leitores e leituras acadêmicas de Karl Marx (São Paulo, 1958-1964). Intelligere – Revista de História Intelectual, São Paulo, v. 2, n. 2, 2016, p. 1-19., p. 6-10. Os nexos de sentido abaixo baseiam-se em Pierre Bourdieu ([1971]_____. Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. 2003_____. Gênese e estrutura do campo religioso. In. MICELI, S. (Org.). A economia das trocas simbólicas. Rio de Janeiro: Perspectiva, 2003.), mas evitam o emprego fácil do jargão: sacerdotes, profetas, mágicos e, sobretudo, “campo”
  • 15
    Eliminamos da contagem os autores de textos que foram traduzidos de revistas estrangeiras a fim de direcionar o estudo para o grupo local de referência social.
  • 16
    Elas se diferenciam visualmente: Revisão e aParte atentam à coerência entre a fatura gráfica e o conteúdo ideológico antiburguês. Diferentemente delas, contudo, TP possui um projeto gráfico mais convencional, aparentado ao estilo acadêmico, e talvez uma única incursão em experimentação gráfica – é factível aventar que seu modelo seja aparentado ao da RCB.
  • 17
    Os colaboradores em comum que puderam ser identificados são: a) com origem nas artes: Jean-Claude Bernardet, Augusto Boal, Zulmira Ribeiro Tavares; b) com origem no espaço universitário: Betty Milan, Roberto Schwarz (cuja tradução de “Ideias para uma sociologia da música” é publicada em TP e Revisão), Sérgio Ferro, Eder Sader, Emir Sader, Bento Prado Jr.
  • 18
    A lógica da competição interna dos minúsculos grupos vanguardistas e politicamente radicais foi finamente caracterizada em dois trabalhos que servem de base ao que se apresenta: Gottraux, 1997GOTTRAUX, Philippe. Socialisme ou barbarie. Un engagement politique et intellectuel dans la France de l’après-guerre. Lausanne: Éditions Payot, 1997. (analisando Socialismo ou barbárie); Brun, 2014BRUN, Eric. Les situationnistes. Une avant-garde totale. Paris: CNRS Éditions, 2014. (analisando Os situacionistas). Os interessados na abordagem sociológica do radicalismo político percebem invariantes, sobretudo no que se refere ao modo de aquisição do capital cultural e às atitudes com relação às autoridades simbólicas. Cumpre esclarecer: chegamos aos nomes desse núcleo “mais ativo” cotejando as diversas listas de mencionadas por eles (ARANTES, 1994ARANTES, Paulo. Um departamento francês no ultramar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.; ARANTES, 2002ARANTES, Pedro. Arquitetura nova. São Paulo: Editora 34, 2002.; SADER, 1996SADER, Eder. Conflito industrial e luta de classes. Teoria e Prática, n. 2, 1967.; SCHWARZ, 1998_____. Um seminário de Marx. Novos Estudos Cebrap, n. 50. São Paulo, março, 1998, p. 99-114., 2001; SOLA, 1993SOLA, Lourdes. Memorial acadêmico, 1993 (Arquivo da FFLCH. Prontuário 93.1.1530.8.3. inscrição ao concurso para livre-docência, disciplina Instituições Brasileiras, Departamento de Ciência Política).; FAUSTO, 2013FAUSTO, Ruy. Sobre o raciocínio político de Oliveiros S. Ferreira. Teoria e Prática, n. 1, 1966.), e considerando o pertencimento tanto ao “Grupo 2” quanto à TP.
  • 19
    Enquanto há 11 textos do tipo artigo/comentário, ficção e poesia contabilizam 4, “análise econômica/ política”, 6, “crítica cultural”, 4, “documentos”, 4.
  • 20
    Em 1962, Fernando Henrique Cardoso defendeu sua tese de doutoramento, com uma “introdução teórico-metodológica”, com as referências do (primeiro) “Seminário Marx” e contra as de Florestan Fernandes, designando-o como durkheimiano estrutural-funcionalista e, portanto conservador (RODRIGUES, 2016_____. Leitores e leituras acadêmicas de Karl Marx (São Paulo, 1958-1964). Intelligere – Revista de História Intelectual, São Paulo, v. 2, n. 2, 2016, p. 1-19.). Desde então, nesse espaço, escrever contra os clássicos da Sociologia assumiu o sentido de tomar posição contra a autoridade simbólica do sociólogo e dessa disciplina (então dominante). Gradativamente, a Sociologia foi passando a representar os conteúdos mais típicos do conservadorismo, e TP documentou essas representações de modo exemplar: 1) Lourdes Sola, contra Durkheim – diga-se de passagem, não é casual que Florestan Fernandes possuísse os três exemplares de TP intactos, salvo o artigo de Lourdes Sola, lido e sublinhado – como se constata em sua bliblioteca (Acervo da Biblioteca Comunitária da Universidade Federal de São Carlos. Coleções Especiais); 2) Eder Sader, contra Leoncio Martins Rodrigues; 3) “Um documento estudantil” (do Diretório Acadêmico da Filosofia, TP, n. 2) ironiza os filósofos com o uso de questionários; 4) “O senso-comum e o bichinho-roedor” ironiza abertamente a disciplina, por conta da estatística e da contabilidade “única” dos bebês (TP, n. 2). Trata-se de variações típicas das investidas do marxismo e da filosofia contra a Sociologia (HEILBRON, 1985HEILBRON, Johan. Les métamorphoses du durkheimisme, 1920-1940. Revue Française de Sociologie, 1985., p. 228).
  • 21
    O único comentador que não se exercita na “leitura estrutural de texto” à caça de incongruências lógicas ou ingenuidades epistemológicas de seu autor comentado é Paul Singer – pudera: é também o único que comenta Karl Marx. Quanto a Emir Sader, procurou defender Debray contra seus críticos “à esquerda”.
  • 22
    Categoria classificatória encontrada em: Schwarz, [1970] 1992, p. 68.
  • 23
    A competição por clientela (ou aliados na militância política propriamente dita) é dedutível das propagandas encontradas em TP, aParte e Revisão. As classes médias em ascensão incerta, situadas num mercado de virtual desvalorização dos diplomas, consistem, segundo vasta bibliografia, no substrato último das disposições heréticas e dos investimentos educacionais que movimentam os meios radicais (BOURDIEU, 2007_____. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2007., p. 122-162; 371-434; BOURDIEU, 1984BOURDIEU, Pierre. Homo academicus. Paris: Minuit, 1984.; CHARTIER, 1982CHARTIER, Roger. Espace social et imaginaire social: les intellectuels frustrés au XVIIe siècle. Annales. Économies, Sociétés, Civilisations, n. 2, 1982.; CHARLE, 1990CHARLE, Christophe. Naissance des “intellectuels” (1880-1900). Paris: Minuit, 1990.). Infelizmente, não há espaço para a análise desse fator.
  • 24
    Cf. item anterior (“Fronteiras sociais da negação da negação”).
  • 25
    A economia do artigo não permite a discussão teórica que esse ponto tangencia: a recepção fragmentada da teoria de Bourdieu, e centrada no Flaubert d’As regras da arte, sedimentou a ideia de que “campo autônomo” implica alheamento da política; apagando outros casos e práticas, nas quais o mesmo Bourdieu assinala o nexo entre alto índice de radicalismo político (em sentidos externos ao campo profissional, como é o caso de algumas das trajetórias acima, que se envolvem na luta armada) e de defesa da prática da cultura como valor em si mesmo, desinteressada (BOURDIEU, 1984BOURDIEU, Pierre. Homo academicus. Paris: Minuit, 1984., esp. cap. 1 e 2). Há pesquisas contemporâneas que preferem a investigação deste nexo (defesa do valor da cultura/autonomia e posições políticas mais radicais, posto que mais livres das amarras e dos compromissos com os poderes temporais) – e que inspiram a presente análise: Sapiro, 2016SAPIRO, Gisèle. Le combat pour la liberté intellectuelle. In: CHARLE, Christophe; JEANPIERRE, Laurent. La vie intellectuelle en France. Paris: Seuil, 2016.; Brun, 2014BRUN, Eric. Les situationnistes. Une avant-garde totale. Paris: CNRS Éditions, 2014..
  • 26
    Duas categorias nativas aludindo às competências militares de João Quartim de Moraes e à cadeira (mas também ao rigor) de Giannotti. Impossível trabalhar o ponto, mas não passam despercebidas nem a apresentação social da virilidade envolvida no polo lógico/duro da Filosofia e nem a alusão ao militarismo – e tampouco a necessidade de exame de como a configuração se fragmenta com o encerramento da revista em função da perseguição política. O exame fino da segmentação desses destinos merece estudo à parte
  • Este trabalho resulta de uma bolsa Fapesp de pós-doutorado.
  • ROGRIGUES, Lidiane Soares. As regras da subversão: Roberto Schwarz, Bertha Dunkel e a revista Teoria e Prática. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, Brasil, n. 74, p 61-80, dez. 2019.

REFERÊNCIAS

  • ARANTES, Paulo. Um departamento francês no ultramar Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.
  • ARANTES, Pedro. Arquitetura nova São Paulo: Editora 34, 2002.
  • BAXANDALL, Michael. Padrões de intenção São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
  • BRUN, Eric. Les situationnistes Une avant-garde totale. Paris: CNRS Éditions, 2014.
  • BOURDIEU, Pierre. Homo academicus Paris: Minuit, 1984.
  • _____. As regras da arte Lisboa: Editorial Presença, 1996.
  • _____. Meditações pascalianas Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.
  • _____. Gênese e estrutura do campo religioso. In. MICELI, S. (Org.). A economia das trocas simbólicas Rio de Janeiro: Perspectiva, 2003.
  • _____. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2007.
  • CANDIDO, Antonio. (1961). Crítica e sociologia. Tentativa de esclarecimento. In: _____. Literatura e sociedade 8. ed. São Paulo: Publifolha, 2000.
  • CEVASCO, Maria Elisa. Modernização à brasileira. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 3, 2014.
  • CHAUÍ, Marilena. “Notas explicativas” anexas ao artigo de André Gorz “Sartre e Marx”. Teoria e Prática, n. 1, 1966.
  • CHARLE, Christophe. Naissance des “intellectuels” (1880-1900) Paris: Minuit, 1990.
  • CHARTIER, Roger. Espace social et imaginaire social: les intellectuels frustrés au XVIIe siècle. Annales. Économies, Sociétés, Civilisations, n. 2, 1982.
  • CZAJKA, Rodrigo. A Revista Civilização Brasileira Projeto editorial e resistência cultural (1965-1968). Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 18, n. 35, fev. 2010, p. 97-117.
  • FELIPE, Kaio. A crise da cultura moderna segundo José Guilherme Merquior Tese (Doutorado em Sociologia). Instituto de Estudos Sociais e Políticos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2018.
  • FAUSTO, Ruy. Sobre o raciocínio político de Oliveiros S. Ferreira. Teoria e Prática, n. 1, 1966.
  • FRANÇA, Jacira Silva. Sociologia da comunicação e recepção do conceito de indústria cultural: o grupo da USP nos anos 1970. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de Pernambuco.
  • GOTTRAUX, Philippe. Socialisme ou barbarie. Un engagement politique et intellectuel dans la France de l’après-guerre Lausanne: Éditions Payot, 1997.
  • HEILBRON, Johan. Les métamorphoses du durkheimisme, 1920-1940. Revue Française de Sociologie, 1985.
  • LEBRUN, Gérard. Algumas confusões num severo ataque à intelectualidade. Discurso, n. 12, 1980, p. 145-152. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/discurso/article/view/37887/40614>. Acesso em: set. 2019
    » https://www.revistas.usp.br/discurso/article/view/37887/40614
  • LOWY, Michael. Ad Roberto Schwarz. In: CEVASCO, Maria Elisa; OHATA, Milton. Um crítico na periferia do capitalismo: reflexões sobre a obra de Roberto Schwarz. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
  • MATONTI, Frédérique. Intellectuels communistes: essai sur l’óbéissance politique. La nouvelle critique (1967-1980). Paris: La Découverte, 2005.
  • MORAES, João Quartim de. Sobre as Origens da dialética do trabalho Teoria e Prática, n. 3, 1968.
  • MOURA, Flávio. Diálogo crítico. Disputas no campo literário brasileiro (1984-2004) Dissertação (Mestrado em Sociologia). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2004.
  • PRADO JR., Bento. (1968). A sereia desmistificada. In.: _____. Alguns ensaios: filosofia, literatura e psicanálise. São Paulo: Max Limonad, 1985.
  • RICUPERO, Bernardo. O lugar das ideias: Roberto Schwarz e seus críticos. Rio de Janeiro, Sociologia & Antropologia , v. 3, n. 6, nov. 2013, p. 525-556.
  • RODRIGUES, Lidiane Soares. A produção social do marxismo universitário em São Paulo (1958-1978) Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2011.
  • _____. Leitores e leituras acadêmicas de Karl Marx (São Paulo, 1958-1964). Intelligere – Revista de História Intelectual, São Paulo, v. 2, n. 2, 2016, p. 1-19.
  • _____. Desinteresse interessado. Revista de História da USP, n. 176, 2017.
  • _____. Caio Prado Jr. (1907-1990). In: PARADA, Maurício; RODRIGUES, Henrique Estrada (Org.). Os historiadores: clássicos da história do Brasil, vol. 4 – dos primeiros relatos a José Honério. Rio de Janeiro: Petrópolis: Vozes; Rio de Janeiro: Editora PUC, 2018.
  • _____. Poder, sexo e línguas entre marxistas brasileiros. Revista Pós Ciências Sociais, 2019a [forthcoming]
  • _____. Ser marxista no Brasil. Marx e o pensamento marxista no mundo lusófono 2019b [forthcoming].
  • SADER, Eder. Conflito industrial e luta de classes. Teoria e Prática, n. 2, 1967.
  • SAPIRO, Gisèle. Le combat pour la liberté intellectuelle. In: CHARLE, Christophe; JEANPIERRE, Laurent. La vie intellectuelle en France Paris: Seuil, 2016.
  • SCHWARZ, Roberto. Sobre o raciocínio político de Oliveiros S. Ferreira. Teoria e Prática, n. 1, 1966.
  • _____. Bertha Dunkel. Didatismo e literatura. Teoria e Prática, n. 3, 1968.
  • _____. Remarques sur la culture et la politique au Brésil, 1964-1969. Les temps modernes, Juillet, n. 288, 1970.
  • _____. Pressupostos, salvo engano, de “Dialética da malandragem”. In. LAFER, Celso et al. Esboço de figura: homenagem a Antonio Candido. São Paulo: Duas Cidades, 1979.
  • _____. Resposta a Gerard Lebrun. Discurso, n. 12, 1980, p. 153-156.
  • _____. (1965). Dinheiro, memória e beleza (O Pai Goriot) In: _____. A sereia e o desconfiado (ensaios). 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981, p. 167-188. (Literatura e teoria literária, v. 37).
  • _____. (1978). Cultura e política, 1964-1969. In: _____. O pai de família e outros estudos 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra: 1992a, p. 70-111.
  • _____. (1978). Nota, 1977. Didatismo e literatura (Um folheto de Bertha Dunkel). In. O pai de família e outros estudos Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992b, p. 55-69.
  • _____. Las ideas fuera de lugar: algunas aclaraciones cuatro décadas después. Políticas de la Memoria, n. 10-11-12, 2011/2012.
  • _____. Por que “ideas fora do lugar”. In: _____. Martinha versus Lucrecia: ensaios e entrevistas. São Paulo : Companhia das Letras, 2012b.
  • _____. (1977). Ao vencedor as batatas 5. ed. São Paulo: Duas Cidades/Ed. 34, 2000.
  • _____. Um crítico na periferia do capitalismo. Entrevista concedida a Luiz Henrique Lopes dos Santos e Mariluce Moura. Pesquisa Fapesp, n. 98, abril de 2004, p. 12-19. Disponível em: <https://revistapesquisa.fapesp.br/2004/04/01/um-critico-na-periferia-do-capitalismo/>. Acesso em: set. 2019.
    » https://revistapesquisa.fapesp.br/2004/04/01/um-critico-na-periferia-do-capitalismo/
  • _____. Entrevista concedida a [autor(a) (e) (s)] 21/11/2011.
  • _____. Um seminário de Marx. Novos Estudos Cebrap, n. 50. São Paulo, março, 1998, p. 99-114.
  • SOLA, Lourdes. Memorial acadêmico, 1993 (Arquivo da FFLCH. Prontuário 93.1.1530.8.3. inscrição ao concurso para livre-docência, disciplina Instituições Brasileiras, Departamento de Ciência Política).
  • _____. Durkheim: senso-comum e objetividade. Teoria e Prática, n. 2, 1967.
  • TEORIA E PRÁTICA. Apresentação. Teoria e Prática, n. 1, 1966.
  • TRADUÇÃO POLICIAL do texto “Remarques sur la culture et la politique au Brésil, 1964-1969”. Arquivo do Estado. Processo 50K/86/82.
  • WAIZBORT, Leopoldo. Passagem do três ao um São Paulo: Cosac Naify, 2007.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    10 Jan 2020
  • Data do Fascículo
    2019

Histórico

  • Recebido
    05 Mar 2019
  • Aceito
    08 Out 2019
Instituto de Estudos Brasileiros Espaço Brasiliana, Av. Prof. Luciano Gualberto, 78 - Cidade Universitária, 05508-010 São Paulo/SP Brasil, Tel. (55 11) 3091-1149 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revistaieb@usp.br