Caldo de cana induz pectina liase e poligalacturonase em Penicillium griseoroseum

Na produção de enzimas pécticas estudou-se a utilização de outros indutores além de pectina visando a redução de custos. Os efeitos de caldo de cana na produção de pectina liase (PL) e poligalacturonase (PG) por Penicillium griseoroseum foram investigados. O fungo foi cultivado em meio mineral (pH 6,3) em um agitador rotatório (150 rpm) por 48 h a 2oC. O meio de cultura foi suplementado com extrato de levedura e sacarose ou caldo de cana. A adição de caldo de cana ao meio de cultivo promoveu maior atividade de PL e peso do micélio seco quando comparado com a adição de pectina. Na presença de caldo de cana e extrato de levedura observou-se atividade de PG semelhante ao obtido na presença de sacarose e extrato de levedura ou pectina. Os resultados indicaram que, mesmo em baixas concentrações, caldo de cana foi capaz de induzir pectina liase e poligalacturonase, sem atividade de celulase, em Penicillium griseoroseum.

pectina liase; poligalacturonase; pectinases; Penicillium griseoroseum; caldo de cana


Sociedade Brasileira de Microbiologia Av. Prof. Lineu Prestes, 1374, Cidade Universitária, 05508-900 São Paulo SP - Brazil, Tel. / Fax: (55 11) 813.9647 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: bjm@sbmicrobiologia.org.br