Avaliação de leguminosas forrageiras (Centrosema spp.) em solos distróficos

Evaluation of forage legumes (Centrosema spp.) grown on distrophic soils

N.J. Novaes R. Godoy A.C.P.A. Primavesi G. de F. Negreiros Sobre os autores

Resumos

Com a finalidade de avaliar a produtividade de acessos de Centrosema, previamente selecionados pelo CIAT para solos de baixa fertilidade, foi instalado na EMBRAPA-CPPSE de São Carlos, em Latossolo Vermelho-Amarelo, um ensaio em blocos ao acaso com quatro repetições, com 23 acessos de C.pubescens (2 testemunhas) e seis de C.acutifolium (2 testemunhas). A produção média de matéria seca dos seis cortes variou de 1240 a 2960 kg/ha e os acessos que apresentaram as maiores produções, foram: Centrosema pubescens BRA 16918 e BRA 16985 e Centrosema acutifolium BRA 9211 e BRA 9229.

Centrosema; produtividade; adaptação; solos distróficos


With the purpose of evaluating forage yields of Centrosema accessions, which had been previously selected by CIAT to low fertility soils, an experiment was conducted at EMBRAPA-CPPSE, São Carlos,SP, on a Red-Yellow Latossol, using a randomized block design with four replicátions, and 23 accessions of C.pubescens (two controls) and 6 of C.acutifolium (two controls). Average dry matter yield of six harvests ranged from 1240 to 2960 kg/ha and the best yielding accessions were C.pubescens: BRA 16918 and BRA 16985, and C.acutifolium: BRA 9211 and BRA 9229.

Centrosema; yield; distrophicsoils; adaptation


FITOTECNIA

Avaliação de leguminosas forrageiras (Centrosema spp.) em solos distróficos

Evaluation of forage legumes (Centrosema spp.) grown on distrophic soils

N.J. Novaes; R. Godoy; A.C.P.A. Primavesi; G. de F. Negreiros

Centro de Pesquisa de Pecuária do Sudeste/EMBRAPA, C.P. 339, CEP: 13560-970 - São Carlos, SP

RESUMO

Com a finalidade de avaliar a produtividade de acessos de Centrosema, previamente selecionados pelo CIAT para solos de baixa fertilidade, foi instalado na EMBRAPA-CPPSE de São Carlos, em Latossolo Vermelho-Amarelo, um ensaio em blocos ao acaso com quatro repetições, com 23 acessos de C.pubescens (2 testemunhas) e seis de C.acutifolium (2 testemunhas). A produção média de matéria seca dos seis cortes variou de 1240 a 2960 kg/ha e os acessos que apresentaram as maiores produções, foram: Centrosema pubescens BRA 16918 e BRA 16985 e Centrosema acutifolium BRA 9211 e BRA 9229.

Descritores:Centrosema, produtividade, adaptação, solos distróficos.

ABSTRACT

With the purpose of evaluating forage yields of Centrosema accessions, which had been previously selected by CIAT to low fertility soils, an experiment was conducted at EMBRAPA-CPPSE, São Carlos,SP, on a Red-Yellow Latossol, using a randomized block design with four replicátions, and 23 accessions of C.pubescens (two controls) and 6 of C.acutifolium (two controls). Average dry matter yield of six harvests ranged from 1240 to 2960 kg/ha and the best yielding accessions were C.pubescens: BRA 16918 and BRA 16985, and C.acutifolium: BRA 9211 and BRA 9229.

Key Words:Centrosema, yield, distrophicsoils, adaptation

INTRODUÇÃO

Centrosema pubescens ocupa importante lugar entre as leguminosas usadas para a formação de pastagens no Brasil tropical (DOBEREINER & ARONOVICH, 1965). A planta possui folhas compostas, trifoliadas, inflorescencias plurífloras, com flores violáceas ou brancas; sementes cilíndricas oblongas, marmoradas, negras quando secas (BARBOSA-FEVEREIRO, 1977) hábito de crescimento trepador, raiz pivotante bem desenvolvida e é perene (MONTEIRO, 1977). Desenvolve-se bem onde a precipitação média anual é maior que 1270 mm e a temperatura média está entre 22°C e 30ºC (MATTOS, 1972). Essa espécie é considerada não adaptada a solos ácidos e de baixa fertilidade.

O presente trabalho teve por objetivo avaliar a adaptação e produção de matéria seca e de sementes de acessos de Centrosema previamente selecionados pelo CIAT, para solos de baixa fertilidade.

MATERIAIS E MÉTODOS

O ensaio foi instalado em 02/02/89, na EMBRAPA/Centro de Pesquisa de Pecuária do Sudeste, São Carlos,SP, situada a 22°01'S, 47°53'W, com altitude de 856 m e média de precipitação anual de 1502 mm, em Latossolo Vermelho-Amarelo, com características químicas apresentadas na TABELA 1, seguindo o delineamento de blocos ao acaso com quatro repetições.

Foram usados 23 acessos de Centrosema pubescens e 6 de C.acutifolium, conforme relação na TABELA 2.

A Figura 1 mostra as condições climáticas do período que o experimento foi conduzido.

As parcelas foram formadas por linhas de 10 plantas por acesso, com distância entre plantas de 0,25 m, sendo o espaçamento entre a última planta de uma parcela e a primeira da próxima parcela de 1,5 m e a distância entre sulcos de 2 m. Foram semeadas por cova, três sementes inoculadas com estirpe selecionada de Rhizobium. No plantio foi efetuada uma adubação fosfatada de 80 kg/ha de P2O5, com superfosfato simples e um mês após uma aplicação em cobertura de 50 kg/ha de K2O, usando-se cloreto de potássio.

Em três blocos foram avaliados os seguintes parâmetros: produção de matéria seca em seis cortes efetuados em 13/11/89, 25/01/90, 25/04/90, 26/11/90, 14/03/91 e 15/10/91, a capacidade de enraizamento, o crescimento dos ramos laterais e o desenvolvimento das plantas. No quarto bloco verificou-se o período de florescimento e a produção de sementes.

Para a avaliação de produção de matéria seca, foram realizadas amostragens em três locais de cada parcela com quadrado de 50 cm de lado, cortando-se as plantas a 5-10 cm do solo. Foi feito um corte de uniformização com o ensaio estabelecido (nove meses após a semeadura) e cortes para avaliações subsequentes no período chuvoso e no período seco. O material colhido foi seco em estufa a 65°C para a determinação do peso da matéria seca das amostras. O crescimento dos ramos laterais foi determinado através de medições (tres de cada lado), a partir do centro da parcela, antes de cada corte. A avaliação de capacidade de enraizamento foi feita através de escala de notas de O (sem enraizamento) a 5 (maior enraizamento), antecedendo os cortes. O desenvolvimento foi avaliado visualmente, usando-se uma escala de notas de 1 a 5, em 18/08/89, 20/02/90, 23/04/90, 20/09/90, 22/11/90, 14/03/91 e 15/10/91.

RESULTADOS

Nas TABELAS 3 e 4 encontram-se os resultados de produção de matéria seca: dos seis cortes, da média de produção desses seis cortes, do período de um ano (de 1990 e de 1991) e das épocas da água e da seca desses dois anos.

A análise estatística dos dados de produção de matéria seca, referente a épocas de corte, indicou o primeiro corte como o de maior produção, provavelmente devido ao maior período de crescimento das plantas (fevereiro a novembro de 1989). Neste primeiro corte destacou-se como maior produtora de matéria seca a Centrosema pubescens BRA 16918 (5260kg/ha). O sexto e último corte apresentou a menor produção de matéria seca verificando-se que vários acessos não persistiram em alguns blocos (C. pubescens BRA 17043, BRA 17051 e BRA 10111 e C.acutifolium BRA 4162 e BRA 4821). Em estudos de crescimento e adaptação de espécies de Centrosema no sul da Flórida, verificou-se que os ecotipos também eram perenes de vida curta (KRETSCHMER, JR., 1977). As médias de produção de matéria seca dos seis cortes indicaram que os acessos de C. pubescens BRA 16918 e BRA 16985 e C. acutifolium BRA 9211 e BRA 9229, destacaram-se dos demais com 2960 kg/ha, 2720 kg/ha, 2660 kg/ha e 2610 kg/ha, respectivamente.

Os acessos de C.pubescens BRA 10111 (testemunha), BRA 17043, BRA 17051 e C.acutifolium BRA 4162 (testemunha), apresentaram as menores médias de produção de matéria seca, onde a média geral obtida nos seis cortes foi de 2040 kg/ha.

No período de um ano (1990 = 2° + 3° + 4° cortes), destacaram-se os acessos: C. pubescens BRA 16985 e BRA 16918 e C. acutifolium BRA 9211. Na época das águas (2° + 3° cortes): C.pubescens BRA 16985 e C. acutifolium BRA 4821 (testemunha) e, na época seca (4° corte): C. acutifolium BRA 9211 e BRA 9229. No período de um ano (1991 = 5° + 6° cortes), destacou-se C. acutifolium BRA 9229. Na época das águas: C. acutifolium BRA 9229 e BRA 4821 e, das águas, não houve diferença entre acessos. Na época da seca (1990) num período de 5 meses, a produção média obtida foi de 4719 kg/ha e da seca (7 meses) de 1900 kg/ha (40% em relação ao período das águas) e em 11 meses do ano de 1991, num período de 4 meses (águas) a produção média obtida foi de 1733 kg/ha e de 7 meses (seca) de 885 kg/ha (51% em relação ao período das águas. A redução na produção nos períodos de menor precipitação pluvial também foi verificada por HERNANDEZ et al. (1992).

Em um trabalho semelhante executado na Colombia (HERNANDEZ et al., 1992), destacaram-se os acessos de C.pubescens CIAT 5277 (testemunha), CIAT 5568 (testemunha), CIAT 15150, CIAT 15160 e CIAT 5172, com uma produção de matéria seca acumulada variando de 7,5 a 23,7 t/ha, e uma média de produção acumulada de seis cortes (1 ano e 4 meses) de 12,1 t/ha.

No presente trabalho, destacaram-se os acessos de C.pubescens CIAT 18180 (BRA 16918), CIAT 15160 (BRA 16985) e C.acutifolium CIAT 5112 (BRA 9211) e CIAT 15533 (BRA 9229) e a produção de matéria seca acumulada variou de 7,4 a 17,8 t/ha com uma média de produção acumulada de seis cortes (2 anos e 8 meses) de 12,2 t/ha.

PAYNE et al. (apud. SKERMAN, 1977), conseguiram, em Sigatoka, uma produção média de três anos de 4950 kg/ha de matéria seca de Centrosema e DELISTOIANOV et al. (1987) produções de 1404 kg/ha (média de 3 anos). A produção (média de 2 anos e 8 meses) neste experimento foi de 4600 kg/ha. WILSON & LANSBURY (apud SKERMAN, 1977), relatam uma produção média anual de 13,5 t/ha de matéria verde. No Brasil, segundo SKERMAN (1977), tem sido observada uma produção média de 40 t/ha de matéria verde.

MATTOS & PEDREIRA (1984), observaram produções anuais de matéria seca de Centrosema de 2815 kg/ha; BUFARAM & PAULINO (1986), produções de 2587 kg/ha. Neste experimento a produção média de 1991 foi de 6599 kg/ha de matéria seca, e no ano de 1992 foi de 2717 kg/ha. A TABELA 5 traz os dados de produção de sementes e os meses de florescimento de cada acesso de Centrosema.

SKERMAN (1977) relata que produções de 220 a 275 kg/ha de sementes são usuais em Uganda e, 140 kg/ha, no Norte de Queenslandia e CAMERON (1984) produções de 300 a 600 kg/ha obtidas sob irrigação.

A produção de sementes foi pequena em 1989, devido a um florescimento desuniforme e grande quantidade de vagens abortadadas. Os acessos de C.acutifolium praticamente não produziram sementes. As maiores produções do primeiro ano foram obtidas pelos acessos de BRA 10111(88 kg/ha), e BRA 3191(62 kg/ha). No segundo ano, os acessos usados como testemunhas, produziram pouca ou nenhuma semente e os acessos de C.pubescens BRA 16951(494 kg/ha), BRA 16934(374 kg/ha) e BRA 16942 (314 kg/ha), apresentaram as maiores produções. O florescimento foi mais uniforme ocorrendo nos meses de abril, maio e junho. No terceiro ano, o período de florescimento foi mais longo (abril a setembro), e os acessos com mais produções de sementes, foram: C.pubescens BRA 16942 (298 kg/ha), BRA 16918 (242 kg/ha) e BRA 16951(211 kg/ha).

HERNANDEZ et al. (1992), também verificaram uma grande variabilidade entre acessos quanto a produção de sementes.

A TABELA 6 apresenta o crescimento lateral médio dos acessos de Centrosema. Os acessos que mostraram um maior crescimento lateral, foram: C.acutifolium BRA 9211 e BRA 9229.

Na TABELA 7 encontram-se as avaliações para a capacidade de enraizamento dos ramos laterais. Os acessos que apresentaram maior enraizamento lateral numa avaliação geral dos resultados descritos na Tabela 7, e, portanto, mostraram hábito rasteiro e mais agressivo, foram: C.acutifolium BRA 9211, BRA 9229 e BRA 9237 e C.pubescens BRA 14419. Por ocasião do 6° corte, todas as parcelas não apresentaram enraizamento dos ramos laterais.

Verificou-se que os acessos que apresentaram maior crescimento lateral mostraram também a maior produção de matéria seca, o mesmo acontecendo com os acessos que apresentaram maior enraizamento lateral, exceto os acessos C.acutifolium BRA 9237 e C.pubescens BRA 14419.

A TABELA 8 traz a avaliação visual do desenvolvimento dos acessos da Centrosema. Verifica-se, em avaliação geral dos resultados da Tabela 8, que os acessos que apresentaram maior produção de matéria seca (C.acutifolium BRA 9221 e BRA 9229) também se destacaram nas avaliações de desenvolvimento.

CONCLUSÕES

1. Os acessos que apresentaram a maior produção de matéria seca (média de seis cortes), foram: Centrosema pubescens BRA 16918 (2960 kg/ha); BRA 16985 (2720 kg/ha) e Centrosema acutifolium BRA 9221 (2660 kg/ha); BRA 9229 (2610 kg/ha).

2. Os acessos que mostraram as maiores produções de sementes, foram: C.pubescens BRA 16942 e BRA 16951. O acesso C.acutifolium BRA 9211, apresentou produção razoável de sementes em dois anos e o acesso de C.pubescens BRA 16918, mostrou boa produção de sementes em apenas um ano.

3. Os acessos que tiveram maior crescimento lateral, foram: C.acutifolium BRA 9211 e BRA 9229; e os que apresentaram maior enraizamento lateral, foram: C.acutifolium BRA 9211; BRA 9229; BRA 9237 e C.pubescens BRA 14419.

4. O maior desenvolvimento foi registrado pelos acessos que apresentaram a maior produção de matéria seca: C.acutifolium BRA 9211; BRA 9229.

5. O acesso que apresentou-se mais promissor foi C.acutifolium BRA 9211.

Enviado para publicação em 25.06.93

Aceito para publicação em 15.09.93

  • BARBOSA-FEVEREIRO, V.P. Centrosema (A.P. de Candolle) Bentham do Brasil - Leguminosae -Faboideae. Rodriguesia, v.9, n.42, p.159-219, 1977.
  • BUFARAH, G.; PAULINO, V.T. Competição de plantas forrageiras no Estado de São Paulo. I. Anhembi. Boletim da Industria Animal, Nova Odessa, v.43, n.1,p.75-85, 1986.
  • CAMERON, D.G. Tropical and subtropical pastures legumes. 2. Centro (Centrosemapubescens): a legume for the wet tropical coast. Queensland Agricultural Journal, v.110, n.4, p.2221-2225, 1984.
  • DELISTOIANOV, J.; PAULINO, V.T.; BUFARAH, G. Competição de plantas forrageiras no Estado de São Paulo, III. Colina, Boletim da Industria Animal, Nova Odessa, v.44, n.1, p.111-123, 1987.
  • DOBEREINER,J.A.; ARONOVICH,S. Efeito da calagem e da temperatura do solo na fixação de nitrogênio de Centros ema pubescens Benth, em solo com acidez de manganês. IN: CONGRESSO INTERNACIONAL DE PASTAGENS, 9, 1965, São Paulo. Anais São Paulo: Secretaría da Agricultura do Estado de São Paulo, 1965. 1974p.
  • HERNANDEZ, B.H.; BOLIVAR, F.D. SCHULTZE-KRAFT, R. Adaptación y productividade de 23 selecciones de Centrosema pubescen Benth en un suelo acido de baja fertilidad del piedemonte Llanero Colombiano. IN: REUNION SABANAS, 1., 1992, Brasília. Anais Brasília: EMBRAPA/CPAC/CIAT, 1992.p.405-13.
  • KRETSCHMER JR.; A.E. Growth and adaptability of Centrosema species in South Florida. Proceedings of Soil and Crop Science Society of Florida, v.36, p.164-168, 1977.
  • MATTOS, H.B. Características agronômicas de algumas leguminosas forrageiras de clima tropical. Piracicaba: .Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", 1972, 18p. Mimeografado.
  • MATTOS, H.B.; PEDREIRA, J.V.S. Crescimento estacionai de oito leguminosas forrageiras de clima tropical. Boletim da Indústria Animal, Nova Odessa, v.41, n.único, p. 145-57, 1984.
  • MONTEIRO, F.A. Nutrição mineral da Centrosema, Centrosema pubescens Benth. Zootecnia, Nova Odessa,SP, v.15, n.1, p.37-56, 1977.
  • PAYNE, W.J.A.; LAING, W.I.; MILES, N.S.; MASON, R.R. Fodder and pasture investigational work at Sigatoka, 1949-53. Fiji. Agrie. J. v.26, p.38-60, 1955 apud, SKERMAN, P.J. Tropical Forage Legumes, Rome: FAO, 1977, p.244-58 (Plant Production and Protection Series, 2).
  • SKERMAN,PJ. Tropical forage legumes. Rome: FAO, 1977. 609 p. (Plant Production and Protection, Series Nş.2).
  • WILSON, A.S.B.; LANSBURY, TJ. Centrosema pubescens: ground cover and forage crop in cleared rain forest of Ghana. Emp. J. Exp. Agric, v.26, p.351-64, 1958 apud SKERMAN,P.J. Tropical Forage Legumes Rome:FAO, 1977, 609 p. (Plant Production and Protection Series, 2).

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    27 Jul 2005
  • Data do Fascículo
    Abr 1994

Histórico

  • Recebido
    25 Jun 1993
  • Aceito
    15 Set 1993
Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" USP/ESALQ - Scientia Agricola, Av. Pádua Dias, 11, 13418-900 Piracicaba SP Brazil, Phone: +55 19 3429-4401 / 3429-4486 - Piracicaba - SP - Brazil
E-mail: scientia@usp.br