EFEITOS DE GIBERELINAS, CITOCININAS E DO NITRATO DE POTÁSSIO NO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO PORTA-ENXERTO DE LIMOEIRO `CRAVO'

S. LEONEL J.D. RODRIGUES Sobre os autores

Resumos

Os efeitos de reguladores vegetais do grupo das giberelinas e citocininas, bem como do nitrato de potássio, foram estudados no crescimento e desenvolvimento do porta-enxerto de limoeiro `Cravo' (Citrus limonia Osbeck). As sementes foram extraídas de frutos maduros, lavadas, secas à sombra e armazenadas em câmara fria (4 - 5oC) durante sessenta dias, até o mês de maio/1993, quando foram semeadas nos canteiros de semeadura. As pulverizações com os fitorreguladores foram realizadas no viveiro e tiveram início com as plantas aos 8 meses de idade, contados a partir da semeadura, sendo efetuadas um total de 4 pulverizações, realizadas a intervalos quinzenais. Os tratamentos corresponderam a: 25, 50 e 75 ppm de GA3; 25, 50 e 75 ppm de GA4+GA7+fenilmetil-aminopurina; 20 ppm de fenilmetilpiranil-aminopurina; 0,2% de KNO3 e testemunha (sem pulverização). Os resultados obtidos permitiram concluir que as pulverizações com os reguladores vegetais e com o nitrato de potássio, realizadas no período de janeiro a março (verão), não tiveram efeito na diminuição do tempo de formação das plantas jovens de limoeiro `Cravo', tendo inclusive, o tratamento com KNO3 0,2%, exercido efeito depressivo no desenvolvimento das mesmas.

reguladores vegetais; plantas jovens; Citrus limonia


The effects of gibberellins, cytokinins and potassium nitrate on the development of `Rangpur'lime (Citrus limonia Osbeck) rootstocks were studied. Seeds from ripe fruits were washed, dried and stored at 4 - 5o C for 60 days. They were planted in nursery plots in May/1993 and when the seedlings had 10 - 20 cm height, they were transplanted to a second nursery stage. The seedlings were sprayed at 15-day intervals, with plant regulators and potassium nitrate, after reaching the age of 8 months. From January to March/1993, the seedlings were sprayed with: 25, 50 and 75 ppm of GA3; 25, 50 and 75 ppm of GA4+7 + phenylmethyl-aminepurine; 20 ppm of phenylmethylpyranil-aminepurine; 0.2% of KNO3. The seedlings planted in May/1993 did not reach earlier suitable size for budding when compared to the control. The treatments with KNO3 0.2% showed a tendency to inhibit the seedling growth.

plant regulators; seedlings; Citrus limonia


EFEITOS DE GIBERELINAS, CITOCININAS E DO NITRATO DE POTÁSSIO NO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO PORTA-ENXERTO DE LIMOEIRO `CRAVO'

S. LEONEL1; J.D. RODRIGUES2

1Pós-Graduando do Depto. de Botânica-IB/UNESP.

2Depto. de Botânica-IB/UNESP, CEP: 18618-000 - Botucatu, SP.

RESUMO: Os efeitos de reguladores vegetais do grupo das giberelinas e citocininas, bem como do nitrato de potássio, foram estudados no crescimento e desenvolvimento do porta-enxerto de limoeiro `Cravo' (Citrus limonia Osbeck). As sementes foram extraídas de frutos maduros, lavadas, secas à sombra e armazenadas em câmara fria (4 - 5oC) durante sessenta dias, até o mês de maio/1993, quando foram semeadas nos canteiros de semeadura. As pulverizações com os fitorreguladores foram realizadas no viveiro e tiveram início com as plantas aos 8 meses de idade, contados a partir da semeadura, sendo efetuadas um total de 4 pulverizações, realizadas a intervalos quinzenais. Os tratamentos corresponderam a: 25, 50 e 75 ppm de GA3; 25, 50 e 75 ppm de GA4+GA7+fenilmetil-aminopurina; 20 ppm de fenilmetilpiranil-aminopurina; 0,2% de KNO3 e testemunha (sem pulverização). Os resultados obtidos permitiram concluir que as pulverizações com os reguladores vegetais e com o nitrato de potássio, realizadas no período de janeiro a março (verão), não tiveram efeito na diminuição do tempo de formação das plantas jovens de limoeiro `Cravo', tendo inclusive, o tratamento com KNO3 0,2%, exercido efeito depressivo no desenvolvimento das mesmas.

Descritores: reguladores vegetais, plantas jovens, Citrus limonia

ACTION OF GIBBERELLINS, CYTOKININS AND POTASSIUM NITRATE ON THE DEVELOPMENT OF `RANGPUR' LIME ROOTSTOCKS

ABSTRACT: The effects of gibberellins, cytokinins and potassium nitrate on the development of `Rangpur'lime (Citrus limonia Osbeck) rootstocks were studied. Seeds from ripe fruits were washed, dried and stored at 4 - 5o C for 60 days. They were planted in nursery plots in May/1993 and when the seedlings had 10 - 20 cm height, they were transplanted to a second nursery stage. The seedlings were sprayed at 15-day intervals, with plant regulators and potassium nitrate, after reaching the age of 8 months. From January to March/1993, the seedlings were sprayed with: 25, 50 and 75 ppm of GA3; 25, 50 and 75 ppm of GA4+7 + phenylmethyl-aminepurine; 20 ppm of phenylmethylpyranil-aminepurine; 0.2% of KNO3. The seedlings planted in May/1993 did not reach earlier suitable size for budding when compared to the control. The treatments with KNO3 0.2% showed a tendency to inhibit the seedling growth.

Key Words: plant regulators, seedlings, Citrus limonia

INTRODUÇÃO

A citricultura representa atualmente, uma das mais importantes atividades relacionadas com a agricultura no Brasil, sendo que o país é hoje o maior produtor mundial de suco cítrico concentrado e congelado.

Este fato, faz com que sejam de extrema importância os estudos com a propagação das plantas cítricas. Lima (1986) afirma ser a muda cítrica o insumo mais importante na formação de um pomar, devido principalmente ao caráter perene da cultura. Assim, adquire fundamental importância a escolha da muda, uma vez que esta é plantada e cuidada por um período de 6 a 8 anos, antes de revelar seu máximo potencial de produtividade e qualidade da fruta.

Normalmente, para se obter uma muda de citros é necessário um período de 18 a 36 meses, considerando-se o período de semadura até o transplante para o local definitivo (Coelho et al., 1983), sendo que esse tempo varia, dependendo da espécie considerada, da tecnologia empregada e, principalmente, das condições climáticas locais.

Existe um grande interesse na diminuição do tempo de formação da muda cítrica, uma vez que isto acarretaria em diferentes benefícios e, principalmente, numa diminuição dos custos.

Apesar de não ser uma técnica ainda difundida, o uso de reguladores vegetais surge como uma possibilidade para tal fim, isto porque, hormônios do grupo das giberelinas e citocininas estão relacionadas com o alongamento celular e com isso, têm efeitos fisiológicos sobre o crescimento e desenvolvimento das plantas (Metivier, 1986).

Segundo Hume (1952), o potássio é um elemento que desempenha uma função ativa na formação do amido, dos açúcares, do fruto e das partes lenhosas da árvore, estando relacionado com o enrijamento do lenho, tornando-o mais firme e vigoroso.

Desta maneira, o trabalho foi realizado, com o objetivo de estudar os efeitos de pulverizações de giberelinas e citocininas, bem como do nitrato de potássio, no crescimento e desenvolvimento de plantas jovens de limoeiro `Cravo' (Citrus limonia Osbeck), esperando-se com isso, uma diminuição no período de tempo necessário para que os "cavalinhos" (porta-enxertos) atinjam o ponto de enxertia.

MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi iniciado no mês de maio/1993, em área de campo da Fazenda Experimental São Manuel (SP), pertencente à UNESP - Campus de Botucatu. Foram coletados mensalmente os dados de termometria (oC), do local do experimento.

As sementes foram extraídas de frutos maduros, de plantas oriundas do pomar da mesma Fazenda, posteriormente foram lavadas, secas à sombra e armazenadas durante 60 dias em câmara fria (4 - 5 oC).

A semeadura foi realizada em 1 canteiro de 1 m de largura, 10 m de comprimento e altura de 15 cm, preparado em solo areno-argiloso, bem drenado e livre de agentes patogênicos, tendo sido previamente calcareado e adubado, de acordo com as recomendações de Teófilo Sobrinho (1991). A quantidade de sementes utilizada para a instalação da sementeira foi de 8400 sementes, para os 10 m2 de canteiro.

Os "cavalinhos" foram transplantados para o viveiro, após terem atingido a altura média de 10 - 20 cm, conforme a recomendação feita por Gama (1983), Prates & Bonin (1989) e Teófilo-Sobrinho (1991).

O viveiro cítrico correspondeu a uma área de 400 m2, com irrigação por aspersão, a qual havia sido arada, gradeada, calcareada e adubada, de acordo com análise de solo realizada antecipadamente e tomando como base as recomendações de Malavolta & Violante Netto (1989). O espaçamento empregado no viveiro foi de 1 m entre linhas e 40 cm entre plantas, totalizando 8 linhas de 50 m cada uma (Brasil, CESM/SP, 1986). Os tratos culturais consistiram na eliminação das plantas daninhas através da capina e realização de desbrotas, sempre que houve necessidade.

As pulverizações realizadas no viveiro, tiveram início quando as plantas estavam com 8 meses de idade, contados a partir da semeadura. Efetuaram-se um total de 4 pulverizações com os fitorreguladores, as quais foram realizadas a intervalos quinzenais (Coelho et al., 1983). Para tal, foi empregado pulverizador com capacidade para 5 litros de solução, sendo as plantas molhadas intensamente, até ser atingido o ponto de escorrimento, conforme o sugerido por Sidahmed (1978) e Coelho et al. (1983).

A calda correspondeu a uma solução diluída dos fitorreguladores em água, acrescentado do produto Extravon (alquil-fenol-poliglicoéter) na dosagem de 1,5 ml/5 l de água (Andrei, 1993), com a finalidade de facilitar melhor absorção dos produtos.

Os tratamentos corresponderam a: 25, 50 e 75 ppm de GA3; 25, 50 e 75 ppm de GA4+7 + fenilmetil-aminopurina; 20 ppm de fenilmetilpiranil-aminopurina; 0,2% de KNO3 e testemunha (sem pulverização). As substâncias utilizadas como tratamento, foram as seguintes: a. Pro-Gibb (produto comercial embalado pela Abbott Laboratórios do Brasil Ltda., contendo GA3 à 10%); b. Promalin (produto comercial contendo N-(fenilmetil)-1H-aminopurina à 1,8% e GA4/GA7 à 1,8%, fabricado pela Abbott Laboratories (U.S.A.); Acell (produto comercial contendo N-(fenilmetil)-9-(tetrahidro-2H-piranil)-9H-aminopurina à 1,3%, fabricado pela Abbott Laboratories (U.S.A.).

Considerou-se como "cavalinhos" prontos para a enxertia, aqueles que apresentaram diâmetro mínimo de um "lápis", em torno de 8 mm no ponto de enxertia (Prates & Bonin, 1989 e Teófilo Sobrinho, 1991), o qual está na altura de 10 - 20 cm, medidos a partir do colo da planta (Brasil, CESM/SP, 1986).

Nesta ocasião, foram avaliados os seguintes parâmetros: número de dias, decorridos da semeadura até os "cavalinhos" estarem prontos para a repicagem da sementeira para o viveiro; número de dias, decorridos da semeadura até os "cavalinhos" estarem prontos para a enxertia; altura média do caule (medida através de fita métrica e expressa em cm); diâmetro médio do caule (medido através de paquímetro e expresso em mm); número médio de folhas (medido através de contagem de todas as folhas da planta); área foliar (medida através de aparelho medidor de área foliar (Automatic Area Metter - modelo Aam-7) e expressa em cm2); peso médio da matéria seca das folhas e do caule (as folhas e o caule foram embalados em sacos de papel e mantidos em estufa de circulação forçada de ar a 75oC por 7 dias, até ser atingido peso constante e expresso em g).

O delineamento experimental empregado foi o de blocos ao acaso, com 7 tratamentos e 8 repetições, com 10 plantas por parcelas. Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância (teste F), sendo as médias comparadas pelo teste Tukey (Pimentel Gomes, 1990).

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Na TABELA 1 são encontrados os resultados obtidos para altura e diâmetro médio do caule, número médio de folhas, área foliar média e peso médio da matéria seca das folhas e do caule de plantas jovens de limoeiro `Cravo' (Citrus limonia Osbeck).

No parâmetro altura média do caule das plantas jovens de limoeiro `Cravo' plantadas em maio/1993. observou-se que não houve efeito positivo dos fitorreguladores e do nitrato de potássio, no aumento em altura do caule, quando comparado com o tratamento testemunha (T9), que apresentou a maior altura média do caule (88,50 cm).

Também observou-se que não houve efeito dos fitorreguladores e do nitrato de potássio, no aumento do diâmetro médio do caule das plantas jovens. Na semeadura realizada no mês de maio/1993 com as pulverizações realizadas no período de janeiro a março/1994, o tratamento testemunha (T9) apresentou o maior diâmetro médio do caule (8,22 mm), mas não diferiu estatísticamente dos reguladores vegetais, diferindo somente do nitrato de potássio 0,2% (T8), que apresentou o menor diâmetro médio do caule das plantas jovens (7,77 mm). Este fato, possivelmente possa ser explicado, porque a concentração empregada (T8 - KNO3 0,2% - 2.000 ppm) foi supra-ótima provocando aumento na taxa de transpiração das plantas.

Os tratamentos com os fitorreguladores e com o nitrato de potássio foram finalizados no início do outono, onde ocorreu paralização no crescimento vegetativo das plantas, atribuídas à diminuição na concentração de substâncias promotoras do crescimento endógenas e elevação na concentração de inibidores de crescimento, como o ácido abscísico, não sendo possíveis observações no aumento do diâmetro do caule das plantas jovens.

De acordo com Metivier (1986), o meio ambiente parece exercer efeito sobre a concentração de giberelinas. Segundo o autor, em condições de dias longos as plantas tendem a produzir mais giberelinas, que em condições de dias curtos.

Esta época de início do experimento (maio/1993), onde o término das pulverizações com os fitorreguladores, ocorreu no começo do outono, não se mostrou favorável para a indução de brotações. Com isso, aumento no número médio de folhas das plantas jovens pulverizadas com T1 (GA3 25 ppm), T2 (GA3 50 ppm), T3 (GA3 75 ppm), T4 (GA4+7 + citocinina 25 ppm), T6 (GA + citocinina 75 ppm) e T8 (citocinina 20 ppm), não foram estatísticamente maiores que T9 (testemunha).

De acordo com Monselise & Halevy (1962), a aplicação de diferentes concentrações de ácido giberélico, não afetou o número de folhas das plantas jovens de Citrus aurantifolia (limas ácidas).

Com porta-enxerto de laranja `Azeda' (Citrus aurantifolia L.), Sidahmed (1978), também confirmou que o número de folhas não sofreu alteração, devido às pulverizações com giberelinas.

No parâmetro área foliar houve diferenças significativas entre os tratamentos e as dosagens empregadas. Com o emprego do ácido giberélico a 25, 50 e 75 ppm (T1, T2 e T3), os incrementos em área foliar foram proporcionais aos incrementos nas dosagens, ou seja, houve aumentos de 6,01; 8,05 e 11,56%, respectivamente para T1, T2 e T3. O tratamento com nitrato de potássio (T8), não resultou em respostas favoráveis, apresentando a menor área foliar média (636,85 cm2) e sendo significativamente diferentes dos demais tratamentos.

Com relação ao peso médio da matéria seca das folhas, os resultados mostraram que o tratamento com GA3 75 ppm (T3) apresentou o maior peso médio da matéria seca das folhas (9,84 g), porém, sem ser significativamente maior que as dosagens de GA3 25 e 50 ppm. À medida que houve aumento nas concentrações de GA3 (25, 50 e 75 ppm), paralelamente o peso da matéria seca total das folhas aumentou, confirmando uma tendência biológica de aumento no crescimento, à medida que aumentaram as dosagens.

Utilizando laranja `Azeda' (Citrus aurantium L.), Sidahmed (1978) aplicou GA3 em porta-enxertos com oito meses de idade (fase de viveiro), nas concentrações de 0, 25, 50, 75, 100 e 200 ppm, em intervalos quinzenais, verificando aumento porcentual no crescimento, variável entre 13,95 e 38,80%, respectivamente, para as concentrações empregadas.

As aplicações de ácido giberélico a 25, 50 e 75 ppm (T1, T2 e T3) aumentaram biologicamente o peso da matéria seca total do caule em 1,14%; 3,98% e 8,37%, porém, estatísticamente, esses tratamentos foram iguais à testemunha (T9).

Nos demais tratamentos utilizados, houve diminuição porcentual variável neste parâmetro, sendo que o T8 (KNO3 0,2%), apresentou o menor peso médio da matéria seca total do caule, diferindo significativamente dos demais e sendo 42,49% menor que a testemunha, confirmando o que já foi discutido nos demais parâmetros analisados.

Sobre o tempo de formação das plantas jovens, não houve efeito dos fitorreguladores e do nitrato de potássio, na diminuição do tempo de formação dos "cavalinhos" para a enxertia. A semeadura foi realizada no outono, com temperaturas médias mensais na faixa dos 14oC, tendo atingido até 3oC no mês de julho, o que fez com que as plantas levassem mais tempo na sementeira (193 dias), sendo gastos cerca de 70 dias somente para observar-se a emergência das plantas jovens. Observou-se que praticamente todos os tratamentos realizados, atingiram o diâmetro mínimo necessário para a enxertia, ao mesmo tempo (372 dias).

Müller & Young (1982), informaram ser o tempo necessário para as plantas jovens de citros atingirem as condições de enxertia de 1 a 2 anos, dependendo da espécie considerada e das condições climáticas, sendo posteriormente confirmados por Coelho et al. (1983), os quais relataram ainda que o efeito de uma substância reguladora do crescimento depende de inúmeros fatores e, principalmente, da época de aplicação e das condições climáticas locais.

CONCLUSÕES

Fundamentando-se nos resultados obtidos, nas condições experimentais de realização do trabalho, foi possível concluir que as respostas ao uso dos reguladores vegetais e do nitrato de potássio, variaram de acordo com a fenofase da planta e as condições ambientais. As pulverizações com os fitorreguladores e nitrato de potássio, realizadas no período de janeiro a março (verão), não tiveram efeito na diminuição do tempo de formação das plantas jovens do porta-enxerto de limoeiro `Cravo', tendo o KNO3 0,2% exercido efeito depressivo no desenvolvimento dos mesmos, provavelmente devido ao aumento na taxa de transpiração.

Recebido para publicação em 28.09.95

Aceito para publicação em 07.02.96

  • ANDREI, E. Compęndio de defensivos agrícolas. 4.ed. Săo Paulo: Organizaçăo Andrei Editora Ltda., 1993. 448p.
  • BRASIL, Ministério da Agricultura/Comissão Estadual de Sementes e Mudas (CESM/SP). Produção de mudas fiscalizadas de citros - normas São Paulo, 1986. 77p.
  • COELHO, Y. da S., OLIVEIRA, A.A.R., CALDAS, R.C. Efeitos do ácido giberélico (AG3) no crescimento de porta-enxertos para citros. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.18, n.11, p.1229-1232, 1983.
  • GAMA, A.M.P. da. Produçăo de mudas cítricas. Informe Agropecuário v.9, n.102, p.20-27, 1983.
  • HUME, H.H. Cultura das plantas cítricas In: OSCHERY, J. (tradutor). Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura - Serviço de Informaçăo Agrícola, 1952. 562p.
  • LIME, J.E. de O. Novas técnicas de produçăo de mudas cítricas. Laranja, v.2, n.7, p.463-468, 1986.
  • MALAVOLTA, E., VIOLANTE NETTO, A. Nutriçăo mineral, calagem, gessagem e adubaçăo dos citros. Piracicaba: Associaçăo Brasileira para Pesquisa da Potassa e do Fosfato, 1989. 153p.
  • METIVIER, J.R. Citocininas e giberelinas. In: FERRI, M.G. Fisiologia vegetal 2.ed. Săo Paulo: EDUSP, 1986, v.2, cap.4 e 5, p.93-162.
  • MONSELISE, S.P., HALEVY, A.H. Effects of gibberellin and AMO-1618 on growth, dry matter accumulation, chlorophyll content and peroxidase activity of citrus seedlings. American Journal of Botany, v.49, p.405-412, 1962.
  • MULLER, J.A., YOUNG, M.J. Influence of gibberellic acid and effectiveness of several carriers on growth of sour orange (Citrus aurantium L.) seedlings. Hortscience, v.17, n.4, p.673-674, 1982.
  • PIMENTEL GOMES, F. Curso de estatística experimental 13ed. Piracicaba: Nobel, 1990. 468p.
  • PRATES, H.S., BONIN, F.A. Formaçăo da muda cítrica Limeira: Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de Săo Paulo e Associaçăo dos Produtores de Mudas de Limeira, 1989. Boletim Técnico VI Festa da Laranja. Prefeitura Municipal de Limeira. 8p.
  • SIDAHMED, O.A. Effects of different levels of gibberellic acid (GA3) on rgowth of sour orange (Citrus aurantium). Acta Horticulturae, v.84, p.165-169, 1978.
  • TEÓFILO SOBRINHO, J. Propagaçăo de citros. In: RODRIGUES, O., VIÉGAS, F., POMPEU JÚNIOR, J. et al. Citricultura brasileira 2.ed. Campinas: Fundaçăo Cargill, 1991. v.1, cap.12, p.281-301.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    11 Fev 1999
  • Data do Fascículo
    Maio 1996

Histórico

  • Aceito
    07 Fev 1996
  • Recebido
    28 Set 1995
Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" USP/ESALQ - Scientia Agricola, Av. Pádua Dias, 11, 13418-900 Piracicaba SP Brazil, Phone: +55 19 3429-4401 / 3429-4486 - Piracicaba - SP - Brazil
E-mail: scientia@usp.br