Carta de Marin Mersenne a Antoine d'Rebours em Paris

Letter from Marin Mersenne to Antoine de Rebours in Paris

DOCUMENTOS CIENTÍFICOS

Carta1 1 Essa carta encontra-se em Mersenne, 1932, 3, p. 570-2. de Marin Mersenne a Antoine d'Rebours2 2 Antoine de Rebours (1597-?) foi um dos visitadores de Mersenne. Ele retira-se para Port-Royal de Paris em 1640 e em 1643 é ordenado padre. Ele também foi amigo de Étienne Pascal, por quem teve grande apreço. Essa mesma carta é publicada juntamente com as Questions harmoniques. em Paris

Letter from Marin Mersenne to Antoine de Rebours in Paris

Senhor,

Há muito tempo eu procurava a ocasião de dar testemunho a todo o mundo da estima que tenho por vossas virtudes quando essas Questions harmoniques3 3 O texto em questão faz parte do conjunto dos tratados publicados em 1634. É interessante notar que neste pequeno tratado dedicado aos problemas relativos à harmonia não encontramos qualquer referência direta ao assunto que será abordado ao longo desta carta, a saber: os argumentos concernentes ao movimento terrestre. Contudo, é importante chamar a atenção para o fato de que Mersenne refere-se, particularmente nas questões 1 e 2 das Questions harmoniques, a dois elementos presentes no ceticismo: a impossibilidade de alcançarmos a verdade e a ataraxia. Tais elementos estão presentes na retórica cética utilizada por Mersenne em sua avaliação da realidade do movimento terrestre. são apresentadas para secundar meu desejo. Elas vêm, portanto, submeter-se a vossa censura da qual não esperam senão uma recepção favorável uma vez que todas as virtudes, tanto intelectuais quanto morais, que produzem um concerto agradável em vosso espírito, não se podem recusar a entrar em discursos que tratam da harmonia.

Mas, visto que a modéstia preside de tal modo as vossas virtudes que não permite jamais que elas brilhem em vossa presença, venho entreter-vos com outro assunto, o qual consiste em uma discussão que tive recentemente com um homem de bem acerca do movimento da Terra, a fim de que vós me façais saber o julgamento4 4 Mersenne pede, neste momento, o julgamento de Rebours com respeito aos problemas que serão posteriormente relatados, os quais, como indicado anteriormente, estão relacionados com o movimento da Terra. Entretanto, é interessante notar que algumas linhas antes Mersenne afirma que está enviando, juntamente com esta carta, o tratado Questions harmoniques, o qual, como dito acima, não contém qualquer relação com problemas astronômicos. Ao enviar uma cópia do tratado em questão, Mersenne pretende submetê-lo à censura de Rebours. O que nos causa estranheza é justamente o fato de que o restante da carta não trata de assuntos relacionados com a harmonia, mas com aqueles concernentes à astronomia e à cosmologia. Assim, é evidente que o objetivo da carta não consiste na eventual censura às Questions harmoniques, mas no julgamento de Rebours acerca da hipótese do movimento terrestre. Além disso, é importante notar a extrema prudência com a qual Mersenne trata o assunto. Como se verá mais adiante, ele opta por uma suspensão do juízo com respeito à hipótese aventada por Copérnico. que fareis das razões que ele aportou.

Ele toma a primeira da bela ordem que é observada entre todos os grandes corpos do mundo, cujos movimentos são tanto mais velozes quanto eles são menores, pois a Lua faz seu curso em 29 dias, Mercúrio em 80 dias, Vênus em nove meses, o Sol em um ano, Marte em dois, Júpiter em doze e Saturno em trinta anos, de sorte que os tempos dos circuitos que fazem esses corpos vão sempre aumentando na proporção de suas grandezas, e conseqüentemente o céu das estrelas deve ser imóvel, ou mover-se muito lentamente, a fim de preservar a mesma ordem dos outros céus, e em nada perturbar na harmonia do universo. O que não pode ocorrer se a Terra não se move em vinte e quatro horas.5 5 O argumento leva em conta a ordem e a harmonia que devem estar presentes no universo, tendo em vista o princípio de simplicidade, o qual será retomado mais adiante. Vale lembrar que o princípio de simplicidade comparece na terceira jornada do Diálogo de Galileu.

Ao que ele acrescentou que Deus, tendo criado os corpos precedentes, deixou-os cair de certos lugares até aqueles onde nós os vemos agora, dos quais ele modificou o movimento reto em circular, que lhes é tão natural quanto sua queda perpendicular, de modo que eles preservam sempre a mesma velocidade que adquiriram ao caírem. Ele não acredita também que seja possível que as estrelas façam 643.848 léguas em 1", visto que esta velocidade é incompreensível, e que a Terra suplemente este movimento fazendo 1/16 de légua.

Ora, a fim de resolver todas as dificuldades que se objetam contra esse movimento, ele mantém que o ar e a água, juntamente com tudo o que se encontra nesses dois elementos, compõem-se do mesmo movimento; e que a bala que sai da boca do canhão, disparada na direção do Ocidente e movimentando-se tão velozmente quanto a Terra, permanece sempre em um mesmo lugar real sem se mover, em virtude do movimento da Terra que a carrega tão longe para o lado do Oriente quanto ela [a bala] vai para o lado do Ocidente.6 6 A presente passagem é bastante confusa. Na verdade, encontramos aqui a indicação do motivo em virtude do qual rejeita-se o problema apresentado pelos partidários do geocentrismo. Nesse sentido, é importante que se esclareça o que está em jogo. Em primeiro lugar, Mersenne refere-se ao mesmo princípio defendido por Galileu na segunda jornada do Diálogo, a saber: aquele que assevera a participação de todos os elementos presentes na Terra no movimento realizado pela mesma. É preciso levar em conta que todo e qualquer movimento realizado nessas condições deverá ser concebido mediante a composição de dois movimentos distintos: aquele realizado pelo corpo e o movimento terrestre do qual ele inevitavelmente participa. Ora, uma vez que nós também estamos sujeitos ao segundo tipo de movimento, não podemos observar, do lugar onde naturalmente nos encontramos, a trajetória resultante daquela composição. É precisamente a partir disto que podemos compreender o exemplo indicado pelo autor. Segundo a perspectiva geocêntrica, se afirmamos o movimento de rotação da Terra, somos obrigados a reconhecer que a bala do canhão, sendo atirada na direção contrária ao movimento de rotação, permaneceria no mesmo lugar. Ora, não observamos tal fenômeno. Logo, a Terra está parada. É nessa perspectiva que Galileu introduz os elementos indicados acima. Com efeito, a bala não permanece no mesmo local justamente por que também participa, juntamente com tudo a sua volta, do movimento de rotação terrestre. Assim, para os habitantes da Terra, é como se esse movimento não existisse.

Há muito tempo afirmamos que é certo que a Terra se move em vinte e quatro horas em torno de seu eixo, se o Autor da natureza fez todas as coisas pelo caminho mais curto de todos os possíveis, e que é mais fácil e mais curto dar uma volta sobre o alto das torres de Notre Dame para ver toda a cidade de Paris do que se a cidade se movesse, e o olho permanecesse sempre em um mesmo lugar.7 7 Mersenne retoma aqui o princípio de simplicidade, segundo o qual a natureza deve operar da maneira mais simples possível. Assim, sendo Deus o criador dessa máquina, é preciso supor que ele tivesse escolhido o modo mais simples de operação.

Mas não teremos8 8 A passagem conflita com uma outra presente nas Questions theologiques, physiques, morales et mathematiques, na qual Mersenne sustenta que não há qualquer razão que demonstre inequivocamente a verdade da hipótese copernicana. Nela encontramos o seguinte: "[...] e possivelmente que alguém possa nos fornecer em breve outras hipóteses diferentes de todas aquelas que foram propostas até o presente, que serão tão simples e fáceis de compreender como aquelas de Copérnico, e que poderão ser mais verdadeiras" (Mersenne, 1985 [1634], p. 354). Como se vê, Mersenne defende nos tratados de 1634 uma postura diferente daquela apresentada nesta carta. Com efeito, naquela obra ele concebe a possibilidade de alcançarmos hipóteses que, por sua simplicidade e clareza, sejam mais verdadeiras do que aquelas propostas até então. Ainda assim, é preciso levar em conta que, um pouco mais adiante, o autor afirma: "Ora, essa dificuldade pode servir-nos para fazer-nos refletir sobre os princípios de outras ciências, que não são senão hipóteses, as quais não são possivelmente mais verdadeiras do que aquelas da astronomia, pois elas não são evidentes" (Mersenne, 1985 [1634], p. 354). Tais passagens nos indicam o quão reticente é a postura de Mersenne no que se refere ao valor cognitivo das hipóteses científicas, particularmente, daquelas relacionadas com a astronomia e a cosmologia. nem ciência nem revelação da maneira segundo a qual Deus regulou os movimentos do Universo, pois ainda que ele não faça qualquer coisa inutilmente, e que não haja nada de supérfluo em suas obras, entretanto, ele pode ter grandes razões, pelas quais faz girar o firmamento deixando a Terra imóvel.9 9 Encontramos aqui uma importante ressalva. Ainda que devamos recorrer ao princípio de simplicidade, é preciso levar em conta a onipotência e a vontade divinas. Desse modo, Mersenne, fortemente imbuído de seus compromissos religiosos, sustenta que a ordem presente no universo pode, em virtude dos atributos divinos, ser diferente daquela defendida pelo copernicanismo. Nessa medida, para Mersenne, a onipotência e a vontade divinas sobrepõem-se ao princípio de simplicidade. Trata-se evidentemente de um argumento teológico. É por esse motivo que me parece mais apropriado suspender nosso julgamento do que se deixar levar por conjecturas que se levantam em favor desse movimento, quaisquer que sejam as estações que os discípulos de Copérnico possam encontrar no epiciclo terrestre para medir os astros por meio do movimento anual, do qual eles privam o Sol para dá-lo à Terra.10 10 A posição de Mersenne frente ao problema que se coloca é bastante clara: é preciso suspender o juízo com respeito à realidade do movimento terrestre. Como sabemos, tal procedimento é tradicionalmente atribuído ao ceticismo. Alguns autores, como Popkin (2000) e Dear (1988), sustentam uma interpretação bastante particular quanto ao posicionamento filosófico de Mersenne. Segundo tais autores, Mersenne estaria filiado ao ceticismo mitigado ou, como prefere Popkin, ao ceticismo construtivo. Entretanto, acredito que tal interpretação não pode ser sustentada sem maiores dificuldades (cf Silva, 2003). Ainda que possamos detectar a presença do expediente cético de suspensão do juízo na presente passagem desta carta, isso não nos autoriza a imputar ao autor tal filiação. A meu ver, a suspensão de juízo tem, na verdade, uma função retórica particularmente vinculada ao problema da defesa do copernicanismo.

Eu deixo o restante dessa discussão, com a qual vos poderei entreter mais amplamente, quando eu tiver a felicidade de vos encontrar, pois não quero que esta carta vos aborreça com sua extensão.

Por isso, eu a termino com a promessa que vos faço de deduzir todas as suas outras razões, permanecendo sempre, meu senhor, vosso muito afeiçoado servidor,

Novembro de 1633

Mínimo.

Notas

Traduzido do original em francês por Paulo Tadeu da Silva

  • 1
    Essa carta encontra-se em Mersenne, 1932, 3, p. 570-2.
  • 2
    Antoine de Rebours (1597-?) foi um dos visitadores de Mersenne. Ele retira-se para Port-Royal de Paris em 1640 e em 1643 é ordenado padre. Ele também foi amigo de Étienne Pascal, por quem teve grande apreço. Essa mesma carta é publicada juntamente com as
    Questions harmoniques.
  • 3
    O texto em questão faz parte do conjunto dos tratados publicados em 1634. É interessante notar que neste pequeno tratado dedicado aos problemas relativos à harmonia não encontramos qualquer referência direta ao assunto que será abordado ao longo desta carta, a saber: os argumentos concernentes ao movimento terrestre. Contudo, é importante chamar a atenção para o fato de que Mersenne refere-se, particularmente nas questões 1 e 2 das
    Questions harmoniques, a dois elementos presentes no ceticismo: a impossibilidade de alcançarmos a verdade e a
    ataraxia. Tais elementos estão presentes na retórica cética utilizada por Mersenne em sua avaliação da realidade do movimento terrestre.
  • 4
    Mersenne pede, neste momento, o julgamento de Rebours com respeito aos problemas que serão posteriormente relatados, os quais, como indicado anteriormente, estão relacionados com o movimento da Terra. Entretanto, é interessante notar que algumas linhas antes Mersenne afirma que está enviando, juntamente com esta carta, o tratado
    Questions harmoniques, o qual, como dito acima, não contém qualquer relação com problemas astronômicos. Ao enviar uma cópia do tratado em questão, Mersenne pretende submetê-lo à censura de Rebours. O que nos causa estranheza é justamente o fato de que o restante da carta não trata de assuntos relacionados com a harmonia, mas com aqueles concernentes à astronomia e à cosmologia. Assim, é evidente que o objetivo da carta não consiste na eventual censura às
    Questions harmoniques, mas no julgamento de Rebours acerca da hipótese do movimento terrestre. Além disso, é importante notar a extrema prudência com a qual Mersenne trata o assunto. Como se verá mais adiante, ele opta por uma suspensão do juízo com respeito à hipótese aventada por Copérnico.
  • 5
    O argumento leva em conta a ordem e a harmonia que devem estar presentes no universo, tendo em vista o princípio de simplicidade, o qual será retomado mais adiante. Vale lembrar que o princípio de simplicidade comparece na terceira jornada do
    Diálogo de Galileu.
  • 6
    A presente passagem é bastante confusa. Na verdade, encontramos aqui a indicação do motivo em virtude do qual rejeita-se o problema apresentado pelos partidários do geocentrismo. Nesse sentido, é importante que se esclareça o que está em jogo. Em primeiro lugar, Mersenne refere-se ao mesmo princípio defendido por Galileu na segunda jornada do
    Diálogo, a saber: aquele que assevera a participação de todos os elementos presentes na Terra no movimento realizado pela mesma. É preciso levar em conta que todo e qualquer movimento realizado nessas condições deverá ser concebido mediante a composição de dois movimentos distintos: aquele realizado pelo corpo e o movimento terrestre do qual ele inevitavelmente participa. Ora, uma vez que nós também estamos sujeitos ao segundo tipo de movimento, não podemos observar, do lugar onde naturalmente nos encontramos, a trajetória resultante daquela composição. É precisamente a partir disto que podemos compreender o exemplo indicado pelo autor. Segundo a perspectiva geocêntrica, se afirmamos o movimento de rotação da Terra, somos obrigados a reconhecer que a bala do canhão, sendo atirada na direção contrária ao movimento de rotação, permaneceria no mesmo lugar. Ora, não observamos tal fenômeno. Logo, a Terra está parada. É nessa perspectiva que Galileu introduz os elementos indicados acima. Com efeito, a bala não permanece no mesmo local justamente por que também participa, juntamente com tudo a sua volta, do movimento de rotação terrestre. Assim, para os habitantes da Terra, é como se esse movimento não existisse.
  • 7
    Mersenne retoma aqui o princípio de simplicidade, segundo o qual a natureza deve operar da maneira mais simples possível. Assim, sendo Deus o criador dessa máquina, é preciso supor que ele tivesse escolhido o modo mais simples de operação.
  • 8
    A passagem conflita com uma outra presente nas
    Questions theologiques, physiques, morales et mathematiques, na qual Mersenne sustenta que não há qualquer razão que demonstre inequivocamente a verdade da hipótese copernicana. Nela encontramos o seguinte: "[...] e possivelmente que alguém possa nos fornecer em breve outras hipóteses diferentes de todas aquelas que foram propostas até o presente, que serão tão simples e fáceis de compreender como aquelas de Copérnico, e que poderão ser mais verdadeiras" (Mersenne, 1985 [1634], p. 354). Como se vê, Mersenne defende nos tratados de 1634 uma postura diferente daquela apresentada nesta carta. Com efeito, naquela obra ele concebe a possibilidade de alcançarmos hipóteses que, por sua simplicidade e clareza, sejam mais verdadeiras do que aquelas propostas até então. Ainda assim, é preciso levar em conta que, um pouco mais adiante, o autor afirma: "Ora, essa dificuldade pode servir-nos para fazer-nos refletir sobre os princípios de outras ciências, que não são senão hipóteses, as quais não são possivelmente mais verdadeiras do que aquelas da astronomia, pois elas não são evidentes" (Mersenne, 1985 [1634], p. 354). Tais passagens nos indicam o quão reticente é a postura de Mersenne no que se refere ao valor cognitivo das hipóteses científicas, particularmente, daquelas relacionadas com a astronomia e a cosmologia.
  • 9
    Encontramos aqui uma importante ressalva. Ainda que devamos recorrer ao princípio de simplicidade, é preciso levar em conta a onipotência e a vontade divinas. Desse modo, Mersenne, fortemente imbuído de seus compromissos religiosos, sustenta que a ordem presente no universo pode, em virtude dos atributos divinos, ser diferente daquela defendida pelo copernicanismo. Nessa medida, para Mersenne, a onipotência e a vontade divinas sobrepõem-se ao princípio de simplicidade. Trata-se evidentemente de um argumento teológico.
  • 10
    A posição de Mersenne frente ao problema que se coloca é bastante clara: é preciso suspender o juízo com respeito à realidade do movimento terrestre. Como sabemos, tal procedimento é tradicionalmente atribuído ao ceticismo. Alguns autores, como Popkin (2000) e Dear (1988), sustentam uma interpretação bastante particular quanto ao posicionamento filosófico de Mersenne. Segundo tais autores, Mersenne estaria filiado ao ceticismo mitigado ou, como prefere Popkin, ao ceticismo construtivo. Entretanto, acredito que tal interpretação não pode ser sustentada sem maiores dificuldades (cf Silva, 2003). Ainda que possamos detectar a presença do expediente cético de suspensão do juízo na presente passagem desta carta, isso não nos autoriza a imputar ao autor tal filiação. A meu ver, a suspensão de juízo tem, na verdade, uma função retórica particularmente vinculada ao problema da defesa do copernicanismo.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    16 Jun 2010
  • Data do Fascículo
    Jun 2004
Universidade de São Paulo, Departamento de Filosofia Rua Santa Rosa Júnior, 83/102, 05579-010 - São Paulo - SP Brasil, Tel./FAX: (11) 3726-4435 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: secretaria@scientiaestudia.org.br