(Atualizado: 08/06/2022)

Sobre o periódico

 

Informações básicas

 

A Revista Brasileira de Medicina do Esporte (RBME) é Órgão Oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE) e representa o principal veículo de divulgação da produção científica nas áreas da Medicina do Esporte e das Ciências do Exercício em nosso país. A RBME foi inaugurada em 1995 com periodicidade trimestral, passando a ser publicada bimensalmente de forma assídua e ininterrupta a partir de 1999.

A Revista Brasileira de Medicina do Esporte (RBME) é uma revista em acesso aberto de caráter inter e multidisciplinar, arbitrada e aberta a contribuições da comunidade científica nacional e internacional.

A RBME publica artigos originais com elevado mérito científico na área de Medicina do Exercício e do Esporte, preferencialmente artigos originais de interesse internacional, e não apenas os de relevância regional.

Seu objetivo é disseminar a produção científica nas áreas de Ciências do Exercício e do Esporte através da publicação de resultados de pesquisas originais e outras formas de documentos que contribuam para o conhecimento científico e aplicado em atividade física, exercício e esporte, no âmbito das ciências Biológicas e da Medicina.

A abreviatura de seu título é Rev Bras Med Esporte, que deve ser usada em bibliografias, notas de rodapé, referências e legendas bibliográficas.

 

 

Missão

 

A missão da RBME é disseminar a produção científica nas áreas de Ciências do Exercício e do Esporte, através da publicação de resultados de pesquisas originais e de outras formas de documentos que contribuam para o conhecimento fundamental e aplicado em Atividade Física, Exercício e Esporte no âmbito das Ciências Biológicas e da Medicina.

 

 

Fontes de indexação

 

A RBME é indexada nas seguintes bases:

  • Web of Science (ISI)
  • SciELO - Scientific Electronic Library Online
  • SIBRADID
  • SCOPUS
  • Index Copernicus
  • Excerpta Medica - EMBASE
  • Physical Education Index
  • LILACS - Literatura Latino-Americana em Ciências da Saúde
  • SIRC - Sportdiscus
 

 

Propriedade intelectual

 

Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons do tipo atribuição CC-BY.

 

 

Patrocinadores

 

A Revista Brasileira de Medicina do Esporte – RBME recebe apoio do (a):

  • Programa de Apoio a Publicações Científicas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).
  • Ministério do Esporte, Governo Federal do Brasil.
  • Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).
  • Ministério da Educação (MEC).
  • Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT).
 

 


Corpo Editorial

 

Editores

 

Editor Chefe
Medicina do Esporte aplicada na Traumato-Ortopedia

  • André Pedrinelli

Professor Livre Docente do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), São Paulo, SP, Brasil.

Editor Científico
Medicina do Esporte aplicada na Traumato-Ortopedia

  • Ricardo Munir Nahas

Departamento de Ortopedia do Hospital Ipiranga (UGA II). Secretaria de Saúde do Governo do Estado de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Hospital 9 de julho, São Paulo, SP, Brasil.

 

 

Editores Associados

 

Medicina do Esporte aplicada na Reabilitação 

  • Julia Maria D’Andrea Greve
    Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IOT HCFMUSP), São Paulo, SP, Brasil. Laboratório de Estudo do Movimento (LEM), São Paulo, SP, Brasil.

Medicina do Esporte aplicada na Fisiologia do Exercício

  • Paulo Sergio Martino Zogaib 
    Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/Unifesp), São Paulo, SP, Brasil.            

                                                                                      
Medicina do Esporte aplicada na Cardiologia

  • Patrícia Alves de Oliveira
    Unidade de Cardiologia do Exercício do Hospital Sírio-Libanês. Unidade de Reabilitação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (InCor HCFMUSP).

Medicina do Esporte aplicada na Traumato-Ortopedia

  • Thiago Lazzaretti Fernandes 
    Grupo de Medicina do Esporte do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IOT HCFMUSP), São Paulo, SP, Brasil.

Medicina do Esporte aplicada na Clínica Médica

  • Ana Carolina Côrte 
    Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), São Paulo, SP, Brasil.

Medicina do Esporte aplicada na Epidemiologia

  • Mateus Saito 
    Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), São Paulo, SP, Brasil.

Medicina do Esporte aplicada no Esporte Adaptado

  • Hésojy Gley Pereira Vital da Silva
    Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP, Brasil.

Medicina do Esporte aplicada na Nutrologia

  • Andrea Pereira
    Departamento de Oncologia e Hematologia do Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP, Brasil
 

 

Conselho Editorial

 

Membros Nacionais

  • Antônio Claudio Lucas da Nóbrega – Universidade Federal Fluminense. Niterói, RJ.
  • Arnaldo José Hernandez –  Universidade de São Paulo. São Paulo, SP.
  • Claudio Aparício Silva Baptista - Secretaria Municipal de Esportes de São Paulo. São Paulo, SP.
  • Cláudio Gil Soares de Araújo – Universidade Gama Filho. Rio de Janeiro, RJ.
  • Edimar Favaro - Sociedade Paulista de Medicina do Exercício e do Esporte. São Paulo, SP.
  • Eduardo Henrique De Rose – Comitê Olímpico Brasileiro. Porto Alegre, RS.
  • Fernanda de Souza N. Sardinha Mendes – Universidade Federal Fluminense. Niterói, RJ.
  • Flavia Meyer – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS.
  • João Ricardo Turra Magni – Grêmio Foot-ball Porto Alegrense. Porto Alegre, RS.
  • José Blanco Herrera – Universidade Católica de Brasília. Brasília, DF.
  • José Maria Santarem Sobrinho - Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.
  • Leonardo Silva Roever Borges - Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, MG.
  • Luciano Rezende – Secretaria Municipal de Saúde. Vitória, ES.
  • Marco Aurélio Moraes de Souza Gomes -Hospital Federal dos Servidores do Estado, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
  • Marco Túlio de Mello – Universidade Federal de São Paulo. São Paulo, SP.
  • Maria Augusta Peduti Dal Molin Kiss – Universidade de São Paulo. São Paulo, SP.
  • Nabil Ghorayeb – Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. São Paulo, SP.
  • Neiva Leite – Universidade Federal do Paraná. Curitiba, PR.
  • Páblius Staduto Braga da Silva – Grupo Fleury; Hospital 9 de Julho. São Paulo, SP.
  • Paulo de Tarso Veras Farinatti – Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ.
  • Renata Rodrigues Teixeira de Castro – Universidade Federal Fluminense. Niterói, RJ.
  • Ricardo Sten - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.
  • Roberto Yukio Ikemoto – Faculdade de Medicina do ABC. Santo André, SP.
  • Tales de Carvalho – Universidade Estadual de Santa Catarina.
  • Vitor Keihan Rodrigues Matsudo – Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul. São Caetano do Sul, SP.

Membros Internacionais

  • Dusan Hamar – Research Institute of Sports Science. Eslováquia.
  • Frank I. Katch – University of Massachusetts. EUA.
  • Italo Monetti – Organização Desportiva Sul-Americana. Uruguai.
  • Jon W. Wiliamson – University of Texas Southwestern Medical Center at Dallas. EUA.
  • José Veloso – Comitê Olímpico Uruguaio. Uruguai.
  • Josef Niebauer – University of Leipzig. Alemanha.
  • L. Britt Wilson – University of South Alabama. EUA.
  • Michael J. Joyner – University Of Arizona. EUA.
  • Timothy Noakes – University of Cape Town. África do Sul.
  • Walter Frontera – Harvard Medical School. EUA.
  • William D. Ross – Simon Fraser University. Canadá.
 

 

Editor Consultivo

 
  • Arthur Tadeu de Assis – Atha Comunicação e Editora. São Paulo, SP, Brasil.
 

 

Editora Executiva

 
  • Ana Carolina de Assis – Atha Comunicação e Editora. São Paulo, SP, Brasil.
 

 

Editora Administrativa

 
  • Atha Comunicação e Editora - São Paulo - Brasil
 

 

Produção Editorial

 

Coordenação editorial, criação, diagramação e produção gráfica:

  • Atha Comunicação e Editora
    Rua Machado Bittencourt, 190 - 04044-000 - São Paulo, SP, Brasil.
 

 


Instruções aos autores

 

Escopo e Política

 

A Revista Brasileira de Medicina do Esporte - RBME (Brazilian Journal of Sports Medicine), órgão oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE),    é uma publicação continuada sem fechamentos periódicos de edições, com versões em português e inglês .   A  RB ME  é  indexada nas seguintes bases bibliográficas: SciELO, Web of Science, Excerpta Medica-EMBASE, Physical Education Index, LILACS, SIRC-Sportdiscus, e Scopus.

A publicação segue integralmente o padrão internacional do International Committee of Medical Journal Editors (ICMJE) ou Convenção de Vancouver, e seus requisitos de uniformização.

Taxa de Publicação: Para possibilitar a sustentabilidade e continuidade da RBME, informamos aos autores que desde de janeiro de 2014 foi instituída uma taxa de publicação dos artigos. Os autores são responsáveis pelo pagamento da taxa dos trabalhos aceitos para a publicação, que será cobrada do autor correspondente quando o trabalho for aprovado. Após a aceitação do manuscrito comunicada pelo editor-chefe, os autores deverão efetuar um depósito bancário em nome da Associação Brasileira de Medicina do Esporte, CNPJ 30.504.005-0001-12, Banco Bradesco, agencia 0449, Conta 0001353-6. O comprovante de depósito deve ser enviado para o e-mail atharbme@uol.com.br, mencionando o número de protocolo do trabalho (RBME-0000), o título do artigo e o nome do autor correspondente, o valor da taxa de publicação é de R$ 2.000,00 -  (US$ 600) para artigos submetidos nas versões inglês e português.

Taxa de Tradução: A RBME é publicada nas versões inglês e português. Os artigos podem ser submetidos em língua portuguesa e/ou inglesa. Para os artigos aprovados, é obrigatória a entrega do segundo idioma caso o autor tenha optado em submeter o artigo em apenas um idioma. Se submetido em inglês deverá ser enviada a versão em português e vice-e-versa. O autor pode solicitar a tradução para a RBME em 5 dias ou entregar a tradução no prazo máximo de 25 dias após a comunicação da aprovação (verifique os valores e informações nos quadros abaixo). No caso da não entrega, o artigo será cancelado.

Portanto para os artigos aprovados, é obrigatória a tradução para o segundo idioma. Recomendamos o envio dos artigos nos dois idiomas durante o processo de submissão para a agilização da produção. As solicitações de adequação durante o processo de editoração do manuscrito após aceito, devem ser efetuadas nas duas versões.

Tradução efetuada pelo autor:

  1. O autor que submeteu o seu artigo somente num idioma, deverá informar via e-mail atharbme@uol.com.br, em até 5 dias úteis, se realizará a tradução pela RBME ou individualmente.
  2. O artigo traduzido deverá ser enviado em até 25 dias corridos da data da comunicação do aceite para a publicação.
  3. Orientamos a todos uma revisão profissional do inglês antes do envio. No caso de necessidades de ajustes, poderão ser cobradas taxas adicionais ou o artigo retornado.
  4. Após diagramado, uma prova final será enviada ao autor, que terá 2 dias para realizar apenas correções mínimas. No caso de não haver resposta, esta será considerada a versão final.

O não recebimento em 25 dias do artigo implicará no cancelamento da publicação do mesmo.

Tradução efetuada pela RBME:

  1. O autor que submeteu o seu artigo somente num idioma, deverá informar via e-mail atharbme@uol.com.br, em até 5 dias úteis, se realizará a tradução pela RBME ou individualmente.
  2. Valores para a tradução: os artigos serão divididos em 3 grupos (conforme opções listadas abaixo) para o pagamento da tradução português/inglês juntamente com a taxa de publicação:
  3. O autor terá até 7 dias corridos, a contar da data do recebimento da comunicação,  para efetuar o pagamento conforme orientação descrita no parágrafo Taxa de Publicação, citado acima.
  4. Após diagramado, uma prova final será enviada ao autor, que terá 2 dias para realizar apenas correções mínimas.  No caso de não haver resposta, esta será considerada a versão final.

Taxa de Publicação + Taxa de Tradução

Opção 1: 

Submissão do artigo nas versões inglês e português. Será cobrada apenas a taxa de publicação :R$ 2.000,00 -  (US$ 600).
 

Opção 2: 

Submissão do artigo na versão português . Será cobrada a taxa de publicação R$ 2.000,00 + a taxa de tradução R$ 850,00, num total de  : R$ 2.850,00-  (US$ 850).
 

Opção 3: 

Submissão do artigo na versão inglês . Será cobrada a taxa de publicação R$ 2.000,00 + a taxa de tradução R$ 500,00, num total de  : R$ 2.500,00-  (US$ 750).
 


Observação: Para os associados , quites com as suas obrigações, da Sociedade Brasileira de Medicina e do Exercício e do Esporte (SBMEE) o valor da taxa de publicação corresponde a R$ 1.700,00 (US$ 530).

Por ocasião da submissão do manuscrito, após completar o cadastro, o autor deverá ler e concordar com os termos de originalidade, relevância e qualidade, bem como sobre a cobrança da taxa. Ao indicar ciência destas normas, o manuscrito será registrado no sistema para avaliação.

O não recebimento do pagamento em 7 dias, a contar da data do recebimento da comunicação, implicará  no cancelamento da publicação do mesmo.

 

 

Forma e preparação de manuscritos

 

Instruções para o envio dos artigos: 
Todos os artigos deverão ser submetidos diretamente no Sistema de Submissão SciELO. https://mc04.manuscriptcentral.com/rbme-scielo . Na submissão eletrônica do artigo, os autores deverão anexar como documentos suplementares: (1) Termo de Divulgação de Potencial Conflito de Interesses;2) Termo de Originalidade; (3) Declaração de Contribuição dos Autores, com o número do ORCID (Open Researcher and Contributor ID)de cada autor; (4) Certificado de tradução da versão inglês por tradutor profissional.  Não serão aceitas submissões por e-mail, correios ou quaisquer outras vias que não a submissão eletrônica no endereço eletrônico mencionado.

Dupla submissão: Os artigos submetidos à RBME serão considerados para publicação somente com a condição de que não tenham sido publicados ou não estejam em processo de avaliação para publicação em outro periódico. 

Plágio: A revista adota o sistema Similarity Check/Ithenticate de detecção de plágio, porém todo conteúdo publicado nos artigos é de inteira responsabilidade dos autores. Em caso de detecção de qualquer forma de plágio, os autores que submeteram o artigo serão notificados pela revista com questionamento de conduta para o direito de manifestação e justificativa. Sob ocorrência de publicação de plágio no periódico, o artigo publicado não será retirado da edição, sendo aposto à publicação um adendo informativo de plágio com identificação explicita na folha de rosto por tarja de tamanho integral sobre o conteúdo. O periódico não se responsabiliza por notificar os autores do conteúdo original.

Conflito de interesses: Os autores deverão explicitar qualquer potencial conflito de interesses relacionado ao artigo submetido, conforme determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (RDC 102/ 2000) e do Conselho Federal de Medicina (Resolução nº 1.595/2000). Esta exigência visa informar aos editores, revisores e leitores sobre relações profissionais e/ou financeiras (como patrocínios e participação societária) com agentes financeiros relacionados a produtos farmacêuticos ou equipamentos envolvidos no trabalho, os quais podem, teoricamente, influenciar as interpretações e conclusões do mesmo. A declaração de conflito de interesses será publicada ao final de todos os artigos. 

Bioética de experimentos com seres humanos
A realização de experimentos envolvendo seres humanos deve seguir a resolução específica do Conselho Nacional de Saúde (nº 196/96) disponível em http://www.conselho.saude.gov.br, incluindo a assinatura de um Termo de Consentimento Informado e a proteção da privacidade dos voluntários. Nos trabalhos experimentais envolvendo seres humanos, os autores devem indicar se os procedimentos seguiram os padrões éticos do comitê responsável por experimentação humana (institucional e nacional) e da Declaração de Helsinki de 1975, revisada em 2008. Deve ser enviada a declaração de aprovação do comitê de ética local realizada por meio da Plataforma Brasil. Estudos realizados em humanos devem estar de acordo com os padrões éticos e com o devido consentimento livre e esclarecido dos participantes conforme Resolução 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde do Ministério da Saúde (Brasil), que trata do Código de Ética para Pesquisa em Seres Humanos e, para autores fora do Brasil, devem estar de acordo com Comittee on Publication Ethics (COPE).

Bioética de experimentos com animais 
O trabalho descrito no artigo deve ter sido realizado de acordo com os princípios éticos em experimentação animal, de acordo com a Lei 11.794/08, que estabelece os procedimentos para o uso científico de animais e trata da obrigatoriedade de submissão dos projetos de pesquisa aos comitês de ética em pesquisa das instituições (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11794.htm).
Para mais informações, consulte o Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA) e o Colégio Brasileiro de Experimentação Animal (COBEA) .

Ensaios clínicos: A RBME apoia a políticas de registro de ensaios clínicos da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do International Committee of Medical Journal Editors (ICMJE), reconhecendo a importância destas iniciativas para o registro e divulgação internacional de informação sobre estudos clínicos em acesso aberto. Sendo assim, somente serão aceitos para publicação os artigos de pesquisas clínicas que tenham recebido um número de identificação em um dos Registros de Ensaios Clínicos validados pelos critérios estabelecidos pela OMS e ICMJE, cujos endereços eletrônicos estão disponíveis na página do ICMJE.

Revisão por pares (Peer-review): Após a verificação completa da secretaria editorial e a análise preliminar dos editores (desk review)  os artigos que passarem por essa etapa serão ser enviados para avaliação de dois pareceristas independentes com experiência e competência profissional na respectiva área do trabalho e emitirão pareceres que serão utilizados pelos editores para decidir sobre a aceitação do mesmo. Os critérios de avaliação dos artigos incluem: originalidade, contribuição relevante para a área, metodologia adequada, clareza e atualidade. Considerando o crescente número de submissões à RBME, os artigos serão também avaliados quanto à sua relevância e a sua contribuição para o conhecimento específico na área. Assim, artigos com metodologia adequada e resultados condizentes poderão não ser aceitos para publicação se julgados como sendo de baixa relevância pelos editores. Tal decisão de recusa não estará sujeita a recurso ou contestação por parte dos autores. Os artigos aceitos para publicação poderão sofrer revisões editoriais para facilitar sua clareza e entendimento sem, contudo, alterar o conteúdo. Nos artigos aceitos serão identificado(s) o(s) editore(s) e/ou revisore(s) responsáveis pela aprovação do manuscrito,

PROCESSO DE REVISÃO E INFORMAÇÕES ADICIONAIS

  • Todas as contribuições científicas seguem a seguinte ordem de análise:
    Secretaria Editorial → Editor-Chefe → Editores Associados e Membros do Conselho Editorial.
  • Todos os trabalhos enviados a RBME serão submetidos à avaliação inicial dos editores (desk review), que decidirão, ou não, pelo envio à revisão por pares (peer review).
  • Só serão encaminhados aos revisores os artigos que estejam rigorosamente de acordo com as normas especificadas e contendo todos os documentos suplementares requeridos.
  • Caso não exista o envio completo dos documentos a submissão do artigo será arquivada em 7 dias.
  • Os autores têm o prazo de 30 dias a contar da data do recebimento da comunicação, para proceder às modificações solicitadas pelos revisores. O não cumprimento desse prazo implicará na retirada do artigo do processo de revisão.
  • Não serão aceitas alterações volumosas ou substanciais após o aceite do artigo para a publicação, bem como na prova final do artigo.
  • As comunicações serão realizadas exclusivamente por mensagem via sistema e e-mail.
  • As solicitações enviadas pela RBME antes da aprovação do artigo devem ser efetuadas pelo Sistema de Submissão SciELO.
  • As solicitações enviadas pela RBME após a aprovação do artigo devem ser efetuadas pelo e-mai atharbme@uol.com.br e não mais pelo Sistema de Submissão Submissão SciELO.
  • O assunto referenciado no e-mail atharbme@uol.com.br não deve ser alterado e questões não pertinentes ao assunto citado deverão ser enviadas em outra comunicação com tema adequado e número de identificação do artigo.
  • As versões finais diagramadas (português e inglês) serão enviadas para o autor, que deverá retornar em 48h com apenas alterações mínimas. Caso o autor não responda no prazo, estas serão consideradas as versões finais para publicação, não havendo possibilidade de alterações posteriores.


Preprint: A RBME aceita a submissão de artigos publicados como  preprint. Um preprint é um manuscrito científico completo que é depositado pelos autores em um servidor público. Este pode ser previamente publicado sem passar por avaliação pelos pares e pode ser visualizado gratuitamente por qualquer pessoa no mundo, em plataformas hoje desenvolvidas para este propósito, como a plataforma Scielo PrePrint. Na maioria dos casos, o mesmo trabalho publicado como preprint também é submetido para avaliação por pares em um periódico. Assim, os preprints (não validados através de peer-review) e a publicação de periódicos (validados por meio de peer review) funcionam em paralelo como um sistema de comunicação para a pesquisa científica.1,2

Compartilhamento de dados: A RBME estimula o compartilhamento, a citação e o referenciamento de todos os dados, códigos de programas e outros conteúdos subjacentes aos textos dos artigos com vistas a facilitar a avaliação das pesquisas, à replicabilidade das pesquisas, à preservação e reuso dos conteúdos.  O compartilhamento de dados poderá ser publicado na plataforma Scielo Dataverse.

As citações devem facilitar o acesso ao conteúdo das pesquisas, assim como são citados artigos, livros e publicações online, o dados devem ser citados em um lugar apropriado no texto e a referência citada na lista de referência conforme as normas Vancouver.3

Preparação dos artigos: O periódico RBME recebe apenas os seguintes tipos : artigo original, artigo de revisão, revisão sistemática, atualização, meta-análise, relato de caso, carta ao editor e editorial.

Os artigos submetidos devem ser digitados em espaço duplo, fonte Arial 12 em página tamanho A4, sem numerar linhas ou parágrafos. Figuras e tabelas devem ser apresentados ao final do artigo em páginas separadas.  No corpo do texto deve-se informar os locais para a inserção das tabelas ou figuras. Números menores que 10 são escritos por extenso, enquanto que números maiores ou igual a 10 são expressos em algarismos arábicos. Os artigos que não estiverem de acordo com as instruções aos autores em relação ao estilo e ao formato serão devolvidos sem revisão pelo Conselho Editorial.

As medidas deverão ser expressas no Sistema Internacional (Système International, SI), e unidades padrão, quando aplicável. Recomenda-se aos autores não usarem abreviações no título e limitar a sua utilização no resumo e ao longo do texto. Os nomes genéricos devem ser usados ​​para todas as drogas. Os fármacos podem ser referidos pelo nome comercial, porém, deverá constar o nome, cidade e país ou endereço eletrônico do fabricante entre parênteses na seção Materiais e Métodos.

Checklist: A RBME recomenda fortemente que os autores sigam os padrões de Checklist e fluxograma respectivamente indicados para o tipo de artigo submetido:
CONSORT - ensaios controlados e randomizados
STARD  - estudos de acurácia diagnóstica
MOOSE  - metanálises e revisões sistemáticas de estudos observacionais
PRISMA  - revisões sistemáticas e metanálises
STROBE  - estudos observacionais
RATS  - estudos qualitativos

Abreviaturas: O uso de abreviaturas deverá ser minimizado. As abreviaturas deverão ser definidas por ocasião de sua primeira utilização no resumo e também no texto. Abreviaturas não padronizadas não deverão ser utilizadas, a menos que essas apareçam pelo menos três vezes no texto.
Unidades de medida (3 ml ou 3 mL, e não 3 mililitros) ou símbolos científicos padrão (elementos químicos, por exemplo, Na, e não sódio) não são consideradas abreviaturas, e portanto, não necessitam serem definidos. Abreviar substâncias químicas e termos utilizados para combinações terapêuticas. Abreviaturas em figuras e tabelas poderão ser utilizadas por razões de espaço, porém deverão ser definidas na legenda, mesmo que tenham sido definidas no texto do artigo.

Autores: Recomendamos fortemente até 6 autores por artigo. Em casos excepcionais permitiremos até no máximo 10 autores.

Identificação dos autores: O número do ORCID (Open Researcher and Contributor ID) de cada um dos autores deverá ser informado na declaração de contribuição dos autores, conforme modelo abaixo. 

Declaração de contribuição de autores: A declaração da contribuição dos autores deverá ser incluída ao final do artigo com a utilização de dois critérios mínimos de autoria, entre eles: 

  • Contribuição substancial na concepção ou desenho do trabalho, aquisição, análise ou interpretação dos dados para o trabalho; 
  • Redação do trabalho ou revisão crítica do seu conteúdo intelectual; 
  • Aprovação final da versão do manuscrito a ser publicado;
  • Estar de acordo em ser responsabilizado por todos os aspectos do trabalho, no sentido de garantir que qualquer questão relacionada à integridade ou exatidão de qualquer de suas partes sejam devidamente investigadas e resolvidas.

Todos os artigos deverão incluir a descrição da contribuição dos autores, conforme modelo: 
“Cada autor contribuiu individual e significativamente para o desenvolvimento do manuscrito. MJ (0000-0000-0000-0000)*: redação, revisão e realização das cirurgias; CPV (0000-0000-0000-0000)*: cirurgias, análise dos dados e redação.  JVC (0000-0000-0000-0000)*: análise estatística, cirurgias e revisão. OMA (0000-0000-0000-0000)*: análise das lâminas e revisão. MASP (0000-0000-0000-0000)*: redação e revisão e conceito intelectual.  ACA (0000-0000-0000-0000)*: cirurgia, redação, análise estatística, conceito intelectual e confecção de todo o projeto de pesquisa. *ORCID (Open Researcher and Contributor ID).”

Formato dos arquivos: Usar editor de texto Microsoft Word® para Windows® ou equivalente. Arquivos em formato PDF não serão aceitos. As tabelas e quadros deverão estar em seus arquivos originais editáveis (Excel, Acess, Powerpoint, etc.) As figuras deverão estar nos formatos jpg ou tif em alta resolução (300 dpi). As figuras deverão estar incluídas no arquivo Word, mas também deverão ser enviadas separadamente (anexadas durante a submissão do artigo como documento suplementar em seus arquivos originais).

Página de rosto: A página de rosto deverá conter (1) a categoria do artigo; (2) o título do artigo em português, inglês e espanhol com até 80 caracteres cada, e deverá ser objetivo e informativo; (3) os nomes completos dos autores; instituição; formação acadêmica de origem (a mais relevante: p. ex. médico, fisioterapeuta, psicólogo, profissional de educação física, entre outros); cidade, estado e país; (4) nome do autor correspondente, com endereço completo, telefone e e-mail. A titulação dos autores não deverá ser incluída. O nome completo de cada autor (sem abreviações); e sua afiliação institucional (nota: as unidades hierárquicas devem ser apresentadas em ordem decrescente, por exemplo, universidade, faculdade ou instituto e departamento) deverão ser informados. Os nomes das instituições e programas deverão ser apresentados preferencialmente por extenso e na língua original da instituição ou na versão em inglês quando a escrita não é latina (p.ex. árabe, mandarim ou grego);

Resumo: Os resumos em português, inglês e espanhol deverão ser incluídos no artigo.  Em cada um dos idiomas não deverão conter mais do que 300 palavras. A versão estruturada é obrigatória nos artigos originais e inclui introdução, objetivos, métodos, resultados e conclusão. Artigos de revisão e demais artigos não requerem resumo estruturado.

No resumo deverão ser incluídos o Nível de Evidência e o Tipo de Estudo, conforme tabela de classificação anexada ao final deste texto. Na submissão também deve-se enviar antes do resumo estruturado em inglês as seguintes informações segmentadas, com até 1 parágrafo: a) Desenho do Estudo e b) Declaração de Relevância Clínica.

  • Exemplo: “Study Design: The design utilized an experimental, controlled prospective, randomized, and pretest/posttest study. Clinical Relevance Statment: The study shows that there is a need for a physical conditioning program for transtibial amputation persons after the protetization phase to achieve adequate functional performance. Rehabilitation centers should rethink how to include concurrent training during and after prostetization to prevent loss of functional capacity.”

     

Palavras-chave: O artigo deverá incluir no mínimo três e no máximo seis descritores nas versões português, inglês e espanhol, baseados nos Descritores de Ciências da Saúde (DeCS) ou no Medical Subject Headings (MeSH) da National Library of Medicine, disponível em oubaseados no Medical Subject­Heading (MeSH), do Index Medicus.

Introdução: A introdução deverá conter (1) justificativa objetiva para o estudo, com referências pertinentes ao assunto, sem realizar uma revisão extensa; (2) objetivo do artigo. 

Materiais e Métodos: Esta seção deverá descrever os experimentos (quantitativa e qualitativamente) e os procedimentos em detalhes suficientes, que permitam que outros pesquisadores reproduzam os resultados ou deem continuidade ao estudo e  deverá conter: (1) a descrição clara da amostra utilizada; (2) termo de consentimento livre e esclarecido, para estudos experimentais envolvendo seres humanos; (3) identificação dos métodos, aparelhos (nome do fabricante deve ser mencionado entre parênteses) e procedimentos utilizados; (4) descrição breve e referências de métodos publicados, mas não amplamente conhecidos; (5) descrição detalhada de métodos novos ou modificados; (6) quando pertinente, incluir a análise estatística e os programas utilizados. 

Importante: Ao relatar experimentos com seres humanos ou animais, indicar se os procedimentos seguiram as normas do Comitê Ético sobre Experiências Humanas da instituição na qual a pesquisa foi realizada, e se os procedimentos estão de acordo com a declaração de Helsinki de 1995 e a Animal Experimentation Ethics, respectivamente. Os autores deverão incluir uma declaração indicando que o protocolo foi aprovado pelo Comitê de Ética da Instituição (instituição de afiliação de pelo menos um dos autores), com o respectivo número de identificação. Também deverão incluir que o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido foi assinado por todos os participantes.

Resultados: Apresentar os resultados em sequência lógica no texto, usando tabelas e figuras.  Evitar repetição excessiva de dados no texto, em tabelas ou figuras, porém, enfatizar somente as descobertas mais importantes. 

Discussão: Enfatizar os aspectos originais e importantes do estudo e as conclusões que decorrem deste, evitando, porém, repetir dados já apresentados em outras partes do manuscrito. Em estudos experimentais, ressaltar a relevância e limitações dos resultados, confrontando com os dados da literatura e incluindo implicações para estudos futuros. 

Conclusão:   Deve ser clara e concisa, baseada nos  resultados obtidos, estabelecendo ligação com implicações clínicas evitando, porém, excessiva generalização).  A mesma ênfase deverá ser dada a estudos com resultados negativos ou positivos. Recomendações poderão ser incluídas, quando relevantes.

Agradecimentos: Quando pertinente, incluir agradecimento ou reconhecimento a pessoas que tenham contribuído para o desenvolvimento do trabalho, porém não se qualificam como coautores. Fontes de financiamento como auxílio a pesquisa e bolsas de estudo deverão ser reconhecidos nesta seção. Os autores deverão obter permissão por escrito para mencionar nomes e instituições de todos os que receberam agradecimentos nominais. 

Referências: As citações das referências deverão ser numeradas na sequência em que aparecem no texto, em formato sobrescrito,  p. ex.: 1,2,3. As referências citadas somente em tabelas ou figuras devem ser numeradas de acordo com sequência estabelecida pela primeira menção da tabela ou da figura no texto. O estilo das referências bibliográficas deverá seguir as regras do Uniform Requirements for Manuscripts Submitted to Biomedical Journals (International Committee of Medical Journal Editors disponível em Ann Intern Med. 1997;126(1):36-47 http://www.icmje.org). Alguns exemplos são mostrados a seguir. Os títulos dos periódicos deverão ser abreviados de acordo com o Index Medicus (List of Journals Indexed disponível em: http://www.nlm.nih.gov/tsd/serials/lji.html). Se o periódico não constar nessa lista, deverá ser utilizada a abreviatura sugerida pelo próprio periódico. Resumos de trabalhos apresentados em eventos deverão ser utilizados somente se for a única fonte de informação. Todas as referências do ano atual ou dos cinco anos anteriores deverão estar em negrito.

Exemplos:
1) Artigo padrão em periódico

Deve-se listar todos os autores até seis. Se existirem mais, incluir os seis primeiros autores, seguidos por et al.
Exemplo: Autor(es). Título do artigo. Título do periódico. Ano;volume(número da edição):página inicial-final.
Goate AM, Haynes AR, Owen MJ, Farrall M, James LA, Lai LY, et al. Predisposing locus for Alzheimer’s disease on chromosome 21. Lancet. 1989;1(8634):352-5.
2) Autor institucional
 The Royal Marsden Hospital Bone-Marrow Transplantation Team. Failure of syngeneic bone-marrow graft without preconditioning in post-hepatitis marrow aplasia. Lancet. 1977;2(8041):742-4.
3) Livro com autor(es) responsável (is) por todo o conteúdo
Armour WJ, Colson JH. Sports injuries and their treatment.  2nd ed. London: Academic Press; 1976. 
4) Livro com editor(es) como autor(es)
Diener HC, Wilkinson M, editors. Drug-induced headache. New York: Springer-Verlag; 1988.
5) Capítulo de livro 
Weinstein L, Swartz MN. Pathologic properties of invading microorganisms. In: Sodeman WA Jr, Sodeman WA, editors. Pathologic physiology: mechanisms of disease. Philadelphia: Saunders; 1974. p.457-72.
6) Material eletrônico
 Autor (es). Título do artigo. Título do periódico abreviado [suporte]. Data de publicação [data de acesso com a expressão “acesso em”]; volume (número):páginas inicial-final ou [número de páginas aproximado]. Endereço eletrônico com a expressão “Disponível em:”  Exemplo: Pavezi N, Flores D, Perez CB. Proposição de um conjunto de metadados para descrição de arquivos fotográficos considerando a Nobrade e a Sepiades. Transinf.
[Internet]. 2009 [acesso em 2010 nov 8]; 21(3):197-205. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/501

7) Compartilhamento de Dados:
Pavezi N, Flores D, Perez CB. Proposição de um conjunto de metadados para descrição de arquivos fotográficos considerando a Nobrade e a Sepiades.

Transinf. [Internet]. 2009. Disponível em:  https://doi.org/10.1590/S0103-37862009000300003. Escreva [conjunto de dados] imediatamente antes da referência para que possamos identificá-la adequadamente como uma referência de dados. O identificador [conjunto de dados] não aparecerá no artigo publicado.



Tabelas: As tabelas deverão ser elaboradas em espaço 1,5 devendo ser planejadas para ter como largura uma (8,7cm) ou duas colunas (18 cm) e até 12 linhas. Cada tabela deverá possuir um título sucinto. Notas explicativas serão incluídas em notas de rodapé. A tabela deverá conter médias e medidas de dispersão (Desvio Padrão, Erro Padrão da Média, etc.), não devendo conter casas decimais irrelevantes. As abreviaturas deverão estar de acordo com aquelas utilizadas no texto e nas figuras. Os códigos de identificação de itens da tabela devem estar listados na ordem de surgimento no sentido horizontal e devem ser identificados pelos símbolos padrão. Os quadros e tabelas deverão ser enviados através dos arquivos originais editáveis (Word, Excel) e não como imagens.

Figuras: Na versão impressa da RBME serão aceitas figuras em preto-e-branco. Imagens coloridas poderão ser publicadas quando forem essenciais para o conteúdo científico do artigo. Nestes casos, o custo será repassado aos autores. Figuras coloridas poderão ser incluídas na versão eletrônica do artigo sem custo adicional aos autores. Os desenhos e figuras devem ser consistentes e tão simples quanto possível, porém informativos. Tons de cinza não devem ser utilizados. Todas as linhas devem ser sólidas. Para gráficos de barra, por exemplo, utilizar barras brancas, pretas, com linhas diagonais nas duas direções, linhas em xadrez, linhas horizontais e verticais. A RBME desaconselha fortemente o uso de fotografias de equipamentos e animais de experimentação. As figuras devem ser impressas com bom contraste e ter a largura de uma coluna (8,7cm). Quando a figura representar uma radiografia ou fotografia, sugerimos incluir a escala de tamanho, quando pertinente.

Por favor, note que é de responsabilidade dos autores obter permissão do detentor dos direitos autorais para reproduzir figuras (ou tabelas) que tenham sido previamente publicados em outras fontes. De acordo com os princípios do acesso aberto, os autores devem ter permissão do detentor dos direitos, caso desejem incluir imagens que tenham sido publicados em outros periódicos de acesso não aberto. A permissão deve ser indicada na legenda da figura, e a fonte original deve ser incluída na lista de referências.

Vídeos
O envio de vídeo é opcional, e irá acompanhar a versão online do artigo. Deve ser encaminhado junto com o artigo em arquivo separado e acompanhado de legenda. Os vídeos devem ser enviados em formato digital MP4.

Tipos de artigos 
Artigo original: A RBME aceita todo tipo de pesquisa original nas áreas de Medicina e Ciências do Exercício e do Esporte, incluindo pesquisas com seres humanos e pesquisa experimental. O artigo deve conter os seguintes itens: Resumo estruturado, Palavras-chave, Introdução, Materiais e Métodos, Resultados, Discussão, e Conclusões.


Artigos de revisão: Artigos de revisão deverão abordar temas específicos com o objetivo de atualizar os leitores com temas, tópicos ou questões específicas nas áreas de Medicina e Ciências do Exercício e do Esporte. O Conselho Editorial avaliará a qualidade do artigo, a relevância do tema escolhido e o comprovado destaque dos autores na área específica abordada. A inadequação de qualquer um dos itens acima acarretará na recusa do artigo pelos editores, sem passar por revisão por pares.


Revisão sistemática/atualização/meta-análise: A RBME encoraja os autores a submeter artigos de revisão sistemática da literatura nas áreas de Medicina e Ciências do Exercício e do Esporte. O Conselho Editorial avaliará a qualidade do artigo, a relevância do tema escolhido, o procedimento de busca bibliográfica, os critérios para inclusão dos artigos e o tratamento estatístico utilizado. A inadequação de qualquer um dos itens acima acarretará na recusa do artigo pelos editores, sem passar por revisão por pares. 

 

Relato de caso: Casos clínicos específicos que tragam informações relevantes e ilustrativas sobre diagnóstico ou tratamento de um caso particular que seja raro na Medicina do Exercício e do Esporte. Os artigos devem ser objetivos e precisos, contendo os seguintes itens: resumo; introdução; relato objetivo contendo a história, o exame físico e os achados de exames complementares, bem como o tratamento e o acompanhamento; discussão explicando em detalhes as implicações clínicas do caso em questão, e confrontando com dados da literatura, incluindo casos semelhantes relatados na literatura; referências bibliográficas.

Carta ao editor: Cartas endereçadas ao Editor-Chefe da RBME serão consideradas para publicação se promoverem discussão intelectual sobre um determinado artigo recentemente publicado. As cartas devem conter um título informativo e seguir as instruções acima para publicação. As cartas devem ter até 500 palavras. Caso seja aceita, será enviada uma cópia ao autor do artigo original que suscitou a discussão, convidando-o para submeter uma réplica que será publicada junto com a carta.

 

 

Envio de manuscritos

 

Submissão de artigos: Desde janeiro de 2008 a RBME adota o Sistema SciELO de Publicação e Submissão online disponível em https://mc04.manuscriptcentral.com/rbme-scielo . Os autores deverão seguir as instruções de cadastro e incluir os artigos no próprio sistema.

  • A responsabilidade por conceitos emitidos nos artigos é da inteira responsabilidade de seus autores.
  • Permitida a reprodução total ou parcial dos artigos, desde que mencionado a fonte.
  • Todo o conteúdo do periódico, exceto onde identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-tipo BY-NC. 
 

 

NÍVEIS DE EVIDÊNCIA DE PERGUNTAS DE PESQUISA PRIMÁRIA

  (Este quadro foi adotado de material publicado pelo Centro de Medicina baseada em Evidência, Oxford, Reino Unido.Para obter mais informações, visite www.cebm.net.)  


Tipos de Estudo

Nível

Estudos terapêuticos–Investigação dos resultados do tratamento

Estudos prognósticos–Investigação do efeito de característica de um paciente sobre o desfecho da doença

Estudos diagnósticos–Investigação de um exame para diagnóstico

Análises econômicas e de decisão–Desenvolvimento de modelo econômico ou de decisão

I

Estudo clínico randomizado de alta qualidade com ou sem diferença estatisticamente significante, mas com intervalos de confiança estreitos

Estudo prospectivo de alta qualidaded (todos os pacientes foram inscritos no mesmo estágio da doença, com > 80% dos pacientes inscritos)

Teste de critérios diagnósticos desenvolvidos anteriormente em pacientes consecutivos (com padrão de referência “ouro” aplicado)

Custos e alternativas lógicos; valores obtidos de muitos estudos; com análises de sensibilidade de múltiplas vias

Revisão sistemáticab de ECRC (Estudos clínicos randomizados e controlados) de Nível 1
(e resultados do estudo foram homogêneosc)

Revisão sistemáticab de Estudos de Nível I

Revisão sistemáticab de Estudos de Nível I

Revisão sistemáticab de Estudos de Nível I

II

ECRC de menor qualidade (por exemplo, < 80% de acompanhamento, sem mascaramento do código de randomização ou randomização inadequada)

Estudo retrospectivof

Desenvolvimento de critérios diagnósticos em pacientes consecutivos (com padrão de referência “ouro” aplicado)

Custos e alternativas lógicos; valores obtidos de muitos estudos; com análises de sensibilidade de múltiplas vias

Estudod prospectivo comparativoe

Controles não tratados de um ECRC

Revisão sistemáticab de Estudos de Nível II

Revisão sistemáticab de Estudos de Nível II

Revisão sistemáticab de Estudos de Nível II ou Nível I com resultados discrepantes

Estudo prospectivo de menor qualidade (por exemplo, pacientes inscritos em diferentes estágios da doença ou <80% de acompanhamento)

 

 

 

Revisão sistemáticab de Estudos de Nível II

 

 

III

Estudo de caso-controleg

Estudo de caso controleg

Estudo de pacientes nãoconsecutivos; sem padrão de referência “ouro” aplicado uniformemente

Análises baseadas em alternativas e custos limitados; e estimativas ruins

Estudo retrospectivofcomparativoe

 

Revisãob sistemática de Estudos de Nível III

Revisão sistemáticab de Estudos de Nível III

Revisão sistemáticab de Estudos de Nível III

 

Estudo de caso-controle

 

 

 

Padrão de referência ruim

 

IV

Série de casosh

Série de casos

 

Análises sem análises de sensibilidade

V

Opinião do especialista

Opinião do especialista

Opinião do especialista

Opinião do especialista

  1. Avaliação completa da qualidade de cada estudo requer aquilatação de todos os aspectos do desenho do estudo.
  2. Combinação de resultados de dois ou mais estudos anteriores.
  3. Estudos proporcionaram resultados coerentes.
  4. Estudo iniciou antes de o primeiro paciente ser inscrito.
  5. Pacientes tratados de um modo (por exemplo, artroplastia cimentada de quadril) comparada com um grupo de pacientes tratados de outra maneira (por exemplo, artroplastia não-cimentada de quadril) na mesma instituição.
  6. O estudo iniciou depois da inscrição do primeiro paciente.
  7. Os pacientes identificados para o estudo com base em seu desfecho clínicos, chamados de "casos", por exemplo falha da artroplastia total, são comparados com os pacientes que não tiveram desfechos, chamados "controles", por exemplo, artroplastia total do quadril bem-sucedida.
  8. Pacientes tratados de uma maneira sem grupo de comparação de pacientes tratados de outro modo.

Fontes:

  1. http://blog.scielo.org/blog/ 2017/02/22/scielo-preprints-a-caminho/#.Wt3U2IjwY2w
  2. http://asapbio.org/preprint-info
  3. https://blog.scielo.org/blog/2020/05/13/scielo-atualiza-os-criterios-de-indexacao-nova-versao-vigora-a-partir-de-maio-de-2020/

 

Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte Av. Brigadeiro Luís Antônio, 278, 6º and., 01318-901 São Paulo SP, Tel.: +55 11 3106-7544, Fax: +55 11 3106-8611 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: atharbme@uol.com.br