SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.78 issue5Dry eye in systemic lupus erythematosus patientsBlepharitis: epidemiology, etiology, clinical presentations, treatment and evolution of our patients author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Oftalmologia

Print version ISSN 0034-7280On-line version ISSN 1982-8551

Rev. bras.oftalmol. vol.78 no.5 Rio de Janeiro Sept./Oct. 2019  Epub Nov 04, 2019

https://doi.org/10.5935/0034-7280.20190148 

Artigos Originais

Perfil epidemiológico dos atendimentos em um serviço público de urgência oftalmológica

1Serviço de Oftalmologia do Complexo Hospitalar Ouro Verde, Campinas, Brasil.

2Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil.

3Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.


Resumo

Objetivo:

Identificar os principais diagnósticos e características epidemiológicas dos pacientes atendidos em um serviço público de urgência oftalmológica.

Métodos:

Estudo transversal e retrospectivo, com análise de prontuários de 2834 pacientes atendimentos no período de julho a setembro de 2017, no serviço de Urgência Oftalmológica do Complexo Hospitalar Ouro Verde, Campinas, Brasil. As variáveis estudadas foram idade, gênero e diagnóstico.

Resultados:

Houve a prevalência do gênero masculino (52,6%) e da faixa etária de 30 a 59 anos (43,5%); 21,1% eram idosos. Os diagnósticos mais prevalentes foram conjuntivite infecciosa (23,9%), trauma ocular (15,7%) e doenças da superfície ocular (14,6%). Entre mulheres e crianças houve o predomínio de quadros infecciosos/inflamatórios; 83,6% dos traumas ocorreram em homens, sendo 62,2% devido a corpo estranho.

Conclusão:

Os diagnósticos mais prevalentes no serviço de urgência oftalmológica foram conjuntivite infecciosa e trauma ocular. Medidas de educação e prevenção são necessárias para reduzir morbidade e absenteísmo e evitar o uso inapropriado dos serviços especializados de emergência.

Descritores: Oftalmopatias/epidemiologia; Emergências; Conjuntivite; Corpos estranhos no olho; Traumatismos oculares

Abstract

Objective:

To identify the most frequent diagnosis and epidemiological characteristics of patients attended in a public ophthalmic emergency service.

Methods:

This is a retrospective and transverse study based on 2834 patients' chart attended from July to September 2017 at the Ouro Verde Hospital Complex, Campinas, Brazil. The following variables were investigated: age, gender, and diagnosis.

Results:

Most patients were male (52.6%) and aged between 30 to 59 years (43.5%); 21.1% were elderly. The most frequent diagnostics were conjunctivitis (23.9%), ocular trauma (15.7%), and ocular surface disorders (14.6%). Infectious/inflammatory conditions predominated among children and female; 83.6% of traumas occurred in man, and 62.2% were due to a foreign body.

Conclusion:

The most prevalent diagnoses in the ophthalmologic emergency department were infectious conjunctivitis and ocular trauma. Education and prevention measures are necessary to reduce morbidity and absenteeism and to avoid inappropriate use of specialized emergency services.

Keywords: Eye diseases/epidemiology; Emergencies; Conjunctivitis; Eye foreign bodies; Eye injuries

Introdução

As urgências oftalmológicas podem ter grande impacto na saúde dos indivíduos, devido ao risco potencial de perda visual irreversível.(1)Além disso, constituem importante causa de absenteísmo, uma vez que a população economicamente ativa é a mais presente em atendimentos de urgências oculares.(2,3)

O conhecimento acerca das principais urgências oftalmológicas, bem como as características epidemiológicas da população que procura esse atendimento é fundamental para o planejamento de políticas de saúde e melhoria dos serviços.

O serviço de Urgência Oftalmológica do Complexo Hospitalar Ouro Verde em Campinas, Brasil, realiza atendimento clínico e cirúrgico de pacientes com queixas oculares em livre demanda e pacientes referenciados de serviços primários e secundários de Campinas e cidades próximas. Portanto, reflete a epidemiologia de uma ampla região, servindo de base para medidas de prevenção à cegueira. Entretanto, ainda há poucos dados disponíveis.(4)

O objetivo deste estudo é avaliar os diagnósticos mais comuns e características epidemiológicas dos pacientes atendidos no serviço público de urgência oftalmológica. Pretende-se ainda atualizar os dados sobre urgências oftalmológicas em nosso meio, contribuindo para melhorias na rede de atendimento.

Métodos

Trata-se de um estudo descritivo, transversal e retrospectivo com amostra não probabilística através da revisão de prontuários dos pacientes atendidos no serviço de Urgência Oftalmológica do Complexo Hospitalar Ouro Verde no período de julho a setembro de 2017.

A variável de desfecho foi o diagnóstico oftalmológico, agrupado nas seguintes categorias: alergia ocular, blefarite/meibomite, catarata, celulite orbitária/periorbitária, conjuntivite infecciosa, doenças da retina/vítreo, doenças da superfície ocular (ceratite, desepitelização, infiltração corneana, irritação inespecífica e olho seco), doenças do sistema lacrimal, hemorragia subconjuntival, hordéolo, infecção por herpes simplex, trauma ocular (incluindo trauma fechado - contusões, lacerações e corpo estranho superficial - trauma aberto - penetrante e corpo estranho intraocular - queimaduras oculares e outros),(2,5) pterígio/pingueculite, úlcera de córnea, uveítes e diagnóstico a esclarecer. Os diagnósticos com menor prevalência foram agrupados em "outros". As variáveis de exposição foram gênero e idade, dividida em quatro faixas etárias: 0 a 14, 15 a 29, 30 a 59 e > 60 anos, para comparação com outros estudos nacionais.(2-4,6)

O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade São Leopoldo Mandic (número de protocolo 3.194.642), havendo dispensa de Termo de Consentimento Livre e Esclarecido por garantia de total sigilo das informações. Todos os pacientes foram avaliados por oftalmologistas e a análise dos prontuários foi feita por pesquisadores treinados. Os cálculos de frequência foram feitos no programa Epi Info, versão 7.

Resultados

Foram avaliados os prontuários de 2834 pacientes, com prevalência do gênero masculino (52,6%) e da faixa etária de 30 a 59 anos (43,5%). A média de idade foi 39,6 anos (± 21,3 anos) e variou de 0 a 102 anos (Tabela 1).

Tabela 1 Distribuição dos pacientes atendidos em um serviço público de urgência oftalmológica segundo gênero e idade 

Idade (anos) Gênero Total
Masculino Feminino
n % n % n %
0 a 14 193 54,1 164 45,9 357 12,6
15 a 29 319 49,4 327 50,6 646 22,8
30 a 60 692 56,1 542 43,9 1234 43,5
≥ 60 286 47,9 311 52,1 597 21,1
Total 1490 52,6 1344 47,4 2834 100,0

O diagnóstico mais frequente foi conjuntivite infecciosa (23,9%), seguido por trauma ocular (15,7%), doenças da superfície ocular (14,6%), blefarite/meibomite (8,5%) e hordéolo (4,7%). Entre os pacientes com trauma ocular, a presença de corpo estranho (superficial ou intraocular) foi a causa mais comum (62,2%), seguida de trauma não penetrante provocado por contusão (29,4%), sendo o restante distribuído entre perfuração ocular, laceração, queimadura e outros (Figura 1).

Figura 1 Frequência absoluta dos diagnósticos em um serviço público de urgência oftalmológica* Trauma ocular: trauma ocular fechado (contusões, lacerações e corpo estranho superficial); trauma ocular aberto (penetrante e corpo estranho intraocular); queimaduras oculares e outros tipos de trauma ocular.** Outros: Blefaroespasmo, ceratocone, dermatite atópica, enxaqueca, ectrópio, endoftalmite, herpes zoster ocular, infecção por CMV, moscas volantes, transtornos de refração, etc.N = 2834. 

A tabela 2 mostra a distribuição dos cinco principais diagnósticos por gênero e a tabela 3, por faixa etária.

Tabela 2 Distribuição dos principais diagnósticos em um serviço público de urgência oftalmológica segundo gênero 

Diagnóstico Gênero
Masculino Feminino
n % n %
Conjuntivite infecciosa 271 40,1 405 59,9
Trauma ocular 372 83,6 73 16,4
Doenças da sup. ocular 203 48,9 212 51,1
Blefarite/meibomite 97 40,1 145 59,9
Hordéolo 58 43,6 75 56,3

Tabela 3 Distribuição dos principais diagnósticos em um serviço público de urgência oftalmológica segundo faixa etária 

Diagnóstico Idade (anos)
0-14 15-29 30-59 ≥ 60
n % n % n % n %
Conjuntivite infecciosa 114 16,9 247 36,5 264 39,1 51 7,5
Trauma ocular 51 11,5 115 25,8 238 53,5 41 9,2
Doenças da sup.ocular 56 13,5 96 23,1 179 43,1 84 20,2
Blefarite/meibomite 8 3,3 35 14,5 101 41,7 98 40,5
Hordéolo 24 18,0 50 37,6 49 36,8 10 7,5

Discussão

Entre os pacientes que procuraram o serviço de urgência oftalmológica observou-se predomínio do sexo masculino e da faixa etária economicamente ativa, semelhante a outras casuísticas.(3,7,8)

Os traumas oculares de qualquer natureza (considerando desde corpos estranhos e leves abrasões a contusões e perfurações) são a principal causa de procura ao serviço de urgência oftalmológica na maioria dos estudos nacionais.(1,2,4,9-11) Neste estudo, conjuntivite infecciosa foi o diagnóstico mais prevalente, podendo ser um indicativo de inadequações na rede de urgência oftalmológica da região, uma vez que a maioria dos casos de conjuntivite pode ser manejada na atenção primária ou por médicos não especialistas.

Os traumas oculares tiveram predomínio importante em adultos do sexo masculino, sugerindo que esta população está mais vulnerável a fatores de risco, como laborais, trânsito e esporte, devendo esta população ser o foco principal de medidas preventivas.(3) Entre as mulheres e crianças, predominaram os quadros infecciosos e/ou inflamatórios.

Chama atenção que 40% dos casos de blefarite/meibomite ocorreram em pacientes idosos, sendo o segundo diagnóstico mais prevalente nesta população. Estudo envolvendo apenas idosos em São Paulo apontou prevalência de ectrópio (fator de risco para infecção/inflamação palpebral) de 2,9%, (contra 0,18% na população geral).(12) Catarata foi o sétimo motivo de procura do serviço de urgência oftalmológica em > 60 anos (correspondendo a cerca de 5,0% dos diagnósticos), indicando falhas na porta de entrada preferencial desses pacientes no sistema público de saúde.

Apesar da dificuldade em se definir com precisão a porcentagem de casos que não demandavam atendimento em serviço de urgência oftalmológica, pode-se estimar que um número importante poderia ser manejado na rede de atenção primária, por médicos generalistas e/ou ambulatorialmente. A maioria dos casos de conjuntivite infecciosa, por exemplo, é benigna e autolimitada, podendo ser abordada por médicos da atenção primária.(13) Na região nordeste do Brasil, estima-se que quase metade dos atendimentos em um serviço de urgência oftalmológica consiste em doenças comuns, de simples resolução e que poderiam ser diagnosticadas e tratadas numa clínica oftalmológica ou por médicos gerais.(10,14)

O estudo limita-se à análise dos atendimentos de urgência oftalmológica em um período de 3 meses, o que deve ser levado em conta, uma vez que pode haver variações sazonais nos motivos para busca de atendimento. Além disso, estudos retrospectivos podem conter falhas e vícios de registro de informação, o que se tentou minimizar pela revisão dos prontuários por pesquisadores treinados e pelo fato de os diagnósticos serem realizados por oftalmologistas de um centro de referência.

Conclusão

Conjuntivite infecciosa foi o principal diagnóstico em um serviço público de urgência oftalmológica, sendo a maioria dos casos passível de manejo na atenção primária. Traumas oculares foram muito prevalentes entre homens em idade economicamente ativa, reforçando a necessidade de medidas educativas e de fiscalização visando redução de morbidade e absenteísmo. Este estudo aponta o frequente uso inapropriado da rede de urgência oftalmológica e fornece dados epidemiológicos para orientação de políticas de saúde.

Referências

1 Vieira GM. Um mês em um pronto-socorro de oftalmologia em Brasília. Arq Bras Oftalmol. 2007;70(5):797-802. [ Links ]

2 Araujo AA, Almeida DV, Araujo VM, Goes MR. Urgência oftalmológica: corpo estranho ocular ainda como principal causa. Arq Bras Oftalmol. 2002;65(2):223-7. [ Links ]

3 Rocha MN, Ávila M, Isaac DL, Oliveira LL, Mendonça LS. Análise das causas de atendimento e prevalência das doenças oculares no serviço de urgência. Rev Bras Oftalmol. 2012; 71(6):380-4 [ Links ]

4 Anddrade Sobrinho MV, Aguiar AC, Alencar LD, Binotti WW, Faria OJ. Epidemiological profile of eye diseases in an emergency center complex in Campinas, Brazil. Vis Pan Am. 2016;15(1):10-1. [ Links ]

5 Pieramici DJ, Sternberg P Jr, Aaberg TM Sr, Bridges WZ Jr, Capone A Jr, Cardillo JA, et al.; The Ocular Trauma Classification Group. A system for classifying mechanical injuries of the eye (globe). Am J Ophthalmol. 1997;123(6):820-31. [ Links ]

6 Adam Netto A, Rolim AP. Müller TP. Prevalência de doenças palpebrais no serviço emergencial de oftalmologia do Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina. ACM Arq Catar Med. 2006;35(4):64-9. [ Links ]

7 Pereira FB, Frasson M, D'Almeida AG, Almeida A, Faria D, Francis J, et al. Perfil da demanda e morbidade dos pacientes atendidos em centro de urgências oftalmológicas de um hospital universitário. Rev Bras Oftalmol. 2011;70(4):238-42. [ Links ]

8 Cillino S, Casuccio A, Di Pace F, Pillitteri F, Cillino G. A five-year retrospective study of the epidemiological characteristics and visual outcomes of patients hospitalized for ocular trauma in a Mediterranean area. BMC Ophthalmol. 2008;8(1):6. [ Links ]

9 Campos Junior JC. Perfil do atendimento oftalmológico de urgência. Rev Bras Oftalmol. 2004;63(2):89-91. [ Links ]

10 Pierre Filho PT, Gomes PR, Pierre ET, Pinheiro Neto FB. Profile of ocular emergencies in a tertiary hospital from Northeast of Brazil. Rev Bras Oftalmol. 2010;69(1):12-7. [ Links ]

11 Leonor AC, Dalfré JT, Moreira PB, Gaiotto Júnior OA. Emergências oftalmológicas em um hospital dia. Rev Bras Oftalmol. 2009;68(4):197-200. [ Links ]

12 Romani FA. Prevalência de transtornos oculares na população de idosos residentes na cidade de Veranópolis, RS, Brasil. Arq Bras Oftalmol. 2005;68(5):649-55. [ Links ]

13 Cronau H, Kankanala RR, Mauger T. Diagnosis and management of red eye in primary care. Am Fam Physician. 2010;81(2):137-44. [ Links ]

14 Xiang H, Stallones L, Chen G, Smith GA. Work-related eye injuries treated in hospital emergency departments in the US. Am J Ind Med. 2005;48(1):57-62. [ Links ]

Recebido: 02 de Abril de 2019; Aceito: 01 de Julho de 2019

Autor correspondente: Gabriel Mota Campos, Rua Orosimbo Maia, 2090, Campinas – SP, Brasil. E-mail: gabriel.medicina@yahoo.com.br

Os autores declaram não haver conflito de interesses.

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que o trabalho original seja corretamente citado