SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.50 número6O paradoxo da reforma do Judiciário: embates entre a nova gestão pública e a cultura organizacional do jeitinho índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista de Administração Pública

versão impressa ISSN 0034-7612

Rev. Adm. Pública vol.50 no.6 Rio de Janeiro nov./dez. 2016

https://doi.org/10.1590/0034-761262016 

Editorial

Editorial

Alketa Peci1 

1Fundação Getulio Vargas / Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Rio de Janeiro / RJ - Brasil


Este editorial marca uma importante mudança para a Revista de Administração Pública (RAP). Trata-se do último número impresso da revista que, a partir de 2017, terá sua produção impressa interrompida e será veiculada apenas na sua versão online.

O ano 2017 é um importante marco histórico para a RAP, que completa 50 anos desde a sua criação, em 1967. Cinquenta anos de um fluxo contínuo de publicações dedicadas à administração pública, por si, já são um indicador da sua constante e sólida contribuição acadêmica no campo. Entretanto, o cenário mudou: o número de revistas acadêmicas se multiplicou e a forma de comunicação com sua comunidade, de autores, avaliadores e leitores, também se modificou substancialmente. A veiculação dos artigos da RAP, os indexadores como SciELO, Redalyc, EBSCO, Spell, possibilitam o acesso aberto a todos esses segmentos da comunidade da revista tornando dispensável sua produção impressa.

Simbolicamente, o cinquentenário da história da revista será marcado por essa mudança numa dimensão importante da sua materialidade: a versão impressa presente em boa parte das estantes de bibliotecas nacionais e internacionais não será mais disponível, tornar-se-á um documento que, esperançosamente, alimentará pesquisas históricas sobre o campo de administração pública no país. Sua transformação numa revista online deve representar mais do que um reflexo dos novos tempos do mercado editorial, marcando também um novo rumo para a estratégia de consolidação dos periódicos nos próximos anos: uma revista brasileira de administração pública que busca expandir sua contribuição acadêmica além das fronteiras nacionais.

Com esse objetivo, o último número impresso da RAP também marca o padrão da estratégia de internacionalização que a revista buscará adotar nos próximos anos. Muda a forma, veiculando todos os artigos publicados em inglês e em português, buscando, a longo prazo, qualificar mais o seu conteúdo, publicando artigos que trazem reais contribuições para temas transversais de administração pública, no contexto nacional e internacional.

Esperamos que os artigos reunidos neste último número de 2016 cumpram estes duplos objetivos. Não é por acaso que nesta última edição impressa de 2016, que é um marco histórico para a Revista de Administração Pública, reunimos um conjunto de artigos que compartilham diretamente ou indiretamente a vertente histórica em suas várias dimensões: a) identificando e analisando as inovações do método histórico-comparativo, como no artigo O novo método histórico-comparativo e seus aportes à ciência política e à administração pública, dos autores Octavio Amorim Neto e Júlio César Cossio Rodriguez; b) analisando a partir de uma perspectiva histórica o campo de políticas públicas e sua evolução no contexto brasileiro, nos artigos Análise de políticas públicas no Brasil: de uma prática não nomeada à institucionalização do "campo de públicas" por Marta Ferreira Santos Farah e Evaluation of public policies in Brazil and the United States: a research analysis in the last 10 years dos autores Charles David Crumpton, Janann Joslin Medeiros, Vicente da Rocha Soares Ferreira, Marcos de Moraes Sousa e Estela Najberg; c) discutindo, a partir de uma janela histórica, baseada em análises longitudinais, temas como a reforma do Judiciário, por Daniella Munhoz da Costa Lima, Valderez Ferreira Fraga e Fátima Bayma de Oliveira no artigo O paradoxo da reforma do Judiciário: embates entre a nova gestão pública e a cultura organizacional do jeitinho, ou o e-Orçamentos Participativos, como Rafael Cardoso Sampaio faz no artigo e-Orçamentos Participativos como iniciativas de e-solicitação: uma prospecção dos principais casos e reflexões sobre a e-Participação; ou; d) tornando o objeto histórico uma privilegiada unidade de análise, como o autor Sergio Wanderley discute no seu artigo Iseb, uma escola de governo: desenvolvimentismo e a formação de técnicos e dirigentes.

Desejo uma boa leitura!

Alketa Peci Editora-chefe

Alketa Peci é doutora em administração e professora associada da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getulio Vargas. Editora-chefe da Revista de Administração Pública (RAP). E-mail: alketa@fgv.br.

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons