SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 issue1Persistence and efficacy of growth regulator pyriproxyfen in laboratory conditions for Aedes aegyptiParacoccidioidomycosis and acquired immunodeficiency syndrome: report of necropsy author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682On-line version ISSN 1678-9849

Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.39 no.1 Uberaba Jan./Feb. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822006000100015 

ARTIGO ARTICLE

 

Aspectos sociodemográficos da soroprevalência de marcadores do vírus da hepatite A no povoado de Cavunge, região do semi-árido do Estado da Bahia

 

Sociodemographical aspects of seroprevalence of hepatitis A virus in the settlement of Cavunge, a semi-arid region of Bahia State

 

 

Delvone AlmeidaI; José Tavares-NetoI; Marcony Queiroz-AndradeI; Camila DiasI; Terezinha RibeiroII; Francisco SilvaII; Jailson Silva-AraújoI; Fernando TatschIII; Raymundo ParanáI

IFaculdade de Medicina da Bahia da Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Curso de Pós-graduação em Medicina e Saúde, Salvador, BA
IIHospital Aliança, Salvador, BA
IIILaboratório Roche Divisão de Hepatites e Divisão Diagnóstica, Salvador, BA

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

No Povoado de Cavunge, semi-árido da Bahia, foi realizado estudo sobre as hepatites com objetivo de avaliar a prevalência de portadores de IgG anti-VHA. Foram avaliados 891 moradores e 85,9% foram soropositivos. A prevalência foi semelhante entre os sexos. Na zona urbana houve aumento da prevalência com a idade.

Palavras-chaves: Vírus da hepatite A. Epidemiologia. Marcadores sorológicos de hepatite. Cavunge. Bahia.


ABSTRACT

In Cavunge community, a rural pvillage of the dry tropic in Bahia State, Brazil, a sentinel study on viral hepatitis was developed to characterize the seroprevalence of hepatitis A. The presence of IgG anti-HAV was analyzed in 891 citizens and 85.9% were positive. The prevalence was similar between genders and increased with age.

Key-words: hepatitis A virus. Epidemiology. Serological markers of hepatitis. Cavunge. Bahia.


 

 

A hepatite A costuma ser assintomática e apenas cerca de 20% dos casos desenvolve doença clinicamente manifesta, com graus variáveis de gravidade. Ocorre esporadicamente ou de forma epidêmica e a disseminação viral ocorre, sobretudo, em ambientes com precárias condições sociohigiênicas2.

A infecção é mais freqüente na infância, especialmente entre os menores de 5 anos de idade6. Em conseqüência disto e das características da transmissão do vírus da hepatite A (VHA), a melhoria dos indicadores de desenvolvimento humano tem grande impacto sobre a disseminação e transmissão viral7.

O diagnóstico laboratorial da infecção pelo VHA se faz na fase aguda, com a pesquisa dos anticorpos IgM anti-VHA, os quais tem títulos elevados até a 4ª e a 6ª semana pós-infecção e que desaparecem após o 4º mês do início da mesma5. Os anticorpos neutralizantes IgG, anti-VHA, têm títulos perceptíveis desde o início do processo infeccioso e que perduram por longo tempo, ou por toda a vida9. Por conta desta característica do anti-VHA IgG e pelas características associadas à transmissão do VHA, foi planejado o estudo de soroprevalência na população do Povoado de Cavunge (município de Ipecaetá, Estado da Bahia), onde também a investigação das condições sanitárias e ambientais permite avaliar possíveis inter-relações com aquela infecção viral.

 

MATERIAL E MÉTODOS

O estudo seccional de base populacional foi realizado no ano de 2000. A população de referência é de 2.049 pessoas, com idades entre 7 dias e 95 anos. Aqueles que aceitaram participar do estudo assinaram o termo de consentimento pós-informado e responderam ao questionário sócio-demográfico, desde que observados o critério de inclusão (residência fixa há mais de 6 meses no Povoado de Cavunge) e exclusão (portadores de doença psiquiátrica ou crônico-degenerativa associadas a incapacidade de compreender os objetivos do estudo, independente da idade e desde que não tivessem responsáveis legais).

Uma amostra de sangue venoso foi colhida e a equipe do projeto analisava as condições de moradia.

As amostras séricas de todos os moradores que participaram do estudo (n=1.843) tiveram iguais chances de serem sorteadas para a pesquisa do anti-VHA (IgG), utilizando Kit comercial (Roche Diagnóstica). Para isto, foram sorteadas aproximadamente 50% dos espécimes séricos (n=923).

As análises estatísticas foram realizadas com auxílio do software SPSS (Statistical Package for Social Science). As associações foram consideradas estatisticamente significantes se a probabilidade do erro a foi <0,05 (<5%).

 

RESULTADOS

Das 923 amostras séricas, sorteadas aleatoriamente, em 24 (2,6%) havia hemólise e em 8 (0,9%) a quantidade de plasma era insuficiente e foram excluídas do estudo.

Entre as 891 amostras séricas, 85,9% (n=765) apresentaram sorologia anti-VHA (IgG) positiva (Tabela 1). As pessoas soropositivas foram mais freqüentes (p<0,01) entre as residentes (87,4%) do Povoado do que na área rural (79,7%). A distribuição de soropositivos foi semelhante (p>0,47) entre as pessoas do sexo masculino (86,7%) e feminino (85,1%).

 

 

A soropositividade anti-VHA (IgG) aumentou proporcionalmente com a idade (Tabela 1), sendo a média de idade dos soropositivos (39,69 ± 22,05 anos) estatisticamente maior (p<10-20) que a dos soronegativos (10,12 ± 11,12 anos).

Os 891 moradores com as amostras séricas estudadas residiam em 293 domicílios, mas apenas em 7 (2,4%) residências todos os seus membros foram soronegativos; não obstante, esses 7 domicílios tinham 1 ou 2 membros. Em 83 (28,3%) domicílios havia moradores com sorologia positiva e negativa e em 203 (69,3%) todos foram soropositivos.

Na Tabela 1, foram descritas as proporções de pessoas soropositiva sem vaso sanitário no domicílio (84,7%), fora de casa (87,3%) ou dentro de casa (85,9%) e que foram estatisticamente semelhantes (p>0,72). Também, não houve associação da soropositividade com condições do domicílio (p>0,15), se carente ou não.

 

DISCUSSÃO

A soroprevalência (85,9%) de portadores de anticorpos contra o vírus da hepatite A na região estudada do semi-árido do Estado da Bahia foi semelhante à de outras regiões do País, onde as freqüências são também elevadas1, especialmente nas localidades com condições passíveis à transmissão do vírus como aquelas com precários índices de desenvolvimento social e econômico3.

O significativo aumento da soroprevalência após os cinco anos de idade, não só pode evidenciar maior exposição ao VHA, como também é nessa faixa etária que ocorrem maior número de contatos extra-domiciliares. Nas localidades do semi-árido do Nordeste, especialmente os de menor porte, como Cavunge, a poluição ambiental é talvez o maior determinante de várias doenças de transmissão fecal-oral e decorrente de múltiplos fatores, tanto sanitários como culturais4.

A hipótese inicial era que na área rural, pela maior precariedade das condições sanitárias da população8, fosse encontrada maior percentual maior de soropositivos. No entanto, a seropositividade foi maior entre os residentes na zona urbana do Povoado, mostrando que, apesar de dispor de melhores indicadores de desenvolvimento humano8, são ainda bastante precárias as condições sanitárias e ambientais naquela localidade. Por uma vez, a maior proximidade dos domicílios na zona urbana e o maior acúmulo das deficiências sanitárias, talvez sejam os mecanismos facilitadores da disseminação do VHA.

Cerca de 70% dos domicílios apresentaram todos os seus moradores com sorologia positiva para o VHA, o que sugere que a transmissão intradomiciliar é outro fator contribuidor na disseminação da infecção. Estes indicadores reforçam a necessidade do controle das infecções entéricas por meio de medidas relacionadas à melhoria nas condições de saneamento e de vida da população. Ao mesmo tempo, a grande extensão territorial do Brasil e a variabilidade sociodemográfica da sua população justificam mais estudos dessa natureza, com instrumento de informações úteis ao planejamento de estratégias de saúde coletiva, voltadas ao controle e a profilaxia das doenças de transmissão fecal-oral.

 

AGRADECIMENTOS

A Roche Diagnóstica e ao Hospital Aliança.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Clemens S, Fonseca J, Azevedo T, Cavalcanti A, Silveira T, Castilho M, Clemens R. Hepatitis A and hepatitis B seroprevalence in four centers in Brazil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 33:1-10, 2000.         [ Links ]

2. Franco E, Giambi C, Ialaci R, Coppola RC, Zanetti AR. Risk groups for hepatitis A virus infection. Vaccine 21: 2224-2233, 2003.         [ Links ]

3. Poovorawan Y, Theambooniers A, Chumdermpadetsuk S. Changing seroepidemiology of hepatitis A virus infection in Thailand. Southeast Asian Jounal of Tropical Medicine and Public Health 24: 250-254, 1993.         [ Links ]

4. Rosentahl P. Cost-effectiveness of hepatitis A vaccination in children, adolescents and adults. Hepatology 37: 44-51, 2003.         [ Links ]

5. Sjogren M. Serologic diagnosis of viral hepatitis. Gastroenterologic Clinics of North America 23: 457-478, 1994.         [ Links ]

6. Staes C, Schlenker T, Risk I, Cannon K, Harris H, Pavia A, Shapiro C, Bell B. Sources of infection among persons with acute hepatitis A and no identified risk factors during a sustained community-wide outbreak. Pediatrics 106: 54, 2000.         [ Links ]

7. Tanaka J. Hepatitis A shifting epidemiology in Latin America. Vaccine 18 (supl I): S57-60, 2000.         [ Links ]

8. Tavares-Neto J, Barral A, Queiroz-Andrade M, Oliveira S. Caracterização Sócio-demográfica da População do Povoado de Cavunge, Bahia. Revista Baiana de Saúde Pública 27: 60-75, 2003.         [ Links ]

9. Vitral CL, Gaspar AMC, Yoshida CFT. Tow competitive enzyme immunoassays for the detection of IgG class antibodies to hepatitis A antigen. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 24:79-85, 1991.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Prof. Raymundo Paraná
Av. Juracy Magalhães Jr, 2096, Sala 510
41920-000 Salvador, BA, Brasil
Telefax: 55 71 350-4651
E-mail: unif@svn.com.br

Recebido para publicação em 5/4/2004
Aceito em 8/9/2005
Órgãos financiadores: CNPq, Laboratório Roche, Capes/Cofecub 404/02.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License