SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 issue12Microbial load of reprocessable trocars after gynecological videolaparoscopy author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

Print version ISSN 0100-7203On-line version ISSN 1806-9339

Rev. Bras. Ginecol. Obstet. vol.31 no.12 Rio de Janeiro Dec. 2009

https://doi.org/10.1590/S0100-72032009001200001 

EDITORIAL

 

Sexualidade, saúde sexual e Medicina Sexual: panorama atual

 

Sexuality, sexual health and Sexual Medicine: current overview

 

 

Lúcia Alves da Silva Lara

Médica Colaboradora do Setor de Reprodução Humana e do Setor de Ginecologia Oncológica e Mastologia do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo - USP - Ribeirão Preto (SP), Brasil

Correspondência

 

 

A sexualidade tem relevância legitimada pela Organização Mundial de Saúde, que a reconhece como um dos pilares da qualidade de vida. É garantido ao ser humano o direito à saúde sexual, que é definida como um estado de bem-estar físico, emocional, mental e social relacionado à sexualidade. Ela pode ser influenciada pelo comportamento sexual, por atitudes, fatores biológicos e predisposição genética e é legitimada pela vivência sexual saudável1.

A sexualidade é uma condição humana que começa a se formar na infância, continua sendo construída na adolescência e se manifesta diferentemente nas várias fases da vida2-6. Esta abrange a relação sexual, o erotismo, o prazer, a orientação sexual e a reprodução; se expressa por meio de pensamentos, fantasias, desejos, comportamento e relacionamentos e é influenciada por fatores biológicos, psicológicos, sociais, econômicos, políticos, culturais, éticos, legais, históricos e religiosos. Segundo Freud, "se o ser humano negligenciar a sua sexualidade, ele jamais se sentirá um ser completo"7 e estará exposto a alterações do comportamento, potencialmente nocivas ao indivíduo e à sociedade, que se expressam desde a mais leve disfunção a mais temível parafilia8. De fato, são conhecidas as altas taxas de abuso sexual na infância e a alta prevalência de disfunções sexuais em todo o mundo, especialmente nos países subdesenvolvidos8-10.

Ao contrário do que acontece nos países de primeiro mundo, que já priorizam a sexualidade como parte da grade curricular desde o nível secundário, os países subdesenvolvidos demonstram carência absoluta de profissionais com formação sexológica, o que inviabiliza a criação de programas de educação e assistência voltados para a saúde sexual em âmbito nacional. No Brasil, um país com sérios problemas sociais decorrentes também da má vivência da sexualidade, a prática da sexologia vem caminhando a passos cautelosos à custa do esforço quase sempre solitário e pontual de poucos profissionais que arriscam ultrapassar a barreira da falta de apoio institucional. Em geral, estes profissionais atuam por motivações pessoais, uma condição louvável, porém insuficiente para atingir as deficiências nos níveis de assistência, educação, pesquisa e ensino nesta área. No cenário atual, as escolas de nível básico priorizam a sexualidade reprodutiva, e os cursos voltados para a saúde e bem-estar do indivíduo fazem alguma menção sobre o tema ou o ignoram.

A prática da sexologia é bastante complexa, pois deve ser interdisciplinar e envolve o conhecimento multidisciplinar, exigindo do profissional constante atualização nos vários assuntos ligados à saúde e à educação. Entre outros objetivos, a educação visa canalizar a expressão sexual para uma vivência saudável, enquanto que a abordagem das disfunções sexuais além de envolver a educação, consta de medidas terapêuticas que visam restaurar a função sexual do indivíduo11. Enfatiza-se que este leque de ações requer um investimento de proporções nacionais na qualificação de profissionais de educação e saúde para este fim. No Brasil, iniciativas têm sido realizadas nesta direção. Recentemente, a sexologia passou a ser área de atuação da especialidade de Ginecologia e Obstetrícia e algumas instituições têm investido na criação de serviços de Medicina Sexual12. No entanto, a medicalização da sexologia tem sido amplamente criticada dado o importante conteúdo psíquico que permeia a disfunção sexual, sendo ainda incipiente o conhecimento do seu componente biológico, principalmente nas questões relativas à participação dos esteroides sexuais e dos neurotransmissores no mecanismo do desejo sexual13,14. Mas vale salientar que este panorama tem se modificado graças à evolução da tecnologia em pesquisas sobre a fisiologia sexual.

Assim, neste início de terceiro milênio houve importantes avanços em Medicina Sexual, começando pela definição da resposta sexual feminina por Basson15,16 em um modelo circular, diferente da resposta linear masculina. Esse modelo tem sido testado por meio de pesquisas que envolvem, principalmente, a neurociência, a imagiologia e a epigenética. Pela ressonância magnética funcional são mapeadas as áreas cerebrais ativadas durante um estímulo sexual; a imunoistoquímica permite a identificação de receptores e neurotransmissores pró-sexuais; e algumas pesquisas genéticas buscam evidências para as bases genéticas do desejo sexual. Em estudo recente, Ben Zion et al.17 demonstraram que o receptor dopaminérgico está ligado ao comportamento sexual e é responsável pela variação individual da pulsão sexual, em especial pelo desejo e capacidade de excitação sexual, cujo mecanismo é mediado por genes que codificam a expressão destes receptores em áreas específicas do cérebro responsáveis pela função sexual17. Desta forma, é possível que polimorfismos de receptores dopaminérgicos sejam o respaldo biológico para as diferenças na necessidade sexual de cada indivíduo. Este conhecimento foi incorporado na resposta sexual feminina recentemente revista18. Segundo este novo conceito, mulheres que não têm motivação espontânea para o sexo e anteriormente eram tidas como disfuncionantes são consideradas normais, pois se tornam responsivas mediante um estímulo sexual direto18.

Até o início deste século, essas mulheres eram consideradas portadoras do desejo sexual hipoativo. A disfunção sexual de maior prevalência em todo mundo era tratada, basicamente, com a psicoterapia e a terapia sexual tendo resultados pouco consistentes19,20. Embora neste novo enquadramento elas sejam consideradas normais, não é sabido se sentem satisfeitas com esta forma de vivência da sexualidade. Considerando que, para caracterizar uma disfunção sexual, é necessário que a pessoa refira sofrimento em relação a uma dada condição. É preciso identificar, em pesquisas futuras, a condição genética correlacionada ao grau de contentamento ou insatisfação destas mulheres para que a resposta sexual feminina seja adequadamente definida.

Outro aspecto inovador, embora ainda tímido, é o progressivo investimento da indústria farmacêutica nas disfunções sexuais femininas. Tradicionalmente, este setor privilegiou pesquisas direcionadas às disfunções sexuais masculinas. No futuro serão lançados no mercado, fármacos para o tratamento do desejo sexual hipoativo feminino, o que parece ser promissor.

Finalmente, a poderosa rede de comunicação, que envolve todo o mundo, disponibiliza informação para todas as idades permitindo a reedição dos vários fatores que interferem com a resposta sexual, tais como os mitos, os valores, a religião e as questões de gênero. Além disso, promove em tempo recorde a mudança de atitude baseada na maior liberdade de expressão sexual que motiva uma iniciação sexual cada vez mais cedo, sem que sejam disponibilizados meios que promovam a vivência sexual saudável.

Assim, é previsível que, neste início de terceiro milênio, a Medicina Sexual seja um dos campos mais promissores em termos de pesquisa científica direcionadas para a criação de estratégias de abordagem da sexualidade, visando à prevenção e ao tratamento das disfunções sexuais e de outras condições patológicas correlacionadas. Às instituições de ensino, caberá o papel de viabilizar a inserção da educação sexual nos programas de ensino, desde o Ensino Fundamental para que a educação transcorra em paralelo com a formação da sexualidade do indivíduo, uma condição lógica e desejável para a prevenção das desordens pessoais e sociais ligadas à má vivência da sexualidade.

 

Referências

1. Few C. The politics of sex research and constructions of female sexuality: what relevance to sexual health work with young women? J Adv Nurs. 1997;25(3):615-25.         [ Links ]

2. Rheaume C, Mitty E. Sexuality and intimacy in older adults. Geriatr Nurs. 2008;29(5):342-9.         [ Links ]

3. Ailey SH, Marks BA, Crisp C, Hahn JE. Promoting sexuality across the life span for individuals with intellectual and developmental disabilities. Nurs Clin North Am. 2003;38(2):229-52.         [ Links ]

4. Malatesta VJ, Chambless DL, Pollack M, Cantor A. Widowhood, sexuality and aging: a life span analysis. J Sex Marital Ther. 1988;14(1):49-62.         [ Links ]

5. Kellogg ND; Committee on Child Abuse and Neglect. Clinical report-the evaluation of sexual behaviors in children. Pediatrics. 2009;124(3):992-8.         [ Links ]

6. van Haute P. Infantile sexuality, primary object-love and the anthropological significance of the Oedipus complex: re-reading Freud's 'Female sexuality'. Int J Psychoanal. 2005;86(Pt 6):1661-78.         [ Links ]

7. Brenner C. Freud's great voyage of discovery. Psychoanal Q. 2007;76(1):9-25.         [ Links ]

8. Endrass J, Urbaniok F, Hammermeister LC, Benz C, Elbert T, Laubacher A, et al. The consumption of Internet child pornography and violent and sex offending. BMC Psychiatry. 2009;9:43.         [ Links ]

9. Carvalho QC, Galvão MT, Cardoso MV. Child sexual abuse: the perception of mothers concerning their daughters' sexual abuse. Rev Lat Am Enfermagem. 2009;17(4):501-6.         [ Links ]

10. Chen JQ, Han P, Dunne MP. [Child sexual abuse: a study among 892 female students of a medical school]. Zhonghua Er Ke Za Zhi. 2004;42(1):39-43.         [ Links ]

11. Lara LAS, Rosa e Silva ACJS, Romão APMS, Junqueira FRR. Abordagem das disfunções sexuais femininas. Rev Bras Ginecol Obstet. 2008;30(6):312-21.         [ Links ]

12. Junqueira FRR, Lara LAS, Romão APMS, Rosa e Silva ACJS, Romão GS, Ferriani RA. Implantação de ambulatório de sexualidade em um serviço de ginecologia de hospital universitário: resultados após um ano. Reprod Clim. 2005;20:13-6.         [ Links ]

13. van Anders SM, Dunn EJ. Are gonadal steroids linked with orgasm perceptions and sexual assertiveness in women and men? Horm Behav. 2009;56(2):206-13.         [ Links ]

14. Rupp HA, James TW, Ketterson ED, Sengelaub DR, Janssen E, Heiman JR. Neural activation in the orbitofrontal cortex in response to male faces increases during the follicular phase. Horm Behav. 2009;56(1):66-72.         [ Links ]

15. Basson R. The complexities of female sexual arousal disorder: potential role of pharmacotherapy. World J Urol. 2002;20(2):119-26.         [ Links ]

16. Basson R. Hormones and sexuality: current complexities and future directions. Maturitas. 2007;57(1):66-70.         [ Links ]

17. Ben Zion IZ, Tessler R, Cohen L, Lerer E, Raz Y, Bachner-Melman R, et al. Polymorphisms in the dopamine D4 receptor gene (DRD4) contribute to individual differences in human sexual behavior: desire, arousal and sexual function. Mol Psychiatry. 2006;11(8):782-6.         [ Links ]

18. Basson R. Human sex-response cycles. J Sex Marital Ther. 2001;27(1):33-43.         [ Links ]

19. Aubin S, Heiman JR, Berger RE, Murallo AV, Yung-Wen L. Comparing Sildenafil alone vs. Sildenafil plus brief couple sex therapy on erectile dysfunction and couples' sexual and marital quality of life: a pilot study. J Sex Marital Ther. 2009;35(2):122-43.         [ Links ]

20. Blümel JE, Chedraui P, Baron G, Belzares E, Bencosme A, Calle A, et al. Sexual dysfunction in middle-aged women: a multicenter Latin American study using the Female Sexual Function Index. Menopause. In press 2009.         [ Links ]

 

 

Correspondência:
Lúcia Alves da Silva Lara
Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo
Avenida Bandeirantes, 3.900
CEP: 14049-900 - Ribeirão Preto (SP), Brasil
E-mail: luciaalvess@yahoo.com.br

Recebido 5/10/09
Aceito com modificações 11/11/09

 

 

Setor de Reprodução Humana do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo - USP - Ribeirão Preto (SP), Brasil.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License