SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 issue4Determining a cutoff point for identifying the true pairs probabilistic record linkage database author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Cadernos Saúde Coletiva

Print version ISSN 1414-462XOn-line version ISSN 2358-291X

Cad. saúde colet. vol.22 no.4 Rio de Janeiro Oct./Dec. 2014  Epub Jan 09, 2015

http://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201400040002 

Resenha

Instrumentos de coleta de dados na Saúde Pública: resenha crítica da obra de Monteiro e Horta

Data collection instruments in Public Health: critical review of the Book from Monteiro and Horta

Carla Jorge Machado 1  

Claudia Aguiar Pereira 2  

1Ph.D. Population Dynamics at Johns Hopkins University - Baltimore, USA; Professora Associada da UFMG - Belo Horizonte (MG), Brasil

2Ph.D. Population Health at University of Wisconsin - Madison, USA; Pesquisadora do Departamento de Administração e Planejamento em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca da Fiocruz - Rio de Janeiro (RJ), Brasil


Validade e confiabilidade são conceitos fundamentais em Epidemiologia, e a obra "Pesquisa em Saúde Pública: Como Desenvolver e Validar Instrumentos de Coletas de Dados" traz à tona essa questão. O livro é dividido em seis capítulos, priorizando a teoria da medição.

O capítulo 1, "Introdução", chama a atenção para o objetivo central da obra, que é trazer um texto introdutório sobre os temas da validade e confiabilidade das medidas, sem ser exaustiva nos tópicos abordados. Os autores tratam dos cuidados que devem ser tomados no planejamento de um estudo científico, com ênfase especial à fase da coleta de dados. Nesse aspecto, diferenciam os erros sistemáticos (ou constantes) dos aleatórios (casuais ou variáveis) e apresentam, didaticamente, os conceitos de validade e confiabilidade. Há ainda um curto relato histórico sobre a contribuição de Charles Spearman à teoria clássica das medidas - vale lembrar a implementação em softwares estatísticos da correlação não paramétrica rho de Spearman, muito utilizada em pequenas amostras - e uma definição do coeficiente de confiabilidade.

A "Teoria da Medição" é o capítulo 2. Após estabelecer o que é "medição", são analisados os conceitos de "variável" e suas diversas derivações: "variável conceitual", "variável operacional", "variável quantitativa", contínua ou discreta, "variável qualitativa", nominal ou ordinal, entre outras. Os autores abordam a Teoria clássica da medição e os componentes do valor observado: valor verdadeiro e erro aleatório. No tópico "Escalas de Medição", separam os significados dos instrumentos de escalas de medição e definem-nas como os meios pelos quais se atribui um número a um objeto de estudo que se deseja mensurar. Os autores destacam que a obra não aborda os modos de operacionalizar as análises estatísticas voltadas para as escalas. O trabalho define em subtópicos, com exemplos, as possíveis estatísticas advindas de cada tipo de escala: nominal, ordinal, de intervalo e de razão. Os autores apresentam ainda um quadro que facilita a compreensão das diferenças entre os tipos de escala, relacionando-os a algumas categorias de aplicações funcionais. A obra destina, sabiamente, um tópico inteiro à Escala Likert, utilizada desde 1932. Neste os autores chamam a atenção para a possibilidade de expressar opinião, diferentemente das respostas dicotômicas, e é apresentado um exemplo prático. Por fim, tratam da obtenção de dados, com ênfase nas diferentes formas de observação (desde assistemática até em laboratório), exame de registro (busca documental) e entrevistas (com presença de entrevistador) ou questionários (quando o sujeito da pesquisa lê e responde as questões por si), relatando suas diferentes apresentações, vantagens e desvantagens. Também diferenciam questões abertas e fechadas, apresentando as vantagens e desvantagens associadas a cada tipo.

Os capítulos seguintes podem ser considerados os mais importantes do livro por tratarem de validade e confiabilidade. O capítulo 3 é intitulado "Validade" e remete, inicialmente, à definição de que é o grau em que um instrumento mede o que se propõe a medir. Nesse caso, a ideia subjacente é a adequação entre o fenômeno estudado e o conceito teórico a ser medido. Assim, os autores apresentam uma variedade de possíveis definições para validade e trazem o relato histórico de uma das primeiras avaliações empíricas de validade, ocorrida em 1905. O relato histórico segue contando os avanços na década de 1950, com o surgimento de múltiplas linhas de "evidência de validade" e classificações de validade em quatro tipos: validade de conteúdo (cuja temática foi abordada em revisão integrativa recente na área de saúde1), concorrente, preditiva e de construto. Em seguida,os autores passam ao conceito de "validade relacionada a critério", que surgiu em 1966, a partir da combinação entre validade concorrente e preditiva. Passou-se, então, da concepção de "tipos" de validade para "aspectos" da validade. Adiante, os autores direcionam o capítulo para a abordagem aprofundada da validação do conteúdo, validação do construto e validação correlacionada a critério. Neste último, aprofundam o assunto em tópicos voltados para a acurácia dos testes (sensibilidade, especificidade e valores preditivos). Tratam ainda da curva Receiver Operating Characteristics(ROC), que é útil para a escolha do melhor ponto de corte, a partir da sensibilidade e especificidade do instrumento e do objetivo do estudo, bem como da razão de verossimilhança.

Uma ressalva nos tópicos voltados para acurácia dos testes (como especificidade e sensibilidade) é que tais conceitos não se aplicam apenas à relação doença e teste, como abordado pelos autores, mas também a inúmeros construtos e desfechos. Em Ciências Sociais, o conceito de validade aplica-se em medidas como inventários de personalidades, testes educacionais, surveys, questionários de atitudes, entre outros2.

Os autores chamam a atenção para o fato de que a validade do instrumento deve estar relacionada com sua finalidade específica, pois um teste pode ser apropriado para um devido fim e não para outro. Dessa forma, a validade não deve ser considerada como 'tudo ou nada', válido ou não válido, mas o que se pode fazer é defender o uso de um teste em determinada situação, reconhecendo que o que está validado não é o teste em si, mas seu uso para propósito particular.

O capítulo 4 foi denominado "Confiabilidade" e nele, assim como no capítulo anterior, os autores têm o cuidado de fornecer aos leitores várias possíveis definições da expressão abordada. Iniciam com o conceito mais simples, que é o da medição ser capaz de produzir os mesmos resultados em repetidas tentativas, ou seja, remete à consistência, independentemente de quem ou quando se está aferindo. Na sequência, abordam as fontes de erros e as formas de estimá-los: comparando o resultado obtido por um observador com outro igualmente treinado, repetindo a medida no mesmo sujeito e comparando o resultado do instrumento com o de outro similar. A partir daí, apresentam a confiança intraobservador, interobservador e a consistência interna. Desenvolvem, em seguida, uma seção sobre indicadores de confiabilidade e suas respectivas fórmulas: genérico; estimadores de consistência interna, incluindo correlação de Pearson; correlação item-total; métodos de bipartição ou divisão ao meio, também conhecidos como split-half; fórmula 20 de Kuder-Richardson (KR-20) e Alfa de Cronbach (coeficiente de alfa), que é o mais usado e conhecido indicador de confiabilidade interna de um instrumento de coleta de dados. O capítulo termina abordando os indicadores de confiabilidade intraobservador e interobservador, e fornecendo algumas considerações para melhorar a confiabilidade de um questionário ou entrevista.

No capítulo 5, "Desenvolvimento de Novos Instrumentos de Pesquisa", os autores apresentam resumidamente alguns conselhos e instruções àqueles que desejam desenvolver novos instrumentos de pesquisa, como: definição ou identificação das informações necessárias, identificação do público a ser estudado, escolha do melhor método para atingir esse público, execução de um ou mais pré-testes, entre outros.

No último capítulo, "Considerações Finais", os autores retomam questões que motivaram o livro e que haviam sido mencionadas no início, como o planejamento cuidadoso da pesquisa e da escolha adequada do instrumento de pesquisa.

À guisa de conclusão, trata-se de leitura que, apesar de contemplar conceitos quantitativos complexos do campo da medição, é leve e agradável. O livro representa uma contribuição à literatura nacional sobre o assunto e é recomendado para alunos de cursos de graduação e pós-graduação em Saúde Coletiva, de variados objetivos que abordem a qualidade na coleta de dados e aspectos relacionados.

Referências

. Alexandre NMC, Coluci MZ. Validade de conteúdo nos processos de construção e adaptação de instrumentos de medidas. Cienc Saude Colet. 2011;16(7):3061-8. [ Links ]

. Sireci SG. The construct of content validity. Soc Indic Res. 1998;45:83-117. [ Links ]

Trabalho realizado na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) - Belo Horizonte (MG), Brasil.

Recebido: 29 de Maio de 2014; Aceito: 09 de Dezembro de 2014

Endereço para correspondência: Carla Jorge Machado - Avenida Augusto de Lima, 1376, sala 909 - CEP: 30190-003 - Belo Horizonte (MG), Brasil - E-mail: carlajmachado@gmail.com.

Conflito de interesses: nada a declarar.

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium provided the original work is properly cited.