SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número1UMA PROPOSTA DE REFERENCIAL ANALÍTICO DE GRÁFICOS CINEMÁTICA A PARTIR DE TABELASA MÚSICA PODE SER UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS? ANALISANDO CONCEPÇÕES DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA. índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte)

versão impressa ISSN 1415-2150versão On-line ISSN 1983-2117

Ens. Pesqui. Educ. Ciênc. (Belo Horizonte) vol.15 no.1 Belo Horizonte jan./abr. 2013

https://doi.org/10.1590/1983-21172013150105 

Artigos

A AFINIDADE COM A FÍSICA: UMA ANÁLISE FEITA COM ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL (UFMS)

THE AFFINITY WITH PHYSICS KNOWLEDGE: AN ANALYSIS FROM THE GRADUATE STUDENTS OF PHISICS UFMS

Bruno dos Santos Simões 1  

Ana Luiza de Quadros 2  

Simoni Tormöhlen Gehlen 3  

Hamilton Perez Soares Corrêa 4  

Rodolfo Langhi 5  

1Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis - SC

2Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Química no Instituto de Ciências Exatas (IQUFMG), Belo Horizonte-MG

3Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicasda Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Ilheus-BA

4Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande- MS

5Departamento de Física da Faculdade de Ciências da UNESP, Bauru-SP


RESUMO

Este trabalho tem como objetivo investigar fatores que influenciaram estudantes de Física da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) na escolha do curso, e o papel que seus próprios professores tiveram nessa escolha. Para tal, construímos e aplicamos um questionário a quarenta e cinco graduandos de Física (bacharelado e licenciatura). Dentre os resultados, destacamos que os estudantes investigados desenvolveram afinidades com a Física antes de optarem pela carreira. Ao apontarem professores dos quais tenham gostado durante o percurso de formação, aqueles que ministraram Física foram os mais lembrados. Porém, a afinidade com o conhecimento é o fator mais citado como definidor da escolha. Entendemos que o professor, mesmo não sendo peça fundamental nessa escolha, é um importante agente motivador, influenciando estudantes na escolha pela carreira científica.

Palavras-Chave: Afetividade; Ensino de Física; Escolha da Carreira.

ABSTRACT

The aim of this study is to investigate aspects that influenced students of Physics at the Federal University of Mato Grosso do Sul (UFMS) to choose that course and the influence that their own teachers had on their decision. In order to do that, a questionnaire was prepared and answered by forty-five students of Physics (bachelor's course or teacher's course). In the results we highlighted that those students developed affinities with physics knowledge before choosing the course. The analysis suggests that the teacher, although not predominant in these choices, is an important catalyst, thus influencing students to choose a career in science co-operating.

Key words: Affectivity; Physics education; Career choice.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

REFERÊNCIAS

ANDRÉ, M. E. D. A.Etnografia da Prática Escolar. São Paulo: Ed. Papirus. 16. ed.2009. [ Links ]

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação, 1999. [ Links ]

CUSTÓDIO, J. F.Explicando explicações na educação científica: domínio cognitivo, status afetivo e sentimento de entendimento. 2007. 249 fl.Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007. [ Links ]

DALRI, J.; MATTOS, C. R.Aspectos afetivos-cognitivos na aprendizagem e suas influências na escolha da profissão de professor de Física: um exemploIn: ENCONTRO DE PESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA, 11, 2008. Curitiba. Anais...Curitiba: SBF, 2008. [ Links ]

GARNICA, A. V. M. Algumas notas sobre Pesquisa Qualitativa e Fenomenologia. Interface. Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, SP, v.1, n.1, p. 109-122, 1997. [ Links ]

GIL, A. C., Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2006. [ Links ]

MACHIORE, L. W. O. A.; ALENCAR, E. M. L. S.Motivação para aprender em alunos do ensino médio. Educação Temática Digital, Campinas, v.10, p. 105-123, 2009. [ Links ]

MARTINI, A. M.A influência da relação entre o professor de química e os alunos na escolha pela Química como área de atuação profissional. 2006. Trabalho (Conclusão de Curso) - Faculdade de Educação da Universidade de Campinas, Campinas, 2006. [ Links ]

MORTIMER, E. F.Construtivismo, Mudança conceitual e Ensino de Ciências: para onde vamos?Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v.1, n. 1, p.20-39, 1996. [ Links ]

MORTIMER, E. F. e SCOTT, P.Meaning making in secondary science classrooms. Buckingham: Open University Press, 2003. [ Links ]

PIETROCOLA, M., PINHEIRO, T. F.Modelos e afetividade. ENCONTRO DE PESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA, 7 2000. Florianópolis. Anais...Florianópolis: Sociedade Brasileira de Física, 2000. [ Links ]

QUADROS, A. L. de, et al.Os professores que tivemos e a formação da nossa identidade como docentes: um encontro com nossa memória. Revista Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 7n. 01, 2005. [ Links ]

SCHNETZLER, R. P.Construção do Conhecimento e Ensino de Ciências. Em Aberto, Brasília, v. 11, n. 55, p.16-23, 1992. [ Links ]

SILVA, J. B.; SCHNEIDER, E. J.Aspectos sócio-afetivos do processo de ensino e aprendizagem. Revista de divulgação técnico-científica do ICPG, Blumenau, SC, v. 3, n. 11. p. 83-87. Jul/Dez 2007. [ Links ]

VILLANI, A.; CABRAL, T. C. B. Mudança conceitual, subjetividade e psicanálise. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 2, n. 1, p. 43-61, 1997. [ Links ]

VON HOHENDORFF, C. M., Cultura é aquilo que fica de tudo que se esquece. Psicanálise e educação: uma transmissão possível. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, Porto Alegre, v. IX, n. 16, p. 52-60, 1999. [ Links ]

1É o sistema informatizado, gerenciado pelo Ministério da Educação, por meio do qual as instituições públicas de Educação Superior participantes selecionam novos estudantes exclusivamente pela nota obtida no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem).

*Bruno dos Santos Simões*, licenciado em Física pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e Mestre em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Email: simoes89@uol.com.br

**Ana Luiza de Quadros, Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (FAE/UFMG). Professora Assistente do Departamento de Química no Instituto de Ciências Exatas da (IQUFMG). Email: aquadros@qui.ufmg.br

***Simoni Tormöhlen Gehlen, Doutora em Educação Ciêntífica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora adjunta do Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Email: simonigehlen@yahoo.com.br

****Hamilton Perez Soares Corrêa - Doutor em Química pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Professor Adjunto do Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Email: hpsoares@gmail.com

*****Rodolfo Langhi - Doutor em Educação Para a Ciência pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/bauru). Professor Assistente - Doutor do Departamento de Física da Faculdade de Ciências da UNESP/bauru. Email: prof.langhi@gmail.com

Recebido: 10 de Abril de 2011; Aceito: 21 de Outubro de 2011

Creative Commons License This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License