SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.8 issue22Aprendendo a aprender: análise de três estudos de caso em aprendizagem organizacional a partir do construtivismoGerenciamento das pessoas em uma associação de trabalho: novas formas de participação? author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Organizações & Sociedade

Print version ISSN 1413-585XOn-line version ISSN 1984-9230

Organ. Soc. vol.8 no.22 Salvador Sept./Dec. 2001

http://dx.doi.org/10.1590/S1984-92302001000300004 

ARTIGOS / ARTICLES

 

Capital humano: a vantagem competitiva1

 

 

Luciano Gonzaga Vanderley

Professor, Psicólogo, Especialista em Gerência Geral, Mestre em Administração e Doutorando em Psicologia pela Universidad del Salvador (Buenos Aires - Argentina)

 

 


RESUMO

De uma maneira geral, o potencial das pessoas nas organizações não têm sido adequadamente utilizado; elas são levadas a um desempenho burocrático sem nenhuma inovação ou criatividade, submetidas a uma cultura empresarial de otimização dos lucros e redução de custos. A organização necessita de pessoas competentes e criativas para enfrentar as dificuldades do mercado atual. Os funcionários podem constituir-se em elementos alavancadores de resultados dentro da organização; constituem a vantagem competitiva que representa o "algo mais" que uma empresa pode oferecer ao mercado; são, ainda, os que fazem a diferença e personalizam-na, fazendo a distinguir-se de todas as demais. A partir das leituras sobre as teorias administrativas, percebeu-se que o homem se apresentava, de uma maneira geral, no plano secundário, e diante dessa inquietação, surgiu a necessidade de resgatar o sentimento de realização do homem no trabalho. O estudo do Grupo Humanismo e Gestão poderá contribuir, significativamente, para aumentar a qualidade e produtividade dos trabalhos realizados e, talvez, propiciar uma vida no trabalho mais feliz e realizada.


ABSTRACT

In general, people's potential in the organizations have not been used properly; under a culture of optimization of profits and reduction of costs they have been compelled to a bureaucratic performance without innovation or creativity. A organization needs competent and creative people in order to face the difficulties of actual markets. The workers can become elements of results leverage of inside the organization and can constitute a competitive advantage that represents something else that the organization offers to the market. Furthermore, the workers can make a company different by personalizing it, by making it distinguish of all the other organizations. From the lectures on administrative theories, it can be perceived that the man was presented, generally, in a secondary level and, from this uneasiness, appears the need to rescue the sense of realization of the man at work. The work of the group 'Humanismo e Gestão' could contribute significantly to the improvement of quality and productivity at work and maybe allow a work life more happy and fulfilling.


 

 

Texto completo disponivel apenas em PDF.

Full text avaliable only in PDF.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AQUINO, Cléber Pinheiro. Administração de recursos humanos: uma introdução, São Paulo: Atlas, 1979;         [ Links ]

CABRAL, Augusto Cézar de Aquino. Análise organizacional: as organizações e sua teoria, Fortaleza, 1996;         [ Links ]

CHANLAT, Jean-François. O Indivíduo na organização: dimensões esquecidas, volume I, 2ª ed., São Paulo: Atlas, 1993;         [ Links ]

O Indivíduo na organização: dimensões esquecidas, volume II, São Paulo: Atlas, 1993;         [ Links ]

O Indivíduo na organização: dimensões esquecidas, volume III, São Paulo: Atlas, 1996;         [ Links ]

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração, 4ª ed., São Paulo: Makron books, 1993;         [ Links ]

CLEGG, Stewart. Poder, linguagem e ação nas organizações. In: CHANLAT, Jean- François. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas, volume I, São Paulo: Atlas, 1993;         [ Links ]

DEVEREUX, G. Ethnopsychanalyse complémentariste. Paris: Flammarion, 1972. In: CHANLAT, Jean-François. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas, volume I, São Paulo: Atlas, 1993;         [ Links ]

FAYOL, Henri. Administração industrial e geral. São Paulo: Atlas, 1950;         [ Links ]

FERREIRA, Ademir A. et alii. Gestão empresarial: evolução e tendências da moderna administração de empresas de taylor aos nossos dias. São Paulo: Pioneira, 1997;         [ Links ]

LODI, João Bosco. História da administração, São Paulo: Pioneira, 1971;         [ Links ]

MATTOS, Ruy. De recursos a seres humanos: o desenvolvimento humano na empresa, Brasília: Livre, 1992;         [ Links ]

MATOS, Francisco Gomes. Desburocratização: renovação da empresa. 3ª Ed., São Paulo: Atlas, 1980;         [ Links ]

NADLER, David A. et alii. Arquitetura organizacional: a chave para a mudança empresarial. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1995;         [ Links ]

RONDEAU, Alain. A gestão dos conflitos nas organizações. In: CHANLAT, Jean-François. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas, volume III, São Paulo: Atlas, 1996;         [ Links ]

SELLTIZ, et alli, Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: EPU, 1974;         [ Links ]

SIKULA, Andrew F. Administración de recursos humanos en empresas, Lima: Editorial Limusa, 1989;         [ Links ]

SCHEIN, Edgar H. Psicologia Organizacional. 3ª Ed., Rio de Janeiro: PHB, 1982;         [ Links ]

TAYLOR, Frederick W. Princípios de administração científica. 5ª Ed., São Paulo: Atlas, 1963;         [ Links ]

 

 

1 Artigo extraído da Dissertação de Mestrado em Administração

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License