SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.40 número2Uma nova espécie de líquen de Heritage Range, Montanhas Ellsworth, AntárticaGerminação de sementes de Maclura tinctoria (Moraceae) sob diferentes regimes térmicos influenciados pela luz índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Hoehnea

versão On-line ISSN 2236-8906

Hoehnea vol.40 no.2 São Paulo jun. 2013

http://dx.doi.org/10.1590/S2236-89062013000200007 

ARTIGOS

 

Florística arbórea e arbustiva de um fragmento de Mata Ciliar do arroio Boa Vista, Teutônia, RS, Brasil

 

Tree and shrub floristics of a fragment of the riparian forest surrounding Boa Vista Stream, Teutônia, Rio Grande do Sul State, Brazil

 

 

Cátia Eloísa BrackmannI,*; e Elisete Maria de FreitasII

IAcadêmica do Curso de Ciências Biológicas - Licenciatura, Centro Universitário UNIVATES, Avenida Avelino Tallini, 171, Universitário, 95900-000 Lajeado, RS, Brasil
IICentro Universitário UNIVATES, Museu de Ciências Naturais, Laboratório de Propagação de Plantas, Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia, Avenida Avelino Tallini, 171, Universitário, 95900-000 Lajeado, RS, Brasil

 

 


RESUMO

As matas ciliares possuem importantes funções na proteção do solo e conservação de ecossistemas. O objetivo do presente estudo foi inventariar a diversidade florística arbórea e arbustiva de um fragmento da mata ciliar do arroio Boa Vista, Teutônia, RS, Brasil. Para o levantamento das espécies, foram realizadas caminhadas em todo o fragmento, uma a cada mês, de março a outubro de 2012. Foram identificadas 50 espécies, 47 gêneros e 24 famílias. A família com maior riqueza de espécies foi Fabaceae, seguida por Myrtaceae e Euphorbiaceae, seguindo os padrões de outros levantamentos em mata ciliar no Estado do Rio Grande do Sul. Considerando o tamanho da área, o grau de antropização no seu entorno e o número de espécies de outros fragmentos estudados em mata ciliar no RS, a riqueza é elevada. A maioria das espécies possui ampla distribuição geográfica para o Estado do Rio Grande do Sul.

Palavras-chave: diversidade florística, levantamento florístico, vegetação ribeirinha


ABSTRACT

The riparian vegetation plays important roles in soil protection and ecosystem conservation. The aim of this study was to inventory the diversity of tree and shrub floristics in a fragment of the riparian forest at Boa Vista Stream, in Teutônia, Rio Grande do Sul State. To survey the species, we performed exploring rides around the fragment, once a month, from March to October 2012. Were identified 50 species, 47 genres, and 24 families. The richest family in species was Fabaceae, followed by Myrtaceae and Euphorbiaceae, following the standards of other surveys on riparian vegetation in Rio Grande do Sul State. Considering the size of the area, the degree of human disturbance in their surroundings, and the number of species in other riparian forest fragments studied in Rio Grande do Sul State, species richness is high. Most species have a wide geographic distribution in the State.

Key words: floristic diversity, floristic survey, riparian vegetation


 

 

Introdução

Matas ciliares são formações florestais encontradas ao longo de cursos d'água, cuja função é proteger os rios influenciando na qualidade da água, na manutenção do ciclo hidrológico nas bacias hidrográficas, evitando o processo de erosão das margens e o assoreamento do leito dos rios (Primo & Vaz 2006). Também atuam como habitats para diversas espécies animais, favorecendo o fluxo gênico e aumentando a diversidade genética nas populações (Brown Jr. 2001, Franco 2005). Apesar da importância desses ambientes e mesmo protegidas por lei vêm sendo degradados e perturbados por meio das ações antrópicas que as desmatam principalmente para a implantação de atividades agrícolas (Primo & Vaz 2006), estando, consequentemente, reduzida a estreitas faixas ou inexistente em determinadas extensões (Eckhardt et al. 2008) como pode ser observado nas margens do rio Taquari e seus afluentes na Depressão Central do Estado do Rio Grande do Sul (RS). Essa degradação é acompanhada pela escassez de estudos que não tem permitido uma compreensão sobre a dinâmica dessas florestas (Budke etal. 2004). As regiões Sudeste e Centro-Oeste do Brasil são as mais estudadas (Rodrigues & Nave 2001). Na região Sul, os estudos estiveram mais concentrados no Estado do Paraná enquanto que no RS ainda são escassos e restritos a determinadas bacias hidrográficas como a do rio Jacuí (Budke et al. 2004, Marchi & Jarenkow 2008). Na bacia hidrográfica do rio Taquari somente um trabalho sobre a composição e a estrutura das comunidades vegetais da mata ciliar encontra-se publicado (Mundeleski etal. 2008), refletindo no imenso desconhecimento da composição florística, dos padrões fitogeográficos e de dados ecológicos, dificultando a adequada implantação de projetos que visem a sua recuperação.

Apesar da falta de estudos, nas últimas décadas, a restauração das florestas ciliares tem sido incentivada, no entanto, são raros os casos de projetos que propõem a restauração das matas ciliares fundamentadas numa questão ecológica (Rodrigues & Nave 2001). Para os mesmos autores, ignorar a complexidade ambiental das matas ciliares durante a escolha e distribuição das espécies florestais nos projetos de recuperação de áreas ciliares pode resultar numa homogeneidade de espécies com consequências imprevisíveis na dinâmica e diversidade ecológica dessas áreas e no sucesso dessas propostas.

O presente estudo teve como objetivos conhecer a diversidade florística do componente arbóreo e arbustivo de um fragmento de mata ciliar do arroio Boa Vista, Teutônia, RS; relacionar o contingente geográfico das espécies, visando contribuir para a adequada seleção de espécies na implantação de projetos de recuperação desses importantes ecossistemas.

 

Materiais e métodos

A área de estudo é constituída por um trecho de mata ciliar em ambas as margens do arroio Boa Vista, inserido em uma propriedade particular até recentemente utilizada como camping e que possui, junto ao limite superior do fragmento estudado, uma barragem para o represamento da água. Está localizada nas coordenadas UTM 22J X: 461.430, Y: 6.741.535, no interior do município de Teutônia, nordeste do RS, região fisiográfica da Depressão Central (figura 1), na vertente sul do Planalto Meridional ou Formação Serra Geral (Teixeira & Neto 1986). A vegetação pertence ao Bioma Mata Atlântica, estando inserida na formação fitoecológia da Floresta Estacional Decidual Submontana (Leite 2002), pois se localiza num intervalo de 30 e 400 metros de altitude.

O solo na região estudada é argiloso e profundo, sendo classificado como Chernossolo Háplico Órtico típico, caracterizado pelo alto potencial para culturas anuais (Streck et al. 2008). O clima no Vale do Taquari, de acordo com Köppen (Moreno 1961), é classificado em "Cf" ou temperado úmido, apresentando a variedade "Cfa" ou subtropical na maioria das regiões. A temperatura e precipitação média anual são 18 ºC e 1.600 mm, respectivamente (CIH-Univates 2012). O arroio Boa Vista é um afluente do rio Taquari, bacia hidrográfica Taquari-Antas, com área de 26.491,82 km2. Conforme a Secretaria do Meio Ambiente do RS (2010), a utilização da água dessa bacia está relacionada à irrigação, dessedentação de animais, agroindústrias e abastecimento público de áreas urbanas. Nas margens do arroio, ao longo de todo o seu curso, é comum a ocorrência de cultivos agrícolas (especialmente monoculturas e pastagens) que contribuíram, desde a colonização dessa região, para a existência de poucos e pequenos fragmentos ou estreitas faixas com vegetação arbórea preservada nas suas margens.

O fragmento estudado possui aproximadamente três hectares com floresta arbórea relativamente preservada nas duas margens, correspondendo a uma extensão de aproximadamente 80 m na margem direita e de 40 m na margem esquerda, submetido a frequentes inundações em épocas de cheias.

Para a realização do levantamento florístico, o fragmento foi percorrido na íntegra, seguindo o método de Caminhamento (Filgueiras et al. 1994). Durante as caminhadas foi realizada a coleta de material botânico, fértil ou não, de todas as espécies arbóreas e arbustivas com no mínimo três metros de altura. Visando obter o maior número de coleta de material botânico fértil; as caminhadas foram repetidas por pelo menos uma vez a cada mês, de março a outubro de 2012, facilitando assim a correta identificação dos indivíduos e o registro das espécies em herbário. Visando ampliar a possibilidade de encontrar o maior número de espécies em floração, no mês de setembro (primavera) foram realizadas mais excursões ao fragmento.

O material coletado foi utilizado para a identificação das espécies com o uso de bibliografia específica (Sobral et al. 2006) e consulta à especialistas. A nomenclatura das espécies seguiu a Lista de Espécies Flora do Brasil (2012). Para a definição das famílias botânicas foi seguida a Angiosperm Phylogeny Group III (APG III 2009). Todo material botânico em estágio fértil foi desidratado, herborizado e depositado no herbário HVAT do Museu de Ciências Naturais do Centro Universitário UNIVATES.

A classificação das espécies ocorrentes em cada contingente fitogeográfico seguiu Jarenkow & Waechter (2001) e Grings & Brack (2008), para espécies de ampla distribuição geográfica no RS (EAD), provenientes da bacia do Paraná-Uruguai - corredor oeste (FED), espécies características da Floresta Ombrófila Densa - corredor leste (FOD) e espécies características da Floresta Ombrófila Mista (FOM). As espécies não listadas pelos autores foram consultadas em bibliografias complementares (Bergamin & Mondin 2006, Sühs et al. 2009, Markus & Freitas 2011).

 

Resultados e Discussão

Foi registrada a ocorrência de 50 espécies arbóreas e arbustivas, distribuídas em 47 gêneros e 24 famílias botânicas (tabela 1), pertencentes a três clados e 12 ordens. O clado das Monocots foi representado por apenas uma ordem e uma família, o das Magnoliids esteve representado por uma ordem e duas famílias, enquanto que as 10 ordens restantes com 21 famílias fazem parte do clado das Eudicots. Sapindales foi a ordem de maior representação, com cinco famílias e nove espécies, das quais duas eram exóticas.

A família Fabaceae apresentou o maior número de espécies (11), distribuídas em 10 gêneros, seguida por Euphorbiaceae e Myrtaceae, ambas com quatro espécies. Moraceae, Rutaceae e Sapindaceae com três espécies cada, Bignoniaceae, Boraginaceae, Cannabaceae e Sapotaceae com duas espécies cada. Outras 14 famílias apresentaram apenas uma espécie.

As famílias Myrtaceae, Fabaceae e Euphorbiaceae foram citadas em outros trabalhos realizados em florestas ribeirinhas no RS, por apresentar maior riqueza de espécies (Budke et al. 2004, Rolim et al. 2006, Grings & Brack 2008). Myrtaceae e Fabaceae foram as mais numerosas em um levantamento fitossociológico realizado em uma Floresta Estacional na região Central Sul-riograndense (Jarenkow & Waechter 2001). Também obtiveram maior riqueza de espécies no estudo ambiental da microbacia do arroio Jacarezinho (Nova Bréscia e Encantado, RS) (Mundeleski et al. 2008) e no estudo florístico realizado em uma porção de mata de encosta do morro da Harmonia, Teutônia, RS, Brasil (Markus & Freitas 2011).

Os gêneros Cordia, Machaerium e Citrus (este último, exótico) apresentaram duas espécies cada. Diferente de outros trabalhos, o gênero Eugenia foi representado por apenas uma espécie, não seguindo os padrões de outros trabalhos florísticos, como o realizado na floresta ribeirinha do arroio Passo das Tropas, em Santa Maria, RS (Budke et al. 2004), em fragmentos florestais na bacia hidrográfica do rio Gravataí (RS) (Oliveira et al. 2005), na mata de encosta do morro da Harmonia em Teutônia (Markus & Freitas 2011) ou ainda, numa mata ribeirinha no rio Camaquã no município de Cristal, RS (Marchi & Jarenkow 2008).

Mundeleski et al. (2008), em trabalho realizado na transição da Floresta Estacional Decidual para Floresta Ombrófila Mista, nos municípios de Encantado e Nova Bréscia, pertencente à mesma bacia hidrográfica do presente estudo, registraram a ocorrência de 16 espécies nativas idênticas ao fragmento em questão: Allophylus edulis, Bauhinia forficata, Campomanesia xanthocarpa,Chrysophyllum gonocarpum,Cordia trichotoma,Cupania vernalis,Eugenia uniflora,Actinostemonconcolor,Luehea divaricata,Matayba elaeagnoides,Myrocarpus frondosus,Nectandra megapotamica,Parapitadenia rigida,Syagrus romanzoffiana,Trema micranta e Tichilia elegans. Contudo, o autor registrou a presença de indivíduos pertencentes às famílias Erythroxylaceae e Araucariaceae, não apontadas no presente levantamento.

Apesar da diferença de altitude, mas pertencente à mesma formação fitoecológica de mata na encosta do morro da Harmonia, no mesmo município do presente estudo, 12 espécies registradas por Markus & Freitas (2011) também ocorreram no presente estudo: S. romanzoffiana,T. micranta,Dalbergia frutescens, Inga marginata, Machaerium stipitatum,Actinostemonconcolor,A. edulis, C. vernalis,M. elaeagnoides, Chrysophyllum gonocarpum,Ficus luschnathiana e Eucalyptus sp., esta última, exótica.

Oliveira et al. (2005), em levantamento florístico realizado em fragmentos florestais na bacia hidrográfica do rio Gravataí, RS, classificaram as espécies encontradas como pioneiras e secundárias iniciais e tardias. Dentre as pioneiras registradas, Allophylus edulis, Mimosa bimucronata, Sapium glandulosum e Salix humboldtiana também ocorrem no presente estudo, indicando alto grau de antropização na área estudada. As espécies Eugenia uniflora, Campomanesia xanthocarpa, Cupania vernalis e Parapiptadenia rigida, classificadas como secundárias iniciais e tardias, também foram registradas no presente estudo. Diagnóstico idêntico foi obtido a partir do levantamento de uma floresta ribeirinha do arroio Passo das Tropas, em que, Budke et al. (2004) observaram a presença de Allophylus edulis, Salix humboldtiana, Eugenia uniflora, Campomanesia xanthocarpa e Parapiptadenia rigida. Os referidos autores indicam que a presença dessas espécies é comum ao longo das margens de cursos d'água. Portanto, são indicadas para a recuperação da mata ciliar em áreas acentuadamente antropizadas, devendo-se priorizar a seleção de espécies pioneiras, comuns em levantamentos realizados dentro de uma mesma bacia hidrográfica e mesma formação fitoecológica. Essas espécies apresentam germinação rápida na presença de luz e alta velocidade de crescimento (Alcalá et al. 2006). As espécies secundárias iniciais e tardias devem ser usadas quando já existe uma formação secundária inicial instalada.

Do total de espécies registradas, 31 apresentam ampla distribuição geográfica (tabela 1), dentre elas, Cordia trichotoma, Trema micranta, Bauhinia forficata, Salix humboltiana, Allophylus edulis, Cupania vernalis e Matayba elaegnoides. Em segundo lugar, destacam-se as provenientes da Floresta Estacional Decidual, com 11 espécies, entre elas, Cordia americana, Celtis iguanaea, Myrocarpus frondosus, Enterolobium contortisiliquum, Parapiptadenia rígida e Trichilia elegans. As espécies características da Floresta Ombrófila Mista são Handroanthus serratifolius e Aegiphila brachiata. Já a Floresta Ombrófila Densa é representada apenas por Ficus cestrifolia. Esses dados podem apontar para a possível localização da área de estudo em zona de congruência.

Três espécies estão na lista de Espécies da Flora Ameaçada de Extinção no Rio Grande do Sul (Jacaranda puberula,Picrasma crenata e Myrocarpus frondosus) (SEMA 2003) e duas são imunes ao corte (Ficus luschnathiana e Ficus cestrifolia). E ainda, cinco espécies são consideradas exóticas (Citrus sp. (2), Eucalyptus sp., Hovenia dulcis e Morus nigra).

Apesar de se tratar de um fragmento pequeno, com uso até recentemente como camping e circundado por lavouras, a riqueza de espécies foi alta quando comparada com outros trabalhos realizados em formações ribeirinhas no Estado. Além disso, trata-se de um importante levantamento, pois possibilitou a ampliação do conhecimento da diversidade florística das matas ciliares da bacia hidrográfica do Rio Taquari. No entanto, não é suficiente para definir o real estado de conservação da mesma. Mais estudos são necessários nos rios e arroios da Bacia Hidrográfica do rio Taquari para maior conhecimento da sua estrutura, tanto da flora arbórea, quanto arbustiva, herbácea, de trepadeiras e de epífitas.

 

Agradecimentos

Aos botânicos Marcos Sobral e Martim Grings pelo auxílio na identificação de espécies; aos proprietários da área de estudo que permitiram a realização do trabalho, aos funcionários do Museu de Ciências Naturais da UNIVATES pelo espaço cedido e pelo auxílio no preparo das exsicatas.

 

Literatura citada

Alcalá, M., Franceschi, N.C.S. & Stranghetti, V. 2006. Florística de trechos de matas ciliares do ribeirão Borá e ribeirão Cubatão, Potirendaba, SP. Revista do Instituto Florestal 18:79-93.         [ Links ]

Angiosperm Philogeny Group - APG III. 2009. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants. Botanical Journal of the Linnean Society: 105-121.         [ Links ]

Bergamin, R.S. & Mondin, C.A. 2006. Relações florísticas e relações fitogeográficas do componente arbóreo de um fragmento florestal no município de Barra do Ribeiro, Rio Grande do Sul, Brasil. Pesquisas, Botânica 57:217-230.         [ Links ]

Brown Jr., K.S. 2001. Insetos Indicadores da História, Composição, Diversidade e Integridade de Matas Ciliares Tropicais. In: R.R. Rodrigues & H.F. Leitão Filho (eds.). Matas ciliares:conservação e recuperação. Editora Edusp, São Paulo, pp. 223-232.         [ Links ]

Budke, J.C., Giehl, E.L.H., Athayde, E.A., Eisinger, S.M. & Záquia, R.A. 2004. Florística e fitossociologia do componente arbóreo de uma floresta ribeirinha, arroio Passo das Tropas, Santa Maria, Brasil. Acta Botanica Brasilica 18:581-589.         [ Links ]

Centro de Informações Hidrometeorológicas - CIH, Univates. 2012. Informações hidrometeorológicas.Univates, Lajeado.         [ Links ]

Eckhardt, R.R., Lima, D.F.B. & Diedrich, V.L. 2008. Mapeamento da mata ciliar do rio Taquari utilizando imagens de satélite. Centro Universitário Univates, Lajeado.         [ Links ]

Filgueiras, T.S., Brochado, A.L., Nogueira, P.E. & Guala II, G.F. 1994. Caminhamento - um método expedito para levantamentos florísticos qualitativos.Cadernos de Geociências 12:39-43.         [ Links ]

Franco, J.G.O. 2005. Direito AmbientalMatas Ciliares: Conteúdo Jurídico e Biodiversidade. Juruá Editora, Curitiba.         [ Links ]

Grings, M. & Brack, P. 2008. Árvores na vegetação nativa de Nova Petrópolis, Rio Grande do Sul. Iheringia, sér. Botanica 64:5-22.         [ Links ]

Jarenkow, J.A. & Waechter, J.L. 2001. Composição, estrutura e relações florísticas do componente arbóreo de uma floresta estacional no Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Botânica 24:263-272.         [ Links ]

Leite, P.F. 2002. Contribuição ao conhecimento fitoecológico do sul do Brasil. Ciência e Ambiente 24:51-73.         [ Links ]

Lista de Espécies Flora do Brasil. 2012. http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2012/ (acesso em 16.11.12).         [ Links ]

Marchi, T.C. & Jarenkow, J.A. 2008.Estrutura do componente arbóreo de mata ribeirinha no rio Camaquã, município de Cristal, Rio Grande do Sul, Brasil. Iheringia, Série Botanica 63:241-248.         [ Links ]

Markus, E. & Freitas, E.M. 2011. Florística arbórea de uma porção de mata de encosta do morro da Harmonia, Teutônia, Rio Grande do Sul, Brasil. Pesquisas, Botânica: 263-272.         [ Links ]

Moreno, J.A. 1961. Clima do Rio Grande do Sul. Secretaria da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.         [ Links ]

Mudeleski, E., Schmitz, J.A.K. & Biondo, E. 2008. Estudo ambiental da microbacia do arroio Jacarezinho (Nova Brescia e Encantado, RS) com ênfase na mata ciliar e na qualidade da água. Caderno de Pesquisa, Série Biologia 20:44-60.         [ Links ]

Oliveira, M.L.A.A, Balbueno, R.A. & Senna, R.M. 2005. Levantamento florístico de fragmentos florestais na bacia hidrográfica do rio Gravataí, Rio Grande do Sul, Brasil. Iheringia, Série Botanica 60:269-284.         [ Links ]

Primo, D.C. & Vaz, L.M.S. 2006. Degradação e perturbação ambiental em matas ciliares: estudo de caso do rio Itapicuru-açu em Ponto Novo e Filadélfia Bahia. Diálogos & Ciência 7:1-11.         [ Links ]

Rodrigues, R.R. & Nave, A.G. 2001. Heterogeneidade Florística das Matas Ciliares. In: R.R. Rodrigues & H.F. Leitão Filho (eds.). Matas ciliares:conservação e recuperação. Editora Edusp, São Paulo, pp. 45-71.         [ Links ]

Rolim, S.G., Ivanauskas, N.M., Rodrigues, R.R., Nascimento, M.T., Gomes, J.M. L., Folli, D.A. & Couto, H.T.Z. 2006. Composição florística do estrato arbóreo da Floresta Estacional Semidecidual na Planície Aluvial do rio Doce, Linhares, ES, Brasil. Acta Botânica Brasílica 20:549-561.         [ Links ]

Secretaria do Meio Ambiente do Rio Grande do Sul - SEMARS. 2010. Bacia Hidrográfica do rio Taquari-Antas. http://www.sema.rs.gov.br (acesso em 16.05.2012).         [ Links ]

SEMA. 2003. Lista final das espécies da flora ameaçadas - RS http://www.fzb.rs.gov.br/downloads/flora_ameacada.pdf (acesso em 20.11.2012).         [ Links ]

Sobral, M., Jarenkow, J.A., Brack, P., Irgang, B., Larocca, J. & Rodrigues, R.S. 2006. Flora arbórea e arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Editora Rima, São Carlos.         [ Links ]

Streck, E.V., Kämpf, N., Dalmolin, R.S.D., Klamt, E. Nascimento, P.C., Schneider, P., Giasson, E. & Pinto, L.F.S. 2008. Solos do Rio Grande do Sul. EMATER/RS-ASCAR, Porto Alegre.         [ Links ]

Sühs, R.B., Putzke, J. & Budke, J. C. 2009. Relações florístico-geográficas na estrutura de uma floresta na região central do Rio Grande do Sul, Brasil. Floresta 40:635-646.         [ Links ]

Teixeira M.B. & Neto A.B.C. 1986. Folha SH. 22 - Porto Alegre e Parte das Vegetação, Uso Potencial da Terra.IBGE, Rio de Janeiro.         [ Links ]

 

 

Recebido: 20.12.2012; aceito: 29.04.2013

 

 

* Autor para correspondência: catia_elo@hotmail.com

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons