Accessibility / Report Error

Repercussões nutricionais em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica

Resumos

RACIONAL:

Poucos estudos avaliam a associação entre distúrbios nutricionais, qualidade de vida e perda de peso em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica.

OBJETIVO:

Identificar alterações nutricionais em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica e correlacioná-las com perda de peso, controle de comorbidades e qualidade de vida.

MÉTODO:

Estudo de coorte, prospectivo, analítico e descritivo envolvendo 59 pacientes submetidos à cirurgia bariátrica. Os dados foram coletados no pré-operatório e aos três e seis meses pós- operatórios, quantificando aspectos nutricionais e utilizando o Bariatric Analysis and Reporting Outcomes System (BAROS) como ferramenta de sucesso. Os dados usaram intervalo de confiança de 95%.

RESULTADOS:

O total de mulheres foi 47 (79,7%), sendo 55,9% com IMC entre 40-49,9 kg/m². No sexto mês depois da operação os escores de qualidade de vida foram significativamente maiores do que no pré-operatório (p<0,05) e 27 (67,5%) pacientes tinham todas comorbidades resolvidas, 48 (81,3%) apresentaram conceito BAROS muito bom ou excelente. Após três e seis meses 16 e 23 pacientes apresentaram algum distúrbio nutricional, respectivamente. Não houve relação entre a perda do excesso de peso e qualidade de vida entre pacientes com ou sem distúrbio nutricional.

CONCLUSÃO:

os distúrbios nutricionais são pouco frequentes no pós-operatório precoce e, quando presentes, têm pouca ou nenhuma influência na qualidade de vida e na perda do excesso de peso.

Cirurgia bariátrica; Nutrição em saúde pública; Obesidade


BACKGROUND:

Few studies evaluated the association between nutritional disorders, quality of life and weight loss in patients undergoing bariatric surgery.

AIM:

To identify nutritional changes in patients undergoing bariatric surgery and correlate them with weight loss, control of comorbidities and quality of life.

METHOD:

A prospective cohort, analytical and descriptive study involving 59 patients undergoing bariatric surgery was done. Data were collected preoperatively at three and six months postoperatively, evaluating nutritional aspects and outcomes using BAROS questionnaire. The data had a confidence interval of 95%.

RESULTS:

The majority of patients was composed of women, 47 (79.7%), with 55.9% of the series with BMI between 40 to 49.9 kg/m². In the sixth month after surgery scores of quality of life were significantly higher than preoperatively (p<0.05) and 27 (67.5 %) patients had comorbidities resolved, 48 (81.3 %) presented BAROS scores of very good or excellent. After three and six months of surgery 16 and 23 presented some nutritional disorder, respectively. There was no relationship between the loss of excess weight and quality of life among patients with or without nutritional disorders.

CONCLUSION:

Nutritional disorders are uncommon in the early postoperative period and, when present, have little or no influence on quality of life and loss of excess weight.

Bariatric surgery; Nutrition, public health; Obesity


INTRODUÇÃO

O grande problema da obesidade são as comorbidades que ela propicia, como hipertensão arterial sistêmica, diabete melito tipo 2, doença cardiovascular, alterações no lipidograma e doenças músculo esqueléticas1616. Pi-Sunyer FX. The obesity epidemic: pathophysiology and consequences of obesity. Obes Res 2002; 10(suppl.2): 97S-104S..

O tratamento cirúrgico é o meio mais eficaz para o controle da obesidade mórbida2323. Soares CC, Falcão MC. Abordagem nutricional nos diferentes tipos de cirurgia bariátrica. RevBrasNutrClin. 2007; 22(1): 59-64. , pois possibilita perda de peso importante e sustentada1717. Pi-Sunyer, FX. Health implications of obesity. Am. J. Clin. Nutr., v.53, supl.6, p.1595-1603, jun. 1991.. O bypass gástrico em Y-de-Roux (BGYR) é a operação mais realizada no Brasil e, dentro das várias técnicas e procedimentos, corresponde por mais de 80%, apesar dos procedimentos com banda gástrica ajustável estarem aumentando22. Angrisani L, Lorenzo M, Borrelli V. Laparoscopic adjustable gastric banding versus Roux-en-Y gastric bypass: 5-year results of a prospective randomized trial [with discussion]. Surg Obes Relat Dis. 2007; 3:127-133.. Em consequência ao aumento do número de operações bariátricas, as complicações ganharam evidência nos últimos anos. Dentre elas merecem destaque a deficiência de albumina, de ferritina, de vitaminas e micronutrientes, principalmente de vitamina B12.

Vários meios têm sido usados para avaliar resultados, dentre eles o BAROS e o questionário sobre qualidade de vida Moorhead-Ardelt II, o qual também está incluso no BAROS1010. Marchesini JB, Nicareta JR. Comparative study of five different surgical techniques for the treatment of morbid obesity using BAROS. ABCD, arq. bras. cir. dig. 2014; 27(suppl.1):17-20.,1313. Myers JA, Clifford JC, Sarker S, Primeau M, Doninger GL, Shayani V. Quality of life after laparoscopic adjustable gastric banding using the Baros and Moorehead-Ardelt quality of life questionnaire II. JSLS.2006; 10:414-420.,1414. Oria HE, Moorehead MK. Bariatric analysis and reporting outcome system (BAROS). Obes Res 1998; 8: 487-499.,1515. Oria HE, Moorehead MK. Updated bariatric analisys and reporting outcome system (BAROS). Surgery for Obesity and Related Diseases. 2009; (5):60-66.,1919. Prevedello CF, Colpo E, Mayer ET, Copetti H. Análise do impacto da cirurgia bariátrica em uma população do centro do estado do Rio Grande do Sul utilizando o método BAROS. Arq Gastroenterol. 2009; 46(3):199-203.,2222. Silva PRB, Souza MR, Silva EM, Silva AS. Nutritional status and life quality in patients undergoing bariatric surgery.ABCD, arq. bras. cir.dig., 2014;27(Suppl. 1):35-38..

Nota-se que há poucas publicações na literatura que visam discutir as associações entre distúrbios nutricionais e qualidade de vida juntamente com a perda de peso55. Costa LD, Valezi AC, Matsuo T, Dichi I, Dichi JB. Repercussão da perda de peso sobre parâmetros nutricionais e metabólicos de pacientes obesos graves após um ano de gastroplastia em Y-de-Roux. Rev. Col. Bras. Cir. 2010; 37(2): 096-101,88. Jóia-Neto L, Lopes-Junior AG, Jacob CE. Alterações metabólicas e digestivas no pós-operatório de cirurgia bariátrica. ABCD, arq. bras. cir. dig., 2010;23(4):266-269,2121. Silva LGO, Manso JEF, Silva RARN, Pereira SE, Sobrinho CJS, Rangel CW. Relação entre o estado nutricional de vitamina a e a regressão da esteatose hepática após gastroplastia em Y- de- Roux para tratamento da obesidade classe III. ABCD, arq. bras. cir. dig. 2012;25(4):250-256. Assim sendo, este estudo objetiva pesquisar as alterações nutricionais em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica e possíveis ligações com perda de peso e qualidade de vida.

MÉTODOS

Esta pesquisa foi aprovada no Comitê de Ética e Pesquisa sob o registro 12.243.4.01III. Os dados só foram obtidos após concordância de todos os pacientes, mediante assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, que aceitaram participar do estudo e maiores de 18 anos.

Trata-se de estudo do tipo coorte, prospectivo, realizado com pacientes que foram submetidos à operação para obesidade no serviço de Cirurgia do Aparelho Digestivo do Hospital Nossa Senhora da Conceição, Tubarão, SC, Brasil, no período de julho de 2012 a dezembro de 2012.

A técnica cirúrgica do BGYR foi realizada com a confecção de bolsa gástrica de 4 cm na pequena curvatura com capacidade de 70 ml, calibrada com sonda Fouchet 34, e a anastomose calibrada com 12 mm. A alça alimentar tinha cerca de 80 cm e a biliopancreática 100 cm; a alça intestinal que foi anastomosada com a bolsa foi interposta via pré-cólica. Ambas as anastomoses foram mecânicas com grampeador linear, com reforço por sutura em dois planos contínuos com fio de polidioxanona 3.0. Efetuou-se rotineiramente o fechamento das aberturas mesentéricas.

As revisões pós-operatórias foram realizadas em um, três e seis meses e após, marcadas conforme a necessidade clínica; entretanto, variaram a cada quatro meses.

No período pós-operatório todos pacientes fizeram uso de polivitamínico duas vezes ao dia. Quanto aos índices de vitamina D, iniciava-se reposição com nível menor que 30 pmol/l, para alcançar m PTH (paratormônio) menor que 35 pg/ml. Em relação à vitamina B12, iniciava-se o tratamento quando os níveis atingissem valor menor que 350 pg/ml, repondo complexo B intramuscular usualmente uma vez ao mês. Todas essas recomendações eram baseadas no guia disponibilizado pela Endocrine Society que visa o acompanhamento e o manejo nutricional e endocrinológico dos pacientes após cirurgia bariátrica99. Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, November 2010; 95(11):4823-4843.. Considerava-se presença de anemia quando a hemoglobina estivesse menor que 12,8 g/dl.

A coleta de dados foi dividida em três períodos: no perioperatório, ao final do terceiro e sexto mês após a operação. No pré-operatório foram buscados os seguintes dados: idade, sexo, peso, IMC, comorbidades, medicações em uso, além destes, o paciente era convidado a responder questionário sobre qualidade de vida Moorehead-Ardelt II. No período peri-operatório foram coletados os seguintes dados: data da operação, tempo de internação, tempo cirúrgico, realização de alguma operação associada, tipo da gastroplastia, complicações perioperatórias, e reoperações. No terceiro mês pós-operatório foram documentados os níveis de vitamina B12, proteínas totais e frações, ferritina e realizado o BAROS. Ao final do sexto mês analisaram-se: proteínas totais e frações, vitamina B12 e nova realização do BAROS.

Com o resultado final os pacientes eram classificados em cinco grupos: fracasso, falha, bom, muito bom, excelente.

Análise dos dados

Os dados foram digitados no programa Epinfo 3.5.3 e analisados no programa SPSS v.20.0. A descrição das variáveis foi através de média e desvio-padrão para as variáveis quantitativas e frequências absolutas e relativas para as variáveis qualitativas. Os testes estatísticos empregados foram o qui-quadrado ou teste t conforme necessidade. O nível de significância utilizado foi de 95%.

RESULTADOS

Foram operados 67 pacientes, sendo que oito foram excluídos de acordo com os critérios de exclusão, restando um total de 59. Destes, 47 (79,7%) eram mulheres e 43 (72,9%) estavam casados no momento da coleta, e possuíam média de idade de 37,8 anos.

Como mostra a Tabela 1, a maioria dos obesos no pré-operatório estava com o IMC entre 40 e 49,9 kg/m2. Demonstrou-se, também, que a média de excesso de peso dos homens foi significativamente maior do que das mulheres.

Tabela 1 -
Distribuição da amostra em relação ao gênero, IMC e %EP médio

Em relação às comorbidades no pré-operatório, 40 apresentavam algum tipo. A Tabela 2 demonstra que o diabete melito foi totalmente resolvido em 77,8% dos pacientes ao final de seis meses, além de demonstrar o grau de resolução das outras comorbidades.

Tabela 2 -
Grau de resolução das comorbidades (n/%)

A Tabela 3 corresponde aos escores obtidos no Questionário Moorhead-Ardelt II de Qualidade de Vida, discriminando os seis quesitos distintos. Os escores foram todos progressivamente maiores nos dois momentos pós-operatórios, em comparação àqueles do pré-operatório. No 6o mês, os escores de todos os quesitos foram significativamente maiores em relação ao pré-operatório (p<0,05).

Tabela 3 -
Distribuição de qualidade de vida nos períodos pré e pós-operatórios de acordo com o questionário Moorehead-Ardelt II

Quinze pacientes (25,4%) haviam perdido 50% ou mais do excesso de peso ao final do terceiro mês e 50 (84,7%) ao final do sexto mês. Também ao final de seis meses 27 (67,5%) tinham todas comorbidades consideradas maiores resolvidas (Tabela 4).

Tabela 4 -
Distribuição dos pacientes operados de acordo com as pontuações do sistema BAROS no terceiro e sexto meses pós-operatórios

A Figura 1 mostra que o conceito final do BAROS obteve melhora progressiva em comparação do terceiro para o sexto mês; no terceiro, 33 pacientes (55,9%) apresentaram conceito muito bom ou excelente; já ao final do sexto 48 pacientes (81,3%) apresentaram o mesmo conceito.

Figura 1 -
Distribuição do escore do BAROS de acordo com o número de pacientes

Apenas um paciente se enquadrou nos critérios de complicações do pós-operatório imediato, por deiscência e trombose venosa profunda. Este mesmo enfermo foi o único que necessitou de reoperação.

A Tabela 5 tange a prevalência de deficiências nutricionais; percebe-se que a deficiência de vitamina D ao final do terceiro mês ocorreu em três pacientes (5,1%); já ao final do sexto mês o número foi nove (15,3%). A deficiência proteica manteve-se a mesma nos dois períodos avaliados. A deficiência de vitamina B12 foi maior no terceiro mês após a operação (5,1%) quando comparado ao sexto mês (1,7%). A deficiência de cálcio esteve presente em 3,4% e 5,1%, respectivamente no terceiro e sexto mês pós-cirúrgico. A anemia esteve presente em 6,8% dos pacientes três meses após e 13,6% em seis meses. Não foi evidenciada deficiência de ferritina.

Tabela 5 -
Prevalência de deficiências nutricionais

A Tabela 6 demonstra que não houve diferença significativa no percentual da perda do excesso de peso (%PEP) nos pacientes com distúrbio e nos sem distúrbio nutricional; também demonstra que o escore de qualidade de vida nos pacientes com distúrbio nutricional melhora do terceiro para o sexto mês e não altera para os pacientes sem distúrbio nutricional. No terceiro mês após a operação 16 pacientes apresentavam algum distúrbio nutricional e 43 não. Já ao final de seis meses, 23 pacientes detinham alguma alteração nutricional e 36 não.

Tabela 6 -
Análise da porcentagem de perda do excesso de peso (%PEP) e da qualidade de vida em relação à presença de distúrbios nutricionais no 3º e no 6º mês pós-operatórios

DISCUSSÃO

Este estudo limitou-se à presença de alguns parâmetros nutricionais entre pacientes submetidos à gastroplastia. Não objetivou análise ampla e pormenorizada dos diversos micro e macronutrientes da dieta.

Semelhantemente ao que é observado em estudos nacionais e internacionais, foi identificada prevalência significativamente maior de mulheres. Estudo norte-americano de 700 pacientes submetidos ao BGYR a prevalência de mulheres foi de 82%. Estudos brasileiros demonstram que ela é entre 71 e 80%11. Al Harakeh AB, Larson CJ, Mathiason MA, Kallies KJ, Kothari SN. BAROS results in 700 patients after laparoscopic Roux-en-Y gastric bypass with subset analysis of age, gender, and initial body mass index. Surgery for Obesity and Related Diseases. 2011; 7(1):94-98.,44. Costa CC, Ivo ML, Cantero WB, Tognini JRs. Obesidade em pacientes candidatos a cirurgia bariátrica. Actapaul. enferm. Fev.2009; 22(1):55-59. Neste estudo a prevalência feminina foi de 72,9%. Entretanto, a prevalência de obesidade na população brasileira, conforme estudo da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica foi estimada em 18% nas mulheres e 13% nos homens2424. Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica.Disponível em: http://www.sbcb.org.br/obesidade.php?menu=4.Acesso em: jan. 2013.
http://www.sbcb.org.br/obesidade.php?men...
. Ainda que o número de mulheres obesas seja maior que o de homens, esta diferença não é tão significativa quando se compara com a existente entre os pacientes operados. Estas evidências demonstram que a busca do tratamento cirúrgico da obesidade é maior entre as mulheres que entre os homens1818. Prazeres P, Alves S, Yandara CS, Arruda MM. Eating habits, nutritional status and quality of life of patients in late postoperative gastric bypass Roux-Y.Nutr Hosp. 2013; 28(3):637-642..

Em se tratando de idade, o presente estudo esteve muito próximo dos dados da maioria dos estudos disponíveis na literatura. Nesta pesquisa, a média foi de 37,8 anos. Como demonstra a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica quando somamos os pacientes sobrepesos e obesos nota-se que a maioria deles está entre 18 e 25 anos, diferente da média de idade que geralmente os pacientes submetem-se à operação. Outros estudos demonstram dados semelhantes, possivelmente representando busca tardia pelo tratamento cirúrgico, após tentativas frustradas de perda de peso por métodos clínicos 33. Blume C, Boni CC, Casagrande S, Rizzolli J, Vontobel AP, Mottin CC. Nutritional Profile of Patients Before and After Roux-en-Y Gastric Bypass: 3-Year Follow-up. Obes Surg. Nov.2012; 22(11):1676-85.,66. Ernst B, Thurnheer M, Sebastian M, Bernd S. Evidence for the Necessity to Systematically Assess Micronutrient Status Prior to Bariatric Surgery. ObesSurg. 2009; 19:66-73.,2424. Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica.Disponível em: http://www.sbcb.org.br/obesidade.php?menu=4.Acesso em: jan. 2013.
http://www.sbcb.org.br/obesidade.php?men...
.

Demonstrou-se neste estudo que 55,9% dos pacientes estavam com IMC pré-operatório entre 40 e 49,9 kg/m2, indo ao encontro do estudo de Blume et al.33. Blume C, Boni CC, Casagrande S, Rizzolli J, Vontobel AP, Mottin CC. Nutritional Profile of Patients Before and After Roux-en-Y Gastric Bypass: 3-Year Follow-up. Obes Surg. Nov.2012; 22(11):1676-85. no qual a média do IMC foi de 48,8 kg/m2 e de outra pesquisa que obteve a média de 45,2 kg/m2. A grande maioria dos obesos que são submetidos à operação, seguem as indicações formais, ou seja, pacientes com IMC maior ou igual a 40 kg/m2ou IMC entre 35 kg/m2 e 39,9 kg/m2 associado a alguma comorbidade33. Blume C, Boni CC, Casagrande S, Rizzolli J, Vontobel AP, Mottin CC. Nutritional Profile of Patients Before and After Roux-en-Y Gastric Bypass: 3-Year Follow-up. Obes Surg. Nov.2012; 22(11):1676-85.,1111. Mitka M. Surgery for obesity: demand soars amid scientific, ethical questions. JAMA 2003;289:1761-2.,2525. Toh S, Zarshenas N, Jorgensen J. Prevalence of nutrient deficiencies in bariatric patients. Nutrition. 2009; 25:1150-1156..

Um fator importante a ser avaliado é a porcentagem da perda do excesso de peso depois da operação. Welch et al.2626. Welch G, Wesolowski C, Zagarins S, Kuhn J, Romanelli J, Garb J, Allen N. Evaluation of Clinical Outcomes for Gastric Bypass Surgery: Results from a Comprehensive Follow-up Study. Obes Surg. 2011; 21:18-28. relataram que ao final de dois anos e meio os pacientes apresentaram %PEP de 59,1%; também, 70,8% tiveram perda maior ou igual a 50% do excesso de peso. Outros estudos, em acompanhamento em até dois anos demonstraram que a maior média de %PEP foi no 18º mês após a operação, sendo este valor de 75,3% e 73,2%11. Al Harakeh AB, Larson CJ, Mathiason MA, Kallies KJ, Kothari SN. BAROS results in 700 patients after laparoscopic Roux-en-Y gastric bypass with subset analysis of age, gender, and initial body mass index. Surgery for Obesity and Related Diseases. 2011; 7(1):94-98.,2626. Welch G, Wesolowski C, Zagarins S, Kuhn J, Romanelli J, Garb J, Allen N. Evaluation of Clinical Outcomes for Gastric Bypass Surgery: Results from a Comprehensive Follow-up Study. Obes Surg. 2011; 21:18-28. . Estudos brasileiros mostraram que em seis meses após BGYR a média de %PEP foi de 58,3%33. Blume C, Boni CC, Casagrande S, Rizzolli J, Vontobel AP, Mottin CC. Nutritional Profile of Patients Before and After Roux-en-Y Gastric Bypass: 3-Year Follow-up. Obes Surg. Nov.2012; 22(11):1676-85.,2525. Toh S, Zarshenas N, Jorgensen J. Prevalence of nutrient deficiencies in bariatric patients. Nutrition. 2009; 25:1150-1156.. No presente estudo, já ao final de seis meses, 84,7% apresentavam perda maior ou igual a 50% do excesso de peso. De acordo com as recomendações atuais, considera-se que o sucesso cirúrgico é alcançado quando é obtida %PEP maior que 50% após a operação. Observa-se que a perda de peso dos pacientes da presente pesquisa esteve acima da média e ocorreu mais precocemente quando se compara com a literatura disponível.

No que tange as comorbidades, o estudo de Blume et al.33. Blume C, Boni CC, Casagrande S, Rizzolli J, Vontobel AP, Mottin CC. Nutritional Profile of Patients Before and After Roux-en-Y Gastric Bypass: 3-Year Follow-up. Obes Surg. Nov.2012; 22(11):1676-85. demonstrou a presença de diabete melito em 14,7% no pré-operatório e apenas 1,8% continuaram com tal distúrbio seis meses após; em outro estudo 19% dos obesos o apresentavam no pré-operatório e 83% tiveram a comorbidade melhorada ou resolvida no pós-operatório. No caso da hipertensão arterial, 45% dos pacientes apresentaram-na no pré-operatório, mas 87% dos casos demonstraram estar ela melhorada ou resolvida após a operação33. Blume C, Boni CC, Casagrande S, Rizzolli J, Vontobel AP, Mottin CC. Nutritional Profile of Patients Before and After Roux-en-Y Gastric Bypass: 3-Year Follow-up. Obes Surg. Nov.2012; 22(11):1676-85.,77. Higa K, Ho T, Tercero F, Yunus T, Boone K. Laparoscopic Roux-en-Y gastric bypass: 10-year follow-up. Surgery for Obesity and Related Diseases. 2011;7:516-525.. Os dados supracitados estão próximos aos valores encontrados no presente estudo, demonstrando que a operação da obesidade melhora substancialmente as comorbidades mais prevalentes.

O BAROS é ferramenta útil para avaliar globalmente o resultado da operação da obesidade, pois avalia diversos fatores. Prazeres et al.1818. Prazeres P, Alves S, Yandara CS, Arruda MM. Eating habits, nutritional status and quality of life of patients in late postoperative gastric bypass Roux-Y.Nutr Hosp. 2013; 28(3):637-642. em seu estudo com 66 pacientes mostraram que no período entre seis e 18 meses 67% dos pacientes apresentaram escore "bom". Já em outro estudo com 684 pacientes, após seis meses 50% apresentaram escore "bom" e 32% com escore "muito bom". Prevedello et al.1919. Prevedello CF, Colpo E, Mayer ET, Copetti H. Análise do impacto da cirurgia bariátrica em uma população do centro do estado do Rio Grande do Sul utilizando o método BAROS. Arq Gastroenterol. 2009; 46(3):199-203. demonstraram que ao final de 30 meses 21,9% dos pacientes possuíam escore "excelente" e 50 % "muito bom" 1818. Prazeres P, Alves S, Yandara CS, Arruda MM. Eating habits, nutritional status and quality of life of patients in late postoperative gastric bypass Roux-Y.Nutr Hosp. 2013; 28(3):637-642.,1919. Prevedello CF, Colpo E, Mayer ET, Copetti H. Análise do impacto da cirurgia bariátrica em uma população do centro do estado do Rio Grande do Sul utilizando o método BAROS. Arq Gastroenterol. 2009; 46(3):199-203.. Na presente pesquisa, 81,3% dos operados já apresentavam conceito "muito bom" ou "excelente" seis meses após e apenas um paciente apresentou o conceito "fraco". Tal resultado é muito satisfatório quando comparado com as publicações recentes, ainda mais por saber da importância do BAROS como ferramenta para avaliar o resultado11. Al Harakeh AB, Larson CJ, Mathiason MA, Kallies KJ, Kothari SN. BAROS results in 700 patients after laparoscopic Roux-en-Y gastric bypass with subset analysis of age, gender, and initial body mass index. Surgery for Obesity and Related Diseases. 2011; 7(1):94-98.,1818. Prazeres P, Alves S, Yandara CS, Arruda MM. Eating habits, nutritional status and quality of life of patients in late postoperative gastric bypass Roux-Y.Nutr Hosp. 2013; 28(3):637-642.,1919. Prevedello CF, Colpo E, Mayer ET, Copetti H. Análise do impacto da cirurgia bariátrica em uma população do centro do estado do Rio Grande do Sul utilizando o método BAROS. Arq Gastroenterol. 2009; 46(3):199-203..

Em relação aos distúrbios nutricionais, há inúmeras variações de um estudo para o outro no que diz respeito às deficiências no pré e pós-operatório. Moizé et al.1212. Moizé V, Deulofeu R, Torres F, Martinez J, Vidal J. Nutritional Intake and Prevalence of Nutritional Deficiencies Prior to Surgery in a Spanish Morbidly Obese Population. Obes Surg. 2011;21:1382-1388., em sua pesquisa com 231 pacientes, estimaram que a deficiência proteica e de albumina no pré-operatório estava na faixa de 1,6% dos pacientes, já a de ferritina de 10,3%, de vitamina B12 de 2,2%, vitamina D de 67,7% e a anemia em 22,2%%, em contraste com Erns et al.66. Ernst B, Thurnheer M, Sebastian M, Bernd S. Evidence for the Necessity to Systematically Assess Micronutrient Status Prior to Bariatric Surgery. ObesSurg. 2009; 19:66-73. que demonstraram que a deficiência de albumina no pré-operatório em 12,5%, a de ferritina em 6,9%, da vitamina B12 em 18,1%, da vitamina D em 25,4 % e a anemia em 6,9% no pré-operatório66. Ernst B, Thurnheer M, Sebastian M, Bernd S. Evidence for the Necessity to Systematically Assess Micronutrient Status Prior to Bariatric Surgery. ObesSurg. 2009; 19:66-73.,1212. Moizé V, Deulofeu R, Torres F, Martinez J, Vidal J. Nutritional Intake and Prevalence of Nutritional Deficiencies Prior to Surgery in a Spanish Morbidly Obese Population. Obes Surg. 2011;21:1382-1388.. O presente estudo não apresentou como objetivo quantificar as deficiências nutricionais no pré-operatório, apesar de que provavelmente alguns pacientes já as possuíam e tais alterações poderiam estar se mantendo no pós-operatório por outras razões que não a operação.

Quando se trata de complicações nutricionais no pós-operatório constata-se mudança no que concerne a sua prevalência. Depois de seis meses, um estudo brasileiro evidenciou que a deficiência de albumina ocorreu em 0,6% dos pacientes, já a de ferritina em 4,1%, a anemia em 21,8% e a deficiência de B12 em 3,5%33. Blume C, Boni CC, Casagrande S, Rizzolli J, Vontobel AP, Mottin CC. Nutritional Profile of Patients Before and After Roux-en-Y Gastric Bypass: 3-Year Follow-up. Obes Surg. Nov.2012; 22(11):1676-85.. Em outra pesquisa, após um ano, 4% dos pacientes apresentavam deficiência de albumina, 15% de ferritina, 30% de vitamina D e 11% de vitamina B122525. Toh S, Zarshenas N, Jorgensen J. Prevalence of nutrient deficiencies in bariatric patients. Nutrition. 2009; 25:1150-1156.. Para atestar a ampla variação de distúrbios nutricionais no pós-operatório, um estudo de revisão norte-americano publicado em 2013 apontou que a prevalência de deficiência de vitamina B12 no pós-operatório varia de 4-62%, já a deficiência de vitamina D alterna de 7- 60%2020. Saltzman E, Philip Karl J. Nutrient Deficiencies After Gastric Bypass Surgery. Annu. Rev. Nutr. 2013;33:183-203.. No presente estudo não foi evidenciada deficiência de ferritina; apenas 1,7% dos pacientes apresentaram deficiência de vitamina B12 e 13,6% com anemia. Todos os valores supracitados manifestaram-se seis meses após a operação. Vale destacar a baixa prevalência de alterações nutricionais no pós-operatório da atual pesquisa quando se compara com a bibliografia de estudos nacionais e internacionais.

Nota-se que não há padrão na literatura no que diz respeito à deficiência nutricional no pré e pós-operatório. Deduzia-se que com a operação e a alteração anatômica funcional - com potencial déficit absortivo no trato gastrointestinal -, a maioria das deficiências nutricionais estariam presentes no pós-operatório. Entretanto tal pensamento não foi comprovado pela literatura e foi evidenciado que muitos pacientes já são operados apresentando algum tipo de deficiência. Entretanto, o mais importante a ser percebido é que entre pacientes com distúrbio nutricional e entre aqueles sem não houve diferença significativa em relação à %PEP e nem quanto à qualidade de vida. Este dado vai contra o pensamento de que quanto maior a perda de peso, maior a deficiência nutricional e que a presença de distúrbios nutricionais poderia estar relacionada a pior qualidade de vida1818. Prazeres P, Alves S, Yandara CS, Arruda MM. Eating habits, nutritional status and quality of life of patients in late postoperative gastric bypass Roux-Y.Nutr Hosp. 2013; 28(3):637-642..

CONCLUSÃO

Os distúrbios nutricionais são pouco frequentes no pós-operatório precoce do BGYR. Quando presentes, eles têm pouca ou nenhuma relação com a qualidade de vida e a perda do excesso de peso.

REFERENCES

  • 1
    Al Harakeh AB, Larson CJ, Mathiason MA, Kallies KJ, Kothari SN. BAROS results in 700 patients after laparoscopic Roux-en-Y gastric bypass with subset analysis of age, gender, and initial body mass index. Surgery for Obesity and Related Diseases. 2011; 7(1):94-98.
  • 2
    Angrisani L, Lorenzo M, Borrelli V. Laparoscopic adjustable gastric banding versus Roux-en-Y gastric bypass: 5-year results of a prospective randomized trial [with discussion]. Surg Obes Relat Dis. 2007; 3:127-133.
  • 3
    Blume C, Boni CC, Casagrande S, Rizzolli J, Vontobel AP, Mottin CC. Nutritional Profile of Patients Before and After Roux-en-Y Gastric Bypass: 3-Year Follow-up. Obes Surg. Nov.2012; 22(11):1676-85.
  • 4
    Costa CC, Ivo ML, Cantero WB, Tognini JRs. Obesidade em pacientes candidatos a cirurgia bariátrica. Actapaul. enferm. Fev.2009; 22(1):55-59.
  • 5
    Costa LD, Valezi AC, Matsuo T, Dichi I, Dichi JB. Repercussão da perda de peso sobre parâmetros nutricionais e metabólicos de pacientes obesos graves após um ano de gastroplastia em Y-de-Roux. Rev. Col. Bras. Cir. 2010; 37(2): 096-101
  • 6
    Ernst B, Thurnheer M, Sebastian M, Bernd S. Evidence for the Necessity to Systematically Assess Micronutrient Status Prior to Bariatric Surgery. ObesSurg. 2009; 19:66-73.
  • 7
    Higa K, Ho T, Tercero F, Yunus T, Boone K. Laparoscopic Roux-en-Y gastric bypass: 10-year follow-up. Surgery for Obesity and Related Diseases. 2011;7:516-525.
  • 8
    Jóia-Neto L, Lopes-Junior AG, Jacob CE. Alterações metabólicas e digestivas no pós-operatório de cirurgia bariátrica. ABCD, arq. bras. cir. dig., 2010;23(4):266-269
  • 9
    Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, November 2010; 95(11):4823-4843.
  • 10
    Marchesini JB, Nicareta JR. Comparative study of five different surgical techniques for the treatment of morbid obesity using BAROS. ABCD, arq. bras. cir. dig. 2014; 27(suppl.1):17-20.
  • 11
    Mitka M. Surgery for obesity: demand soars amid scientific, ethical questions. JAMA 2003;289:1761-2.
  • 12
    Moizé V, Deulofeu R, Torres F, Martinez J, Vidal J. Nutritional Intake and Prevalence of Nutritional Deficiencies Prior to Surgery in a Spanish Morbidly Obese Population. Obes Surg. 2011;21:1382-1388.
  • 13
    Myers JA, Clifford JC, Sarker S, Primeau M, Doninger GL, Shayani V. Quality of life after laparoscopic adjustable gastric banding using the Baros and Moorehead-Ardelt quality of life questionnaire II. JSLS.2006; 10:414-420.
  • 14
    Oria HE, Moorehead MK. Bariatric analysis and reporting outcome system (BAROS). Obes Res 1998; 8: 487-499.
  • 15
    Oria HE, Moorehead MK. Updated bariatric analisys and reporting outcome system (BAROS). Surgery for Obesity and Related Diseases. 2009; (5):60-66.
  • 16
    Pi-Sunyer FX. The obesity epidemic: pathophysiology and consequences of obesity. Obes Res 2002; 10(suppl.2): 97S-104S.
  • 17
    Pi-Sunyer, FX. Health implications of obesity. Am. J. Clin. Nutr., v.53, supl.6, p.1595-1603, jun. 1991.
  • 18
    Prazeres P, Alves S, Yandara CS, Arruda MM. Eating habits, nutritional status and quality of life of patients in late postoperative gastric bypass Roux-Y.Nutr Hosp. 2013; 28(3):637-642.
  • 19
    Prevedello CF, Colpo E, Mayer ET, Copetti H. Análise do impacto da cirurgia bariátrica em uma população do centro do estado do Rio Grande do Sul utilizando o método BAROS. Arq Gastroenterol. 2009; 46(3):199-203.
  • 20
    Saltzman E, Philip Karl J. Nutrient Deficiencies After Gastric Bypass Surgery. Annu. Rev. Nutr. 2013;33:183-203.
  • 21
    Silva LGO, Manso JEF, Silva RARN, Pereira SE, Sobrinho CJS, Rangel CW. Relação entre o estado nutricional de vitamina a e a regressão da esteatose hepática após gastroplastia em Y- de- Roux para tratamento da obesidade classe III. ABCD, arq. bras. cir. dig. 2012;25(4):250-256
  • 22
    Silva PRB, Souza MR, Silva EM, Silva AS. Nutritional status and life quality in patients undergoing bariatric surgery.ABCD, arq. bras. cir.dig., 2014;27(Suppl. 1):35-38.
  • 23
    Soares CC, Falcão MC. Abordagem nutricional nos diferentes tipos de cirurgia bariátrica. RevBrasNutrClin. 2007; 22(1): 59-64.
  • 24
    Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica.Disponível em: http://www.sbcb.org.br/obesidade.php?menu=4Acesso em: jan. 2013.
    » http://www.sbcb.org.br/obesidade.php?menu=4
  • 25
    Toh S, Zarshenas N, Jorgensen J. Prevalence of nutrient deficiencies in bariatric patients. Nutrition. 2009; 25:1150-1156.
  • 26
    Welch G, Wesolowski C, Zagarins S, Kuhn J, Romanelli J, Garb J, Allen N. Evaluation of Clinical Outcomes for Gastric Bypass Surgery: Results from a Comprehensive Follow-up Study. Obes Surg. 2011; 21:18-28.
  • Fonte de financiamento: não há

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    2015

Histórico

  • Recebido
    14 Out 2014
  • Aceito
    06 Jan 2015
Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Av. Brigadeiro Luiz Antonio, 278 - 6° - Salas 10 e 11, 01318-901 São Paulo/SP Brasil, Tel.: (11) 3288-8174/3289-0741 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revistaabcd@gmail.com