Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, Volume: 43, Issue: 6, Published: 1999
  • SOBEMOM estréia nos ABE&M Editoriais

    Griz, Luiz
  • Doenças ósteo-metabólicas na clínica diária Editoriais

    Corrêa, Pedro Henrique S.; Lazaretti-Castro, Marise
  • Fatores envolvidos no pico de massa óssea Revisões

    Brandão, Cynthia M.A.; Vieira, José Gilberto H.

    Abstract in Portuguese:

    A massa óssea de um indivíduo adulto, que está estreitamente relacionada ao risco de fraturas osteoporóticas, depende da diferença entre o pico de massa óssea alcançado no final do período de maturação sexual e esquelética, e as perdas acumuladas durante a vida. A enorme variabilidade observada no pico de massa óssea da adolescência está relacionada, principalmente, a fatores genéticos, mas também a parâmetros antropométricos, como peso e altura, hábitos dietéticas, influências hormonais diversas, atividade física, uso de medicamentos e doenças intercorrentes. A identificação dos fatores envolvidos na aquisição do pico de massa óssea na infância e adolescência e a compreensão deste longo período de maturação esquelética, permitirão a criação de estratégias para prevenção da osteoporose.

    Abstract in English:

    Bone mass in the adult life, which is closely related to osteoporotic fracture risk, depends on the differences between the peak bone mass attained at the end of the sexual and skeletal maturation and the rate of involutional bone mass. The great variability in peak bone mass observed at adolescence is related not only to genetic factors, but also to diet, hormonal status, anthropometric variables, as weight and height, physical activity, drugs and intercurrent diseases. The identification of the factors involved with the acquisition of the peak bone mass and the comprehension of this long period of skeletal maturation will indicate strategies for prevention of osteoporosis.
  • Fisiopatologia da osteoporose involutiva Revisões

    Ramalho, Ana Claudia; Lazaretti-Castro, Marise

    Abstract in Portuguese:

    A diminuição da densidade mineral óssea (DMO) com a idade é um fenômeno universal, atingindo todas as raças e culturas, não patológico em si, mas que se constitui um substrato para o desenvolvimento da osteoporose (OP). Em 1941, Albright descreveu pela primeira vez a OP, e chamou atenção para deficiência de estrógeno (E2) como causa principal desta patologia. Isso foi confirmado em trabalhos posteriores, onde a reposição hormonal preveniu a perda óssea. Posteriormente, Riggs e Melton classificaram a OP involutiva em tipo I e tipo II. A OP tipo I, ou pós-menopáusica, ocorre nos 10 anos que se seguem à menopausa, sendo uma conseqüência da deficiência de E2. Porém, o mecanismo de ação do E2 no osso ainda é desconhecido. Vários trabalhos não evidenciaram receptores de E2 em osteoclastos, sugerindo que o efeito do E2 se faz de forma indireta via osteoblastos ou pelas células do estroma da medula óssea, através da liberação de mediadores. Dados recentes são controversos sobre o papel da interleucina 6 como mediadora do efeito estrogênico. A OP tipo II, ou senil, ocorreria após 65 anos. À partir dessa idade, outros fatores também seriam determinantes da OP, dentre eles o hiperparatiroidismo secundário. Recentemente, Riggs e Melton retornaram a teoria unitária do modelo de OP involutiva, colocando o E2 como fator etiológico central para ambas as fases de perda óssea. As discussões sobre as classificações da OP têm objetivos didáticos, mas demonstram também o caráter heterogêneo e multifatorial da doença.

    Abstract in English:

    The decrease in bone mineral density (BMD) with age is a universal phenomenon that affects all races and cultures; non-pathological by itself but it is the background to development of osteoporosis (OP). In 1941, Albright described the postmenopausal OP, and discussed the special role of the estrogen (E2) lack. Others that prevented the OP with hormonal therapy confirmed this hypothesis. Later, Riggs and Melton proposed a classification of involutional OP on type I and type II. The type I OP appears in the first 10 years after menopause and is secondary to the deficit of E2. However, it is not clear the mechanisms of action of E2 on bone tissue: which are the mediators and also the target cells. There is no E2 receptors identified on osteoclast. Probably, the E2 effects are indirectly through osteoblast or by bone marrow stromal cells. The citokines, specially the interleucine 6 are candidate to be the mediators of E2 actions, but the data are still controversy in the literature. Type II or senile OP is defined to occur after 65 years old. In this age, others factors further than E2 deficiency determine the OP, and the secondary hyperparathyroidism play a special role. Recently, Riggs and Melton proposed a return to Albright's idea suggesting a unitary model of the involutional OP and placing the E2 as the central ethiological factor of bone loss. This distinction in OP type I or type II is theoretical, but shows the heterogeneous and multifactorial aspects of this disease.
  • Considerações sobre os marcadores bioquímicos do metabolismo ósseo e sua utilidade prática Revisões

    Vieira, José Gilberto H

    Abstract in Portuguese:

    O uso de marcadores bioquímicos do metabolismo ósseo na prática clínica tem se expandido de maneira considerável. Isto se deve ao surgimento de novos métodos e de um melhor conhecimento sobre a fisiopatologia das doenças ósteo-metabólicas, em especial a osteoporose. Os marcadores podem ser divididos em marcadores de formação, que refletem a atividade dos osteoblastos, e os de reabsorção, que refletem a atividade dos osteoclastos. Dentre os primeiros destacam-se a fosfatase alcalina óssea e a osteocalcina, e dentre os últimos os fragmentos derivados da reabsorção do colágeno, como as piridino-linas e os telopeptídeos carboxi e amino terminais. Além das aplicações já consagradas, como o diagnóstico e acompanhamento de patologias com importantes repercussões ósseas como a doença de Paget, o hiperparatiroidismo primário e outras, novas aplicações têm sido estudadas. Dentre estas, a que mais parece fundamentada é o acompanhamento do efeito de terapêutica específica no tratamento da osteoporose; a curto prazo, 1 a 3 meses, é possível a verificação da eficácia terapêutica, fato só possível com densitometria óssea após 1 a 2 anos. Novos métodos, em especial para a medida de marcadores de reabsorção no soro, devem tornar ainda mais abrangente a aplicação destes ensaios.

    Abstract in English:

    The use of biochemical markers of bone turnover in clinical practice is an ever increasing field. The development of new methods and a better knowledge of the physiopathology of the bone diseases, mainly osteoporosis, are the main reason for that. The markers can be divided in formation markers, that reflect osteoblastic activity, and resorption markers that reflect osteoclastic activity. Among the first ones the most important are bone specific alkaline phosphatase and osteocalcin, and among the last ones the fragments derived from the metabolism of collagen, like pyridolines and the amino and carboxyl terminal telopeptides. Besides the well proved applications, like the diagnosis and follow-up of diseases with important bone effects, like Paget's disease, primary hyperparathyroidism and others, new applications have recently been studied. Among these the one that seems to be more consistent is the follow-up of patients submitted to treatment for osteoporosis; in a short time curse, 1 to 3 months, is possible to verify the efficacy of a given medical treatment, something you can only verify using bone densitometry after one or two years. New methods, in special for the measurement of resorption markers in serum, may turn the application of these assays even more disseminated.
  • Diagnóstico por imagem na osteoporose Revisões

    Meirelles, Eduardo de Souza

    Abstract in Portuguese:

    Nesta revisão, o autor inicialmente enumera, por ordem cronológica de introdução na prática clínica médica, os diversos métodos de imagem utilizados no diagnóstico e seguimento da osteoporose. Compara a precisão, acurácia, duração, segurança (dose de radiação), indicações, sensibilidade e especificidade dos diversos métodos de imagem descritos, com destaque para a radiografia simples, a densitometria óssea e a ultra-sonometria óssea. Faz discussão das vantagens e desvantagens da densitometria óssea em comparação à ultra-sonometria óssea, ponderando que, apesar do recente grande desenvolvimento da ultra-sonometria óssea, a densitometria óssea pela técnica de raios-X de dupla energia (DEXA), continua sendo considerada a técnica padrão-ouro no diagnóstico e seguimento da osteoporose. Conclui pela necessidade de técnicas de imagem com medidas tridimensionais de volume, ao invés das atuais medidas bidimensionais de área, de padronização nacional ou regional de um banco de dados de referência composto por indivíduos controles normais brasileiros e por fim, de padronização mundial da tecnologia e conseqüentes medidas empregadas pelos diferentes fabricantes de equipamentos de densitometria e ultra-sonometria óssea.

    Abstract in English:

    In this revision the author initially enumerates, by chronological order of introduction in the clinical medical practice, the different methods of image used in the diagnosis and follow-up of osteoporosis. Compares the precision, accuracy, duration, safety (dose of radiation), indications, sensitivity and specificity of the different methods of image described, mainly for plain X-rays, bone densitometry and bone ultrasonometry. Discusses the advantages and disadvantages of bone densitometry in comparison to bone ultrasonometry, considering that although the recent great development of bone ultrasonometry, the dual energy X rays (DEXA) bone densitometry is still considered the gold standard method for the diagnosis and follow-up of osteoporosis. Concludes by the necessity of image methods with tridimensional measures of volume, instead of current bidimensional measures of area, of national or regional standardization of a reference database composed by normal brazilian controls and finally, of international standardization of technology and consequent measures employed by different bone densitometry and ultrasonometry equipment manufacturers.
  • Terapêutica de reposição hormonal na osteoporose da pós menopausa Revisões

    Pardini, Dolores

    Abstract in Portuguese:

    Os benefícios da terapia de reposição hormonal na prevenção e tratamento da osteoporose já são amplamente reconhecidos. Esta revisão tem por objetivo abordar os principais efeitos, mecanismos de ação e indicações dos principais esteróides utilizados na osteoporose da pós menopausa.

    Abstract in English:

    Postmenopausal hormone therapy is widely believed to prevent osteoporosis. This review report the mainly effects, mechanisms of actions and indications for the mainly steroids used in the postmenopausal osteoporosis.
  • Raloxifeno e osteoporose: revisão de um novo modulador seletivo do receptor de estrógeno Revisões

    Kayath, Marcia J.

    Abstract in Portuguese:

    Raloxifeno é um modulador seletivo do receptor de estrógeno de segunda geração com ação agonista no osso e sistema cardiovascular e ação antagonista na mama e útero. Sua seletividade tecidual ocorre devido a diversos mecanismos como diferentes receptores de estrógenos, distribuição diferencial destes receptores, diferentes co-fatores protéicos transcricionais e diferente conformação do receptor após ligação de raloxifeno. No osso, raloxifeno aumenta a massa óssea na coluna, fêmur, corpo inteiro, é eficaz em prevenir osteoporose em mulheres na pós-menopausa e reduz a incidência de fraturas vertebrais em 50% em mulheres com osteoporose. No sistema cardiovascular, raloxifeno reduz o colesterol total, LDL-colesterol, fibrinogênio e lipoproteína (a), não tendo efeito nos triglicérides e HDL-colesterol total, porém aumenta a subfração HDL-C2. Raloxifeno tem atividade antiproliferativa na mama, não induz mastalgia e uma redução na incidência de novos casos de câncer de mama tem sido demonstrada em mulheres em uso de raloxifeno em grandes estudos clínicos para osteoporose. No útero, raloxifeno não estimula o endométrio e não aumenta a incidência de sangramento vaginal ou carcinoma endometrial. O evento adverso mais comum com raloxifeno são ondas de calor e o mais sério é o tromboembolismo venoso com incidência semelhante à terapia de reposição hormonal. Raloxifeno é uma alternativa para o tratamento e prevenção de osteoporose em mulheres na pós-menopausa com evidências de efeitos benéficos seletivos em outros órgãos. Outros benefícios potenciais de raloxifeno como proteção cardiovascular e prevenção de câncer de mama estão sendo investigados em grandes estudos clínicos a longo prazo.

    Abstract in English:

    Raloxifene is a selective estrogen receptor modulator of second generation with agonist effect in the bone, cardiovascular system, and antagonist effect in the breast and uterus. The tissue selectivity of raloxifene occurs due to several mechanisms such as different estrogen receptors, differential distribution of receptors, different protein transcriptional factors and receptor conformation after raloxifene binding. In bone, raloxifene increases the bone mass in the spine, femur and total body, prevents osteoporosis in postmenopausal women and reduces the incidence of vertebral fractures in 50% in women with osteoporosis. In the cardiovascular system, raloxifene decreases total cholesterol, LDL-cholesterol, fibrinogen and lipoprotein (a), without changes in triglycerides and HDL-cholesterol, however, it increases the subfraction HDL-C2. Raloxifene has antiproliferative activity in the breast, does not induce mastalgia and a reduction in the incidence of new cases of breast cancer has been found in women taking raloxifene in the large osteoporosis trials. In the uterus, raloxifene does not stimulate the endometrium and does not increase the incidence of vaginal bleeding or endometrial carcinoma. The most common adverse event with ralox-ifene is hot flashes and the most serious is venous thromboembolism with similar incidence as hormonal replacement therapy. Raloxifene is an alternative with evidence of selective beneficial effects in other tissues. Other potential benefits with raloxifene such as cardiovascular protection and breast cancer prevention are being investigated in long-term clinical trials.
  • Tratamento da osteoporose pós-menopausa Revisões

    Leite, Maria Odette Ribeiro

    Abstract in Portuguese:

    A osteoporose pós menopausa é a forma mais freqüente de osteoporose. Como a evolução da osteoporose é silenciosa, é importante a sua prevenção. A reposição hormonal é a indicação mais fisiológica para prevenção e tratamento. Comentamos as várias opções terapêuticas do tratamento da osteoporose pós menopausa em pacientes em que há contra-indicação ou recusa para TRH, não há resposta do metabolismo ósseo ao TRH ou quadro de osteoporose instalada.

    Abstract in English:

    Postmenopausa osteoporosis is the most frequent type of osteoporosis. As its course is usually symptomless it is quite important the prevention of its complications. HRT is the most importante prevention measurement. In this paper other forms of therapeutics are discussed when HRT can not be utilized, or there is no adherence of the patient or lack of bone response to this treatment.
  • Osteoporose senil Revisões

    Dourador, Eliane Battani

    Abstract in Portuguese:

    Esse artigo aborda a incidência e prevalência da osteoporose senil, assim como sua fisiopatologia. Discute as opções terapêuticas baseadas nos estudos clínicos mais recentes.

    Abstract in English:

    This article reviews senile osteoporosis incidence, prevalence and physiopathology. Discuss therapeutic options based on recent clinical trials in this issue.
  • Osteoporose induzida por glicocorticóide Revisões

    Borba, Victória Zeghbi C.; Lazaretti-Castro, Marise

    Abstract in Portuguese:

    Os glicocorticóides (GC) são substâncias amplamente usadas por sua alta potência anti-inflamatória, porém seu uso é acompanhado de efeitos colaterais sistêmicos importantes. A osteoporose é um dos efeitos deletérios mais previsíveis dos GC e está associada a um alto índice de incapacitação devido a fraturas. Pode ocorrer em 30 a 50% dos pacientes em uso crônico de GC e principalmente em áreas ricas em osso trabecular como a coluna lombar. Na patogênese da osteoporose induzida por GC estão envolvidos vários efeitos sistêmicos e locais sobre o osso e metabolismo mineral. Apesar de muitas vezes a osteoporose ser colocada em segundo plano devido a gravidade da doença de base, o tratamento profilático deve ser instituído sempre, para impedirou diminuir os danos dos GC sobre o tecido ósseo.

    Abstract in English:

    Glucocorticoids (GC) are among the most widely used drugs, characterized by their anti-inflammatory potency, nevertheless their use are followed for many deleterious systemic effects. Osteoporosis is a preventable harmful effect of GC that has a high morbidity and mortality associated to the presence of fractures. The incidence of osteoporosis related to GC is between 30 to 50% and occurs mainly in the trabecular bone, particularly at the vertebrae. A multitude of systemic and local effects of GC on bone and mineral metabolism is involved in the pathogenesis of the bone loss. Despite frequently forgotten due the severity of the underlying disease, preventive treatment is effective in diminishing the deleterious effects on bone metabolism.
  • Raquitismo e osteomalacia Revisões

    Mechica, José B.

    Abstract in Portuguese:

    Raquitismo e osteomalacia são defeitos da mineralização óssea. O raquitismo é caracterizado por anormalidades na formação na placa epifisária de crescimento, com áreas não mineralizadas, desorganização da arquitetura celular e retardo na maturação óssea. A osteomalacia é caracterizada pela deficiente mineralização da matriz osteóide do osso cortical e trabecular com acúmulo do tecido osteóide pouco mineralizado. São processos que, em geral, ocorrem associados. Após o final do crescimento, com o fechamento da cartilagem epifisária, apenas a osteomalacia permanece. A falha do processo de mineralização tem como uma das principais causas a inadequada concentração extracelular de cálcio e fósforo, os dois principais componentes minerais do osso, e a falta ou comprometimento da ação dos elementos responsáveis pela sua absorção, particularmente a vitamina D. As principais manifestações clínicas como as deformidades ósseas e o atraso no crescimento, são semelhantes nos diferentes tipos de raquitismo e osteomalacia existem características que são específicas. As causas são adquiridas ou hereditárias e os recentes avanços em biologia molecular permitem a identificação dos genes envolvidos e das mutações. Essa discussão inclui os principais tipos da patologia.

    Abstract in English:

    Rickets and osteomalacia are bone mineralization disorders. Rickets in children occurs due to abnormalities in bone formation at the epiphyseal growth plate and results in defective bone modelling. The growth plate is involved in a process characterized by defective calcification of cartilage, delayed maturation and disorganization of the architecture of the cartilage cells. In osteomalacia there is a failure to mineralize the osteoid organic matrix of bone. This defect results in excessive accumulation of osteoid throughout the skeleton. There is usually some decrease in bone density. Therefore, rickets occurs during growth in children and osteomalacia presents in adults. The mineralization of bone depends on availability and appropriate regulation of inorganic phosphate and calcium, that is made by vitamin D. The two components form a major part of hydroxyapatite, the mineral part of bone. Depletion of phosphate or calcium with abnormally low concentrations in extracellular fluid, results in rickets and osteomalacia. Although the clinical manifestations vary to some extend depending upon the underlying disorder, they are mainly related to skeletal deformity, and disturbances in growth. A number of different hereditary or acquired disorders are associated with the mechanism of defective mineralization. Recent advances in molecular genetics are permitting the identification of genes involved in human diseases from their chromossomal location. The ensuing discussion includes major types of rickets and osteomalacia.
  • Hipocalcemia Revisões

    Arioli, Edson L.; Corrêa, Pedro Henrique S.

    Abstract in Portuguese:

    A hipocalcemia está sendo diagnosticada mais freqüentemente pelos clínicos, e a conduta depende do conhecimento da sua fisiopatologia. A manutenção da calcemia dentro da normalidade é o resultado da interação do PTH e da vitamina D sobre o osso, rim e o intestino. O receptor de sensor de cálcio deve ser incluído na sua análise. O diagnóstico é realizado pela dosagem de cálcio, ou melhor, do cálcio ionizado. O diagnóstico diferencial entre várias causas de hipocalcemia pode ser realizado, permitindo um tratamento direcionado. Nesta revisão, veremos os mecanismos responsáveis no diagnóstico diferencial e a terapêutica apropriada.

    Abstract in English:

    The hypocalcemia has been diagnosed quite often presently. The maintenance of normal calcemia depends on the Interaction of PTH and vitamin D over the bone, kidney and intestine mediated through the action of a sensor of calcium in the cellular membrane. As the causes of hypocalcemia are variable its etiology should be defined before a suitable treatment is delineated.
  • Abordagem clínico-laboratorial no diagnóstico diferencial de hipercalcemia Revisões

    Martin, Luciana N. C.; Kayath, Marcia J.

    Abstract in Portuguese:

    A hipercalcemia é anormalidade metabólica comum, porém pouco diagnosticada por ser freqüentemente assintomática. Aproximadamente 90% dos casos são decorrentes de hiperparatireoidismo primário (HPT) ou doença maligna complicada por hipercalcemia, estando prevalentes em pacientes ambulatoriais e hospitalizados, respectivamente. Laboratorialmente, o HPT e hipercalcemia humoral maligna apresentam algumas semelhanças, tais como: aumento do AMPc nefrogênico, hipofosfatemia e hipercalciúria. Porém, o quadro clínico da hipercalcemia associada à malignidade é mais severo e, geralmente, o paciente apresenta-se clinicamente debilitado pela doença, com múltiplas metástases. A dosagem sérica de PTH intacto (PTHi) é fundamental para o diagnóstico definitivo, estando o PTHi elevado ou normal no HPT primário, e suprimido na malignidade. Os mecanismos de hipercalcemia da doença maligna são: secreção de fatores humorais que alteram a homeostase do cálcio e fatores locais produzidos pelos tumores metastáticos ou hematológicos no osso, causando aumento da reabsorção osteoclástica. A proteína relacionada ao hormônio da paratireóide (PTHrP) tem sido implicada na maioria dos casos de hipercalcemia devido a tumores sólidos. Outros fatores como interleucina-6, fator de crescimento tumoral, fator de necrose tumoral e interleucina-1 podem modular os efeitos do PTHrP nos órgãos-alvo, e em alguns tumores, ativam diretamente o osteoctastos como por exemplo no mieloma múltiplo. A hipercalcemia pode estar menos freqüentemente associada a algumas doenças endócrinas como tireotoxicose, feocromocitoma, doença de Addison e neoplasia endócrino múltipla tipos I e IIA. Algumas drogas podem causar esse distúrbio metabólica, merecendo destaque a vitamina D, os diuréticos tiazídicos e o lítio. A sarcoidose é exemplo de doença granulomatosa que pode associar-se à hipercalcemia em 10% dos casos e hipercalciúria em 50%. O diagnóstico diferencial das hipercalcemias é essencial para que haja uma abordagem terapêutica eficaz dessa anormalidade metabólica.

    Abstract in English:

    Hypercalcemia is a common underdiagnosed metabolic abnormality, since it is frequently asymptomatic. Approximately 90% of the cases are due to primary hyperparathyroidism (HPT) or malignancies, and it is more prevalent in outpatients or inpatients, respectively. HPT and malignant humoral hypercalcemia share some similarities such as: increase of nephrogenic cAMP, hypophosphatemia and hypercalciuria. However, patients with hypercalcemia associated with malignancy are usually clinically very ill with mestatasis in multiple organs. The intact PTH (iPTH) serum measurement is very important for definitive diagnosis, since iPTH is elevated or normal in primary hyperparathyroidism and supressed in malignancies. Hypercalcemia in malignancies may be due to humoral factors secreted by tumors that act on target organs and change normal calcium homeostasis. Also, local factors secreted by tumors in bone, either metastatic or hematological, may stimulate osteoclastic bone resorption. The parathyroid hormone-related protein (PTHrP) is responsible for the majority cases of hypercalcemia associated to solid tumors. Other factors like interleukin-6, tumoral growth factor, tumoral necrosis factor and interleukin-1 can modulate the end-organ effects of PTHrP and in some tumors they can directly stimulate the osteoclasts such as in the case of multiple myeloma. Hypercalcemia can less frequently be associated with some endocrine diseases like thyrotoxicosis, pheochromocytoma, Addison's disease and multiple endocrine neoplasia types I and IIA. Some drugs may cause this metabolic abnormality, mainly vitamin D, thiazide diuretics, and lithium. Sarcoidosis is a granulomatous-forming disease that may present with hypercalcemia in 10% of the patients and with hypercalciuria in 50% of the cases. The differential diagnosis of hypercalcemias is essencial for the appropriate treatment of this metabolic abnormality.
Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Rua Botucatu, 572 - conjunto 83, 04023-062 São Paulo, SP, Tel./Fax: (011) 5575-0311 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: abem-editoria@endocrino.org.br