Situação epidemiológica da brucelose bovina no Estado da Bahia

Epidemiological situation of bovine brucellosis in the State of Bahia, Brazil

Resumos

O trabalho consistiu em estratificar o Estado da Bahia em quatro regiões com características homogêneas (circuitos produtores) para que fossem amostradas aleatoriamente, em cada uma delas, 300 propriedades. Em cada propriedade foram escolhidas, de forma aleatória, 10 a 15 fêmeas bovinas adultas, das quais foi obtida uma amostra de sangue. No total, foram amostrados 10.816 animais, provenientes de 1.413 propriedades. O protocolo de testes utilizado foi o da triagem com o teste do antígeno acidificado tamponado (Rosa Bengala) e a confirmação dos positivos com o teste do 2-mercaptoetanol. O rebanho foi considerado positivo se pelo menos um animal reagiu às duas provas sorológicas. As prevalências de focos e a de fêmeas adultas soropositivas do Estado foram de 4,2% [3,1-5,3%] e 0,66% [0,41-0,93%], respectivamente. Para os circuitos produtores foram: circuito 1, 5,8% [3,6-8,7%] e 0,86% [0,41-1,3%]; circuito 2, 3,1% [1,5-5,6%] e 1,2% [0,25-2,1%]; circuito 3, 6,3% [4,0-9,3%] e 1,7% [0,66-2,7%]; e circuito 4, 0,60% [0,07-2,2%] e 0,07 [0,00-0,21%]. Para a análise de fatores de riscos associados à doença foi aplicado um questionário epidemiológico em cada propriedade visitada. Os fatores de risco (odds ratio, OR) associados à condição de foco foram: compra de reprodutores (OR= 2,27) e presença de áreas alagadiças (OR= 1,76). A vacinação de fêmeas de três até oito meses de idade foi um fator de proteção (OR= 0,53).

bovino; brucelose; prevalência; fatores de risco; Bahia


A study to characterize the epidemiological situation of bovine brucellosis in the State of Bahia was carried out in 2004. The State was divided into four similar production regions, 300 herds were randomly sampled in each region, and 10 to 15 adult bovine females were sampled in each of these herds. A total of 10,816 serum samples from 1,413 herds were collected. The serum samples were screened for antibodies to Brucella spp. by the Rose-Bengal Test (RBT), and all RBT-positive sera were re-tested by the 2-mercaptoethanol test (2-ME) for confirmation. A herd was considered positive if at least one animal was positive on both RBT and 2-ME tests. The prevalence of infected herds and seropositive adult bovine females in Bahia State were: 4.2% [3.1-5.3%] and 0.66% [0.41-0.93%], respectively. In the production regions, prevalence of infected herds and animals were, respectively: region 1, 5.8% [3.6-8.7%] and 0.86% [0.41-1.3%]; region 2, 3.1% [1.5-5.6%] and 1.2% [0.25-2.1%]; region 3, 6.3% [4.0-9.3%] and 1.7% [0.66-2.7%]; and region 4, 0.60% [0.07-2.2%] and 0.07%[0.00-0.2%]. In each herd, an epidemiological questionnaire was applied. The risk factors (odds ratio, OR) associated with the presence of the infection were: purchase of breeding animals (OR = 2.27) and presence of flood areas (OR= 1.76). Vaccination of heifers from three to eight months of age was a protective factor (OR=0.53).

cattle; brucellosis; prevalence; risk factors; Bahia; Brazil


Situação epidemiológica da brucelose bovina no Estado da Bahia

Epidemiological situation of bovine brucellosis in the State of Bahia, Brazil

A.J.S. AlvesI; V.S.P. GonçalvesII; V.C.F. FigueiredoIII; J.R. LôboIII; L. BahienseIV; M. AmakuI; F. FerreiraI; J.S. Ferreira NetoI; R.A. DiasI, * * Autor para correspondência ( corresponding author) E-mail: dias@vps.fmvz.usp.br

IFaculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - USP Av. Prof. Dr. Orlando Marques Paiva, 87 05508-270 - São Paulo, SP

IIFaculdade de Agronomia e Medicina Veterinária - UnB - Brasília, DF

IIIDepartamento de Saúde Animal - SDA-MAPA - Brasília, DF

IVAgência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia - SEAGRI - Salvador, BA

RESUMO

O trabalho consistiu em estratificar o Estado da Bahia em quatro regiões com características homogêneas (circuitos produtores) para que fossem amostradas aleatoriamente, em cada uma delas, 300 propriedades. Em cada propriedade foram escolhidas, de forma aleatória, 10 a 15 fêmeas bovinas adultas, das quais foi obtida uma amostra de sangue. No total, foram amostrados 10.816 animais, provenientes de 1.413 propriedades. O protocolo de testes utilizado foi o da triagem com o teste do antígeno acidificado tamponado (Rosa Bengala) e a confirmação dos positivos com o teste do 2-mercaptoetanol. O rebanho foi considerado positivo se pelo menos um animal reagiu às duas provas sorológicas. As prevalências de focos e a de fêmeas adultas soropositivas do Estado foram de 4,2% [3,1-5,3%] e 0,66% [0,41-0,93%], respectivamente. Para os circuitos produtores foram: circuito 1, 5,8% [3,6-8,7%] e 0,86% [0,41-1,3%]; circuito 2, 3,1% [1,5-5,6%] e 1,2% [0,25-2,1%]; circuito 3, 6,3% [4,0-9,3%] e 1,7% [0,66-2,7%]; e circuito 4, 0,60% [0,07-2,2%] e 0,07 [0,00-0,21%]. Para a análise de fatores de riscos associados à doença foi aplicado um questionário epidemiológico em cada propriedade visitada. Os fatores de risco (odds ratio, OR) associados à condição de foco foram: compra de reprodutores (OR= 2,27) e presença de áreas alagadiças (OR= 1,76). A vacinação de fêmeas de três até oito meses de idade foi um fator de proteção (OR= 0,53).

Palavras-chave: bovino, brucelose, prevalência, fatores de risco, Bahia

ABSTRACT

A study to characterize the epidemiological situation of bovine brucellosis in the State of Bahia was carried out in 2004. The State was divided into four similar production regions, 300 herds were randomly sampled in each region, and 10 to 15 adult bovine females were sampled in each of these herds. A total of 10,816 serum samples from 1,413 herds were collected. The serum samples were screened for antibodies to Brucella spp. by the Rose-Bengal Test (RBT), and all RBT-positive sera were re-tested by the 2-mercaptoethanol test (2-ME) for confirmation. A herd was considered positive if at least one animal was positive on both RBT and 2-ME tests. The prevalence of infected herds and seropositive adult bovine females in Bahia State were: 4.2% [3.1-5.3%] and 0.66% [0.41-0.93%], respectively. In the production regions, prevalence of infected herds and animals were, respectively: region 1, 5.8% [3.6-8.7%] and 0.86% [0.41-1.3%]; region 2, 3.1% [1.5-5.6%] and 1.2% [0.25-2.1%]; region 3, 6.3% [4.0-9.3%] and 1.7% [0.66-2.7%]; and region 4, 0.60% [0.07-2.2%] and 0.07%[0.00-0.2%]. In each herd, an epidemiological questionnaire was applied. The risk factors (odds ratio, OR) associated with the presence of the infection were: purchase of breeding animals (OR = 2.27) and presence of flood areas (OR= 1.76). Vaccination of heifers from three to eight months of age was a protective factor (OR=0.53).

Keywords: cattle, brucellosis, prevalence, risk factors, Bahia, Brazil

INTRODUÇÃO

O Estado do Bahia, localizado na região Nordeste do Brasil, com 417 municípios, ocupa uma área geográfica de 564.692,66km2. Desta área, 68,7% encontram-se na região semiárida. O Estado faz divisa como oito Estados: Tocantins, Goiás, Piauí, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Minas Gerais e Espírito Santo. Possui um efetivo de rebanho bovino de cerca de 10 milhões de cabeças além de 18 mil cabeças de bubalinos (IBGE, 2005).

A grande extensão territorial do Estado apresenta uma variável gama de formações vegetais, o que possibilita a criação de bovinos em pasto, em sistema de pastejo rotacionado, ou em criação confinada e semiconfinada nas regiões produtoras de grãos do Oeste. Esse leque abrangente de alternativas permite a produção do novilho precoce, com alto lucro, agregando valor à commodity carne (Bahia, 2007). Atualmente, a região de maior expansão pecuária é a Oeste, que se insere na região Noroeste de acordo com a divisão feita para este trabalho.

A pecuária baiana encontra-se em uma fase de transição entre um sistema extensivo de produção, caracterizado como basicamente extrativista, que utiliza tecnologias de baixo uso de insumos e com pouco risco de capital, para outro que adota tecnologias modernas e alcança alta produtividade. As mudanças socioeconômicas ocorridas no País, as dificuldades de incorporação de novas áreas ao processo produtivo, o cenário futuro indicando maior demanda, a competitividade das carnes (principalmente as de aves) e a abertura proporcionada pelo Mercosul, induziram a profundas mudanças na pecuária de corte na região (Bahia, 2007).

No Estado, no período de 1972 a 1974, a frequência de animais soropositivos para a Brucella sp. era de 10% (Almeida et al., 1988). Em 1975, o Ministério da Agricultura realizou o primeiro inquérito sorológico nacional de brucelose, quando a frequência de animais soropositivos foi estimada em 6,2% (Brasil, 1977). Posteriormente, Ribeiro et al. (2003) estudaram a prevalência da brucelose bovina no Município de Ilhéus, em 85 propriedades, que representavam 21,7% dos estabelecimentos agropecuários do município, e 916 animais, correspondentes a 16% da população de fêmeas bovinas acima de 24 meses. O diagnóstico foi realizado usando-se os testes do antígeno acidificado tamponado, da soroaglutinação lenta em tubos e do 2-mercaptoetanol. A prevalência encontrada foi de 1,9% de animais positivos e 10,6% de propriedades/foco.

Considerando as perdas econômicas significativas ocasionadas pela brucelose, bem como o risco de propagação para animais de exploração econômica e desses para o homem, com reflexos negativos para a saúde pública, foi instituída no Estado, a partir de março de 2002, a obrigatoriedade da vacinação contra brucelose de todas as fêmeas de bovinos e de bubalinos de três a oito meses de idade, com vacina viva liofilizada (amostra B19 de Brucella abortus).

Tendo em vista que a situação epidemiológica da brucelose bovina não está adequadamente caracterizada no Estado, os objetivos do presente estudo foram estimar a prevalência e identificar os fatores de risco para a doença no rebanho baiano e fornecer subsídios para a gestão estratégica do Programa Nacional de Controle e Erradicação de Brucelose e Tuberculose (PNCEBT).

MATERIAL E MÉTODOS

O estudo foi planejado por técnicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), da Universidade de São Paulo e da Universidade de Brasília, em colaboração com técnicos da ADAB. O trabalho de campo foi realizado por técnicos da ADAB, no período de fevereiro a dezembro de 2004, após terem sido treinados para padronização de procedimentos.

Para se conhecer a variação regional dos parâmetros epidemiológicos da brucelose bovina, o Estado da Bahia foi estratificado em quatro circuitos produtores de bovinos, levando-se em consideração os diferentes sistemas de produção, práticas de manejo, finalidades de exploração, tamanho médio de rebanhos e sistemas de comercialização. A divisão do Estado em circuitos produtores também levou em consideração a capacidade operacional e logística da Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB).

Em cada circuito produtor, estimou-se a prevalência de propriedades infectadas pela brucelose bovina e a de animais soropositivos por meio de um estudo amostral em dois estágios, dirigido, primordialmente, para detectar focos de brucelose. No primeiro estágio, sorteou-se, de forma aleatória, um número pré-estabelecido de propriedades com atividade reprodutiva (unidades primárias de amostragem) e, no segundo, um número pré-estabelecido de fêmeas bovinas com idade igual ou superior a 24 meses (unidades secundárias de amostragem).

Nas propriedades rurais onde foram claramente identificados mais de um rebanho, foi escolhido como alvo do estudo o rebanho bovino de maior importância econômica, no qual os animais estavam submetidos às mesmas condições de manejo, ou seja, sob os mesmos fatores de risco. A escolha da unidade primária de amostragem foi aleatória, baseada no cadastro de propriedades rurais com atividade reprodutiva de bovinos. A propriedade sorteada que, por motivos vários, não pôde ser visitada, foi substituída por outra, nas proximidades, com as mesmas características de produção. O número de propriedades sorteada por circuito, foi determinado pela fórmula para amostras simples aleatórias proposta por Thrusfield (2007).

O planejamento amostral para as unidades secundárias visou estimar um número mínimo de animais a serem examinados dentro de cada propriedade de forma a permitir a sua classificação como foco ou não foco de brucelose. Para tanto, foi utilizado o conceito de sensibilidade e especificidade agregadas. Para efeito dos cálculos foram adotados os valores de 95% e 99,5%, respectivamente, para a sensibilidade e a especificidade do protocolo de testes utilizado (Fletcher et al., 1998) e 20% para a prevalência estimada. Nesse processo foi utilizado o programa Herdacc versão 3 e o tamanho da amostra escolhido foi aquele que permitiu valores de sensibilidade e especificidade de rebanho superiores a 90%. Assim, nas propriedades com até 99 fêmeas com idade superior a 24 meses, foram amostrados 10 animais e nas com 100 ou mais fêmeas com idade superior a 24 meses, 15 animais. A escolha das fêmeas dentro das propriedades foi casual sistemática.

O protocolo de testes foi composto pela triagem com o teste do antígeno acidificado tamponado ou teste Rosa Bengala, seguida do reteste dos positivos com o teste do 2-mercaptoetanol, de acordo com as diretrizes recomendadas no PNCETB (Brasil, 2006). O sangue (15mL) foi coletado por punção da veia jugular com agulha descartável estéril em tubo com vácuo, previamente identificado. Os soros, armazenados em microtubos de plástico, foram mantidos a -20ºC até a realização dos testes. Os exames dos soros provenientes do circuito produtor 1 foram realizados pela Universidade Estadual Santa Cruz e os dos soros dos demais circuitos pela Universidade Federal da Bahia.

A propriedade foi considerada positiva quando se detectou pelo menos um animal positivo. As propriedades que apresentaram animais com resultado sorológico inconclusivo, sem ocorrência de animais positivos, foram classificadas como suspeitas e excluídas das análises. O mesmo tratamento foi dado aos animais com resultados sorológicos inconclusivos.

O planejamento amostral permitiu determinar as prevalências de focos e de fêmeas adultas (≥24m) soropositivas para brucelose no Estado e também nos circuitos produtores. Os cálculos das prevalências aparentes e os respectivos intervalos de confiança foram realizados, com o auxílio do programa Epi-Info 6.04d (Dean et al., 1994).

Os cálculos das prevalências de focos e de animais no Estado, e das prevalências de animais dentro das regiões foram feitos de forma ponderada, conforme preconizado por Dohoo et al. (2003).

O peso de cada propriedade no cálculo da prevalência de focos no Estado foi dado por

O peso de cada animal no cálculo da prevalência de animais no Estado foi dado por

Na expressão acima, o primeiro termo refere-se ao peso de cada animal no cálculo da prevalência de animais dentro de região.

Em cada propriedade amostrada, além da coleta de sangue para a sorologia, foi também aplicado um questionário epidemiológico, elaborado para obter informações sobre o tipo de exploração e as práticas de manejo empregadas, de forma a permitir a realização do estudo de fatores de risco associados à presença da brucelose.

As variáveis analisadas foram: tipo de exploração (ou sistema de produção: carne, leite e misto), tipo de criação (confinado, semiconfinado, extensivo), uso de inseminação artificial, raças predominantes, número de vacas com idade superior a 24 meses, número de bovinos na propriedade, presença de outras espécies domésticas, presença de animais silvestres, destino da placenta e dos fetos abortados, compra e venda de animais, vacinação contra brucelose, abate de animais na propriedade, aluguel de pastos, pastos comuns com outras propriedades, pastos alagados, piquete de parição e assistência veterinária.

As variáveis foram organizadas de modo a apresentarem-se em escala crescente de risco. Quando necessário, realizou-se a recategorização dessas variáveis. A categoria de menor risco foi considerada como base para a comparação das demais categorias. As variáveis quantitativas foram recategorizadas em percentis.

Foi feita uma primeira análise exploratória dos dados (univariada) para seleção daquelas com p≤0,20 para o teste do χ2 ou exato de Fisher e, subsequente, oferecimento dessas à regressão logística. Os cálculos foram realizados com o auxílio do programa SPSS version 9.0.

Todas as informações geradas pelo trabalho de campo e de laboratório foram inseridas em um banco de dados específico, utilizado nas análises epidemiológicas.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

A divisão do Estado da Bahia em quatro circuitos produtores é mostrada na Fig. 1. Na Tab. 1, são apresentados os dados censitários pecuários do Estado. Os resultados de prevalência de focos no Estado e nos circuitos produtores são apresentados na Tab. 2, a prevalência de fêmeas na Tab. 3, e a prevalência de focos por tipo de exploração da propriedade na Tab. 4.

Na Tab. 5, mostram-se os resultados da análise de fatores de risco para brucelose e na Tab. 6, é mostrado o modelo final da regressão logística.

Na Tab. 2, observa-se tendência de menor prevalência de focos no circuito 4, que diferiu estatisticamente apenas em relação aos circuitos 1 e 3. A situação é homogênea entre os circuitos 1, 2 e 3. Estes resultados foram confirmados pela menor prevalência de animais no circuito 4 e pela situação homogênea entre os demais circuitos (Tab. 3). Em todos os circuitos, a brucelose está homogeneamente distribuída nas propriedades de corte, leite ou mistas (Tab. 4).

A prevalência de animais, obtida neste trabalho (0,66%; Tab. 3), em relação às verificadas em estudos de 1972 a 1974 (10%; Almeida et al., 1988) e de 1975 (6,2%; Brasil, 1977) diminuiu, fato que pode ser atribuído ao incremento da vacinação contra brucelose no Estado e ao sistema de criação, majoritariamente de subsistência, com pouca movimentação de animais.

Os resultados obtidos por Ribeiro et al. (2003) para a região de Ilhéus (10,6% de prevalência de focos de 1,9% de animais) são superiores aos observados para o circuito 1 do Estado, onde está localizada esta cidade (5,8% de prevalência de focos e 0,86% de animais; Tab. 2 e 3), sugerindo que nesse município existe uma condição mais favorável para a difusão da doença do que em toda região do circuito 1.

A prevalência da brucelose no Estado é relativamente baixa. Para todos os circuitos, a brucelose está igualmente distribuída entre as propriedades de carne, leite e mistas. Os circuitos 1, 2 e 3 ainda podem beneficiar-se da vacinação de bezerras com a amostra B19 devida à relativa maior prevalência da doença, o que, provavelmente, não deve ocorrer no circuito 4, pois dificilmente haverá redução adicional da prevalência de focos e de animais pela utilização dessa vacina. Entretanto, a vacinação nesse último circuito pode ser considerada estratégica pelo Estado em virtude da dificuldade de implementação de estratégias de erradicação apenas nele.

Os fatores associados à condição de foco de brucelose foram a compra de reprodutores e a presença de áreas alagadiças na propriedade. A vacinação de bezerras com a B19 emergiu como fator protetor, indicando que a proporção de focos de brucelose nas propriedades que vacinam é menor do que entre as que não vacinam. É, portanto, um indicador de campo que comprova a eficiência da amostra B19.

A compra de animais infectados é amplamente reportada como o principal fator de introdução de brucelose em rebanhos livres (Van Wavern, 1960; Nicoletti, 1980). Dentro dessa variável, alguns fatores podem atuar de forma independente ou em associação, como: frequência de compra, origem dos animais e histórico de realização de testes sorológicos para brucelose (Crawford et al., 1990). Kellar et al. (1976) verificaram que propriedades-foco adquiriam animais de reposição com maior frequência do que propriedades livres. O verdadeiro problema não é a introdução de animais, prática rotineira nos rebanhos bovinos, mas sim a aquisição de animais sem cuidados sanitários, ou seja, sem a realização de testes ou sem o conhecimento da condição sanitária do rebanho de origem.

A sobrevivência de Brucella spp. no ambiente é ampliada pela presença de umidade (Comite..., 1986), e, quanto maior a sobrevivência no ambiente, maior é a chance desse agente infectar um novo suscetível. Assim, a presença de áreas alagadiças na propriedade pode favorecer a difusão da doença.

Finalmente, recomenda-se concentrar esforços na obtenção, em todos os anos, de uma cobertura vacinal mínima de 80% de fêmeas entre três e oito meses de idade com a vacina B19 e desencorajar a compra de reprodutores sem cuidados sanitários, assim como estimular a drenagem das áreas alagadiças das pastagens.

AGRADECIMENTOS

À FAPESP, ao CNPq, e ao MAPA pelo apoio financeiro. Agradecimento à ADAB pelo apoio logístico.

Recebido em 27 de março de 2009

Aceito em 23 de setembro de 2009

  • ALMEIDA, G.L.G.; D'ALMEIDA, J.M.; HORN, S.C. As doenças dos animais no Brasil: Histórico das primeiras observaçőes. Bol. Def. Sanit. Anim, n.esp, 101p, 1988.
  • BAHIA. Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária. Agronegócio baiano: informe conjuntural. Salvador, 2007. Disponível em: <http://www.seagri.ba.gov.br/informe_conjuntural2.pdf>. Acessado em: 22 set. 2008.
  • BRASIL. Ministério da Agricultura e Abastecimento. Diagnóstico de saúde animal, Brasília, 1977. 735p.
  • BRASIL. Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e da Tuberculose Animal (PNCEBT): Manual técnico. Brasília, 2006. 184p.
  • COMITÉ MIXTO FAO/OMS DE EXPERTOS EN BRUCELOSIS. Genebra: OMS, 1986. 149p. (Série de informes técnicos, 740).
  • CRAWFORD, R.P.; HUBER, J.D.; ADAMS, B.S. Epidemiology and surveillance. In: NIELSEN, K.; DUNCAN, J.R. (Ed.). Animal brucellosis. Boca Raton: CRC Press, 1990.p.131-151.
  • DEAN, A.G.; DEAN, J.A.; COLOMBIER, D. et al. Epi-Info, version 6: A word processing database and statistics program for epidemiology on microcomputers. Atlanta: CDC, 1994. 601p.
  • DOHOO, I.; MARTIN, W.; STRYHN, H. Veterinary epidemiologic research Charlottetown, Canadá: Atlantic Veterinary College, 2003. 706p.
  • FLETCHER, R.H.; FLETCHER, S.W.; WAGNER, E.H. Clinical epidemiology: The essentials. 2.ed. Baltimore: Williams & Wilkins, 1998. 246p.
  • IBGE. Rio de Janeiro, 2005. Disponível em: <http:www.sidra.ibge.gov.br>. Acessado em: 7 mai. 2007.
    » link
  • KELLAR, J.; MARRA, R.; MARTIN, W. Brucellosis in Ontario: A case control study. Can. J. Comp. Med, v.40, p.119-128, 1976.
  • NICOLETTI, P. The epidemiology of bovine brucellosis. Adv. Vet. Sci. Comp. Med., v.24, p.69-98, 1980.
  • RIBEIRO, A.R.P.; LOBATO, F.C.F.; ABREU, V.L.V. et al. Prevalęncia de tuberculose e brucelose bovina no município de Ilhéus. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec, v.55, p.120-122, 2003.
  • THRUSFIELD, M. Veterinary epidemiology. 3.ed. Oxford: Blackwell Science, 2007. 610p.
  • VAN WAVERN, G.M. The control of brucellosis in the Netherlands. Vet. Rec, v.72, p.928, 1960.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    04 Jan 2010
  • Data do Fascículo
    Nov 2009

Histórico

  • Aceito
    23 Set 2009
  • Recebido
    27 Mar 2009
Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária Caixa Postal 567, 30123-970 Belo Horizonte MG - Brazil, Tel.: (55 31) 3409-2041, Tel.: (55 31) 3409-2042 - Belo Horizonte - MG - Brazil
E-mail: abmvz.artigo@abmvz.org.br