Accessibility / Report Error

OCORRÊNCIA DE BEMISIA TABACI BIÓTIPO B EM EUCALYPTUS CAMALDULENSIS

OCCURRENCE OF BEMISIA TABACI BIOTYPE B IN EUCALYPTUS CAMALDULENSIS

RESUMO

A ocorrência da mosca-branca Bemisia tabaci (Genn.) biótipo B (Hemiptera: Aleyrodidae) foi registrada pela primeira vez em mudas de Eucalyptus camaldulensis Dehn. em Lavras, Estado de Minas Gerais. O ataque foi observado no dia 16/1/2007 em 30 mudas de E. camaldulensis mantidas em casa-de-vegetação. As plantas infestadas apresentavam-se amarelecidas e em estágio inicial de definhamento como resposta ao ataque do inseto.

PALAVRAS-CHAVE
Mosca-branca; Myrtaceae; novo registro

ABSTRACT

The occurrence of Bemisia tabaci (Genn.) biotype B (Hemiptera: Aleyrodidae) is record for the first time in Eucalyptus camaldulensis Dehn. seedlings in Lavras, State of Minas Gerais, Brazil. The attack was seen on 16/1/2007 at 30 seedlings of E. camaldulensis kept in greenhouse. The infested plants were yellowish and in initial stage of weakening as response to the attack of the insect.

KEY WORDS
Silverleaf whitefly; Myrtaceae; new records

Diversas espécies de moscas-brancas têm sido responsáveis por grandes perdas no setor agrícola no mundo todo. Dentre elas, destaca-se Bemisia tabaci (Genn.) biótipo B (Hemiptera: Aleyrodidae) que, segundo VALLE; LOURENÇÃO (2002)VALLE, G.E.; LOURENÇÃO, A.L. Resistência de genótipos de soja a Bemisia tabaci (Genn.) Biótipo B (Hemiptera: Aleyrodidae). Neotropical Entomology, v.31, n.2, p.285-295, 2002., foi introduzida no Brasil no início da década de 90 e, a partir de 1991, começou a causar prejuízos devido às altas infestações em diversas espécies de plantas cultivadas.

Esse inseto apresenta uma ampla gama de plantas hospedeiras, podendo ser encontrado em mais de 600 espécies incluindo ornamentais e outras culturas economicamente expressivas (OLIVEIRA et al., 2001OLIVEIRA, M.R.V.; HENNEBERRY, T.J.; ANDERSON, P. History, current status, and collaborative research projects for Bemisia tabaci. Crop Protection, v.20, n.9, p.709-723, 2001.), sendo que esta espécie não tem ocorrência registrada para eucalipto. Entre as espécies hospedeiras mais comuns, OLIVEIRA et al. (1998)OLIVEIRA, M.R.V.; LIMA, L.H.C.; FERREIRA, D.M.N.; VIEIRA, P.R.G. Avaliação das populações de Bemisia tabaci (Gennadius) através de RAPD-PCR, no Brasil. Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 1998. 6p. e OLIVEIRA et al. (2001)OLIVEIRA, M.R.V.; HENNEBERRY, T.J.; ANDERSON, P. History, current status, and collaborative research projects for Bemisia tabaci. Crop Protection, v.20, n.9, p.709-723, 2001. mencionaram o feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.), tomateiro (Lycopersicon esculentum Mill.), algodoeiro (Gossypium hirsutum L.), meloeiro (Cucumis melo L.), hibisco (Hibiscus esculentum L.), crisântemo (Chrysanthemum spp.), couve [Brassica oleracea (L.)], soja [Glycine max (L.) Merril], jiló (Solanum gilo Raddi) e maracujá (Passiflora spp.), havendo relatos da presença de B. tabaci em espécies da família Myrtaceae apenas para os gêneros Eugenia e Psidium (COCK, 1986COCK, M.J.W. (Ed.). Bemisia tabaci - a literature survey on the cotton whitefly with an annotated bibliography. FAO, CAB: London, 1986. 121p.; MOUND; HALSEY, 1978MOUND, L.A.; HALSEY, S.M. Whitefly of the world. London: British Museum, 1978. 340p.).

As infestações nas mudas de eucalipto foram constatadas em 16 de janeiro de 2007, especialmente na superfície abaxial das folhas, em plantas com aproximadamente um mês após o transplantio, com cerca de 40 cm de altura. A casa-de-vegetação onde foi detectado o ataque da praga possui 5 x 10 m de comprimento, onde é realizado o cultivo de diversas plantas experimentais como pepino (Cucumis sativus L.), couve, algodão, tomate e batata (Solanum tuberosum L.). Dentro da casa-de-vegetação, porém em estrutura separada, mantém-se a criação de B. tabaci biótipo B, adquirida junto ao IAC (Instituto Agronômico de Campinas). Essa espécie foi anteriormente identificada como pertencente ao biótipo B, sendo que, para confirmação da manutenção desse biótipo, mensalmente são colocadas plantas de abóbora (Cucurbita pepo L.) dentro da criação para verificar prateamento nas folhas da cucurbitácea, sintoma exclusivo do biótipo B. Assim, confirmou-se a presença dessa praga em plantas de eucalipto, dispostas na forma de ovos, ninfas de todos os ínstares e adultos.

Observações diárias realizadas por um período de 15 dias permitiram acompanhar o desenvolvimento das ninfas desde a eclosão até a emergência dos adultos e constatar que a planta hospedeira possibilitou o desenvolvimento completo de B. tabaci biótipo B. Nas folhas mais jovens, principalmente, foi possível constatar engruvinhamento e início de descoloração, relacionados com o ataque do inseto. Desta forma, fica constatada a primeira ocorrência de B. tabaci biótipo B em plantas de E. camaldulensis, no Município de Lavras, MG.

REFERÊNCIAS

  • COCK, M.J.W. (Ed.). Bemisia tabaci - a literature survey on the cotton whitefly with an annotated bibliography FAO, CAB: London, 1986. 121p.
  • MOUND, L.A.; HALSEY, S.M. Whitefly of the world London: British Museum, 1978. 340p.
  • OLIVEIRA, M.R.V.; LIMA, L.H.C.; FERREIRA, D.M.N.; VIEIRA, P.R.G. Avaliação das populações de Bemisia tabaci (Gennadius) através de RAPD-PCR, no Brasil Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 1998. 6p.
  • OLIVEIRA, M.R.V.; HENNEBERRY, T.J.; ANDERSON, P. History, current status, and collaborative research projects for Bemisia tabaci Crop Protection, v.20, n.9, p.709-723, 2001.
  • VALLE, G.E.; LOURENÇÃO, A.L. Resistência de genótipos de soja a Bemisia tabaci (Genn.) Biótipo B (Hemiptera: Aleyrodidae). Neotropical Entomology, v.31, n.2, p.285-295, 2002.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    10 Jan 2022
  • Data do Fascículo
    Oct-Dec 2008

Histórico

  • Recebido
    20 Jun 2007
  • Aceito
    03 Nov 2008
Instituto Biológico Av. Conselheiro Rodrigues Alves, 1252 - Vila Mariana - São Paulo - SP, 04014-002 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: arquivos@biologico.sp.gov.br