Accessibility / Report Error

Aves do Parque Estadual Carlos Botelho – SP

Birds from Carlos Botelho Park state of São Paulo southeastern Brazil

Resumos

O inventário da biodiversidade nas unidades de proteção integral implantadas em remanescentes da Mata Atlântica, além de ampliar o conhecimento sobre a distribuição das espécies, pode contribuir para ações de monitoramento e manejo que aprimorem a conservação dos ecossistemas. Os objetivos desse trabalho foram caracterizar as assembleias de aves do Parque Estadual Carlos Botelho, sudeste do estado de São Paulo, quanto à composição de espécies, abundância relativa e associação com fitofisionomias locais. A amostragem foi realizada entre abril de 2006 e dezembro de 2009 pelo método de trajetos de distância ilimitada, totalizando 1000 horas de esforço amostral. Foram registradas 331 espécies, predominando formas florestais residentes e com abundância relativa inferior a 100 detecções. Vinte e cinco espécies estão ameaçadas de extinção no estado de São Paulo.

conservação; Mata Atlântica; inventário


The biodiversity inventory in protected areas from Atlantic Forest can increase knowledge about species distribution and contribute to monitoring and management actions that enhance the ecosystems conservation. Our objectives were to characterize bird assemblages at Carlos Botelho State Park, São Paulo southeastern Brazil, regarding species composition, relative abundance and association with local vegetation types. Sampling was conducted between April 2006 and December 2009 by transects, resulting in 1,000 hours of sampling effort. We recorded 331 species, most showed relative abundance lower than 100 detections. Twenty-five species are threatened in the state of São Paulo.

conservation; Atlantic Forest; inventory


Introdução

Apesar de atualmente serem amplamente reconhecidos pela sua importância biológica e para a manutenção dos chamados serviços ambientais, os ecossistemas integrantes da Mata Atlântica continuam a ser reduzidos e degradados, subsistindo em pouco mais de 12% da sua área de distribuição original (Mittermeier et al. 2004MITTERMEIER, R.A., ROBLES, G.P., HOFFMANN, M., PILGRIM, J., BROOKS, T.M., MITTERMEIER, C.G., LAMOREUX, J. & FONSECA, G.A.B. 2004. Hotspots revisited. CEMEX, Cidade do México., Ribeiro et al. 2011RIBEIRO, M.C., MARTENSEN, A.C., METZGER, J.P., TABARELLI, M., SCARANO, F. & FORTIN, M.J. 2011. The Brazilian Atlantic Forest: a shrinking biodiversity hotspot. In Biodiversity Hotspots: distribution and protection of conservation priority areas (F.E. Zachos & J.C. Habel, eds.). Springer-Verlag, London, p.405-434.). O estabelecimento e manejo adequado de unidades de conservação de proteção integral – UPIs, se impõem como a maneira mais efetiva de resguardar a sua biodiversidade no curto prazo. Recentemente, baseando-se no conhecimento disponível sobre diversos grupos biológicos, foram indicadas áreas relevantes para o estabelecimento de tais unidades (Brasil 2007BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. 2007. Áreas Prioritárias para Conservação, Uso Sustentável e Repartição de Benefícios da Biodiversidade Brasileira. Secretaria de Biodiversidade e Florestas, Brasília., Rodrigues & Bononi 2008RODRIGUES, R.R. & BONONI, V.L.R. (Org.). 2008. Diretrizes para a conservação e recuperação da Biodiversidade no Estado de São Paulo. Imprensa Oficial, São Paulo.). Além disso, como apontado por Terborgh & Van Schaik (2002)TERBORGH, J. & VAN SCHAIK, C. 2002. Por que o mundo necessita de parques. In Tornando os parques eficientes: estratégias para a conservação da natureza nos trópicos (J. Terborgh, C. Van Schaik, L. Davenport & M. Rao, orgs.). Editora da UFPR e Fundação O Boticário, Curitiba, p.25-36., as UPIs existentes necessitam ser adequadamente protegidas de vetores de degradação ilegais (ex. caça, corte seletivo, etc.) e legais (ex. estabelecimento de rodovias, linhas de transmissão de energia elétrica, gasodutos, etc). Muitas UPIs apresentam deficiências de concepção que contribuem para intensificar estes impactos, tais como tamanho insuficiente para manter populações viáveis da maior parte das espécies no longo prazo, sobreposição com áreas tradicionalmente ocupadas por populações humanas, etc (Terborgh & Van Schaik, 2002TERBORGH, J. & VAN SCHAIK, C. 2002. Por que o mundo necessita de parques. In Tornando os parques eficientes: estratégias para a conservação da natureza nos trópicos (J. Terborgh, C. Van Schaik, L. Davenport & M. Rao, orgs.). Editora da UFPR e Fundação O Boticário, Curitiba, p.25-36., Ribeiro et al. 2011RIBEIRO, M.C., MARTENSEN, A.C., METZGER, J.P., TABARELLI, M., SCARANO, F. & FORTIN, M.J. 2011. The Brazilian Atlantic Forest: a shrinking biodiversity hotspot. In Biodiversity Hotspots: distribution and protection of conservation priority areas (F.E. Zachos & J.C. Habel, eds.). Springer-Verlag, London, p.405-434.).

O Maciço de Paranapiacaba no sudeste do estado de São Paulo engloba um conjunto de cinco UPIs, Parques Estaduais Carlos Botelho, Intervales, Nascentes do Paranapanema e Turístico do Alto Ribeira (PETAR) e Estação Ecológica de Xitué, totalizando aproximadamente 140.000 ha, que tanto em relação aos aspectos de métricas da paisagem quanto pelos resultados disponíveis de caracterização da sua biodiversidade, constituem-se no remanescente mais representativo da Floresta Ombrófila Densa da Mata Atlântica (Bencke et al. 2006BENCKE, G.A., MAURÍCIO, G.N., DEVELEY, P.F. & GOERCK, J.M. 2006. Áreas Importantes para a Conservação das Aves no Brasil. Parte I – Estados do Domínio da Mata Atlântica. SAVE Brasil, São Paulo., Galetti et al. 2009GALETTI, M., GIACOMINI, H.C., BUENO, R.S., BERNARDO, C.S.S., MARQUES, R.M., BOVENDORP, R.S., STEFFLER, C.E., RUBIM, P., GOBBO, S.K., DONATTI, C.I., BEGOTTI, R.A., MEIRELLES, F., NOBRE, R.A., CHIARELLO, A.G. & PERES, C.A. 2009. Priority areas for the conservation of Atlantic Forest large mammals. Biol. Conserv. 142(6):1229-1241. http://dx.doi.org/10.1016/j.biocon.2009.01.023
http://dx.doi.org/10.1016/j.biocon.2009....
, Ribeiro et al. 2011RIBEIRO, M.C., MARTENSEN, A.C., METZGER, J.P., TABARELLI, M., SCARANO, F. & FORTIN, M.J. 2011. The Brazilian Atlantic Forest: a shrinking biodiversity hotspot. In Biodiversity Hotspots: distribution and protection of conservation priority areas (F.E. Zachos & J.C. Habel, eds.). Springer-Verlag, London, p.405-434.). Considerando também, que as unidades do maciço apresentam históricos e intensidades de uso antrópico distintos, e que os vetores de pressão sobre as UPIs podem variar com o tempo, a caracterização da biota, visando colaborar com programas de monitoramento das condições ambientais locais, é de grande relevância. As aves podem ser incluídas nesses programas por serem bem conhecidas e relativamente fáceis de amostrar, quando comparadas a outros grupos de animais. Adicionalmente, listas locais acuradas podem contribuir para ampliar o conhecimento sobre biogeografia e ecologia de comunidades de aves (Cohn-Haft et al. 1997COHN-HAFT, M., WHITTAKER, A. & STOUFFER, P.C. 1997. A new look at the “species-poor” Central Amazon: the avifauna North of Manaus, Brazil. Ornithol. Monogr. 48:205-235. http://dx.doi.org/10.2307/40157535
http://dx.doi.org/10.2307/40157535...
). Das unidades do Maciço, Intervales apresenta a avifauna melhor caracterizada, com dados de riqueza e abundância relativa obtidos em estudos de longo prazo (Vielliard & Silva 2001VIELLIARD, J.M.E. & SILVA, W.R. 2001. Avifauna. In: Intervales (Secretaria de Estado do Meio Ambiente, org.). Imprensa Oficial, São Paulo, p.124-145., Aleixo & Galetti 1997ALEIXO, A. & GALETTI, M. 1997. The conservation of the avifauna in a lowland Atlantic Forest in southeast Brazil. Bird Conserv. Int. 7(3):235-261. http://dx.doi.org/10.1017/S0959270900001556
http://dx.doi.org/10.1017/S0959270900001...
).

Visando aprimorar o conhecimento sobre a avifauna do Maciço, os objetivos do presente estudo foram caracterizar assembleias de aves do Parque Estadual Carlos Botelho, quanto à composição de espécies, abundância relativa e associação com fitofisionomias locais.

Material e Métodos

1. Área de estudo

O Parque Estadual Carlos Botelho – PECB, localizado entre as coordenadas 24° 06′ 55″ - 24° 14′ 41″ S e 47° 47′ 18″ - 48° 07′ 17″ W, engloba 37.644,36 ha, distribuídos pelos municípios paulistas de Capão Bonito, São Miguel Arcanjo, Sete Barras e Tapiraí. A amplitude altitudinal local varia de 20 a 1000 m, incluindo trechos do Planalto de Guapiara (bacia do Alto Paranapanema), da Serra de Paranapiacaba e Vale do rio Ribeira de Iguape. O clima pode ser classificado, no sistema de Köppen, em quente úmido sem estiagem (Cfa) para as áreas submontanas e de baixada, e temperado úmido sem estiagem (Cfb) nas áreas montanas. A temperatura média anual fica entre 18 e 20 °C e a pluviosidade anual entre 1500 e 2200 mm (São Paulo, 2008aSÃO PAULO (Estado). 2008a. Plano de Manejo do Parque Estadual Carlos Botelho. http://www.fflorestal.sp.gov.br/planodemanejoCompletos.php (último acesso em 20/01/2011).
http://www.fflorestal.sp.gov.br/planodem...
). A formação vegetal predominante é a Floresta Ombrófila Densa, sendo que neste estudo foram amostradas duas fitofisionomias (Instituto... 2012INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. 2012. Manual técnico da vegetação brasileira. 2. ed. IBGE, Rio de Janeiro.): a Floresta Submontana (entre 30-400 m de altitude) e a Floresta Montana (500-1000 m). Além dessas, foram pesquisadas formações de origem antrópica que ocupam áreas restritas no interior do parque: um reflorestamento de pinheiros-do-Paraná Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze com sub-bosque de espécies nativas; gramados e jardins no entorno das edificações das sedes dos núcleos administrativos; vegetação de brejo no entorno de pequenos açudes e áreas em que predominam os estádios iniciais e intermediários da sucessão secundária (capoeiras). Na Figura 1 são apresentadas as trilhas e estradas amostradas e a distribuição das categorias fitofisionômicas reconhecidas.

Figura 1.
Principais fitofisionomias presentes no Parque Estadual Carlos Botelho e localização das trilhas e estradas amostradas.

Figure 1. Main vegetation types in Carlos Botelho State Park and location of sampled trails and roads.


O parque é uma unidade de proteção integral plenamente consolidada. Toda a sua área é de domínio público e foi regularizada há mais de 50 anos, dispõe de Plano de Manejo em implantação e a fiscalização intensiva, priorizada desde a sua criação, possibilitou a manutenção de seu território e de suas condições ambientais (São Paulo, 2008aSÃO PAULO (Estado). 2008a. Plano de Manejo do Parque Estadual Carlos Botelho. http://www.fflorestal.sp.gov.br/planodemanejoCompletos.php (último acesso em 20/01/2011).
http://www.fflorestal.sp.gov.br/planodem...
). Essas características viabilizam o estudo de comunidades de vertebrados relativamente pouco impactadas pela ação humana (Beisiegel 2009BEISIEGEL, B.M. 2009. First camera trap record of bush dogs in the state of São Paulo, Brazil. Canid news 12:5., Galetti et al. 2009GALETTI, M., GIACOMINI, H.C., BUENO, R.S., BERNARDO, C.S.S., MARQUES, R.M., BOVENDORP, R.S., STEFFLER, C.E., RUBIM, P., GOBBO, S.K., DONATTI, C.I., BEGOTTI, R.A., MEIRELLES, F., NOBRE, R.A., CHIARELLO, A.G. & PERES, C.A. 2009. Priority areas for the conservation of Atlantic Forest large mammals. Biol. Conserv. 142(6):1229-1241. http://dx.doi.org/10.1016/j.biocon.2009.01.023
http://dx.doi.org/10.1016/j.biocon.2009....
, Brocardo et al. 2012BROCARDO, C.R., RODARTE, R., BUENO, R.S., CULOT, L. & GALETTI, M. 2012. Non-volant mammals of Carlos Botelho State Park, Paranapiacaba Forest Continuum. Biota Neotrop. 12(4): http://www.biotaneotropica.org.br/v12n4/pt/abstract?inventory+bn02512042012
http://www.biotaneotropica.org.br/v12n4/...
).

As pesquisas publicadas sobre a avifauna incluem levantamentos preliminares e observações sobre ecologia e comportamento para algumas espécies (Willis & Oniki 1981WILLIS, E.O. & ONIKI, Y. 1981. Levantamento preliminar de aves em treze áreas do Estado de São Paulo. Rev. Brasil. Biol. 41(1): 121-135., 2003WILLIS, E.O. & ONIKI, Y. 2003. Aves do Estado de São Paulo. Divisa, Rio Claro., Pacagnella et al. 1994PACAGNELLA, S.G., ANTONELLI-FILHO, R., LARA, A.I. & SCHERER-NETO, P. 1994. Observações sobre Pipile jacutinga Spix, 1825 (Aves, Cracidae) no Parque Estadual de Carlos Botelho, São Paulo, Brasil. Iheringia Zool. 76(1):29-32., Straube & Scherer-Neto 1995STRAUBE, F.C. & SCHERER-NETO, P. 1995. Novas observações sobre a “cunhataí” Triclaria malachitacea (Spix, 1824) nos Estados do Paraná e São Paulo (Psittacidae, Aves). Acta Biol. Leopold. 17(1):147-152., Galetti et al. 1997GALETTI, M., MARTUSCELLI, P., OLMOS, F. & ALEIXO, A. 1997. Ecology and conservation of the jacutinga Pipile jacutinga in the Atlantic forest of Brazil. Biol. Conserv. 82(1):31-39. http://dx.doi.org/10.1016/S0006-3207(97)00004-9
http://dx.doi.org/10.1016/S0006-3207(97)...
, Guix et al. 2002GUIX, J.C., MARTÍN, M.C. & SERRA, A. 2002. Density estimates of five syntopic species of parrots (Aves: Psittacidae): population status in the Paranapiacaba fragment. In Censuses of vertebrates in a Brazilian Atlantic rainforest area: the Paranapiacaba fragment (E. Mateos, J.C. Guix, A. Serra & K. Pisciotta, eds.). Universitat de Barcelona, Barcelona, p.95-110., Hernández et al. 2002HERNÁNDEZ, A., MARTÍN, M., SERRA, A. & GUIX, J.C. 2002. Density estimates of syntopic species of toucans (Aves: Ramphastidae). In Censuses of vertebrates in a Brazilian Atlantic rainforest area: the Paranapiacaba fragment (E. Mateos, J.C. Guix, A. Serra & K. Pisciotta, eds.). Universitat de Barcelona, Barcelona, p.79-94., Pacheco & Fonseca 2002PACHECO, J.F. & FONSECA, P.S.M. 2002. Resultados de excursão ornitológica a determinadas áreas dos estados de São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul em janeiro, 1990. Atual. Ornitol. 106(1):3-5., Pedrocchi et al. 2002PEDROCCHI, V., SILVA, C.R. & SILVA, A. 2002. Check list of birds and mammals in the Paranapiacaba forest fragment. In Censuses of vertebrates in a Brazilian Atlantic rainforest area: the Paranapiacaba fragment (E. Mateos, J.C. Guix, A. Serra & K. Pisciotta, eds.). Universitat de Barcelona, Barcelona, p.183-204., Sanchez-Alonso et al. 2002SÁNCHEZ-ALONSO, C., OLIVERAS, I. & MARTÍN, M. 2002. Density estimates of guans (Aves: Cracidae): Pipile jacutinga and Penelope obscura. In Censuses of vertebrates in a Brazilian Atlantic rainforest area: the Paranapiacaba fragment (E. Mateos, J.C. Guix, A. Serra & K. Pisciotta, eds.). Universitat de Barcelona, Barcelona, p. 67-78., Figueiredo & Custódio-Filho 2003FIGUEIREDO, L.F.A. & CUSTÓDIO-FILHO, A. 2003. Aves observadas em unidades de conservação do estado de São Paulo por Antonio Flávio Barbosa. Bol. CEO. 15:30-43., Beisiegel 2006BEISIEGEL, B.M. 2006. Shelter availability and use by mammals and birds in na Atlantic forest área. Biota Neotrop. 6(1): http://www.biotaneotropica.org.br/v6n1/pt/abstract?article+bn00206012006.
http://www.biotaneotropica.org.br/v6n1/p...
, 2007BEISIEGEL, B.M. 2007. Foraging association between coatis (Nasua nasua) and birds of the Atlantic forest, Brazil. Biotropica 39(2):383-385. http://dx.doi.org/10.1111/j.1744-7429.2006.00255.x
http://dx.doi.org/10.1111/j.1744-7429.20...
, Rocca et al. 2006ROCCA, M.A., SAZIMA, M. & SAZIMA, I. 2006. Woody woodpecker enjoys soft drinks: the blond-crested woodpecker seeks néctar and pollinates canopy plants in southeastern Brazil. Biota Neotrop. 6(2): http://www.biotaneotropica.org.br/v6n2/pt/abstract?shortcommunication+bn026066022006.
http://www.biotaneotropica.org.br/v6n2/p...
, Antunes et al. 2006ANTUNES, A.Z., ESTON, M.R., SANTOS, A.M.R. & MENEZES, G.V. 2006. Avaliação das informações disponíveis sobre a avifauna do Parque Estadual Carlos Botelho. Rev. Inst. Flor. 18:103-120., 2007ANTUNES, A.Z., ALVARENGA, H., SILVEIRA, L.F., ESTON, M.R., MENEZES, G.V. & SANTOS, A.S.R. 2007. Distribuição de Leptasthenura setaria (Temminck, 1824) (Aves: Furnariidae) no Estado de São Paulo (Short Communication). Biota Neotrop. 7(1): http://www.biotaneotropica.org.br/v7n1/pt/abstract?shortcommunication+bn00607012007.
http://www.biotaneotropica.org.br/v7n1/p...
, 2011ANTUNES, A.Z., ESTON, M.R., SILVA, B.G. & SANTOS, A.M.R. 2011. Comparação entre as comunidades de aves de duas fitofisionomias florestais contíguas no Parque Estadual Carlos Botelho, SP. Neotrop. Biol. Conserv. 6(3):213-226., Francisco et al. 2008FRANCISCO, M.R., OLIVEIRA JUNIOR, P.R.R. & LUNARDI, V.O. 2008. Nest and fledglings of the Red-ruffed Fruitcrow (Pyroderus scutatus). Wilson J. Ornithol. 120(2):413-416. http://dx.doi.org/10.1676/07-030.1
http://dx.doi.org/10.1676/07-030.1...
, Rocca & Sazima 2008ROCCA, M.A. & SAZIMA, M. 2008. Ornithophilous canopy species in the Atlantic Rain Forest of southeastern Brazil. J. Field Ornithol. 79(2):130-137. http://dx.doi.org/10.1111/j.1557-9263.2008.00154.x
http://dx.doi.org/10.1111/j.1557-9263.20...
, Silva et al. 2010SILVA, B.G., ANTUNES, A.Z. & ESTON, M.R. 2010. Variação local na composição da comunidade de aves no Parque Estadual Carlos Botelho, São Miguel Arcanjo-SP e propostas para o monitoramento do impacto do ecoturismo. Rev. Inst. Florest. 22(2):215-232., Bernardo et al. 2011BERNARDO, C.S.S., RUBIM, P., BUENO, R.S., BEGOTTII, R.A., MEIRELLES, F., DONATTI, C.I., DENZIN, C., STEFFLER, C.E., MARQUES, R.M., BOVENDORP, R.S., GOBBO, S.K. & GALETTI, M. 2011. Density Estimates of the Black-Fronted Piping Guan in the Brazilian Atlantic Rainforest. Wilson J. Ornithol. 123(4):690-698. http://dx.doi.org/10.1676/10-140.1
http://dx.doi.org/10.1676/10-140.1...
, Oliveira et al. 2011OLIVEIRA, P.R.R., ALBERTS, C.C. & FRANCISCO, M.R. 2011. Impact of road clearings on the movements of three understory insectivorous bird species in the Brazilian Atlantic Forest. Biotropica 43(5):628-632. http://dx.doi.org/10.1111/j.1744-7429.2010.00744.x
http://dx.doi.org/10.1111/j.1744-7429.20...
).

2. Coleta e análise de dados

As aves foram amostradas pelo método de trajetos de distância ilimitada (Bibby et al. 1992BIBBY, C.J., BURGESS, N.D. & HILL, D.A. 1992. Bird census techniques. Academic Press, Orlando.), que consistiu em deslocar-se lentamente, a aproximadamente 1 km/h, pelas trilhas e estradas disponíveis, registrando-se cada indivíduo contatado. Foram utilizados binóculos 8 × 40 para auxiliar na identificação das espécies e gravador profissional PMD222 Marantz com microfone Sennheiser ME66/K6C para registrar vocalizações e outras manifestações sonoras, a fim de documentar a presença das espécies. As coordenadas das áreas amostradas foram obtidas com GPS Garmin e-Trex Summit. A nomenclatura científica adotada foi a do Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos (Comitê... 2011COMITÊ BRASILEIRO DE REGISTROS ORNITOLÓGICOS. 2011. Listas das aves do Brasil. 10. ed. versão 25/01/2011. http://www.cbro.org.br (último acesso em 28/05/2011).
http://www.cbro.org.br...
). As espécies consideradas ameaçadas de extinção são aquelas listadas em São Paulo (2008b)SÃO PAULO (Estado). 2008b. Decreto n° 53.494, de 2 de outubro de 2008. Declara as espécies da fauna silvestre ameaçadas, as quase ameaçadas e com dados insuficientes para avaliação no Estado de São Paulo e dá providências correlatas. Diário Oficial do Estado de São Paulo, Poder Executivo, São Paulo, 3 out. 2008. Seção I, n.118 (187), p.2-10..

O esforço amostral totalizou 175 dias em campo, entre abril de 2006 e dezembro de 2009, 1002 horas e, aproximadamente, 800 km percorridos a pé. Em relação às fitofisionomias o esforço amostral foi assim distribuído: 400 h para a Floresta Montana, 380 h para a Floresta Submontana, 100 h para as capoeiras, 60 h para o reflorestamento, 42 h para os gramados e jardins, e 20 h para os açudes e brejos.

A riqueza local foi estimada pelo método Bootstrap por meio do Programa EstimateS (Colwell 2009COLWELL, R.K. 2009. EstimateS: Statistical estimation of species richness and shared species from samples. http://purl.oclc.org/estimates (último acesso em 18/01/2011).
http://purl.oclc.org/estimates...
) e comparada ao valor obtido. Tal método foi selecionado por considerar os dados de abundância relativa de todas as espécies. Nessa análise, foi considerada como unidade amostral a campanha mensal, incluindo-se separadamente amostras de áreas montanas e submontanas obtidas em um mesmo mês e totalizando-se 50 amostras. Variações na riqueza e total de contatos ao longo do ano foram avaliadas agrupando-se os meses em trimestres, considerando-se as variações de temperatura e precipitação do clima local (São Paulo 2008aSÃO PAULO (Estado). 2008a. Plano de Manejo do Parque Estadual Carlos Botelho. http://www.fflorestal.sp.gov.br/planodemanejoCompletos.php (último acesso em 20/01/2011).
http://www.fflorestal.sp.gov.br/planodem...
): dezembro-fevereiro, março-maio, junho-agosto e setembro-novembro. Valores médios de contatos são apresentados com os desvios padrões e foram comparados através do teste Mann-Whitney (U) ou de ANOVA de um fator (F). Para o último tipo de teste os dados sofreram transformação logarítmica. A correlação entre valores médios mensais de riqueza e total de contatos foi avaliada por meio do teste de correlação de postos de Spearman (rs). Os testes estatísticos foram efetuados com o programa BioEstat 5.0 (Ayres et al. 2008AYRES, M., AYRES JUNIOR, M., AYRES, D.L. & SANTOS, A.S. 2008. BioEstat 5.0 Aplicações estatísticas nas áreas das ciências biológicas e médicas. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, Belém.) e os resultados foram considerados significativos para p < 0,01.

Resultados

Foram obtidos 30353 contatos para 331 espécies (Tabela 1). Duzentas e uma foram gravadas, resultando na documentação de 60% da assembleia amostrada. A distribuição das espécies em classes de abundância relativa aponta que a maioria das espécies foi pouco contatada (Figura 2). A estimativa de riqueza indica um acréscimo esperado de 5% com a continuação da amostragem (Figura 3).

Figura 2.
Distribuição das espécies de aves registradas no Parque Estadual Carlos Botelho em classes de total de contatos.

Figure 2. Bird species distribution in total contacts classes for Carlos Botelho State Park, São Paulo southeastern Brazil.


Figura 3.
Curvas de acúmulo de espécies de aves observada e estimada (método Bootstrap) para o período amostral de abril de 2006 a dezembro de 2009 no Parque Estadual Carlos Botelho.

Figure 3. Observed and estimated (Bootstrap) bird species accumulation curves between April 2006- December 2009 for Carlos Botelho State Park.


Table 1.
Bird species recorded in Carlos Botelho State Park between April 2006 and December 2009, with total contacts made, conservation status, vegetation types and months of occurrence. * = audio-recorded; m = migratory; CR = critically endangered; EN = endangered; NT = near threatened; VU = vulnerable; AB = ponds and swamps; CP = secondary forest; GJ = lawns and gardens; FM = lower highlands evergreen tropical forest; FS = lower plains evergreen tropical forest and RA = Parana pine reforestation. MR = river edges; SO = flying over and TA = bamboo clumps.

Noventa espécies (27%) foram encontradas apenas nas fitofisionomias antropogênicas (Figura 4) e foram significativamente menos contatadas do que as demais espécies (média = 22,18 ± 62,02 contatos), U = 4474,50 p < 0,00001, representando 6% (N = 1996) do total de contatos obtidos.

Figura 4.
Distribuição das espécies de aves nas fitofisionomias amostradas no Parque Estadual Carlos Botelho. Espécies exclusivas são aquelas que foram encontradas num único tipo de vegetação durante o período amostral. AB = açudes e brejos; CP = capoeiras; GJ = gramados e jardins; FM = Floresta Ombrófila Densa Montana; FS = Floresta Ombrófila Densa Submontana e RA = reflorestamento com pinheiros-do-Paraná.

Figure 4. Bird species distribution in Carlos Botelho State Park in sampled vegetation types. Exclusive species are recorded only in one vegetation type. AB = ponds and swamps; CP = secondary forest; GJ = lawns and gardens; FM = lower highlands evergreen tropical forest; FS = lower plains evergreen tropical forest and RA = Parana pine reforestation.


O período compreendido entre setembro e novembro apresentou os maiores valores de riqueza (Tabela 2), sendo que no total 278 espécies (84%) foram detectadas nesse trimestre (Tabela 1). A riqueza média desse trimestre diferiu significativamente em relação ao trimestre junho-agosto (F = 5,45 p = 0,0034; teste Tukey Q = 5,56 p < 0,01), mas não dos demais. A comparação entre médias de contatos trimestrais não foi possível, pois as variâncias foram desiguais. Não houve correlação entre as médias mensais de riqueza e total de contatos, rs = 0,02 p = 0,95. A distribuição dos contatos ao longo do ano indica que pelo menos 17 espécies (5%) podem ser consideradas localmente migratórias, sendo que Pyrocephalus rubinus (Boddaert, 1783) foi detectado entre maio e outubro e as demais entre agosto e abril (Tabela 1).

Table 2.
Mean values of richness and total contacts, accompanied by standard deviations, for avifauna from Carlos Botelho State Park between April 2006 and December 2009.

Vinte e cinco espécies (7%) são consideradas ameaçadas de extinção (18 vulneráveis, quatro em perigo e três criticamente em perigo). Estas espécies (média = 39,48 ± 51,70 contatos) não diferiram significativamente no total de contatos obtidos em relação às espécies de menor preocupação conservacionista (N = 306 média = 95,96 ± 181,34 contatos), U = 3362,5 p = 0,31. Também, não diferiram significativamente no número de fitofisionomias ocupadas, U = 3121,50 p = 0,12 (Figura 5).

Figura 5.
Distribuição percentual de espécies das aves do Parque Estadual Carlos Botelho, ameaçadas e de menor preocupação conservacionista, em relação ao número de fitofisionomias em que foram registradas.

Figure 5. Percentage distribution of threatened and least concern birds in Carlos Botelho State Park in relation to vegetation types number that were recorded.


Discussão

Assim como para outras áreas de alta diversidade, foram necessários vários anos de amostragem para se alcançar a caracterização da avifauna apresentada (Cohn-Haft et al. 1997COHN-HAFT, M., WHITTAKER, A. & STOUFFER, P.C. 1997. A new look at the “species-poor” Central Amazon: the avifauna North of Manaus, Brazil. Ornithol. Monogr. 48:205-235. http://dx.doi.org/10.2307/40157535
http://dx.doi.org/10.2307/40157535...
). A avifauna conhecida no interior dessa unidade de conservação totaliza 370 espécies, quando são considerados os registros obtidos e publicados por outros pesquisadores (Antunes et al. 2006ANTUNES, A.Z., ESTON, M.R., SANTOS, A.M.R. & MENEZES, G.V. 2006. Avaliação das informações disponíveis sobre a avifauna do Parque Estadual Carlos Botelho. Rev. Inst. Flor. 18:103-120.). Esta riqueza registrada corresponde a 47% da avifauna conhecida para o estado de São Paulo (Silveira & Uezu 2011SILVEIRA, L.F. & UEZU, A. 2011. Checklist of birds from São Paulo State, Brazil. Biota Neotrop. 11(1a): http://www.biotaneotropica.org.br/v11n1a/en/abstract?inventory+bn0061101a2011.
http://www.biotaneotropica.org.br/v11n1a...
). Ressalte-se que a maior parte da área do PECB ainda não foi amostrada devido a questões logísticas, porém, como observa-se na Figura 1, as fitofisionomias mais representativas já foram contempladas. A riqueza e a composição das espécies são similares às encontradas para o contíguo Parque Estadual Intervales (Vielliard & Silva 2001VIELLIARD, J.M.E. & SILVA, W.R. 2001. Avifauna. In: Intervales (Secretaria de Estado do Meio Ambiente, org.). Imprensa Oficial, São Paulo, p.124-145., Aleixo & Galetti 1997ALEIXO, A. & GALETTI, M. 1997. The conservation of the avifauna in a lowland Atlantic Forest in southeast Brazil. Bird Conserv. Int. 7(3):235-261. http://dx.doi.org/10.1017/S0959270900001556
http://dx.doi.org/10.1017/S0959270900001...
, Willis & Oniki 2003WILLIS, E.O. & ONIKI, Y. 2003. Aves do Estado de São Paulo. Divisa, Rio Claro.).

Espécies colonizadoras, vagantes e localmente raras poderão continuar a ser encontradas por um período de tempo imprevisível, como se observa ao se analisar os levantamentos de áreas amostradas por mais de cinquenta anos (Magalhães 1999MAGALHÃES, J.C.R. 1999. As aves na fazenda Barreiro Rico. Plêiade, São Paulo., Cavarzere et al. 2010CAVARZERE, V., MORAES, G.P. & SILVEIRA, L.F. 2010. Boracéia Biological Station: an ornithological review. Pap. Avulsos Zool. 50(13): 189-201. http://dx.doi.org/10.1590/S0031-10492010001300001
http://dx.doi.org/10.1590/S0031-10492010...
). A ausência de estabilização da curva do coletor, a estimativa obtida pelo Bootstrap e o registro de espécies por outros pesquisadores ou no entorno do parque, apóiam essa constatação. A caracterização da chamada avifauna nuclear é um objetivo mais factível de ser atingido do que um inventário completo (Remsen 1994REMSEN, J.V.Jr. 1994. Use and misuse of bird lists in community ecology and conservation. Auk 111(1):225-227. http://dx.doi.org/10.2307/4088531
http://dx.doi.org/10.2307/4088531...
, Cohn-Haft et al. 1997COHN-HAFT, M., WHITTAKER, A. & STOUFFER, P.C. 1997. A new look at the “species-poor” Central Amazon: the avifauna North of Manaus, Brazil. Ornithol. Monogr. 48:205-235. http://dx.doi.org/10.2307/40157535
http://dx.doi.org/10.2307/40157535...
). No caso do PECB as espécies florestais, residentes e migratórias, constituem essa avifauna nuclear. O emprego de outras metodologias de amostragem como capturas com redes de neblina, uso de playbacks e observações focais em fruteiras e flores, provavelmente pode contribuir para atingir tal objetivo (Remsen 1994REMSEN, J.V.Jr. 1994. Use and misuse of bird lists in community ecology and conservation. Auk 111(1):225-227. http://dx.doi.org/10.2307/4088531
http://dx.doi.org/10.2307/4088531...
).

O período de setembro a novembro corresponde ao início da estação reprodutiva para a maior parte das espécies de aves no sudeste do Brasil (Sick 1997SICK, H. 1997. Ornitologia brasileira. Nova Fronteira, Rio de Janeiro.), o que pode ter colaborado para os valores mais elevados de riqueza mensal encontrados. As espécies classificadas como provavelmente migratórias localmente, também são consideradas migratórias na maior parte do estado de São Paulo (Willis & Oniki 2003WILLIS, E.O. & ONIKI, Y. 2003. Aves do Estado de São Paulo. Divisa, Rio Claro.). Para outras espécies, relacionadas como migratórias no estado por Willis & Oniki (2003)WILLIS, E.O. & ONIKI, Y. 2003. Aves do Estado de São Paulo. Divisa, Rio Claro., foram obtidos poucos registros, não permitindo definir se tratavam-se de migrantes ou vagantes. Adicionalmente, é provável a ocorrência de migrações altitudinais no interior do PECB, principalmente envolvendo espécies frugívoras (Castro et al. 2012CASTRO, E.R., CORRÊA, M.C., NAVARRO, L., GALETTI, M. & MORELLATO, L.P.C. 2012. Temporal variation in the abundance of two species of thrushes in relation to fruiting phenology in the Atlantic rainforest. Emu 112(1):137-148. http://dx.doi.org/10.1071/MU11023
http://dx.doi.org/10.1071/MU11023...
).

As fitofisionomias antropogênicas, que ocupam áreas restritas no interior do parque, apresentaram espécies registradas exclusivamente em seus habitats e que em geral foram pouco contatadas. Além de espécies residentes que provavelmente apresentam populações pequenas, nesse conjunto estão incluídas vagantes e ocasionais. De maneira similar ao observado em outras localidades do sudeste do Brasil (Willlis & Oniki 2002WILLIS, E.O. & ONIKI, Y. 2002. Birds of Santa Teresa, Espírito Santo, Brazil: Do humans add or subtract species? Papéis Avulsos de Zool. 42(9):193-264. http://dx.doi.org/10.1590/S0031-10492002000900001
http://dx.doi.org/10.1590/S0031-10492002...
), as aves que ocupam essas fitofisionomias são em geral de menor preocupação conservacionista. Na região serrana do Espírito Santo onde os remanescentes florestais avaliados estão numa matriz agrícola, os percentuais de espécies registradas exclusivamente em habitats antropogênicos variaram entre 25 e 30% da avifauna local, dependendo do grau de degradação das áreas (Willis & Oniki 2002WILLIS, E.O. & ONIKI, Y. 2002. Birds of Santa Teresa, Espírito Santo, Brazil: Do humans add or subtract species? Papéis Avulsos de Zool. 42(9):193-264. http://dx.doi.org/10.1590/S0031-10492002000900001
http://dx.doi.org/10.1590/S0031-10492002...
). Tais valores são similares ao registrado para o PECB. A presença da maioria dessas espécies no parque parece estar condicionada ao uso da terra nas propriedades do entorno. Recentemente, áreas com pastagens vizinhas à sede do PECB foram reflorestadas com eucaliptos, o que poderá ter impacto nas populações locais de algumas espécies no futuro.

Em relação às espécies florestais registradas em habitats antropogênicos, pode ser que essas áreas estejam absorvendo excedentes populacionais das florestas contíguas no caso de formas mais generalistas, que estejam funcionando como áreas de “dreno” para populações de algumas destas, ou que para certas espécies ocorra apenas o uso ocasional, ligado à disponibilidade de determinados recursos (Harris & Pimm 2004HARRIS, G.M. & PIMM, S.L. 2004. Bird species' tolerance of secondary forest habitats and its effects on extinction. Conserv. Biol. 18(6):1607-1616., Barlow et al. 2010BARLOW, J., GARDNER, T.A., LOUZADA, J. & PERES, C.A. 2010. Measuring the conservation value of tropical primary forests: the effect of occasional species on estimates of biodiversity uniqueness. PLoS ONE 5(3):e9609. http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0009609
http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0...
). Essas possibilidades precisam ser investigadas, pois essa maior flexibilidade no uso de habitats, apresentada por grande parte das aves locais, não necessariamente favorecerá suas populações em casos de perda ou degradação da floresta (Aleixo 2001ALEIXO, A. 2001. Conservação da avifauna da Floresta Atlântica: efeitos da fragmentação e a importância de florestas secundárias. In Ornitologia e conservação: da ciência às estratégias (J.L.B. Albuquerque, J.F. Cândido Junior, F.C. Straube & A.L. Roos, ed.). Unisul, Tubarão, p.199-206.).

O grimpeiro Leptasthenura setaria (Temminck, 1824) destacase entre as espécies exclusivas de habitats antropogênicos, por ser dependente dos pinheiros-do-paraná e estar expandido sua área de distribuição, colonizando plantios dessa árvore localizados próximos a áreas de ocorrência natural da fitofisionomia Floresta Ombrófila Mista (Antunes et al. 2007ANTUNES, A.Z., ALVARENGA, H., SILVEIRA, L.F., ESTON, M.R., MENEZES, G.V. & SANTOS, A.S.R. 2007. Distribuição de Leptasthenura setaria (Temminck, 1824) (Aves: Furnariidae) no Estado de São Paulo (Short Communication). Biota Neotrop. 7(1): http://www.biotaneotropica.org.br/v7n1/pt/abstract?shortcommunication+bn00607012007.
http://www.biotaneotropica.org.br/v7n1/p...
, Cabanne et al. 2007CABANNE, G.S., ZURITA, G.A., SEIPKE, S.H. & BELLOCQ, M.I. 2007. Range expansion, density and conservation of the araucaria Tit-spinetail Leptasthenura setaria (Furnariidae) in Argentina: the role of araucaria Araucaria angustifolia (Araucariaceae) plantations. Bird Cons. Int. 17(4):341-349.).

Diferenças locais nas assembleias de aves florestais foram detectadas em pesquisas que abordaram a influência da vegetação sobre a avifauna, em escalas mais refinadas do que a utilizada no presente estudo. Antunes et al. (2011)ANTUNES, A.Z., ESTON, M.R., SILVA, B.G. & SANTOS, A.M.R. 2011. Comparação entre as comunidades de aves de duas fitofisionomias florestais contíguas no Parque Estadual Carlos Botelho, SP. Neotrop. Biol. Conserv. 6(3):213-226. indicaram que os estádios médio e avançado de sucessão ecológica das florestas montanas e submontanas do PECB não diferem quanto à riqueza de espécies, mas sim em relação à composição das assembleias, com números similares de espécies exclusivas a cada uma delas. Já trechos da Floresta Montana nos estádios inicial e médio apresentaram maior heterogeneidade estrutural da vegetação, resultando em maior riqueza e maior número de espécies exclusivas de aves, do que trechos no estádio avançado dessa fitofisionomia (Silva et al. 2010SILVA, B.G., ANTUNES, A.Z. & ESTON, M.R. 2010. Variação local na composição da comunidade de aves no Parque Estadual Carlos Botelho, São Miguel Arcanjo-SP e propostas para o monitoramento do impacto do ecoturismo. Rev. Inst. Florest. 22(2):215-232.).

O principal vetor de impacto à biota do parque atualmente é a exploração ilegal do palmito da palmeira-juçara, que gera a degradação da floresta, a perda de recurso alimentar para frugívoros e a caça de espécies cinegéticas (Galetti & Aleixo 1997GALETTI, M. & ALEIXO, A. 1997. Effects of palm heart harvesting on avian frugívoras in the Atlantic rain forest of Brazil. J. Applied Ecol. 35(2):286-293. http://dx.doi.org/10.1046/j.1365-2664.1998.00294.x
http://dx.doi.org/10.1046/j.1365-2664.19...
). Historicamente esta atividade está concentrada em certos trechos mais vulneráveis, como as divisas e as vias de acesso originadas a partir da estrada estadual (SP 139) que corta o parque. Durante o período de estudo, constatou-se que esteve constantemente sujeita às ações repressivas dos guarda-parques e policiais ambientais. Projetos para a geração de renda e educação ambiental para os moradores do entorno têm sido efetuados e espera-se que resultem no declínio da atividade (São Paulo 2008aSÃO PAULO (Estado). 2008a. Plano de Manejo do Parque Estadual Carlos Botelho. http://www.fflorestal.sp.gov.br/planodemanejoCompletos.php (último acesso em 20/01/2011).
http://www.fflorestal.sp.gov.br/planodem...
). A estrada é outro vetor de impacto importante, além de atropelamentos, ela serve de via de acesso para infratores ambientais, carreia lixo, poluentes e sedimentos para trechos da floresta e dos cursos d' água, e contribui para o estabelecimento de espécies vegetais exóticas invasoras (São Paulo 2008aSÃO PAULO (Estado). 2008a. Plano de Manejo do Parque Estadual Carlos Botelho. http://www.fflorestal.sp.gov.br/planodemanejoCompletos.php (último acesso em 20/01/2011).
http://www.fflorestal.sp.gov.br/planodem...
). Além disso, descontinuidades da cobertura florestal, como estradas e linhas de transmissão de energia elétrica, prejudicam ou mesmo inviabilizam o deslocamento de certas espécies entre blocos de vegetação por elas seccionados. Esse efeito de barreira da rodovia foi detectado para a tovaca Chamaeza campanisona (Lichtenstein, 1823) (Oliveira et al. 2011OLIVEIRA, P.R.R., ALBERTS, C.C. & FRANCISCO, M.R. 2011. Impact of road clearings on the movements of three understory insectivorous bird species in the Brazilian Atlantic Forest. Biotropica 43(5):628-632. http://dx.doi.org/10.1111/j.1744-7429.2010.00744.x
http://dx.doi.org/10.1111/j.1744-7429.20...
).

Espera-se que o panorama elaborado sobre a avifauna do PECB, baseado em dados qualitativos e quantitativos obtidos periodicamente por um período de quase quatro anos, possa futuramente contribuir para se avaliar padrões de diversidade local no tempo e no espaço. A partir da lista de aves consolidada podem ser selecionados táxons ou grupos funcionais apropriados para subsidiar protocolos de monitoramento ambiental (ver Silva et al. 2010SILVA, B.G., ANTUNES, A.Z. & ESTON, M.R. 2010. Variação local na composição da comunidade de aves no Parque Estadual Carlos Botelho, São Miguel Arcanjo-SP e propostas para o monitoramento do impacto do ecoturismo. Rev. Inst. Florest. 22(2):215-232., Oliveira et al. 2011OLIVEIRA, P.R.R., ALBERTS, C.C. & FRANCISCO, M.R. 2011. Impact of road clearings on the movements of three understory insectivorous bird species in the Brazilian Atlantic Forest. Biotropica 43(5):628-632. http://dx.doi.org/10.1111/j.1744-7429.2010.00744.x
http://dx.doi.org/10.1111/j.1744-7429.20...
). O conhecimento gerado sobre a avifauna do PECB também poderá contribuir com informações para os programas de educação ambiental e ecoturismo, que em conjunto com a preservação dos ecossistemas e a realização de pesquisas científicas constituem os objetivos de um Parque Estadual (Brasil 2000BRASIL. Governo Federal. 2000. SNUC – Sistema Nacional de Unidades de Conservação: Lei n° 9.985, de 18 de julho de 2000, regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação e da outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 jul. 2000.).

Agradecimentos

Ao diretor do Parque Estadual Carlos Botelho, Engenheiro José Luiz Camargo Maia pelo apoio à pesquisa. Aos revisores anônimos pelas críticas e sugestões.

Referências Bibliográficas

  • ALEIXO, A. 2001. Conservação da avifauna da Floresta Atlântica: efeitos da fragmentação e a importância de florestas secundárias. In Ornitologia e conservação: da ciência às estratégias (J.L.B. Albuquerque, J.F. Cândido Junior, F.C. Straube & A.L. Roos, ed.). Unisul, Tubarão, p.199-206.
  • ALEIXO, A. & GALETTI, M. 1997. The conservation of the avifauna in a lowland Atlantic Forest in southeast Brazil. Bird Conserv. Int. 7(3):235-261. http://dx.doi.org/10.1017/S0959270900001556
    » http://dx.doi.org/10.1017/S0959270900001556
  • ANTUNES, A.Z., ESTON, M.R., SANTOS, A.M.R. & MENEZES, G.V. 2006. Avaliação das informações disponíveis sobre a avifauna do Parque Estadual Carlos Botelho. Rev. Inst. Flor. 18:103-120.
  • ANTUNES, A.Z., ALVARENGA, H., SILVEIRA, L.F., ESTON, M.R., MENEZES, G.V. & SANTOS, A.S.R. 2007. Distribuição de Leptasthenura setaria (Temminck, 1824) (Aves: Furnariidae) no Estado de São Paulo (Short Communication). Biota Neotrop. 7(1): http://www.biotaneotropica.org.br/v7n1/pt/abstract?shortcommunication+bn00607012007.
    » http://www.biotaneotropica.org.br/v7n1/pt/abstract?shortcommunication+bn00607012007
  • ANTUNES, A.Z., ESTON, M.R., SILVA, B.G. & SANTOS, A.M.R. 2011. Comparação entre as comunidades de aves de duas fitofisionomias florestais contíguas no Parque Estadual Carlos Botelho, SP. Neotrop. Biol. Conserv. 6(3):213-226.
  • AYRES, M., AYRES JUNIOR, M., AYRES, D.L. & SANTOS, A.S. 2008. BioEstat 5.0 Aplicações estatísticas nas áreas das ciências biológicas e médicas. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, Belém.
  • BARLOW, J., GARDNER, T.A., LOUZADA, J. & PERES, C.A. 2010. Measuring the conservation value of tropical primary forests: the effect of occasional species on estimates of biodiversity uniqueness. PLoS ONE 5(3):e9609. http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0009609
    » http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0009609
  • BEISIEGEL, B.M. 2006. Shelter availability and use by mammals and birds in na Atlantic forest área. Biota Neotrop. 6(1): http://www.biotaneotropica.org.br/v6n1/pt/abstract?article+bn00206012006.
    » http://www.biotaneotropica.org.br/v6n1/pt/abstract?article+bn00206012006
  • BEISIEGEL, B.M. 2007. Foraging association between coatis (Nasua nasua) and birds of the Atlantic forest, Brazil. Biotropica 39(2):383-385. http://dx.doi.org/10.1111/j.1744-7429.2006.00255.x
    » http://dx.doi.org/10.1111/j.1744-7429.2006.00255.x
  • BEISIEGEL, B.M. 2009. First camera trap record of bush dogs in the state of São Paulo, Brazil. Canid news 12:5.
  • BENCKE, G.A., MAURÍCIO, G.N., DEVELEY, P.F. & GOERCK, J.M. 2006. Áreas Importantes para a Conservação das Aves no Brasil. Parte I – Estados do Domínio da Mata Atlântica. SAVE Brasil, São Paulo.
  • BERNARDO, C.S.S., RUBIM, P., BUENO, R.S., BEGOTTII, R.A., MEIRELLES, F., DONATTI, C.I., DENZIN, C., STEFFLER, C.E., MARQUES, R.M., BOVENDORP, R.S., GOBBO, S.K. & GALETTI, M. 2011. Density Estimates of the Black-Fronted Piping Guan in the Brazilian Atlantic Rainforest. Wilson J. Ornithol. 123(4):690-698. http://dx.doi.org/10.1676/10-140.1
    » http://dx.doi.org/10.1676/10-140.1
  • BIBBY, C.J., BURGESS, N.D. & HILL, D.A. 1992. Bird census techniques. Academic Press, Orlando.
  • BRASIL. Governo Federal. 2000. SNUC – Sistema Nacional de Unidades de Conservação: Lei n° 9.985, de 18 de julho de 2000, regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação e da outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 jul. 2000.
  • BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. 2007. Áreas Prioritárias para Conservação, Uso Sustentável e Repartição de Benefícios da Biodiversidade Brasileira. Secretaria de Biodiversidade e Florestas, Brasília.
  • BROCARDO, C.R., RODARTE, R., BUENO, R.S., CULOT, L. & GALETTI, M. 2012. Non-volant mammals of Carlos Botelho State Park, Paranapiacaba Forest Continuum. Biota Neotrop. 12(4): http://www.biotaneotropica.org.br/v12n4/pt/abstract?inventory+bn02512042012
    » http://www.biotaneotropica.org.br/v12n4/pt/abstract?inventory+bn02512042012
  • CABANNE, G.S., ZURITA, G.A., SEIPKE, S.H. & BELLOCQ, M.I. 2007. Range expansion, density and conservation of the araucaria Tit-spinetail Leptasthenura setaria (Furnariidae) in Argentina: the role of araucaria Araucaria angustifolia (Araucariaceae) plantations. Bird Cons. Int. 17(4):341-349.
  • CASTRO, E.R., CORRÊA, M.C., NAVARRO, L., GALETTI, M. & MORELLATO, L.P.C. 2012. Temporal variation in the abundance of two species of thrushes in relation to fruiting phenology in the Atlantic rainforest. Emu 112(1):137-148. http://dx.doi.org/10.1071/MU11023
    » http://dx.doi.org/10.1071/MU11023
  • CAVARZERE, V., MORAES, G.P. & SILVEIRA, L.F. 2010. Boracéia Biological Station: an ornithological review. Pap. Avulsos Zool. 50(13): 189-201. http://dx.doi.org/10.1590/S0031-10492010001300001
    » http://dx.doi.org/10.1590/S0031-10492010001300001
  • COHN-HAFT, M., WHITTAKER, A. & STOUFFER, P.C. 1997. A new look at the “species-poor” Central Amazon: the avifauna North of Manaus, Brazil. Ornithol. Monogr. 48:205-235. http://dx.doi.org/10.2307/40157535
    » http://dx.doi.org/10.2307/40157535
  • COLWELL, R.K. 2009. EstimateS: Statistical estimation of species richness and shared species from samples. http://purl.oclc.org/estimates (último acesso em 18/01/2011).
    » http://purl.oclc.org/estimates
  • COMITÊ BRASILEIRO DE REGISTROS ORNITOLÓGICOS. 2011. Listas das aves do Brasil. 10. ed. versão 25/01/2011. http://www.cbro.org.br (último acesso em 28/05/2011).
    » http://www.cbro.org.br
  • FIGUEIREDO, L.F.A. & CUSTÓDIO-FILHO, A. 2003. Aves observadas em unidades de conservação do estado de São Paulo por Antonio Flávio Barbosa. Bol. CEO. 15:30-43.
  • FRANCISCO, M.R., OLIVEIRA JUNIOR, P.R.R. & LUNARDI, V.O. 2008. Nest and fledglings of the Red-ruffed Fruitcrow (Pyroderus scutatus). Wilson J. Ornithol. 120(2):413-416. http://dx.doi.org/10.1676/07-030.1
    » http://dx.doi.org/10.1676/07-030.1
  • GALETTI, M. & ALEIXO, A. 1997. Effects of palm heart harvesting on avian frugívoras in the Atlantic rain forest of Brazil. J. Applied Ecol. 35(2):286-293. http://dx.doi.org/10.1046/j.1365-2664.1998.00294.x
    » http://dx.doi.org/10.1046/j.1365-2664.1998.00294.x
  • GALETTI, M., MARTUSCELLI, P., OLMOS, F. & ALEIXO, A. 1997. Ecology and conservation of the jacutinga Pipile jacutinga in the Atlantic forest of Brazil. Biol. Conserv. 82(1):31-39. http://dx.doi.org/10.1016/S0006-3207(97)00004-9
    » http://dx.doi.org/10.1016/S0006-3207(97)00004-9
  • GALETTI, M., GIACOMINI, H.C., BUENO, R.S., BERNARDO, C.S.S., MARQUES, R.M., BOVENDORP, R.S., STEFFLER, C.E., RUBIM, P., GOBBO, S.K., DONATTI, C.I., BEGOTTI, R.A., MEIRELLES, F., NOBRE, R.A., CHIARELLO, A.G. & PERES, C.A. 2009. Priority areas for the conservation of Atlantic Forest large mammals. Biol. Conserv. 142(6):1229-1241. http://dx.doi.org/10.1016/j.biocon.2009.01.023
    » http://dx.doi.org/10.1016/j.biocon.2009.01.023
  • GUIX, J.C., MARTÍN, M.C. & SERRA, A. 2002. Density estimates of five syntopic species of parrots (Aves: Psittacidae): population status in the Paranapiacaba fragment. In Censuses of vertebrates in a Brazilian Atlantic rainforest area: the Paranapiacaba fragment (E. Mateos, J.C. Guix, A. Serra & K. Pisciotta, eds.). Universitat de Barcelona, Barcelona, p.95-110.
  • HARRIS, G.M. & PIMM, S.L. 2004. Bird species' tolerance of secondary forest habitats and its effects on extinction. Conserv. Biol. 18(6):1607-1616.
  • HERNÁNDEZ, A., MARTÍN, M., SERRA, A. & GUIX, J.C. 2002. Density estimates of syntopic species of toucans (Aves: Ramphastidae). In Censuses of vertebrates in a Brazilian Atlantic rainforest area: the Paranapiacaba fragment (E. Mateos, J.C. Guix, A. Serra & K. Pisciotta, eds.). Universitat de Barcelona, Barcelona, p.79-94.
  • INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. 2012. Manual técnico da vegetação brasileira. 2. ed. IBGE, Rio de Janeiro.
  • MAGALHÃES, J.C.R. 1999. As aves na fazenda Barreiro Rico. Plêiade, São Paulo.
  • MITTERMEIER, R.A., ROBLES, G.P., HOFFMANN, M., PILGRIM, J., BROOKS, T.M., MITTERMEIER, C.G., LAMOREUX, J. & FONSECA, G.A.B. 2004. Hotspots revisited. CEMEX, Cidade do México.
  • OLIVEIRA, P.R.R., ALBERTS, C.C. & FRANCISCO, M.R. 2011. Impact of road clearings on the movements of three understory insectivorous bird species in the Brazilian Atlantic Forest. Biotropica 43(5):628-632. http://dx.doi.org/10.1111/j.1744-7429.2010.00744.x
    » http://dx.doi.org/10.1111/j.1744-7429.2010.00744.x
  • PACAGNELLA, S.G., ANTONELLI-FILHO, R., LARA, A.I. & SCHERER-NETO, P. 1994. Observações sobre Pipile jacutinga Spix, 1825 (Aves, Cracidae) no Parque Estadual de Carlos Botelho, São Paulo, Brasil. Iheringia Zool. 76(1):29-32.
  • PACHECO, J.F. & FONSECA, P.S.M. 2002. Resultados de excursão ornitológica a determinadas áreas dos estados de São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul em janeiro, 1990. Atual. Ornitol. 106(1):3-5.
  • PEDROCCHI, V., SILVA, C.R. & SILVA, A. 2002. Check list of birds and mammals in the Paranapiacaba forest fragment. In Censuses of vertebrates in a Brazilian Atlantic rainforest area: the Paranapiacaba fragment (E. Mateos, J.C. Guix, A. Serra & K. Pisciotta, eds.). Universitat de Barcelona, Barcelona, p.183-204.
  • REMSEN, J.V.Jr. 1994. Use and misuse of bird lists in community ecology and conservation. Auk 111(1):225-227. http://dx.doi.org/10.2307/4088531
    » http://dx.doi.org/10.2307/4088531
  • RIBEIRO, M.C., MARTENSEN, A.C., METZGER, J.P., TABARELLI, M., SCARANO, F. & FORTIN, M.J. 2011. The Brazilian Atlantic Forest: a shrinking biodiversity hotspot. In Biodiversity Hotspots: distribution and protection of conservation priority areas (F.E. Zachos & J.C. Habel, eds.). Springer-Verlag, London, p.405-434.
  • ROCCA, M.A. & SAZIMA, M. 2008. Ornithophilous canopy species in the Atlantic Rain Forest of southeastern Brazil. J. Field Ornithol. 79(2):130-137. http://dx.doi.org/10.1111/j.1557-9263.2008.00154.x
    » http://dx.doi.org/10.1111/j.1557-9263.2008.00154.x
  • ROCCA, M.A., SAZIMA, M. & SAZIMA, I. 2006. Woody woodpecker enjoys soft drinks: the blond-crested woodpecker seeks néctar and pollinates canopy plants in southeastern Brazil. Biota Neotrop. 6(2): http://www.biotaneotropica.org.br/v6n2/pt/abstract?shortcommunication+bn026066022006.
    » http://www.biotaneotropica.org.br/v6n2/pt/abstract?shortcommunication+bn026066022006
  • RODRIGUES, R.R. & BONONI, V.L.R. (Org.). 2008. Diretrizes para a conservação e recuperação da Biodiversidade no Estado de São Paulo. Imprensa Oficial, São Paulo.
  • SÁNCHEZ-ALONSO, C., OLIVERAS, I. & MARTÍN, M. 2002. Density estimates of guans (Aves: Cracidae): Pipile jacutinga and Penelope obscura. In Censuses of vertebrates in a Brazilian Atlantic rainforest area: the Paranapiacaba fragment (E. Mateos, J.C. Guix, A. Serra & K. Pisciotta, eds.). Universitat de Barcelona, Barcelona, p. 67-78.
  • SÃO PAULO (Estado). 2008a. Plano de Manejo do Parque Estadual Carlos Botelho. http://www.fflorestal.sp.gov.br/planodemanejoCompletos.php (último acesso em 20/01/2011).
    » http://www.fflorestal.sp.gov.br/planodemanejoCompletos.php
  • SÃO PAULO (Estado). 2008b. Decreto n° 53.494, de 2 de outubro de 2008. Declara as espécies da fauna silvestre ameaçadas, as quase ameaçadas e com dados insuficientes para avaliação no Estado de São Paulo e dá providências correlatas. Diário Oficial do Estado de São Paulo, Poder Executivo, São Paulo, 3 out. 2008. Seção I, n.118 (187), p.2-10.
  • SICK, H. 1997. Ornitologia brasileira. Nova Fronteira, Rio de Janeiro.
  • SILVA, B.G., ANTUNES, A.Z. & ESTON, M.R. 2010. Variação local na composição da comunidade de aves no Parque Estadual Carlos Botelho, São Miguel Arcanjo-SP e propostas para o monitoramento do impacto do ecoturismo. Rev. Inst. Florest. 22(2):215-232.
  • SILVEIRA, L.F. & UEZU, A. 2011. Checklist of birds from São Paulo State, Brazil. Biota Neotrop. 11(1a): http://www.biotaneotropica.org.br/v11n1a/en/abstract?inventory+bn0061101a2011.
    » http://www.biotaneotropica.org.br/v11n1a/en/abstract?inventory+bn0061101a2011
  • STRAUBE, F.C. & SCHERER-NETO, P. 1995. Novas observações sobre a “cunhataí” Triclaria malachitacea (Spix, 1824) nos Estados do Paraná e São Paulo (Psittacidae, Aves). Acta Biol. Leopold. 17(1):147-152.
  • TERBORGH, J. & VAN SCHAIK, C. 2002. Por que o mundo necessita de parques. In Tornando os parques eficientes: estratégias para a conservação da natureza nos trópicos (J. Terborgh, C. Van Schaik, L. Davenport & M. Rao, orgs.). Editora da UFPR e Fundação O Boticário, Curitiba, p.25-36.
  • VIELLIARD, J.M.E. & SILVA, W.R. 2001. Avifauna. In: Intervales (Secretaria de Estado do Meio Ambiente, org.). Imprensa Oficial, São Paulo, p.124-145.
  • WILLIS, E.O. & ONIKI, Y. 1981. Levantamento preliminar de aves em treze áreas do Estado de São Paulo. Rev. Brasil. Biol. 41(1): 121-135.
  • WILLIS, E.O. & ONIKI, Y. 2002. Birds of Santa Teresa, Espírito Santo, Brazil: Do humans add or subtract species? Papéis Avulsos de Zool. 42(9):193-264. http://dx.doi.org/10.1590/S0031-10492002000900001
    » http://dx.doi.org/10.1590/S0031-10492002000900001
  • WILLIS, E.O. & ONIKI, Y. 2003. Aves do Estado de São Paulo. Divisa, Rio Claro.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Apr-Jun 2013

Histórico

  • Recebido
    22 Jun 2011
  • Revisado
    1 Mar 2013
  • Aceito
    8 Abr 2013
Instituto Virtual da Biodiversidade | BIOTA - FAPESP Departamento de Biologia Vegetal - Instituto de Biologia, UNICAMP CP 6109, 13083-970 - Campinas/SP, Tel.: (+55 19) 3521-6166, Fax: (+55 19) 3521-6168 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: contato@biotaneotropica.org.br