Quilombos e quilombolas: cidadania ou folclorização?* Agradeço principalmente as informações e comentários de Claudia Fonseca, Raquel Mombelli e José Lúcio Fernandes Xaymaca.

Ilka Boaventura Leite Sobre o autor

Resumo

O artigo enfoca o quilombo como conceito sócio-antropológico para discutir suas atuais implicações teóricas e politicas, principalmente no que diz respeito ao quadro atual de exclusão social no Brasil. Busca estabelecer um contraponto entre os atuais impasses ao entendimento do artigo 68 da Constituição brasileira que se refere às comunidades remanescentes de quilombos, e o processo de implementação em curso, dificultado por várias artimanhas e estratégias, entre as quais se destaca a folclorização da cultura e identidade negra. Aponta também para a necessidade de novos referenciais que possam superar um certo reducionismo teórico no que concerne às implicações antropológicas dos direitos específicos perante principalmente as diversas armadilhas da folclorização.

Palavras-chave
afro-brasileiros; etnia; legislação; quilombos

Abstract

This article focuses on the quilombo as a socio-anthropological concept in order to discuss Us theoretical and political implications, principally those linked to social exclusion in Brazil. It aims at establishing a counterpoint between the present problems involved in the interpretation of article 68 of the Brazilian Constitution, on communities descended from runaway slaves, and the strategies applied to implement this article which include, among others, the folklorization of negro culture and negro identity, it also points out the necessity to develop new points of reference in order to overcome a certain theoretical reductionism regarding the anthropological implications of specific rights especially in face of the pitfalls of folklorization.

Keywords
Afro-Brazilians; ethnicity; legislation; quilombos

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Referências

  • 1
    ALMEIDA, A. W. B. de. Os quilombos e as novas etnias: É necessario que nos libertemos de definições arqueológicas. Vitória: ABA, 1998. Mimeografado.
  • 2
    ARRUTI, J. M. A. A emergência dos “remanescentes”: notas para um diálogo entre indígenas e quilombolas. [S.l.]: Anpocs, 1996. Mimeografado.
  • 3
    BANDEIRA, M. de L. Território negro em espaço branco São Paulo: Brasiliense, 1988.
  • 4
    BIRMIGHAM, D. A conquista portuguesa em Angola Lisboa: A Regra do Jogo/História, 1974.
  • 5
    CARNEIRO, E. Ladinos e crioulos Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1944.
  • 6
    CARNEIRO, E. O quilombo dos Palmares Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.
  • 7
    CARVALHO, J. J.; DORIA, S. Z.; OLIVEIRA JR., A. (Org.). Quilombo do Rio das Rãs: história, tradições, lutas. Salvador: EDUFBA: Centro de Estudos Afro-Orientais, 1996.
  • 8
    FREITAS, D. Palmares, a guerra dos escravos Porto Alegre: Movimento, 1971.
  • 9
    FREITAS, D. O escravismo brasileiro Porto Alegre: Escola Superior de Teologia de São Lourenço de Brindes, 1980.
  • 10
    GIUCCI, G. Viajantes do maravilhoso: o Novo Mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.
  • 11
    HARTUNG, M. Nascidos na fortuna: o grupo do Fortunato. Identidade e relações inter-étnicas entre descendentes de africanos e europeus no litoral catarinense. 1992. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social)–Centro de Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1992.
  • 12
    LOPES, H. T.; SIQUEIRA, J. J.; NASCIMENTO, B. Negro e cultura negra no Brasil Rio de Janeiro: UNIBRADE: UNESCO, 1987.
  • 13
    MOURA, C. O negro: de bom cidadão ao mau escravo. Rio de Janeiro: Conquista, 1977.
  • 14
    MOURA, C. Rebeliões na senzala: quilombos, insurreições, guerrilhas. São Paulo: Ciências Humanas, 1981.
  • 15
    MOURA, C. Quilombos, resistência ao escravismo São Paulo: Ática, 1987.
  • 16
    MUNANGA, K. Identidade, cidadania e democracia: algumas reflexões sobre os discursos anti-racistas no Brasil. In: QUINTAS, F. (Org.). O negro: identidade e cidadania. Recife: Fundação Joaquim Nabuco: Massangana, 1995.
  • 17
    NASCIMENTO, A. O genocídio do negro brasileiro: um processo de racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.
  • 18
    NASCIMENTO, A. O quilombismo. In: CARTA: falas, reflexões, memórias. Informe. Brasília: Gabinete do Senador Darcy Ribeiro, 1991.
  • 19
    NASCIMENTO, A. et al. Proposta de Emenda à Constituição nº 38, de 1997. Thoth, Brasília, n. 6, p. 73-75, set./dez. 1998.
  • 20
    ORTIZ, R. Ideologia da cultura brasileira São Paulo: Companhia das Letras, 1988.
  • 21
    PEREIRA, J. B. B. A folclorização da cultura negra no Brasil. In: PAULA, E. S. de. In memoriam São Paulo: FFLCH/USP, 1983.
  • 22
    REIS, J. J.; GOMES, F. dos S. (Org.). Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
  • 23
    SERRANO, C. História e antropologia na pesquisa do mesmo espaço. Revista do Centro de Estudos Afro-Asiáticos da USP, n. 5, 1982.
  • 24
    SILVA, D. S. Constituição e diferença: o problema jurídico das comunidades remanescenies de quilombos no Brasil. Boletim Informativo do Nuer, v. l, n. l, 1997.
  • 25
    SODRÉ, M. O terreiro e a cidade: a forma social negro-brasileira. São Paulo: Ática, 1988.

*

    *
  • Agradeço principalmente as informações e comentários de Claudia Fonseca, Raquel Mombelli e José Lúcio Fernandes Xaymaca.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Maio 1999
Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social - IFCH-UFRGS UFRGS - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43321, sala 205-B, 91509-900 - Porto Alegre - RS - Brasil, Telefone (51) 3308-7165, Fax: +55 51 3308-6638 - Porto Alegre - RS - Brazil
E-mail: horizontes@ufrgs.br
Accessibility / Report Error