TENDÊNCIAS

Tendências enfoca a eleição presidencial de 2002. Esta é a quarta eleição nacional direta para presidente que ocorre no período pós-85, concentra as disputas para as eleições dos governos estaduais e do Distrito Federal, 2/3 da composição do Senado, para as cadeiras de deputados federais e estaduais, e envolve mais de 115 milhões de eleitores.

O quadro político de 2002 traz aspectos interessantes: Lula(PT) disputa a presidência pela 4ª vez no período pós-85, e em 2002, disputa com base na aliança com o PL, PCdoB e PCB; Serra(PSDB/PMDB), ex-ministro da Saúde, é candidato do governo Fernando Henrique eleito em 1994 e reeleito em 1998, as duas vezes com vitórias de 1ºturno; Ciro Gomes (PPS), candidato da aliança PPS, PDT e PTB, disputou também a eleição de 1998, e Garotinho, candidato do PSB, entra na disputa com a bagagem de ex-governador do estado do Rio de Janeiro.

Este encarte foi produzido quando já se sabia que a eleição presidencial de 2002 seria decidida no 2º turno entre Lula e Serra. Os resultados do Tribunal Superior Eleitoral registraram os seguintes resultados para os principais candidatos no 1º turno: Luis Inácio Lula da Silva, 46,44% dos votos válidos; José Serra, 23,20%, Antony Garotinho, 17,87% e Ciro Gomes, 11,97% dos votos.

Optamos por apresentar ao leitor uma breve mas útil visão comparada das tendências de voto nas 4 campanhas presidenciais, 1989, 1994, 1998 e o 1º turno de 2002, e uma breve descrição das bases sociais dos candidatos em cada uma de suas participações em pleitos presidenciais.

Tendências também apresenta opiniões de eleitores sobre os problemas do país e assuntos ligados a um dos principais temas da campanha eleitoral de 2002: violência urbana e segurança pública. Os dados mostram algumas diferenças entre simpatizantes de candidatos e partidos quanto a temas morais polêmicos e prementes, pena de morte, prisão perpétua, porte de arma e o uso do exército para contenção da violência.

Por fim, o tema política e religião volta a ser tratado por Tendências. Em 1995, OP (vol.III, nº1) publicou dados e reflexões sobre essa relação, analisada à luz das tendências de comportamento na eleição presidencial de 1994. Em 2002, os grupos religiosos marcaram com destaque a agenda eleitoral, definindo apoios a candidatos específicos. Com base em duas pesquisas realizadas nos momentos inicial e final do 1ºturno, mostramos a distribuição dos grupos religiosos entre partidos e candidatos.

ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS

Intenções de voto em 1989

Figura 1

Intenções de voto em 1994

Figura 1

Intenções de voto em 1998

Figura 1

Intenções de voto em 2002

Figura 1

ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS

Quem são as bases sociais dos candidatos a presidência?

AS BASES SOCIAIS DE LULA

Segundo Escolaridade

Em 1989, o público com intenção de votar em Lula era predominantemente de baixa escolaridade. Esse perfil se destacou até 1998. No entanto, os dados de 2002 mostram que houve um aumento das intenções entre o público com maior escolaridade. Os dados mais recentes apontam o aumento das intenções entre o público com segundo grau. Há uma diferença importante entre os dados de dezembro de 2001 e setembro de 2002, que apontam uma diminuição das intenções de voto entre o público com apenas primeiro grau.

Segundo Renda

Outro aspecto que se destaca entre os que declaram votar em Lula é a concentração nas faixas de baixa renda. Esse aspecto se mantém desde 1989 até 2002.

Segundo Idade

Em relação à idade, há uma ligeira mudança nesse período. De 1989 a dezembro de 2001, as intenções entre os jovens (18 a 25 anos) se destacavam como as maiores, comparativamente às intenções obtidas nas outras faixas de idade. Os dados de setembro de 2002 trazem uma nova característica: um aumento das intenções entre os adultos e os mais velhos, que já se apresentava já 1998. Em 2002, o público que declara votar em Lula é melhor distribuído nas diferentes faixas.

Figura 1

Por Sexo

Desde 1989 as bases de Lula são maioria entre os homens. A diferença entre as intenções de voto de homens e mulheres tornou-se um pouco maior em dezembro de 2001. Em setembro de 2002 (1o. turno), essa diferença volta à média dos anos anteriores.

Segundo Região

Desde 1989 até 2002, Lula concentra as intenções de voto na região sudeste. Em 1989, o predomínio da região sudeste é claro. No período 1989-2002 há um aumento das intenções na região sul, sobretudo nas eleições de 1994.

AS BASES SOCIAIS DE CIRO GOMES

Segundo Escolaridade

Nas duas campanhas em que Ciro participou, as intenções de voto estiveram concentradas nas faixas de menor escolaridade.

Figura 1

Segundo Renda

Entre 1998 e 2002, a proporção de intenções de voto em Ciro se mantiveram concentradas nas mais baixas faixas de renda, e aumentaram de uma campanha a outra.

Figura 1

Segundo Idade

Em relação à idade, há uma ligeira mudança no perfil das bases de Ciro no período 1998-2002. Os dados mais recentes (setembro 2002) mostram que as intenções de voto diminuem para a faixa de idade dos 26 aos 30 anos e aumentam para o público com mais de 51 anos.

Figura 1

Por Sexo

Entre 1998 e 2002 se altera o perfil das bases de Ciro por sexo: as mulheres tornam-se maioria em 2002.

Figura 1

Segundo Região

Não houve alterações significativas entre as eleições de 1998 e 2002 quanto às bases regionais de Ciro Gomes: Nordeste e Sudeste concentraram as intenções de voto.

Figura 1

AS BASES SOCIAIS DE SERRA

Segundo Escolaridade

Durante a campanha em 2002, as duas maiores alterações entre os identificados com Serra estão nos extremos das faixas de escolaridade: aumentam as proporções de intenção de voto entre os mais e os menos escolarizados.

Figura 1

Segundo Renda

Já quanto à distribuição das intenções por faixa de renda, os dados mostram que a campanha para o 1º turno praticamente não alterou as proporções.

Figura 1

Segundo Idade

O dado mais destacado quanto às intenções de voto por idade é a significativa diminuição entre os jovens de 16 e 17 anos. Quanto ao sexo, predominam as mulheres

Por Sexo

Segundo Região

Os dados mostram que, com exceção da região sudeste, a campanha foi capaz de ampliar a penetração do candidato nas demais regiões do país.

Figura 1

AS BASES SOCIAIS DE GAROTINHO

Segundo Escolaridade

Durante a campanha do 1º turno aumentam as intenções de voto para Garotinho nos segmentos menos escolarizados e de menor renda. Na faixa de renda de até 2 salários mínimos, a proporção de intenções aumenta em quase 10 pontos.

Figura 1

Segundo Renda

Figura 1

Segundo Idade

Ao longo da campanha, Garotinho aumentou a penetração de sua candidatura em todas as faixas de eleitores com mais de 25 anos, manteve o predomínio feminino de suas bases, e teve um aumento considerável de pontos percentuais na região nordeste.

Figura 1

Por Sexo

Segundo Região

Figura 1

COMPARAÇÃO DAS BASES SOCIAIS

1989: Lula e Collor (2º turno)

Entre candidatos:

Lula e Collor claramente polarizam as intenções de voto em 89, segundo renda e escolaridade: Lula tem as preferências entre os mais escolarizados e nas maiores faixas de renda: Collor entre os menos escolarizados e nas faixas de renda mais baixas.

Lula e Collor também polarizam quanto às preferências segundo sexo e idade: Lula tem a maior proporção de intenção de voto entre homens, e Collor, entre as mulheres; Lula tem maior preferência entre os mais jovens e Collor, nas faixas de maior idade.

Por região, é claro o destaque de Lula no Sul, em 1989; para Collor, esse destaque é claro nas regiões Norte e Centro-Oeste.

Figura 1

COMPARAÇÃO DAS BASES SOCIAIS

1994: Lula e FHC

Lula e FHC têm bases claramente distintas: as maiores proporções de intenção de voto para Lula estão entre os mais escolarizados, para FHC, entre os menos escolarizados.

Figura 1

Lula apresenta suas maiores proporções nas faixas de renda de 2 a 5 SM e 5 a 10 SM. FHC tem as maiores proporções ns 2 faixas extremas.

Figura 1

Em 94, FHC se destaca nos extremos das faixas de idade, e igualmente entre homens e mulheres; Lula se destaca entre os mais jovens e entre os homens.

Figura 1

As proporções das intenções de voto em Lula são muito próximas em todas as regiões; para FHC há destaques claros: a menor proporção no Sul e as maiores no Nordeste e Norte/ Centro-Oeste

Figura 1

COMPARAÇÃO DAS BASES SOCIAIS

1998: Lula, FHC e Ciro

Lula e Ciro Gomes mostram uma penetração maior de suas candidaturas entre os mais escolarizados. Conforme aumenta a escolaridade, aumenta também o número de intenções de voto para ambos. FHC se destaca entre os de menor escolaridade

Figura 1

Em 98, FHC obtêm proporções significativas em todas as faixas de renda. Lula e Ciro têm desempenho inverso: Lula apresenta as maiores proporções nas faixas mais baixas, e Ciro, nas mais altas.

Figura 1

FHC e Ciro têm uma penetração semelhante de suas candidatura por faixa de idade. Lula se destaca entre os mais jovens. A mesma semelhança entre FHC e Ciro ocorre para a distribuição de intenções por sexo. Para Lula, mantém-se a maioria para os homens, observada nas eleições anteriores. A distribuição regional das intenções de voto mostra as maiores diferenças entre candidatos: os destaques estão no desempenho de FHC na região Norte/ Centro-Oeste; Lula na região Sul e Ciro, no Nordeste.

Figura 1

COMPARAÇÃO DAS BASES SOCIAIS

1º turno da Eleição 2002: Lula, Ciro, Serra e Garotinho (Dezembro de 2001)

Ainda em 2001, apenas as intenções de voto em Lula mostram um perfil melhor definido por renda e escolaridade: as maiores proporções estão nas menores faixas de escolaridade e renda

Figura 1

No início da campanha de 2002, não havia diferenças significativas das intenções de voto por idade para os 4 candidatos.

Figura 1

Ainda em 2001, as intenções de voto para Lula estavam claramente concentradas nos homens. Os outros candidatos mostram diferenças, mas não são significativas.

Figura 1

Quanto à distribuição das intenções por região, as proporções para Lula e Ciro são maiores na região Nordeste, Garotinho se destaca na região Sudeste e Serra tem sua menor proporção também no Sudeste

Figura 1

COMPARAÇÃO DAS BASES SOCIAIS

2002: Lula, Ciro, Serra e Garotinho (Setembro de 2002)

Já no final da campanha para o 1º turno, em Setembro, ficam mais nítidos os segmentos de penetração maior dos candidatos: as intenções de voto em Ciro crescem com o grau de escolaridade e renda; em Serra, crescem com o grau de escolaridade, mas diminuem nas faixas de renda maior; Garotinho tem direção inversa: as intenções de voto diminuem com a escolaridade, e também com o aumento da renda. As maiores intenções de voto em Lula acompanham o aumento da escolaridade e, quanto à renda, são maiores nas faixas médias.

Figura 1

Quanto à idade, é nítida a maior preferência de Ciro entre os jovens de 16 e 17 anos; para Garotinho, essa é a faixa de idade de menor penetração. Para Serra, as menores proporções também estão entre os mais jovens, e para Lula, inversamente, a menor proporção está entre os com mais de 51 anos.

Figura 1

A predominância dos homens nas intenções de voto em Lula se mantém no 1º turno de 2002, tal como fora nas outras eleições. Em Serra o predomínio é feminino.

Figura 1

Distribuídos por região, os dados indicam a clara disputa das intenções entre Serra e Garotinho no Sudeste, de Ciro e Serra no Nordeste e de Ciro e Garotinho no Norte/ Centro-Oeste. Lula tem sua maior penetração na região Sul.

Figura 1

Principais problemas do país em 1989, 1994, 1998 e 2002

O quê mudou e o quê continua como problema na percepção do eleitor

Áreas que vêm enfrentando os problemas mais graves (os mais citados)

A inflação é o grande destaque entre os problemas apontados em 1989.

Figura 1

Em 94, o desemprego concentra mais de 70% das citações sobre os principais problemas.

Figura 1

O quê mudou e o quê permanece como problema na percepção do eleitor

Áreas que vêm enfrentando os problemas mais graves (os mais citados)

Fome/Miséria e Drogas são apontadas em 1998 como um dos principais problemas, mas é o emprego que se destaca como principal dentre os mencionados.

Figura 1

Em 2002, o desemprego é apontado novamente como o principal problema, repetindo a seqüência dos anos eleitorais anteriores.

Violência e da falta de segurança aparece como segundo problema mais grave.

Figura 1

Principais problemas do país em 1989, 1994, 1998 e 2002

Os principais problemas apontados em cada eleição para presidente

No quadro comparativo dos principais problemas apontados nos anos eleitorais, destaca-se a trajetória da Inflação. Foi apontada em 1989 como o problema mais grave; em 1994 e 2002 esteve entre as áreas mais citadas e, em 1998, não foi mencionada.

Saúde e Educação são citados entre as cinco áreas com problemas mais graves em todos os anos, desde 1989.

Figura 1

Os principais problemas apontados em cada eleição para presidente

Em todas as campanhas do período o desemprego é o problema mais citado, e no 1º turno de 2002 influencia o voto para um número significativo de pessoas.

Figura 1

2002: Temas da violência e seguranç a pública

Opiniões do eleitorado no 1º turno de 2002 por candidato

É notável a predominância de opiniões favoráveis à prisão perpétua para todos os candidatos, assim como também é a maioria dos que preferem a pena de morte, com exceção dos que se identificam com Garotinho.

Figura 1

Uso do exército contra a violência

Destacam-se ainda mais a opinião favorável ao uso do exército para conter a violência para todos os entrevistados, independentemente do candidato. O mesmo ocorre com as opiniões contrárias ao porte de arma.

Figura 1

2002: Temas da violência e seguranç a pública

Opiniões sobre a política de combate à violência urbana

Na questão sobre o combate à violência urbana, a maioria dos entrevistados apontou os investimentos na área social como uma solução para o problema.

Mas, os identificados com Lula e Garotinho são os que se destacam.

Os identificados com PSB, PDT e PT são os que apóiam o investimento social.

Os identificados com PPB e PL são os que mais apóiam o policiamento.

Figura 1

2002: Temas da violência e seguranç a pública

Opiniões do eleitorado no 1º turno, por partido

As questões da violência urbana ultrapassam as distinções partidárias: a grande maioria dos entrevistados identificados com partidos políticos e mesmo os não identificados apóiam a adoção da prisão perpétua e o uso do exército no combate à violência

Figura 1

Figura 1

2002: Temas da violência e segurança pública

Sobre a adoção da pena de morte, as opiniões dividem os identificados com os partidos: os que se identificam com o PSDB e PL são os únicos contrários à adoção.

Figura 1

Figura 1

2002: Temas da violência e seguranç a pública

Também o uso do exército no combate à violência urbana é uma medida aprovada pela grande maioria dos entrevistados independentemente da identificação partidária.

Apenas o PL apresenta a menor proporção de aprovação (70,9%).

Figura 1

Figura 1

Temas da violência e seguranç a pública:2002

A aprovação do porte de arma mostra maiores distinções entre identificados com partidos: são mais favoráveis o PDT, o PMDB e o PT.

Figura 1

Figura 1

Religião e Política em 2002

Qual a religião dos eleitores de Lula, Serra, Ciro e Garotinho?

A campanha do 1º turno foi marcada pelo debate sobre a influência de grupos religiosos na votação de candidatos, em específico, Garotinho, ex-governador do Rio de Janeiro. Os católicos são a maioria entre os que declaram votar em Lula e Serra, mas no decorrer da campanha, Lula aumenta sua penetração entre os evangélicos.

Figura 1

Religião e Política em 2002

Também são os católicos o grupo que predomina na votação de Ciro.

Figura 1

Já os que declaram votar em Garotinho são, em sua maioria, evangélicos, pentecostais e não pentecostais, ultrapassando os católicos.

Figura 1

Com quais candidatos estão os grupos religiosos?

Figura 1

De maio para setembro de 2002, as intenções de voto em Garotinho cresceram entre os evangélicos pentecostais enquanto neste grupo, Lula sofreu uma redução das intenções de voto

Figura 1

Com quais candidatos estão os grupos religiosos?

Já entre os evangélicos não pentecostais, nesse mesmo período, observa-se um aumento da intenção de voto em Lula e uma queda na intenção de voto em Garotinho

Figura 1

AS OSCILAÇÕES DA CAMPANHA

Com quais candidatos estão os grupos religiosos?

No final do 1º turno Lula concentrou as preferências dos que não tem religião e Serra teve uma ligeira maioria entre os ateus.

Figura 1

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    31 Mar 2003
  • Data do Fascículo
    Out 2002
Centro de Estudos de Opinião Pública da Universidade Estadual de Campinas Cidade Universitária 'Zeferino Vaz", CESOP, Rua Cora Coralina, 100. Prédio dos Centros e Núcleos (IFCH-Unicamp), CEP: 13083-896 Campinas - São Paulo - Brasil, Tel.: (55 19) 3521-7093 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: rop@unicamp.br