O livre arbítrio epistemológico na administração

Paulo Tromboni de Souza Nascimento Sobre o autor

Resumos

Uma premissa filosófica da investigação em administração é a posição adotada sobre a natureza humana: ela é determinista ou existe o livre arbítrio? O objetivo deste ensaio é discutir o clássico dilema entre o livre arbítrio e o determinismo como premissa de pesquisa na administração. Usualmente o tema é tratado no plano ontológico. Aqui é tratado em nível epistemológico. Embora o livre arbítrio possa ser válido também em nível ontológico, esse nível não é necessário para o fundamento filosófico da pesquisa em administração. Em administração, o comportamento excepcional, assim como objetivos, valores e crenças são inevitável parte do objeto de estudo. Não há como fugir da presunção do livre arbítrio. Isso porque a moderna ciência cognitiva não permite mais formulações que excluam a realidade das representações mentais. O caos determinístico não autoriza mais uma identidade imediata entre explicação e previsão. E também não se aceita mais a premissa da simplicidade do objeto de estudo. Nasceu e prospera a concepção sistêmica dos fenômenos da organização e administração. Em conseqüência, o determinismo, a priori, não é mais cientificamente aceitável como premissa de investigação.


This essay tries to argue in favor of free will in the dilemma that opposes it to determinism as a research assumption in management. Exceptional behavior, objectives, values, and believes are an inevitable part of management subject matter. There is no way off the assumption of free will. This comes out of modern cognitive science. It does not allow the exclusion of mental representations as real entities. Deterministic chaos also does not authorize an immediate identity between explanation and prevision. And the assumption of simplicity in the subject matter of management is not acceptable. A system concept of science was born and prospers. Thus, a priori determinism is not tenable anymore. But there is a reservation. The subject here is kept at the epistemological level. Even if valid at the ontological level, the reality of free will is not needed as a foundation for research in management.


ARTIGO

O livre arbítrio epistemológico na administração

Paulo Tromboni de Souza Nascimento

Prof. FEA/USP

RESUMO

Uma premissa filosófica da investigação em administração é a posição adotada sobre a natureza humana: ela é determinista ou existe o livre arbítrio? O objetivo deste ensaio é discutir o clássico dilema entre o livre arbítrio e o determinismo como premissa de pesquisa na administração. Usualmente o tema é tratado no plano ontológico. Aqui é tratado em nível epistemológico. Embora o livre arbítrio possa ser válido também em nível ontológico, esse nível não é necessário para o fundamento filosófico da pesquisa em administração. Em administração, o comportamento excepcional, assim como objetivos, valores e crenças são inevitável parte do objeto de estudo. Não há como fugir da presunção do livre arbítrio. Isso porque a moderna ciência cognitiva não permite mais formulações que excluam a realidade das representações mentais. O caos determinístico não autoriza mais uma identidade imediata entre explicação e previsão. E também não se aceita mais a premissa da simplicidade do objeto de estudo. Nasceu e prospera a concepção sistêmica dos fenômenos da organização e administração. Em conseqüência, o determinismo, a priori, não é mais cientificamente aceitável como premissa de investigação.

ABSTRACT

This essay tries to argue in favor of free will in the dilemma that opposes it to determinism as a research assumption in management. Exceptional behavior, objectives, values, and believes are an inevitable part of management subject matter. There is no way off the assumption of free will. This comes out of modern cognitive science. It does not allow the exclusion of mental representations as real entities. Deterministic chaos also does not authorize an immediate identity between explanation and prevision. And the assumption of simplicity in the subject matter of management is not acceptable. A system concept of science was born and prospers. Thus, a priori determinism is not tenable anymore. But there is a reservation. The subject here is kept at the epistemological level. Even if valid at the ontological level, the reality of free will is not needed as a foundation for research in management.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

REFERÊNCIAS

ARCHER, M. et alli, Eds. Critical realism – essential readings. First published in 1998. Routledge. London and New York. 2004.

ARON, R. As etapas do pensamento sociológico. Third Edition. Tradução de Sérgio Bath. Martins Fontes. São Paulo. 2002.

BARNARD, C. I. The functions of the executive. Third printing. Cambridge, Mass. Harvard University Press. 1942.

BERTALANFFY, L. General systems theory. Allen Lane The Penguin Press. Printed in Great Britain. 1971.

BHASKAR, R. General introduction. In: ARCHER, M. et alli, Eds. Critical realism – essential readings. First published in 1998. Routledge. London and New York. 2004.

BURRELL, G; MORGAN, G. Sociological paradigms and organisational analysis – elements of the sociology of corporate life. Ashgate Publishing Company. Brookfield, Vermont, USA. 1979. Reprinted in 1994.

CARRUTHERS, P. e CHAMBERLAIN, A. Evolution and the human mind – modularity, language and meta-cognition. Cambridge Unniversity Press. UK. 2000.

CHURCHLAND, P. M. Matéria e consciência – uma introdução contemporânea à filosofia da mente. Editora Unesp. São Paulo, SP. 1998.

COOK, S. D. N. & BROWN, J. S. Bridging epistemologies: the generation dance between organizational knowledge and organizational knowing. Organizational Science, Vol. 10, No. 4:381-400, July-August 1999.

CRICK, F. The astonishingb hypotesis – the scientific search for the soul. Touchstone Books. London. 1994.

CUMMINS, D. D. ; ALLEN, C. Editors. The evolution of mind. Oxford University Press. New York. Oxford. 1998.

DAMÁSIO, A. R. Descartes’ error: emotion, reason and the human brain. Grosset/ Putnam. New York, 1994.

DAMÁSIO, A. R. The feeling of what happens: body and emotion in the making of consciousness. Harcourt Brace, New York, 1999, 2000.

FREDERIKSON, J. W. Perspectives on strategic management. Harper & Row Publishers. New York, 1990.

GARDNER, H. The mind’s new science. Basic Books Inc., Publishers. New York, New York. Usa. 1985).

HOLLAND, J. H.; HOLYOAK, K. J.; NISBETT, R. E.; THAGARD, P. R. Induction – processes of inference, learning, and discovery. MIT Press. Boston, Ma, USA. 1986.

HOLLIS, M. The philosophy of social science – an introduction. Revised and Updated in 2002. Cambridge University Press. Cambridge, UK. 2004.

HORGAN, T.; TIENSON, J. Connectionism and the philosophy of psychology. A Bradford Book. The MIT Press. Cambridge, Massachusets, USA. London, England. 1996.

KIM, J. Philosophy of mind. Second Edition. Westview Press. A member of the Perseus Books Group. USA. 2006.

LOSEE, J. Introdução histórica à filosofia da ciência. Edição original: Oxford University Press, 1980. Terramar. Lisboa. Portugal. 1998.

MARCH, J. G.; SIMON, H. A. Organizations. John Wiley. New York. 1958.

MELE, A. R. Introduction. In: The philosophy of action. Edited by Alfred R. Mele. Oxford University Press. New York. 2003.

MINGERS, J. The contribution of critical realism as an underpinning philosophy for OR/MS and systems. Journal of Operational Research Society:51, 1256-1270. 2000.

MITHEN, S. A pré-história da mente – Uma busca das origens da arte, da religião e da ciência. Editora Unesp. São Paulo, SP. 1998.

PAVLOV, I. P. Obras Escolhidas. Editora Fulgor Limitada. São Paulo. 1962.

POPPER, K. R. A racionalidade das revoluções científicas. Em: Lógica das Ciências Sociais. Organização dos textos: Vamireh Chacon. Traduções: Estevão de Rezende Martins, Apio Cláudio Moniz Aquarone Filho, Vilma de Oliveira Moraes e Silva. Editora Universidade de Brasília. Edições Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro, RJ. 1978.

POPPER, K. R. Lógica das ciências sociais. Organização dos textos: Vamireh Chacon. Traduções: Estevão de Rezende Martins, Apio Cláudio Moniz Aquarone Filho, Vilma de Oliveira Moraes e Silva. Editora Universidade de Brasília. Edições Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro, RJ. 1978.

POPPER, K. R. Objective knowledge – an evolutionary approach. Revised Edition. Oxford University Press. Oxford, 1979.

POPPER, K. R. Conjectures and refutations – the growth of scientific knowledge. First Published in 1963. Routledge. London e New York. 2002.

RUSSEL, B. A history of western philosophy. Simon & Shuster. New York e London. 1945.

SIMON, H. I. Administrative behavior. The Free Press. New York. 1976.

SKINNER, B. F. The behavior of organisms –an experimental analysis. The Century Psychology Series. D. Appleton-Century Company, Inc. New York. 1938.

STEVENSON, L.; HABERMAN, D. I. Dez teorias da natureza humana. Trad. De Adail Ubirajara Sobral. Martins Fontes. São Paulo, 2005.

WEBER, M. Economia e sociedade – fundamentos da sociologia compreensiva. Trad. Regis Barbosa e Karen Elsabe Barbosa. Revisão Técnica de Gabriel Cohn. Editora UnB. Impressão da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. São Paulo. 2004.

WATSON, J. B. Behavior – an introduction to comparative psychology. Henry Holt Editions in Psychology. Holt, Rinehart, and Winston, Inc. New York. 1962. Text copyright 1914 by Henry Holt and Company, renewed 1942 by John B. Watson.

  • ARCHER, M. et alli, Eds. Critical realism essential readings. First published in 1998. Routledge. London and New York. 2004.
  • ARON, R. As etapas do pensamento sociológico Third Edition. Tradução de Sérgio Bath. Martins Fontes. São Paulo. 2002.
  • BARNARD, C. I. The functions of the executive. Third printing. Cambridge, Mass. Harvard University Press. 1942.
  • BERTALANFFY, L. General systems theory Allen Lane The Penguin Press. Printed in Great Britain. 1971.
  • BHASKAR, R. General introduction. In: ARCHER, M. et alli, Eds. Critical realism essential readings. First published in 1998. Routledge. London and New York. 2004.
  • BURRELL, G; MORGAN, G. Sociological paradigms and organisational analysis elements of the sociology of corporate life. Ashgate Publishing Company. Brookfield, Vermont, USA. 1979. Reprinted in 1994.
  • CARRUTHERS, P. e CHAMBERLAIN, A. Evolution and the human mind modularity, language and meta-cognition Cambridge Unniversity Press. UK. 2000.
  • CHURCHLAND, P. M. Matéria e consciência uma introdução contemporânea à filosofia da mente Editora Unesp. São Paulo, SP. 1998.
  • COOK, S. D. N. & BROWN, J. S. Bridging epistemologies: the generation dance between organizational knowledge and organizational knowing. Organizational Science, Vol. 10, No. 4:381-400, July-August 1999.
  • CRICK, F. The astonishingb hypotesis the scientific search for the soul Touchstone Books. London. 1994.
  • CUMMINS, D. D. ; ALLEN, C. Editors. The evolution of mind. Oxford University Press. New York. Oxford. 1998.
  • DAMÁSIO, A. R. The feeling of what happens: body and emotion in the making of consciousness Harcourt Brace, New York, 1999, 2000.
  • FREDERIKSON, J. W. Perspectives on strategic management Harper & Row Publishers. New York, 1990.
  • HOLLAND, J. H.; HOLYOAK, K. J.; NISBETT, R. E.; THAGARD, P. R. Induction processes of inference, learning, and discovery. MIT Press. Boston, Ma, USA. 1986.
  • HOLLIS, M. The philosophy of social science an introduction. Revised and Updated in 2002. Cambridge University Press. Cambridge, UK. 2004.
  • HORGAN, T.; TIENSON, J. Connectionism and the philosophy of psychology. A Bradford Book. The MIT Press. Cambridge, Massachusets, USA. London, England. 1996.
  • KIM, J. Philosophy of mind Second Edition. Westview Press. A member of the Perseus Books Group. USA. 2006.
  • LOSEE, J. Introdução histórica à filosofia da ciência. Edição original: Oxford University Press, 1980. Terramar. Lisboa. Portugal. 1998.
  • MARCH, J. G.; SIMON, H. A. Organizations. John Wiley. New York. 1958.
  • MELE, A. R. Introduction. In: The philosophy of action Edited by Alfred R. Mele. Oxford University Press. New York. 2003.
  • MINGERS, J. The contribution of critical realism as an underpinning philosophy for OR/MS and systems. Journal of Operational Research Society:51, 1256-1270. 2000.
  • MITHEN, S. A pré-história da mente Uma busca das origens da arte, da religião e da ciência Editora Unesp. São Paulo, SP. 1998.
  • PAVLOV, I. P. Obras Escolhidas. Editora Fulgor Limitada. São Paulo. 1962.
  • POPPER, K. R. A racionalidade das revoluções científicas. Em: Lógica das Ciências Sociais. Organização dos textos: Vamireh Chacon. Traduções: Estevão de Rezende Martins, Apio Cláudio Moniz Aquarone Filho, Vilma de Oliveira Moraes e Silva. Editora Universidade de Brasília. Edições Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro, RJ. 1978.
  • POPPER, K. R. Lógica das ciências sociais. Organização dos textos: Vamireh Chacon. Traduções: Estevão de Rezende Martins, Apio Cláudio Moniz Aquarone Filho, Vilma de Oliveira Moraes e Silva. Editora Universidade de Brasília. Edições Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro, RJ. 1978.
  • POPPER, K. R. Objective knowledge an evolutionary approach Revised Edition. Oxford University Press. Oxford, 1979.
  • POPPER, K. R. Conjectures and refutations the growth of scientific knowledge. First Published in 1963. Routledge. London e New York. 2002.
  • RUSSEL, B. A history of western philosophy. Simon & Shuster. New York e London. 1945.
  • SIMON, H. I. Administrative behavior. The Free Press. New York. 1976.
  • SKINNER, B. F. The behavior of organisms an experimental analysis. The Century Psychology Series. D. Appleton-Century Company, Inc. New York. 1938.
  • STEVENSON, L.; HABERMAN, D. I. Dez teorias da natureza humana. Trad. De Adail Ubirajara Sobral. Martins Fontes. São Paulo, 2005.
  • WEBER, M. Economia e sociedade fundamentos da sociologia compreensiva. Trad. Regis Barbosa e Karen Elsabe Barbosa. Revisão Técnica de Gabriel Cohn. Editora UnB. Impressão da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. São Paulo. 2004.
  • WATSON, J. B. Behavior an introduction to comparative psychology. Henry Holt Editions in Psychology. Holt, Rinehart, and Winston, Inc. New York. 1962. Text copyright 1914 by Henry Holt and Company, renewed 1942 by John B. Watson.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    24 Out 2014
  • Data do Fascículo
    Set 2006
Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia Av. Reitor Miguel Calmon, s/n 3o. sala 29, 41110-903 Salvador-BA Brasil, Tel.: (55 71) 3283-7344, Fax.:(55 71) 3283-7667 - Salvador - BA - Brazil
E-mail: revistaoes@ufba.br
Accessibility / Report Error