Análise fonológica dos erros da apraxia adquirida de fala

Resumos

TEMA: a caracterização fonológica dos erros presentes na fala do indivíduo com apraxia de fala pode fornecer dados para uma melhor compreensão deste distúrbio e, conseqüentemente, para o desenvolvimento de propostas terapêuticas. Em geral, os estudos que analisam fonologicamente a fala do indivíduo com apraxia de fala são internacionais e a literatura nacional que aborda esse distúrbio da fala se baseia nestes trabalhos. OBJETIVO: realizar análise fonológica dos erros presentes na fala do indivíduo com apraxia de fala, falante do Português, falado no Brasil. MÉTODO: participaram do estudo 20 adultos com apraxia de fala. Foi realizada análise fonológica dos erros do tipo substituição e omissão, obtidos através do protocolo de avaliação da apraxia verbal e não-verbal. RESULTADOS: alguns dos fonemas mais freqüentemente acometidos pelos erros de fala dos apráxicos falantes da língua portuguesa (/b/, /λ / e /3 /) revelaram diferença dos achados de estudos internacionais. CONCLUSÃO: verificou-se que os erros presentes na fala dos indivíduos com apraxia de fala parecem sofrer interferência específica da língua, uma vez que os fonemas mais freqüentemente produzidos com erro diferiram dos descritos em estudos internacionais.

Transtornos da Articulação; Apraxias; Diagnóstico


BACKGROUND: the phonological characterization of the errors present in the speech of individuals with speech apraxia can elucidate several aspects of this disorder and consequently lead to the development of effective therapeutic interventions. Generally, studies that have characterized the errors present in speech apraxia were developed in other languages other than the Brazilian Portuguese (BP). The existing national literature about this theme is based on these studies. AIM: to present the phonological analysis of the errors present in the speech of individuals with speech apraxia, speakers of the BP language. METHOD: 20 adults with speech apraxia were evaluated. The analysis of phonological errors, such as substitution and omission was made. RESULTS: a few of the most affected phonemes in the speech of apraxic individuals (/b/, /λ / e /3 /), speakers of the BP language, were different from those usually described in international studies. CONCLUSION: results suggest that the errors present in the speech of apraxic individuals can suffer the influence of language once the most frequent errors found in the present study were different from those described in the international literature.

Articulation Disorders; Apraxias; Diagnosis


ARTIGOS ORIGINAIS DE PESQUISA

Análise fonológica dos erros da apraxia adquirida de fala* * Trabalho Realizado no Departamento de Fonoaudiologia da Universidade Federal de São Paulo.

Maysa Luchesi CeraI; Karin Zazo OrtizII

IFonoaudióloga. Mestranda em Distúrbios da Comunicação Humana pela Unifesp

IIFonoaudióloga. Pós Doutorado em Neurociências pela Universidade Federal de São Paulo. Professor Doutor Adjunto do Departamento de Fonoaudiologia da Universidade Federal de São Paulo

Endereço para correspondência

RESUMO

TEMA: a caracterização fonológica dos erros presentes na fala do indivíduo com apraxia de fala pode fornecer dados para uma melhor compreensão deste distúrbio e, conseqüentemente, para o desenvolvimento de propostas terapêuticas. Em geral, os estudos que analisam fonologicamente a fala do indivíduo com apraxia de fala são internacionais e a literatura nacional que aborda esse distúrbio da fala se baseia nestes trabalhos.

OBJETIVO: realizar análise fonológica dos erros presentes na fala do indivíduo com apraxia de fala, falante do Português, falado no Brasil.

MÉTODO: participaram do estudo 20 adultos com apraxia de fala. Foi realizada análise fonológica dos erros do tipo substituição e omissão, obtidos através do protocolo de avaliação da apraxia verbal e não-verbal.

RESULTADOS: alguns dos fonemas mais freqüentemente acometidos

pelos erros de fala dos apráxicos falantes da língua portuguesa (/b/, /λ / e /3 /) revelaram diferença dos achados de estudos internacionais.

CONCLUSÃO: verificou-se que os erros presentes na fala dos indivíduos com apraxia de fala parecem sofrer interferência específica da língua, uma vez que os fonemas mais freqüentemente produzidos com erro diferiram dos descritos em estudos internacionais.

Palavras-chave: Transtornos da Articulação; Apraxias; Diagnóstico.

Introdução

A apraxia de fala é um distúrbio articulatório que ocasiona prejuízo, decorrente de lesão cerebral, da capacidade para programar o posicionamento da musculatura da fala e de seqüencializar os movimentos durante a produção voluntária de fonemas1.

Vários estudos1-12 descreveram as manifestações deste distúrbio e os erros fonológicos mais freqüentes. Porém, em geral, estes estudos são internacionais e foram realizadas com sujeitos falantes da língua Inglesa.

A caracterização fonológica dos erros de fala do apráxico de fala, falante do Português, falado no Brasil, poderá fornecer dados para uma melhor compreensão deste distúrbio, bem como para o desenvolvimento de propostas terapêuticas, uma vez que poderão ser analisadas e consideradas dificuldades específicas no planejamento e na produção de fonemas presentes na nossa língua.

Desta forma, este estudo teve por objetivo realizar e apresentar a análise fonológica dos erros do tipo substituição e omissão presentes na fala do apráxico de fala, falante do Português, falado no Brasil.

Método

Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), sob o protocolo de número 1105/07. Todos os participantes assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido.

Foram selecionados os indivíduos avaliados no ambulatório de distúrbios adquiridos da fala e da linguagem, do setor de fonoaudiologia da Unifesp durante o ano 2007, que haviam sido diagnosticados com apraxia de fala.

Foram incluídos aqueles que apresentavam diagnóstico neurológico de lesão cerebral única à esquerda, falantes do Português, falado no Brasil, inclusive aqueles que apresentaram um quadro afásico associado ao distúrbio de fala, por não ser freqüente um quadro de apraxia de fala em sua forma isolada.

Foram excluídos os que apresentaram déficit de expressão acentuado, caracterizado por supressão ou grave redução oral; alteração de compreensão oral que não possibilitasse a realização de tarefas; histórico ou diagnóstico médico de alterações neurológicas prévias (tais como epilepsia, traumatismo cranioencefálico com perda de consciência maior que 15 minutos); distúrbios auditivos ou visuais não corrigidos; história de depressão grave ou outros distúrbios psiquiátricos graves; e uso de medicação psicotrópica.

Assim, a amostra foi composta por 20 adultos com idade entre 41 e 80 anos, 11 do sexo masculino e 9 do feminino.

Inicialmente foram coletados dados de anamnese (identificação e história neurológica).

Para a avaliação da fala foi utilizada a parte de avaliação práxica verbal do protocolo de avaliação da apraxia verbal e não-verbal13, que apresenta provas de repetição de palavras, repetição de frases, automatismos, fala espontânea e leitura em voz alta. Para eliciar a fala espontânea foi utilizada a prancha "Roubo dos Biscoitos" do teste de Boston para o diagnóstico da afasia14.

A fala dos sujeitos foi gravada, utilizando-se o gravador de voz digital MP3 Player Sony, e transcrita concomitantemente.

Foi realizada a análise fonológica (quantitativa e qualitativa) dos erros de substituição e omissão, que foram os tipos de erros mais freqüentes na fala dos indivíduos avaliados neste estudo.

A avaliação da apraxia deve envolver todas as variáveis que possam influenciar no desempenho de fala. Algumas variáveis são: os erros são mais freqüentes em palavras compostas por fonemas menos freqüentes na língua, mais extensas ou com grupos consonantais, com fonemas fricativos, que contêm fonemas com pontos articulatórios distantes, entre outras. Desta forma, os fonemas devem aparecer em palavras com diferentes extensões e freqüências de ocorrência na língua, bem como os fonemas devem aparecer em diversas posições das palavras apresentadas. Porém, os fonemas não apresentam uma mesma porcentagem de ocorrência na língua, o que dificulta a seleção de palavras que envolvam todas estas variáveis. Portanto, para que a avaliação envolva todas estas variáveis, não é possível apresentar tarefas foneticamente balanceadas.

Desta forma, para se calcular a porcentagem de erro em cada fonema, obteve-se, inicialmente, o número de vezes que o fonema deveria ocorrer em todas as amostras analisadas. Este procedimento foi realizado para que se evitasse que um fonema que foi produzido com maior freqüência durante a avaliação apresentasse, por este motivo, maior número de erros, ou vice-versa.

Com relação ao erro do tipo substituição, foi verificada a quantidade de substituições por fonema em toda a amostra de fala dos sujeitos avaliados (segmentos consonantais, semivogais e vogais) e calculada a ocorrência de cada tipo de substituição por fonema. No erro do tipo omissão, foram verificados quais os fonemas em que este tipo de erro ocorreu e a freqüência de ocorrência do erro por fonema, que foram analisados a partir de toda a amostra avaliada.

Após a coleta dos dados foi realizada análise estatística descritiva. A análise foi calculada segundo o pacote estatístico SPSS (Statistical Package for the Social Science) 11.5.1 para Windows.

Resultados

Caracterização da amostra

Três pacientes tinham o diagnóstico de acidente vascular cerebral hemorrágico, os demais isquêmico. Com exceção de um paciente, todos eram também afásicos. Em relação à localização da lesão, seis apresentavam lesão têmporo-parietal, quatro fronto-temporal, três fronto-parietal, dois parietal, dois frontal, um temporal, um têmporo-parietooccipital e um parieto-occipital.

Análise fonológica dos erros

Na análise geral de todas as amostras de fala avaliadas, os fonemas substituídos em mais de 5%, assim como sua freqüência de substituição foram: segmentos consonantais: /b/ 6,9%, /g/ 9,2%, /v/5,2%, // 5,5%, /3 / 12,2%, /λ / 20%; em coda: /r/ 5,8%; encontro consonantal: /l/ 25,9%.

Na Tabela 1 encontram-se as freqüências dos tipos de substituições dos fonemas mais freqüentemente acometidos por este erro, sendo que a freqüência de cada substituição fonêmica foi calculada a partir da ocorrência total de substituições do fonema, isto é, considerou-se apenas a quantidade de vezes em que o fonema foi produzido com substituição; e a freqüência do tipo de substituição na fala foi calculada a partir da possibilidade total de ocorrência do fonema na amostra geral da fala dos sujeitos, que incluiu tanto as produções com erros quanto o total de produções adequadas do fonema, isto é, considerou-se a quantidade total em que o fonema deveria ocorrer nas amostras de fala avaliadas.

Os fonemas omitidos em mais de 5% em todas as amostras de fala analisadas e suas respectivas freqüências de omissões, que foram calculadas a partir da quantidade em que o fonema deveria aparecer na amostra, encontram-se na Tabela 2.

Discussão

Os resultados mostram as alterações fonológicas da fala dos apráxicos de fala, falantes do Português, falado no Brasil, avaliados neste estudo.

Nas Tabelas 1 e 2 verificou-se que aparecem somente segmentos consonantais e que não há vogais. A maior ocorrência de erros em consoantes em relação às vogais já foi descrita anteriormente2,4-5, 9. Isto pode ser justificado pelo fato de as vogais serem mais freqüentemente utilizadas durante a fala, além disso, sua produção é mais fácil do que a de consoantes, pois requer um ajuste relativamente simples e movimentos lentos dos articuladores, já as consoantes são produzidas por movimentos rápidos e com ajustes de vários articuladores15.

Com relação ao modo articulatório dos fonemas apresentados na Tabela 1, observamos as plosivas /g/ (9,2%) e /b/ (6,9%), as fricativas /3 / (12,2%), // (5,5%) e /v/ (5,2%) e as líquidas /l/ (25,9%), /λ / (20%) e /r/ (5,8%). Dentre os fonemas em questão, não foi observado nenhuma nasal. Em relação às consoantes fricativas e em encontro consonantal, os resultados deste estudo são semelhantes aos de estudos de internacionais3,5-7,11-12. Consoantes africadas são freqüentemente afetadas pelos erros dos apráxicos6-7, porém este achado refere-se aos falantes do Inglês, pois na Língua Portuguesa não há fonemas com este modo articulatório. Em relação à alta freqüência de ocorrência deste tipo de erro em consoantes líquidas, nossos achados estão de acordo com os resultados de uma pesquisa internacional estudada7, porém o fonema /λ / não aparece entre os fonemas mais freqüentemente produzidos com erro pelos sujeitos de outro estudo que descreveu os fonemas mais acometidos pelos erros de fala do apráxico3 e este foi o segundo fonema a apresentar maior porcentagem de erro em nosso estudo, mas justifica-se porque é pouco freqüente na língua portuguesa, o que pode aumentar a suscetibilidade ao erro2,16-17.

Quanto ao ponto articulatório dos fonemas apresentados na Tabela 1, observou-se o envolvimento da bilabial /b/ (6,9%), labiodental /v/ (5,2%), dentoalveolares /l/ (25,9%), /r/ (5,8%), palatais /λ / (20%), /3 / (12,2%) e // (5,5%) e velar /g/ (9,2%). Foram encontrados achados semelhantes na literatura internacional em relação aos fonemas dentais e palatais7. Considerando toda a literatura estudada, apenas um estudo mostrou que o /b/ é um dos fonemas com uma das maiores ocorrências de erros encontrados na avaliação destes indivíduos3, mas, em geral, os estudos internacionais referem que os fonemas bilabiais são mais facilmente produzidos em relação aos demais6,12,17. As palatais /λ / e /3 / também não aparecem na escala dos fonemas com maior porcentagem de erros do estudo que descreveu os fonemas mais freqüentemente acometidos pelos erros do apráxico3, diferentemente de nossos resultados.

Foi possível observar algumas semelhanças de nossos achados aos resultados de um estudo fonológico realizado na Língua Portuguesa com uma população com outra etiologia para o distúrbio de fala, o transtorno fonológico. Similarmente a este estudo18, nossos resultados mostram que houve maior ocorrência de substituições nos fonemas plosivos /g/ e /b/ e nos fricativos /3 /, // e /v/. Tal comparação foi realizada para verificar a interferência específica da língua nas alterações fonológicas, no entanto, sabemos que diferentes variáveis estão relacionadas ao transtorno fonológico em crianças, o que torna a comparação com a apraxia de fala tênue. Desta forma, considerou-se que as substituições presentes na fala das duas populações podem ter explicações distintas, uma vez que crianças com transtorno fonológico apresentam alteração na aquisição fonológica, que pode estar relacionada às dificuldades com a organização das regras fonológicas da língua, devido a uma dificuldade cognitivo-lingüística, com a percepção auditiva dos sons e/ou com a produção dos mesmos19. No entanto, pode-se hipotetizar que a dificuldade com tais fonemas, nos dois grupos, abranja um componente emissivo.

Quanto aos tipos de substituições que apareceram em cada fonema (Tabela 1), observou-se que os fonemas sonoros /b/, /g/, /v/ e /3 / foram mais frequentemente substituídos pelos surdos. Estudos na Língua Inglesa também descreveram a dessonorização como característica do quadro apráxico e referiram ser um dos erros mais apresentados pelos sujeitos7,10. Pacientes com apraxia de fala fazem mais erros em tarefas que requerem a coordenação de movimentos articulatórios complexos12. Estes resultados revelam que fonemas com traços marcados tendem a ser substituídos por fonemas não marcados, o que torna a produção menos complexa, diferente do estudo que diz que os fonemas com baixa complexidade tendem a ser substituídos por fonemas de alta complexidade, mais que o inverso20. O mesmo acontece com os fonemas /r/ em coda, que foi substituído preferencialmente pela semi vogal /y/, e /l/ em encontro consonantal, que foi 100% substituído pelo /r/.

Na Tabela 2, observou-se os fonemas mais omitidos. O encontro consonantal, tanto no fonema /r/ quanto no /l/, foi o mais acometido por este tipo de erro e este achado está de acordo com a literatura3,6-7,11, assim como o resultado de que no encontro consonantal ocorre mais erro do tipo omissão do que substituição7.

Apesar de encontrar algumas diferenças ao comparar os presentes resultados aos de estudos internacionais, várias semelhanças foram observadas, como: a menor ocorrência de erros em vogais que em consoantes4-5,9, maior freqüência de erros em consoantes fricativas e em encontros consonantais3,5-7,11-12; assim como em dentais e palatais7. Além disso, estudos descreveram a dessonorização como característica do quadro apráxico7,10 e referiram que há aumento dos erros articulatórios em estímulos menos freqüentes na produção da fala2,16-17. A literatura aborda que na apraxia de fala há inconsistência de erros3,8,21, apesar disso, um desses estudos referiu que também há consistência dependendo do fonema e da gravidade do quadro apráxico21. Outra característica do quadro freqüentemente descrita é a maior freqüência do erro do tipo substituição na fala destes indivíduos3,4,8-9,22. Estas manifestações mostram as características do distúrbio de fala abordado neste estudo que, conforme descrito anteriormente, referem-se à alteração da programação motora da fala1,16,23-24.

Conclusão

Apesar de terem sido observadas algumas semelhanças entre o padrão de erros de apráxicos falantes do Português e o de apráxicos falantes de outras línguas, verificou-se que os fonemas mais susceptíveis a serem produzidos de maneira errada pelo sujeito apráxico, falante do Português, não são coincidentes com o demonstrado em estudos internacionais. As principais diferenças observadas foram: os fonemas /b/, /λ / e /3 / foram altamente substituídos no presente estudo. Isto ocorre provavelmente devido aos aspectos fonéticofonológicos de cada língua, que possui corpus de fonemas, combinatórias e freqüências diferentes de uso.

Recebido em 25.03.2008.

Revisado em 22.07.2008; 27.01.2009; 30.03.2009.

Aceito para Publicação em 04.05.2009.

Artigo Original de Pesquisa

Artigo Submetido a Avaliação por Pares

Conflito de Interesse: não

  • 1. Darley FL. Nomenclature of expressive speech-language disorders. Paper presented to Academy of Aphasia meeting. Boston: Mass. 1969;(30).
  • 2. Ortiz KZ. Apraxia de Fala. In: Ortiz KZ, editor. Distúrbios Neurológicos Adquiridos: Fala e Deglutição. 1Ş ed. Ed. Manole, Barueri, SP. 2006;21-37.
  • 3. Johns D, Darley F. Phonemic variability of apraxia of speech. J Speech Hear Res. 1970;13:556-83.
  • 4. Darley FL, Aronson A, Brown JR. Motor Speech Disorders. Philadelphia: London, Toronto: Saunders; 1975.
  • 5. Canter GJ, Trost JE, Burns MS. Contrasting speech patterns in apraxia of speech and phonemic paraphasia. Brain Lang. 1985;24:204-22.
  • 6. Duffy J. Motor Speech Disorders. St. Louis: Mosby; 1995.
  • 7. Odell K, McNeil MR, Rosenbek JC, Hunter L. Perceptual characteristics of consonant production by apraxic speakers. J Speech Hear Res. 1990;55:345-59.
  • 8. Dronkers NF. A new brain region for coordinating speech articulation. Nature. 1996;384:159-61.
  • 9. Mcneil MR, Robin DA, Schmidt RA. Apraxia of speech: definition, differentiation, and treatment. In: Mcneil MR, ed. Clinical management of sensorimotor speech disorders. New York: Thieme. 1997;311-44.
  • 10. Croot K. Diagnosis of AOS: definition and criteria. Semin Speech Lang. 2002;23(4):267-79.
  • 11. Aichert I, Ziegler W. Syllable frequency and syllable structure in apraxia of speech. Brain Lang. 2004;88:148-59.
  • 12. Ogar J, Slama H, Dronkers N, Amici S, Gorno-Tempini ML. Clinical and anatomical correlates of apraxia of speech. Brain Lang. 2006;97(3):343-50.
  • 13. Martins FC, Ortiz KZ. Proposta de protocolo para avaliação da apraxia de fala. Fono Atual. 2004;30:53-61.
  • 14. Goodglass H, Kaplan EF. The Assessment of Aphasia and Related Disorders. 2Ş ed. Lea & Febiger, Philadelphia, PA, USA. 1983.
  • 15. Romani C, Olson A, Semenza C, Granà A. Patterns of phonological errors as a function of a phonological versus an articulatory locus of impairment. Cortex. 2002;38:541-67.
  • 16. Cholin J, Levelt WJ, Schiller NO. Effects of syllable frequency in speech production. Cognition. 2006;99(2):205-35.
  • 17. Balasubramanian V, Max L. Crossed apraxia of speech: a case report. Brain Cogn. 2004;55(2):240-6.
  • 18. Mota HB. Aquisição segmental do português: um modelo implicacional de complexidade de traços. Letras de Hoje. Porto Alegre. 1997;32(4):23-47.
  • 19. Wertzner HF, Pagan LO, Galea DES, Papp ACCS. Características fonológicas de crianças com transtorno fonológico com e sem histórico de otite média. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2007;12(1):34-40.
  • 20. Wolk L. Markedness analysis of consonant error productions in apraxia of speech. J Commun Disord. 1986;19(2):133-60.
  • 21. Shuster LI, Wambaugh JL. Token-to-token variability in adult apraxia of speech: A perceptual analysis. Aphasiology. 2008;22(6):655-69.
  • 22. Peach RK, Tonkovich JD. Phonemic characteristics of apraxia os speech resulting from subcortical hemorrhage. J Commun Disord. 2004;37:77-90.
  • 23. Robin DA, Jacks A, Hageman C, Clark HC, Woodworth G. Visuomotor tracking abilities of speakers with apraxia of speech or conduction aphasia. Brain Lang. In press 2008 jun.
  • 24. Maas E, Robin DA, Wright DL, Ballard KJ. Motor programming in apraxia of speech. Brain Lang. In press 2008 apr.

  • Endereço para correspondência:
    Rua Botucatu, 802
    São Paulo - SP CEP 04023-900
    (
  • *
    Trabalho Realizado no Departamento de Fonoaudiologia da Universidade Federal de São Paulo.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    20 Jul 2009
  • Data do Fascículo
    Jun 2009

Histórico

  • Recebido
    25 Mar 2008
  • Revisado
    30 Mar 2009
  • Aceito
    04 Maio 2009
Pró-Fono Produtos Especializados para Fonoaudiologia Ltda. Condomínio Alphaville Conde Comercial, Rua Gêmeos, 22, 06473-020 Barueri , São Paulo/SP, Tel.: (11) 4688-2220, Fax: (11) 4688-0147 - Barueri - SP - Brazil
E-mail: revista@profono.com.br