Accessibility / Report Error

Resultados perinatais adversos das gestações de adolescentes vs de mulheres em idade avançada na rede brasileira de saúde pública

Larissa de Lima Pessoa Veiga Micaely Cristina dos Santos Tenório Raphaela Costa Ferreira Marilene Brandão Tenório Sandra Mary Lima Vasconcelos Nassib Bezerra Bueno Alane Cabral Menezes de Oliveira Sobre os autores

Abstract

Objectives:

to compare the adverse perinatal outcomes in pregnancies of adolescents and elderly women of public health network.

Methods:

a cross-sectional study carried out with pregnant women at the extremes of reproductive age according to the classification of the Brazilian Ministry of Health (adolescents those aged ≤19 years and those who were older than 35 years) and their newborns. Socioeconomic data (income, schooling, occupation and marital status), as well as clinical (diseases), anthropometric (maternal BMI) and perinatal (gender, weight, length, Apgar and gestational age) data were collected, and Poisson regression in hierarchical model was performed, with the results in Ratio of Prevalence (PR) and its respective Confidence Interval at 95% (95% CI).

Results:

when comparing adolescent and elderly women, 38.7% vs 54.6% (PR=0.71, CI=0.54-0.94, p=0.002) were observed, respectively, cesarean deliveries; 37.8% vs 25.2% (PR=0.83, CI=0.58-1.19, p=0.332) preterm births; 16.6% vs 20.5% (RP=1.07, CI=0.78-1.46, p=0.666) births of small infants for gestational age (SGA); 18.0% vs 15.3% (RP=1.01, CI=0.69-1.47, p=0.948) births of large-for-gestational-age newborns (LGA); 32.2% vs 34.7% (RP=1.08, CI=0.82-1.42, p=0.578), low birth weight infants and 28.5% vs 42.9% (RP=1.18, CI=0.91-1.54, p=0.201) with high birth length.

Conclusions:

When compared with adolescent women, pregnant women of advanced age presented a higher frequency of cesarean deliveries.

Key words
Maternal age; Pregnancy complications; Pregnant women

Resumo

Objetivos:

comparar os resultados perinatais adversos em gestações de adolescentes e mulheres em idade avançada de rede pública de saúde.

Métodos:

estudo transversal realizado com gestantes nos extremos de idade reprodutiva segundo classificação do Ministério da Saúde do Brasil (adolescentes aquelas com idade ≤19 anos e em idade avançada aquelas com idade ≥35 anos) e seus recém-nascidos. Foram coletados dados socioeconômicos (renda, escolaridade, ocupação e situação conjugal), clínicos (presença de doenças), antropométricos (IMC materno) e perinatais (sexo, peso, comprimento, Apgar e idade gestacional), e realizada regressão de Poisson em modelo hie-rarquizado, com resultados em Razão de Prevalência (RP) e respectivo Intervalo de Confiança a 95% (IC95%).

Resultados:

quando comparadas gestantes adolescentes e aquelas em idade avançada, foram observados, respectivamente: 38,7% vs 54,6% (RP=0,71; IC=0,54-0,94; p=0,002) partos cesarianos; 37,8% vs 25,2% (RP=0,83; IC=0,58-1,19; p=0,332) nascimentos de pré-termos; 16,6% vs 20,5% (RP=1,07; IC=0,78-1,46; p=0,666) nascimentos de recém-nascidos pequenos para idade gestacional; 18,0% vs 15,3% (RP=1,01; IC=0,69-1,47; p=0,948) nascimentos de recém-nascidos grandes para a idade gestacional; 32,2% vs 34,7% (RP=1,08; IC=0,82-1,42; p=0,578)recém-nascidos com baixo peso ao nascer e28,5% vs 42,9% (RP=1,18; IC=0,91-1,54; p=0,201) com comprimento elevado ao nascer.

Conclusões:

as gestantes em idade avançada quando comparadas com as adolescentes apresentaram maior frequência de partos cesarianos.

Palavras-chave
Idade materna; Complicações na gravidez; Gestantes

Introdução

A gravidez nos extremos de idade reprodutiva tem aumentado consideravelmente em nível mundial.11 Karatasli V, Kanmaz AG, Inan AH, Budak A, Beyan E. Maternal and neonatal outcomes of adolescente pregnancy. Journal of Gynecology Obstetrics and Human Reproduction. 2019; 48 (5): 347-50. No Brasil, segundo dados do Sistema de Informação Sobre Nascidos Vivos para o ano de 2013,do total de nascidos, 19,2% foram de mães adolescentes e 11,0% de mulheres com 35 anos de idade ou mais.22 Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS - DATASUS. Informações de saúde. Nascidos vivos. 2015 [acesso em 30 jan 2018]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvrn.def
http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi....

As gestações nos extremos de idade reprodutiva podem elevar o risco gestacional devido a grande relação com resultados perinatais adversos neste período, como prematuridade, baixo peso ao nascer, anemia, sofrimento fetal agudo, hemorragia ante-parto, pré-eclâmpsia, diabetes gestacional, ruptura prematura de membranas, entre outros problemas.33 Leader J, Bajwa A, Lanes A, Hua X, Rennicks White R, Rybak N, Walker M. The Effect of Very Advanced Maternal Age on Maternal and Neonatal Outcomes: A Systematic Review. J Obstet Gynaecol Can. 2018; 40 (9): 1208-18.,44 Whitworth M, Cockerill R, Lamb H. Antenal management of teenage pregnancy. Obstetrics, Gynaecol Reprod Med. 2017; 27 (2): 50-6.

Adicionalmente, a redução da taxa de mortalidade materna e neonatal é uma das metas dos objetivos de desenvolvimento sustentável globais para o ano de 2030, onde o Brasil necessita avançar nesses indicadores, dando continuidade as metas atingidas pelo Desenvolvimento do Milênio até o ano de 2015 e atingir aquelas inacabadas.55 ONU (Organização das Nações Unidas). Nações Unidas no Brasil, 2017. [acesso em 30 jan 2018]. Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/
https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2...

Nesse contexto, considerando as repercussões que a gravidez nos extremos de idade reprodutiva propicia, faz-se necessário o desenvolvimento de mais estudos nessa temática a fim de fomentar mecanismos que contribuam para o planejamento de políticas públicas de saúde que orientem esta população na perspectiva de redução do risco materno e fetal.

Diante do exposto, o presente estudo tem por objetivo comparar os resultados perinatais adversos em gestações de adolescentes e de mulheres com idade avançada de rede pública de saúde.

Métodos

Estudo transversal realizado em uma maternidade escola localizada na cidade de Maceió, capital do estado de Alagoas - Brasil, no período de agosto de 2015 a julho de 2016 com gestantes nos extremos de idade reprodutiva classificadas segundoo Ministério da Saúde do Brasil(adolescentes aquelas com idade ≤19 anos e em idade avançada aquelas com idade ≥35 anos)66 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de Alto Risco. Manual Técnico. 5ª edição. Brasília, DF; 2012. e seus respectivos recém-nascidos (RN), sendo elegíveis aquelas portadoras de feto único, e excluídas aquelas em estado geral grave, em trabalho de parto e com problemas neurológicos.

A seleção das participantes do estudo foi feita de forma aleatória, a partir da identificação em livro de registros do posto de enfermagem localizado na própria maternidade do hospital. Em seguida, os entrevistadores, estudantes de graduação em nutrição previamente treinados, dirigiam-se aos leitos e, após explicação e convite para participação na pesquisa, procediam com a aplicação de um questionário próprio, contendo dados socioeconômicos, de pré-natal, clínicos, antropométricos e perinatais.

Quanto aos dados socioeconômicos, as gestantes foram classificadas quanto a renda familiar (<1 salário mínimo/ mês/ ≥1 salário mínimo/ mês; valor vigente no ano em que foi realizada a coleta dos dados);7 pelo grau de escolaridade (≤4 anos de estudo/ >4 anos de estudo, considerando a estratificação para analfabeto funcional); ocupação (do lar/ trabalha fora do lar) e segundo a situação conjugal (viver com o cônjuge/ não viver com cônjuge).

Quanto aos dados de pré-natal, foram avaliados: tempo de início (1º trimestre/ 2º ou 3º trimestre) e quantidade de consultas (<6 consultas/ ≥6 consultas) segundo o Ministério da Saúde do Brasil.66 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de Alto Risco. Manual Técnico. 5ª edição. Brasília, DF; 2012.

Para os dados clínicos, as gestantes eram questionadas em relação à presença de doenças, como hipertensão, diabetes, doença renal, entre outras. Além disso, a medida da pressão arterial foi realizada no momento da aplicação do questionário da pesquisa com o auxílio do aparelho da marca Omron 705 CP, São Paulo, Brasil, seguindo as recomendações da Sociedade Brasileira de Hipertensão Arterial.88 Malachias MVB, Souza WKSB, Plavnik FL, Rodrigues CIS, Brandão AA, Neves MFT, et al. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. 2016; 107 (Supl.3): 1-83. E a avaliação da frequência de anemia foi feita a partir da coleta dos valores de hemoglobina em prontuário e posterior classificação segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS),99 WHO (World Health Organization). Worldwide prevalence of anaemia 1993-2005: WHO global database on anaemia. Edited by Benoist B, McLean E, Egli I, Cogswell M. Geneva; 2008. p.40. considerando valores abaixo de 11,0 g/dL.

Para avaliação antropométrica foram coletados peso e altura das gestantes com o auxílio de balança digital Filizola® e estadiômetro fixo da balança, São Paulo, Brasil, respectivamente, seguindo metodo-logia descrita pelo Ministério da Saúde do Brasil e pontos de corte estabelecidos por Atalah Samur et al.1010 Atalah SE, Castillo C, Castro R, Aldea PA. Proposal of a new standard for the nutritional assessment of pregnant women. Rev Med Chil. 1997, 125 (12): 1429-36. para classificação do Índice de Massa Corporal (IMC). Também foi calculado o IMC pré-gestacional para estabelecimento da meta ponderal gestacional segundo o Instituto de Medicina dos Estados Unidos (IOM).1111 IOM (Institute Of Medicine), NRC (National Research Council). Weight gain during pregnancy: Reexamining the guidelines. Washington, DC: The National Academics Press; 2009.

Após o parto, foram coletados em prontuário dados dos RN como: sexo, via de parto, idade gestacional (IG), peso e comprimento ao nascer, e índice de Apgar nos 1° e 5° minutos de vida, sendo classificados: (1) pela IG: IG <37 semanas: RN pré-termo (RNPT); IG entre 37 e 42 semanas: RN de termo (RNT) e IG ≥42 semanas: RN pós-termo;1212 WHO (World Health Organization). Public health aspects of low birth weight: third report of the Expert Committee on Maternal and Child Health. Geneva 21 to 26 November; 1960. (Technical Report Series no.217). (2) pelo peso e comprimento ao nascer, que foram avaliados através da utilização das novas curvas INTERGROWTH-21st,1313 Villar J, Ismail LC, Victora CG, Ohuma EO, Bertino E, Altman DG, Lambert A, Papageorghiou AT, Carvalho M, Jaffer YA, Gravett MG, Purwar M, Frederick IO, Noble AJ, Pang R, Barros FC, Chumlea C, Bhutta ZA, Kennedy SH, International Fetal and Newborn Growth Consortium for the 21st Century (INTERGROWTH-21st). International standards for newborns weight, length, and head circumference by gestational age and sex: the Newborns Cross-Sectional Study of the INTERGROWTH-21st Project. The Lancet. 2014; 384 (9946): 857-68. considerados os pontos de corte em percentis de acordo com os padrões internacionais, onde aqueles com peso abaixo do percentil 10 foram classificados como pequenos para a idade gestacional (PIG), entre os percentis 10 e 90 classificados como adequados para a idade gestacional (AIG) e os com peso superior ao percentil 90 grandes para a idade gestacional (GIG), bem como através da classificação utilizada pela OMS1414 Puffer RR, Serrano CV. Patterns of birthweights. Washington DC: Pan American Health Organization; 1987. que classifica os RN com baixo peso ao nascer: <2500g, peso adequado: 2500g a <4000g, e macrossomia fetal: ≥4000g, e (3) pelo índice de Apgar nos 1º e 5º minutos de vida, considerando que valores ≤6 para ambos os minutos são caracterizados como risco para o RN.1515 AAP (American Academy of Pediatrics), Committee on Fetus and Newborn, American College of Obstetricians and Gynecologists and Committee on Obstetric Practice. The Apgar Score. Pediatrics. 2006; 117 (4): 1444-7.

Todas as análises estatísticas foram realizadas com programa Stata versão 13.0. Foi utilizada regressão de Poisson com estimativa robusta da variância em modelo hierarquizado, onde para isso, primeiramente foram realizadas análises univariadas onde as variáveis independentes que apresentaram associação estatística com p<0,20 foram selecionadas para compor o modelo de regressão multivariada. As variáveis do primeiro nível hierarquizado (nível distal) foram analisadas conjuntamente, e as variáveis com significância maior ou igual a 20% foram excluídas progressivamente. Em seguida, as variáveis do segundo nível hierarquizado (nível intermediário) foram adicionadas ao modelo e procedeu-se da mesma maneira, com exclusão progressiva das variáveis desse nível com valor de p≥0,20. Dessa forma, todos os níveis hierarquizados foram analisados. Para controle de possíveis fatores de confundimento, as variáveis com valores de p<0,20 foram mantidas nos modelos em cada nível hierarquizado.

A magnitude das associações entre as variáveis estudadas e as variáveis independentes foram expressas em Razão de prevalência (RP) e seus respectivos intervalos de confiança de 95% (IC95%), considerando-se significativo o valor p<0,05.

Para calcular o poder estatístico (1 - beta) alcan-çado com a amostra utilizada, considerou-se um valor de alfa igual a 5% e a razão de prevalência entre grupos da variável nascimento pré-termo, considerada a variável primária do estudo. Utilizou-se o programa estatístico GPower v3.1.9.4 (Universitat Dusseldorf, Alemanha).

O presente estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade Federal de Alagoas com parecer de nº 1.073.200.

Resultados

Foram estudadas 217 gestantes adolescentes e 99 gestantes em idade avançada com médias de idade de 16,49 ± 1,8 anos e 38,20 ± 2,52 anos, respectivamente.

Quanto à condição socioeconômica, de pré-natal, clínicas e de estado nutricional (tabela 1), as mulheres com idade avançada tinham maior frequência de baixa escolaridade (11,5% vs 25,8%; RP=1,51; p=0,010); fizeram menos de 6 consultas de pré-natal (72,1% vs 98,0%; RP=0,05; p=0,002) e apresentavam maior frequência de doenças como: hipertensão gestacional, diabetes mellitus e cardiopatia (10,1% vs 26,2%; RP=1,55; p=0,010). As adolescentes que tinham: maior frequência de ocupação do lar (95,0% vs 68,7%; RP=2,15; p<0,001); ausência de união estável (24,9% vs 4,0%; RP=3,58; p=0,01) e de baixo peso (37,3% vs 4,0%; RP=0,22; p=0,020).

Tabela 1
Prevalência de fatores associados a gestações adolescentes vs idade avançada segundo modelo hierarquizado. Maceió, Alagoas, 2014.

Quanto aos resultados perinatais (tabela 2), quando comparadas gestantes adolescentes e em idade avançada, foram observados, respectivamente: 38,7% vs 54,6% (RP=0,71; p=0,002) partos cesarianos; 37,8% vs 25,2% (RP=0,83; p=0,332) e 0,0% vs 1,0% (RP=3,64; p=0,014) nascimentos de pré-termos e pós-termos, respectivamente; 16,6% vs 20,5% (RP=1,07; p=0,666) nascimentos de recém-nascidos PIG; 18,0% vs 15,3% (RP=1,01; p=0,948) nascimentos de recém-nascidos GIG; 32,2% vs 34,7% (RP=1,08; p=0,578) recém-nascidos com baixo peso ao nascer e 28,5% vs 42,9% (RP=1,18; p=0,201) com comprimento elevado ao nascer.

Tabela 2
Resultados perinatais de gestações adolescentes vs idade avançada.Maceió, Alagoas, 2014.

Considerando a amostra de 217 gestantes adolescentes e 99 gestantes em idade avançada, a RP neste estudo de 0,83 para nascimentos pré-termos e um alfa de 5%, o poder estatístico (1 - beta) encontrado foi de 55,6%.

Discussão

A análise dos resultados perinatais adversos em gestações adolescenteseem idade avançada é de extrema importância para a determinação de estratégias que visam a prevenir e/ou amenizar tais complicações, objetivando melhorar a saúde materno-infantil, destacando-se o avanço dos indicadores dos objetivos do desenvolvimento sustentável globais relacionados a este público.1616 Brasil. Secretaria de Governo da Presidência da República. Ministério do Planejamento, desenvolvimento e gestão. Relatório nacional voluntário sobre os objetivos de desenvolvimento sustentável. Brasília, DF; 2017. p.1-43. [acesso em 7 abril de 2019]. Disponível em: https://sustainabledevelopment.un.org/content/documents/15801Brazil_Portuguese.pdf
https://sustainabledevelopment.un.org/co...

Inicialmente, é importante observar o perfil socioeconômico e de pré-natal das gestantes, ondeboa parte das adolescentes “era do lar” e uma parcela significativa não apresentava união estável quando comparadas àquelas com idade avançada. Por outro lado, estas últimas, tinham maior frequência de baixa escolaridade do que as adolescentes.

Nesse contexto, em estudo realizado com gestantes em idade avançada em um serviço de saúde municipal do estado da Bahia1717 Rocha LFA, Oliveira ZM, Teixeira JRB, Moreira RM, Dias RB. Significados nas representações de mulheres que engravidaram após os 35 anos de idade. Rev Enferm UFPE online. 2014; 8 (1): 30-6. foi observado que mais da metade delas possuía ocupação do lar, tinha escolaridade nos anos iniciais do ensino fundamental, e cerca de 1/3 apresentava ensino médio completo. Por outro lado, estudo realizado em Curitiba com gestantes adolescentes apontou que a maior parte delas era solteira - um dado preocupante - por reforçar que muitas vezes essas mulheres são abandonadas por seus companheiros e enfrentam a gravidez sozinhas,1818 Taborda JA, Silva FC, Ulbricht L, Neves EB. Consequences of teenage pregnancy for girls considering the socioeconomic differences between them. Cad Saúde Colet. 2014; 22 (1): 16-24. onde a presença do compa-nheiro é de fundamental importância para a gestante adolescente, já que é capaz de reduzir os riscos físicos e psicológicos, além de promover maior bem estar à saúde do binômio mãe-filho.

Quanto aos cuidados no período do pré-natal, assemelhando-se aos resultados desta pesquisa, em estudo realizado no Paraná apenas 69,4% das gestantes com idade avançada realizaram seis ou mais consultas, e entre as adolescentes a frequência foi ainda menor (49,4%).1919 Sass A, Gravena AAF, Pelloso SM, Marcon SS. Resultados perinatais nos extremos da vida reprodutiva e fatores associados ao baixo peso ao nascer. Rev Gaúcha Enferm. 2011; 32 (2): 352-8. A literatura indica a importância do pré-natal como determinante de uma adequada evolução gestacional, sendo crucial para redução de riscos inerentes à idade e para as complicações obstétricas e neonatais. Ademais, o número mínimo de seis consultas preconizado pelo Ministério da Saúde assegura a realização de intervenções específicas e a identificação de situações de risco, especialmente no final da gestação.66 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de Alto Risco. Manual Técnico. 5ª edição. Brasília, DF; 2012.

No que concerne aos resultados perinatais adversos neste estudo, nota-se primeiramente elevada frequência da via de parto cesariana nas gestantes com idade avançada (54,6%), devendo-se considerar ademais que a OMS estabelece uma prevalência máxima de 15,0% de partos por esta via.2020 OMS (Organização Mundial de Saúde). Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas. [acesso em 20 de jan de 2018]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/161442/3/WHO_RHR_15.02_por.pdf
http://apps.who.int/iris/bitstream/10665...
Também já foi evidenciado que, similarmente ao encontrado nesta pesquisa, mulheres em idade avançada possuem maior probabilidade de terem parto cesariano quando comparadas àquelas mais jovens.2121 Madeiro A, Rufino AC, Santos AO. Partos cesáreos no Piauí: tendência e fatores associados no período 2000-2011. Epidemiol Serv Saúde. 2017; 26 (1): 81-90. Este achado pode ser justificado pela alta incidência de fatores de risco aqui verificada, (maior frequência de doenças nas gestantes em idade avançada quando comparada com as adolescentes), transtornos no trabalho de parto e complicações obstétricas e fetais com o avançar da idade.2222 Almeida NKO, Almeida RM, Pedreira CE. Resultados perinatais adversos em mulheres com idade materna avançada: estudo transversal com nascimentos brasileiros. J Pediatr (Rio J). 2015; 91 (5): 493-8.

Ademais, no presente estudo foi observada elevada frequência de nascimentos pré-termo em ambos os grupos de gestantes quando comparadas com dados do Brasil onde, de todos os nascidos vivos no ano de 2015, 10,78% foram prematuros.2424 Brasil. Ministério da saúde. DATASUS Tecnologia da Informação a Serviço do SUS; 2015. Brasília, DF. [acesso em 29 mar 2018]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvuf.def
http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi....
De forma contrária, em estudo transnacional2323 Ganchimeg T, Ota E, Morisaki N, Laopaiboon M, Lumbiganon P, Zhang J, Yamdamsuren B, Temmerman M, Say L, Tunçalp Ö, Vogel JP, Souza JP, Mori R, WHO Multicountry Survey on Maternal Newborn Health Research Network. Pregnancy and childbirth outcomes among adolescent mothers: a World Health Organization multicountry study. BJOG. 2014; 121 (Suppl 1): 40-8. realizado em 29 países foi encontrada maior ocorrência de parto pré-termo no grupo adolescente.

Quanto aos desvios ponderais ao nascer nesse estudo, foram observadas elevadas frequências de nascimentos de recém-nascidos PIG, GIG e com baixo peso ao nascer em ambos os grupos estudados, sem diferença significativa quando comparados.

Nesse contexto, de forma semelhante, em pesquisa realizada em maternidade pública terciária de São Paulo2525 Teixeira C, Parca M, Queiroga R, Peloso T, Anjos Mesquita MD. Frequência e fatores de risco para o nascimento de recém-nascidos pequenos para idade gestacional em maternidade pública. Einstein. 2016; 14 (3): 317-23. não foi encontrada relação significativa entre idade materna e nascimentos de RN PIG. Alguns autores relatam que o nascimento de PIG na gestação de adolescentes se justificaria pela imaturidade física, e na idade avançada, pelas lesões escleróticas nas artérias miometriais.2626 Filho ACN, Leite AJM, Bruno ZV, Filho JGB, Silva CF. Gravidez na adolescência e baixo peso ao nascer: existe associação?. Rev Paul Pediatr. 2011; 29 (4): 489-94.

Por outro lado, a prevalência de GIG encontrada no presente estudo, elevada em ambos os grupos, está superior à detectada por outros autores (3,4% e 7,3%)2727 Magalhães MLC, Furtado FM, Nogueira MB, Carvalho FHC, Almeida FML, Mattar R, Camano L. Gestação na adolescência precoce e tardia: há diferença nos riscos obstétricos? Rev Bras Ginecol Obstet. 2006; 28 (8): 446-52. o que pode ser justificado pelas alterações nos padrões dietéticos e nutricionais da população global, tendo como consequências o aumento nos índices de sobrepeso, obesidade, doenças crônicas não transmissíveis, levando ainda a uma mudança no padrão de distribuição das morbi-mortalidades da população.2828 Jaacks LM, Vandevijvere S, Pan A, McGowan CJ, Wallace C, Imamura F, Mozaffarian D, Swinburn B, Ezzati M. The obesity transitions: stages of global epidemic. The Lancet. 2019; 7 (3): 231-40. Adicionalmente, a longo prazo, recém-nascidos GIG são mais propensos a desenvolverem obesidade infantil e, quando adultos, síndrome metabólica, onde o cenário intrauterino refletido pelo peso ao nascer pode ser um determinante para o estado nutricional futuro da criança.2929 Meller FDO, Araújo CLP, Madruga SW. Fatores associados ao excesso de peso em crianças brasileiras menores de cinco anos. Ciênc Saúde Colet. 2014; 19 (3): 943-55.

Por fim, apesar dos resultados perinatais adversos apresentados, a maioria dos RN deste estudo apresentou boa vitalidade ao nascer de acordo com os valores de Apgar nos 1º e 5º minutos de vida. Muniz et al.3030 Muniz EB, Vasconcelos BB, Pereira NA, Frota RG, Moraes CEB, Oliveira MAS. Análise do boletim de Apgar em dados do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos registrados em um hospital do interior do estado do Ceará, Brasil. Rev Med Saúde Brasília. 2016; 5 (2): 182-91., avaliando a vitalidade do RN, através do índice de Apgar em um hospital no Ceará, através de dados do sistema de informação sobre nascidos vivos, encontraram maiores valores de Apgar (8-10) entre mulheres na faixa etária de 20-29 anos, com parto a termo, bem como naquelas que realizaram maior número de consultas de pré-natal.

Assim, os resultados deste estudo sugerem a necessidade de adoção de medidas que permitam uma melhor qualidade na assistência as gestantes com o objetivo de minimizar os possíveis fatores adversos resultantes de gestações nos extremos de idade reprodutiva.

Como limitações desta pesquisa, destaca-se o tipo de estudo, transversal bem como a seleção e a procedência da amostra, dificultando assim a extra-polação dos resultados para toda a capital do estado de Alagoas.

Neste estudo, as gestantes em idade avançada, quando comparadas com as gestantes adolescentes, apresentaram maior frequência de partos cesarianos.

Assim, a detecção precoce de desfechos desfavoráveis na gestação e a realização adequada do pré-natal devem ser incentivadas e priorizadas pelos órgãos de saúde pública, visando à adoção de medidas preventivas contra os desfechos adversos destas gestações, incluindo programas com ações multiprofissionais nas unidades de saúde. Igualmente é relevante uma maior interação destes com os agentes comunitários, favorecendo uma assistência integral a estas mulheres, e com isso, amenizando desfechos desfavoráveis de gestações nos extremos de idade reprodutiva.

Referências bibliográficas

  • 1
    Karatasli V, Kanmaz AG, Inan AH, Budak A, Beyan E. Maternal and neonatal outcomes of adolescente pregnancy. Journal of Gynecology Obstetrics and Human Reproduction. 2019; 48 (5): 347-50.
  • 2
    Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS - DATASUS. Informações de saúde. Nascidos vivos. 2015 [acesso em 30 jan 2018]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvrn.def
    » http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvrn.def
  • 3
    Leader J, Bajwa A, Lanes A, Hua X, Rennicks White R, Rybak N, Walker M. The Effect of Very Advanced Maternal Age on Maternal and Neonatal Outcomes: A Systematic Review. J Obstet Gynaecol Can. 2018; 40 (9): 1208-18.
  • 4
    Whitworth M, Cockerill R, Lamb H. Antenal management of teenage pregnancy. Obstetrics, Gynaecol Reprod Med. 2017; 27 (2): 50-6.
  • 5
    ONU (Organização das Nações Unidas). Nações Unidas no Brasil, 2017. [acesso em 30 jan 2018]. Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/
    » https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/
  • 6
    Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de Alto Risco. Manual Técnico. 5ª edição. Brasília, DF; 2012.
  • 7
    Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Decreto nº 8.166 DE 23.12.2013. [acesso em 05 nov 2017]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Decreto/D8166.htm
    » http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Decreto/D8166.htm
  • 8
    Malachias MVB, Souza WKSB, Plavnik FL, Rodrigues CIS, Brandão AA, Neves MFT, et al. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. 2016; 107 (Supl.3): 1-83.
  • 9
    WHO (World Health Organization). Worldwide prevalence of anaemia 1993-2005: WHO global database on anaemia. Edited by Benoist B, McLean E, Egli I, Cogswell M. Geneva; 2008. p.40.
  • 10
    Atalah SE, Castillo C, Castro R, Aldea PA. Proposal of a new standard for the nutritional assessment of pregnant women. Rev Med Chil. 1997, 125 (12): 1429-36.
  • 11
    IOM (Institute Of Medicine), NRC (National Research Council). Weight gain during pregnancy: Reexamining the guidelines. Washington, DC: The National Academics Press; 2009.
  • 12
    WHO (World Health Organization). Public health aspects of low birth weight: third report of the Expert Committee on Maternal and Child Health. Geneva 21 to 26 November; 1960. (Technical Report Series no.217).
  • 13
    Villar J, Ismail LC, Victora CG, Ohuma EO, Bertino E, Altman DG, Lambert A, Papageorghiou AT, Carvalho M, Jaffer YA, Gravett MG, Purwar M, Frederick IO, Noble AJ, Pang R, Barros FC, Chumlea C, Bhutta ZA, Kennedy SH, International Fetal and Newborn Growth Consortium for the 21st Century (INTERGROWTH-21st). International standards for newborns weight, length, and head circumference by gestational age and sex: the Newborns Cross-Sectional Study of the INTERGROWTH-21st Project. The Lancet. 2014; 384 (9946): 857-68.
  • 14
    Puffer RR, Serrano CV. Patterns of birthweights. Washington DC: Pan American Health Organization; 1987.
  • 15
    AAP (American Academy of Pediatrics), Committee on Fetus and Newborn, American College of Obstetricians and Gynecologists and Committee on Obstetric Practice. The Apgar Score. Pediatrics. 2006; 117 (4): 1444-7.
  • 16
    Brasil. Secretaria de Governo da Presidência da República. Ministério do Planejamento, desenvolvimento e gestão. Relatório nacional voluntário sobre os objetivos de desenvolvimento sustentável. Brasília, DF; 2017. p.1-43. [acesso em 7 abril de 2019]. Disponível em: https://sustainabledevelopment.un.org/content/documents/15801Brazil_Portuguese.pdf
    » https://sustainabledevelopment.un.org/content/documents/15801Brazil_Portuguese.pdf
  • 17
    Rocha LFA, Oliveira ZM, Teixeira JRB, Moreira RM, Dias RB. Significados nas representações de mulheres que engravidaram após os 35 anos de idade. Rev Enferm UFPE online. 2014; 8 (1): 30-6.
  • 18
    Taborda JA, Silva FC, Ulbricht L, Neves EB. Consequences of teenage pregnancy for girls considering the socioeconomic differences between them. Cad Saúde Colet. 2014; 22 (1): 16-24.
  • 19
    Sass A, Gravena AAF, Pelloso SM, Marcon SS. Resultados perinatais nos extremos da vida reprodutiva e fatores associados ao baixo peso ao nascer. Rev Gaúcha Enferm. 2011; 32 (2): 352-8.
  • 20
    OMS (Organização Mundial de Saúde). Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas. [acesso em 20 de jan de 2018]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/161442/3/WHO_RHR_15.02_por.pdf
    » http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/161442/3/WHO_RHR_15.02_por.pdf
  • 21
    Madeiro A, Rufino AC, Santos AO. Partos cesáreos no Piauí: tendência e fatores associados no período 2000-2011. Epidemiol Serv Saúde. 2017; 26 (1): 81-90.
  • 22
    Almeida NKO, Almeida RM, Pedreira CE. Resultados perinatais adversos em mulheres com idade materna avançada: estudo transversal com nascimentos brasileiros. J Pediatr (Rio J). 2015; 91 (5): 493-8.
  • 23
    Ganchimeg T, Ota E, Morisaki N, Laopaiboon M, Lumbiganon P, Zhang J, Yamdamsuren B, Temmerman M, Say L, Tunçalp Ö, Vogel JP, Souza JP, Mori R, WHO Multicountry Survey on Maternal Newborn Health Research Network. Pregnancy and childbirth outcomes among adolescent mothers: a World Health Organization multicountry study. BJOG. 2014; 121 (Suppl 1): 40-8.
  • 24
    Brasil. Ministério da saúde. DATASUS Tecnologia da Informação a Serviço do SUS; 2015. Brasília, DF. [acesso em 29 mar 2018]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvuf.def
    » http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvuf.def
  • 25
    Teixeira C, Parca M, Queiroga R, Peloso T, Anjos Mesquita MD. Frequência e fatores de risco para o nascimento de recém-nascidos pequenos para idade gestacional em maternidade pública. Einstein. 2016; 14 (3): 317-23.
  • 26
    Filho ACN, Leite AJM, Bruno ZV, Filho JGB, Silva CF. Gravidez na adolescência e baixo peso ao nascer: existe associação?. Rev Paul Pediatr. 2011; 29 (4): 489-94.
  • 27
    Magalhães MLC, Furtado FM, Nogueira MB, Carvalho FHC, Almeida FML, Mattar R, Camano L. Gestação na adolescência precoce e tardia: há diferença nos riscos obstétricos? Rev Bras Ginecol Obstet. 2006; 28 (8): 446-52.
  • 28
    Jaacks LM, Vandevijvere S, Pan A, McGowan CJ, Wallace C, Imamura F, Mozaffarian D, Swinburn B, Ezzati M. The obesity transitions: stages of global epidemic. The Lancet. 2019; 7 (3): 231-40.
  • 29
    Meller FDO, Araújo CLP, Madruga SW. Fatores associados ao excesso de peso em crianças brasileiras menores de cinco anos. Ciênc Saúde Colet. 2014; 19 (3): 943-55.
  • 30
    Muniz EB, Vasconcelos BB, Pereira NA, Frota RG, Moraes CEB, Oliveira MAS. Análise do boletim de Apgar em dados do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos registrados em um hospital do interior do estado do Ceará, Brasil. Rev Med Saúde Brasília. 2016; 5 (2): 182-91.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    16 Set 2019
  • Data do Fascículo
    Jul-Sep 2019

Histórico

  • Recebido
    10 Out 2018
  • Revisado
    29 Abr 2019
  • Aceito
    20 Jun 2019
Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira Rua dos Coelhos, 300. Boa Vista, 50070-550 Recife PE Brasil, Tel./Fax: +55 81 2122-4141 - Recife - PR - Brazil
E-mail: revista@imip.org.br