Accessibility / Report Error

Variabilidade e herdabilidade de caracteres qualitativos relacionados à qualidade de forragem de clones de capim-elefante na Zona da Mata de Pernambuco

Variability and heritability of qualitative traits related to forage quality of Pennisetum clones in Zona da Mata in Pernambuco

Resumos

Objetivou-se avaliar a variabilidade e herdabilidade de caracteres quantitativos relacionados à qualidade de forragem de 32 clones de capim-elefante (três testemunhas locais, da Zona da Mata de Pernambuco, e os demais provenientes da RENACE/CNPGL). Utilizou-se delineamento inteiramente casualizado com testemunhas adicionais e aplicou-se a análise de variância por meio do procedimento de famílias com testemunhas intercalares. A avaliação foi realizada no período seco, aos 60 dias de crescimento. Foram observadas diferenças significativas entre os clones para as características fibra em detergente ácido de lâmina foliar e matéria orgânica no colmo, com médias de 34,05 e 78,83%, respectivamente. De maneira geral, a herdabilidade dos caracteres qualitativos foi baixa, inclusive com valores nulos para proteína bruta e fibra em detergente neutro de lâmina foliar e digestibilidade in vitro da MS da lâmina e do colmo. A composição química e a digestibilidade dos clones avaliados foram similares. Há poucas possibilidades de ganho na seleção de caracteres qualitativos, tendo em vista a baixa variabilidade e herdabilidade dos caracteres estudados.

colmo; digestibilidade; fibra; folha; Pennisetum purpureum


The objective of this research was to evaluate variability and heritability of quantitative traits related to forage quality of 32 clones of elephant grass (three local controls, from Zona da Mata de Pernambuco, and the remaining from RENACE/CNPGL). A complete randomized design was used with additional controls and analyses of variance was applied by using the procedure of families with controls between rows. Evaluation was performed during the dry period, at 60 days of growth. It was observed significant differences among clones for the traits acid detergent of leaf blade and stem organic matter, with means of 34.05 and 78.83%, respectively. In general, heritability of qualitative traits was low, including null values for crude protein and neutral detergent fiber of leaf blade and in vitro digestibility of dry matter of leaf blade and stem. Chemical composition and digestibility of evaluated clones were similar. There are few possibilities of gain in selection for qualitative traits considering the low variability and heritability of the studied characters.

digestibility; fiber; leaf; Pennisetum purpureum; stem


FORRAGICULTURA

Variabilidade e herdabilidade de caracteres qualitativos relacionados à qualidade de forragem de clones de capim-elefante na Zona da Mata de Pernambuco1 1 Financiado parcialmente pela EMBRAPA-IPA e realizado pelo Convênio IPA-UFRPE

Variability and heritability of qualitative traits related to forage quality of Pennisetum clones in Zona da Mata in Pernambuco

Antônio Luiz Cordeiro da SilvaI; Mércia Virginia Ferreira dos SantosII,V; Rinaldo Luiz Caraciolo FerreiraIV,V; José Carlos Batista Dubeux JúniorII,IV; Mario de Andrade LiraIII,V; Márcio Vieira da CunhaVI; Antonio Vander PereiraVII; Gherman Garcia Leal de AraújoVII

IEscola Agricola de Vitória de Santo Antão, estudante de Pós-graduação da UFRPE

IIDepartamento de Zootecnia-UFRPE

IIIPesquisador do IPA

IVDepartamento de Ciência Florestal-UFRPE

VBolsista do CNPq

VIUnidade Acadêmica de Serra Talhada-UFRPE

VIIEMBRAPA

RESUMO

Objetivou-se avaliar a variabilidade e herdabilidade de caracteres quantitativos relacionados à qualidade de forragem de 32 clones de capim-elefante (três testemunhas locais, da Zona da Mata de Pernambuco, e os demais provenientes da RENACE/CNPGL). Utilizou-se delineamento inteiramente casualizado com testemunhas adicionais e aplicou-se a análise de variância por meio do procedimento de famílias com testemunhas intercalares. A avaliação foi realizada no período seco, aos 60 dias de crescimento. Foram observadas diferenças significativas entre os clones para as características fibra em detergente ácido de lâmina foliar e matéria orgânica no colmo, com médias de 34,05 e 78,83%, respectivamente. De maneira geral, a herdabilidade dos caracteres qualitativos foi baixa, inclusive com valores nulos para proteína bruta e fibra em detergente neutro de lâmina foliar e digestibilidade in vitro da MS da lâmina e do colmo. A composição química e a digestibilidade dos clones avaliados foram similares. Há poucas possibilidades de ganho na seleção de caracteres qualitativos, tendo em vista a baixa variabilidade e herdabilidade dos caracteres estudados.

Palavras-chave: colmo, digestibilidade, fibra, folha, Pennisetum purpureum

ABSTRACT

The objective of this research was to evaluate variability and heritability of quantitative traits related to forage quality of 32 clones of elephant grass (three local controls, from Zona da Mata de Pernambuco, and the remaining from RENACE/CNPGL). A complete randomized design was used with additional controls and analyses of variance was applied by using the procedure of families with controls between rows. Evaluation was performed during the dry period, at 60 days of growth. It was observed significant differences among clones for the traits acid detergent of leaf blade and stem organic matter, with means of 34.05 and 78.83%, respectively. In general, heritability of qualitative traits was low, including null values for crude protein and neutral detergent fiber of leaf blade and in vitro digestibility of dry matter of leaf blade and stem. Chemical composition and digestibility of evaluated clones were similar. There are few possibilities of gain in selection for qualitative traits considering the low variability and heritability of the studied characters.

Key Words: digestibility, fiber, leaf, Pennisetum purpureum, stem

Introdução

As plantas forrageiras desempenham papel preponderante nos sistemas de produção bovina, fontes primárias de energia para crescimento, manutenção e produção de animais ruminantes. Entre as forrageiras, as gramíneas têm grande diversidade genética, portanto maior variabilidade adaptativa a diferentes temperaturas e regimes de pluviosidade em comparação a qualquer outra família de angiospermas (Nelson & Moser, 1994).

O Pennisetum purpureum Schum é uma gramínea de origem tropical que se destaca por sua adaptação a uma grande diversidade de ambientes (Kollet et al., 2006) e caracteriza-se por elevada quantidade de matéria seca produzida por unidade de área (Santos et al., 2010). Tem sido bastante estudada com o intuito de selecionar genótipos superiores aos atualmente cultivados, adaptados a cada realidade ambiental do país (Mello et al., 2006).

Segundo Kozloski et al. (2003), a principal limitação à produção animal nos trópicos é a baixa qualidade da maioria das gramíneas tropicais. Programas de melhoramento vegetal têm desenvolvido cultivares altamente produtivos, no entanto, o desempenho animal sob muitos desses materiais tem sido baixo (Macoon et al., 2002). Dessa forma, o conhecimento da qualidade de clones de Pennisetum é importante para fornecer subsídios para seleção genética de materiais superiores e contribuir à otimização da alimentação animal (Queiroz et al., 2000). A seleção de genitores para os programas de melhoramento e o manejo da variabilidade nos bancos de germoplasma dependem da disponibilidade de informações precisas sobre o grau de divergência genética entre os acessos (Pereira et al., 2008).

De acordo com Pereira et al. (2000), a qualidade da espécie forrageira pode variar entre espécies e cultivares, em função dos efeitos genéticos, ambientais e da interação desses fatores, e o conhecimento da variabilidade de caracteres qualitativos pode orientar, de acordo com o interesse de utilização, na escolha do clone, uma vez que quanto maior a proporção das causas genéticas na variabilidade, maiores a herdabilidade e o ganho esperado.

Conhecer a relação entre caracteres utilizados no melhoramento da espécie de interesse é fundamental, uma vez que se objetivam ganhos não apenas para um único caráter, mas para um conjunto deles (Daher et al., 2004). Além disso, a combinação de caracteres na planta pode ser necessária para distinguir acuradamente acessos dentro das coleções de germoplasma (Steiner & Santos, 2001).

Assim, objetivou-se com este trabalho avaliar a variabilidade e herdabilidade de caracteres quantitativos relacionados à qualidade de forragem de clones de capimelefante na Zona da Mata de Pernambuco.

Material e Métodos

O experimento foi realizado na Estação Experimental de ltambé, Pernambuco, pertencente ao Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), localizado nas coordenadas geográficas 07º 25' 00" de latitude (S) e 35º 06' 00" de longitude (SWGr), na microrregião fisiográfica da Mata Seca de Pernambuco, a 190 m de altitude, onde a precipitação anual média é de 1.200 mm e a temperatura anual média é de 25ºC (CPRH, 2003).

A pluviosidade total anual durante o período experimental foi de 723,6 e 1733,1 mm, para o ano de 1999 e 2000, respectivamente. Os solos predominantes na Estação Experimental são classificados como Podzólicos Vermelho-Amarelo Tb Distrófico, com horizonte A proeminentes de textura média/argilosa, fase floresta tropical subcaducifólia e relevo suave ondulado (Jacomine, 2001). Amostras do solo apresentaram o seguinte perfil químico: pH (em água) = 5,08; fósforo (Mehlich - I) = 11,00mg/dm3; K+= 2,55 meq/100 cm3; Na+= 0,06 meq/100 cm3; Ca++ = 4,30 meq/100 cm3; Mg++ = 1,65 meq/100 cm3; Al+++ = 0,10 meq/100 cm3; H+= 9,79 meq/100 cm3; S = 8,56 meq/100 cm3; CTC = 18,45 meq/100 cm3 de solo; V=46,40% e m = 1,15%.

Foram cultivados 54 clones de capim-elefante: três testemunhas locais (Cameroon, Mineirão e Roxo de Botucatu) e os demais provenientes da Rede Nacional de Avaliação de Capim-Elefante (RENACE), sob coordenação da EMBRAPA/CNPGL. Algumas introduções da RENACE foram perdidas por falta de adaptação desses materiais às condições edafoclimáticas durante o período experimental, por isso, foram caracterizados qualitativamente apenas 29 materiais, além das testemunhas locais (Tabela 1).

Utilizou-se delineamento inteiramente casualizado com testemunhas adicionais, com número desigual de repetições. As comparações entre clones foram feitas por meio das médias, de modo que cada um foi representado uma única vez nas parcelas, e as testemunhas repetidas cinco vezes. A finalidade dessas testemunhas foi prover estimativas das variações ambientais a serem extrapoladas como componente da variação fenotípica entre clones e proporcionar correções dos valores fenotípicos dos clones, admitindo-se que as fileiras adjacentes a cada grupo de testemunhas foram beneficiadas ou prejudicadas pelo mesmo efeito ambiental (Cruz, 2001).

O solo da área experimental foi preparado mecanicamente por meio de aração e gradagens. Foram realizadas a calagem e adubação de fundação com fórmula 60-40-20 kg/ha de N, P2O5 e K2O, conforme resultados da análise do solo. O plantio foi realizado em maio de 1999 utilizando-se frações de colmo distribuídas ao longo de 5 m contínuos no sulco, espaçados lateralmente em 0,5 m, assim, a área útil da parcela experimental correspondeu a 2,5 m2.

Os clones foram submetidos a cinco cortes: dois de uniformização (agosto de 1999 e junho de 2000) e três de avaliação (novembro de 1999, agosto de 2000 e outubro de 2000).Vale ressaltar a severidade do período seco de 1999/2000, período em que ficaram suspensos os cortes de avaliação, entre os meses de novembro de 1999 a maio de 2000, visando não concorrer com a perda total dos materiais em estudo.

Após o primeiro e o segundo corte de uniformização, foi realizada adubação de cobertura nas quantidades de 100 e 80 kg de N/ha, 0 e 30 kg de P2O5/ha e 100 e 120 kg de K2O/ha, respectivamente, conforme análise do solo. A frequência de corte foi de 60 dias e a altura, rente ao solo.

Como algumas introduções da RENACE foram perdidas por falta de adaptação desses materiais às condições edafoclimáticas durante o período experimental, esses materiais foram gradativamente substituídos pela variedade Roxo de Botucatu, objetivando evitar o efeito clareira entre os clones que permaneceram em avaliação.

A seleção pelos caracteres qualitativos dos clones foi realizada com base em amostras de lâmina foliar e de colmo (colmo+bainha), colhidas no primeiro corte de avaliação, novembro de 1999, período seco na região. As amostras foram enviadas ao Laboratório de Nutrição Animal do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) para análises bromatológicas e determinação dos teores de matéria seca, proteína bruta, fibra em detergente neutro, fibra em detergente ácido e matéria orgânica das frações lâmina foliar e colmo, segundo metodologia descrita por Silva & Queiroz (2002).

Realizaram-se análises de digestibilidade in vitro da matéria seca de lâmina foliar e de colmo, segundo metodologia proposta por Tilley & Terry e modificada por Tinnimit & Thomas (1976), no Laboratório de Nutrição do Centro de Pesquisa Agropecuária do Trópico Semi-Árido-CPATSA/EMBRAPA, Petrolina, Pernambuco.

A análise de variância foi realizada com base na média dos cortes por meio do procedimento "Famílias com Testemunhas Intercalares" do programa computacional GENES, versão para Windows (Cruz, 2001). As médias foram comparadas por meio do teste Tukey, a 5% de probabilidade.

A herdabilidade no sentido amplo foi estimada por meio do quociente entre a variância genética e a variância fenotípica (variância genética + variância ambiental), conforme metodologia descrita por Shimoya et al. (2002). Assim, a variância individual das testemunhas locais correspondeu à variância ambiental e a variância entre os demais clones, à variância fenotípica.

Resultados e Discussão

A matéria seca de lâmina foliar apresentou diferença significativa (P<0,05) entre os clones 17 e 33, com médias de 37,07 e 21,54%, respectivamente (Tabela 2). No entanto, esses materiais não diferiram dos demais, cuja média para essa característica foi de 29,03% de MS. A matéria seca de colmo não sofreu diferença (P>0,05) entre os clones (Tabela 2) e variou de 11,58 a 18,57% entre os clones 24 e 51, respectivamente.

As médias para MS de lâmina foliar e de colmo neste trabalho foram superiores a observada por Freitas et al. (2004) em pesquisa realizada na mesma região, no entanto com capim-elefante sob pastejo aos 104 dias de crescimento. O maior teor de MS aos 60 dias de crescimento pode estar associado ao efeito do estresse hídrico sob os clones da RENACE e as testemunhas locais, uma vez o que o material foi colhido em novembro, período seco da região. O teor de MS de lâmina foliar foi maior, cerca de 13 pontos percentuais, que o de colmo. Esse comportamento também foi observado por Hillesheim (1988) e provavelmente ocorreu pelo fato de que, nesta pesquisa, a fração colmo também continha bainha foliar.

O teor de MS da parte aérea não diferiu (P>0,05) entre os clones, com amplitude de 17,30 e 23,05% para os clones 5 e 33, respectivamente. A média desse caráter foi 20,61%, superior à obtida por Silva et al. (2008), que observaram que os híbridos interespecíficos de capim-elefante com milheto foram superiores à geração F1 de cruzamentos intraespecíficos, bem como à progênies oriundas de autofecundação, entretanto, em todos os tipos de progênies avaliadas, houve variabilidade no teor de MS aos 35 dias de crescimento, o que indica a possibilidade de seleção de materiais com alto teor de MS. Materiais com maior teor de MS podem ser boa alternativa para ensilagem, pois dispensam pré-murchamento.

Silva et al. (2010), em estudo com esses mesmos clones, não observaram diferenças (P>0,05) no peso seco da parte aérea e de lâmina foliar entre os clones. Assim, na identificação de materiais superiores, devem ser incluídas diferentes características, além da produção e do teor de matéria seca. Conforme relatos de Santos et al. (2008), quando a forragem é fornecida picada no cocho, a capacidade do animal em selecionar folhas é limitada e, como a composição química da forragem ofertada depende principalmente da idade e do cultivar utilizado, deve-se priorizar cultivares de alta produtividade e com proporção equilibrada de caules e folhas. Silva et al. (2010) observaram que genótipos 48 (CNPGL92F198.7) e 50 (CNPGL 94F44.3) são promissores para utilização como progenitores na geração de novos materiais de capim-elefante, notadamente para uso sob pastejo, por apresentarem maior porcentagem de lâminas foliares e melhor relação lâmina foliar:colmo.

Não houve efeito significativo (P>0,05) dos clones sobre teor de PB na lâmina foliar, cujos valores oscilaram de 10,51 a 13,29% nos clones 6 e 23, respectivamente (Tabela 3). A média geral obtida foi de 11,64%, superior às observadas por Queiroz Filho et al. (2000) e Soares et al. (2004), determinadas aos 60 dias de crescimento, e à observada por Nascimento et al. (2008) com o cultivar Cameron sob diferentes alturas de resíduo.

Em relação ao teor de FDN de lâmina foliar, os clones 3 e 40 apresentaram 67,04% e 75,70%, respectivamente (Tabela 3). A média geral foi de 71,95% de FDN na lâmina foliar, inferior à observada por Lima et al. (2004) e superior à obtida por Santos et al. (2003), com valor de 68,08% para o cultivar pioneiro, porém em capineira manejada com frequência de corte de 35 dias. Valor próximo deste trabalho foi constatado por Santos et al. (2001), na ordem de 71,13% de FDN, no período chuvoso para o cultivar Roxo, também aos 60 dias de crescimento.

O teor de FDA da lâmina foliar apresentou diferença significativa (P<0,05) entre os clones. Os materiais 34 e 30 foram diferentes entre si, com médias de 21,96 e 36,78%, respectivamente (Tabela 3). A média geral foi de 34,05%, inferior à obtida por Soares et al. (2004), de 35,79%, e superior à obtida por Silva et al. (2011) aos 60 dias crescimento sob corte.

Não houve efeito significativo (P>0,05) dos clones sobre sobre os teores de PB, FDN e FDA de colmo, cujas médias foram de 12,62; 61,63 e 31,65%, respectivamente (Tabela 3). O valor de PB observado para fração colmo pode ser considerado elevado, nesse sentido o período de crescimento avaliado coincidiu com o período seco da região, o que pode ter levado a menor velocidade de crescimento e menor redução do conteúdo celular, onde a proteína estaria presente.

Silva et al. (2010) observaram que os clones avaliados neste trabalho não apresentaram diferença significativa de altura de planta, o que indica que não houve diferenciação de alongamento do caule entre os genótipos avaliados, o que pode ter contribuído para não diferenciação de PB, FDN e FDA do colmo dos clones avaliados nesta pesquisa.

O teor de PB, tanto na lâmina foliar quanto no colmo, foi superior a 7%, nível crítico para o atendimento das necessidades de ruminantes, conforme Minson & Wilson (1994). A maior seletividade da forragem e ingestão de proteína bruta também dependerá da forma de uso do capimelefante, capineira ou pastagem. Os valores de PB observados são altos para gramíneas tropicais, principalmente se considerados a idade de corte utilizada, 60 dias, o período do ano e o uso de adubação.

No colmo, os teores de FDN variaram de 55,50 a 70,42% para os clones 50 e 9, respectivamente, enquanto os de FDA foram de 27,30% a 35,70% para os clones 34 e 4, respectivamente. Os baixos valores de FDN e FDA, principalmente na fração colmo, podem estar relacionados à presença das bainhas foliares, contribuindo para a menor proporção de componentes fibrosos. O período de crescimento das plantas foi de 60 dias durante o início do período seco e resultou provavelmente em pequenas mudanças na relação folha:caule. Assim, considerando que o alongamento do caule é acompanhado por aumento do teor de fibra, com consequente diminuição da digestibilidade, pode-se supor que esse fato contribuiu para a semelhança entre os valores de FDN e FDA.

De acordo com Lima et al. (2002), os carboidratos estruturais contidos nos alimentos utilizados para nutrição de ruminantes são representados pela FDN e têm relação inversamente proporcional à densidade energética. Assim, valores de FDN acima de 60% correlacionam-se negativamente ao consumo de forragem (Mertens, 1996).

A variação entre os teores de matéria orgânica de lâmina foliar dos clones foi de 81,33 a 87,18% para os clones 32 e 50, respectivamente, no entanto, não foi observada diferença significativa (P>0,05) para essa característica, cuja média foi de 84,13% (Tabela 4). Os clones diferiram (P<0,05) apenas quanto ao teor de matéria orgânica de colmo, que foi menor no clone 48 (Tabela 4). A amplitude de variação desse caráter pode ser considerada alta e variou de 57,82 a 84,31% para os clones 47 e 48, respectivamente.

Não houve diferença (P>0,05) na digestibilidade in vitro da MS de lâmina foliar e de colmo (Tabela 4). A digestibilidade in vitro da MS de lâmina foliar oscilou de 52,42% a 63,20% nos clones 17 e 34, respectivamente. A média foi de 56,27%, inferior à encontrada por Lopes et al. (2004), de 58,3%, na extrusa de bovinos em pastagem de capim-elefante sob consumo seletivo proporcionado pelo pastejo. A digestibilidade in vitro da MS de colmo variou de 68,41% (clone 20) a 55,69% (clone 16), enquanto a média foi de 62,61%, superior àquela obtida por Restle et al. (2002), referente a 46,25%. Mello et al. (2006) observaram degradabilidades potencial e efetiva de 80,3 e 78,5% da matéria seca em um grupo formado por cinco genótipos de Pennisetum de alta de relação folha/colmo e de 69,5 e 68,4% em outro grupo de cinco genótipos de baixa relação folha/colmo, as quais não diferiram aos 60 dias de idade.

A digestibilidade in vitro da MS do colmo, de forma geral, é maior que os da lâmina foliar, provavelmente porque a bainha foi considerada no colmo. De acordo com Queiroz et al. (2000), a alta digestibilidade in vitro da MS da bainha foliar (em média 70,6% para setária, capim-elefante e jaraguá) está altamente correlacionada à presença de células parenquimáticas e pode estar associada à formação de lacunas nessas células. Além disso, após a expansão da folha, muitas vezes a bainha foliar ainda se encontra em crescimento, o que justificaria seu alto coeficiente de digestibilidade in vitro da MS, equivalente, ou mesmo superior, ao observado para a lâmina foliar.

Os valores de composição química e digestibilidade de lâmina foliar e colmo neste trabalho foram bastante próximos; o colmo apresentou em alguns casos valor nutritivo superior ao da lâmina foliar. Além do efeito provável da bainha sobre a qualidade do colmo, como já discutido, existe a possibilidade de os clones de capim-elefante terem sido afetados pelo estresse hídrico, uma vez que as amostras para análise laboratorial foram colhidas no período seco.

Buxton (1996) ressaltou que estresse hídrico moderado normalmente atrasa a maturação da planta, mantendo a qualidade da forragem. Dessa forma, é possível que os clones não tenham se desenvolvido o suficiente para que houvesse diferenças marcantes nos tecidos das folhas (lâmina+bainha) e dos colmos, evidenciando a variação entre idade cronológica e fisiológica das plantas. Deschamps et al. (1998) mostraram que a qualidade, no início do crescimento do capim-elefante, não difere entre as frações folhas e colmos.

De modo geral, os materiais da RENACE foram semelhantes aos cultivares locais quanto às características estudadas, o que indica pouca possibilidade de seleção de materiais superiores. Esse fato foi confirmado pela herdabilidade nula para o teor de PB e FDN da lâmina foliar e para a digestibilidade in vitro da MS de lâminas e colmos (Tabela 5), provavelmente devido à alta proporção da variação ambiental na expressão do fenótipo.

A herdabilidade para o teor de MS no colmo e na parte aérea e para teor de FDA na lâmina foliar e no colmo foi de baixa magnitude, e isso indica que as causas genéticas não são efetivas para explicar a variabilidade dos clones. Apenas constatou-se herdabilidade de média a alta magnitude para os caracteres teor de MS na lâmina foliar e teor de PB e FDN no colmo (Tabela 5). No entanto, embora colaborem com parte representativa na expressão desses caracteres nos clones, as causas genéticas não foram suficientes para promover diferenças entre eles.

Para o sucesso de um programa de seleção clonal, duas condições são essenciais: alta herdabilidade, que passa a ser a de sentido amplo, e a ocorrência de variabilidade (Resende, 2002). Neste trabalho, os caracteres de alta herdabilidade apresentaram baixa variabilidade, o que leva a ganhos de baixa magnitude ou mesmo nulos.

Silva et al. (2011), em pesquisa com clones de Pennisetum em Itambé, Pernambuco, observaram herdabilidade mais elevada para as varáveis qualitativas. A composição química de genótipos de capim-elefante é extremamente influenciada por fatores ambientais (Silva et al., 2002), o que provavelmente explica a maior influência do ambiente na herdabilidade da maioria dos caracteres estudados.

Pereira et al. (2002) ressaltaram que estimativas de herdabilidade são próprias do conjunto de genótipos avaliados para determinada condição ambiental e valores mais elevados são esperados para características quantitativas oligogênicas. Esses autores verificaram ainda que a herdabilidade da MS de lâmina foliar e colmo varia conforme o ano e que dados de um único corte poderão prejudicar a comparação entre genótipos de capim-elefante, em decorrência do efeito ambiental.

Considerando os clones estudados, dificilmente a composição química e a digestibilidade do capim-elefante poderão ser modificadas por seleção. Contudo, este objetivo não deve ser descartado em vista dos resultados obtidos com outras espécies (Vogel & Sleper, 1994). É importante que sejam realizadas avaliações entre cortes e anos para que se possam obter estimativas da repetibilidade dos caracteres estudados, uma vez que esse parâmetro representa o valor máximo da herdabilidade (Shimoya et al., 2002).

Conclusões

A qualidade dos clones de capim-elafnte da RENACE é semelhante à dos cultivares tradicionais, Mineirão, Cameroon e Roxo de Botucatu. Há baixa possibilidade de ganhos na seleção de caracteres qualitativos, em virtude da baixa variabilidade e herdabilidade dos caracteres estudados. Os genótipos de capim-elefante estudados em sua maioria são semelhantes entre si.

Agradecimentos

Aos pesquisadores Maria da Conceição Silva e Erinaldo Viana de Freitas, pelo apoio na realização da pesquisa.

Recebido em 27/2/2009 e aprovado em 5/3/2010.

Correspondências devem ser enviadas para: mercia@dz.ufrpe.br

  • BUXTON, D.R. Quality-related characteristics of forages as influenced by plant environment and agronomic factors. Animal Feed Science Technology, v.59, p.37-49, 1996.
  • CRUZ, C.D. Genes: versão Windows; aplicativo computacional em genética e estatística. Viçosa, MG: UFV, 2001. 648p.
  • DAHER, R.F.; MALDONADO, H.; PEREIRA, A.V. et al. Estimativas de parâmetros genéticos e de coeficientes de repetibilidade de caracteres forrageiros em clones de capimelefante (Pennisetum purpureum Schum.). Acta Scientiarum, v.26, n.4, p.483-490, 2004.
  • DESCHAMPS, F.C.; EMMEL, A.; RAMOS, L.P. Modificações químicas observadas na parede celular do capim-elefante aolongo de 126 dias. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 35., 1998, Botucatu. Anais... Botucatu: SBZ, 1998. p.131-133.
  • FREITAS, E.V.; LIRA, M.A.; DUBEUX JÚNIOR, J.C.B. et al. Características produtivas e qualitativas de clones de capimelefante (Pennisetum purpureum Schum.) avaliados sob pastejo na Zona da Mata de Pernambuco. Acta Scientiarum. Animal Sciences, v.26, n.2, p.251-257, 2004.
  • HILLESHEIM, A. Manejo do gênero Pennisetum sob pastejo. In:SIMPÓSIO SOBRE MANEJO DA PASTAGEM, 1988, Piracicaba. Anais... Piracicaba: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz, 1988, p.77-78.
  • JACOMINE, P.K.T. Evolução do conhecimento sobre solos coesos no Brasil. In: WORKSHOP COESÃO EM SOLOS DOS TABULEIROS COSTEIROS, 2001, Aracaju. Anais... Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2001. p.19-46.
  • KOLLET, J.L.; DIOGO, J.M.S.; LEITE, G.G. Rendimento forrageiro e composição bromatológica de variedades de milheto (Pennisetum glaucum (L.) R. BR.). Revista Brasileira de Zootecnia, v.35, n.4, p.1308-1315, 2006.
  • KOZLOSKI, G.V.; PEROTTONI, J.; CIOCCA, M.L.S. et al. Potential nutritional assessment of dwarf elephant grass (Pennisetum purpureum Schum. cv. Mott) by chemical composition, digestion and net portal flux of oxygen in cattle. Animal Feed Science and Technology, v.104, p.29-40, 2003.
  • LIMA, L.G.; NUSSIO, L.G.N.; GONÇALVES, J.R.S. et al. Fontes de amido e proteína para vacas leiteiras em dietas à base de capim elefante. Scientia Agricola, v.59, n.1, p.19-27, 2002.
  • LIMA, M.L.P.; BERCHIELLI, T.T.; LEME, P.R. et al. Concentração de nitrogênio uréico plasmático (NUP) e produção de leite de vacas mestiças mantidas em gramíneas tropicais sob pastejo rotacionado. Revista Brasileira de Zootecnia, v.33, n.6, p.1616-1626, 2004.
  • LOPES, F.C.F.; AROEIRA, L.J.M.; RODRIGUEZ, N.M. et al. Efeito da suplementação e do intervalo de pastejo sobre a qualidade da forragem e consumo voluntário de vacas Holandês × Zebu em lactação em pastagem de capim-elefante. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v.56, n.3, p.355-362, 2004.
  • MACOON, B.; SOLLENBERGER, L.E.; MOORE, J.E. Defoliation effects on persistence and productivity of four Pennisetum spp. genotypes. Agronomy Journal, v.94, p.542-548, 2002.
  • MELLO, A.C.L.; LIRA, M.A.; DUBEUX JÚNIOR, J.C.B. et al. Degradação ruminal da matéria seca de clones de capim-elefante em função da relação folha/colmo. Revista Brasileira de Zootecnia, v.35, n.4, p.1316-1322, 2006.
  • MERTENS, D. Using fiber and carbohydrate analyses to formulate dairy rations. Formulating dairy rations. In: INFORMATIONAL CONFERENCE WITH DAIRY AND FORAGE INDUSTRIES, 1996, Virginia. Proceedings.... Virginia: US Dairy Forage Research Center, 1996. p.81-92,
  • MINSON, D.J.; WILSON, J.R. Prediction of intake as on element of forage quality. In: FAHEY JUNIOR, G. (Ed.) Forage quality, evaluation, and utilization Madison: American Society of Agronomy, 1994. p.533-563.
  • NASCIMENTO, I.S.; MONKS, P.L.; SILVA, J.B. Efeito de cortes outonais e hibernais sobre o desempenho produtivo do capim elefante cv. Cameroon. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v.3, n.2, p.191-196, 2008.
  • NELSON, C.J.; MOSER, L.E. Plant factors affecting forage quality. In: FAHEY JUNIOR, G. (Ed.) Forage quality, evaluation, and utilization Madison: American Society of Agronomy, Crop Science Society of America, Soil Science of America, 1994. p.115-154.
  • PEREIRA, A.V.; CRUZ, C.D.; FERREIRA, R.P. et al. Influência da estabilização de genótipos de capim-elefante (Pennisetum purpureum Schum.) sobre a estimativa da repetibilidade de características forrageiras. Ciência e Agrotecnologia, v.26, n.4, p.762-767, 2002.
  • PEREIRA, A.V.; FERREIRA, R.P.; PASSOS, L.P. et al. Variação da qualidade de folhas em cultivares de capim-elefante (Pennisetum purpureum) e híbridos de capim-elefante x milheto (P. purpureum x P. glaucum), em função da idade da planta. Ciência e Agrotecnologia, v.24, n.2, p.490-499, 2000.
  • PEREIRA, A.V.; MACHADO, M.A.; AZEVEDO, A.L.S. et al. Diversidade genética entre acessos de capim-elefante obtida com marcadores moleculares. Revista Brasileira de Zootecnia, v.37, n.7, p.1216-1221, 2008.
  • QUEIROZ FILHO, J.L.; SILVA, D.S.; NASCIMENTO, I.S. Produção de matéria seca e qualidade do capim-elefante (Pennisetum purpureum Schum.) cultivar roxo em diferentes idades de corte. Revista Brasileira de Zootecnia, v.29, n.1, p.69-74, 2000.
  • QUEIROZ, D.S.; GOMIDE, J.A.; MARIA, J. Avaliação da folha e do colmo de topo e base de perfilhos de três gramíneas forrageiras. 2. Anatomia. Revista Brasileira de Zootecnia, v.29, n.1, p.61-68, 2000.
  • RESENDE, M.D.V. Genética biométrica e estatística no melhoramento de plantas perenes Brasília: Embrapa Informação Tecnológica. 975p. 2002.
  • RESTLE, J.; ROSO, C.; AITA, V. et al. Produção animal em pastagem com gramíneas de estação quente. Revista Brasileira de Zootecnia, v.31, n.3, p.53-60, 2002.
  • SANTOS, E.A.; SILVA, D.S.; QUEIROZ FILHO, J.L. Composição química do capim-elefante cv. roxo cortado em diferentes alturas. Revista Brasileira de Zootecnia, v.30, n.1, p.18-23, 2001.
  • SANTOS, M.V.F.; DUBEUX JÚNIOR, J.C.B.; SILVA, M.C. et al. Produtividade e composição química de gramíneas tropicais na Zona da Mata de Pernambuco. Revista Brasileira de Zootecnia, v.32, n.4, p.821-827, 2003.
  • SANTOS, M.V.F.; LIRA, M.A.; DUBEUX JÚNIOR, J.C.B. et al. Formação e manejo de capineiras de capim-elefante Recife: Instituto Agronômico de Pernambuco - IPA, 2008. 23p. (Documentos, 33).
  • SANTOS, M.V.F.; DUBEUX JÚNIOR, J.C.B.; MELLO, A.C.L.. Formação e manejo de capineiras. In: LIRA, M.L.; SANTOS, M.V.F.; DUBEUX JUNIOR, J.C.B. et al. (Eds.). Capimelefante: fundamentos e perspectivas. Recife: IPA-UFRPE, 2010. p.145-162.
  • SHIMOYA, A.; CRUZ, C.D.; FERREIRA, R.P. et al. Divergência genética entre acessos de um banco de germoplasma de capimelefante. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.37, n.7, p.971-980, 2002.
  • SILVA, D.J.; QUEIROZ, A.C. Análise de alimentos (métodos químicos e biológicos). Viçosa, MG: UFV, 2002. 235p.
  • SILVA, M.C.; SANTOS, M.V.F.; LIRA, M.A. et al. Ensaios Preliminares sobre autofecundação e cruzamentos no melhoramento do capim-elefante. Revista Brasileira de Zootecnia, v.37, n.3, p.401-410, 2008.
  • SILVA, A.L.C.; SANTOS, M.V.F.; DUBEUX JUNIOR, J.C.B. et al. Variabilidade e herdabilidade de caracteres morfológicos em clones de Pennisetum na Zona da Mata de Pernambuco. Revista Brasileira de Zootecnia, v.39, n.10, p.2132-2140, 2010.
  • SILVA, M.A.; LIRA, M.A.; SANTOS, M.V.F. et al. Rendimento forrageiro e valor nutritivo de clones de Pennisetum sob corte, na Zona da Mata seca de Pernambuco - Brasil. Revista Archivos de Zootecnia, 2011 (prelo).
  • SILVA, M.M.P.; VASQUEZ, H.M.; SILVA, J.F.C. et al. Composição bromatológica, disponibilidade de forragem e índice de área foliar de 17 genótipos de capim-elefante (Pennisetum purpureum Schum.) sob pastejo, em Campos dos Goytacazes, RJ. Revista Brasileira de Zootecnia, v.31, n.1, p.313-320, 2002 (supl.
  • SOARES, J.P.G.; BERCHIELLI, T.T.; AROEIRA, L.J.M. et al. Estimativas de consumo do capim-elefante (Pennisetum purpureum Schum), fornecido picado para vacas lactantes utilizando a técnica do óxido crômico. Revista Brasileira de Zootecnia, v.33, n.3, p.811-820, 2004.
  • STEINER, J.J.; SANTOS, G.G. Adaptive ecology of Lotus corniculatus L. genotypes. I. Plant morphology and RAPD marker characterizations. Crop Science, n.41, p.552-563, 2001.
  • TINNIMIT, P.; THOMAS, J.W. Forage evaluation using various laboratory techniques. Journal of Animal Science, v.43, n.5, p.1059-1675, 1976.
  • VOGEL, K.P.; SLEPER, D.A. Alteration of plants via genetics and plant breeding. In: FAHEY JR, G.C.; MOSER, L.E.; MERTENS, D.R. et al. (Eds.) Forage quality, evaluation and utilization Madison: ASA/CSSA, 1994. p.891-921.
  • 1
    Financiado parcialmente pela EMBRAPA-IPA e realizado pelo Convênio IPA-UFRPE
  • Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      26 Jan 2011
    • Data do Fascículo
      Jan 2011

    Histórico

    • Recebido
      27 Fev 2009
    • Aceito
      05 Mar 2010
    Sociedade Brasileira de Zootecnia Universidade Federal de Viçosa / Departamento de Zootecnia, 36570-900 Viçosa MG Brazil, Tel.: +55 31 3612-4602, +55 31 3612-4612 - Viçosa - MG - Brazil
    E-mail: rbz@sbz.org.br