Histopatologia da forma localizada de leishmaniose cutânea por Leishmania (Leishmania) amazonensis

Histopathology of the localized form of cutaneous leishmaniasis due to Leishmania (Leishmania) amazonensis

Resumos

São descritas as alterações microscópicas presentes na forma localizada (ulcerada) da Leishmaniose cutânea produzida por Leishmania (Leishmania) amazonensis. Nesse tipo de manifestação, menos conhecido do que a forma anérgica ou difusa devida ao mesmo agente, as lesões são clinicamente idênticas às de leishmaniose cutânea causada por espécies outras de Leishmania, pertencentes ao subgênero Viannia. Na infecção localizada por L. (L.) amazonensis, entretanto, há um aspecto peculiar, só recentemente conhecido, ou seja, cerca de 50% dos indivíduos atingidos não reagem ao teste de Montenegro. A principal característica histológica observada foi a acumulação na derme, quase sempre focal, de numerosos macrófagos contendo no citoplasma um grande vacúolo cheio de amastigotas. O quadro é semelhante ao da forma difusa, porém sem o aspecto histiocitomatóide, próprio da última. Afora esses grupos de macrófagos, vêem-se também, na forma localizada, muitas células mononucleares da inflamação, principalmente plasmócitos e macrófagos não parasitados. Os acúmulos de macrófagos com amastigotas, quando volumosos, podem sofrer necrose na parte central; os parasitos, contidos nas células, são destruídos com elas ou liberados, e sua eliminação através da úlcera deve contribuir para a cura do processo. Esse tipo de necrose nunca foi descrito em casos da forma difusa. Não houve grande diferença, no quadro histológico, entre pacientes Montenegro-negativos e positivos. Apenas em alguns casos, do grupo Montenegro-positivo, havia granulomas formados por histiócitos epitelióides sem parasitos. Quanto à persistência das células com parasitos nas lesões, observou-se que aos seis meses ou mais de evolução, em ambos os grupos, ainda estavam elas presentes. Tal achado não é comum na leishmaniose tegumentar por L. (V.) braziliensis.

Leishmania; Leishmania (Leishmania) amazonensis; Leishmaniose cutânea localizada; Histopatologia da leishmaniose


The microscopic changes found in the localized form of the human cutaneous leishmaniasis due to Leishmania (Leishmania) amazonensis are reported. In this form, less known than the diffuse one caused by the same species, the clinical manifestations are identical to those produced by other Leishmania species of the subgenus Viannia. There is, however, in the localized infection by L (L.) amazonensis, a peculiar feature, only recently discovered: about 50% of the affected individuals are Montenegro-negatives. The main histologic change observed in the skin sections was the presence of groups of macrophages with a large vacuole in the cytoplasm, containing many amastigotes. The microscopic picture is similar to that found in the diffuse form of the disease, the difference being only quantitative. When in large numbers, the macrophages suffers necrosis, which generally starts at the center of the groups. First, in this process, the membrane of the parasitized cells ruptures, and the amastigotes become free; later, both cells and parasites are destroyed. The picture can be seen either in Montenegro-negative or in Montenegro-positive patients. The macrophages with amastigotes may persist in tissues for as long as 6-7 months, while in the infections due to L (V.) braziliensis the parasites usually disappear in a few weeks.


DERMOPATOLOGIA

Histopatologia da forma localizada de leishmaniose cutânea por Leishmania (Leishmania) amazonensis

Histopathology of the localized form of cutaneous leishmaniasis due to Leishmania (Leishmania) amazonensis

Mário A. P. Moraes; Fernando T. Silveira

Instituto Evandro Chagas - FNS/MS - Belém, Pará, Brasil

Endereço para correspondência

RESUMO

São descritas as alterações microscópicas presentes na forma localizada (ulcerada) da Leishmaniose cutânea produzida por Leishmania (Leishmania) amazonensis. Nesse tipo de manifestação, menos conhecido do que a forma anérgica ou difusa devida ao mesmo agente, as lesões são clinicamente idênticas às de leishmaniose cutânea causada por espécies outras de Leishmania, pertencentes ao subgênero Viannia. Na infecção localizada por L. (L.) amazonensis, entretanto, há um aspecto peculiar, só recentemente conhecido, ou seja, cerca de 50% dos indivíduos atingidos não reagem ao teste de Montenegro. A principal característica histológica observada foi a acumulação na derme, quase sempre focal, de numerosos macrófagos contendo no citoplasma um grande vacúolo cheio de amastigotas. O quadro é semelhante ao da forma difusa, porém sem o aspecto histiocitomatóide, próprio da última. Afora esses grupos de macrófagos, vêem-se também, na forma localizada, muitas células mononucleares da inflamação, principalmente plasmócitos e macrófagos não parasitados. Os acúmulos de macrófagos com amastigotas, quando volumosos, podem sofrer necrose na parte central; os parasitos, contidos nas células, são destruídos com elas ou liberados, e sua eliminação através da úlcera deve contribuir para a cura do processo. Esse tipo de necrose nunca foi descrito em casos da forma difusa. Não houve grande diferença, no quadro histológico, entre pacientes Montenegro-negativos e positivos. Apenas em alguns casos, do grupo Montenegro-positivo, havia granulomas formados por histiócitos epitelióides sem parasitos. Quanto à persistência das células com parasitos nas lesões, observou-se que aos seis meses ou mais de evolução, em ambos os grupos, ainda estavam elas presentes. Tal achado não é comum na leishmaniose tegumentar por L. (V.) braziliensis.

Unitermos:Leishmania. Leishmania mexicana amazonensis; Leishmania (Leishmania) amazonensis; Leishmaniose cutânea localizada; Histopatologia da leishmaniose.

SUMMARY

The microscopic changes found in the localized form of the human cutaneous leishmaniasis due to Leishmania (Leishmania) amazonensis are reported. In this form, less known than the diffuse one caused by the same species, the clinical manifestations are identical to those produced by other Leishmania species of the subgenus Viannia. There is, however, in the localized infection by L (L.) amazonensis, a peculiar feature, only recently discovered: about 50% of the affected individuals are Montenegro-negatives. The main histologic change observed in the skin sections was the presence of groups of macrophages with a large vacuole in the cytoplasm, containing many amastigotes. The microscopic picture is similar to that found in the diffuse form of the disease, the difference being only quantitative. When in large numbers, the macrophages suffers necrosis, which generally starts at the center of the groups. First, in this process, the membrane of the parasitized cells ruptures, and the amastigotes become free; later, both cells and parasites are destroyed. The picture can be seen either in Montenegro-negative or in Montenegro-positive patients. The macrophages with amastigotes may persist in tissues for as long as 6-7 months, while in the infections due to L (V.) braziliensis the parasites usually disappear in a few weeks.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Recebido para publicação em 03/12/1993.

Aceito para publicação em 15/04/1994.

  • 1. COSTA, J.M.L.; VALE, K.C.; FRANÇA, F. et al. - Cura espontânea da leishmaniose causada por Leishmania Viannia braziliensis em lesőes cutâneas. Rev. Soc. bras. Med. trop. 23: 205-208, 1990.
  • 2. LAINSON, R.; SHAW, J.J.; SILVEIRA, F.T. et al. - A Leishmania e as leishmanioses. In: INSTITUTO EVANDRO CHAGAS; 50 ANOS DE CONTRIBUIIÇĂO ŔS CIĘNCIAS BIOLÓGICAS E Ŕ MEDICINA TROPICAL. Belém. Fundaçăo Serviços de Saúde Pública, 1986. v. 1, p. 83-124.
  • 3. MAGALHĂES, A.V.; MORAES, M.A.P.; RAICK, A.N. et al. - Histopatologia da leishmaniose tegumentar por Leishmania braziliensis braziliensis. 1. Padrőes histopatológicos e estudo evolutivo das lesőes. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, 28: 253-262, 1986.
  • 4. MONROY, A.; RIDLEY, D.S.; HEATHER, C.J. & RIDLEY, M.J. - Histologicl studies of the elimination of Leishmania enriettii from skin lesions in the guinea-pig. Brit. J. exp. Path., 61: 601-610, 1980.
  • 5. SILVEIRA, F.T.; LAINSON, R.; SHAW, J.J. et al. - Cutaneous leishmaniasis due to Leishmania (Leishmania) amazonensis in Amazonian Brazil, and the significance of a negative Montenegro skin-test in human infections. Trans. roy. Soc. trop. Med. Hyg., 85: 735-738, 1991.

  • Endereço para correspondência:
    Fernando T. Slilveira
    Instituto Evandro Chagas
    Av. Almirante Barroso, 492
    Caixa Postal 1128
    66090-000 Belém, Para, Brasil

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    21 Set 2006
  • Data do Fascículo
    Out 1994

Histórico

  • Aceito
    15 Abr 1994
  • Recebido
    03 Dez 1993
Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 470, 05403-000 - São Paulo - SP - Brazil, Tel. +55 11 3061-7005 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revimtsp@usp.br