Accessibility / Report Error

Registros de espécies vasculares em unidades de conservação e implicações para a lista da flora ameaçada de extinção no estado de São Paulo

Vascular plant species recorded in protected areas and the implications for São Paulo State's Red List of Threatened Plants

Resumo

O conhecimento sobre a ocorrência de espécies ameaçadas de extinção é fundamental para o planejamento da conservação da biodiversidade. Neste estudo, atualizamos as informações referentes a dois dos 11 critérios utilizados para a elaboração da lista de espécies da flora ameaçada de extinção no estado de São Paulo, referentes à: i) ocorrência desconhecida e ii) ocorrência exclusiva da espécie em unidades de conservação (UC). Fizemos o levantamento da ocorrência das espécies de plantas vasculares nas UCs consultando os registros on-line de material depositado em herbário e revimos a necessidade de alteração na categoria de ameaça ou de exclusão de espécies da lista atual. Registramos 4846 espécies em 59 UCs. Nossos resultados apontam a necessidade de exclusão de 148 espécies da lista, das quais 82 não atendem mais ao critério de ocorrência desconhecida e 66 não obedecem mais o critério de ocorrência exclusiva em UCs. Outras 55 espécies deverão sofrer alteração em sua categoria de ameaça e 39 permanecerão inalteradas. Embora cerca de 60% das espécies da flora paulista já estejam em unidades de conservação, é urgente a necessidade de se estabelecer estratégias para proteger os 40% restantes, criando novas UCs de proteção integral ou ampliando as já existentes.

Palavras-chave:
áreas protegidas; conservação da biodiversidade; espécies ameaçadas; flora paulista; lista vermelha

Abstract

Information regarding the occurrence of threatened species is essential when developing plans for the conservation of biodiversity. In this study, we gathered updated information regarding two out of 11 criteria of the plant species red list in São Paulo state, related to: i) unknown occurrence and ii) exclusive occurrence of the species in protected areas (PA). We carried out a survey on the occurrence of vascular plant species in protected areas by consulting online herbarium records and reviewed the necessity to change the category of threat or to exclude the species from the current list. We recorded 4846 species in 59 protected areas. Our results showed that 148 species should be excluded from the list, 82 of which no longer meet the criterion for unknown occurrence and 66 that no longer meet the criterion of exclusive occurrence in PAs. Additionally, the threat category should be altered for 55 species and 39 must remain unchanged. Although around 60% of the plant species found in São Paulo state are already currently in PAs, it is urgent to establish strategies to protect the remaining 40% by creating new protected areas or expanding the existing ones.

Key words:
protected areas; biodiversity conservation; threatened species; São Paulo State flora; red list

Introdução

O conhecimento sobre a ocorrência e a distribuição das espécies é fundamental para o estabelecimento de estratégias para a conservação da biodiversidade (Rodrigues et al. 2006Rodrigues, A.S.L.; Pilgrim, J.D.; Lamoreux, J.F.; Hoffmann, M. & Brooks, T.M. 2006. The value of the IUCN red list for conservation. Trends in Ecology and Evolution 21: 71-76.; Giam et al. 2010Giam, X.; Bradshaw, C.J.A.; Tan, H.Y.W. & Sodhi, N.S. 2010. Future habitat loss and the conservation of plant biodiversity. Biological Conservation 143: 1594-1602.; Norris 2012Norris, K. 2012. Biodiversity in the context of ecosystem services: the applied need for systems approaches. Philosophical transactions of the royal society. Biological Sciences 367: 191-199.). É também extremamente útil para o desenvolvimento de estudos taxonômicos e pesquisas relacionadas à ecologia populacional, além de servir como instrumento de suporte à avaliação dos serviços ecossistêmicos (Rivers et al. 2010Rivers, M.C.; Bachman, S.P.; Meagher, T.R.; Lughadha, E.N. & Brummitt, N.A. 2010. Subpopulations, locations and fragmentation: applying IUCN red list criteria to herbarium specimen data. Biodiversity Conservation 19: 2071-2085.; Norris 2012Norris, K. 2012. Biodiversity in the context of ecosystem services: the applied need for systems approaches. Philosophical transactions of the royal society. Biological Sciences 367: 191-199.). Em razão das particularidades de cada espécie e das diferentes respostas às pressões às quais estão submetidas, a constante atualização dessas informações é essencial para consolidar sua eficácia como subsídio à proposição de políticas públicas para o planejamento da conservação, especialmente no caso das espécies ameaçadas de extinção.

As listas de espécies ameaçadas, também chamadas de "listas vermelhas" (red lists), têm como um dos principais objetivos alertar para os riscos de extinção das espécies de modo a possibilitar a realização de ações conservacionistas direcionadas (Baillie et al. 2004Baillie, J.E.M.; Hilton-Taylor, C. & Stuart, S.N. 2004. 2004 IUCN red list of threatened species. A Global Species Assessment. IUCN, Gland, Switzerland and Cambridge. 215p.; Rivers et al. 2010Rivers, M.C.; Bachman, S.P.; Meagher, T.R.; Lughadha, E.N. & Brummitt, N.A. 2010. Subpopulations, locations and fragmentation: applying IUCN red list criteria to herbarium specimen data. Biodiversity Conservation 19: 2071-2085.; Martins et al. 2015Martins, E.M.; Loyola, R.; Messina, T.; Avancini, R. & Martinelli, G. 2015. Tree red listing in Brazil: lessons and perspectives. Botanic Gardens Conservation International Journal 12: 8-11.). Essas listas são elaboradas em diferentes escalas e adaptadas de acordo com o nível geográfico com base nas informações específicas de cada situação. Na escala mundial, esse trabalho é realizado pela União Internacional para a Conservação da Natureza (International Union for Conservation of Nature - IUCN), sendo esta a lista mais utilizada como base para a definição de espécies ameaçadas em diversos países (Syfert et al. 2014Syfert, M.M.; Joppa, L.; Smith, M.J.; Coomes, D.A.; Bachman, S.P. & Brummitt, N.A. 2014. Using species distribution models to inform IUCN red list assessments. Biological Conservation 177: 174-184.). Para isso, a IUCN usa evidências quantitativas relacionadas basicamente ao tamanho e dinâmica populacional, ao grau de fragmentação, de isolamento e à extensão de ocorrência das populações (IUCN 2014IUCN (International Union for Conservation of Nature) Standards and petitions subcommittee. 2014. Guidelines for using the IUCN red list categories and criteria. Version 11. Disponível em <http://www.iucnredlist.org/documents/RedListGuidelines.pdf>. Acesso em 18 março 2015.
http://www.iucnredlist.org/documents/Red...
). Para a elaboração da lista nacional, o Brasil adotou oficialmente as categorias da IUCN na avaliação do risco de extinção (MMA 2014MMA - Ministério do Meio Ambiente. 2014. Portaria MMA no 443, de 17 de dezembro de 2014. Lista nacional oficial de espécies da flora ameaçadas de extinção. Disponível em <http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/static/pdf/portaria_mma_443_2014.pdf>. Acesso em 20 dezembro 2014.
http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/stati...
). No caso de algumas listas estaduais, como as de São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, as categorias de risco estabelecidas pela IUCN foram utilizadas como referência para definir o grau de ameaça das espécies nas respectivas escalas (Biodiversitas 2007Biodiversitas. 2007. Revisão da lista da flora ameaçada de extinção de Minas Gerais. Disponível em <http://www.biodiversitas.org.br/listas-mg/default.asp>. Acesso em 1 julho 2015.
http://www.biodiversitas.org.br/listas-m...
; Souza et al. 2007Souza, V.C.; Mamede, M.C.H.; Cordeiro, I; Prado, J.; Barros, F.; Wanderley, M.G.L.; Kageyama, P.Y.; Ceccantini, G. & Rando, J.G. 2007. Critérios utilizados na elaboração da lista oficial de espécies da flora ameaçadas de extinção no Estado de São Paulo. In: Mamede, M.C.H.; Souza, V.C.; Prado, J.; Barros F.; Wanderley, M.G.L. & Rando, J.G. Livro vermelho das espécies vegetais ameaçadas de extinção no estado de São Paulo. Instituto de Botânica, São Paulo . Pp.15-20.; SEMA 2014SEMA - Secretaria do Estado do Meio Ambiente do Rio Grande do Sul. 2014. Decreto nº 52.109, de 1º de dezembro de 2014. Declara as espécies da flora nativa ameaçadas de extinção no Estado do Rio Grande do Sul. Disponível em <http://www.sema.rs.gov.br/conteudo.asp?cod_menu=4&cod_conteudo=8991>. Acesso em 1 julho 2015.
http://www.sema.rs.gov.br/conteudo.asp?c...
).

A inclusão de uma espécie na lista vermelha e a determinação de seu grau de ameaça são feitas seguindo uma combinação de critérios baseados nas informações sobre as espécies. Um dos maiores desafios nesse processo é justamente a obtenção dessas informações, sobretudo em regiões de alta diversidade biológica. Dados sobre a ocorrência e abundância das espécies nem sempre existem ou não estão sistematizados em bancos de dados submetidos a procedimentos contínuos de atualização. Além disso, ainda existem registros de coleta que não estão disponíveis on-line, de modo que o acesso a eles é limitado.

No estado de São Paulo, a lista mais recente de espécies da flora ameaçada ("lista vermelha") foi lançada há mais de uma década (SMA 2004SMA - Secretaria do Estado do Meio Ambiente de São Paulo. 2004. Lista oficial das espécies da flora do Estado de São Paulo ameaçadas de extinção. Resolução nº 48, de 22 de setembro de 2004. Disponível em <http://botanica.sp.gov.br/files/2014/02/resolu%C3%A7%C3%A3o_-sma48.pdf>. Acesso em 29 janeiro 2015.
http://botanica.sp.gov.br/files/2014/02/...
) e, embora sua atualização tenha sido prevista para ocorrer a cada cinco anos (Mamede et al. 2007Mamede, M.C.H.; Souza, V.C.; Prado, J.; Barros F.; Wanderley, M.G.L. & Rando, J.G. 2007. Livro vermelho das espécies vegetais ameaçadas de extinção no estado de São Paulo. Instituto de Botânica, São Paulo. 165p.), isso não se concretizou. Desde então, houve crescimento expressivo do número de coletas botânicas e da disponibilização de dados on-line (INCT 2014INCT - Herbário Virtual da Flora e dos Fungos. 2014. Disponível em <http://inct.splink.org.br>. Acesso contínuo desde fevereiro 2014.
http://inct.splink.org.br...
; BFG 2015BFG. 2015. Growing knowledge: an overview of Seed Plant diversity in Brazil. Rodriguésia 66: 1085-1113.; Prado et al. 2015Prado, J.; Sylvestre, L.S.; Labiak, P.H.; Windisch, P.G.; Salino, A.; Barros, I.C.L.; Hirai, R.Y.; Almeida, T.E.; Santiago, A.C.P.; Kieling-Rubio, M.A.; Pereira, A.F.N.; Øllgaard, B.; Ramos, C.G.V.; Mickel, J.T.; Dittrich, V.A.O.; Mynssen, C.M.; Schwartsburd, P.B.; Condack, J.P.S.; Pereira, J.B.S.& Matos, F.B. 2015. Diversity of ferns and lycophytes in Brazil. Rodriguésia 66: 1073-1083.), resultantes do aumento nos investimentos do setor público para financiamento das pesquisas e da criação de programas específicos de incentivo ao conhecimento da biodiversidade. De janeiro de 2004 a janeiro de 2014, por exemplo, o registro de espécies de plantas no banco de dados do Herbário Virtual da Flora e dos Fungos (INCT 2014INCT - Herbário Virtual da Flora e dos Fungos. 2014. Disponível em <http://inct.splink.org.br>. Acesso contínuo desde fevereiro 2014.
http://inct.splink.org.br...
) passou de aproximadamente 56.000 para mais de 3,5 milhões, contribuindo substancialmente para a ampliação do conhecimento sobre a ocorrência das espécies no país. Outra mudança significativa nesse período se refere às alterações realizadas na circunscrição das famílias e gêneros (APG II 2003APG II (Angiosperm Phylogeny Group II). 2003. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG II. Botanical Journal of the Linnean Society 141: 309-436.; APG III 2009APG III (Angiosperm Phylogeny Group III). 2009. An update of the Angiosperm Phylogeny Group Classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society 161: 105-121.). Diante desse cenário de ampliação do número de coletas botânicas, do maior acesso aos registros dos herbários e das alterações taxonômicas e nomenclaturais ocorridas na última década, a revisão da lista de espécies ameaçadas é extremamente necessária, e a sistematização das informações acumuladas desde a sua publicação pode trazer grande contribuição nesse processo.

A lista vermelha do estado de São Paulo apresenta 1086 espécies ameaçadas que foram classificadas em categorias de ameaça definidas de acordo com onze critérios de inclusão. Dentre eles, estão a "ocorrência desconhecida em unidades de conservação" (critério 4) e a "distribuição exclusiva em áreas de conservação" (critério 5) (Mamede et al. 2007Mamede, M.C.H.; Souza, V.C.; Prado, J.; Barros F.; Wanderley, M.G.L. & Rando, J.G. 2007. Livro vermelho das espécies vegetais ameaçadas de extinção no estado de São Paulo. Instituto de Botânica, São Paulo. 165p.). Considerando que as unidades de conservação - UC são áreas criadas com o objetivo de assegurar a proteção dos recursos naturais (Brasil 2000Brasil. 2000. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm>. Acesso em 15 março 2010.
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/lei...
), é possível afirmar que a presença da espécie dentro de uma UC contribui para a redução do grau de ameaça potencialmente incidente sobre ela, podendo ser considerada como um fator positivo para sua conservação. Por outro lado, espécies que não estão protegidas em UCs estão mais suscetíveis às perturbações antrópicas e correm maior risco de sofrer alterações populacionais, podendo, em última instância, ser levadas à extinção.

Diante da importância das unidades de conservação para a proteção das espécies ameaçadas, o objetivo deste trabalho foi sistematizar as informações referentes à ocorrência de espécies de plantas vasculares nas UCs do estado de São Paulo e revisar aquelas que atendiam aos critérios 4 e 5 da lista vermelha, de forma a validar a permanência das espécies na lista e avaliar a necessidade de alteração de sua categoria de ameaça.

Material e Métodos

Inicialmente elaboramos uma lista de todas as espécies de plantas (ameaçadas ou não) presentes nas unidades de conservação do estado de São Paulo, que serviu de base para as etapas de análise específica dos critérios "ocorrência desconhecida em unidades de conservação" (critério 4) e "distribuição exclusiva em áreas de conservação" (critério 5). Seguindo o método proposto por Mamede et al. (2007)Mamede, M.C.H.; Souza, V.C.; Prado, J.; Barros F.; Wanderley, M.G.L. & Rando, J.G. 2007. Livro vermelho das espécies vegetais ameaçadas de extinção no estado de São Paulo. Instituto de Botânica, São Paulo. 165p. na elaboração da lista vermelha, consideramos como unidades de conservação somente as áreas de proteção integral (Parques Nacionais, Parques Estaduais, Estações Ecológicas, Reservas Biológicas, Monumentos Naturais e Refúgios de Vida Silvestre), além das Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs), que são unidades de uso sustentável.

Para obter a relação de todas as UCs do estado utilizamos como base a lista de UCs disponível em Xavier et al. (2008)Xavier, A.F.; Bolzani, B.M. & Jordão, S. 2008. Unidades de conservação da natureza no estado de São Paulo. In: Rodrigues, R.R. & Bononi, V.L.R. Diretrizes para conservação e restauração da biodiversidade no Estado de São Paulo. Instituto de Botânica, São Paulo . Pp. 23-42., além de informações das páginas da Secretaria do Meio Ambiente do estado de São Paulo (Instituto Florestal 2014Instituto Florestal. 2014. Áreas protegidas. Disponível em <http://iflorestal.sp.gov.br/areas-protegidas>. Acesso em 15 janeiro 2014.
http://iflorestal.sp.gov.br/areas-proteg...
; Fundação Florestal 2014Fundação Florestal. 2014. UCs. Disponível em <http://fflorestal.sp.gov.br>. Acesso em 20 janeiro 2014.
http://fflorestal.sp.gov.br...
). Especificamente para as RPPNs, consultamos também o Anuário das RPPNs da Secretaria do Meio Ambiente do estado de São Paulo (Fundação Florestal 2013Fundação Florestal. 2013. Anuário das reservas particulares do patrimônio natural instituídas pela Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo. Disponível em <http://www.ambiente.sp.gov.br/wp-content/uploads/2013/06/rppn-2013.pdf>. Acesso em 5 abril 2014.
http://www.ambiente.sp.gov.br/wp-content...
) e a página do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio (<http://sistemas.icmbio.gov.br/simrppn/publico>).

Para obter a lista de todas as espécies presentes nas UCs nós utilizamos a base de dados do Herbário Virtual da Flora e dos Fungos (INCT 2014INCT - Herbário Virtual da Flora e dos Fungos. 2014. Disponível em <http://inct.splink.org.br>. Acesso contínuo desde fevereiro 2014.
http://inct.splink.org.br...
), que contém os registros das coletas de material botânico depositado nos herbários de todo o país. Com a ferramenta de busca do sistema speciesLink (<http://splink.cria.org.br/tools>), selecionamos o reino "Plantae" e inserimos o nome de cada UC individualmente, utilizando diversas combinações de nomes e da forma mais genérica possível para ampliar ao máximo as chances de obtenção de informações. Para as UCs subdivididas em "Núcleos" ou "Bases", realizamos a busca também pelos nomes das subdivisões. Nos casos em que as UCs sofreram alteração de nome ou rearranjo, como, por exemplo, o "Mosaico de unidades de conservação do Jacupiranga", fizemos a busca tanto pelos nomes antigos quanto pelos atuais. Cientes da existência de divergências em alguns registros com relação ao estado em que a coleta foi feita, deixamos o campo "estado" em aberto e verificamos caso a caso as incoerências entre o nome da UC e o estado mencionado. Para as RPPNs, fizemos a pesquisa utilizando o nome da RPPN ou também o município, verificando, neste caso, a localização específica com as coordenadas geográficas informadas para avaliar se o local da coleta estava ou não dentro da RPPN considerada. Os levantamentos foram realizados entre fevereiro de 2014 e maio de 2015.

Após a obtenção da lista de coletas em cada UC, fizemos uma verificação para confirmar a localidade de cada registro. Como a busca foi feita de forma bastante abrangente, grande parte dos registros não correspondiam a nenhuma UC, mas sim a localidades com algum nome em comum à lista de UCs do levantamento. Em outros casos, por exemplo, o nome da UC não correspondia ao município descrito, indicando a existência de erro em um desses dois campos. Quando isso ocorreu, buscamos informações sobre a existência da UC com o mesmo nome no referido município; havendo de fato uma UC com o mesmo nome, verificamos a localização correta por meio das coordenadas geográficas; quando essa informação não estava disponível, não sendo possível verificar a validade do registro, o dado foi descartado. Algumas áreas protegidas são conhecidas por um único nome, embora sejam constituídas por duas categorias distintas de unidade de conservação, como, por exemplo, a "Estação Ecológica e Experimental de Itirapina". Nessa e em diversas outras UCs, parte da área pertence à Estação Ecológica (unidade de proteção integral englobada no presente estudo) e parte à Estação Experimental (não contemplada neste estudo). Em muitos casos, essa delimitação não existe fisicamente, de forma que em campo não é possível saber em que parte da UC está sendo realizada a coleta. Mesmo para as UCs em que as áreas são claramente delimitadas (a Estação Ecológica de um lado da rodovia e a Experimental de outro, por exemplo), muitos dos registros de coleta trazem como descrição da localidade o nome "completo" da unidade, não sendo possível identificar com precisão onde a coleta foi feita. Assim, nesses casos em que as informações eram imprecisas, os registros também foram desconsiderados. Por outro lado, quando algum dos autores do presente estudo tinha conhecimento de grande quantidade de coletas em determinada UC, que por algum motivo apareceram incorretamente nos registros, estes foram mantidos.

Concluída a confirmação das localidades e a exclusão dos dados inadequados ou duvidosos, fizemos a filtragem dos registros com foco nas informações sobre os espécimes. Excluímos os fungos que ainda constavam na lista por algum equívoco, as algas, as briófitas, além das espécies consideradas exóticas, naturalizadas, subespontâneas ou com ocorrência registrada apenas fora do estado de São Paulo segundo o Herbário Virtual da Flora e dos Fungos (INCT 2014INCT - Herbário Virtual da Flora e dos Fungos. 2014. Disponível em <http://inct.splink.org.br>. Acesso contínuo desde fevereiro 2014.
http://inct.splink.org.br...
). Também desconsideramos os registros que não apresentavam o nome completo da espécie ou que não tinham a identificação confirmada (e.g., espécies identificadas como affinis ou conferatum), de modo que nossa lista final fosse baseada somente nos registros com binômio completo.

Finalizada essa etapa, aplicamos um filtro para a obtenção de apenas um registro por espécie para cada UC. A partir daí iniciamos o processo de correção de erros de digitação (e.g., excesso de espaços entre epítetos), grafia e verificação de sinonímias para cada espécie. O critério que utilizamos para a conferência dos nomes das espécies foi sistemático e seguiu uma ordem de verificação, na qual adotamos os seguintes passos, conforme necessário: (1) busca da espécie no banco de dados da Lista de Espécies da Flora do Brasil (<http://www.floradobrasil.jbrj.gov.br>); (2) busca da espécie no banco de dados The Plant List (<http://www.theplantlist.org>); (3) busca no banco de dados Tropicos®, do Missouri Botanical Garden (<http://www.tropicos.org>); (4) consulta à bibliografia especializada (livros e revisões taxonômicas); (5) consulta ao especialista do grupo em questão. Após a correção dos nomes, geramos uma matriz de espécies por UC. (veja material suplementar em http://dx.doi.org/10.6084/m9.figshare.3145828)

Critérios usados para a elaboração da lista vermelha

A lista de espécies ameaçadas de extinção do estado de São Paulo foi elaborada com base em um critério de exclusão e 11 critérios de inclusão de espécies, sendo os critérios de inclusão numerados de 1 a 11 e definidos da seguinte forma: 1 - Ausência de novos registros nos últimos 50 anos, inclusive em condição ex-situ; 2 - Registro nos últimos 50 anos apenas em condições ex-situ; 3 - Distribuição geográfica restrita no estado de São Paulo; 4 - Ocorrência desconhecida em unidades de conservação; 5 - Distribuição exclusiva em áreas de conservação; 6 - Baixa densidade populacional; 7 - Espécies em relação às quais a coleta predatória está causando ou pode causar o declínio das populações naturais; 8 - Dispersão ou polinização por espécies da fauna ameaçada de extinção; 9 - Espécies que ocorrem exclusivamente em um tipo de formação vegetal; 10 - Espécies que ocorrem exclusivamente no noroeste paulista; 11 - Espécies arbóreas com registro histórico de exploração predatória intensiva. Esses critérios foram aplicados de modo que diferentes combinações definem a categoria de ameaça das espécies (para maiores detalhes consultar Mamede et al. 2007Mamede, M.C.H.; Souza, V.C.; Prado, J.; Barros F.; Wanderley, M.G.L. & Rando, J.G. 2007. Livro vermelho das espécies vegetais ameaçadas de extinção no estado de São Paulo. Instituto de Botânica, São Paulo. 165p.), a saber: "presumivelmente extinta" (quando a espécie atende ao critério 1); "presumivelmente extinta na natureza" (critério 2); "em perigo crítico" (critérios 3, 4 e mais dois); "em perigo" (critérios 3 e 4, mais um; ou também critérios 3 ou 4, e mais dois); "vulnerável" (três ou mais critérios, excluídas as demais combinações).

Neste estudo, avaliamos as espécies que atenderam aos critérios 4 e 5. Segundo as combinações estabelecidas, nota-se que a ocorrência desconhecida da espécie dentro de UCs (critério 4) teve grande peso na definição das categorias "em perigo" e "em perigo crítico". O critério 5, por sua vez, fez parte da combinação que classifica as espécies como vulneráveis.

Encontramos algumas inconsistências na correspondência entre os critérios e as respectivas categorias de ameaça das espécies apresentadas no Anexo I da lista vermelha. Há casos, por exemplo, em que a espécie foi categorizada como "em perigo", sendo que, de acordo com a combinação categoria-critério pré-definida, deveria ter sido classificada como "vulnerável". Para que pudéssemos apresentar a proposta de reclassificação das espécies com base em nossos resultados, assumimos que a coluna com os critérios atendidos por cada espécie constantes do Anexo I estava correta e que o erro residia, portanto, na coluna que informava a categoria correspondente. No universo do nosso estudo (critérios 4 e 5), apenas seis espécies apresentaram problemas desse tipo.

Ocorrência desconhecida da espécie em unidades de conservação

Para verificar se as espécies da lista vermelha relatadas com ocorrência desconhecida em UCs ainda atendiam a esse critério, nós comparamos a lista geral das espécies obtida anteriormente com a lista vermelha, fazendo o cruzamento das informações com o software Microsoft Access. Uma vez que a lista vermelha se encontrava disponível apenas na forma impressa, foi necessário transformá-la em arquivo digital, além de corrigir alguns nomes que originalmente apresentavam erros de grafia e adicionar os nomes atualizados para cada espécie.

O resultado do cruzamento dessas duas listas deu suporte para validar a manutenção desse critério no conjunto de critérios atribuídos a cada espécie, permitindo uma análise da permanência das espécies na lista vermelha e da necessidade alteração da categoria de ameaça.

Distribuição exclusiva da espécie em unidades de conservação

Para o levantamento da lista referente às espécies com distribuição exclusiva em unidades de conservação, consultamos a base de dados do INCT (2014) para a flora paulista, procurando algum registro cujo local de coleta não fosse uma UC e que, portanto, indicasse a ocorrência da espécie também fora de áreas protegidas. Fizemos esse procedimento manualmente, analisando cada espécie da lista vermelha e todos os seus sinônimos. Desconsideramos os registros de plantas cultivadas ou de locais que indicassem essa possibilidade (e.g., jardins botânicos, praças, quintais, áreas urbanas etc.). Nos casos de coletas com a localidade ambígua (e.g., nome semelhante a uma UC ou localidade provável dentro de UC), entramos em contato com os coletores para confirmar a localidade. Quando não houve retorno, indicamos a impossibilidade de avaliar com precisão a ocorrência da espécie e não indicamos nenhum procedimento com relação à permanência da espécie na lista ou alteração de sua categoria de ameaça.

Resultados

O levantamento das unidades de conservação resultou em um total de 115 UCs, sendo 43 RPPNs, 32 Parques Estaduais, 29 Estações Ecológicas e oito Reservas Biológicas. As categorias Parque Nacional, Monumento Natural e Refúgio de Vida Silvestre apresentaram uma unidade cada (Tab. 1). Para a apresentação da lista de espécies por UC, as espécies presentes no Parque Estadual Caverna do Diabo, Parque Estadual Jacupiranga, Parque Estadual do Lagamar de Cananéia e Parque Estadual do Rio Turvo foram unificadas em uma única unidade denominada Mosaico de unidades de conservação do Jacupiranga, atual denominação da UC após o rearranjo instituído pela Lei Estadual 12.810 de 21 de fevereiro de 2008.

Tabela 1
Número total de espécies de plantas vasculares e de espécies ameaçadas segundo a lista de espécies vegetais ameaçadas de extinção (SMA 2004SMA - Secretaria do Estado do Meio Ambiente de São Paulo. 2004. Lista oficial das espécies da flora do Estado de São Paulo ameaçadas de extinção. Resolução nº 48, de 22 de setembro de 2004. Disponível em <http://botanica.sp.gov.br/files/2014/02/resolu%C3%A7%C3%A3o_-sma48.pdf>. Acesso em 29 janeiro 2015.
http://botanica.sp.gov.br/files/2014/02/...
) presentes nas unidades de conservação (UC) do estado de São Paulo.
Table 1
Total number of vascular plant species and threatened species according to the official red list (SMA 2004SMA - Secretaria do Estado do Meio Ambiente de São Paulo. 2004. Lista oficial das espécies da flora do Estado de São Paulo ameaçadas de extinção. Resolução nº 48, de 22 de setembro de 2004. Disponível em <http://botanica.sp.gov.br/files/2014/02/resolu%C3%A7%C3%A3o_-sma48.pdf>. Acesso em 29 janeiro 2015.
http://botanica.sp.gov.br/files/2014/02/...
) occurring in the protected areas (UC) of São Paulo state, Brazil.

A busca inicial pelas coletas realizadas nessas UCs retornou aproximadamente 253.000 registros. Com a eliminação dos dados incorretos ou duvidosos em relação às localidades, dos registros de espécies não pertencentes ao grupo das plantas vasculares, e das espécies com identificação incompleta, restaram 61.443 registros distribuídos em 59 UCs, das quais 26 eram Parques Estaduais, 25 Estações Ecológicas, cinco Reservas Biológicas, duas RPPNS e um Parque Nacional. O Monumento Natural e o Refúgio de Vida Silvestre não apresentaram nenhum registro de coleta. Após a exclusão dos dados inconsistentes, das espécies exóticas, naturalizadas, subespontâneas ou com ocorrência registrada apenas fora do estado de São Paulo, e da verificação das sinonímias dos nomes científicos, restaram cerca de 19.000 registros de coleta, correspondendo a um total de 4846 espécies, 1219 gêneros e 204 famílias (Material suplementar).

Ocorrência desconhecida da espécie em unidades de conservação

Dentre as espécies da lista vermelha descritas com ocorrência desconhecida em UCs (448 espécies), encontramos 140 espécies (~31%) com registro de coleta dentro de UCs, sendo 10 em perigo crítico, 49 em perigo e 81 vulneráveis (Tab. 2). Com base em nossos resultados, 82 espécies não possuirão mais a combinação de critérios necessários para permanecerem na lista vermelha, 55 espécies deverão sofrer alteração de categoria e três espécies não serão alteradas. Com relação às mudanças de categoria, 45 espécies passarão de "em perigo" para "vulnerável", nove deverão passar de "em perigo crítico" para "em perigo" e uma espécie passará de "em perigo crítico" para "vulnerável" (Tab. 2).

Tabela 2
Espécies de plantas vasculares presentes na lista vermelha e que apresentam registro de ocorrência em unidades de conservação no estado de São Paulo (critério 4). Categorias de ameaça: CR – Em perigo crítico; EN – Em perigo; VU – Vulnerável. A “Categoria anterior” corresponde àquela descrita originalmente na lista vermelha. Quando não mencionada a nova categoria, a espécie não atende mais aos critérios de suporte definidos na lista vermelha para se enquadrar em qualquer categoria de ameaça, devendo, assim, ser excluída da lista. A circunscrição taxonômica das espécies e famílias não foi atualizada, sendo mantida como originalmente apresentada na lista vermelha.
Table 2
Vascular plant species occurring on the red list and having records in protected areas in São Paulo State (criteria #4). Categories of threat: CR - Critically endangered; EN - Endangered; VU – Vulnerable. The “Categoria anterior” (previous category) corresponds to that originally mentioned on the red list. When the “Nova categoria” (new category) is not mentioned, this implies that the species no longer belongs to any category according to the set of criteria required to be considered threatened, and hence, should be excluded from the red list. Taxonomic circumscription of the species and families was not updated, being as originally presented in the red list

Distribuição exclusiva da espécie em unidades de conservação

Dentre as espécies relacionadas na lista vermelha com ocorrência exclusiva em UCs (183 espécies), registramos 156 espécies (~85%) que ocorreram em áreas não protegidas (Tab. 3). Nove dessas espécies estavam classificadas como "em perigo" (EN) e 147 como "vulnerável" (VU). Após a revisão do conjunto de critérios, 66 espécies deverão ser excluídas da lista vermelha por não atenderem mais à combinação de critérios e categorias e 38 permanecem na lista. Destas, 36 deverão se manter na mesma categoria, (cinco "em perigo" e 31 "vulnerável") e duas deverão passar de "em perigo" para "vulnerável".

Tabela 3
Espécies de plantas vasculares presentes na lista vermelha e que apresentam registro de ocorrência fora de unidades de conservação no estado de São Paulo (critério 5). Categorias de ameaça: CR - em perigo crítico; EN - em perigo; VU - vulnerável; NA - não avaliada (não foi possível avaliar, neste estudo, a necessidade de alteração de categoria por não haver dados suficientes); SR - sem registros para o estado de São Paulo. A “Categoria anterior” corresponde àquela descrita originalmente na lista vermelha. Quando não mencionada a nova categoria, a espécie não atende mais aos critérios de suporte definidos na lista vermelha para se enquadrar em qualquer categoria de ameaça, devendo, assim, ser excluída da lista. A circunscrição taxonômica das espécies e famílias não foi atualizada, sendo mantida como originalmente apresentada na lista vermelha.
Table 3
Vascular plant species occurring on the red list and having records outside protected areas in São Paulo State (criteria #5). Categories of threat: CR - critically endangered; EN - endangered; VU - vulnerable; NA - not assessed (it was not possible to assess the need of a category change in the present study, since there are insufficient data for these species); SR - there are no records of the species in São Paulo State. The “Categoria anterior” (previous category) corresponds to that originally mentioned on the red list. When the “Nova categoria” (new category) is not mentioned, this implies that the species no longer belongs to any category according to the set of criteria required to be considered threatened, and hence, should be excluded from the red list. Taxonomic circumscription of the species and families was not updated, being as originally presented in the red list.

Para 45 das 183 espécies não havia informações seguras sobre o local da coleta e, portanto, não foi possível confirmar sua permanência na lista ou indicar a necessidade alteração de categoria. A principal dificuldade na análise desses registros foi a imprecisão da descrição da localidade. Em muitos casos, a informação fazia referência apenas ao município, sem mencionar o local específico (se em UC ou área particular) ou o ambiente (mata nativa, área urbana etc.). Muitos registros não possuíam coordenadas geográficas, o que impediu a verificação do local de coleta. Além dessas espécies, outras sete não apresentaram nenhum registro no estado de São Paulo segundo o Herbário Virtual da Flora e dos Fungos (INCT 2014INCT - Herbário Virtual da Flora e dos Fungos. 2014. Disponível em <http://inct.splink.org.br>. Acesso contínuo desde fevereiro 2014.
http://inct.splink.org.br...
).

Discussão

Considerando que analisamos apenas dois dos onze critérios estabelecidos na elaboração da lista vermelha, o número de espécies que sofreriam algum tipo de alteração em uma eventual revisão (~32%) pode ser considerado expressivo. Cerca de 150 espécies deverão ser excluídas da lista e outras 57 passarão por alguma alteração na categoria de ameaça. Essas mudanças têm implicações diretas sobre as políticas públicas voltadas à conservação, como, por exemplo, a realização de alterações na legislação ambiental, a indicação de locais para a criação de novas UCs, e a definição de áreas prioritárias para conservação e para pesquisa. Essas mudanças influenciam também outras ações práticas, como a elaboração dos planos de manejo e o uso de espécies em projetos de restauração. Além disso, as atividades de manejo e licenciamento ambiental também são afetadas, uma vez que muitas das autorizações de supressão da vegetação e a proposição de compensação dos danos são norteadas, entre outras coisas, pela existência de espécies ameaçadas nos remanescentes naturais.

O resultado do levantamento das espécies presentes nas UCs reforça o valor dessas áreas protegidas para a conservação da biodiversidade. Considerando que a flora paulista contém 7878 espécies de plantas vasculares (Prado & Hirai 2011Prado, J. & Hirai, R.Y. 2011. Checklist das licófitas e samambaias do estado de São Paulo, Brasil. Biota Neotropica. Disponível em <http://www.biotaneotropica.org.br/v10n4a/pt/abstract?inventory+bn0121101a2011>. Acesso em 17 maio 2015.
http://www.biotaneotropica.org.br/v10n4a...
; Wanderley et al. 2011Wanderley, M.G.L.; Shepherd, G.J.; Martins, S.E.; Duque Estrada, T.E.M.; Romanini, R.P.; Koch, I.; Pirani, J.R.; Melhem, T.S.; Harley, A.M.G.; Kinoshita, L.S.; Magenta, M.A.G.; Wagner, H.M.L.; Barros, F.; Lohmann, L.G.; Amaral, M.C.E.; Bianchini, R.S. & Aragaki, S. 2011. Checklist das Spermatophyta do estado de São Paulo, Brasil. Biota Neotropica 11. Disponível em <http://www.biotaneotropica.org.br/v11n1a/pt/abstract?inventory+bn0131101a2011>. Acesso em 17 maio 2015.
http://www.biotaneotropica.org.br/v11n1a...
), podemos afirmar que 61% das espécies ocorrem em unidades de conservação de proteção integral. Apesar do número significativo, seria desejável, do ponto de vista da conservação, que todas as espécies conhecidas estivessem presentes nas UCs, uma vez que estas áreas são o último refúgio de preservação frente ao cenário de degradação ambiental dos dias atuais. Portanto, não se pode desconsiderar que ainda quase 40% das espécies ocorrem apenas fora de UCs de proteção integral, estando dispersas em propriedades particulares ou em unidades públicas que pertencem a categorias de proteção menos restritivas. Esse cenário nos permite afirmar que, embora o estado de São Paulo já tenha delimitado mais de 930 mil hectares para proteger a biodiversidade em unidades de proteção integral (Governo do estado de São Paulo 2013Governo do Estado de São Paulo. 2013. Plano de ação de São Paulo - Metas de Aichi 2020: implementação no Estado de São Paulo. Secretaria do Estado do Meio Ambiente de São Paulo, São Paulo. (versão resumida). 64p. Disponível em <http://portaldabiodiversidade.sp.gov.br/files/2014/02/Aichi_impressao_06_02_14_pdf_final.pdf>. Acesso em 20 maio 2015.
http://portaldabiodiversidade.sp.gov.br/...
), a área conservada é ainda insuficiente para proteger todas as espécies de plantas vasculares, evidenciando a necessidade da criação de novas áreas protegidas ou da ampliação das UCs de proteção integral já existentes. Além disso, é importante considerar que a ocorrência de apenas um indivíduo ou uma população de determinada espécie em uma UC pode não ser suficiente para assegurar sua conservação. Isto porque a manutenção das espécies depende tanto de características do habitat quanto de características populacionais, como densidade, interação com polinizadores e dispersores, sucesso reprodutivo, diversidade genética, entre outros (Wilcock & Neiland 2002Wilcock, C. & Neiland, R. 2002. Pollination failure in plants: why it happens and when it matters. Trends in Plant Science 7: 270-277.; Honnay & Jacquemyn 2007Honnay, O. & Jacqemyn, H. 2007. Susceptibility of common and rare plant species to the genetic consequences of habitat fragmentation. Conservation Biology 21: 823-831.; Ozinga et al. 2009Ozinga, W.A.; Romermann, C.; Bekker, R.M.; Prinzing, A.; Tamis, W.L.M.; Schamine, J.H.J.; Hennekens, S.M.; Thompson, K.; Poschlod, P.; Kleyer, M.; Bakker, J.P. & van Groenendae, J.M. 2009. Dispersal failure contributes to plant losses in NW Europe. Ecology Letters 12: 66-74.; Potts et al. 2010Potts, S.G.; Biesmeijer, J.C.; Kremen, C.; Neumann, P.; Schweiger, O. & Kunin, W.E. 2010. Global pollinator declines: trends, impacts and drivers. Trends in Ecology and Evolution 25: 345-353.). Por essa razão, é fundamental conhecer a autoecologia das espécies e avaliar a necessidade de traçar planos específicos, sobretudo para as espécies com maior grau de ameaça, de modo a garantir a eficácia das ações de conservação.

Para que a criação de novas UCs seja eficaz no sentido de ampliar o número de espécies protegidas, é recomendado aplicar o princípio da complementaridade na escolha das áreas que formarão a futura UC. Este princípio já vem sendo empregado na escala de paisagem (Metzger & Cassatti 2006Metzger, J.P. & Casatti, L. 2006. From diagnosis to conservation: the state of the art of biodiversity conservation in the BIOTA/FAPESP program. Biota Neotropica. Disponível em <http://www.biotaneotropica.org.br/v6n2/pt/abstract?pointof-view+bn00106022006>. Acesso em 7 maio 2015.
http://www.biotaneotropica.org.br/v6n2/p...
; Metzger et al. 2008Metzger, J.P.; Ribeiro, M.C.; Ciocheti, G. & Tambosi, L. 2008. Uso de índices de paisagem para a definição de ações. In: Rodrigues, R.R. & Bononi, V.L.R. Diretrizes para conservação e restauração da biodiversidade no Estado de São Paulo. Instituto de Botânica, São Paulo . Pp. 122-129.) e pode ser utilizado também para as espécies, buscando áreas que contemplem espécies ainda não presentes nas UCs já existentes. Para que isso seja possível, é fundamental que a riqueza de espécies dos remanescentes naturais seja amplamente conhecida e que esse conhecimento seja de fácil acesso. Por isso, a realização de levantamentos em áreas com lacunas de coleta é imprescindível (Giulietti et al. 2005Giulietti, A.M.; Harley, R.M.; Queiroz, L.P.; Wanderley, M.G.L. & van den Berg, C. 2005. Biodiversidade e conservação das plantas no Brasil. Megadiversidade 1: 52-61.), assim como o depósito dos materiais coletados em herbário e a alimentação constante do Herbário Virtual.

É importante destacar que o número de espécies presentes nas UCs apresentado em nosso estudo é certamente subestimado em decorrência de algumas características do método utilizado para o levantamento. Ao contrário do procedimento utilizado na elaboração da lista vermelha (Mamede et al. 2007Mamede, M.C.H.; Souza, V.C.; Prado, J.; Barros F.; Wanderley, M.G.L. & Rando, J.G. 2007. Livro vermelho das espécies vegetais ameaçadas de extinção no estado de São Paulo. Instituto de Botânica, São Paulo. 165p.), não incluímos estudos florísticos e fitossociológicos em nosso levantamento por considerar que os maiores herbários do país já estariam inseridos no Herbário Virtual. Com isso, o número de registros ainda não disponíveis on-line e não contemplados na busca seria mínimo na escala do estudo. Acreditamos também que a existência de material depositado nos herbários conferiria maior segurança e credibilidade ao levantamento, além de permitir a verificação direta do material coletado caso necessário, diferentemente dos levantamentos fitossociológicos, nos quais grande parte das identificações é feita com base em material vegetativo que não possui voucher. Por outro lado, as espécies sem coleta de material reprodutivo não foram contempladas em nossa pesquisa e estarão ausentes da lista aqui apresentada.

Problemas encontrados durante a busca e a filtragem dos registros também merecem ser mencionados, pois causaram grande perda na obtenção dos dados. Um dos principais aspectos se refere às informações fornecidas pelos coletores sobre o local de coleta. Foram inúmeros os registros que tiveram que ser descartados pela ausência ou imprecisão das informações. Para evitar esse problema, é fundamental que todos os detalhes sobre a coleta sejam incluídos nas etiquetas das exsicatas. Dados sobre os locais devem ser informados da maneira mais completa possível, contendo o nome (nome e tipo de propriedade, UC com especificação do núcleo e base quando for o caso etc.), município, estado, além de detalhes sobre o ambiente (trilha, tipo de vegetação, habitat etc.). Todos os nomes devem ser preferencialmente escritos por extenso e erros de digitação devem ser cuidadosamente verificados, de modo a permitir que os registros sejam encontrados nas buscas. Em nosso levantamento, observamos que os erros de digitação foram muito comuns não apenas na descrição da localidade e do município, mas também no nome da espécie. Neste caso, muitos dos registros tiveram que ser descartados por não ser possível assumir qual o nome correto da espécie ou verificar a sinonímia.

Notamos ainda algumas incongruências entre as informações que constam no banco de dados on-line e os dados reais da exsicata. Em alguns casos, embora as informações sobre a localidade estivessem presentes na ficha da exsicata, tais informações não constavam exatamente da mesma forma no Herbário Virtual, estando ausentes ou resumidas. Esta constatação foi feita por meio da consulta direta ao material em herbário ou com base nas imagens das exsicatas disponíveis on-line e indica a existência de alguma falha na transferência das informações dos herbários para o banco de dados do Herbário Virtual. Por isso, é importante que tanto os curadores dos herbários quanto os administradores da plataforma do banco de dados investiguem e eliminem essas divergências para que todas as informações constantes na exsicata estejam de fato disponíveis para consulta.

Outra característica do nosso estudo é o fato de não termos avaliado a confiabilidade da identificação, aceitando os registros independentemente do determinador da espécie. Entretanto, sabemos que há uma proporção significativa de erros de identificação nos materiais, sendo que grande parte é passível de correção somente por especialistas. Assim, os resultados aqui apresentados devem passar por uma análise minuciosa dos especialistas de cada grupo para que sejam usados com mais segurança na revisão da lista de espécies ameaçadas.

Nossos resultados reforçam a relevância das coletas botânicas para a produção de conhecimento e a necessidade da constante atualização das informações sobre os registros de ocorrência de espécies. Nesse contexto, é necessário direcionar esforços para pesquisas nas RPPNs, já que 95% delas não possuem coletas depositadas em herbários. Uma reflexão sobre a inclusão de outras categorias de UCs de uso sustentável no levantamento além das RPPNs também deve ser feita, uma vez que essas UCs, ainda que menos restritivas, podem contribuir para a conservação das espécies dependendo do zoneamento e usos definidos no plano de manejo. Além disso, fica evidente a importância dos bancos de dados on-line, como os herbários virtuais, para a realização de levantamentos extensos com maior eficiência e menor tempo. A manutenção de outras plataformas on-line, como a Flora do Brasil, também é essencial para a verificação e padronização da classificação taxonômica, permitindo que a sistematização de dados seja cada vez mais robusta. A colaboração dos especialistas e da comunidade científica para manter as bases de dados sempre atualizadas e legítimas é extremamente necessária (Forzza et al. 2012Forzza, R.C.; Baumgratz, J.F.A.; Bicudo, C.E.M.; Canhos, D.A.L.; Carvalho Jr., A.A.; Coelho, M.A.N.; Costa, A.F.; Costa, D.P.; Hopkins, M.G.; Leitman, P.M.; Lohmann, L.G.; Lughadha, E.N.; Maia, L.C.; Martinelli, G.; Menezes, M.; Morim, M.P.; Peixoto, A.L.; Pirani, J.R.; Prado, J.; Queiroz, L.P.; Souza, S.; Souza, V.C.; Stehmann, J.R.; Sylvestre, L.S.; Walter, B.M.T. & Zappi, D.C. 2012. New brazilian floristic list highlights conservation challenges. BioScience 62: 39-45.) e deve ser incentivada, assim como a criação de linhas de financiamento específicas para ampliar o conhecimento da biodiversidade não apenas no estado de São Paulo, mas em todo o país.

Agradecimentos

Agradecemos ao CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e à FUNDAP (Fundação do Desenvolvimento Administrativo), as bolsas concedidas.

Referências

  • APG II (Angiosperm Phylogeny Group II). 2003. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG II. Botanical Journal of the Linnean Society 141: 309-436.
  • APG III (Angiosperm Phylogeny Group III). 2009. An update of the Angiosperm Phylogeny Group Classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society 161: 105-121.
  • Baillie, J.E.M.; Hilton-Taylor, C. & Stuart, S.N. 2004. 2004 IUCN red list of threatened species. A Global Species Assessment. IUCN, Gland, Switzerland and Cambridge. 215p.
  • BFG. 2015. Growing knowledge: an overview of Seed Plant diversity in Brazil. Rodriguésia 66: 1085-1113.
  • Biodiversitas. 2007. Revisão da lista da flora ameaçada de extinção de Minas Gerais. Disponível em <http://www.biodiversitas.org.br/listas-mg/default.asp>. Acesso em 1 julho 2015.
    » http://www.biodiversitas.org.br/listas-mg/default.asp
  • Brasil. 2000. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm>. Acesso em 15 março 2010.
    » http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm
  • Forzza, R.C.; Baumgratz, J.F.A.; Bicudo, C.E.M.; Canhos, D.A.L.; Carvalho Jr., A.A.; Coelho, M.A.N.; Costa, A.F.; Costa, D.P.; Hopkins, M.G.; Leitman, P.M.; Lohmann, L.G.; Lughadha, E.N.; Maia, L.C.; Martinelli, G.; Menezes, M.; Morim, M.P.; Peixoto, A.L.; Pirani, J.R.; Prado, J.; Queiroz, L.P.; Souza, S.; Souza, V.C.; Stehmann, J.R.; Sylvestre, L.S.; Walter, B.M.T. & Zappi, D.C. 2012. New brazilian floristic list highlights conservation challenges. BioScience 62: 39-45.
  • Fundação Florestal. 2013. Anuário das reservas particulares do patrimônio natural instituídas pela Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo. Disponível em <http://www.ambiente.sp.gov.br/wp-content/uploads/2013/06/rppn-2013.pdf>. Acesso em 5 abril 2014.
    » http://www.ambiente.sp.gov.br/wp-content/uploads/2013/06/rppn-2013.pdf
  • Fundação Florestal. 2014. UCs. Disponível em <http://fflorestal.sp.gov.br>. Acesso em 20 janeiro 2014.
    » http://fflorestal.sp.gov.br
  • Giam, X.; Bradshaw, C.J.A.; Tan, H.Y.W. & Sodhi, N.S. 2010. Future habitat loss and the conservation of plant biodiversity. Biological Conservation 143: 1594-1602.
  • Giulietti, A.M.; Harley, R.M.; Queiroz, L.P.; Wanderley, M.G.L. & van den Berg, C. 2005. Biodiversidade e conservação das plantas no Brasil. Megadiversidade 1: 52-61.
  • Governo do Estado de São Paulo. 2013. Plano de ação de São Paulo - Metas de Aichi 2020: implementação no Estado de São Paulo. Secretaria do Estado do Meio Ambiente de São Paulo, São Paulo. (versão resumida). 64p. Disponível em <http://portaldabiodiversidade.sp.gov.br/files/2014/02/Aichi_impressao_06_02_14_pdf_final.pdf>. Acesso em 20 maio 2015.
    » http://portaldabiodiversidade.sp.gov.br/files/2014/02/Aichi_impressao_06_02_14_pdf_final.pdf
  • Honnay, O. & Jacqemyn, H. 2007. Susceptibility of common and rare plant species to the genetic consequences of habitat fragmentation. Conservation Biology 21: 823-831.
  • INCT - Herbário Virtual da Flora e dos Fungos. 2014. Disponível em <http://inct.splink.org.br>. Acesso contínuo desde fevereiro 2014.
    » http://inct.splink.org.br
  • Instituto Florestal. 2014. Áreas protegidas. Disponível em <http://iflorestal.sp.gov.br/areas-protegidas>. Acesso em 15 janeiro 2014.
    » http://iflorestal.sp.gov.br/areas-protegidas
  • IUCN (International Union for Conservation of Nature) Standards and petitions subcommittee. 2014. Guidelines for using the IUCN red list categories and criteria. Version 11. Disponível em <http://www.iucnredlist.org/documents/RedListGuidelines.pdf>. Acesso em 18 março 2015.
    » http://www.iucnredlist.org/documents/RedListGuidelines.pdf
  • Mamede, M.C.H.; Souza, V.C.; Prado, J.; Barros F.; Wanderley, M.G.L. & Rando, J.G. 2007. Livro vermelho das espécies vegetais ameaçadas de extinção no estado de São Paulo. Instituto de Botânica, São Paulo. 165p.
  • Martins, E.M.; Loyola, R.; Messina, T.; Avancini, R. & Martinelli, G. 2015. Tree red listing in Brazil: lessons and perspectives. Botanic Gardens Conservation International Journal 12: 8-11.
  • Metzger, J.P. & Casatti, L. 2006. From diagnosis to conservation: the state of the art of biodiversity conservation in the BIOTA/FAPESP program. Biota Neotropica. Disponível em <http://www.biotaneotropica.org.br/v6n2/pt/abstract?pointof-view+bn00106022006>. Acesso em 7 maio 2015.
    » http://www.biotaneotropica.org.br/v6n2/pt/abstract?pointof-view+bn00106022006
  • Metzger, J.P.; Ribeiro, M.C.; Ciocheti, G. & Tambosi, L. 2008. Uso de índices de paisagem para a definição de ações. In: Rodrigues, R.R. & Bononi, V.L.R. Diretrizes para conservação e restauração da biodiversidade no Estado de São Paulo. Instituto de Botânica, São Paulo . Pp. 122-129.
  • MMA - Ministério do Meio Ambiente. 2014. Portaria MMA no 443, de 17 de dezembro de 2014. Lista nacional oficial de espécies da flora ameaçadas de extinção. Disponível em <http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/static/pdf/portaria_mma_443_2014.pdf>. Acesso em 20 dezembro 2014.
    » http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/static/pdf/portaria_mma_443_2014.pdf
  • Norris, K. 2012. Biodiversity in the context of ecosystem services: the applied need for systems approaches. Philosophical transactions of the royal society. Biological Sciences 367: 191-199.
  • Ozinga, W.A.; Romermann, C.; Bekker, R.M.; Prinzing, A.; Tamis, W.L.M.; Schamine, J.H.J.; Hennekens, S.M.; Thompson, K.; Poschlod, P.; Kleyer, M.; Bakker, J.P. & van Groenendae, J.M. 2009. Dispersal failure contributes to plant losses in NW Europe. Ecology Letters 12: 66-74.
  • Potts, S.G.; Biesmeijer, J.C.; Kremen, C.; Neumann, P.; Schweiger, O. & Kunin, W.E. 2010. Global pollinator declines: trends, impacts and drivers. Trends in Ecology and Evolution 25: 345-353.
  • Prado, J. & Hirai, R.Y. 2011. Checklist das licófitas e samambaias do estado de São Paulo, Brasil. Biota Neotropica. Disponível em <http://www.biotaneotropica.org.br/v10n4a/pt/abstract?inventory+bn0121101a2011>. Acesso em 17 maio 2015.
    » http://www.biotaneotropica.org.br/v10n4a/pt/abstract?inventory+bn0121101a2011
  • Prado, J.; Sylvestre, L.S.; Labiak, P.H.; Windisch, P.G.; Salino, A.; Barros, I.C.L.; Hirai, R.Y.; Almeida, T.E.; Santiago, A.C.P.; Kieling-Rubio, M.A.; Pereira, A.F.N.; Øllgaard, B.; Ramos, C.G.V.; Mickel, J.T.; Dittrich, V.A.O.; Mynssen, C.M.; Schwartsburd, P.B.; Condack, J.P.S.; Pereira, J.B.S.& Matos, F.B. 2015. Diversity of ferns and lycophytes in Brazil. Rodriguésia 66: 1073-1083.
  • Rivers, M.C.; Bachman, S.P.; Meagher, T.R.; Lughadha, E.N. & Brummitt, N.A. 2010. Subpopulations, locations and fragmentation: applying IUCN red list criteria to herbarium specimen data. Biodiversity Conservation 19: 2071-2085.
  • Rodrigues, A.S.L.; Pilgrim, J.D.; Lamoreux, J.F.; Hoffmann, M. & Brooks, T.M. 2006. The value of the IUCN red list for conservation. Trends in Ecology and Evolution 21: 71-76.
  • SEMA - Secretaria do Estado do Meio Ambiente do Rio Grande do Sul. 2014. Decreto nº 52.109, de 1º de dezembro de 2014. Declara as espécies da flora nativa ameaçadas de extinção no Estado do Rio Grande do Sul. Disponível em <http://www.sema.rs.gov.br/conteudo.asp?cod_menu=4&cod_conteudo=8991>. Acesso em 1 julho 2015.
    » http://www.sema.rs.gov.br/conteudo.asp?cod_menu=4&cod_conteudo=8991
  • SMA - Secretaria do Estado do Meio Ambiente de São Paulo. 2004. Lista oficial das espécies da flora do Estado de São Paulo ameaçadas de extinção. Resolução nº 48, de 22 de setembro de 2004. Disponível em <http://botanica.sp.gov.br/files/2014/02/resolu%C3%A7%C3%A3o_-sma48.pdf>. Acesso em 29 janeiro 2015.
    » http://botanica.sp.gov.br/files/2014/02/resolu%C3%A7%C3%A3o_-sma48.pdf
  • Souza, V.C.; Mamede, M.C.H.; Cordeiro, I; Prado, J.; Barros, F.; Wanderley, M.G.L.; Kageyama, P.Y.; Ceccantini, G. & Rando, J.G. 2007. Critérios utilizados na elaboração da lista oficial de espécies da flora ameaçadas de extinção no Estado de São Paulo. In: Mamede, M.C.H.; Souza, V.C.; Prado, J.; Barros F.; Wanderley, M.G.L. & Rando, J.G. Livro vermelho das espécies vegetais ameaçadas de extinção no estado de São Paulo. Instituto de Botânica, São Paulo . Pp.15-20.
  • Syfert, M.M.; Joppa, L.; Smith, M.J.; Coomes, D.A.; Bachman, S.P. & Brummitt, N.A. 2014. Using species distribution models to inform IUCN red list assessments. Biological Conservation 177: 174-184.
  • Wanderley, M.G.L.; Shepherd, G.J.; Martins, S.E.; Duque Estrada, T.E.M.; Romanini, R.P.; Koch, I.; Pirani, J.R.; Melhem, T.S.; Harley, A.M.G.; Kinoshita, L.S.; Magenta, M.A.G.; Wagner, H.M.L.; Barros, F.; Lohmann, L.G.; Amaral, M.C.E.; Bianchini, R.S. & Aragaki, S. 2011. Checklist das Spermatophyta do estado de São Paulo, Brasil. Biota Neotropica 11. Disponível em <http://www.biotaneotropica.org.br/v11n1a/pt/abstract?inventory+bn0131101a2011>. Acesso em 17 maio 2015.
    » http://www.biotaneotropica.org.br/v11n1a/pt/abstract?inventory+bn0131101a2011
  • Wilcock, C. & Neiland, R. 2002. Pollination failure in plants: why it happens and when it matters. Trends in Plant Science 7: 270-277.
  • Xavier, A.F.; Bolzani, B.M. & Jordão, S. 2008. Unidades de conservação da natureza no estado de São Paulo. In: Rodrigues, R.R. & Bononi, V.L.R. Diretrizes para conservação e restauração da biodiversidade no Estado de São Paulo. Instituto de Botânica, São Paulo . Pp. 23-42.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Apr-Jun 2016

Histórico

  • Recebido
    07 Out 2015
  • Aceito
    02 Abr 2016
Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Rua Pacheco Leão, 915 - Jardim Botânico, 22460-030 Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Tel.: (55 21)3204-2148, Fax: (55 21) 3204-2071 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: rodriguesia@jbrj.gov.br